Busca avançada

X

Criar um alerta por e-mail


Novos resultados para a sua pesquisa em seu e-mail, semanalmente.

Seu e-mail:

Tamanho do e-mail:



Seu endereço de e-mail não será divulgado.

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Excel (CSV)Alerta por e-mail   RSS
2 resultado(s)
|
Resumo

A Corrente do Brasil (CB) representa o ramo sul da bifurcação da Corrente Sul Equatorial que interage com a margem continental leste e sul do Brasil. A CB exerce um importante papel no controle da intensidade do Sistema de Monção da América do Sul, que é responsável pela precipitação de verão em grande parte do continente sul-americano. Além disto, a CB é influenciada pela Célula de Revolvimento Meridional do Atlântico cujas oscilações pretéritas em intensidade foram responsáveis por mudanças abruptas no clima global.Atualmente, os poucos registros paleoceanográficos disponíveis no oeste do Atlântico Sul não permitem uma reconstituição detalhada das mudanças ocorridas na CB durante último período glacial. Esta proposta de estágio de pesquisa visa reconstituir a variabilidade da temperatura da superfície do mar da CB ao redor de 32°S entre 19.000 e 33.000 anos antes do presente através de análises de Mg/Ca em testas de foraminíferos planctônicos. Para tanto será investigado um testemunho sedimentar marinho coletado na margem continental sul do Brasil em um sítio sob a influência da CB. (AU)

Resumo

A circulação meridional do Atlântico (AMOC) desempenha um papel fundamental na circulação e no clima do Atlântico e adjacências. Resultados de modelos globais acoplados oceano-atmosfera indicam um enfraquecimento da AMOC para as próximas décadas. Modelos conceituais e numéricos sugerem que períodos de mudanças climáticas abruptas do Quaternário tardio deveriam produzir marcantes alterações na geometria de massas de água profundas da porção oeste do Atlântico Sul. No entanto, a verificação desta hipótese ainda não foi possível, principalmente em função da carência de registros paleoceanográficos adequados. Consequentemente, aprofundar a compreensão da resposta da porção oeste do Atlântico Sul às mudanças na AMOC é questão de suma importância. Neste projeto serão obtidos e utilizados resultados de análises isotópicas de oxigênio e carbono em testas de foraminíferos epibentônicos de três testemunhos sedimentares marinhos da porção oeste tropical do Atlântico Sul para: (i) reconstituir a geometria das massas de água profundas da porção oeste do Atlântico Sul tropical desde o Estágio Isotópico Marinho 3, e (ii) verificar a existência/ausência de relação entre as mudanças na geometria das massas de águas profundas e alterações na intensidade da AMOC em escala milenar. (AU)

2 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s)
Marcar todos desta pagina | Limpar seleção