site da FAPESP
URL curto
Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). Instituto Butantan (Instituição sede da última proposta de pesquisa)
País de origem: Brasil
*Quantidades atualizadas em 20/09/2014
Possui graduação em Ciências Biológicas Modalidade Médica pela Universidade de São Paulo (1978), Mestrado em Farmacologia pela Universidade de São Paulo (1982) e Dutorado em Farmacologia pela Universidade de São Paulo (1986). Atualmente é pesquisador científico VI do Instituto Butantan e Diretora Técnica da Divisão de Desenvolvimento Científico. Tem experiência na área de Farmacologia, com ênfase em Toxinologia, atuando principalmente nos seguintes temas: venenos/toxinas animais, dor/analgesia, inflamação. Os estudos desenvolvidos pela pesquisadora visam caracterizar os mecanismos envolvidos nas ações algogênicas ou analgésicas, inflamatórias ou anti-inflamatórias de venenos/toxinas animais, buscando melhor compreender as características observadas no envenenamento humano, além da utilização destas toxinas como ferramentas para a compreensão da dor e inflamação e para o desenvolvimento de novos fármacos analgésicos ou anti-inflamatórios. (Fonte: Currículo Lattes)

Auxílios à pesquisa em andamento (mais recentes)

Ver todos os Auxílios à pesquisa em andamento

Auxílios à pesquisa concluídos (mais recentes)

Ver todos os Auxílios à pesquisa concluídos

Bolsa no país em andamento (mais recentes)

  • Caracterização do efeito do BDS 391, um composto analgésico, sobre receptores 5-HT3 e canais iônicos, BP.DR

    Caracterização do efeito do BDS 391, um compos...

    As anêmonas do mar utilizam rico complexo protéico para capturar suas presas e se defender de predadores. A peçonha destes animais contem neurotoxinas (3-5 kDa), com ação em canais iônicos específicos, e hemolisinas (18-20 kDa), que atuam formando poros em membranas. Além destas toxinas, tem sido também detectadas, no veneno destes animais, compostos não peptídicos, de baixo peso molec...

Bolsas no país concluídas (mais recentes)

  • Efeito analgésico do BDS 391 no modelo de hiperalgesia térmica induzida por capsaicina, BP.IC

    Efeito analgésico do BDS 391 no modelo de hipe...

    As anêmonas do mar utilizam rico complexo protéico para capturar suas presas e se defender de predadores. A peçonha destes animais contem neurotoxinas (3-5 kDa), com ação em canais iônicos específicos, e hemolisinas (18-20 kDa), que atuam formando poros em membranas. No entanto, pouco se conhece sobre a atividade biológica de substâncias de baixo peso molecular isoladas da peçonha dest...

  • Papel da aldeído desidrogenase 2 e do 4-hidroxinonenal na dor, BP.PD

    Papel da aldeído desidrogenase 2 e do 4-hidrox...

    A aldeído desidrogenase-2 (ALDH-2) é uma enzima mitocondrial responsável pela eliminação de aldeídos tóxicos da célula, incluindo a destoxificação do 4-hidroxinonenal (4-HNE). O 4-HNE é um aldeído formado da oxidação de lipídeos insaturados presentes na membrana mitocondrial. Recentemente, foi observado que o 4-HNE está envolvido em fenômenos nociceptivos, uma vez que este aldeído form...

  • Crotalfina: análogos fluorescentes e estudo de seu mecanismo de ação em culturas e co-culturas de neurônios e queratinócitos, BP.PD

    Crotalfina: análogos fluorescentes e estudo de...

    A crotalfina é um peptídeo de 14 aminoácidos,inicialmente isolado do veneno da serpente C. d. terrificus, que apresenta atividade antinociceptiva de longa duração (3-5 dias) quando administrada p.o., por via i.v. ou s.c. O efeito antinociceptivo é mediado pela ativação de receptores opióides periféricos do tipo kappa (modelos de dor aguda), ou kappa e delta (dor crônica). Resultados pr...

Ver todas as Bolsas no país concluídas
Por favor, reporte erros na informação da página do pesquisador escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema: