site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas voltados a Temas Específicos
Programas de Pesquisa direcionados a Aplicações
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
508 resultado(s)
|

Mecanismos e interações moleculares de moléculas bioativas com a protease NS3 do Zika vírus

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Raghuvir Krishnaswamy Arni
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:16/12904-0
Vigência: 01 de janeiro de 2017 - 31 de dezembro de 2018
Assunto(s):Vírus ZikaBiologia estruturalRessonância magnética nuclearMoléculas bioativasCristalografia
Resumo
Desde 1981, a população brasileira vem apresentando epidemias de dengue, e todos os esforços de controle têm falhado. Em 2014, a febre chikungunya foi relatada pela primeira vez no país. O vírus Zika também foi relatado pela primeira vez em 2015, juntamente com um aumento do diagnóstico de microcefalia e danos cerebrais em recém-nascidos. A literatura mostra que flavivirus causam uma variedade de doenças, incluindo febre, encefalite e febres hemorrágicas. Entre as proteínas do vírus, a NS3 é uma proteína não-estrutural, apresenta um comportamento multifuncional com um domínio protease N-terminal (NS3pro), que é responsável pelo processamento proteolítico da poliproteína viral. Portanto, a proteína NS3 é a opção preferencial para inibição, ou seja, para interromper o processamento proteolítico. Os múltiplos papéis desempenhados pelas proteínas NS2B-NS3 no ciclo de vida do vírus, torna um alvo atraente para a descoberta de droga antivirais. A região N-terminal da NS3 e o seu co-fator NS2B constituem a protease que cliva a poliproteina viral. Nenhuma terapia antiviral eficaz, se encontra atualmente disponível para o tratamento de infecções por flavivírus. É urgentemente necessário o desenvolvimento de um tratamento antiviral contra estes vírus. Animais venenos contêm uma enorme variedade de moléculas que afetam os sistemas fisiológicos vitais, e essas toxinas podem ser uma terapêutica que salvam vidas. Desde a aprovação do captopril - o primeiro medicamento à base de proteína de veneno de cobra - mais de 30 anos atrás, os toxinas de venenos animais tornaram-se uma farmacopeia natural valiosa de moléculas bioativas, que fornecem compostos condutores para o desenvolvimento de novas drogas. Uma série de novas drogas está constantemente surgindo a partir deste pipeline. (AU)

A rede FAPESP-Keele fase 2: geração de linhagens mutantes do mosquito Aedes Aegypti por CRISPR-Cas9

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biotecnologia (IBTEC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Jayme Augusto de Souza-Neto
Anfitrião: Julien Pelletier
Local de pesquisa: Keele University (Inglaterra)
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Processo:15/26199-3
Vigência: 17 de setembro de 2016 - 30 de janeiro de 2017
Vinculado ao auxílio:13/11343-6 - Caracterização dos mecanismos de ação anti-dengue mediados pela microbiota intestinal de populações naturais do mosquito Aedes aegypti, AP.JP
Assunto(s):DengueCRISPR-Cas9Imunidade naturalGenética reversaMutagêneseAedes aegypti
Resumo
Para lidar com o risco de infecção provocado pela exposição a vários micróbios, os insetos desenvolveram um sistema imune com uma variedade de mecanismos de defesa que trabalham em sinergia. Recentes estudos não publicados desenvolvidos em nosso laboratório, no âmbito da rede de cooperação FAPESP-Keele, utilizando populações naturais de Aedes aegypti com níveis distintos de susceptibilidade ao DENV4, revelou que estas populações apresentam diferentes respostas transcricionais quando infectadas com o vírus. A fim de realizar testes funcionais com certos genes-alvo, a presente proposta destina-se a usar a ferramenta de edição de genoma CRISPR-Cas9 para a identificação de fatores de restrição ao vírus da dengue em Ae. aegypti. Para tal, várias linhagens mutantes de Ae. aegypti serão geradas na plataforma de transformação de insetos vetores do Centre of Applied Entomology and Parasitology (CAEP), Keele University, em colaboração com o Dr. Julien Pelletier. As linhas geradas serão trazidas ao IBTEC-UNESP, onde o teste de infecção com DENV será conduzido. (AU)

Investigação da produção de carreadores biodegradáveis para veicular larvicidas naturais contra Aedes Aegypti

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Silvia Prata
Pesquisadores associados: Jose Roberto Trigo; Johan Bernard Ubbink; Julian Martínez; Maria Teresa Pedrosa Silva Clerici; Rodney Alexandre Ferreira Rodrigues;
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Epidemiologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:16/09824-4
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):Vírus ZikaAedes aegyptiAmidoMicroencapsulaçãoTecnologia
Resumo
Muitos pesticidas e repelentes sintéticos comercialmente disponíveis e considerados pela população como o único meio efetivo para o controle de insetos, são normalmente tóxicos, não específicos e poluentes, causando danos à saúde de humanos e ao ecossistema. O alastramento da dengue em todo o país também é conseqüência da não seletividade dos inseticidas químicos e da resistência apresentada pelo vetor Aedes aegypti a esses inseticidas. Existem muitos compostos orgânicos bioativos produzidos por plantas, potenciais para o controle de mosquitos, mas que se apresentam ineficientes quando aplicados livremente devido à volatilização ou lixiviação de moléculas ativas, o que acarreta reduzida duração do efeito inseticida/larvicida. Apesar da preocupação pública generalizada com efeitos ambientais e na saúde pelo uso de pesticidas sintéticos, os pesticidas naturais precisam emplacar como alternativas comercialmente viáveis de produtos de risco reduzido. Para contornar o problema de instabilidade dos produtos naturais, técnicas de microencapsulação tem sido utilizadas em diferentes áreas. A microencapsulação protege materiais sensíveis que podem sofrer degradação, permite a aplicação em doses definidas sem que haja o contato direto com o composto ativo e pode promover a liberação gradual e controlada do componente ativo. O objetivo deste projeto é produzir carreadores biodegradáveis para liberação controlada de larvicidas naturais em ambiente doméstico. A técnica priorizada visa a posterior produção industrial destes carreadores, para permitir que produtos naturais sejam transformados em alternativas viáveis, utilizando materiais de baixo custo e sem risco de toxicidade ao consumidor e ao ambiente. Vê-se no desenvolvimento destes carreadores, uma medida auxiliar no controle do crescimento de larvas de Aedes aegypti, vetor da dengue, chickungunha e vírus Zika. (AU)

Genes de resposta imune inata e adaptativa na infecção por vírus Zika

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP). Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (São Paulo - Estado). São José do Rio Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luiz Carlos de Mattos
Pesquisadores associados: Cinara de Cássia Brandão de Mattos;
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:16/05115-9
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):Receptores toll-likeVirologiaVírus ZikaMicaMicrocefalia
Resumo
A crescente epidemia por vírus Zika no Brasil representa um dos mais importantes desafios da ciência brasileira contemporânea não somente pelos casos de microcefalia potencialmente associada a este vírus como também para a investigação de vários aspectos das respostas imunes (inata e adaptativa) dos indivíduos infectados, sintomáticos e assintomáticos. O objetivo geral deste projeto é testar a hipótese de que os genes de resposta imune inata (KIR, MICA e TLR) e adaptativa (HLA), estão associados à infecção por vírus Zika e à microcefalia potencialmente relacionada a este vírus. Seus objetivos específicos são: 1 - Selecionar dois grupos de pacientes com infecção por vírus Zika assim constituídos: Grupo 1 - gestantes com infecção por vírus Zika e sintomáticas; Grupo 2 - gestantes com infecção por vírus Zika e assintomáticas; 2. Confirmar a presença de infecção por vírus Zika por métodos moleculares, em ambos os grupos; 3. Identificar os genes HLA de classe I (HLA-A, HLA-B e HLA-C) e II (HLA-DRB1, HLA-DQB1), KIR e seus ligantes, MICA, TLR3 e TLR7 em ambos os grupos; 4. Verificar se estes genes estão associados à presença ou ausência de sintomas em ambos os grupos; 5. Verificar se um ou mais destes genes estão associados à microcefalia potencialmente relacionada à infecção por vírus Zika. Serão selecionadas gestantes de São José do Rio Preto e região atendidas pelo Hospital da Criança e Maternidade. Além de dados epidemiológicos, serão coletadas amostras de sangue e urina para investigação laboratorial da infecção por vírus Zika. A identificação de infecção por vírus Zika será realizada com o uso do método RT-PCR com primers que se anelam a regiões do gene da proteína não-estrutural 5 (NS5). O DNA genômico será utilizado para a genotipagem dos genes KIR, MICA e HLA pelo método PCR-SSOP. O polimorfismo funcional MICA-129 (A>G, rs1051792) será analisado pelo método PCR Nested e os polimorfismos TLR3 rs3775291 e TLR7 rs179008 serão analisados por discriminação alélica com o método qPCR. As frequências gênicas de KIR e dos alelos MICA-129 rs1051792, TLR3 (rs3775291) e TLR7 (rs179008) serão obtidos por contagem direta. Os alelos e haplótipos HLA de classe I e II serão analisados com o uso do programa Arlequin (versão 3.1). As comparações das frequências de genes KIR e seus ligantes HLA bem como do polimorfismo do gene MICA serão realizadas com o uso do teste qui-quadrado com correção de Yates ou Teste Exato de Fisher (p<0,05). Os resultados a serem alcançados permitirão conhecer se os genes HLA, KIR, MICA e TLR constituem fatores imunogenéticos que influenciam a resposta imune à infecção por vírus Zika. Será possível compreender a importância das variações imunogenéticas para a orientação de programas de esclarecimento, educação, prevenção, tratamento da infecção e das doenças causadas pelo vírus Zika, bem como desenvolvimento de vacinas e novas drogas terapêuticas. (AU)

Ocorrência natural de Edhazardia aedis e sua viabilidade para o controle biológico de Aedes Aegypti no Estado de São Paulo, Brasil

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Superintendência de Controle de Endemias (SUCEN). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos José Pereira da Cunha de Araújo Coutinho
Pesquisadores associados: Artur Trancoso Lopo de Queiróz; Isabel Maria Vicente Guedes de Carvalho Mello;
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:16/08990-8
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):Aedes aegyptiControle biológicoControle biológico de vetores
Resumo
Os mosquitos da espécie Aedes aegypti são importantes vetores de agentes etiológicos ao homem, já tendo sido associados a surtos de dengue, zika, febre amarela, e o vírus da encefalite de Saint Louis. As estratégias de controle têm sido realizadas, majoritariamente, através da aplicação de inseticidas químicos, que apresentam desvantagens, tais como: seleção de resistência nas populações de inseto alvo e alto custo de desenvolvimento de novas moléculas para uso em populações resistentes; não possuem especificidade, atuando então sobre organismos não alvo; e podem ser tóxicos para vertebrados. Dessa forma, há uma demanda crescente por alternativas aos inseticidas químicos. O controle biológico tem se mostrado de grande valia para o controle de invertebrados em saúde pública, uma vez que se caracteriza pelo uso de organismos patógenos altamente especializados aos insetos alvo. Além disso, por serem organismos vivos, ou produtos dos mesmos, apresentam uma taxa de seleção de resistência quase nula, e muito vantajosa se comparada à dos inseticidas químicos. O presente estudo tem como objetivo identificar, isolar e realizar a caracterização molecular de patógenos de Aedes aegypti com transmissão transovariana e com potencial para a utilização em atividades de controle e manejo integrado. Para tanto serão realizadas coletas quinzenais de ovos através de armadilhas de oviposição instaladas em vários pontos do estado de São Paulo. Esses ovos serão eclodidos e as larvas resultantes triadas em busca de sinais de infecção por Edhazardia aedis. A infecção será confirmada através de análise morfológica dos esporos, e molecular, pela amplificação de um fragmento da região 16s rDNA e conseguinte filogenia dos microsporídeos. Bioensaios de susceptibilidade e mortalidade serão realizados para os parasitas encontrados a fim de avaliar sua viabilidade para o controle de A. aegypti. (AU)

Estudos estruturais acerca do trocador de Na+/Ca2+ e de proteínas do vírus Zika por espectroscopia de ressonância magnética nuclear em solução

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Roberto Kopke Salinas
Pesquisadores associados: Simona Tomaselli;
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Molecular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:16/07490-1
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):Vírus ZikaRessonância magnética nuclear
Resumo
O objetivo deste projeto de pesquisa é dar continuidade a estudos estruturais e mecanísticos acerca do trocador de Na+/Ca2+ (NCX) utilizando para isso Ressonância Magnética Nuclear (RMN) em solução. O NCX é um dos principais mecanismos de extrusão de Ca2+ intracelular em células cardíacas. Além de transportar Na+ e Ca2+, o NCX também é regulado por estes íons. O NCX é uma proteína grande, com cerca de 950 amino ácidos que formam um grande domínio transmembranar, domínios citosólicos e regiões desordenadas. Este caráter multifacetado faz com que a caracterização estrutural do NCX seja uma tarefa difícil. Com base em estudos de RMN dos domínios solúveis do NCX de Drosophila melanogaster, CALX, propusemos um modelo para o mecanismo de regulação alosterica do NCX e do CALX (Abiko et al. (2016) Proteins. doi:10.1002/prot.25003). Esta proposta pretende dar continuidade a estes estudos, e iniciar a caracterização estrutural das porções transmembranares necessária para testar diferentes aspectos do modelo. Além disso, pretende-se estudar proteínas do vírus da Zika que desempenham papel essencial nos mecanismos de entrada e replicação do vírus nas células. As proteínas de interesse são a glicoproteína do envelope (E), a proteína NS1 que interage com o sistema imune, e NS2B-NS3pro, a protease do vírus. Se houver tempo, pretende-se utilizar técnicas de transferência de saturação (STD) para testar diferentes ligantes que possam funcionar como inibidores de entrada do vírus ou replicação. Espera-se que estes estudos contribuam para uma maior compreensão da biologia e patogenicidade deste vírus, e para o desenvolvimento de drogas antivirais de amplo espectro no futuro. (AU)

Morphometric wing characters as a tool for mosquito identification

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mauro Toledo Marrelli
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Entomologia e Malacologia de Parasitos e Vetores
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:16/17120-7
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 28 de fevereiro de 2017
Assunto(s):Entomologia médica
Resumo
Introdução. Os mosquitos são responsáveis pela transmissão de doenças infecciosas importantes, causando milhões de mortes todos os anos e colocando em risco cerca de 3 bilhões de pessoas ao redor do mundo. A identificação precisa das espécies de mosquito é crucial para a compreensão dos padrões epidemiológicos de transmissão da doença. Atualmente, o método mais comum de identificação do mosquito baseia-se em chaves taxonômicas, que nem sempre distingue espécies crípticas. Morfometria geométrica de asas é uma ferramenta promissora para a identificação de mosquitos vetores, incluindo espécies irmãs e espécies crípticas. Este estudo, portanto, buscou identificar com precisão espécies de mosquitos de três gêneros de mosquitos epidemiologicamente importantes usando morfometria de asa. Material e métodos. Doze espécies de mosquitos de três gêneros (Aedes, Anopheles e Culex) foram coletadas e identificadas por chaves taxonômicas. Em seguida, a asa direita de cada mosquito fêmea adulta foi removida e fotografada, e as coordenadas dos dezoito Marcos digitalizados das interseções das veias da asa foram coletadas. Foi avaliada a influência alométrica, e análises de variáveis canônicas e de chapa fina foram usadas para identificação de espécies. Testes de reclassificação cruzada foram realizadas para cada indivíduo, e uma árvore de distância foi construída para ilustrar os padrões de segregação de espécies. As análises foram realizadas e os gráficos de plotagem com 1.29 TpsUtil, 1.39 TpsRelw, MorphoJ 1,02 e Past 2,17c. Resultados. A análise canônica variada para os gêneros Aedes, Anopheles e Culex mostraram três clusters no morfo-espaço, corretamente, distinguindo os três gêneros de mosquitos e a reclassificação cruzada resultou em pelo menos 99% de exatidão; subgêneros também foram identificados corretamente com uma precisão média de 96%, e em 88 de 132 comparações possíveis, espécies foram identificadas com precisão de 100% depois que os dados foram submetidos a reclassificação. Discussão. Nossos resultados mostraram que Aedes, Culex e Anopheles são corretamente diferenciados pela forma da asa. Para os mais baixos níveis hierárquicos (subgêneros e espécies) a morfometria geométrica da asa também foi eficiente, resultando em altas taxas de reclassificação. (AU)

Caracterização proteômica de exossomas e seus miRNAs inflamatórios de trofoblastos extravilosos infectados in vitro por Zika vírus

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Notomi Sato
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:16/10522-2
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):TrofoblastoVírus ZikaImunidade natural
Resumo
A infecção causada pelo Zika vírus (ZKV) tornou-se um grande problema de saúde pública no Brasil desde 2014 e a associação da infecção na gestação por ZKV com a microcefalia tem sido muito discutida. Durante a gestação há um equilibrio entre os mecanismos de tolerância fetal, os mecanismos que regulam a inflamação sistêmica e no tecido placentário gerados na vigência da infecção viral, são essenciais para influenciar no comprometimento do desenvolimento fetal. Os trofoblastos da placenta liberam microvesículas, como os exossomas, que possuem importante função para a comunicação célula-célula e tolerogênica, incluindo citocinas, quimiocinas, proteínas de membrana, além de mRNA e microRNA (miRNA). Os miRNA são pequenos RNAs que atuam na regulação gênica ligando-se a mRNA e degradando-os, nas infecções virais os miRNA podem ser usados como biomarcadores e/ou atuam em vias de sinalização celular contribuindo ou desvaforecendo a resposta antiviral. Ainda não há relatos na infecção pelo ZKV se os exossomas são capazes de carregar particulas virais, miRNAs e proteínas que podem contribuir para a sua disseminação, principalmente através da barreira placentária. A proposta do Projeto será avaliar os exossomas derivados de trofoblastos placentários quanto ao perfil proteômico e de miRNA envolvidos na resposta inflamatória na infecção por ZKV. A investigação será realizada em células de linhagem de trofoblastos viloso e extra-viloso de 1º trimestre de gestação e trofoblastos primários de placentas a termo de mulheres saudáveis, para estabelecer a infecção in vitro por ZKV e obtenção dos exossomas. Será avaliado análise do perfil proteômico e dos antígenos virais dos exossomas derivados de placentas a termo, infectadas ou não por ZKV e com o vírus da Dengue do tipo 1. Também será realizada a análise dos exossomas na resposta pró-inflamatória e na indução de citocinas em células mononucleares do sangue periférico de mulheres adultas e de recém-natos. Além disto, o perfil de expressão de miRNA envolvidos na regulação da resposta inflamatória em exossomas será analisado por PCR array (84 genes). Estes parâmetros poderão favorecer a compreensão da presença de alterações imunológicas ou epigenéticas na infecção com ZKV em face aos mecanismos de tolerância na gestação. Além disto, os componentes que levam à inflamação seja placentário ou sistêmico, podem influenciar no desenvolvimento neurológico fetal na vigência de infecção por ZKV. (AU)

Conscientização e inflamação: a difusão de temas relacionados à inflamação e doenças inflamatórias

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rita de Cassia Aleixo Tostes Passaglia
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:16/16704-5
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2017
Vinculado ao auxílio:13/08216-2 - CPDI - Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias, AP.CEPID
Assunto(s):Divulgação científicaEducação em saúde
Resumo
As doenças inflamatórias constituem um grupo complexo e heterogêneo de doenças que afetam mais de 10% da população mundial. Neste contexto, o Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias (CRID, Processo 2013/08216-2) realiza investigação integrativa e translacional para identificar e validar novas rotas biológicas envolvidas na indução e na resolução da inflamação. As pesquisas envolvem triagem genética de alto desempenho e o resultado esperado é o desenvolvimento de estratégias terapêuticas inovadoras.Entende-se que a relevância desse projeto para a saúde pública acarreta na necessidade de serem criadas inúmeras estratégias de disseminação do conhecimento pesquisado pelo CRID. Esta atuação se dá por meio do Work Package 8 (WP8) que tem como um de seus focos informar e conscientizar o público leigo bem como estudantes do ensino fundamental e médio acerca de inflamação e doenças inflamatórias.É dentro dessa perspectiva que o CRID fez uma parceria com a ZOOM, representante da Lego Education no Brasil, para oferecer oficinas de robótica que trabalham também temas relacionados à inflamação. Esta oficinas foram inauguradas em setembro de 2014 com o objetivo de despertar em crianças e adolescentes o interesse por tecnologia por meio de um ambiente onde os alunos assistem a palestras sobre tecnologia, noções de programação, acesso a robôs e desafios robóticos, nos quais eles serão estimulados a cumprir determinadas tarefas. A grande maioria dos participantes provêm das escolas públicas municipais de Ribeirão Preto. O local utilizado para as oficinas é a sala da ZOOM que fica no SUPERA, um Parque de Inovação e Tecnologia de Ribeirão Preto que foi estruturado por meio de uma parceria entre a Universidade de São Paulo, Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto, Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo e a FIPASE, com o apoio da FINEP, do MCT e da FAPESP.Em 2015, ao ser estabelecida a parceria com o CRID, as oficinas passaram a abordar temas de inflamação e doenças inflamatórias em seus desafios. Em 2015, foram atendidas 23 instituições de ensino e 1111 alunos. No ano de 2016 trabalharemos com 3 temas: "queimadura solar", "dengue" e "alergia".Como forma de ampliar as atividades de difusão, o CRID também começou em 2016 o projeto "Difundindo Saúde". Este consiste em uma série de cursos sobre doenças inflamatórias oferecidos para o público leigo em geral.Em colaboração com o Prof. Helder Nakaya, também estamos desenvolvendo animações curtas sobre inflamação e doenças inflamatórias. No momento, desenvolvemos animação explicando o que é o CRID e seus objetivos. Estão programados para 2016, vídeos sobre Leishmaniose, doença de Chagas, artrite reumatoide e aterosclerose.Somam-se a estas atividades outras importantes atividades de difusão científica que o CRID organiza e que são de cunho mais pontual como o International Symposium on Inflammatory Diseases e o Pint of Science.O bolsista auxiliará na preparação desses eventos pontuais, atuará ministrando aulas nas oficinas tecnológicas e nos cursos do projeto "Difundindo Saúde" e elaborará o material utilizado nos vídeos de animação. Desse modo, espera-se aumentar o impacto e as potencialidades que as novas tecnologias podem oferecer para a formação das crianças e adolescentes em idade escolar bem como ampliar a difusão de informações de utilidade pública para a população como um todo (AU)

Definição de padrões de usabilidade para interfaces de software aplicadas em atividades de gestão da biodiversidade e mudanças climáticas e um estudo de caso aplicável a pandemias sazonais

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcelo Morandini
Anfitrião: Suzanne L Allard
Local de pesquisa: University of Tennessee (UT) (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Ciência da Computação
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Processo:16/04827-5
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2017
Assunto(s):BiodiversidadeMudança climática
Resumo
Atualmente os princípios de usabilidade que podem ser empregados para se procurar garantir um produto que corresponda às expectativas do usuário e que traga qualidade à solução apresentada ganham evidência dentre os profissionais da área de desenvolvimento de sistemas computacionais. Dessa forma, desenvolver um produto de software que atenda às expectativas dos usuários é fundamental em quaisquer domínios de aplicação. Particularmente, o monitoramento da biodiversidade e das condições climáticas é uma das ferramentas mais importantes para a gestão de áreas protegidas e, para que os dados obtidos sejam eficazes e produzam resultados confiáveis, é necessário que cada passo do processo - coleta, estruturação, digitalização, armazenamento e acesso aos dados - deve ser realizado utilizando ferramentas específicas que minimizem perdas ou distorções. Dentro deste contexto, o objetivo geral dessa proposta é gerar um conjunto de padrões de usabilidade para apoiar o desenvolvimento de sistemas que suportem esses domínios de aplicação e possam ser também empregados para análises acerca de pandemias causadas por agentes transmissores sazonais que dependam de condições climáticas, como é o caso do Aedes Aegypts. Ainda, pretende-se gerar documentos de diretrizes que podem ser usados como guia para os desenvolvedores de sistemas de apoio, sendo que para alcançar estes objetivos. Pretende-se também utilizar estratégias e ferramentas de suporte para avaliar a usabilidade de sistemas de apoio a essas atividades de monitoramento. Para finalizar, destaca-se que as atividades a serem realizadas serão apoiadas por pesquisadores envolvidos nas áreas relacionadas à Interação Humano-Computador (IHC) e Big Data tanto na Universidade de Tennessee quanto no Oak Ridge National Laboratory, que desenvolvem ambientes e pesquisas nesta área. (AU)
508 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP