site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas voltados a Temas Específicos
Programas de Pesquisa direcionados à Aplicação
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
41 resultado(s)
|

Pesquisa de genes de virulência e caracterização do perfil de resistência a antimicrobianos e metais pesados em isolados ambientais de Pseudomonas aerugionosa

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:André Pitondo da Silva
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:14/08530-1
Vigência: 01 de junho de 2014 - 31 de maio de 2015
Assunto(s):Anti-infecciososMetais pesadosResistênciaSolosMicrobiologia ambiental
Resumo
Pseudomonas aeruginosa é um patógeno oportunista que pode possuir numerosos fatores de virulência que lhe confere a capacidade de causar infecções graves, agudas e crônicas. Devido à sua versatilidade metabólica e adaptabilidade em uma grande diversidade de ambientes, espécies de P. aeruginosa têm se adaptado bem às pressões seletivas do ambiente. Nesse sentido, há trabalhos na literatura que demonstram o desenvolvimento de resistência a metais pesados em solos contaminados com esses poluentes. Alguns estudos, inclusive, indicam que o desenvolvimento da resistência a metais pesados tem uma séria implicação, uma vez que isso pode contribuir para o surgimento concomitante de resistência a antimicrobianos. Desse modo, a ocorrência concomitante da resistência a metais pesados e a antimicrobianos, associada à presença de genes de virulência, representa uma potencial ameaça à saúde humana e ao equilíbrio ambiental. Assim, o presente projeto de pesquisa tem como objetivo isolar e caracterizar, 50 isolados de P. aerugiosa obtidas de amostras de solo com diferentes culturas provenientes das cinco regiões brasileiras. As bactérias serão avaliadas quanto à resistência aos antimicrobianos e metais pesados e presença genes de virulência. (AU)

CEPEMA - Centro Cooperativo em Engenharia Ambiental

Beneficiário:
Instituição: Escola Politécnica (EP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Claudio Augusto Oller do Nascimento
Pesquisadores principais:

Maria Anita Mendes ; Reinaldo Giudici ; Roberto Guardani ; Márcio Reis Custódio

Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Processo:13/50218-2
Vigência: 01 de maio de 2014 - 30 de abril de 2018
Assunto(s):Microbiologia ambientalEspectroscopia de massaModelos matemáticosRemediação ambientalBiorremediação
Resumo
Centro de Pesquisa e Capacitação em Meio Ambiente, CEPEMA-USP (www.cepema.usp.br) é um centro de pesquisa recém-criado da Universidade de São Paulo (USP), localizado na cidade Cubatão, SP, dedicado à pesquisa e educação ambiental. A principal missão do CEPEMA-USP é o de proporcionar um ambiente multi-disciplinar que servirá para focalizar a pesquisa de todos os setores da Universidade sobre a solução de problemas ambientais do mundo real, em harmonia com os setores público e privado da sociedade. Formalmente associada ao Departamento de Engenharia Química da USP (Escola Politécnica, EP-USP), CEPEMA-USP. A principal missão do CEPEMA-USP é servir como um ponto focal para os esforços de pesquisa que envolvem todos os setores da Universidade de São Paulo. Iniciativas de pesquisa do Centro, que são financiados (pela FAPESP agências de brasileira, CAPES (PROCAD), CNPq e FINEP, por indústrias como Petrobras e Vale e do BNDES) e já consolidadas incluem: a simulação e otimização de processos de interesse da indústria química (Minimização, de impacto ambiental, o uso de energia, etc); melhorias no monitoramento on-line de processos; reuso de água, com a integração de tecnologias; (foto)-remediação de efluentes e resíduos; novos catalisadores para os processos de oxidação avançada; sensoriamento remoto de poluentes atmosféricos, desenvolvimento de modelos de previsão de poluentes atmosféricos; detecção de toxinas e identificação de algas de algas, aplicação de fluidos supercríticos para os problemas ambientais, o transporte e dispersão de poluentes e metais em solos; remediação de solos contaminados; educação ambiental; cursos de especialização para profissionais de Engenharia Química (com aplicação de Meio Ambiente e Gestão Ambiental). (AU)

Utilização do glicerol para produção de biossurfactante por Bacillus subtilis e como co- substrato na biodegradação de diesel e biodiesel em solo

Beneficiário:
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ederio Dino Bidoia
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/13813-0
Vigência: 01 de março de 2014 - 28 de fevereiro de 2017
Assunto(s):BiorremediaçãoBioensaioMicrobiologia ambiental
Resumo
O solo tem sido utilizado por gerações como receptor de substâncias resultantes da atividade humana. A liberação descontrolada de poluentes para o ambiente e sua consequente acumulação causou uma mudança drástica no solo, por vezes irreversível, gerada pelo aumento das atividades urbanas, industriais e agrícolas. Em consequência, a degradação causada diminui a fertilidade e as funções do solo associadas à produção de alimentos e de biomassa, à capacidade de suporte da vida e da biodiversidade. Apesar do poder de autodepuração do solo, a contaminação do solo por derivados do petróleo pode acarretar em diversos impactos a todos os organismos que dependem do solo, devido a sua composição tóxica e mutagênica. A biodegradação constitui a mais importante forma de transformação deste composto no ambiente, sendo os micro-organismos ambientais cruciais para a transformação destes contaminantes. No entanto muitos compostos derivados do petróleo são persistentes no ambiente, pois grande parte dos micro-organismos não é capaz de metaboliza-los. Assim a entrada de tais poluentes no ambiente pode causar um impacto na diversidade microbiana do solo. Está persistência de alguns hidrocarbonetos no ambiente pressionou a busca por fontes de energia renovável. Assim o biodiesel já é uma realidade na utilização como combustível. Mas com o grande volume de biodiesel produzido há também a produção de um resíduo, o glicerol. Diversas atividades devem ser propostas para maximizar a utilização deste resíduo de forma que o menor impacto seja causado ao ambiente, além de transforma-lo em produtos com alto valor agregado. Neste sentido a utilização de resíduos pode ser uma proposta para diminuir os custos da produção de biossurfactantes, pois em aplicações ambientais onde há grande demanda, o alto custo do produto inviabilizaria a utilização. Portanto o projeto tem como objetivo a utilização do glicerol para gerar um produto com valor agregado como os biossurfactantes, possibilitando a redução dos custos de produção e avaliar a eficiência deste biossurfactante em ensaios de biodegradação com biodiesel e diesel na presença do glicerol como co-substrato. O trabalho pretende também demonstrar à mudança da diversidade microbiana após a contaminação. O desafio do trabalho é chamar atenção acerca do restabelecimento da qualidade do solo após a contaminação e fornecer informações para a utilização de um resíduo que estará cada vez mais abundante. (AU)

Avaliação de risco à saúde humana a partir de um monitoramento ecotoxicológico, limnológico e microbiológico na Bacia do Rio Pardo (UGRHI04)

Beneficiário:
Instituição: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Susana Segura Muñoz
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/07238-2
Vigência: 01 de fevereiro de 2014 - 31 de janeiro de 2016
Assunto(s):Saúde ambientalEcotoxicologiaRecursos hídricosBacia hidrográficaMicrobiologia ambientalAvaliação de riscoMonitoramento ambiental
Resumo
No marco dos corpos hídricos superficiais, as bacias hidrográficas são consideradas fundamentais para a aplicação de métodos de avaliação de risco. A Bacia do Pardo (UGRHI 04) abrange 23 municípios com um contingente populacional de cerca de 1.084.000 habitantes. Atividades industriais e agropecuárias na região têm contribuído significativamente para a contaminação dos rios da Bacia do Pardo. Sabe-se que os poluentes disseminados nos rios, de origem biológica e química, podem afetar a saúde humana diretamente por contato dérmico e ingestão. Também, por vias indiretas ao ser introduzidos na cadeia alimentar. O objetivo do presente estudo é avaliar o risco à saúde humana a partir de um monitoramento ecotoxicológico, limnológico e microbiológico do sedimento e água do Rio do Pardo. Amostras e dados serão coletados em 12 pontos em toda a extensão do rio (550 km), incluindo a nascente e a foz. Serão realizadas duas campanhas de coleta na estação seca e duas na estação chuvosa. As concentrações de metais tóxicos serão avaliadas por ICP-MSS, pesticidas por GC-ECD e GC-TSD, bioagentes patogênicos por técnicas de separação imuno-magnética. Testes complementares de ecotoxicidade também serão realizados. Avaliação de Risco para poluentes químicos será realizada para risco cancerígeno e não-cancerígeno. Para a avaliação quantitativa do risco microbiológico (AQRM) será utilizado o modelo exponencial de dose-resposta. O software Crystal Ball será utilizado para a realização das Simulações de Monte Carlo. O Rio Pardo constitui uma fonte potencial de abastecimento público na região, considerando a depleção verificada no volume de água do Aquífero Guarani recentemente. (AU)

Análise da diversidade funcional e bioprospecção de genes de degradação de hidrocarbonetos e de transformação de metais pesados em sedimentos de manguezal

Beneficiário:
Instituição: Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA). Coordenadoria de Centros e Núcleos Disciplinares (COCEN). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Paulínia, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Valéria Maia de Oliveira
Local de pesquisa: Washington State University (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Processo:13/20670-0
Vigência: 01 de fevereiro de 2014 - 30 de junho de 2014
Assunto(s):Microbiologia ambiental
Resumo
O Brasil tem uma das maiores extensões de manguezais do mundo, um ecossistema que possui grande biodiversidade em animais marinhos, aves, répteis, mamíferos e micro-organimos. Embora os manguezais sejam considerados Área de Preservação Permanente, esse ecossistema têm sofrido nos últimos anos as mais diversas ações antrópicas e são freqüentemente atingidos por vazamentos de petróleo e por resíduos industrias contendo metais pesados. Sabe-se que os micro-organismos presentes em ambientes contaminados podem desenvolver mecanismos que permitem a sua sobrevivência na presença de certos poluentes. Apesar da grande diversidade e relevância dos micro-organismos presentes nos manguezais, surpreendentemente, quase nenhuma pesquisa tem sido feita sobre o tema no Brasil. Sabemos que embora as técnicas de cultivo tenham sido aprimoradas e tenham permitido a recuperação in vitro de um número crescente de micro-organismos ainda não cultivados, nosso conhecimento sobre sua ecologia permanece insuficiente para cultivar a maioria deles. Neste contexto, o presente projeto propõe o emprego da abordagem de metatranscriptomica, baseada na extração direta do RNA total da comunidade microbiana a partir de amostras ambientais, aliada à construção de bibliotecas de DNA complementar (cDNA) e subsequente análise dessas bibliotecas, com o intuito de investigar a presença e diversidade de genes metabolicamente ativos de grande relevância na descontaminação de áreas impactadas. Esses estudos podem contribuir para o conhecimento sobre a diversidade funcional e filogenética da microbiota presente nos manguezais brasileiros e levar à descoberta de novos genes envolvidos na degradação de hidrocarbonetos e na transformação de metais pesados, com potencial aplicação em processos biotecnológicos. (AU)

Caracterização Fenotipica e molecular de isolados bacterianos de solo com resistência aos carbapenêmicos

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eliana Guedes Stehling
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/20933-1
Vigência: 01 de janeiro de 2014 - 31 de dezembro de 2014
Assunto(s):CarbapenêmicosResistênciaSolosMicrobiologia ambiental
Resumo
O solo possui uma grande diversidade microbiana e as principais espécies encontradas pertencem aos gêneros Bacillus, Clostridium, Arthrobacter, Pseudomonas, Rhizobium, Azotobacter e Nitrobacter. Entre essas espécies de bactérias, destaca-se a Pseudomonas, que é considerada como patógeno oportunista, ocasionando infecções de grande relevância clínica. Essas bactérias estão se tornando cada vez mais resistentes aos antibióticos nos últimos anos, sendo possível encontrar organismos na natureza que são resistentes à terapia antimicrobiana, ou seja, a antibióticos que são utilizados na clínica médica na atualidade. Um dos mecanismos de resistência adquirida aos carbapenêmicos imipenem e meropenem é a produção de metalo-b-lactamases (MBL).O presente projeto de pesquisa tem como objetivo estudar o perfil e os mecanismos de resistência a alguns antimicrobianos ²-lactâmicos da classe dos carbapenêmicos (imipenem e meropenem) em isolados bacterianos de diferentes espécies e obtidas de solo das cinco regiões brasileiras. (AU)

Pesquisa dos genes envolvidos na resistência aos carbapenêmicos e monobactâmicos em isolados ambientais de Pseudomonas aeruginosa

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eliana Guedes Stehling
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/19401-5
Vigência: 01 de dezembro de 2013 - 30 de novembro de 2014
Assunto(s):Microbiologia ambientalSolosBactériasPseudomonas aeruginosaFarmacorresistência bacterianaResistência beta-lactâmica
Resumo
Bactérias pertencentes ao gênero Pseudomonas possuem uma grande versatilidade metabólica e uma ampla capacidade de adaptação, podendo habitar uma grande variedade de ambientes e adquirir resistência a uma grande variedade de antimicrobianos. Um dos mecanismos de resistência adquirida aos carbapenêmicos imipenem e meropenem, em Pseudomonas aeruginosa, é a produção de metalo-b-lactamases (MBL) e a resistência ao monobactâmico aztreonam ocorre principalmente por alteração da permeabilidade à droga através de modificações na membrana externa das bactérias e por um sistema de expulsão por bomba de efluxo do tipo MexAB-oprM.O presente projeto de pesquisa tem como objetivo estudar o perfil e os mecanismos de resistência a alguns antimicrobianos ²-lactâmicos da classe dos carbapenêmicos (imipenem e meropenem) e monobactâmicos (aztreonam) em P. aeruginosa isoladas de solo das cinco regiões brasileiras (AU)

27 congresso brasileiro de microbiologia

Beneficiário:
Instituição: Sociedade Brasileira de Microbiologia (SBM). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Adalberto Pessoa Junior
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Organização de Reunião Científica
Processo:13/14616-3
Vigência: 29 de setembro de 2013 - 03 de outubro de 2013
Assunto(s):Microbiologia de alimentosVírusFungosMicrobiologia ambientalMicrobiologia industrial

V Simpósio de microbiologia

Beneficiário:
Instituição: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:João Cláudio Thoméo
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Microbiologia Aplicada
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Organização de Reunião Científica
Processo:13/10135-0
Vigência: 19 de agosto de 2013 - 24 de agosto de 2013
Assunto(s):Microbiologia médicaMicrobiologia de alimentosMicrobiologia ambiental

Indicadores microbianos de mudanças climáticas em amostras de ambientes extremos da Antártica marítima

Beneficiário:
Instituição: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Vivian Helena Pellizari
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Oceanografia - Oceanografia Biológica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa de Pesquisa sobre Mudanças Climáticas Globais - Regular
Processo:13/02911-0
Vigência: 01 de agosto de 2013 - 31 de julho de 2015
Assunto(s):Microbiologia ambientalBiodiversidadeOceanos e maresAntárticaMudança climáticaMetagenoma
Resumo
A resposta dos micro-organismos frente às alterações ambientais e climáticas ainda é incerta, pois pouco se conhece sobre as espécies que habitam regiões sensíveis a tais alterações como a Península Antártica. Os registros biológicos e ambientais da Antártica marítima podem ser estudados a partir de amostras de permafrost, que constitui um tipo especial de solo permanentemente congelado. O permafrost tem como principal característica a preservação de material biológico por milhares a milhões de anos, devido à sua temperatura estável sempre abaixo de zero graus Celsius, servindo como uma importante fonte de estudos de evolução e biogeografia de micro-organismos. O objetivo deste estudo é estudar a diversidade de Bacteria e Archaea em amostras de permafrost da Península Antártica, cuja origem é depósito de sedimentos marinhos de até 7.500 anos atrás, e comparar com a diversidade de sedimentos marinhos modernos da mesma região. Métodos independentes de cultivo baseados no gene RNAr 16S serão utilizados, como eletroforese em gel gradiente desnaturante (DGGE), PCR em tempo real (qPCR) e pirossequenciamento. Os dados serão correlacionados a parâmetros ambientais das amostras a fim de determinar quais variáveis são/foram responsáveis pelas diferenças encontradas na estrutura de comunidade. Tais análises serão suportadas por diferentes métodos de bioinformática e de estatística multivariada. Os resultados esperados deste estudo constituirão os primeiros relatos da diversidade do permafrost da Península Antártica estudada através de métodos independentes de cultivo, contribuindo também para uma melhor compreensão das respostas da comunidade microbiana frente a alterações ambientais e climáticas no passado da Antártica. (AU)
41 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP