site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas de Pesquisa direcionados à Aplicação
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
7 resultado(s)
|

Desempenho reprodutivo e diferenciação gonadal em piau-três-pintas, Leporinus friderici, Bloch 1794

Beneficiário:
Instituição: Centro de Aquicultura (CAUNESP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sergio Ricardo Batlouni
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:12/14901-7
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 31 de agosto de 2014
Resumo
O principal objetivo deste estudo é avaliar o desempenho reprodutivo de matrizes de Leporinus friderici selvagens induzidas com análogo de hormônio liberador de gonadotropina mais composto antagonista de dopamina (ovopel®) e com extrato hipofisário de carpa (EC). Avaliaremos também a aplicabilidade de protocolos com soluções de ureia e/ou tanino, visando remover a adesividade dos ovos. Por último, pretendemos determinar o período de início de diferenciação das gônadas bem como o efeito da incubação das larvas sob duas distintas temperaturas sobre a proporção sexual. Para isto, 12 casais serão distribuidos aleatoriamente entre dois tratamentos (ovopel® e EC) em seis repetições. O desempenho reprodutivo das fêmeas será avaliado pela proporção de fêmeas que liberarão ovócitos e pelas taxas de fecundidade relativa; de fertilização; de eclosão; e diâmetro dos ovócitos (mm). Paralelamente, uma parcela de ovos será distribuída em quatro tratamentos para remoção da adesividade dos ovos em solução de ureia por 30, 60 e 90 min; e uréia por 90min. seguido de 10min em tanino vegetal. As larvas provenientes do melhor tratamento serão mantidas em caixas, em oito repetições cada, nas temperaturas de 25°C e 29°C, por 90 dias. Decorridos mais 30 dias serão estimadas a proporção de sexos pela análise microscópica das gônadas, assim como o fator de condição K, índice gonadossomático, taxa de crescimento e mortalidade. (AU)

Perfil hormonal durante o ciclo reprodutivo e reprodução induzida da garoupa verdadeira (Epinephelus marginatus) (Teleostei: Serranidae) em cativeiro

Beneficiário:
Instituição: Centro de Aquicultura (CAUNESP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Renata Guimarães Moreira
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:11/24074-8
Vigência: 01 de junho de 2012 - 28 de fevereiro de 2015
Assunto(s):Fisiologia da reproduçãoReproduçãoGaroupaPeixes marinhos
Resumo
O eixo hipotálamo-hipófise-gônadas controla diretamente os processos reprodutivos em vertebrados. Este comando se inicia com a síntese e liberação do hormônio liberador de gonadotropinas (GnRH) no hipotálamo, o qual estimula a adeno-hipófise a sintetizar e liberar o hormônio folículo estimulante (FSH) e o hormônio luteinizante (LH) na corrente sanguínea. Por sua vez, o FSH e o LH estimulam a produção dos esteróides gonadais. Estes hormônios esteróides gonadais, testosterona (T), 17b-estradiol (E2), 11-cetotestosterona (11-KT), 17a-20b-dihidroxi-4-pregnen-3-one (17a-20b-DHP), promovem o desenvolvimento, proliferação, maturação, e liberação dos gametas dos animais. Entretanto, muitos peixes de interesse comercial na aquicultura, dentre eles a garoupa-verdadeira, Epinephelus marginatus, exibem disfunções reprodutivas devido ao confinamento, semelhante à maioria dos animais silvestres quando mantidos em cativeiro. Estas disfunções provavelmente são resultantes da combinação do estresse induzido pelo cativeiro e da ausência do ambiente natural de desova, influenciando diretamente no eixo hipotálamo - hipófise - gônadas. Considerando os pontos abordados no controle endócrino da reprodução, o objetivo deste trabalho será estudar o perfil de alguns hormônios que modulam a reprodução da garoupa verdadeira : 1) ao longo do ciclo reprodutivo; 2) e durante a técnica de reprodução induzida, com diferentes preparações hormonais. Serão analisadas a concentração plasmática das gonadotropinas (FSH e LH), dos esteróides gonadais (E2, T, 11-KT e 17aOHP) e será monitorado o crescimento ovocitário em fêmeas de Epinephelus marginatus em cativeiro, considerando fêmeas com diâmetros ovocitários diferenciados. Além de gerar conhecimento sobre as bases fisiológicas envolvidas no eixo endócrino reprodutivo das fêmeas, em cativeiro e durante a reprodução induzida, este trabalho será importante para dar suporte do protocolo de reprodução induzida, a ser aplicado na conservação desta espécie. (AU)

Avaliação da eficácia da buserelina na indução artificial e fertilidade em duas espécies aquáticas: matrinxã (Brycon cephalus) e rã-touro (Rana catesbeiana)

Beneficiário:
Instituição: Centro de Aquicultura (CAUNESP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Laura Satiko Okada Nakaghi
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:09/02420-1
Vigência: 01 de maio de 2009 - 31 de outubro de 2010
Assunto(s):Rã-touro
Resumo
A buserelina é um análogo sintético do GnRH e vêm sendo, nos últimos anos, muito utilizada na reprodução de peixes reofílicos e indução da rã-touro. Hormônios liberadores de gonadotropinas (GnRH) apresentam diversas vantagens pois, atuam no início da cadeia hormonal e estimulam o animal a sintetizar sua própria gonadotropina; a molécula não é altamente espécie-específica e, possui estrutura simples com grande estabilidade estrutural; são eficazes em pequena dosagem de aplicação e seu uso é economicamente vantajoso. o objetivo da presente pesquisa será testar a efetividade do hormônio buserelina na fertilidade, indução da ovulação (desova) e espermiação de matrinxã (Brycon cephalus) e rã-touro (Rana catesbeiana). Os experimentos serão realizados com animais pertencentes ao Centro de Aqüicultura da Universidade Estadual Paulista (CAUNESP), Campus de Jaboticabal. Os matrinxãs serão divididos em três grupos: o primeiro induzido com buserelina, o segundo com o produto referência (Conceptal) e o terceiro com hipófise de carpa (grupo controle). Transcorrido o tempo necessário para a ação do hormônio, será realizada a extrusão dos gametas para a fertilização artificial. Os ovos serão então transferidos para incubadoras apropriadas. As rãs serão divididas em quatro grupos: o primeiro induzido com buserelina associado com um antagonista de dopamina (AD), o segundo com o produto referência (Conceptal), também associado com um (AD), o terceiro com Buserelina pura e o quarto com o produto de referência (Conceptal). Cerca de 24 a 36 horas após a indução das fêmeas será realizada a extrusão dos ovócitos que serão fertilizados pelo sêmen coletado. Os ovos fertilizados serão transferidos para bandejas adequadas onde serão incubados. Tanto nos peixes como nas rãs, para fins de se comprovar a eficiência do fármaco, serão avaliados por comparação de resultados as seguintes taxas: fecundidade, fertilização e de eclosão. (AU)

Avaliação da eficácia da buserelina na indução artificial e fertilidade em duas espécies aquáticas: matrinxã (Brycon cephalus) e rã-touro (Rana catesbeiana)

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Laura Satiko Okada Nakaghi
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:09/02113-1
Vigência: 01 de abril de 2009 - 28 de fevereiro de 2011
Assunto(s):Reprodução animalFertilidade animalRana catesbeiana
Resumo
A buserelina é um análogo sintético do GnRH e vêm sendo, nos últimos anos, muito utilizada na reprodução de peixes reofílicos e indução da rã-touro. Hormônios liberadores de gonadotropinas (GnRH) apresentam diversas vantagens pois, atuam no início da cadeia hormonal e estimulam o animal a sintetizar sua própria gonadotropina; a molécula não é altamente espécie-específica e, possui estrutura simples com grande estabilidade estrutural; são eficazes em pequena dosagem de aplicação e seu uso é economicamente vantajoso. O objetivo da presente pesquisa será testar a efetividade do hormônio buserelina na fertilidade, indução da ovulação (desova) e espermiação de matrinxã (Brycon cephalus) e rã-touro (Rana catesbeiana). Os experimentos serão realizados com animais pertencentes ao Centro de Aquicultura da Universidade Estadual Paulista (CAUNESP), Campus de Jaboticabal. Os matrinxãs serão divididos em três grupos: o primeiro induzido com buserelina, o segundo com o produto referência (Conceptal) e o terceiro com hipófise de carpa (grupo controle). Transcorrido o tempo necessário para a ação do hormônio, será realizada a extrusão dos gametas para a fertilização artificial. Os ovos serão então transferidos para incubadoras apropriadas. As rãs serão divididas em quatro grupos: o primeiro induzido com buserelina associado com um antagonista de dopamina (AD), o segundo com o produto referência (Conceptal), também associado com um (AD), o terceiro com Buserelina pura e o quarto com o produto de referência (Conceptal). Cerca de 24 a 36 horas após a indução das fêmeas será realizada a extrusão dos ovócitos que serão fertilizados pelo sêmen coletado. Os ovos fertilizados serão transferidos para bandejas adequadas onde serão incubados. Tanto nos peixes como nas rãs, para fins de se comprovar a eficiência do fármaco, serão avaliados por comparação de resultados as seguintes taxas: fecundidade, fertilização e de eclosão. (AU)

Avaliação da eficácia da buseralina na indução artificial e fertilidade em duas espécies aquáticas: matrinxa (Brycon cephalus) e rã-touro (Rana catesbeia)

Beneficiário:
Instituição: Centro de Aquicultura (CAUNESP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Laura Satiko Okada Nakaghi
Empresa parceira:Ouro Fino Saúde Animal Ltda
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Parceria para Inovação Tecnológica - PITE
Processo:06/60707-7
Vigência: 01 de setembro de 2008 - 31 de agosto de 2011
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: Ouro Fino Saúde Animal
Assunto(s):PeixesBuseralina
Resumo
A buserelina é um análogo sintético do GnRH e vêm sendo, nos últimos anos, muito utilizada na reprodução de peixes reofílicos e indução da rã-touro. Hormônios liberadores de gonadotropinas (GnRH) apresentam diversas vantagens pois, atuam no início da cadeia hormonal e estimulam o animal a sintetizar sua própria gonadotropina; a molécula não é altamente espécie-específica e, possui estrutura simples com grande estabilidade estrutural; são eficazes em pequena dosagem de aplicação e seu uso é economicamente vantajoso. Portanto, o objetivo da presente pesquisa será testar a efetividade do hormônio buserelina na fertilidade, indução da ovulação (desova) e espermiação de matrinxã (Brycon cephalus) e rã¬-touro (Rana catesbeiana). Os experimentos serão realizados com animais pertencentes ao Centro de Aqüicultura da Universidade Estadual Paulista (CAUNESP), campus de Jaboticabal. Os matrinxãs serão divididos em três grupos: o primeiro induzido com buserelina, o segundo com o produto referência (Conceptal) e o terceiro com hipófise de carpa (grupo controle). Transcorrido o tempo necessário para a ação do hormônio, será realizada a extrusão dos gametas para a fertilização artificial. Os ovos serão então transferidos para incubadoras apropriadas. As rãs serão divididas em quatro grupos: o primeiro induzido com buserelina associado com um antagonista de dopamina (AD), o segundo induzido com o produto referência (Conceptal), também associado com um antagonista de dopamina (AD), o terceiro induzido com buserelina pura e o quarto induzido com o produto de referência puro (Conceptal). Cerca de 24 a 36 horas após a indução das fêmeas será realizada a extrusão dos ovócitos que serão fertilizados pelo sêmen coletado uma hora após a aplicação do hormônio nos machos. Os ovos fertilizados serão transferidos para bandejas adequadas onde serão incubados. Tanto nos peixes como nas rãs, para fins de se comprovar a eficiência do fármaco, serão avaliados por comparação de resultados os seguintes parâmetros: taxa de fecundidade, taxa de fertilização e taxa de eclosão. (AU)

Avaliação da eficácia da buseralina na indução artificial e fertilidade em duas espécies aquáticas: matrinxã (Brycon cephalus) e rã-touro (Rana catesbeiana)

Beneficiário:
Instituição: Centro de Aquicultura (CAUNESP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Laura Satiko Okada Nakaghi
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:08/08220-1
Vigência: 01 de setembro de 2008 - 28 de fevereiro de 2009
Assunto(s):BuseralinaRã-touro
Resumo
A buserelina é um análogo sintético do GnRH e vêm sendo, nos últimos anos, muito utilizada na reprodução de peixes reofílicos e indução da rã-touro. Hormônios liberadores de gonadotropinas (GnRH) apresentam diversas vantagens pois, atuam no início da cadeia hormonal e estimulam o animal a sintetizar sua própria gonadotropina; a molécula não é altamente espécie-específica e, possui estrutura simples com grande estabilidade estrutural; são eficazes em pequena dosagem de aplicação e seu uso é economicamente vantajoso. o objetivo da presente pesquisa será testar a efetividade do hormônio buserelina na fertilidade, indução da ovulação (desova) e espermiação de matrinxã (Brycon cephalus) e rã-touro (Rana catesbeiana). Os experimentos serão realizados com animais pertencentes ao Centro de Aqüicultura da Universidade Estadual Paulista (CAUNESP), Campus de Jaboticabal. Os matrinxãs serão divididos em três grupos: o primeiro induzido com buserelina, o segundo com o produto referência (Conceptal) e o terceiro com hipófise de carpa (grupo controle). Transcorrido o tempo necessário para a ação do hormônio, será realizada a extrusão dos gametas para a fertilização artificial. Os ovos serão então transferidos para incubadoras apropriadas. As rãs serão divididas em quatro grupos: o primeiro induzido com buserelina associado com um antagonista de dopamina (AD), o segundo com o produto referência (Conceptal), também associado com um (AD), o terceiro com Buserelina pura e o quarto com o produto de referência (Conceptal). Cerca de 24 a 36 horas após a indução das fêmeas será realizada a extrusão dos ovócitos que serão fertilizados pelo sêmen coletado. Os ovos fertilizados serão transferidos para bandejas adequadas onde serão incubados. Tanto nos peixes como nas rãs, para fins de se comprovar a eficiência do fármaco, serão avaliados por comparação de resultados as seguintes taxas: fecundidade, fertilização e de eclosão. (AU)

Avaliação da eficácia da buseralina na indução artificial e fertilidade em duas espécies aquáticas: matrinxã(Brycon cephalus) e rã-touro (Rana catesbeiana)

Beneficiário:
Instituição: Centro de Aquicultura (CAUNESP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Laura Satiko Okada Nakaghi
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:08/08230-7
Vigência: 01 de setembro de 2008 - 30 de setembro de 2008
Assunto(s):BuseralinaRã-touro
Resumo
A buserelina é um análogo sintético do GnRH e vêm sendo, nos últimos anos, muito utilizada na reprodução de peixes reofílicos e indução da rã-touro. Hormônios liberadores de gonadotropinas (GnRH) apresentam diversas vantagens pois, atuam no início da cadeia hormonal e estimulam o animal a sintetizar sua própria gonadotropina; a molécula não é altamente espécie-específica e, possui estrutura simples com grande estabilidade estrutural; são eficazes em pequena dosagem de aplicação e seu uso é economicamente vantajoso. O objetivo da presente pesquisa será testar a efetividade do hormônio buserelina na fertilidade, indução da ovulação (desova) e espermiação de matrinxã (Brycon cephalus) e rã-touro (Rana catesbeiana). Os experimentos serão realizados com animais pertencentes ao Centro de Aqüicultura da Universidade Estadual Paulista (CAUNESP), Campus de Jaboticabal. Os matrinxãs serão divididos em três grupos: o primeiro induzido com buserelina, o segundo com o produto referência (Conceptal) e o terceiro com hipófise de carpa (grupo controle). Transcorrido o tempo necessário para a ação do hormônio, será realizada a extrusão dos gametas para a fertilização artificial. Os ovos serão então transferidos para incubadoras apropriadas. As rãs serão divididas em quatro grupos: o primeiro induzido com buserelina associado com um antagonista de dopamina (AD), o segundo com o produto referência (Conceptal), também associado com um (AD), o terceiro com Buserelina pura e o quarto com o produto de referência (Conceptal). Cerca de 24 a 36 horas após a indução das fêmeas será realizada a extrusão dos ovócitos que serão fertilizados pelo sêmen coletado. Os ovos fertilizados serão transferidos para bandejas adequadas onde serão incubados. Tanto nos peixes como nas rãs, para fins de se comprovar a eficiência do fármaco, serão avaliados por comparação de resultados as seguintes taxas: fecundidade, fertilização e de eclosão. (AU)
7 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP