site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
6 resultado(s)
|

Permeabilidade intestinal em pacientes tratados com quimioterapia e estado nutricional quanto a antioxidantes e ácido fólico

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Paula Garcia Chiarello
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:08/02134-6
Vigência: 01 de fevereiro de 2009 - 31 de maio de 2010
Assunto(s):QuimioterapiaÁcido fólico
Resumo
Introdução: A quimioterapia apresenta efeitos colaterais prejudiciais ao trato digestivo. Acredita-se que existam conexões entre a quimioterapia, estresse oxidativo e danos à mucosa intestinal. Um dos testes utilizados na verificação da permeabilidade intestinal é o de dosagem de açúcares de pouca absorção, como o manitol e a lactulose. Objetivos: Avaliar a permeabilidade intestinal e estado nutricional quanto às vitaminas antioxidantes e ácido fólico em indivíduos tratados com quimioterapia. Metodologia: Avaliação nutricional: análise dos dados dietéticos, antropométricos e bioquímicos, além dos níveis plasmáticos de vitaminas E, C e beta-caroteno, ácido fólico plasmático e eritrocitário. Teste de Permeabilidade Intestinal: Coleta de toda a urina antes e 5 horas após a ingestão, em jejum, de 150 ml de solução de manitol (2g) e lactulose (7,5g). Avaliação da mucosite: classificação da mucosite por meio do grau de toxicidade decorrente do tratamento. Resultados: serão expressos pela média e desvio-padrão, por porcentagem excretada de manitol e lactulose e pela razão lactulose/manitol. A análise das diferenças intra e entre os grupos (tratamento quimioterápico e controle) será feita por teste não paramétrico. (AU)

Otimização das propriedades reológicas e sensoriais de iogurtes probióticos enriquecidos com proteínas lácteas

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marice Nogueira de Oliveira
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Tecnologia de Alimentos
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:07/03588-8
Vigência: 01 de outubro de 2007 - 30 de setembro de 2009
Assunto(s):Alimentos funcionaisProbióticosIogurteLeite fermentadoLactobacillusReologia
Resumo
O uso dos alimentos funcionais como veículo de promoção do bem-estar e saúde e, ao mesmo tempo, como redutor dos riscos de algumas doenças, tem incentivado as pesquisas de novos componentes naturais e o desenvolvimento de novos ingredientes. Dentre os funcionais destacam-se os leites fermentados contendo prebióticos e recentemente prebióticos. Este projeto tem como objetivos otimizar as propriedades reológicas e sensoriais de iogurtes probióticos enriquecidos com proteínas lácteas. Para estudar a otimização do uso de proteínas lácteas em iogurtes probióticos será utilizado um delineamento experimental do tipo simplex centróide, para modelagem de misturas. O projeto que estudará as interações entre os ingredientes (proteína concenrtrada de soro, caseinato de sódio e leite em pó) inclui sete experimentos sendo três com os ingredientes puros, dois correspondentes a misturas binárias e um a uma mistura ternária. Em paralelo aos sete experimentos delineados, será realizado um ensaio controle com leite não suplementado. Os leites serão fermentados a 42 °C até pH 4,5 empregando-se as culturas Streptococcus thermophilus, Lactobacillus delbrueckii subsp. bulgaricus, Lactobacillus acidophilus e Bifidus lactis e a cinética de acidificação determinada. Os leites fermentados serão submetidos às análises físico-químicas (sólidos totais, lactose, gordura, proteína, pH e acidez titulável), determinação de textura (firmeza, consistência, coesividade e breaking point) e caracterização reológica (testes de fluxo, yield stress, módulo de armazenagem, G´, módulo de perda, G´´, região de visco elasticidade linear, LVE e recuperação estrutural). As estruturas dos leites fermentados serão determinadas e as bactérias probióticas serão enumeradas 24h após a fermentação. Aos resultados das respostas analíticas - tempo de fermentação (tpH4,5), parâmetros de textura (firmeza),e enumeração das culturas probióticas serão testados três modelos de regressão (linear, quadrática e cúbico especial) aplicados a misturas. A adequação dos modelos aos resultados experimentais será avaliada em relação à falta de ajuste, à análise de variância e à comparação entre os valores estimados e observados numa mistura selecionada. Serão conduzidos testes de confirmação na região de compromisso obtida isto é, com o leite cuja porcentagem de ingredientes (proteína concentrada de soro, caseinato de sódio e leite em pó desnatado), satisfaça, simultaneamente, todas as respostas de interesse. Finalmente, experimentos comparativos serão conduzidos com este mesmo leite suplementado com lactulose (2 a 4% quantidade a ser estabelecida em função de ensaios prévios) e com o leite controle (sem suplementação). Será realizada análise sensorial dos produtos desenvolvidos. (AU)

Padronização do teste manitol/lactulose e avaliação de permeabilidade intestinal em autistas

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Paula Garcia Chiarello
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:06/07015-0
Vigência: 01 de fevereiro de 2007 - 31 de dezembro de 2007
Assunto(s):AutismoLactuloseManitol
Resumo
Introdução: Autismo é um transtorno neuropsiquiátrico caracterizado pela aparência física normal. É parte de um grupo de condições definidas como Transtornos Invasivos do Desenvolvimento (TIDs), também referidas como transtornos do “espectro do autismo”, as quais são agrupadas por apresentarem em comum uma interrupção precoce dos processos de sociabilização. Outras áreas do funcionamento cognitivo, como a comunicação e a presença de comportamentos repetitivos e interesses restritos, estão comprometidas nos TIDs. Acredita-se que haja conexões entre componentes dietéticos e desencadeamento ou piora dos sintomas no autismo. Para a verificação de permeabilidade intestinal um dos testes utilizado é o de dosagem de açúcares de pouca absorção, como o manitol e a lactulose.Objetivos: Analisar o estado nutricional e padronizar a metodologia de dosagem de manitol e lactulose para avaliação da permeabilidade intestinal em autistas da Associação dos Amigos do Autista, em Ribeirão Preto-SP.Metodologia: Serão aplicados 3 Registros Alimentares (incluindo um dia de final de semana) e um Inquérito Semiquantitativo de Freqüência Alimentar em responsáveis pelos autistas. Serão aferidos peso, altura, prega tricipital e circunferência do braço. Serão calculados IMC, Área Muscular do Braço e Área de Gordura do Braço. A faixa etária, sexo e idade serão considerados.Padronização do método: Montagem de uma curva de calibração de manitol e lactulose feita com 5 concentrações (0 a 100 g/mL) cada, utilizando como padrão interno mio-inositol. Soluções de 200L são secas em fluxo de nitrogênio e derivadas com solução de anidrido acético: piridina (2:1; v/v) por 30 minutos na temperatura de 60ºC. Após resfriamento à temperatura ambiente e seco em fluxo de nitrogênio, o resíduo é ressuspendido em 500 L de acetato de etila e 1 L é injetado no cromatógrafo gasoso (Shimadzu GC-17A) equipado com coluna capilar DB-1 30mx0,25mmx0,25m. Condições cromatográficas: injetor: 250°C; detector (DIC): 280°C; coluna: 220°C/5min, aumentada de 10°C/min por 2 min, 5°C/min por 4 min e 3,5°C/min por 4 min até 274°C, permanecendo por 7 min.Teste Permeabilidade Intestinal: Coleta de toda a urina antes e após a ingestão, em jejum, de 150 ml de solução de manitol e lactulose, nas concentrações de 10 g e 5 g, respectivamente. Segue-se a coleta de toda urina eliminada nas próximas 5 horas. Adiciona-se 100 mg de fluoreto de sódio para garantir a preservação da amostra. Preparam-se amostras através da centrifugação a 2250 rpm por vinte minutos. Uma alíquota do sobrenadante será utilizada para a derivação, conforme descrito. De início, o teste de permeabilidade intestinal será realizado em voluntários sadios. Logo após a verificação e análise dos resultados obtidos, indivíduos autistas serão submetidos ao teste de permeabilidade intestinal.Resultados: Teste não paramétrico Mann Whitney será utilizado para a análise das diferenças entre os grupos (autista; controle). Os resultados serão expressos em média e desvio-padrão e também por porcentagem excretada de manitol/lactulose, em referência às quantidades ingeridas dos açúcares, e pela razão lactulose/manitol (AU)

Padronização do teste de lactulose/manitol para verificação da permeabilidade intestinal em ratos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alceu Afonso Jordão Junior
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:06/06040-0
Vigência: 01 de dezembro de 2006 - 30 de novembro de 2007
Assunto(s):Cromatografia a gásLactuloseManitolNutrição experimental
Resumo
A padronização da dosagem de açúcares como a lactulose e o manitol por cromatografia gasosa pode ser de grande valia na investigação da permeabilidade intestinal alterada em situações clínicas diversas, podendo direcionar para tratamentos clínicos e nutricionais específicos.Este estudo terá como objetivo a padronização do teste de lactulose/manitol, possibilitando a verificação da permeabilidade intestinal em ratos. Serão coletadas amostras de urina, fezes e sangue basais, e após uma semana de tratamento por gavagem da dose de 100 mg de manitol e 200 mg de lactulose dissolvidos em 1 mL de água destilada; e após 24 horas serão coletadas amostras de urina, fezes e sangue. Para a determinação do manitol e lactulose será utilizado a cromatografia gasosa, a qual necessita de um passo de preparação das amostras, a derivação, permitindo que a substância desejada volatilize. Para isso, utilizaremos o seguinte procedimento, adquirir uma alíquota de 200 L da amostra e diluir em 3 mL de água destilada, secar em fluxo de nitrogênio e adicionar 300 L de anidrido acético:piridina (2:1, v/v), deixar reagir durante 30 minutos à 60ºC; em seguida, secar em fluxo de nitrogênio e ressuspender em 500 L de acetato de etila. Com este procedimento, as moléculas de lactulose e manitol classificadas como pólios, se tornarão voláteis, sendo possível sua determinação por cromatografia gasosa. (AU)

Estudo da produção de iogurtes probióticos com o gênero Bifidobacterium

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Walkiria Hanada Viotto
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Tecnologia de Alimentos
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:00/02580-4
Vigência: 01 de maio de 2000 - 30 de setembro de 2003
Assunto(s):IogurteLactulose
Resumo
Este trabalho tem por objetivo estudar a produção de iogurtes com a presença do gênero bifidobacterium, ao qual é atribuído possuir excelentes propriedades terapêuticas e nutricionais sobre a saúde humana. Será estudada a influência do teor de lactulose no leite e da presença de culturas do gênero propionibacterium sobre o número de microorganismos de bifidobacterium durante a produção e estocagem do iogurte. Diferentes meios de cultura também serão avaliados com relação a sua capacidade de enumeração de bifidobacterium. . (AU)

Estudo do esvaziamento gástrico e do trânsito pelo intestino delgado de uma refeição líquida em pacientes diabéticos com neuropatia autonômica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luiz Ernesto de Almeida Troncon
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:92/01612-1
Vigência: 01 de setembro de 1992 - 28 de fevereiro de 1993
Resumo
Este projeto tem como objetivo estudar o esvaziamento gástrico (EG) e o tempo de transito intestinal (TTI) de uma refeição líquida, em diabéticos tipo I (insulino dependentes) com e sem neuropatia autonômica (NA) e compará-los com os de indivíduos normais. Na avaliação da NA estão sendo realizados testes cardiovasculares: "Arritmia sinusal respiratória", "tilting test" e "Valsalva ratio". No estudo do EG e do TTI estão sendo em pregados simultaneamente 2 testes: cintilografia e teste do hidrogênio (H2) no ar expirado. A refeição de prova líquida (250 ml) contém 437 KCal e 18 g de lactulose e é marcada com 99mTc-enxofre coloidal. Até o momento foram estudados 15 indivíduos do grupo controle e 12 pacientes diabéticos, sendo 9 sem NA e 3 com NA. Os resultados obtidos indicam que tanto o EG quanto o TTI estão acelerado nos pacientes diabéticos em relação ao grupo controle e que nos diabéticos com NA, as alterações parecem ser mais acentuadas que nos demais pacientes. (AU)
6 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP