Busca avançada
Ano de início
Entree
X

Criar um alerta por e-mail


Novos resultados para a sua pesquisa em seu e-mail, semanalmente.

Seu e-mail:

Tamanho do e-mail:



Seu endereço de e-mail não será divulgado.
Refine sua pesquisa
Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Publicações acadêmicas
Excel (CSV)Alerta por e-mail   RSS
24 resultado(s)
|
Resumo

A comunicação animal transmite informações utilizando diferentes tipos de sinais sensoriais (e.g., visuais, sonoros e olfativos). Esses sinais possuem diversos propósitos como atrair e cortejar potenciais pares, defender territórios, manter um grupo unido, e minimizar a predação. Em aves, os dois tipos de sinais sensoriais mais utilizados são os sinais acústicos e os visuais. De acordo com a hipótese do "Sensory drive", os sinais sensoriais sofrem uma pressão seletiva causada pelas variações nas condições físicas dos habitats. Além disso, esses sinais são pressionados pelas limitações energéticas na sua produção, predação, parasitismo e forças conflitantes entre seleção natural e sexual; tornando o investimento em mais de um tipo de sinal sensorial muito custoso para o organismo. Devido a esse alto custo, a Hipótese de Transferência (ou de "Trade-off") propõe a existência de um balanço evolutivo ("trade-off") entre os diferentes sinais sensoriais nos organismos. Os poucos estudos que testaram a Hipótese de Transferência em aves apresentaram resultados divergentes. Sendo assim, esse projeto propõe um estudo dos sinais acústicos e visuais nos thamnofilídeos do diverso clado da Tribo Formicivorini, a fim de avaliar a existência de um balanço evolutivo entre os dois tipos de sinais sensoriais (Hipótese de Transferência), que pode estar sendo influenciado pelas condições ambientais (Hipótese de "Sensory drive"), e também pelo comportamento de forrageio. A Tribo Formicivorini é um grupo adequado para esse tipo de estudo, pois apresenta uma grande diversidade de habitats de forrageio, variação no comportamento, na estrutura do canto, na plumagem e no dimorfismo sexual. (AU)

Resumo

Pionus maximiliani é uma espécie de psitacídeo amplamente distribuída que ocorre do nordeste do Brasil ao norte da Argentina. É uma espécie politípica que possui quatro subespécies reconhecidas atualmente: Pionus maximiliani maximiliani, P. maximiliani siy, P. maximiliani melanoblepharus e P. maximiliani lacerus. Os seus limites de distribuição ainda não são bem conhecidos e, embora alguns trabalhos já tenham sido conduzidos, ora estes se limitaram ao uso de caracteres morfológicos ora, quando utilizando caracteres moleculares, usaram um número limitado de amostras e não tiveram como objetivo realizar uma revisão exaustiva do complexo. O objetivo deste trabalho é revisar a taxonomia de Pionus maximiliani e realizar uma análise filogeográfica para testar a correspondência entre as linhagens e biomas além de comparar estes resultados com as análises morfológicas e vocais. Portanto, serão analisados espécimes taxidermizados em relação à coloração de plumagem e morfometria, enquanto que os caracteres vocais serão analisados sob as perspectivas qualitativa e quantitativa. A análise filogeográfica utilizará os critérios de máxima verossimilhança e análise bayesiana. Além disso, serão empregadas análises de AMOVA e teste de Mantel. Também serão estimados os tempos de divergência entre os clados encontrados, usando o relógio molecular. (AU)

Resumo

O gênero Thraupis Boie, 1826 é atualmente composto por sete espécies, sendo considerado como monofilético com base em estudos moleculares e morfológicos. Por outro lado, dentro do gênero, só são conhecidas as relações filogenéticas de três das espécies: T. abbas é a espécie irmã do clado composto por T. ornata e T. palmarum. Das demais espécies, uma delas, T. glaucocolpa, nunca foi estudada, e outra, T. cyanoptera, possui posição incerta nas filogenias, suscitando dúvidas sobre a relação com as outras espécies do gênero. O único clado recuperado das quatro espécies é formado por T. episcopus - T. sayaca. Este clado possui um total de 17 subespécies (das quais apenas três foram incluídas em estudos prévios), apresenta uma grande variabilidade morfológica e uma grande distribuição geográfica, que inclui áreas de sobreposição entre T. episcopus e T. sayaca. Nestas áreas a identificação dos táxons é muito difícil. Além disso, há uma grande instabilidade taxonômica; prova disso são as múltiplas mudanças, em diferentes níveis: de um gênero para outro, de espécie a subespécie etc. Para a revisão do gênero será feita uma análise filogenética utilizando sequências dos genes mitocondriais (Cyt-b e ND2), além de três introns nucleares (intron 3 do gen MUSK, intron 5 do gen TGFB2 e um fragmento do intron 5 do gen Bf5). A extração será feita de amostras de tecidos originários de diferentes pontos da distribuição do clado T. episcopus - T. sayaca¸ depositados em diferentes coleções e abrangendo todos os táxons. Boa parte deste material já está coletado e disponível. Após a obtenção das árvores, as linhagens evolutivas recuperadas serão analisadas também do ponto de vista morfológico. Serão medidos o culmen total, narina-ponta, comprimento do tarso metatarso, da asa e da cauda. Os padrões de plumagem serão comparados utilizando-se guias de cores padrão. Os resultados esperados devem clarificar as relações filogéticas e taxonômicas, contribuindo também para propor uma classificação que represente a história evolutiva destas aves comuns, amplamente distribuídas na América do Sul mas, curiosamente, muito pouco estudadas. (AU)

Resumo

O gênero Pulsatrix Kaup, 1848 pertence à família Strigidae, que abriga as corujas, mochos e caburés. Pulsatrix possui distribuição Neotropical e compreende pelo menos 9 táxons, caracterizados pelo grande porte, cabeça de cor escura e arredondada, sem "orelhas" e um supercílio ou "óculos" claro, contrastante em formato de "X" e característico do grupo. Dentre as três espécies, Pulsatrix koeniswaldiana é monotípica e restrita a mata atlântica, Pulsatrix melanota é limitada aos Andes tropicais, com duas subespécies, e Pulsatrix perspicillata é amplamente bem distribuída nas américas central e sul, e possui uma grande variação morfológica ao longo de sua distribuição, representada por seis subespécies. Uma revisão taxonômica para o gênero nunca foi proposta e os limites de distribuição entre os táxons são divergentes na literatura. Com o apoio de espécimes taxidermizados e gravações de vocalizações, pretende-se realizar pela primeira vez a revisão taxonômica do gênero Pulsatrix com base em caracteres de plumagem, morfometria e vocalizações, atualizando a distribuição de cada táxon válido. (AU)

Resumo

Estuários são importantes locais de alimentação, pouso e reprodução para bandos mistos de aves marinhas costeiras e limícolas residentes, bem como para espécies migrantes do Hemisfério Norte, como os maçaricos, batuíras, gaivotas e andorinhas-do-mar. O estado de São Paulo apresenta cerca de 600 km de litoral, com importantes áreas estuarinas; no entanto ainda há poucas informações quali-quantitativas da avifauna costeiro-marinha, especialmente em áreas sob intensa pressão antrópica, como a baía do Araçá, em São Sebastião. No âmbito do projeto temático BIOTA-FAPESP/Baía do Araçá, a presente proposta visa preencher essa lacuna de conhecimento, que se torna ainda mais relevante visto a eminência da expansão do Porto de São Sebastião, que ameaça diretamente a existência da Baía do Araçá. Neste projeto testaremos a hipótese de que os regimes de marés, sazonalidade e índices pluviométricos influenciam a riqueza, abundância, distribuição e uso do habitat das aves residentes e migratórias na Baía do Araçá. Também testaremos a hipótese de segregação de nicho trófico entre as aves mais abundantes no local, utilizando as suas diferenças morfológicas e através da análise de isótopos estáveis (AIE). Desta forma, os objetivos desta proposta são: I. Avaliar a riqueza e abundância sazonal das espécies de aves através de censos realizados mensalmente ao longo de um ano; II. Estimar a biomassa total das aves que utilizam esta área, através de censos e estimativas de massa com base em espécimes de Museu e eventuais coletas de material; III. Registrar o uso do habitat e a distribuição espacial das aves dentro da baía; IV. Analisar a sobreposição de nicho trófico entre as espécies mais abundantes de aves com base em suas características morfológicas; e V. Investigar as relações tróficas das aves com as presas em potencial e, os principais organismos encontrados na área de estudo através da AIE de carbono e nitrogênio. Além disso, de forma a contribuir para divulgar os resultados desta pesquisa, pretende-se: VI. Elaborar um livro/guia sobre as aves do Araçá juntamente com os principais organismos encontrados no local, como ferramenta de educação ambiental para alunos de escolas e comunidades da região. Estudos sobre a avifauna poderão, ainda, subsidiar medidas mitigadoras para futuros impactos da ampliação do porto adjacente à baia sobre as populações das aves daquele local, bem como contribuir para a conservação da biodiversidade e modelagem ecossistêmica. (AU)

Resumo

Cyanocorax chrysops, conhecida popularmente como gralha-picaça, é uma espécie que habita florestas tropicais e temperadas, florestas ciliares densas e ilhas florestais em campos abertos. Possui quatro subespécies reconhecidas, C. chrysops chrysops, C. c. tucumanus, C. c. diesingii e C. c. insperatus. A forma nominal se distribui na Bolívia, sul e sudeste do Brasil, Paraguai, nordeste da Argentina e noroeste do Uruguai; C. c. tucumanus se restringe apenas ao noroeste da Argentina; C. c. diesingii ocorre no norte do Brasil (leste do Amazonas e oeste do Pará) e C. c. insperatus se limita ao baixo Rio Tapajós e Serra do Cachimbo. O objetivo deste trabalho é revisar a taxonomia do complexo Cyanocorax chrysops, baseando-se na análise vocal, morfológica e morfométrica, com a finalidade de testar a validade dos táxons atualmente reconhecidos na literatura. Para isso serão analisados inicialmente espécimes taxidermizados depositados em coleções brasileiras, não sendo descartada viagens para museus no exterior. Além disso, vocalizações depositadas em arquivos sonoros e em posse da proponente também serão analisadas. Todos os dados obtidos serão submetidos a análises descritivas e testes estatísticos de forma a delimitar mais precisamente as unidades evolutivas neste táxon. (AU)

Resumo

Os Thamnophilini representam a radiação mais rica em espécies dentro da família Thamnophilidae. Existem cerca de 80 espécies distribuídas desde o México até a Argentina, e alcançam a maior riqueza e diversidade na Amazônia. Os representantes desta tribo apresentam altos níveis de endemismo nos vários biomas brasileiros, como a Caatinga e a Mata Atlântica. Os Thamnophilini utilizam uma grande gama de hábitats e exibem uma alta diversidade fenotípica. Trabalhos anteriores com base no sequenciamento de Sanger utilizando genes nucleares e mitocondriais revelaram, com sucesso, a sua filogenia e história evolutiva recente, mas as resoluções dos estágios iniciais dos seus processos de diversificação tem sido difíceis de serem obtidas. Desta forma, sua história biogeográfica e os padrões de evolução fenotípica permanecem pouco conhecidos. Os avanços recentes das tecnologias de sequenciamento maciço de DNA (MPS) permitem obter dados genéticos em grande escala, permitindo que sejam aumentado o poder de resolução das análises, além de verificar como estas novas inferências podem ser comparadas com as hipóteses e as demais análises comparativas já previamente realizadas com outras tecnologias de análises de sequências de DNA. O objetivo fundamental deste projeto de pesquisa é o de revelar os padrões de evolução fenotípica e a história biogeográfica dos Thamnophilini com base em hipóteses geradas através da MPS. Especificamente eu vou 1) produzir uma filogenia dos Thamnophilini utilizando o menor nível taxonômico (subespécies) com base em elementos ultraconservados do genoma nuclear (UCEs), e sequenciando as regiões adjacentes que mantêm o sinal e a informação filogenética em diferentes escalas de tempo; 2) comparar as informações filogenéticas e topológicas das filogenias obtidas através do MPS com aquela já produzida em um meu estudo anterior, feita com base em sequenciamento Sanger de seis genes mitocondriais e nucleares e; 3) integrar a filogenia resultante com as análises morfométricas, de plumagem, vocal e de habitat para avaliar os diferentes cenários que podem explicar a história biogeográfica e os processos de evolução fenotípica deste rico e diverso grupo de aves. (AU)

Resumo

O mutum-do-sudeste Crax blumenbachii faz parte da família Cracidae, um dos grupos de aves mais ameaçados das Américas. Esta espécie é restrita a Mata Atlântica de tabuleiro entre os estados do Rio de Janeiro e Bahia, passando pelo leste de Minas Gerais, e depende de habitats primários para sua sobrevivência. Atualmente o mutum-do-sudeste é classificado como "Em Perigo" devido ao desmatamento e a caça, e sua distribuição está restrita ao sul da Bahia e norte do Espírito Santo. Com exceção de alguns relatos, pouco se sabe sobre a biologia da espécie e seu status em vida livre. Este projeto tem como objetivos coletar dados referentes à densidade populacional, composição dos grupos e seleção de habitat por Crax blumenbachii. Através da metodologia de transecção linear serão conduzidas amostragens mensais para coletar dados de densidade populacional. Ao longo dos transectos também será realizada a coleta de dados de estrutura da vegetação e dados de comportamento, importantes para definir se há seleção de habitat, além de outros aspectos importantes sobre a biologia de Crax blumenbachii. Estas informações são essenciais para subsidiar o manejo das populações existentes em vida livre e em projetos de reintrodução, além de permitir uma melhor avaliação daqueles projetos que estão em andamento. As informações obtidas serão importantes para que estratégias de conservação do mutum-do-sudeste possam ser implementadas, além de contribuir para que o seu status na Reserva Natural Vale seja mais bem avaliado através de uma metodologia consistente e que obteve sucesso em outros estudos com Galliformes. (AU)

Resumo

A Mata Atlântica é considerada um dos ecossistemas mais biodiversos e ao mesmo tempo mais ameaçados do planeta. A complexidade fitogeográfica do bioma dificultou por muito tempo uma definição mais precisa dos seus limites e, consequentemente, de um dimensionamento preciso sobre a riqueza e composição da sua biodiversidade. As aves se destacam como o grupo de vertebrados mais numeroso da Mata Atlântica. No entanto, surpreende a falta de consenso entre os trabalhos sobre a riqueza e composição da avifauna do bioma, sendo encontradas compilações que variam entre 620 e 1023 espécies. Essa situação repercute na indefinição quanto as aves endêmicas da Mata Atlântica e no conhecimento sobre a distribuição geográfica da maior parte dos táxons. Em adição, é urgente a identificação de áreas ainda carentes de conhecimento, uma vez que muitas delas correm o risco eminente de desaparecer antes que possam ser exploradas cientificamente. Dentro desse contexto, é evidente a necessidade de uma iniciativa que busque reunir e analisar de forma integrada, sob uma ótica compilatória crítica, as informações ornitológicas sobre a Mata Atlântica dispersas em diferentes fontes de informações. Dessa forma o objetivo do presente projeto é revisar o atual estado de conhecimento da avifauna do bioma, buscando definir a riqueza e composição, reavaliar a distribuição geográfica dos táxons endêmicos e identificar áreas com lacunas de conhecimento ornitológico dentro dos seus domínios. (AU)

Resumo

O gênero Cyphorhinus faz parte da família Troglodytidae, um grupo de aves passeriformes insetívoras encontradas principalmente no Novo Mundo e que inclui 3 espécies que ocorrem desde Honduras até o norte de Mato Grosso. Apenas Cyphorhinus arada ocorre no Brasil, uma espécie politípica e endêmica da Amazônia. É conhecido popularmente como uirapuru, uirapuru-verdadeiro, músico, músico-da-mata ou corneta como alusão ao seu canto melodioso e notável. Atualmente, são reconhecidas 8 subespécies: C. a. arada, C. a. salvini, C. a. modulator, C. a. transfluvialis, C. a. interpositus,C. a. griseolateralis, C. a. urbanoi e C. a. faroensis. Uma grande variação geográfica tem sido detectada nesse grupo, tanto na coloração de plumagem quanto nas vocalizações. Desde a descrição desses táxons diferentes tratamentos taxonômicos foram adotados; no entanto, nenhuma revisão taxonômica extensiva foi conduzida. Sendo assim, o objetivo desse projeto é revisar a taxonomia do complexo Cyphorhinus arada com base em caracteres morfológicos e vocais para se delimitar unidades evolutivas independentes e esclarecer relações filogenéticas e biogeográficas. Serão analisados espécimes depositados em coleções científicas no Brasil e no exterior, e coletas de material em áreas importantes para este projeto não estão descartadas. A análise morfológica incluirá padrões de coloração de plumagem e morfometria. Caracteres de vocalizações serão inferidos por meio de sonogramas. As filogenias serão estimadas utilizando-se os programas PAUP 4.10, através do critério de Máxima Parcimônia, o cladograma resultante será enraizado com base em grupos-externos. Para a delimitação das espécies será adotada a diagnosticabilidade das populações (AU)

24 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s)
Marcar todos desta pagina | Limpar seleção