site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
75 resultado(s)
|

Investigação do impacto do infarto do miocárdio sobre o efeito da lipoproteína de alta densidade na produção endotelial de óxido nítrico e endotelina-1

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Andrei Carvalho Sposito
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:14/26136-9
Vigência: 01 de maio de 2015 - 28 de fevereiro de 2018
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Assunto(s):Endotelina-1MetabolômicaDisfunção endotelialInfarto do miocárdioCardiologia
Resumo
No infarto do miocárdio (IM), a intensidade da disfunção endotelial (DE) representa importante determinante da morbimortalidade. Apesar de a DE no pós-IM se relacionar com atividade inflamatória (AI), pouco se sabe sobre outros potenciais definidores. Assim, a ação da lipoproteína de alta densidade (HDL) no IM pode representar um dos atores nesse contexto. Em indivíduos saudáveis, a HDL está inversamente associada com eventos cardiovasculares, principalmente ao desempenhar papel protetor do endotélio. Porém, em condições em que sobrevém alta AI, como no IM, a HDL perde suas propriedades antiaterogênicas, podendo induzir a DE. Nosso grupo de pesquisa mostrou que a AI sistêmica está aumentada no quinto dia após o IM em relação a admissão, assim como a oxidação da HDL. Ainda não está claro o efeito funcional da HDL na fase aguda do IM sobre a DE, principalmente as vias de sinalização celular ativadas ou inibidas e sua influência na biodisponibilidade de componentes necessários para a produção de NO. O objetivo desse projeto será avaliar o efeito da HDL obtido no primeiro e quinto dia após o IM sobre a produção endotelial de óxido nítrico (NO) e endotelina-1 (ET-1). Também investigar as principais vias de sinalização celular ativadas nesse processo, e mensurar o substrato, cofatores e coenzimas da NO sintase endotelial (eNOS) responsável pela produção de NO. No estudo serão incluídos 25 pacientes infartados e 25 indivíduos sem doença manifesta. A HDL será isolada por ultracentrifugação e cultivada com células endoteliais arteriais coronarianas humanas (HCAEC). Utilizaremos testes: (i) Immunoblotting para verificar as vias de sinalização celular; (ii) ELISA para quantificar ET-1, marcadores inflamatórios e de estresse oxidativo; (iii) Quimioluminescência para dosar o NO; e (iv) ELISA e Metabolômica por Ressonância Nuclear Magnética para quantificar o substrato, cofatores e coenzimas para a síntese de NO. (AU)

Dieta cetogênica clássica e modificada: avaliação do potencial terapêutico e impacto sobre o perfil oxidativo, lipidômico, inflamatório e tamanho de lipoproteínas em crianças e adolescentes com epilepsia refratária

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Nágila Raquel Teixeira Damasceno
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:14/26094-4
Vigência: 01 de abril de 2015 - 31 de março de 2018
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Assunto(s):Dieta cetogênicaOxidaçãoEpilepsiaLipoproteínasÁcidos graxos monoinsaturadosMetabolismo dos lipídeos
Resumo
A dieta cetogênica é um tratamento não farmacológico prescrito especialmente para crianças e indicado na maioria dos centros especializados para pacientes com epilepsia refratária. A composição da dieta cetogênica é baseada no alto teor de gorduras, baixo teor de carboidratos e teor proteico moderado, sendo a produção de corpos cetônicos o mecanismo provável envolvido no controle das crises epilépticas. A relação entre o tratamento da dieta cetogênica e as mudanças nas características oxidativas, físicas e lipídicas ainda não estão bem estabelecidas. Alguns trabalhos mostram aumento significativo no total de colesterol e triacilgliceróis em crianças sob tratamento com dieta cetogênica, no entanto outros trabalhos demonstram que as alterações no perfil lipídico em longo prazo não parecem ser significativas, além da influência dessas mudanças nas doenças coronarianas serem desconhecidas. Os estudos realizados nas últimas duas décadas têm demonstrado que além das alterações no perfil lipídico, as modificações oxidativas das lipoproteínas são essenciais à iniciação e progressão da aterosclerose e as propriedades físicas das lipoproteínas também parecem estar envolvidas neste processo, sugerindo que o tamanho das partículas de lipoproteínas, através da análise das suas subfrações pode fornecer mais detalhes do risco cardiovascular. Neste sentido, este trabalho pretende comparar os efeitos da dieta cetogênica clássica com a dieta cetogênica modificada com menor teor de ácidos graxos saturados e maior teor de monoinsaturados e polinsaturados, nas mudanças oxidativas da LDL, no perfil lipidômico, na concentração de antioxidantes, na produção de citocinas inflamatórias e nas subfrações de LDL e HDL em crianças e adolescentes com epilepsia refratária, além do efeito clínico no controle da epilepsia. (AU)

HDL size is more accurate than HDL cholesterol to predict carotid subclinical Atherosclerosis in individuals classified as low cardiovascular risk

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Andrei Carvalho Sposito
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:14/24973-0
Vigência: 01 de março de 2015 - 31 de agosto de 2015
Assunto(s):HDL-ColesterolCardiologia
Resumo
Introdução: Pacientes classificados erroneamente como baixo risco cardiovascular (BRC) continua a ser uma das principais preocupações e desafios dos marcadores de risco tradicionais. Devido a sua associação com a capacidade aceptora de colesterol, o tamanho da lipoproteína de alta densidade (HDL) tem sido apontado como um potencial marcador de risco. Por isso, nós investigamos se o tamanho da HDL melhora o valor preditivo da HDL-colesterol na identificação da carga aterosclerótica da carótida em indivíduos classificados em BRC. Métodos e Resultados: 284 pacientes (40-75 anos) classificados como BRC pelas diretrizes atuais foram selecionados nos centros de atenção primária das cidades de Campinas e Americana, SP, Brasil. Lipoproteínas contendo apo-B foram precipitadas por polietilenoglicol e o tamanho da HDL foi medido por técnica de espalhamento dinâmico de luz. Os participantes foram classificados em tercis de tamanho de HDL. A espessura intima-medial da carótida (EIMc) <0,90mm foi determinada por ultrassonografia e modelos de regressão ordinal multivariada foram utilizadas para avaliar a associação entre EIMc e tamanho de HDL e parâmetros lipídicos. HDL-colesterol não associou-se com EIMc. Em contraste, o tamanho de HDL >8,22nm foi independentemente associado com baixa EIMc (odds ratio 0,23; IC 95% 0,07-0,74, p=0,013). Conclusão: O tamanho da partícula de HDL constitui um melhor preditor de aterosclerose carotídea subclínica do que as medidas tradicionais de HDL-colesterol em indivíduos classificados como BRC. (AU)

Efeito da galantamina em parâmetros hemodinâmicos, metabólicos e citocinas em portadores da síndrome metabólica: estudo clínico prospectivo randomizado

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Campus Vergueiro. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fernanda Marciano Consolim Colombo
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/22250-9
Vigência: 01 de junho de 2014 - 31 de maio de 2016
Assunto(s):CardiologiaPressão sanguíneaInflamaçãoSíndrome metabólicaCitocinasGalantamina
Resumo
A síndrome metabólica consiste na combinação de condições que tendem a se agrupar e aumentar o risco para diabetes tipo 2 e doença cardiovascular. Seus componentes incluem obesidade central, níveis aumentados de glicose, dislipidemia caracterizada por aumento de triglicérides e baixos níveis de HDL e aumento da pressão arterial. Apesar da não determinação de um mecanismo fisiopatológico unificador, há um consenso de que o processo inflamatório tem um papel importante na patogenia da síndrome. A síndrome metabólica tem alcançado proporções epidêmicas e até o presente não há intervenção farmacológica comprovada que atue simultaneamente em todos os seus componentes. Recentemente se descreveu que a inflamação pode ser regulada por mecanismos neurais colinérgicos e a galantamina, um inibidor da acetilcolinesterase, suprime a inflamação e atua de forma favorável nos componentes da síndrome diminuindo a sua patogenia em roedores. O objetivo deste estudo prospectivo, randomizado, duplo cego, placebo controle, é explorar a eficácia terapêutica da galantamina em pacientes com síndrome metabólica. Serão avaliados parâmetros hemodinâmicos, demográficos, metabólicos, de modulação autonômica, e marcadores inflamatórios, em pacientes, de ambos os sexos, na faixa etária de 18 a 55 anos, que receberão galantamina ou placebo por um período de 16 semanas. A hipótese é a de que o tratamento da síndrome metabólica com galantamina causará melhora nas condições a ela associadas e diminuirá o estado inflamatório. O fato de ser uma droga aprovada para uso em portadores de alterações cognitivas e de perfil seguro facilita seu uso em indivíduos com o diagnóstico de síndrome metabólica. (AU)

Metabolismo lipídico em pacientes com hipotireoidismo

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lenine Garcia Brandão
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/24197-8
Vigência: 01 de junho de 2014 - 31 de maio de 2016
Assunto(s):EndocrinologiaHipotireoidismoHipertireoidismoMetabolismo dos lipídeosTriglicerídeosColesterol LDLNanoemulsão
Resumo
A disfunção tireoideana altera enzimas, receptores e outras proteínas que intervém no metabolismo plasmático dos lípides. A hipercolesterolemia do hipotireoidismo é a alteração mais conhecida na disfunção tireoideana, mas o metabolismo dos quilomícrons,VLDL e HDL também são afetados. Emulsões lipídicas produzidas artificialmente e que imitam a composição das lipoproteínas podem ser utilizadas para avaliar in vitro e in vivo os diversos sistemas de transporte de lípides na circulação. A determinação da cinética plasmática das emulsões lipídicas artificiais apresenta grande praticidade operacional e possibilita detectar alterações no metabolismo das lipoproteínas ricas em triglicérides, as VLDL e os quilomícrons, e as LDL. Emulsões são utilizadas para avaliar in vitro os processos de transferência lipídica envolvendo as HDL e que tem grande importância para a função desta lipoproteína anti-aterogênica. Em estudo recente, verificou-se que, embora o perfil lipídico plasmático estivesse normal as transferências lipídicas estavam alteradas no hipotireoidismo sub-clínico. O tratamento do câncer da tireoide oferece um modelo para estudar as influências do hormônio tireoideano sobre o metabolismo lipídico.Realizada a tireoidectomia total,os pacientes permanecem em hipotireoidismo clínico por cerca de 6 semanas após a cirurgia para serem submetidos à pesquisa de metástases. Após este período,os pacientes são mantidos em hipertireoidismo sub-clínico pela administração de dose suprafisiológica de hormônio tireoideano. O objetivo é avaliar nesses pacientes os efeitos do hipotireoidismo e do hipertireoidismo sub-clínico sobre o metabolismo das lipoproteínas ricas em triglicérides e das LDL e sobre as transferências de lípides. Com esta finalidade, serão determinados nos pacientes, após 6 semanas, em hipotireoidismo e novamente em hipertireoidismo sub-clínico, o perfil lipídico e de apolipoproteínas plasmáticas e as cinéticas do quilomícron artificial, da emulsão rica em colesterol. As transferências para a HDL serão avaliadas em ensaio in vitro, utilizando emulsões artificiais como doadoras de lípides marcados com isótopos radioativos. (AU)

Função anti-inflamatória da apolipoproteína A-IV no diabete melito e seu reflexo sobre o transporte reverso de colesterol de macrófagos: influência da modificação por glicação avançada

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marisa Passarelli
Supervisor no exterior: Kerry-Anne Rye
Local de pesquisa: University of New South Wales (UNSW) (Austrália)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Processo:13/23392-1
Vigência: 01 de abril de 2014 - 31 de março de 2015
Assunto(s):InflamaçãoAterosclerose
Resumo
A relação inversa entre HDL-colesterol e doença cardiovascular é bem estabelecida por estudos epidemiológicos. Por outro lado, ensaios clínicos e estudos genéticos recentes têm falhado em demonstrar benefícios cardiovasculares advindos do aumento da concentração plasmática de HDL-colesterol. Isto pode estar relacionado com a grande heterogeneidade da partícula de HDL em relação a tamanho, composição e pela perda parcial de sua função. Recentemente, a análise do proteoma da HDL evidenciou um perfil diferente na doença cardiovascular, em especial, pela redução da apoA-IV. Assim como a apoA-I, a apoA-IV apresenta propriedades anti-inflamatórias e exerce papel antiaterogênico por diferentes mecanismos. No diabete melito, a modificação da apoA-I por produtos de glicação avançada (AGE) modifica suas propriedades biológicas e reduz sua capacidade de inibir a inflamação, oxidação e de estimular o efluxo de colesterol. Recentemente, nosso grupo demonstrou que a glicação avançada sensibiliza macrófagos à inflamação induzida por calgranulinas e lipopolissacarídeo (LPS) o que prejudica o efluxo de colesterol de macrófagos, pela redução na expressão do receptor de HDL, ABCA-1. Além disso, na presença de AGE, a HDL não é capaz de prevenir a secreção de mediadores inflamatórios por macrófagos. Nossa proposta é analisar a propriedade anti-inflamatória da apoA-IV no diabete melito, especialmente a influência da glicação avançada e como isso pode impactar o transporte reverso de colesterol de macrófagos. Para isso, apoA-IV será isolada do plasma de pacientes diabéticos com controle glicêmico adequado e inadequado e de indivíduos controles saudáveis. Além disso, apoA-IV recombinante será produzida pela E coli e submetida a glicação in vitro. Macrófagos do peritônio de camundongos e células endoteliais da coronária humana (HCAECs) serão tratadas com diferentes os tipos de apoA-IV e, posteriormente, expostas ao LPS. O meio condicionado será coletado para medir a produção de citocinas inflamatórias e moléculas de adesão e para tratar macrófagos não estimulados, previamente enriquecidos com colesterol e 14C-colesterol, para avaliar o efluxo de colesterol mediado por apoA-I. Nas células, serão determinados: mRNA de mediadores inflamatórios e do NF-kB e a expressão dos receptores de HDL (ABCA1 e ABCG1). Os resultados irão ajudar a elucidar o papel antiaterogênico da apoA-IV, como essa função pode ser prejudicada pela glicação avançada presente no diabete melito e como pode ser melhorada pelo controle glicêmico adequado. (AU)

Estudo prospectivo e das comorbidades associadas de cães obesos atendidos no serviço de clínica médica de pequenos animais da FMVZ- Unesp, Botucatu

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alessandra Melchert
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/22898-9
Vigência: 01 de março de 2014 - 28 de fevereiro de 2015
Assunto(s):EndocrinologiaObesidadeCãesSíndrome metabólica
Resumo
A obesidade é uma patologia que apresenta ocorrência frequente em cães. Além de estar associada a diversas comorbidades e reduzir a qualidade de vida, diminui a expectativa de vida desses animais. Deste modo, este estudo terá como objetivo avaliar e correlacionar o exame físico, a graduação do escore corporal por meio de medidas morfométricas, com o ritmo cardíaco, as alterações laboratoriais, as comorbidades presentes, o perfil de alimentação e nível de atividade física de cães obesos, atendidos na rotina do serviço de Clínica Médica de Pequenos Animais da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - FMVZ, Unesp, Botucatu, SP. Serão estudados cães portadores de aparente obesidade, atendidos no referido serviço, no período entre Janeiro de 2014 e Dezembro de 2014. Serão avaliados: o exame físico (pressão arterial sistólica e exame físico geral); o peso corporal; as medidas morfométricas para graduação do escore corporal (índice de massa corporal- IMC e índice de composição corporal- ICC); a eletrocardiografia de alta resolução, para determinar o ritmo cardíaco; parâmetros laboratoriais como perfil lipídico (colesterol total, lipoproteínas de alta densidade- HDL, lipoproteínas de baixa densidade- LDL e triglicérides); função renal (ureia e creatinina séricas); e perfil hepático (glicose sérica, enzimas aspartato aminotransferase- AST, alanina aminotransferase-ALT, fosfatase alcalina- FA e gamaglutamil transpeptidase- GGT). Serão determinados, junto ao condutor do animal, a doença de base do cão (motivo de procura pelo atendimento médico), os hábitos alimentares e o nível e frequência de atividade física exercida pelo animal. (AU)

Tráfego intracelular do receptor de HDL ABCA-1 em macrófagos tratados com albumina modificada por glicação: a influência do controle glicêmico no transporte reverso de colesterol

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marisa Passarelli
Supervisor no exterior: Shinji Yokoyama
Local de pesquisa: Chubu University (Japão)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Processo:13/26256-1
Vigência: 23 de fevereiro de 2014 - 22 de maio de 2014
Assunto(s):EndocrinologiaMacrófagosColesterolDiabetes mellitus
Resumo
No diabete melito (DM), alterações no metabolismo de lípides e lipoproteínas contribuem para o elevado risco de complicação macrovascular aterosclerótica. A hiperglicemia é apontada como importante fator etiopatogênico das complicações micro e macrovasculares do DM, favorecendo a geração de espécies reativas de oxigênio (ROS) e a geração de oxoaldeídos reativos, como glioxal, metilglioxal e glicolaldeído, que intermedeiam a formação dos produtos de glicação avançada (AGE). Recentemente, demonstramos que os AGE prejudicam o transporte reverso de colesterol de macrófagos, ocasionando acúmulo intracelular de esteróis totais (em especial, colesterol e 7-cetocolesterol), insulto oxidativo e inflamatório. A albumina modificada por glicação avançada (albumina-AGE) reduz o conteúdo do receptor ABCA-1, independentemente de alteração em seu mRNA. Em consequência, há prejuízo na remoção de colesterol por apo A-I e acúmulo intracelular de lípides. Maior geração de ROS e aumento da expressão de chaperonas marcadoras de estresse do retículo endoplasmático (Grp 78 4 Grp94) e de proteínas da via adaptativa ao acúmulo de proteínas mal enoveladas, como eIF2-± e ATF6, vinculam-se à diminuição no conteúdo proteico final de ABCA-1. Este evento parece não resultar de maior atividade do sistema ubiquitina proteasoma, embora vias de degradação lisossomal (autofagia) ou de superfície - mediadas pela calpaína -possam contribuir para a redução do ABCA-1. Albumina-AGE, isolada do soro de portadores de DM com controle glicêmico inadequado também afeta adversamente o efluxo de colesterol e altera a expressão diferencial de genes em macrófagos. Nossa hipótese é de que o controle glicêmico adequado, (HbA1c <7,0 % e frutosamina <300µmol/L ) possa reverter o prejuízo no conteúdo de ABCA-1 e efluxo de colesterol induzido, em macrófagos, pela albumina modificada por glicação avançada (isolada durante a descompensação glicêmica). A melhora no conteúdo de ABCA-1 deve, por sua vez, ser determinada pela modulação de vias de degradação deste receptor, notadamente, a degradação mediada por calpaína e pelos sistemas ubiquitina-proteasoma e lisossomal. Neste estudo, espera-se que possamos evidenciar a contribuição do controle glicêmico adequado (refletido, em última instância pela redução na glicação avançada da albumina) na prevenção da redução de ABCA-1 e prejuízo no efluxo de colesterol. Em outras palavras, os resultados ajudarão a esclarecer como o controle glicêmico pode contribuir para a prevenção do acúmulo de lípides em macrófagos e, portanto, para a aterosclerose no DM. (AU)

Inclusão de óleo essencial em dieta para equinos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alexandre Augusto de Oliveira Gobesso
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Nutrição e Alimentação Animal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/12767-4
Vigência: 01 de fevereiro de 2014 - 31 de janeiro de 2015
Assunto(s):AlimentaçãoLeveduras
Resumo
O concentrado em substituição à parte da forragem na alimentação, principalmente por grãos de cereais ricos em amido, a fim de suprir as necessidades energéticas do animal, pode exceder a capacidade digestiva do intestino delgado e atingir o ceco e cólon, acarretando em mudanças na microbiota e causando distúrbios gastrointestinais. O objetivo desse estudo será, avaliar o efeito da suplementação com óleo essencial carvacrolcom ou sem a inclusão de levedura (sacharomices cerevisae) sobre a digestibilidade aparente dos nutrientes da dieta, resposta glicêmica e insulinêmica pós-prandial, pH fecal, perfil plasmático de triglicerídeos, colesterol total, frações de colesterol ligado à lipoproteína de alta densidade (HDL-C), colesterol ligado à lipoproteína de baixa densidade (LDL-C) e colesterol ligado à lipoproteína de muito baixa densidade (VLDL-C). Serão utilizados oito animais da raça Mini-horse, machos, castrados, com idade aproximada 42 meses, peso aproximado de 135 kg, desafiados com dieta contendo alta proporção de concentrado: volumoso, constituída de 60% concentrado comercial peletizado e 40% de feno de gramínea, cuja variação será a inclusão de um produto contendo 7% de carvacrol. No primeiro experimento, os tratamentos serão: controle, 100, 200 e 300 ppm de óleo essencial carvacrol. No segundo experimento, os tratamentos serão: controle, inclusão da quantidade de óleo essencial indicado pelos resultados do primeiro experimento, inclusão de levedura e inclusão de levedura e óleo essencial, com objetivo de avaliar se existe efeito somatório da inclusão dos dois ativos. O delineamento experimental utilizado será em quadrado latino duplo 4x4 com medidas repetidas no tempo e os dados obtidos foram submetidos à análise de variância com nível de significância de 5%. (AU)

Papel dos lípides plasmáticos e fatores inflamatórios na fisiopatologia, evolução e prognóstico da insuficiência cardíaca da cardiopatia isquêmica e não isquêmica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Antonio Carlos Pereira Barretto
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/04792-9
Vigência: 01 de fevereiro de 2014 - 31 de janeiro de 2016
Assunto(s):CardiologiaInsuficiência cardíacaMetabolismo lipídicoColesterol HDLMicroRNAsPCR em tempo real
Resumo
O aumento da expectativa de vida da população é acompanhado do aumento da incidência da insuficiência cardíaca (IC), síndrome complexa e progressiva e de sobrevida muito curta. Níveis mais elevados de HDL-colesterol estão relacionados com maior sobrevida desses pacientes. A HDL tem várias ações protetoras, como ações antiinflamatórias, vasodilatadoras, anti-agregantes e antioxidantes, no transporte reverso e esterificação do colesterol. A transferência de lípides de outras lipoproteínas para a HDL é um passo importante no seu metabolismo, sendo facilitada pelas proteínas de transferência, CETP e PLTP. Foram identificados microRNAs (miRNAs), envolvidos no efluxo celular de colesterol, crucial no transporte reverso. A avaliação dos aspectos funcionais da HDL pode abrir caminho para o estabelecimento de novos marcadores de prognóstico e indicar novos alvos terapêuticos na IC. O objetivo é investigar na IC crônica avançada aspectos funcionais e metabólicos da HDL, como a transferência de lípides para a HDL e a expressão de miRNAs envolvidos no transporte reverso e a correlação destes parâmetros com fatores inflamatórios e com o prognóstico dos pacientes. Quatrocentos pacientes alocados em 4 grupos: 2 deles com IC de origem isquêmica com graus diferentes; um de origem não-isquêmica; e o grupo controle, com doença coronária sem IC. A transferência de lípides será realizada por ensaio in vitro. A fração HDL dos participantes será também caracterizada quanto ao seu tamanho, atividade antioxidante e, quanto à sua composição lipídica e protéica. Serão determinados os fatores inflamatórios por ensaios multiplex, além da massa e atividade das CETP e PLTP. A expressão dos miRNAs será realizada por PCR em tempo real. (AU)
75 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP