Busca avançada

X

Criar um alerta por e-mail


Novos resultados para a sua pesquisa em seu e-mail, semanalmente.

Seu e-mail:

Tamanho do e-mail:



Seu endereço de e-mail não será divulgado.

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Excel (CSV)Alerta por e-mail   RSS
1 resultado(s)
|
Resumo

Estudos ao nível de espécie são fundamentais na medida em que fornecem a base para estudos de sistemática, ecologia e biogeografia, entre outros. Com a crescente adoção, entre os ornitólogos, da escola de sistemática filogenética, o conceito filogenético de espécie vem sendo cada vez mais aplicado nos estudos de taxonomia. Como conseqüência imediata, o número de espécies vem sendo continuamente modificado. O conceito filogenético procura delimitar as espécies por meio da observação de populações com uma mesma combinação concordante de caracteres, delineando unidades taxonômicas monofiléticas, que podem ser imediatamente utilizadas em estudos cladísticos, sendo mais robusto, confiável, operacional e testável do que o conceito biológico. Por apresentarem diversos problemas de taxonomia alfa, de definição e diagnose dos gêneros e subfamílias, um padrão de distribuição geográfica extremamente interessante e uma série de dificuldades para a sua conservação, os representantes da família Cracidae apresentam-se, entre as aves neotropicais, como um dos grupos mais promissores para a realização de estudos em taxonomia. A família Cracidae é composta por oito gêneros e cerca de 50 espécies, que podem ser encontradas desde o extremo sul da região Neártica até o sul do Uruguai. A taxonomia alfa dos Cracidae é reconhecidamente confusa, apresentando vários problemas. A falta de precisão na definição dos táxons terminais e o insuficiente conhecimento da distribuição geográfica dos Cracidae trazem problemas para outros estudos, como os de biogeografia, prejudicando a análise dos modelos que tentam explicar a diversidade da avifauna sul-americana. A família Cracidae é também considerada como a que possui o maior número de espécies ameaçadas de extinção. A correta definição dos táxons é crucial para a conservação das aves e o sucesso dos esforços conservacionistas está intimamente ligado a uma taxonomia que reflita precisamente a diversidade. Este trabalho, portanto, é importante na medida em que novos endemismos e espécies ameaçadas de extinção podem ser revelados, ocorrendo em áreas que até então podem não ter sido objeto de maior atenção para a conservação. (AU)

1 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s)
Marcar todos desta pagina | Limpar seleção