Busca avançada

X

Criar um alerta por e-mail


Novos resultados para a sua pesquisa em seu e-mail, semanalmente.

Seu e-mail:

Tamanho do e-mail:



Seu endereço de e-mail não será divulgado.

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Excel (CSV)Alerta por e-mail   RSS
4 resultado(s)
|
Resumo

A comunicação animal transmite informações utilizando diferentes tipos de sinais sensoriais (e.g., visuais, sonoros e olfativos). Esses sinais possuem diversos propósitos como atrair e cortejar potenciais pares, defender territórios, manter um grupo unido, e minimizar a predação. Em aves, os dois tipos de sinais sensoriais mais utilizados são os sinais acústicos e os visuais. De acordo com a hipótese do "Sensory drive", os sinais sensoriais sofrem uma pressão seletiva causada pelas variações nas condições físicas dos habitats. Além disso, esses sinais são pressionados pelas limitações energéticas na sua produção, predação, parasitismo e forças conflitantes entre seleção natural e sexual; tornando o investimento em mais de um tipo de sinal sensorial muito custoso para o organismo. Devido a esse alto custo, a Hipótese de Transferência (ou de "Trade-off") propõe a existência de um balanço evolutivo ("trade-off") entre os diferentes sinais sensoriais nos organismos. Os poucos estudos que testaram a Hipótese de Transferência em aves apresentaram resultados divergentes. Sendo assim, esse projeto propõe um estudo dos sinais acústicos e visuais nos thamnofilídeos do diverso clado da Tribo Formicivorini, a fim de avaliar a existência de um balanço evolutivo entre os dois tipos de sinais sensoriais (Hipótese de Transferência), que pode estar sendo influenciado pelas condições ambientais (Hipótese de "Sensory drive"), e também pelo comportamento de forrageio. A Tribo Formicivorini é um grupo adequado para esse tipo de estudo, pois apresenta uma grande diversidade de habitats de forrageio, variação no comportamento, na estrutura do canto, na plumagem e no dimorfismo sexual. (AU)

Resumo

Pionus maximiliani é uma espécie de psitacídeo amplamente distribuída que ocorre do nordeste do Brasil ao norte da Argentina. É uma espécie politípica que possui quatro subespécies reconhecidas atualmente: Pionus maximiliani maximiliani, P. maximiliani siy, P. maximiliani melanoblepharus e P. maximiliani lacerus. Os seus limites de distribuição ainda não são bem conhecidos e, embora alguns trabalhos já tenham sido conduzidos, ora estes se limitaram ao uso de caracteres morfológicos ora, quando utilizando caracteres moleculares, usaram um número limitado de amostras e não tiveram como objetivo realizar uma revisão exaustiva do complexo. O objetivo deste trabalho é revisar a taxonomia de Pionus maximiliani e realizar uma análise filogeográfica para testar a correspondência entre as linhagens e biomas além de comparar estes resultados com as análises morfológicas e vocais. Portanto, serão analisados espécimes taxidermizados em relação à coloração de plumagem e morfometria, enquanto que os caracteres vocais serão analisados sob as perspectivas qualitativa e quantitativa. A análise filogeográfica utilizará os critérios de máxima verossimilhança e análise bayesiana. Além disso, serão empregadas análises de AMOVA e teste de Mantel. Também serão estimados os tempos de divergência entre os clados encontrados, usando o relógio molecular. (AU)

Resumo

O Centro de Endemismo Pernambuco (CEP) é a região brasileira que mais sofreu com o desmatamento e a fragmentação. Entre seus táxons de aves endêmicos, muitos estão ameaçados de extinção e outros foram recentemente extintos. As relações biogeográficas do CEP com a Mata Atlântica Meridional e a Amazônia ainda são pouco compreendidas e dificilmente são alvo de estudos biogeográficos e filogeográficos. A compreensão dos mecanismos evolutivos geradores de diversidade tem especial relevância nesta região, em que seu esclarecimento é chave para a compreensão da evolução das biotas Amazônica e Atlântica. O modelo biogeográfico de Carnaval & Moritz (2008) propõe que o CEP foi uma área estável durante Pleistoceno e pode ter agido como refúgio durante o Último Máximo Glacial. Outros estudos sugerem que o CEP é mais próximo da Amazônia do que da Mata Atlântica Meridional e que poderia haver uma correlação entre a altitude em que uma espécie ocorre e sua origem. O advento do sequenciamento paralelo em massa (MPS) de Elementos Ultra Conservados (UCEs) revolucionou os estudos de genética comparativa, podendo-se adquirir dados de milhares de loci desvinculados e por serem polimórficos em uma escala de tempo evolutivo recente, tornaram-se um marcador efetivo para estudos filogeográficos. O objetivo deste projeto é realizar um estudo filogenômico comparado de 10 táxons de aves endêmicas do CEP para esclarecer a história biogeográfica da região. Dados do sequenciamento de UCEs serão utilizados para reconstruir as relações filogeográficas entre as populações e para estimar parâmetros de genética de populações. Estimando-se o tempo de divergência entre as populações do CEP, da Amazônia e da Mata Atlântica Meridional serão identificadas as populações ancestrais e quais foram os eventos de colonização das áreas do CEP, e assim serão testados modelos paleoambientais e paleoclimáticos capazes de esclarecer os cenários de diversificação encontrados. (AU)

Resumo

Diferentes padrões biogeográficos e de distribuição são descritos para a região Neotropical. Um padrão singular é o conhecido como "padrão de distribuição circum-Amazônico". Os táxons que apresentam este padrão se distribuem ao sul e à leste da Amazônia, nos Andes, na faixa costeira Venezuelana nos Tepuis. Elucidar a história evolutiva destes táxons permitiria propor hipóteses biogeográficas explicando este padrão de distribuição, bem como verificando a sua congruência espacial e temporal. Igualmente, o uso de dados genômicos destes grupos de espécies com distribuição similar permite uma estimativa mais exata dos parâmetros evolutivos necessários para reconstruir a historia das regiões e dos conjuntos de táxons. Estudos comparativos abrangentes destinados a desvendar os mecanismos evolutivos e biogeográficos por trás deste padrão não foram realizados ainda, e só uma escassa informação descritiva foi publicada. Portanto, o principal objetivo deste projeto será elucidar os mecanismos históricos e biogeográficos subjacentes ao padrão de distribuição circum-Amazônico desenvolvendo análises comparativas baseadas em dados genômicos de um grupo de Passeriformes. Dados genômicos (Ultraconserved Elements - UCEs) serão obtidos para estimar parâmetros populacionais e as arvores genealógicas de cada espécie. Posteriormente, análises comparativas (usando uma aproximação hABC) serão elaborados para identificar congruências entre as historias genealógicas dos taxa, e para propor hipóteses biogeográficas plausíveis sobre o padrão circum-Amazônico. Os resultados deste estudo fornecerão nova evidência sobre a biogeografia das espécies que possuem o padrão de distribuição circum-Amazônico. (AU)

4 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s)
Marcar todos desta pagina | Limpar seleção