Pesquisa avançada

Foto do(a) Rafael Victorio Carvalho Guido

Fonte: Currículo Lattes

Rafael Victorio Carvalho Guido

CV Lattes GoogleMyCitations ResearcherID


Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Física de São Carlos (IFSC)  (Instituição-sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil

Rafael V. C. Guido é docente (Professor Doutor 2) do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da Universidade de São Paulo (USP). Possui graduação em Farmácia-Bioquímica pela Universidade Estadual Paulista. Recebeu o título de doutor em Física Biomolecular (2008), pelo Instituto de Física de São Carlos com estágio sanduíche na Universidade de Marburg ? Alemanha. Possui dois anos de experiência no pós-doutorado em Química Medicinal e Biologia Estrutural pela Universidade de São Paulo. É especialista na integração de métodos computacionais e experimentais. Sua pesquisa está focada na elucidação estrutural de alvos moleculares e na aplicação desse conhecimento para a descoberta e desenvolvimento de novos fármacos e agroquímicos. É bolsista de produtividade do CNPq (Nível 2) e pesquisador associado do Centro de Pesquisa e Inovação em Biodiversidade e Fármacos (CIBFar/CEPID/FAPESP). Publicou 51 artigos científicos e 6 capítulos de livros. Atualmente, é Diretor da Divisão de Química Medicinal e Química Biológica da Sociedade Brasileira de Química (SBQ) (gestão 2016-2018) e Membro Afiliado da The World Academy of Sciences (TWAS) 2015-2020. (Fonte: Currículo Lattes)

Auxílios à pesquisa
Bolsas no país
Bolsas no exterior

Apoio FAPESP em números*

*Quantidades atualizadas em 20/05/2017

Colaboradores mais frequentes em auxílios e bolsas FAPESP

Contate o Pesquisador

Seu nome:

Sua mensagem:
CAPTCHA:

Palavras-chave utilizadas pelo pesquisador

Videos relacionados aos auxílios à pesquisa e bolsas

SP Pesquisa - A medicina na floresta - 1º Bloco

Publicado em 15 de agosto de 2015 - SP Pesquisa - A medicina na floresta - 1º Bloco. O potencial medicinal da biodiversidade brasileira é incalculável e pode ter o caminho para o tratamento de inúmeras doenças. O desafio de realizar esse potencial e de transformar essa matéria-prima encontrada na natureza em fármacos é enfrentado pelo Centro de Pesquisa e Inovação em Biodiversidade e Fármacos (CIBFar), CEPID criado em 2013 e financiado pela FAPESP. Coordenado por Glaucius Oliva, ex-presidente do CNPq, e instalado no Instituto de Física de São Carlos da USP, o centro dá atenção especial à busca por tratamentos contra as chamadas doenças negligenciadas (assim chamadas porque normalmente atingem as populações mais pobres do planeta e, por isso, não atraem o interesse das companhias farmacêuticas), como leishmaniose, doença de Chagas e malária.

Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: