Busca avançada
X

Criar um alerta por e-mail


Novos resultados para a sua pesquisa em seu e-mail, semanalmente.

Seu e-mail:

Tamanho do e-mail:



Seu endereço de e-mail não será divulgado.
Refine sua pesquisa
Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Publicações acadêmicas
  • Auxílios à Pesquisa
  • Bolsas
  • Programas voltados a Temas Específicos
  • Programas de Pesquisa direcionados a Aplicações
  • Programas de Infraestrutura de Pesquisa
  • Área do conhecimento
  • Situação
  • Ano de início
Excel (CSV)Alerta por e-mail   RSS
656 resultado(s)
|
Resumo

PERSPECTIVAS DA SAÚDE PÚBLICA NO SÉCULO XXIEpidemiologia perinatalImplementação de inovações em saúde perinatalPesquisas em saúde materna e infantil no século XXIA epidemiologia e os paradigmas de alimentação saudável e sustentávelTerceiro setor na promoção de sistemas alimentares sustentáveis e saudáveisA experiência do México com a taxação de refrigerantesDireitos humanos e saúde públicaMedições de iniquidades e saúdeDesafios para a redução das desigualdades em saúdeUrbanização, globalização e saúdeImpacto das grandes cidades no sistema econômico e na vida das pessoasPolíticas urbanas e saúde nas cidadesDoenças infecciosas emergentes e reemergentesResposta brasileira à emergência do vírus ZikaEmergências de saúde pública e regulamento sanitário internacionalLeishmaniose visceral e alterações do meio ambiente naturalVariação espaço-temporal da abundância e do comportamento do Anopheles darlingiImpacto social e econômico das doenças intermediadas por insetosFatores de risco e intervenções no controle das doenças cardiovascularesProgressos no Plano de Ação em Saúde Mental 2013-2020 da OMSFatores de risco e intervenções no controle do câncerMudanças tecnológicas e saúde dos trabalhadoresAvanços no controle da poluição do ar nas grandes cidadesDisponibilidade de serviços de saúde e o cuidado de idosos em final de vidaEpidemias de obesidade e diabetesMudanças climáticas e saúdeViolência, cidade e cidadania"Big Data" e pesquisa em Saúde Pública"Big Data" e inteligência artificial em Saúde PúblicaIntegração de bancos de dados no avanço do conhecimento em saúdeAbordagem interdisciplinar na pesquisa em Saúde PúblicaInterdisciplinaridade no planejamento e na gestão da saúde urbanaImplantação de propostas interdisciplinares no ambiente universitário brasileiroRegulação pública da saúde em sistemas complexosComunicação de risco em saúde na sociedadeSistemas de saúde globais: fragilidades e oportunidades (AU)

Resumo

-Vacinas estabelecidas; quais devem ser aperfeiçoadas?;- Tecnologia e obstáculos na implementação de vacinas molecularmente definidas;- Da descoberta da vacina até o seu licenciamento;- Desenvolvimento de uma vacina tetravalente contra a dengue e zika; para doença alérgica; terapêutica anticâncer; contra a tuberculose, leishmaniose e HIV (AU)

Resumo

O presente pedido de financiamento para projeto de pesquisa temático tem como principal objetivo o financiamento de pesquisas relacionadas ao Vírus Zika (ZIKV) atualmente em andamento nos Laboratórios de Virologia (LV) e Desenvolvimento de Vacinas (LDV) da USP. O trabalho está centrado em quatro pontos principais, a se saber: I) geração e utilização de antígenos recombinantes derivadas do ZIKV para uso em estratégias vacinais e desenvolvimento de métodos de diagnóstico sorológicos específicos; II) desenvolvimento de diferentes modelos experimentais in vitro e in vivo, assim como marcadores, que permitam avaliar e monitorar a imunidade induzida pelo ZIKV e a imunidade protetora conferida por formulações vacinais; III) desenvolvimento e teste de formulações vacinais voltadas para o controle da infecção pelo ZIKV, incluindo diferentes antígenos, adjuvantes, e vias de inoculação; e (IV) desenvolvimento de testes sorológicos específicos a partir de antígenos recombinantes derivados do ZIKV. O trabalho será feito em parceria com diferentes grupos de pesquisa na USP, e fora dela, com ênfase no Instituto Butantan, Fiocruz e Instituto Pasteur. Os LV e LDV tem experiência no desenvolvimento de antígenos, desenvolvimento de formulações vacinais e testes de diagnóstico contra o Vírus Dengue (DENV) e outros vírus e patógenos. O trabalho proposto está respaldado na experiência demonstrada pelos grupos proponentes nos últimos anos. Além disto, resultados obtidos no contexto do projeto já resultaram em publicações, pedidos de patente e descobertas científicas que vem sendo utilizadas por diferentes instituições de pesquisa no país e no exterior. Os resultados esperados trarão impactos importantes tanto para o melhor entendimento da sorologia da infecção pelo ZIKV como em pesquisas que resultem no desenvolvimento de formulações vacinais passíveis de serem utilizadas em seres humanos. Espera-se que os resultados a serem alcançados tenham desdobramentos acadêmicos significativos e resulte no desenvolvimento de tecnologias com aplicação a curto e médio prazo no país. (AU)

Resumo

O atual panorama epidemiológico no Brasil é preocupante, pois nos últimos anos foram notificados milhares de casos de dengue, zika e chikungunya, além da recente reemergência da febre amarela. O mosquito Aedes aegypti tem papel fundamental na disseminação de todos esses agravos. O papel da sua espécie-irmã, Aedes albopictus, ainda é pouco conhecido no Brasil, mas pode ter um grande impacto epidemiológico futuro. Existe uma grande dificuldade para identificar áreas de risco para arboviroses tendo como base somente os indicadores entomológicos tradicionalmente utilizados nos programas de controle, como índices de Breteau, Predial e de Recipientes. São escassos os trabalhos que relacionam a presença do mosquito adulto com a ocorrência direta de casos de arboviroses e características físicas dos locais dos agravos. Dessa forma, propomos aqui elaborar um modelo para detectar áreas de alto risco para dengue, zika e chikungunya baseado na presença dos mosquitos adultos Ae. aegypti e imagens de sensoriamento remoto. Podemos obter benefícios do uso de imagens de satélite e de Veículos Aéreos Não Tripulados para aquisição de imagens aéreas de alta qualidade que informam justamente as características físicas dos locais com a presença dos vetores e com casos de arboviroses. A metodologia desenvolvida aqui possibilitará que as áreas de risco para presença de Ae. aegypti e para ocorrência dessas arboviroses sejam identificadas com base apenas à consulta de imagens de satélite e ortofotos, permitindo que sejam priorizadas pelos serviços de saúde e de controle para o desenvolvimento de medidas de vigilância. Adicionalmente, propomos também avaliar a distribuição e abundância da espécie Ae. albopictus nas áreas com presença de casos das três arboviroses. (AU)

Resumo

Os arbovirus são vírus transmitidos por artrópodes que causam um espectro de sintomas que varia de doença febril a encefalites e são de grande importância em saúde pública. Os mais conhecidos e que circulam no Brasil são a Febre Amarela, Dengue e recentemente Chikungunya e Zika. O Zika emergiu recentemente no Brasil, sendo associado a casos de febre, artralgia e síndrome de Guillain-Barré e má formação congênita. Esse vírus é relacionado antigenicamente com o vírus da Dengue e o da Febre Amarela, o que dificulta a sua identificação sorológica. Apresenta sintomatologia semelhante á outros arbovirus como o vírus Chikungunya, o que dificulta sua identificação através de sinais clínicos. Casos a recentes de microcefalia em recém-nascidos foram associados ao Zika. Porém, a relação causal entre a presença do Zika e a microcefalia é fraca pela falta de grandes estudos de coorte. Esse estudo pretende justamente investigar a epidemia de Zika e outros arbovirus em coorte prospectiva de cinco anos, formada por gestantes e seus recém-nascidos, validar métodos de diagnóstico sorológicos e moleculares, relacionar dados laboratoriais e clínicos, quantificar e isolar o vírus a partir de diferentes amostras clínicas, além de monitorar características sorológicas e moleculares dos isolados. Desta forma serão respondidas questões relacionadas à epidemia de Zika e de outros arbovirus que co-circulam no Brasil. (AU)

Resumo

As doenças causadas por vírus transmitidos por artrópodes, conhecidos como arbovírus (do Inglês arthropod-borne virus), representam um grave problema para a saúde pública mundial, com um número cada vez maior de vírus emergindo ou re-emergindo. Os arbovírus, na sua maioria, são causadores de zoonoses, pois são mantidos na natureza em um ciclo de animais vertebrados e artrópodes, infectando os humanos quando estes penetram no ambiente silvestre. Mais de 150 arbovírus podem infectar o ser humano, causando, geralmente, uma doença febril aguda, com cefaléia, mialgia, artralgia e mal-estar geral, mas também causam doenças hemorrágicas e do sistema nervoso central, podendo ser fatal em alguns casos. As atividades humanas tem contribuído para uma rápida disseminação dos arbovírus, os quais atingem principalmente países tropicais e subtropicais. No Brasil, as arboviroses mais frequentes são a dengue, Zika, chikungunya, febre amarela e Oropouche, embora várias outras tenham sido identificadas em casos esporádicos. As arboviroses, em sua maioria, são consideradas doenças negligenciadas, para as quais não existem métodos de diagnósticos específicos, tratamentos nem vacinas. Portanto, é de suma importância a vigilância epidemiológica para rápida identificação destes vírus, permitindo assim a implementação de tratamento apropriado e de mediadas preventivas para minimizar os riscos de epidemias. Sendo assim, os objetivos deste estudo incluem a vigilância destas viroses e o desenvolvimento de métodos altamente específicos para uso no diagnóstico precoce e na vigilância epidemiológica dos mesmos. Inicialmente, a vigilância de arbovírus será realizada utilizando uma plataforma de microarranjo de DNA em uma população com suspeita de malária na cidade de Manaus, Amazonas, e outra com doença febril ou exantemática na cidade de Ribeirão Preto, São Paulo. Paralelamente, será realizado o monitoramento do ciclo enzoótico (vertebrado e mosquitos culicídeos) da febre amarela na cidade de Ribeirão Preto, analisando fatores ambientais e antrópicos envolvidos na circulação do vírus. Posteriormente, os métodos desenvolvidos neste estudo poderão ser utilizados na vigilância dos vírus identificados com a plataforma de microarranjo de DNA, analisando um número maior de amostras. Métodos de transcrição reversa seguida de uma reação em cadeia da polimerase (RT-PCR) em tempo real serão desenvolvidos para detecção específica do genoma de diversos arbovírus, alem do desenvolvimento de biossensores para a detecção de antígenos dos vírus da dengue e Zika em saliva de pacientes. (AU)

Resumo

As toxinas termo-lábeis (LT) produzidas por Escherichia coli enterotoxigênica (ETEC) apresentam efeitos adjuvants direcionados a antígenos coadministrados, gerando aumento de produção de anticorpos séricos. Apesar do extenso conhecimento sobre as propriedades adjuvantes de derivados de LT, incluindo formas mutantes não tóxicas, pouco é conhecido sobre a capacidade desses adjuvantes de modular a especificidade a epítopos de anticorpos antígeno-específicos. O presente estudo caracteriza o papel de LT e sua subunidade B não tóxica (LTB) na modulação de respostas humorais a um antígeno coadministrado, domínio III da glicoproteína de envelope (EDIII) do vírus dengue (DENV), que liga a receptores de superfície e medeia entrada do vírus em células hospedeiras. Em contraste a formulações contendo alúmen ou sem adjuvante, anticorpos induzidos em camundongos imunizados com LT ou LTB mostraram efeitos de neutralização viral, os quais não foram associados à modulação de subclasses nem a afinidade ao antígeno. Análises de imunoassinatura, no entanto, revelaram que anticorpos EDIII-específicos induzidos por LT demonstram padrões de reconhecimento a epítopos distintos em relação a anticorpos produzidos em camundonsgos imunizados com EDIII com ou sem alúmen. Particularmente, as análises levaram a identificação de um epítopo específico à EDIII localizado entre as alças EF e FG, que estão envolvidas com a entrada de DENV em células eucarióticas. Tais resultados demonstram que LT e LTB modulam a especificidade antigênica de anticorpos gerados após imunização com antígenos coadministrados que, no caso de EDIII, foi associada com indução de resposta humoral neutralizante. Esses resultados abrem perspectivas para o desenvolvimento mais racional de vacinas com efeitos protetores potencializados contra infecções causadas por DENV. (AU)

Resumo

O vírus Zika (ZIKV) é um arbovírus pertencente à família Flavividae, gênero Flavivirus capaz de infectar o ser humano e causar complicações neurológicas, incluindo a Síndrome de Guillain-Barré e a microcefalia. A proteína E do ZIKV compõe o seu envelope viral e tem como principal função a interação com os receptores celulares e promoção da fusão do envelope viral à membrana da célula hospedeira. A proteína E apresenta 3 domínios (I, II e III), sendo o domínio 3 (EDIII) a região da proteína que interage com os receptores celulares, o que faz dele um importante alvo para geração de anticorpos neutralizantes que inibam a etapa de adsorção viral. Resultados de estudos realizados ilustram a importância do EDIII na neutralização viral e seu potencial para o desenvolvimento de vacinas contra o vírus Zika e como um promissor candidato a antígeno discriminatório a ser implementado em ensaios sorológicos para diagnóstico de Zika. Tomando por base essas considerações, o presente projeto de mestrado tem como objetivo otimizar a produção e a purificação do EDIII do vírus Zika (EDIII ZIKV) em Escherichia coli de forma a obter o antígeno na forma solúvel e com antigenicidade e funcionalidade preservadas, visando o escalonamento da produção em biorreator. Os resultados do presente estudo trazem originalidade acadêmica e destacada importância aplicada, visto a necessidade, ainda não atendida, de testes sorológicos específicos economicamente acessíveis e vacinas eficazes para o vírus Zika. (AU)

Resumo

Esse projeto de treinamento técnico (TT-1) é item orçamentário e uma parte de projeto Jovem Pesquisador (2016/00194-) que visa, em parte, caracterizar fatores de riscos relacionados a neuropatogênese de vírus emergentes, como Zika, Chikungunya e Oropuche. Embora esse projeto foque no estudo com modelos animais, a validação em amostras humanas é de suma importância e aumenta a significância das descobertas. Desse modo, foi estruturado um serviço de detecção de arboviroses no IB da Unicamp, que funciona como suporte ao HC e a vigilância de Campinas. A bolsista será treinada em receber e processar amostras clínicas de pacientes suspeitos de arboviroses e em realizar testes de detecção molecular desses vírus. (AU)

Resumo

Em uma das teses de Doutorado desenvolvidas durante a vigência do projeto Jovem Pesquisador intitulado "Imunoma funcional da saliva de Aedes aegypti", mostramos que o extrato de glândula salivar (EGS) do mosquito é capaz de modular consistentemente os sinais clínicos da encefalomielite autoimune experimental (EAE), um modelo murino para o estudo da esclerose múltipla. Evidenciamos que a adição do EGS na emulsão preparada para induzir a doença diminuiu a incidência retardou o aparecimento dos sinais clínicos e, nos poucos animais que ficaram doentes, os sintomas foram mais brandos do que no grupo não tratado com EGS. Diversos mecanismos estão envolvidos na modulação da EAE pelo EGS de A. aegypti, levando a redução na proliferação de linfócitos específicos e diminuição na produção de IFN-g e IL-17, citocinas pró-encefalomielogênicas Th1 e Th17, respectivamente. Os resultados dessa tese, embora promissores, não revelaram a molécula responsável pela modulação descrita, limitando significativamente o impacto do nosso trabalho e o periódico científico a ser escolhido para publicação. Por esse motivo, após a defesa da tese em questão, continuamos realizando experimentos funcionais e bioquímicos e identificamos 3 moléculas salivares potencialmente envolvidas no fenótipo observado. No presente projeto, pretendemos expressar essas moléculas e caracterizar sua atividade no modelo de EAE, proporcionando maior relevância e impacto científico ao nosso trabalho. Esse investimento na qualidade das publicações geradas com financiamentos da FAPESP vem sendo claramente apoiado pelo Diretor Científico da Fundação, Prof. Dr. Carlos Henrique de Brito Cruz, em suas apresentações institucionais. (AU)

656 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s)
Marcar todos desta pagina | Limpar seleção