site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
333 resultado(s)
|

Desenvolvimento de um biossensor integrado para monitoramento do metabolismo celular

Beneficiário:Valber de Albuquerque Pedrosa
Instituição: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Valber de Albuquerque Pedrosa
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Analítica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:14/05653-5
Vigência: 01 de agosto de 2014 - 31 de julho de 2016
Assunto(s):Metabolismo celularNanotecnologiaBiossensores
Resumo
O desenvolvimento de novos dispositivos para monitorar o metabolismo celular e o diagnóstico de doenças expandiu as pesquisas com biossensores que, aliados principalmente com a nanotecnologia, possibilitou a criação de novos elementos com alta sensibilidade de detecção, especificidade e capacidade de multiplexação em dispositivos portáteis para uso em diferentes áreas. Desta forma, o monitoramento dos produtos secretados pelas células, por meio de biossensores, possui grande interesse nas áreas biomédicas e de saúde, pois, as células transmitem uma ampla variedade de sinais químicos e físicos que são fundamentais para o diagnóstico clínico. Atualmente os estudos de biocompatibilidade e as respostas das células a estímulos físicos ou químicos são avaliadas em dispositivos microfluídicos e meios eletroquímicos. Os biossensores enzimáticos para o reconhecimento de glicose, lactato e peróxido de hidrogênio são recorrentemente utilizados para a avaliação de diferentes doenças, porém, a construção de um biossensor integrado para monitorar estes compostos é um desafio. Sendo assim, o objetivo desta proposta é desenvolver uma plataforma de biossensor integrada para monitorar a detecção de multi-analitos (glicose, lactato e peróxido de hidrogênio) em um dispositivo fabricado onde o microambiente celular pode ser definido com precisão, possibilitando a avaliação do metabolismo energético de culturas celulares no contexto da mimetização do microambiente celular e oferecendo novas perspectivas sobre os eventos moleculares do metabolismo. (AU)

Liberação de acetilcolina induzida pela insulina e a regulação central da termogênese do tecido adiposo

Beneficiário:Luiz Osório Silveira Leiria
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mário José Abdalla Saad
Local de pesquisa: Harvard Medical School (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia Geral
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Processo:14/01294-0
Vigência: 01 de julho de 2014 - 30 de junho de 2015
Assunto(s):Tecido adiposo brancoSistema nervoso parassimpático
Resumo
O tecido adiposo marron (TAM) é um dos principais promotores de termogênese, sendo, portanto, importante tanto para o gasto energético basal como para o induzido. O TAM tem a capacidade inerente de converter energia excessiva proveniente da dieta em calor, ao invés de ATP, por promover a expressão da proteína desacopladora 1 (UCP1). Diferentes estímulos, como o frio e o exercício físico, são capazes de induzir a formação de adipócitos que expressam UCP1 no tecido adiposo branco (TAB). Estes grupos de adipócitos são chamados de tecido adiposo bege ou tecido adiposo branco recrutável (TABr). Ambos TAM e TABr tem a capacidade de afetar o metabolismo energético e podem alterar a sensibilidade à insulina, bem como modificar a susceptibilidade ao ganho de peso. Por essas razões o TAM e TABr vem atraindo as atenções da comunidade científica e indústria farmacêutica como atrativos alvos terapêuticos para combater a obesidade e o diabetes tipo 2. Apesar de os diferentes depósitos de gordura receberem inervação colinérgica, o papel da acetilcolina na termogênese promovida pelo TAM e TABr ainda é pouco compreendido. Nossos resultados preliminares sugerem que a insulina presente no sistema nervoso central estimula neurônios colinérgicos em núcleos encefálicos, aumentando a liberação de acetilcolina para os pulmões. Como esta inervação colinérgica é sensível à ação da insulina e esta, por sua vez, é requerida prioritariamente para o aumento da adiposidade, estabelecemos a hipótese segundo a qual a insulina central pode contribuir para a regulação funcional do TAM e TABr através da via parassimpática, a qual se contrapõem, desta forma, a ação simpática, como o faz em vários sistemas. Nossos dados também mostram que camundongos knockouts para o transportador da vesícula de acetilcolina (VAChT-/-), os quais possuem redução de 70% da liberação de acetilcolina, apresentaram baixo ganho de peso corpóreo quando alimentados com dieta hiperlipídica. Além disso, camundongos VAChT-/- também tiveram um aumento do consumo de O2 (VO2) e o tecido adiposo com coloração marrom nitidamente mais intensa, em comparação com os camundongos selvagens, sugerindo uma maior atividade deste tecido na ausência da acetilcolina. O objetivo deste trabalho é investigar a ação central da insulina sobre a inervação colinérgica e a consequente ação da acetilcolina sobre a regulação da termogênese do TAM, TABr, adiposidade e gasto energético. Para tanto, utilizaremos camundongos VAChT-/- e seu background C57/N3, alimentados ou não com dieta hiperlipídica, além de cultura de adipócitos imortalizados, que será utilizada para se avaliar a ação da acetilcolina sobre a diferenciação destas células in vitro. As medidas dos parâmetros metabólicos gerais, tais como GTT, iTT, controle de peso e glicêmico, serão realizadas em todos os grupos. Medida indireta de gasto energético será feita em respirômetro, onde o VO2 e VCO2 serão aferidos em condições basais e na presença de insulina aplicada via intracerebroventricular (ICV) ou após injeção intraperitoneal de noradrenalina, inibidores da acetilcolinesterase ou antagonistas colinérgicos. Também faremos a medida térmica direta dos animais através da técnica de imagem térmica da superfície da pele. Os níveis de acetilcolina no TAM e no TABr serão mensurados através de kit comercial de fluorescência. Também realizaremos análises histológicas e imunohisoquímica para UCP1 e para o marcador de neurônios colinérgicos colina acetiltransferase (ChAT) no TAM e TABr. Será realizado PCR quantitativo para detectar os níveis de RNA mensageiro dos principais marcadores de diferenciação de adipócitos marrons, tando nos depósitos de gordura de camundongos como em cultura de adipócitos. Não obstante, também será realizado western blotting para a detecção das proteínas envolvidas na sinalização da insulina no TAM, TABr, músculo esquelético, e fígado. Dependendo dos resultados obtidos, novos experimentos poderão ser realizados. (AU)

O papel do fator de transcrição AtbZIP63 na interação entre carboidratos e o relógio circadiano de Arabidopsis thaliana

Beneficiário:Américo José Carvalho Viana
Instituição: Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética (CBMEG). Coordenadoria de Centros e Núcleos Disciplinares (COCEN). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Michel Georges Albert Vincentz
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:14/04117-2
Vigência: 01 de julho de 2014 - 30 de junho de 2016
Assunto(s):ArabidopsisMetabolismo energético
Resumo
O fator de transcrição de Arabidopsis thaliana (Arabidopsis) AtbZIP63 faz parte da via de resposta da planta á carência energética coordenada pelas quinases KIN10/11, integradoras centrais dos sinais relacionados ao estado de privação de energia. A presença de glicose no meio reprime a expressão de AtbZIP63, indicando que o status de carbono influencia a atividade deste gene. O perfil de expressão gênica e os níveis de alguns metabólitos do mutante de inserção de T-DNA atbzip63-2 indicaram que AtbZIP63 participa do controle da degradação do amido, pois a expressão de alguns genes centrais na degradação deste carboidrato de reserva está desregulada neste mutante. Mostramos que a as oscilações diurnas do transcrito AtbZIP63 estão possivelmente reguladas pelo relógio circadiano e a fase da oscilação do AtbZIP63 é aparentemente influenciada pela disponibilidade de carboidratos na célula. Além de estar sobre o controle do relógio, AtbZIP63 também atua como um ativador direto da expressão de PRR7, um dos componentes dos osciladores centrais do relógio. Portanto, evidenciamos uma interação recíproca entre o relógio e AtbZIP63 que possivelmente está impactando o processo de degradação do amido a noite. Este conjunto de evidências revelam novos aspectos do ajuste do relógio circadiano pelo status de açúcar na célula que estão de acordo com trabalhos recentes mostrando que os açúcares afetam diretamente o funcionamento do relógio. Nossa hipótese é que o AtbZIP63 está agindo como um mediador entre a disponibilidade de açúcar e o mecanismo oscilatório do relógio circadiano de Arabidopsis. Pretendemos mostrar de maneira mais direta que a interação entre AtbZIP63 e PRR7, funciona como um dos ajustes do relógio circadiano. (AU)

Efeito da hipóxia na fase final da incubação sobre as estruturas pulmonares pós eclosão em pintainhos de frangos de corte

Beneficiário:Lara do Amaral Silva
Instituição: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Kênia Cardoso Bícego
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Produção Animal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:14/01861-2
Vigência: 01 de julho de 2014 - 29 de fevereiro de 2016
Resumo
Existem muitas evidencias na literatura a respeito dos efeitos da hipóxia durante diferentes fases da incubação sobre o desenvolvimento de órgãos e do metabolismo energético de pintainhos recém-eclodidos. Nenhum desses trabalhos, no entanto, verificou o efeito da hipóxia durante a fase final do desenvolvimento pré-natal de aves, em que ocorre maturação do sistema respiratório, sobre a morfologia dos pulmões após a eclosão. Sendo assim, no presente estudo será utilizada a técnica de estereologia para verificar o efeito da exposição à hipóxia (15% O2) na terceira semana de incubação sobre a estrutura do sistema pulmonar de frangos de corte de 1 e 10 dias pós-eclosão. Para isso serão incubados ovos férteis de matrizes da linhagem Cobb 500 de maneira seriada até que se completem as coletas de pulmões de cada repetição. Os grupos serão divididos em normóxia (Nx) durante todo o tempo da incubação e hipóxia dos 12 aos 18 dias de incubação (HxF), sendo a estrutura pulmonar avaliada no primeiro e no décimo dias pós-eclosão. Será utilizada a técnica de estereologia para determinar a estrutura e o volume pulmonar. Para isso os animais serão eutanasiados, os pulmões fixados e o volume será determinado pela técnica de Cavalieri. Serão retirados cubos de 2/2mm do pulmão de cada repetição, os quais serão emblocadas em resina e cortados para microscopia de luz e eletrônica de transmissão (cortes sequenciais com ângulos crescentes) seguido pela fotomicrografia que possibilitará medidas quantitativas como volume das estruturas e quantificar a barreira e a superfície para trocas gasosas. (AU)

Avaliação dos efeitos do treinamento físico resistido e do aeróbio sobre a cardiomiopatia diabética: participação das vias de sinalização do metabolismo energético e do sistema renina angiotensina

Beneficiário:Ralmony de Alcantara Santos
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Tatiana de Sousa da Cunha
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/20034-7
Vigência: 01 de julho de 2014 - 30 de abril de 2015
Assunto(s):Metabolismo energético
Resumo
O diabetes melito (DM) é uma doença crônico-degenerativa caracterizada pela utilização inadequada da glicose pelos tecidos e hiperglicemia, que pode levar uma série de doenças cardiovasculares (DCV), dentre elas: a hipertensão arterial e a doença coronariana. Além destas, portadores de DM podem desenvolver a cardiomiopatia diabética (CMPD) independentemente da dessas complicações. A CMPD acarreta alterações funcionais e estruturais no miocárdio podendo levar ao desenvolvimento, de forma irreversível, da hipertrofia ventricular esquerda (HVE) patológica e disfunção sistólica. Além do aumento dos cardiomiócitos, a HVE patológica também é caracterizada pela reprogramação de genes como Akt total e fosforilada, GSK3², MAPK p38 que atuam em conjunto, modulam a contração cardíaca. O DM também pode atuar sobre o sistema renina angiotensina (SRA) estimulando a síntese de angiotensina II que também tem papel importante no estímulo da HVE patológica. Além dessas alterações, a CMPD também é caracterizada por inibir o receptor ativado por proliferadores de peroxissomo-alfa (PPAR±), que reduz a metabolização dos ácidos graxos, resultando em acúmulo dos mesmos no tecido cardíaco. Apesar das consequências cardiovasculares decorrentes do DM, bem como do próprio desenvolvimento CMPD sejam preocupantes, estas podem ser significativamente minimizadas por medidas terapêuticas adequadas. Sabe-se que o exercício, juntamente com a dieta e o tratamento farmacológico, tem sido considerado como uma das três principais abordagens no tratamento do DM em razão dos efeitos benéficos sobre a DCV, controle metabólico e prevenção das complicações crônicas desta doença. Desse modo, o treinamento físico aeróbio (TFA) melhora o controle glicêmico, aumenta a sensibilidade à insulina e reduz os fatores de risco cardiovasculares. Contudo, até o presente, pouco se sabe o efeito do treinamento físico resistido (TFR) sobre as vias de sinalização do metabolismo lipídico e dos peptídeos, enzimas e receptores do SRA no desenvolvimento da CMPD. Desta forma, o objetivo do estudo é avaliar a influência de ambas modalidades de treinamento de sobre o desenvolvimento da CMPD, avaliando a participação das vias de sinalização relacionadas ao metabolismo energético e modulação do SRA. Com isto, espera-se contribuir para o entendimento dos mecanismos fisiopatológicos relacionados ao desenvolvimento desta complicação, comparando o efeito de diferentes tipos de exercício sobre este processo. (AU)

Análise da expressão de genes relacionados ao gasto energético e metabolismo de lipídios de indivíduos com obesidade grau III antes e após intervenções para perda de peso

Beneficiário:Carla Barbosa Nonino
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carla Barbosa Nonino
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/08916-4
Vigência: 01 de julho de 2014 - 30 de junho de 2016
Assunto(s):Obesidade mórbidaMetabolismo energéticoMetabolismo dos lipídeosExpressão gênicaTecido adiposoSuplementação alimentarChá verde
Resumo
A obesidade é considerada uma doença epidêmica, representada pelo acúmulo excessivo de tecido adiposo e está relacionada a diversas causas ambientais e genéticas. Estudos indicam que o balanço energético, determinado pela energia ingerida e pela energia gasta, parece depender 40% da herança genética. O objetivo do presente estudo é verificar a expressão dos genes ADBR3, UCPs, PLIN, PPAR”2, relacionados à obesidade, gasto energético e metabolismo lipídico em tecido adiposo subcutâneo abdominal e associar com variáveis antropométricas, da taxa metabólica de repouso, alimentares e bioquímicas em indivíduos obesos grau III antes e após três diferentes intervenções para perda de peso. Serão selecionadas para o estudo 40 mulheres com obesidade grau III de população miscigenada e idade entre 18 e 60 anos as quais serão randomizadas em quatro grupos: Grupo 1 - Suplementação com Chá Verde, Grupo 2 - Intervenção Dietética, Grupo 3 - Cirurgia Bariátrica e Grupo 4 - Controle. As pacientes serão submetidas à avaliação nutricional, análise da composição corporal, taxa metabólica de repouso, análise da ingestão alimentar, questionário sócio-demográfico e coleta de material biológico (sangue periférico e/ou tecido adiposo subcutâneo) por profissional especializado, para análise genética e bioquímica. Após 8 semanas para G1 e G2 e seis meses para G3 todos os procedimentos serão realizados novamente. Para análise estatística será utilizada à estatística descritiva com os valores apresentados em média e desvio padrão. Será utilizado o teste t, Fisher ou Qui-quadrado. Será admitido nível de significância para P<0,05, sendo todas as análises realizadas no software Statistical Package for Social Science (SPSS versão 17.0 [Inc. Chicago. IL]). (AU)

Rol da glutamina sintetase na biologia do Trypanosoma cruzi, e perspectivas como um possível alvo terapêutico

Beneficiário:Flávia Silva Damasceno
Instituição: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ariel Mariano Silber
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/09851-3
Vigência: 01 de maio de 2014 - 31 de julho de 2016
Assunto(s):Trypanosoma cruziGlutamina
Resumo
A doença de Chagas, também conhecida como tripanosomíase americana, é causada pelo protozoário flagelado Trypanosoma cruzi e afeta aproximadamente 10 milhões de pessoas em áreas endêmicas do México, América Central e do Sul. O T. cruzi é capaz de utilizar carboidratos e aminoácidos como fonte de energia e carbono. O metabolismo de aminoácidos ocorre com produção de uma grande quantidade de NH4+. Dado que estes parasitas não possuem o ciclo da ureia funcional, essa amônia pode ser excretada para o meio extracelular, ou pode ser transferida ao ±-cetoglutarato formando glutamato, que funciona como doador de NH3 a piruvato, formando alanina, um dos maiores subprodutos do metabolismo de aminoácidos de T. cruzi. A síntese de glutamina tem como substratos amônia e glutamato e é catalisada pela enzima glutamina sintetase, que pode estar envolvida também na detoxificação de amônia no parasita. Já foi descrita a importância da glutamina na administração da utilização de nitrogênio, na participação no metabolismo energético e na detoxificação de amônio em células de vários organismos. Entretanto a interconversão glutamato-glutamina e sua importância na biologia do T. cruzi ainda não foram estudadas. Em geral essa conversão química acontece em duas etapas: 1. Fosforilação do glutamato gerando ³-glutamil fosfato; 2. Aminação de ³-glutamil fosfato gerando glutamina. Esses dois passos são dependentes da presença da glutamina sintetase. Portanto, propõe-se como objetivo deste projeto avaliar a importância da L-glutamina e da glutamina sintetase na biologia do T. cruzi, ao longo do ciclo de vida do parasita e as perspectivas dessa enzima como um novo alvo terapêutico. (AU)

Validade e reprodutibilidade de parâmetros de capacidade e potência aeróbias e anaeróbias obtidas por meio de uma sessão de avaliação em corrida atada

Beneficiário:Filipe Antônio de Barros Sousa
Instituição: Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Limeira, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Claudio Alexandre Gobatto
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/16710-7
Vigência: 01 de maio de 2014 - 31 de dezembro de 2016
Resumo
A estratificação adequada da aptidão metabólica de produção de energia está associada ao sucesso em competições esportivas. Em geral, para avaliação de medidas de capacidade e potência aeróbia e anaeróbia utilizando procedimentos considerados "padrão ouro" é necessário um elevado número de sessões de testes, reduzindo sua aplicabilidade prática em estudos longitudinais envolvendo o efeito de uma dada manipulação sobre a aptidão do metabolismo individual. Isso leva cientistas do esporte e treinadores a optarem pelas variáveis fisiológicas que consideram mais importantes, negligenciando outras que poderiam contribuir até mais significativamente para o êxito na modalidade. A utilização de um procedimento capaz de avaliar quatro parâmetros envolvidos no funcionamento do metabolismo energético individual em uma única sessão de teste parece ser uma boa alternativa para esta problemática. Em cicloergômetro, o protocolo de All-Out de 3 minutos (AO3') retorna parâmetros reprodutíveis e comparáveis a medidas de capacidade aeróbia (potência crítica), de capacidade anaeróbia ("maximal accumulated oxigen déficit" - MAOD), de potência aeróbia máxima (VO2máx) e de potência anaeróbia máxima (pico de potência mecânica). Porém, para aplicação do protocolo utilizando outros padrões de movimento é necessária uma ferramenta adequada que mensure a força e potência realizadas de maneira específica. O presente projeto visa aplicar o protocolo de AO3' em corrida atada laboratorial e corrida semi-atada de campo, verificando a extensão da aplicabilidade, validade e reprodutibilidade dos dados obtidos para avaliação em corrida. A reprodutibilidade das variáveis será quantificada por meio de procedimentos de teste-reteste. A validade concorrente e constructa serão acessadas utilizando comparações com procedimentos bem estabelecidos na literatura para cada uma das variáveis, assim como pela análise de consistência com parâmetros fisiológicos oriundos do "excess post-exercise oxygen consumption" (EPOC) e cinética de lactato pós-esforço. (AU)

Avaliação da composição corporal e do metabolismo energético em pacientes com doença renal crônica e hiperparatireoidismo secundário antes e após a paratireoidectomia

Beneficiário:Viviane Liu
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Vanda Jorgetti
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Análise Nutricional de População
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/15700-8
Vigência: 01 de maio de 2014 - 30 de abril de 2015
Assunto(s):Composição corporalMetabolismo energéticoParatireoidectomia
Resumo
Em 10 anos o número de pacientes em tratamento dialítico no Brasil dobrou, chegando a aproximadamente 91.300 indivíduos, com cerca de 90% deles em hemodiálise. A melhor qualidade do tratamento dialítico aumentou a sobrevida dos pacientes e consequentemente complicações como as doenças cardio vasculares, principal causa de morte nesses pacientes, doenças ósseas ligadas aos distúrbios do metabolismo mineral, entre outras. O aumento persistente dos níveis de paratormônio, fator de crescimento de fibroblastos 23 e os distúrbios do metabolismo do cálcio do fósforo levam ao hiperparatireoidismo secundário que apesar do tratamento clinico, muitas vezes torna-se persistente o que obriga o tratamento cirúrgico. O hiperparatireoidismo secundário influencia os diferentes compartimentos corporais, reduz a densidade mineral óssea, aumenta o catabolismo e gasto energético, podendo levar a maior risco de desnutrição e fratura. Essas e outras alterações, como as do metabolismo energético, estão intimamente ligadas a atuações hormonais e são coordenadas por adipocinas como a leptina, adiponectina e por proteínas como a osteocalcina. Com o auxilio da antropometria e aparelhos de alta resolução como a bioimpedância oito polar segmentar e outros, torna-se possível analisar mudanças na composição corporal desses indivíduos. Assim, diante das alterações que ocorrem na presença do hiperparatireoidismo secundário, pouco se conhece sobre a participação dos hormônios envolvidos no metabolismo energético dos pacientes afetados. O objetivo desse estudo é avaliar se o tratamento cirúrgico do hiperparatireoidismo secundário modifica a composição corporal e os hormônios envolvidos no metabolismo energético dos pacientes acometidos. (AU)

Clonagem e ensaios em célula de contruções KGA-CFP e PPAR³-YFP

Beneficiário:Luciana de Sousa Paradela
Instituição: Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron (ABTLuS). Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Brasil). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sandra Martha Gomes Dias
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:14/07825-8
Vigência: 01 de maio de 2014 - 30 de novembro de 2014
Assunto(s):NeoplasiasGlutaminase
Resumo
Células tumorais apresentam um metabolismo energético e biosintético diferenciado quando comparado ao das células não transformadas, sendo caracterizado pela intensa glicólise mesmo na presença de oxigênio (Efeito Warburg). Uma das consequências do aumento da glicólise é a diminuição no aporte de piruvato para a mitocôndria, o que contribue para o truncamento do ciclo do ácido tricarboxílico (TCA). Para a manutenção da alta taxa mitótica, as células neoplásicas utilizam a via da glutaminólise para manter em funcionamento o ciclo do TCA, uma importante fonte de metabólitos precursores de macromoléculas. Já foram identificadas três isoformas das glutaminases, primeira enzima da via glutaminolítica, em mamíferos: a Kidney-type glutaminase (KGA), Glutaminase C (GAC), e a Liver-type glutaminase (LGA). Dados recentes de nosso grupo implicaram a KGA como parceira de interacão do receptor nuclear PPAR³. O receptor PPAR³ está envolvido na expressão de vários genes presentes na diferenciação celular, no metabolismo de carboidratos, proteínas, lipídios e na tumorigênese. Há estudos que mostram que a atividade de PPAR³ previne tumores em tecidos como cólon, mama, próstata e pulmão, promovendo o aumento da diferenciação terminal, inibindo o crescimento celular, aumentando os níveis de apoptose e diminuindo a resposta inflamatória. Este trabalho tem como objetivo fazer construções e ensaios preliminares de expressão em células de KGA e PPAR³ expressas em quimera com proteínas fluorescentes. O objetivo final será a utilização dos mesmos para ensaio de FRET-FLIM para determinação da interação das mesmas em ambiente celular. (AU)
333 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP