Busca avançada

X

Criar um alerta por e-mail


Novos resultados para a sua pesquisa em seu e-mail, semanalmente.

Seu e-mail:

Tamanho do e-mail:



Seu endereço de e-mail não será divulgado.

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Publicações acadêmicas
  • Auxílios à Pesquisa
  • Bolsas
  • Programas de Infraestrutura de Pesquisa
  • Área do conhecimento
  • Situação
  • Ano de início
Excel (CSV)Alerta por e-mail   RSS
42 resultado(s)
|
Resumo

O objetivo do presente estudo é investigar, de forma longitudinal, a influência dos padrões alimentares nos fatores de risco para doenças cardiovasculares (DVC) em adolescentes. Trata-se de um estudo que utilizará dados do Estudo longitudinal LONCAAFS, desenvolvido com escolares, de ambos os sexos, do ensino fundamental de escolas públicas de João Pessoa-PB. Neste estudo, o método de coleta de dados dietéticos é o recordatório de 24 horas, duplicado em 40% da amostra; para avaliar o estado nutricional são utilizadas as medidas de massa corporal, estatura e circunferência da cintura, e, para atividade física, dados de acelerometria. É realizada uma coleta de sangue uma vez por ano, durante o período previsto para o estudo (2014-2017), para dosar a concentração sérica de proteína C reativa (PCR), colesterol total, lipoproteínas de alta densidade (HDL-c) e de baixa densidade (LDL-c), glicose e triglicerídeos plasmáticos. Neste projeto serão utilizados os dados coletados em 2014, 2015 e 2016. Serão investigadas as questões de pesquisas: (1) como se alteram os padrões alimentares ao longo do tempo, comparando-se a primeira, segunda e terceira ondas?; e (2) como os padrões de alimentação e as alterações observadas impactam nos fatores de risco para doenças cardiovasculares? O padrão alimentar "a posteriori", será estimado por análise fatorial exploratória por componente principal na primeira onda, e serão analisados por analise fatorial confirmatória (modelagem de equação estrutural) na segunda e terceira ondas e as associações de interesse por meio de modelos mistos de regressão. Os resultados do presente estudo serão úteis para obter uma melhor compreensão da evolução do padrão alimentar e sua relação com os fatores de risco para as DCV na adolescência, para que assim possam ser adotadas medidas que visem o controle dessas morbidades e consequentemente auxiliem na redução de futuros problemas cardiovasculares na população.Palavras - chave: padrão alimentar; adolescentes; doenças cardiovasculares; fatores de risco. (AU)

Resumo

A obesidade é um problema mundial. Pessoas obesas possuem um aumento na concentração plasmática de lipoproteína de baixa densidade (do inglês, "low density lipoprotein", LDL) e têm um risco aumentado de desenvolver doenças cardiovasculares. Além disso, a composição da dieta parece ser um fator importante no desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Por exemplo, sabe-se que ácidos graxos saturados são agentes que induzem estresse metabólico e inflamação, mas ácidos graxos poli-insaturados parecem ter o efeito contrário. Ao contrário da LDL, que em excesso pode levar ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares, a lipoproteína de alta densidade (do inglês, "high density lipoprotein", HDL) é considerada cardioprotetora. O efeito protetor da HDL é atribuído em parte à sua capacidade de mobilizar o excesso de colesterol de macrófagos das paredes das artérias. O presente projeto objetiva avaliar a capacidade da HDL de ratos tratados com dieta regular, rica em ácidos graxos saturados e ácidos graxos poli-insaturados de promover efluxo de colesterol de macrófagos. Para atingir este objetivo, iremos desenvolver uma metodologia analítica robusta para a quantificação do fluxo bidirecional de colesterol de macrófagos em cultura celular. A utilização de um método de efluxo bidirecional é essencial para se entender o metabolismo do colesterol. Este projeto pode ajudar a compreender como dietas ricas em ácidos graxos saturados contribuem para tornar a HDL disfuncional e acabam por alavancar o aparecimento de doenças cardiovasculares. (AU)

Resumo

A obesidade é patologia cada vez mais frequente em gatos. Sua ocorrência culmina em redução do bem estar, além de estar associada à comorbidades e diminuição da expectativa de vida. Deste modo, este estudo terá como objetivo avaliar as medidas morfométricas, as alterações laboratoriais e ultrassonográficas renais e hepáticas, as comorbidades presentes e o perfil de alimentação de gatos obesos e em condição corporal normal, atendidos na rotina do serviço do Hospital Veterinário da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - FMVZ, UNESP, Botucatu, SP. Serão estudados 20 gatos obesos e 20 gatos com escore de condição corporal (ECC) normal, avaliando-se: o exame físico; as medidas antropométricas para graduação do escore corporal (peso corporal, índice de massa corporal- IMC e ECC); parâmetros laboratoriais como perfil lipídico (colesterol total, lipoproteínas de baixa densidade- LDL, lipoproteínas de alta densidade- HDL e triglicérides), função renal (ureia e creatinina séricas, urinálise e relação proteína/creatinina urinária) e perfil hepático (glicose sérica, enzimas aspartato aminotransferase- AST, gamaglutamil transpeptidase- GGT e fosfatase alcalina- FA); e a ultrassonografia abdominal renal e hepática, calculando-se o índice de resistividade renal no modo Doppler. Serão determinados, junto ao condutor do animal a(s) comorbidade(s) presente(s) (motivo de procura pelo atendimento médico), tempo de ocorrência da obesidade e perfil alimentar do gato. Será realizada a comparação das variáveis entre os dois grupos estudados e correlação das comorbidades com a idade e com o escore de condição corporal. (AU)

Resumo

O diabetes mellitus (DM) representa um grupo heterogêneo de distúrbios metabólicos que apresentam em comum a hiperglicemia como resultado de defeitos na secreção e/ou ação da insulina. Em 2014, a estimativa da prevalência global de diabetes foi de 8,3%, representando 387 milhões de pessoas, enquanto no Brasil a prevalência no mesmo ano foi de aproximadamente 8,7%. Em comparação com não diabéticos, pacientes com DM2 apresentam um risco de duas a quatro vezes maior para o desenvolvimento de DCV. A dislipidemia é um importante distúrbio metabólico encontrado no DM2, sendo que a alteração lipídica mais comum nesses pacientes consiste em hipertrigliceridemia e baixo colesterol associado à lipoproteína de alta densidade (HDL-C). Estudos clínicos e epidemiológicos têm demonstrado que o baixo conteúdo de HDL-C está forte e independentemente associado com a doença coronariana. Contudo, alguns estudos têm questionado tal associação, levantando a hipótese que é necessária uma análise mais detalhada dessa lipoproteína. Além da atividade anti-aterogênica da HDL, nos últimos anos, a inibição da expressão das moléculas de adesão, os papéis antioxidante (apolipoproteínas AI, AII e a PON), anti-inflamatório e antitrombótico, captação de lipídeos e o tamanho da partícula de HDL também têm sido associados ao efeito cardioprotetor da HDL. A leptina e adiponectina são adipocitocinas que representam importantes mediadores sensibilizadores de insulina e regulam o metabolismo da glicose, através de vários mecanismos, como a promoção da secreção de insulina e armazenamento de glicose, a inibição de secreção de glucagon e a gliconeogênese hepática. Neste contexto, o presente estudo tem por objetivo avaliar a associação da leptina e da adiponectina com a capacidade antioxidante da HDL em indivíduos com diabetes mellitus do tipo 2. Trata-se de um estudo transversal. A presente proposta é um subprojeto do projeto de Doutorado da aluna Flávia De Conti Cartolano (Programa Nutrição em Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo) intitulado "Impacto da suplementação de ômega 3 no tamanho, funcionalidade, capacidade antioxidante e perfil lipidômico da lipoproteína de alta densidade em indivíduos brasileiros", que está em processo de avaliação pela FAPESP (2014/24899-5). Este, por sua vez, está inserido no estudo principal "Propriedades físico-químicas da LDL e da HDL, marcadores cardiometabólicos e oxidativos podem ser modulados pelo consumo de ômega-3, ômega-6 e ômega-9 em indivíduos com risco cardiovascular intermediário?" que é um estudo clínico, aleatorizado, controlado, duplo cego e paralelo, financiado pela FAPESP (Proc. 2011/12523-2), Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Fluídos Completos (INCT-FCx 2010-2014) e do Núcleo de Apoio à Pesquisa de Fluídos Complexos (NAP-FCx 2011-2016). Desse modo destacamos que as etapas de inclusão de pacientes, caracterização demográfica, clínica, antropométrica e nutricional já foram concluídas. (AU)

Resumo

A redução na concentração plasmática de colesterol associado à lipoproteína de alta densidade (HDL-C) constitui um dos fatores de risco para o desenvolvimento de doença cardiovascular aterosclerótica. Entretanto, estudos demonstram que o uso de estatinas é eficaz no aumento da concentração de HDL-C, porém, não amplia sua eficácia na prevenção de eventos coronarianos. Nas últimas décadas, diversos pesquisadores estudam os parâmetros físico-químicos da lipoproteína de alta densidade (HDL) e relatam mecanismos cardioprotetores adicionais que parecem modular o risco cardiovascular, independente do conteúdo de colesterol associado à partícula. O objetivo deste estudo é desenvolver um escore de funcionalidade da HDL e avaliar a sua associação com algoritmos de predição de risco cardiovascular e desfechos clínicos em indivíduos brasileiros. Trata-se de um estudo transversal utilizando dados e resultados parciais de um estudo principal "Propriedades físico-químicas da LDL e da HDL, marcadores cardiometabólicos e oxidativos podem ser modulados pelo consumo de ômega-3, ômega-6 e ômega-9 em indivíduos com risco cardiovascular intermediário?", financiado pela FAPESP (Proc 2011/12523-2), Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Fluídos Completos (INCT-FCx 2010-2014) e do Núcleo de Apoio à Pesquisa de Fluídos Complexos (NAP-FCx 2011-2016). Para o desenvolvimento do escore de funcionalidade da HDL, o presente estudo propõe as seguintes análises: determinação da atividade da paraoxonase 1 (PON1), da fosfolipase A2 associada à lipoproteínas da (Lp-PLA2), da proteína de transferência de ésteres de colestrol (CETP) e da proteína de transferência de fosfolipídeos (PLTP) por meio de kits comerciais; avaliação da capacidade de transferência de lipídeos e da capacidade antioxidante da HDL (lag time) por métodos experimentais e determinação do conteúdo de antioxidantes lipossolúveis na HDL (±-tocoferol, ²-caroteno, licopeno e retinol) utilizando o sistema de cromatografia líquida de alta eficiência. Os resultados serão submetidos a tratamento estatístico para categorização e classificação da amostra, além de Modelos de Regressão Logística para verificar a associação do novo escore com os algoritmos de risco cardiovascular e com desfechos clínicos em uma amostra diferente. Os testes estatísticos serão realizados com o auxílio do programa Statistical Package for the Social Sciences® (SPSS), versão 20.0. O valor de significância considerado será de p< 0,05. As análises e métodos apresentados na presente proposta estão parcialmente inseridos no projeto INCT-FCx (CHAMADA PÚBLICA MCTI/CNPQ/CAPES/FAPESP Nº 16/2014 - PROGRAMA INCT, 2015-2020,), atualmente em análise no CNPq e FAPESP. (AU)

Resumo

A dislipidemia é uma doença causada pela desregulação dos níveis lipídicos na corrente sanguínea muito prevalente em todo o mundo. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia a doença é classificada como Hipercolesterolemia (altos níveis de Lipoproteína de Baixa Densidade-LDL), hipertrigliceridemia (níveis elevados de triglicerídeos-TG), hiperlipidemia mista (altos níveis de LDL e TG) e baixa Lipoproteína de Alta Densidade (HDL). Níveis reduzidos de HDL e elevado nível de LDL têm sido associados com o desenvolvimento de aterosclerose. Atualmente, as estatinas são os fármacos de primeira escolha para o tratamento da dislipidemia. Estes fármacos reduzem o LDL, mas tem baixa eficiência para aumentar o HDL. Estratégias destinadas ao aumento de HDL têm explorado diferentes vias durante a biossíntese de lipídios. Receptores PPARs são ativados por fibratos, que elevam o HDL e reduzem os níveis de triglicérideos. Bromodomain são leitores epigenéticos e a sua inibição por RVX-208 aumenta os níveis de apoA-1 e HDL em humanos. Recentemente, foi descrito que o composto dislipidêmico RVX-208 foi capaz de inibir BRD2. Durante nossa investigação inicial, nós sintetizamos novos agonistas de PPARs baseados na estrutura do resveratrol e identificamos a capacidade destes compostos de interagirem com BRD2. Portanto, na presente proposta será investigada a capacidade destes compostos em inibir BRD2, a fim de identificar novos compostos híbridos com atividade dupla úteis para o tratamento de dislipidemia. (AU)

Resumo

No infarto do miocárdio (IM), a intensidade da disfunção endotelial (DE) representa importante determinante da morbimortalidade. Apesar de a DE no pós-IM se relacionar com atividade inflamatória (AI), pouco se sabe sobre outros potenciais definidores. Assim, a ação da lipoproteína de alta densidade (HDL) no IM pode representar um dos atores nesse contexto. Em indivíduos saudáveis, a HDL está inversamente associada com eventos cardiovasculares, principalmente ao desempenhar papel protetor do endotélio. Porém, em condições em que sobrevém alta AI, como no IM, a HDL perde suas propriedades antiaterogênicas, podendo induzir a DE. Nosso grupo de pesquisa mostrou que a AI sistêmica está aumentada no quinto dia após o IM em relação a admissão, assim como a oxidação da HDL. Ainda não está claro o efeito funcional da HDL na fase aguda do IM sobre a DE, principalmente as vias de sinalização celular ativadas ou inibidas e sua influência na biodisponibilidade de componentes necessários para a produção de NO. O objetivo desse projeto será avaliar o efeito da HDL obtido no primeiro e quinto dia após o IM sobre a produção endotelial de óxido nítrico (NO) e endotelina-1 (ET-1). Também investigar as principais vias de sinalização celular ativadas nesse processo, e mensurar o substrato, cofatores e coenzimas da NO sintase endotelial (eNOS) responsável pela produção de NO. No estudo serão incluídos 25 pacientes infartados e 25 indivíduos sem doença manifesta. A HDL será isolada por ultracentrifugação e cultivada com células endoteliais arteriais coronarianas humanas (HCAEC). Utilizaremos testes: (I) Immunoblotting para verificar as vias de sinalização celular; (II) ELISA para quantificar ET-1, marcadores inflamatórios e de estresse oxidativo; (III) Quimioluminescência para dosar o NO; e (IV) ELISA e Metabolômica por Ressonância Nuclear Magnética para quantificar o substrato, cofatores e coenzimas para a síntese de NO. (AU)

Resumo

Introdução: Pacientes classificados erroneamente como baixo risco cardiovascular (BRC) continua a ser uma das principais preocupações e desafios dos marcadores de risco tradicionais. Devido a sua associação com a capacidade aceptora de colesterol, o tamanho da lipoproteína de alta densidade (HDL) tem sido apontado como um potencial marcador de risco. Por isso, nós investigamos se o tamanho da HDL melhora o valor preditivo da HDL-colesterol na identificação da carga aterosclerótica da carótida em indivíduos classificados em BRC. Métodos e Resultados: 284 pacientes (40-75 anos) classificados como BRC pelas diretrizes atuais foram selecionados nos centros de atenção primária das cidades de Campinas e Americana, SP, Brasil. Lipoproteínas contendo apo-B foram precipitadas por polietilenoglicol e o tamanho da HDL foi medido por técnica de espalhamento dinâmico de luz. Os participantes foram classificados em tercis de tamanho de HDL. A espessura intima-medial da carótida (EIMc) <0,90mm foi determinada por ultrassonografia e modelos de regressão ordinal multivariada foram utilizadas para avaliar a associação entre EIMc e tamanho de HDL e parâmetros lipídicos. HDL-colesterol não associou-se com EIMc. Em contraste, o tamanho de HDL >8,22nm foi independentemente associado com baixa EIMc (odds ratio 0,23; IC 95% 0,07-0,74, p=0,013). Conclusão: O tamanho da partícula de HDL constitui um melhor preditor de aterosclerose carotídea subclínica do que as medidas tradicionais de HDL-colesterol em indivíduos classificados como BRC. (AU)

Resumo

A obesidade é uma patologia que apresenta ocorrência frequente em cães. Além de estar associada a diversas comorbidades e reduzir a qualidade de vida, diminui a expectativa de vida desses animais. Deste modo, este estudo terá como objetivo avaliar e correlacionar o exame físico, a graduação do escore corporal por meio de medidas morfométricas, com o ritmo cardíaco, as alterações laboratoriais, as comorbidades presentes, o perfil de alimentação e nível de atividade física de cães obesos, atendidos na rotina do serviço de Clínica Médica de Pequenos Animais da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - FMVZ, Unesp, Botucatu, SP. Serão estudados cães portadores de aparente obesidade, atendidos no referido serviço, no período entre Janeiro de 2014 e Dezembro de 2014. Serão avaliados: o exame físico (pressão arterial sistólica e exame físico geral); o peso corporal; as medidas morfométricas para graduação do escore corporal (índice de massa corporal- IMC e índice de composição corporal- ICC); a eletrocardiografia de alta resolução, para determinar o ritmo cardíaco; parâmetros laboratoriais como perfil lipídico (colesterol total, lipoproteínas de alta densidade- HDL, lipoproteínas de baixa densidade- LDL e triglicérides); função renal (ureia e creatinina séricas); e perfil hepático (glicose sérica, enzimas aspartato aminotransferase- AST, alanina aminotransferase-ALT, fosfatase alcalina- FA e gamaglutamil transpeptidase- GGT). Serão determinados, junto ao condutor do animal, a doença de base do cão (motivo de procura pelo atendimento médico), os hábitos alimentares e o nível e frequência de atividade física exercida pelo animal. (AU)

Resumo

O concentrado em substituição à parte da forragem na alimentação, principalmente por grãos de cereais ricos em amido, a fim de suprir as necessidades energéticas do animal, pode exceder a capacidade digestiva do intestino delgado e atingir o ceco e cólon, acarretando em mudanças na microbiota e causando distúrbios gastrointestinais. O objetivo desse estudo será, avaliar o efeito da suplementação com óleo essencial carvacrolcom ou sem a inclusão de levedura (sacharomices cerevisae) sobre a digestibilidade aparente dos nutrientes da dieta, resposta glicêmica e insulinêmica pós-prandial, pH fecal, perfil plasmático de triglicerídeos, colesterol total, frações de colesterol ligado à lipoproteína de alta densidade (HDL-C), colesterol ligado à lipoproteína de baixa densidade (LDL-C) e colesterol ligado à lipoproteína de muito baixa densidade (VLDL-C). Serão utilizados oito animais da raça Mini-horse, machos, castrados, com idade aproximada 42 meses, peso aproximado de 135 kg, desafiados com dieta contendo alta proporção de concentrado: volumoso, constituída de 60% concentrado comercial peletizado e 40% de feno de gramínea, cuja variação será a inclusão de um produto contendo 7% de carvacrol. No primeiro experimento, os tratamentos serão: controle, 100, 200 e 300 ppm de óleo essencial carvacrol. No segundo experimento, os tratamentos serão: controle, inclusão da quantidade de óleo essencial indicado pelos resultados do primeiro experimento, inclusão de levedura e inclusão de levedura e óleo essencial, com objetivo de avaliar se existe efeito somatório da inclusão dos dois ativos. O delineamento experimental utilizado será em quadrado latino duplo 4x4 com medidas repetidas no tempo e os dados obtidos foram submetidos à análise de variância com nível de significância de 5%. (AU)

42 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s)
Marcar todos desta pagina | Limpar seleção