site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Auxílios à Pesquisa
Página 4 de 648 resultado(s)
|

2nd PAN American Congress on plants and BioEnergy

Beneficiário:Marcos Silveira Buckeridge
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcos Silveira Buckeridge
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Organização de Reunião Científica
Processo:10/05765-7
Vigência: 08 de agosto de 2010 - 11 de agosto de 2010
Assunto(s):FotossínteseParede celularBioenergia

Clonagem e caracterização de genes da família de fatores de transcrição MADS-box homólogos a APETALA3 em Passiflora suberosa l. (Passifloraceae)

Beneficiário:Maíra Nogueira de Almeida
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcelo Carnier Dornelas
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:10/10323-3
Vigência: 01 de agosto de 2010 - 30 de novembro de 2011
Assunto(s):Biologia reprodutivaPassifloraClonagem
Resumo
Fatores de transcrição são reguladores que podem alterar o desenvolvimento, e, portanto, componentes importantes dos mecanismos moleculares da evolução morfológica. Os genes da família de fatores de transcrição MADS-box participam do controle de diversas funções biológicas. Em plantas, regulam desenvolvimento de raízes, frutos e folhas; no entanto, os mais bem estudados são aqueles que regulam a diferenciação de estruturas reprodutivas da flor. O modelo clássico ABC supõe que três classes de genes MADS-box regulam o desenvolvimento floral em Arabidopsis: os genes APETALA1 (AP1) e APETALA2 (AP2) contribuem para a função A, APETALA3 (AP3) e PISTILLATA (PI) para a função B e AGAMOUS (AG) para a função C. Duplicações e diferenças no padrão de expressão de genes da função B ao longo da evolução resultaram na formação de estruturas inovadoras no perianto de alguns grupos de angiospermas. Em Passiflora, a grande diversidade morfológica e variabilidade nas estruturas florais instigam o estudo de sua origem evolutiva. Os mecanismos moleculares envolvidos nesta diferenciação ao longo do processo evolutivo certamente englobam mudanças no padrão de expressão, número de cópias e interação entre genes regulatórios como os MADS-box. O presente estudo pretende utilizar a tecnologia do DNA recombinante para clonar e seqüenciar homólogos a AP3 em Passiflora, o que auxiliará no entendimento dos mecanismos moleculares envolvidos na evolução do perianto neste gênero de plantas tropicais. (AU)

Capacidade de fixação de nitrogênio de espécies nativas como estratégia para o aumento do sequestro de carbono em comunidades vegetais

Beneficiário:Liliane Santos de Camargos
Instituição: Faculdade de Engenharia (FEIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Ilha Solteira. Ilha Solteira, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Liliane Santos de Camargos
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:10/05299-6
Vigência: 01 de agosto de 2010 - 30 de novembro de 2012
Assunto(s):LeguminosaeSimbioseBactérias fixadoras de nitrogênioRhizobiumSequestro de carbonoEnzimasEucaliptoSelvíria (MS)
Resumo
Nos biomas terrestres a principal fonte de nitrogênio fixado são as Leguminosas que conseguem estabelecer uma relação simbiótica com bactérias do grupo Rhizobium e reduzir o N2 atmosférico a amônia, dentro dos nódulos. Em condições ótimas para o desenvolvimento de um vegetal há necessidade de um influxo balanceado de nitrogênio e carbono assimilados (orgânico). Como a principal forma de nitrogênio disponível no solo é o nitrato que possui carga negativa, produzido pela oxidação biológica da amônia pelas bactérias do grupo das Nitrossomonas e Nitrobacter, e a carga de superfície do solo é também negativa, este é facilmente lixiviado do solo existindo uma carência crônica de nitrogênio, em biomas terrestres. Assim, um maior aporte de N-fixado leva a um maior seqüestro de carbono. Dentre as leguminosas que conseguem estabelecer esta relação simbiótica, há espécies com baixa estabilidade do sistema simbiótico frente a presença de N-mineral, e as que possuem alta estabilidade. A identificação de espécies estáveis, possibilita que esta característica seja melhor explorada em sistema de consorciação com espécies não-fixadoras (por exemplo em sistemas agro-florestais). Plantas jovens plenamente noduladas receberão N-mineral (NO3-; NH4+) e terão seus principais compostos nitrogenados monitorados nos tecidos (raízes e parte aérea) e seiva de xilema. Nas espécies com características mais favoráveis, fixação e estabilidade do sistema de fixação, será avaliada a atividade de nitrogenase nas diferentes condições. Desta maneira pretende-se identificar as espécies que apresentam alta fixação biológica associado com estabilidade do sistema simbiótico. Estas espécies serão testadas em associação com Eucalipto em área experimental, no município de Selviria-MS, avaliando-se o efeito da associação com Leguminosas na produtividade florestal. (AU)

Possível papel do neurotransmissor acetilcolina na transdução de sinais entre raízes e parte aérea de plântulas de milho submetidas a estresse hídrico

Beneficiário:Gabriel Silva Daneluzzi
Instituição: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ricardo Ferraz de Oliveira
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:10/04773-6
Vigência: 01 de agosto de 2010 - 31 de julho de 2011
Assunto(s):Estresse hídricoAcetilcolinaMembranas (biologia)
Resumo
A acetilcolina foi pela primeira vez encontrada em um fungo, a partir daí foi detectada em bactérias, animais e vegetais. Tanto sua enzima sintetizadora quanto a degradadora foram também encontradas em plantas. Embora ainda falte um papel claramente definido nas plantas, tem sido sugerido que a acetilcolina seja um mensageiro secundário em vários processos celulares tais como ação do fitocromo, movimentos foliares, permeabilidade iônica de membranas, entre outros. O presente trabalho tem por objetivo avaliar o papel da acetilcolina na transdução de sinais entre raízes e parte aérea de plântulas de milho sob condições de estresse hídrico. Para tanto, plântulas de milho serão cultivadas em condições de laboratório e submetidas a estresse hídrico. Em seguida, acetilcolina será extraída e a condutância estomática medida. Os estudos serão conduzidos no Laboratório de Fisiologia de Plantas Sob Condições de Estresse da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/USP. (AU)

Avaliação do potencial alelopático de extratos e frações das folhas de Neea theifera Oerst. (Nyctaginaceae) na viabilidade germinativa de sementes de Lactuca sativa

Beneficiário:Valter Henrique Marinho dos Santos
Instituição: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Regildo Márcio Gonçalves da Silva
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/12789-2
Vigência: 01 de agosto de 2010 - 29 de fevereiro de 2012
Assunto(s):AlelopatiaNeea theifera
Resumo
A alelopatia é um mecanismo de interação bioquímica entre vegetais, considerada uma forma de adaptação química defensiva das plantas. Neste fenômeno, biomoléculas produzidas por uma planta são liberadas para o meio ambiente e influenciam no crescimento e desenvolvimento de plantas vizinhas. Assim, o objetivo deste estudo é analisar fitoquimicamente os diferentes extratos de Neea theifera e os bioensaios de laboratório quanto ao seu poder em demonstrar o potencial alelopático das plantas. Os bioensaios serão conduzidos em laboratório (pré e pós-emergência) e em casa de vegetação. Nos testes laboratoriais, as sementes e plântulas de Lactuca sativa serão tratados com o extrato metanólico (nas concentrações de 5, 10 e 20 mg/mL), frações e sub-frações de Neea theifera e um grupo controle negativo (água e/ou Tween80 a 0,3%). Já nos testes em casa de vegetação, sementes de soja e emília serão submetidos a um experimento delineado em blocos ao acaso com 4 repetições em esquema fatorial 2x3, sendo administrado as sub-frações ativas combinadas com três épocas de aplicação (pré-plantio, plantio e pós-plantio).O teste de viabilidade nas sementes submetidas aos extratos será realizado pelo teste do tetrazólio, já o teste de fitotoxicidade será elucidado pelo índice mitótico. Serão feitas reações por meio de solventes em uma coluna de cromatografia para detecção de possíveis aleloquímicos no extrato bruto. Sendo assim a investigação da viabilidade germinativa e da fitotoxicidade poderá contribuir de forma significante para elucidar o mecanismo de ação destes aleloquímicos no meio ambiente e na possível produção de herbicidas naturais. (AU)

Controle da atividade da nitrato redutase em plantas de abacaxizeiro submetidas a baixas temperaturas em diferentes fases do ciclo diurno

Beneficiário:Aline Tiemi Matsumura
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Helenice Mercier
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:10/04270-4
Vigência: 01 de agosto de 2010 - 31 de março de 2012
Assunto(s):Nitrato redutase
Resumo
Trabalhos anteriores realizados no Laboratório de Fisiologia Vegetal do IB-USP mostraram que plantas de abacaxizeiro crescidas em termoperíodo de 28°C claro/ 15°C escuro apresentaram atividade preferencial da enzima nitrato redutase (NR) acontecendo na fase escura e nas raízes, enquanto as plantas do controle, crescidas em temperatura constante de 28°C, apresentaram atividade preferencial na fase clara e nas folhas. O presente projeto procurará entender o efeito da exposição de plantas de abacaxizeiro a baixas temperaturas sobre a atividade da NR, tentando desvendar se haveria inter-relação entre o estímulo do abaixamento de temperatura e a fase do ciclo diurno. Para tanto, plantas de Ananas comosus L. Merr serão expostas a temperaturas de 4 ou 10°C, em períodos de 1, 3, 6 ou 12 horas, tanto na presença como na ausência de luz. A atividade da NR será determinada pelo ensaio in vivo. Para verificar a influência da fase do ciclo diurno, ao qual as plantas serão submetidas ao frio, 4 fases serão selecionadas, tanto no claro como no escuro. A atividade da NR será medida logo após a retirada das plantas da condição de frio e após 24 horas de reaquecimento a 25°C em intervalos de três em três horas. Os controles serão mantidos a 25°C durante todo o experimental, nas mesmas condições de cada tratamento. Uma vez determinada a fase de maior indução da NR para as folhas e para as raízes, ensaios adicionais serão realizados com o propósito de analisar a participação nesse evento dos diferentes tipos de NR: a citoplasmática e a de membrana plasmática. Espera-se com este trabalho esclarecer se folhas e raízes respondem de forma diferente ao frio, dependendo da fase do ciclo diurno e da presença ou da ausência da luz, e qual forma de NR seria a principal envolvida nessas respostas desencadeadas pelo abaixamento da temperatura. (AU)

Divisão espacial da atividade das enzimas PEPC e NR e sua regulação por citocininas em folhas de Guzmania monostachia induzidas ao CAM

Beneficiário:Paula Natália Pereira
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Helenice Mercier
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:10/04273-3
Vigência: 01 de agosto de 2010 - 29 de fevereiro de 2012
Assunto(s):Bromelia
Resumo
Estudos anteriores do grupo demonstraram que quando plantas de Guzmania monostachia, uma espécie C3-CAM facultativa, são submetidas ao estresse hídrico por falta d'água, forma-se um gradiente de acidez e de atividade da enzima fosfoenolpiruvato carboxilase (PEPCase) ao longo do comprimento da folha, sendo o ápice a porção que expressou mais fortemente o CAM. Em relação à atividade da redutase do nitrato (NR), observou-se que para outra bromélia epífita com tanque (Vriesea gigantea) a atividade dessa enzima é encontrada, quase que exclusivamente, na porção foliar basal. Além disso, demonstrou-se a importância da sinalização do fitormônio citocinina tanto na indução da expressão gênica, quanto na ativação da NR em plantas jovens de abacaxizeiro (Ananas comosus) C3-CAM facultativas cultivadas in vitro. Em decorrência desses resultados, surgiram os seguintes questionamentos: haveria variações da atividade da enzima NR nas porções foliares que trabalham como C3 ou CAM? A maior disponibilidade de esqueletos carbônicos à noite (acúmulo de acidez) influenciaria positivamente a atividade da NR, deslocando seu pico de atividade para o período noturno? As variações dos teores endógenos de citocininas acompanhariam as possíveis mudanças na atividade da NR, indicando, assim, a participação dessa classe hormonal na sinalização da NR? Assim, o presente projeto terá por objetivo principal avaliar a atividade da enzima NR em diferentes porções foliares (basal e apical) de Guzmania monostachia, quando folhas destacadas de plantas adultas forem submetidas a uma deficiência hídrica, causando um forte aumento da expressão da fotossíntese CAM. Buscar-se-á também conhecer e relacionar as mudanças nos teores de citocininas endógenas nessas mesmas porções foliares com as atividades da NR. Espera-se, portanto, conhecer mais profundamente a relação entre o comportamento fotossintético e o metabolismo de nitrogênio em bromélias. (AU)

Studies on effect of Root Temperature on alkaloid production in Catharanthus roseus, Coffea arabica and Nicotiana tabacum

Beneficiário:Sonia Malik
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Paulo Mazzafera
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:09/53450-8
Vigência: 01 de julho de 2010 - 12 de julho de 2011
Assunto(s):Coffea arabica
Resumo
This proposal has been planned to study the effect of root zone temperature on alkaloids, an important class of secondary compounds in three different plant species i.e. Catharanthus roseus, Coffea Arabica and Nicotiana tabacum. These plant species are known to produce valuable alkaloids with various pharmaceutical applications. Alkaloid content and activity in plants are known to be influenced by temperature and roots are more sensitive to change in temperature as compared to aerial parts. It has been shown that temperature at root zone influence not only root physiology but also shoot metabolism. Therefore, it would be interesting to study in these plant species how the alkaloid content and expression of genes involved in biosynthetic pathways vary in response to changes in root temperature. Studies on root zone temperature of the plant are one of the emerging research areas these days and several recent reports have shown the effect of root temperature on plant growth. However, till date no studies have been focused to find out its effect on the production of alkaloids. This study would give new insights into the basic understanding of synthesis, accumulation and translocation of this important class of plant secondary compounds. (AU)

Caracterização ecofisiológica de duas espécies do gênero Cordia (Boraginaceae) crescidas sob diferentes condições de luminosidade e submetidas ao estresse luminoso severo

Beneficiário:Matheus Enrique Bianconi
Instituição: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Alberto Martinez y Huaman
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:10/07014-9
Vigência: 01 de julho de 2010 - 31 de dezembro de 2010
Assunto(s):CordiaEcofisiologia
Resumo
Dada a riqueza de espécies vegetais existentes no Brasil, o conhecimento da fisiologia das plantas nativas sob condições ambientais estressantes é um importante passo para a diversificação do plantio em reflorestamentos que visam a recuperação de áreas degradadas e a adequação ambiental à legislação. Quando submetidas a condições ambientais extremas, como falta de água ou excesso de radiação solar, as plantas tem sua fisiologia alterada, podendo sofrer prejuízos que vão desde injúrias locais à morte da planta. Tais danos são ocasionados principalmente pelo estresse oxidativo gerado pelo acúmulo e ação de espécies reativas de oxigênio (EROs), radicais livres que podem provocar a destruição de proteínas e ácidos nucléicos, a peroxidação das membranas lipídicas e consequentemente morte celular. Neste estudo, plântulas de duas espécies congêneres da família Boraginaceae, uma pioneira - Cordia trichotoma (Vell.) Arráb. ex steud. - e uma não-pioneira - Cordia. superba Cham. -, serão aclimatadas sob três condições de luminosidade: 100% de radiação (pleno sol) e interferências de 50% e 75% na radiação (sombra). As plantas crescidas sob condições de sombra serão posteriormente transferidas para sol pleno a fim de induzir o estresse luminoso severo, simulando a abertura de uma clareira natural ou um desmatamento. Serão determinados parâmetros de trocas gasosas, concentração de pigmentos, fluorescência da clorofila a e crescimento. O estresse oxidativo será avaliado com base na quantificação da atividade da enzima superóxido dismutase (SOD) e na detecção in situ dos radicais livres e de morte celular. As análises fisiológicas e bioquímicas serão realizadas antes, durante e depois da indução do estresse luminoso severo. Os dados gerados permitirão determinar qual a condição mais adequada para o desenvolvimento das referidas espécies e quais as principais diferenças fisiológicas entre tais espécies filogeneticamente próximas, bem como avaliar o comportamento das plantas quando submetidas ao estresse luminoso decorrente da abertura de clareiras naturais ou do desmatamento. Os resultados serão analisados com base na hipótese de que a espécie pioneira apresenta um conjunto de respostas fisiológicas e bioquímicas condizentes com a maior tolerância a áreas de clareira em comparação com a espécie não-pioneira. (AU)

Estudo da resposta antioxidativa enzimática, síntese de fitoquelatinas e do perfil protéico de Dolichos lablab submetida a estresse por cadmo

Beneficiário:Lucas Anjos de Souza
Instituição: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ricardo Antunes de Azevedo
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:10/50167-0
Vigência: 01 de julho de 2010 - 28 de fevereiro de 2014
Assunto(s):Metais pesadosTolerância
Resumo
A contaminação dos solos por Cádmio (Cd) é produto do aumento das atividades industriais que utilizam esse metal. Devido ao aumento da demanda humana por novos produtos, a contaminação tem aumentado em níveis preocupantes. O Cd é um metal pesado (MP) extremamente tóxico, e concentrações no solo variando entre 5 e 30 mg kg-1 são consideradas tóxicas. O Cd afeta todos os tipos de formas de vida que vive no solo e, através da transferência via cadeia alimentar pode chegar à alimentação dos animais domésticos e humanos. O Cd influencia o crescimento vegetal afetando a absorção de nutrientes minerais, a abertura estomática, a transpiração, a fotossíntese, a assimilação de nitrato e o balanço da produção de espécies reativas de oxigênio (EROs). Um dos mecanismos envolvidos na eliminação das EROs é o funcionamento normal das enzimas do sistema antioxidante (superóxido dismutase, catalase e glutationa peroxidase) e das enzimas do ciclo ascorbato-glutationa (ascorbato peroxidase e glutationa redutase). Mecanismos de tolerância ao Cd também são de grande relevância, uma vez que o impedem de causar seus efeitos deletérios nas células. A síntese de fitoquelatinas é um importante Mecanismo de tolerância ao Cd, uma vez que sua síntese é induzida na presença de Cd. A abordagem por eletroforese 2-D é uma importante ferramenta para elucidação de proteínas envolvidas na tolerância ao Cd, pois nos revela quantitativamente proteínas que tem suas expressões influenciadas pelo Cd. Assim, o objetivo desse trabalho é avaliar a resposta antioxidativa, mecanismos de tolerância e perfil protéico de Dolichos lablab, uma leguminosa forrageira tropical, submetidas a estresse por Cd. (AU)

Potencial alelopático de Myrcia guianensis

Beneficiário:Marcella Yukie Maeda
Instituição: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luiz Fernando Rolim de Almeida
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:10/09225-7
Vigência: 01 de julho de 2010 - 31 de dezembro de 2010
Assunto(s):AlelopatiaFitoquímicaGerminaçãoCerrado
Resumo
Na flora brasileira a família Myrtaceae encontra - se distribuída em todos os ecossistemas sendo o grupo taxonômico mais comum no Cerrado, tem como destaque o gênero Myrcia por apresentar atividade medicinal. A espécie Myrcia guianensis possui grande importância nesse aspecto por ser considerada insulina vegetal. As plantas produzem substâncias, os metabólitos secundários, que podem ou não interferirem no crescimento e desenvolvimento de outras, podendo inibir seus sistemas biológicos com efeitos positivos ou negativos. Essas substâncias são denominadas aleloquímicos e se encontram acumuladas em todos os órgãos vegetais, com uma maior concentração nas folhas. O estudo das atividades biológicas de extratos de plantas da espécie Myrcia pode esclarecer as relações existentes entre essas plantas e o ambiente em que vivem. O conhecimento da composição química das folhas pode trazer as relações existentes entre os compostos produzidos e as concentrações testadas, indicando respostas de dose-efeito ecologicamente importantes para a dinâmica populacional através dos processos inibitórios e estimulatórios. Para os ensaios de atividade alelopática foram selecionadas como plantas testes para o estudo alelopático Lactuca sativa, Hordeum vulgare e Brachiara decumbens. Serão analisadas a velocidade e a porcentagem de germinação em condições controladas de luz e escuro. As plântulas serão avaliadas de acordo com o desenvolvimento da parte aérea e raiz. (AU)

Otimização da estaquia para produção de mudas de chá

Beneficiário:Ana Carolina Batista Bolfarini
Instituição: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Registro. Registro, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Juliana Domingues Lima
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:10/00653-6
Vigência: 01 de junho de 2010 - 31 de julho de 2010
Assunto(s):Propagação vegetalCamellia sinensisEstaquiaMudasReguladores de crescimento
Resumo
A estaquia é a técnica mais utilizada para produção de mudas de chá (Camellia sinensis) no Vale do Ribeira, SP. No entanto, o pegamento das mudas é considerado baixo, o que é atribuído pela literatura ao fato desta espécie vegetal ser de difícil enraizamento, sendo recomendada a utilização de estacas semi-lenhosas com uma única folha. Diversos fatores afetam a capacidade de enraizamento das estacas tais como, a condição fisiológica da planta-matriz, tipo de estaca, época do ano para coleta (estação), potencial genético de enraizamento (cultivar), sanidade, balanço hormonal, substrato e temperatura. O presente projeto tem como objetivo otimizar a produção de mudas de chá por meio da estaquia, pela determinação das condições ótimas de enraizamento no que diz respeito à época de coleta das estacas, concentração ótima de auxina para o tratamento das estacas, substrato, posição do ramo para confecção da estaca, tamanho de recipiente, para dois cultivares de chá considerados adequados para cultivo no Vale do Ribeira (F15 e IAC 259). (AU)

Trocas gasosas em uma Floresta Ombrófila Densa Atlântica

Beneficiário:Ivan Munhoz Araújo
Instituição: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Humberto Ribeiro da Rocha
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:10/07405-8
Vigência: 01 de maio de 2010 - 30 de abril de 2012
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: CNPq - Temáticos - Pronex
Assunto(s):FotossínteseTroca gasosa
Resumo
O objetivo deste projeto é estudar a dinâmica sazonal das trocas gasosas e o potencial hídrico foliar nas espécies dominantes encontradas na Floresta Ombrófila Densa Atlântica, São Luis do Paraitinga, de modo a avaliar sua potencial contribuição relativa ao balanço de carbono do ecossistema. (AU)

Atualização e ampliação do acervo da Biblioteca do Instituto de Botânica de São Paulo

Beneficiário:Rita de Cassia Leone Figueiredo Ribeiro
Instituição: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rita de Cassia Leone Figueiredo Ribeiro
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa Infra-estrutura - Faplivros
Processo:09/15247-6
Vigência: 01 de abril de 2010 - 31 de março de 2011
Assunto(s):Anatomia vegetalPaleobotânicaBotânica aplicadaBotânica (classificação)
Resumo
O presente projeto visa a atualizar e ampliar o acervo da Biblioteca do Instituto de Botânica. Este instituto desenvolve pesquisas em diferentes áreas da Botânica, sendo todo o seu acervo bibliográfico centralizado em uma única Biblioteca. Além disso, o Instituto de Botânica possui um Curso de Pós-Graduação com Mestrado e Doutorado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente e um Programa Institucional de Iniciação Científica que inclui Bolsistas da Fapesp e do CNPq, os quais também são atendidos por esta Biblioteca Central. Por essa razão a presente proposta contempla livros nas diversas áreas da Botânica, particularmente, Fisiologia Vegetal, Taxonomia de Plantas, Algas, Cianobactérias e Fungos, Ecologia Vegetal, Anatomia e Morfologia Vegetal, Palinologia e Ensino de Botânica. A competência Institucional nas diferentes áreas mencionadas é comprovada pelo grande número de pesquisadores Avalizadores (total de 23) quem vem contando com o apoio da Fapesp na concessão de auxílios e bolsas. (AU)

Plant physiology

Beneficiário:Helenice Mercier
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Helenice Mercier
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:10/50417-7
Vigência: 01 de abril de 2010 - 30 de setembro de 2010
Assunto(s):Ácido abscísicoBromeliaÓxido nítrico

Efeito benéfico do nitrato na tolerância da soja [Glycine max (l.) Merril] à deficiência de oxigênio: análise do envolvimento do nitrito e do radical óxido nítrico Nesse processo

Beneficiário:Halley Caixeta de Oliveira
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ladaslav Sodek
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:09/17583-3
Vigência: 01 de abril de 2010 - 31 de janeiro de 2013
Assunto(s):AnóxiaÓxido nítricoSoja
Resumo
A deficiência de oxigênio está associada a uma série de modificações no metabolismo e no crescimento vegetal, afetando a produtividade de espécies importantes economicamente. É bem conhecido que a adição exógena de nitrato aumenta a tolerância das plantas ao estresse de hipóxia, mas os mecanismos pelos quais o nitrato exerce esse efeito não estão esclarecidos. Recentemente, o nitrito gerado através da redução do nitrato tem emergido como uma molécula sinalizadora e como um substrato para a síntese do óxido nítrico (NO), um radical cujo papel durante a hipóxia tem sido sugerido. O presente projeto visa elucidar os mecanismos relacionados ao efeito benéfico do nitrato na resposta de plantas de soja não noduladas à deficiência de oxigênio, verificando o envolvimento do nitrito e do NO nesse processo. Para tal, pretende-se realizar uma análise global das modificações no metabolismo primário de raízes de soja induzidas pela hipóxia e verificar o efeito dos tratamentos com nitrato, nitrito e doadores/seqüestradores de NO nessa resposta. Serão acompanhados parâmetros do metabolismo energético, bem como serão verificados os níveis de compostos primários do metabolismo de carboidratos e do nitrogênio. A produção de NO por raízes de soja em hipóxia na presença de nitrato e nitrito, e sua relação com a atividade da nitrato redutase também serão analisadas. Ainda, o destino metabólico do nitrogênio (15N) proveniente de diferentes fontes em raízes, seiva do xilema e folhas de soja será acompanhado durante a hipóxia por cromatografia gasosa-espectrometria de massas. Os resultados deste estudo contribuirão para um melhor entendimento da resposta metabólica e da adaptação da soja à deficiência de oxigênio, o que se torna essencial diante das atuais mudanças climáticas e do aumento das situações de alagamento no planeta. (AU)

Nitric Oxide and calcium mediate the hormonal control of crassulacean acid metabolism expression in Young pineapple plants

Beneficiário:Luciano Freschi
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luciano Freschi
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Reunião - Exterior
Processo:10/50216-1
Vigência: 22 de março de 2010 - 24 de março de 2010
Assunto(s):Ácido abscísicoBromeliaceaeCitocininasÓxido nítrico

Diurnal correlation between CAM cycle and NITRATE reduction in the atmospheric bromeliad Tillandsia pohliana

Beneficiário:Helenice Mercier
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Helenice Mercier
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Reunião - Exterior
Processo:10/50139-7
Vigência: 22 de março de 2010 - 24 de março de 2010
Assunto(s):Bromeliaceae

Regeneração in vitro de Vernonia herbácea (Vell.) Rusby e atividade e expressão de enzimas relacionadas ao metabolismo de frutanos

Beneficiário:Flavio Trevisan
Instituição: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Angela Machado de Carvalho
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:09/16688-6
Vigência: 01 de março de 2010 - 30 de junho de 2010
Assunto(s):AsteraceaeExpressão gênicaInulina
Resumo
Vernonia herbacea (Vell.) Rusby é uma planta nativa do cerrado brasileiro que acumula frutanos do tipo inulina em seus órgãos de reserva subterrâneos. Além do seu papel de reserva, os frutanos atuam como reguladores osmóticos, conferindo às plantas maior tolerância à seca e ao frio. A inulina é considerada um componente probiótico desempenhando várias funções fisiológicas benéficas ao homem. A espécie possui potencial como fonte alternativa para a produção comercial de inulina, além de ser um modelo para o estudo do metabolismo de frutanos em plantas do cerrado. Nesse contexto, verifica-se a necessidade de aperfeiçoamento de técnicas que subsidiem esses estudos e que forneçam suporte para a utilização da espécie como fonte de inulina. O objetivo deste projeto é estudar o metabolismo de frutanos em tecidos e/ou plantas cultivadas in vitro, por meio da análise da composição dos frutanos e da atividade e expressão dos genes que codificam para as enzimas de síntese (SST e FFT) e degradação (FEH) destes compostos através da quantificação de mRNA por qRT PCR em tempo real.. Pretende-se também avaliar a produção de inulina nestes sistemas. Para a indução da regeneração, diferentes tipos de explantes serão cultivados em meio de cultura MS suplementado com diferentes combinações dos reguladores vegetais 6-benzilaminopurina e ácido 2,4-diclorofenoxiacético. Além da sacarose, que é a molécula precursora de frutanos, a influência de outras fontes de carbono (frutose, glucose e frutose + glucose) na atividade e expressão das enzimas será analisada em plantas obtidas por germinação de sementes em meio de cultura livre de reguladores e/ou em calos e plantas regeneradas. A cultura de tecidos é amplamente utilizada para estudos do metabolismo vegetal em condições controladas e distintas das encontradas em campo. Por outro lado, estudos sobre o metabolismo de frutanos in vitro são escassos. Desta forma, espera-se com este trabalho estabelecer um protocolo de cultivo in vitro de V. herbacea para a realização de estudos sobre o metabolismo de frutanos em condições controladas que poderá também constituir uma opção para a produção de inulina in vitro. (AU)

Caracterização molecular da pigmentação dos filamentos da corona no gênero Passiflora (Passifloraceae)

Beneficiário:Lilian Cristina Baldon Aizza
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcelo Carnier Dornelas
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:09/54492-6
Vigência: 01 de março de 2010 - 28 de fevereiro de 2014
Assunto(s):Biologia molecular vegetalExpressão gênicaPassiflora
Resumo
O gênero Passiflora exibe naturalmente uma grande variedade de morfologias, cores, padrões de pigmentação em suas flores, especialmente nos filamentos da corona, atraindo diferentes polinizadores. O presente projeto visa caracterizar os diferentes padrões de pigmentação dos filamentos da corona durante o desenvolvimento floral no gênero Passiflora, priorizando os aspectos bioquímicos, morfológicos e moleculares. Pretende-se isolar e identificar as antocianinas extraídas dos filamentos da corona com diferentes padrões de pigmentação nas espécies P. edulis Deg., P. alata Curtis, P. caerulea L, P. gibertii N.E.Brown (subgênero Passiflora) e P. suberosa L. (subgênero Decaloba). Obter a descrição morfológica dos filamentos da corona das espécies citadas. Adicionalmente, identificar e caracterizar três genes regulatórios potencialmente envolvidos na biossíntese de antocianina nos filamentos da corona nas espécies P. edulis var. flavicarpa Deg. e P. suberosa L, com a análise do padrão de expressão destes genes via RT-PCR e hibridização in situ. Os resultados obtidos fornecerão bases moleculares para o entendimento dos mecanismos reguladores da pigmentação durante o desenvolvimento floral em Passiflora, que podem contribuir para elucidar os diferentes padrões de distribuição espacial dos pigmentos presentes nos filamentos da corona entre as espécies do gênero. (AU)

Ecofisiologia do uso de nitrogênio em espécies arbóreas da Floresta Ombrófila Densa, Caraguatatuba, SP

Beneficiário:Janaina Gomes da Silva
Instituição: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcos Pereira Marinho Aidar
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/12148-7
Vigência: 01 de março de 2010 - 29 de fevereiro de 2012
Assunto(s):Ecofisiologia vegetalMata atlânticaNitrogênio
Resumo
O domínio Mata Atlântica é formado por diversas fisionomias vegetais entre elas a floresta ombrófila densa. Na última década, houve um aumento expressivo no número de trabalhos florísticos e fitossociológicos nessas diferentes fisionomias. Em uma mesma formação vegetal é possível identificar áreas com diferentes grupos de espécies formando um mosaico, que apresentam variações nos padrões de regeneração, estrutura e dispersão. Essas espécies podem ser agrupadas em grupos funcionais ou guildas de acordo com as estratégias de regeneração, sendo enquadradas em três grupos: espécies pioneiras, secundárias iniciais ou tardias. Essa classificação das espécies é uma ferramenta essencial para a compreensão da sucessão ecológica e as características do metabolismo de nitrogênio (N) das arbóreas tropicais pode ser essa uma ferramenta adicional ao diagnóstico e à classificação em grupos ecológicos de sucessão. As plantas apresentam um importante papel na regulação da entrada e saída de nitrogênio no sistema e suas interações com organismos simbiônticos, herbívoros e decompositores são importantes para entender as mudanças que podem ocorrer no ciclo do N no ecossistema. O presente projeto tem como objetivo central a caracterizar a ecofisiológia da utilização de nitrogênio das espécies arbóreas dominantes na Floresta Ombrófila Densa, Caraguatatuba. E relacionar as estratégias de utilização de nitrogênio com as classes sucessionais das espécies arbóreas selecionadas. (AU)

Estabelecimento de uma nova estratégia de clonagem in vitro de Oncidium e Dendrobium (Orchidaceae) por meio da utilização de caules estiolados

Beneficiário:Lucas Macedo Félix
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Gilberto Barbante Kerbauy
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/12568-6
Vigência: 01 de março de 2010 - 29 de fevereiro de 2012
Assunto(s):DendrobiumFisiologia vegetal
Resumo
A micropropagação de orquídeas in vitro vem sendo aplicada principalmente com objetivo de elevar a taxa de multiplicação, além de eliminar patógenos e reduzir gastos na produção. Esta ferramenta de trabalho vem sendo utilizada rotineiramente no nosso laboratório, ao longo de mais de duas décadas, em pesquisas básicas de fisiologia e de aprimoramento da técnica de clonagem, principalmente de orquídeas, neste caso visando a obtenção de maior estabilidade genética dos regenerantes em cultivos de longa duração. Plantas do gênero Catasetum apresentam atividade indeterminada do meristema apical caulinar (MAC) quando incubadas no escuro, originando em pouco tempo longos estolões com crescimento indeterminado, comportamento raro no reino vegetal. Cada nó do caule estiolado possui uma gema lateral, que quando isolada e incubada no claro forma rapidamente uma planta completa, facilitando a micropropagação. Outros gêneros de orquídeas valorizadas no mercado da ornamentação não apresentam tal facilidade na multiplicação, mostrando-se recalcitrantes à micropropagação, como é o caso dos gêneros Dendrobium e Oncidium. A maioria dos eventos fotomorfogenéticos envolve a atuação de hormônios e de mensageiros secundários. O objetivo deste estudo é obter uma melhor compreensão dos mecanismos fisiológicos envolvidos no estiolamento de Oncidium e Dendrobium (Orchidaceae), ambos com crescimento caulinar limitado quando sob ausência de luz, buscando compreender os efeitos do escuro e dos hormônios etileno (exógenos e endógenos) e giberelina, bem como do radical livre óxido nítrico (exógeno e endógeno) na atividade do MAC dessas plantas. Como objetivo complementar, buscar-se-á induzir o estiolamento mais pronunciado nessas plantas, visando o estabelecimento de uma metodologia de multiplicação vegetativa in vitro baseada naquela utilizada para C. fimbriatum, que fosse, simultaneamente, de baixo custo e acessível aos produtores nacionais. Para tanto, serão utilizadas plantas de Dendrobium e Oncidium obtidas por meio da germinação assimbiótica. Após 120 dias de incubação, as plantas serão transferidas para o escuro e tratadas com diferentes concentrações de ácido giberélico, paclobutrazol (inibidor de biossíntese de giberelina), etileno, 1-metilciclopropeno (inibidor da ação do etileno), nitroprussiato de sódio (doador de NO), e carboxi-PTIO (seqüestrador de NO). Análises semanais dos teores de etileno e CO2 acumulados nos frascos serão conduzidas por meio de cromatografia gasosa e a quantificação de NO será realizada por meio do método de quimiluminescência. Após 90 dias de tratamento no escuro serão quantificados o tamanho e número de nós dos caules estiolados, e eventuais gemas laterais liberadas, além dos valores de massas fresca e seca dos estolões. Verificar-se-á a porcentagem de plantas regeneradas dos segmentos estiolados sob diferentes intensidades luminosas, de forma a desenvolver protocolos de micropropagação para ambas espécies. (AU)

Caracterização de um gene afetando a competência para formação de órgão em tomateiro (Solanum lycopersicum l. cv Micro-Tom)

Beneficiário:Mariana da Silva Azevedo
Instituição: Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lázaro Eustaquio Pereira Peres
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/13297-6
Vigência: 01 de março de 2010 - 29 de fevereiro de 2012
Assunto(s):Lycopersicon esculentumOrganogênese
Resumo
As espécies vegetais possuem diferenças na sua capacidade de formar novos órgãos, que muitas vezes podem ser controladas por poucos genes. No caso do tomateiro, a espécie Solanum peruvianum L. possui capacidade de regeneração maior que Solanum lycopersicum L., a qual foi considerada como sendo controlada por dois genes cujos alelos dominantes de S. peruvianum foram denominados Rg1 e Rg2. Contudo, a presença de apenas um desses alelos, Rg1, é suficiente para conferir competência para regeneração de gemas caulinares a partir de explantes radiculares.O processo de organogênese in vitro (formação de caules ou raízes) pode ser dividido em etapas, sendo as 3 principais a aquisição de competência, a indução e a determinação. Esta divisão permite postular que, na maioria dos casos, a não obtenção da regeneração de plantas in vitro seria atribuída à falha do explante em adquirir a competência necessária para a indução do processo. Estudos preliminares em nosso laboratório determinaram que o gene RG1 atua na fase de aquisição de competência de forma positiva. Como poucos estudos estão relacionados à aquisição de competência, sendo encontrados apenas dois mutantes em Arabidopsis, ire e srd, os quais aumentam e dimuem a competência respectivamente, o gene RG1 torna-se muito importante para o entendimento deste processo. A compreensão dos fatores envolvidos nesta fase do processo de regeneração in vitro pode tornar menos empírico o desenvolvimento de protocolos de regeneração para várias espécies/cultivares de importânca agronômica. No presente projeto, pretende-se fazer o mapeamento fino do gene RG1 através de marcadores morfológicos e moleculares. Desse modo, baseando-se no projeto genoma de tomateiro, iremos investigar os genes seqüenciados na mesma região cromossômica, como sendo possíveis candidatos a RG1, o que possibilitará sua futura clonagem e utilizacão em diversos processos biotecnológicos. (AU)

Sinalização do óxido nítrico (no) na resposta de defesa de plantas ao ataque de patógenos: análise da expressão gênica, produção de compostos secundários e bioenergética mitocondrial

Beneficiário:Simone Cespedes Vitor
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ione Salgado
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:10/01560-1
Vigência: 01 de março de 2010 - 31 de dezembro de 2010
Assunto(s):Bioquímica vegetalÓxido nítricoExpressão gênicaFlavonoides
Resumo
Estudos recentes vêm demonstrando que o radical óxido nítrico (NO) é um sinalizador importante no mecanismo de resistência de plantas ao ataque de patógenos e o presente projeto de pesquisa tem como objetivo aprofundar nosso conhecimento nesta área. Plantas de Arabidopsis thaliana duplo-mutantes para a enzima nitrato redutase (NR) (nia1 nia2) se tornam suscetíveis à bactéria Pseudomonas syringae e esta perda de resistência foi atribuída à incapacidade deste mutante prontamente produzir NO em resposta ao ataque da bactéria, incapacidade esta decorrente de seu baixo conteúdo de arginina e nitrito, os substratos para a síntese de NO. A resistência a patógenos é também afetada em mutantes de A. thaliana com diferentes níveis de expressão de S-nitrosoglutathiona redutase (GSNOR), uma enzima que, por alterar o conteúdo de S-nitrosotióis na planta, interfere na homeostase do NO. O papel do NO na defesa vegetal tem sido relacionado à sua ação na expressão gênica, aumentando a produção de compostos de defesa, entre estes, flavonóides e outros produtos do metabolismo secundário. A mitocôndria é um alvo e, também, uma organela essencial para o metabolismo do NO. Neste contexto, o presente projeto de pesquisa pretende: (1) analisar o padrão de expressão gênica (em larga escala) de plantas de A. thaliana em resposta à inoculação da bactéria Pseudomonas syringae, comparando-se as alterações encontradas no tipo selvagem com aquelas do mutante nia1 nia2 antes e após a recuperação dos níveis de aminoácidos ou NO; (2) analisar no modelo Arabidopsis-Pseudomonas o perfil de produtos do metabolismo secundário, particularmente compostos de defesa, e correlacionar com as alterações na expressão gênica; (3) analisar o efeito de extratos de soja e Citrus, ricos em produtos de defesa do metabolismo secundário, na síntese de NO através da auto-oxidação da L-arginina ou da redução ácida do nitrito; (4) analisar os efeitos da mutação para GSNOR na atividade da cadeia respiratória e no metabolismo de NO em mitocôndrias isoladas de A. thaliana. Os resultados a serem obtidos poderão enriquecer nosso conhecimento sobre os mecanismos de defesa vegetal, mediados por NO, contra o ataque patogênico. (AU)

Monitoramento dendrométrico em um cerrado stricto sensu na gleba Pé-de-gigante

Beneficiário:Leila Vergal Rostirola
Instituição: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Humberto Ribeiro da Rocha
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:10/00269-1
Vigência: 01 de fevereiro de 2010 - 30 de setembro de 2010
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: CNPq - Temáticos - Pronex
Assunto(s):BiomassaCerradoMudança climáticaCiclo do carbono
Resumo
A estimativa da biomassa é um excelente indicativo da incorporação de carbono de um ecossistema terrestre. Esta abordagem a ser utilizada ajudará nas estimativas do balanço de carbono da área de estudo, um Cerrado stricto sensu, integrando o conhecimento do seu funcionamento, clima e mudanças no uso do solo. (AU)

Isolamento de alcalóides imidazólicos do jaborandi (Pilocarpus microphyllus )e avaliação da absorção e excreção de alcalóides imidazólicos por suspensões de células do jaborandi

Beneficiário:Yanna Dias Costa
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alexandra Christine Helena Frankland Sawaya
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:09/18348-8
Vigência: 01 de janeiro de 2010 - 31 de agosto de 2011
Assunto(s):Metabólitos secundáriosCromatografiaPilocarpinaJaborandi
Resumo
Pilocarpus microphyllus, nativa do norte e nordeste do Brasil, é explorada como fontecomercial da pilocarpina, com conhecida atividade farmacológica. Desta extração restatambém uma pasta rica em outros alcalóides imidazólicos. Para tanto, é necessário queestes alcalóides imidazólicos encontrados no jaborandi estejam estruturalmentecaracterizados de modo que seja possível sua identificação e quantificação em extratosde plantas ou de células. A metodologia desenvolvida para a análise qualitativa equantitativa dos diversos alcalóides imidazólicos de P. microphyllus por HPLC-ESI-MS/MS será transposta para colunas preparativas, isolando e caracterizando outros alcalóidesencontrados em P. microphyllus. Num segundo momento os alcalóides isolados das folhas de jaborandi serão adicionados a suspensões de células como ferramenta para estudar a rota biossintética da pilocarpina. Plantas de P.microphyllus serão submetidas a stress abiótico para avaliar o aumento ou diminuição daprodução destes alcalóides. (AU)

BIOEN workshop on metabolomics of sugarcane

Beneficiário:Carlos Alberto Labate
Instituição: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Alberto Labate
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Organização de Reunião Científica
Processo:09/10863-0
Vigência: 07 de dezembro de 2009 - 07 de dezembro de 2009
Assunto(s):MetabolômicaBiologia de sistemasCana-de-açúcar

Thermoperiod affects the diurnal cycle of NITRATE reductase expression and activity in pineapple plants by modulating the endogenous..

Beneficiário:Helenice Mercier
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Helenice Mercier
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:09/53499-7
Vigência: 01 de novembro de 2009 - 30 de abril de 2010
Assunto(s):CitocininasNitrato redutase

Rutin synthase in fava d'anta: purification and influence of stressors

Beneficiário:Paulo Mazzafera
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Paulo Mazzafera
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:09/15279-5
Vigência: 01 de novembro de 2009 - 30 de abril de 2010
Assunto(s):RutinaFlavonoides
Resumo
O Flavonóide rutina é sintetizado em plantas a partir de quercetina, através de uma rota na qual isoquercitrina é um metabólito intermediário. Neste trabalho as atividades de isoquercitrina sintase e rutina sintase, e os conteúds de quercetina, isoquercitrina rutina em plantas fava d'anta estressadas para água (seca e alagamento) e sal (NaCl) forame studados. De modo geral, os estresses aumentaram o conteúdo das três substâncias e das atividades enzimáticas. Rutina sintase e isoquercitrina sintase semi-purificadas mostraram valores de Km de 1.816 e 2.10 mM, respectivamente, com pH ótimo de reação de 5 e 7, respectivamente, e tmperatura ótima de 35oC. Rutina sintase foi purificada de gemas foliares e mostrou massa molecular aparente de 39 KDa por SDS-PAGE. Análise por espectrometria de massa da proteína purificada não mostrou nenhuma similaridade com glicosiltransferases sequenciadas. (AU)

Criopreservação de araucária angustifolia (bert.) o. Kuntze: aspectos fisiológicos e bioquímicos

Beneficiário:Fernanda Piccolo Pieruzzi
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eny Iochevet Segal Floh
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:09/52828-7
Vigência: 01 de novembro de 2009 - 30 de abril de 2013
Assunto(s):Ácido abscísicoAraucaria angustifoliaCriopreservaçãoÓxido nítricoPoliaminasProteínas
Resumo
Araucária angustifólia é uma espécie arbórea nativa do domínio Mata Atlântica que, devido à intensa exploração extrativista, encontra-se ameaçada de extinção. Dessa forma, o desenvolvimento e a implementação de estratégias para a conservação e melhoramento genético das populações remanescentes de A. angustifólia são considerados de extrema importância. Contudo, o longo período para alcançar o estágio reprodutivo, a fenologia irregular e o caráter recalcitrante da semente dificultam o estabelecimento de programas de conservação e melhoramento genético para a espécie. Técnicas de cultivo in vitro associadas à criopreservação são ferramentas importantes para conservação ex situ de espécies recalcitrantes. Portanto, o objetivo deste projeto é o estudo da criopreservação no sistema A. angustifólia. Para tanto, serão desenvolvidos protocolos específicos para a criopreservação de embriões zigóticos, ápices caulinares e linhagens celulares embriogenias da espécie, avaliando possíveis diferenças bioquímicas e fisiológicas provocadas durante o processo. Os resultados deste trabalho permitirão o estabelecimento de bancos de germoplastna ex situada A. angustifólia, e o restabelecimento no ambiente natural de genótipos elite ou raros desta espécie. Além disso, permitirão uma melhor compreensão dos diferentes aspectos fisiológicos e bioquímicos durante a criopreservação, em espécies recalcitrantes. (AU)

Detecção e caracterização da atividade de xiloglucano endotransglicosilase-hidrolase (XTH) em tecidos de Saccharum officinarum (cana-de-açúcar)

Beneficiário:Augusto Cesar Crivellari
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcos Silveira Buckeridge
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/04039-3
Vigência: 01 de novembro de 2009 - 31 de julho de 2011
Assunto(s):Parede celularCana-de-açúcarXiloglucano
Resumo
A parede celular vegetal, composta por celulose, hemiceluloses, além de matriz péctica e protéica, acumula uma série de funções vitais para as plantas. Entre essas funções temos a expansão celular. Um dos responsáveis pela resistência à expansão das células vegetais é o xiloglucano. O xiloglucano, uma hemicelulose, promove o travamento das microfibrilas de celulose presentes na parede da celular. Tal travamento é muito importante para que a célula vegetal mantenham-se íntegra independente da pressão interna causada pela entrada de água. Porém, durante a expansão celular as interações entre xiloglucano e celulose devem ser afrouxadas. A enzima responsável pelo afrouxamento é a XTH (xiloglucano endotransglicosidase), que age clivando cadeias curtas de xiloglucano e refazendo-as mais longas. Esse processo incrementa a distância entre as microfibrilas de celulose, afrouxando a parede. As XTHs estão presentes tanto em eudicotiledôneas quanto monocotiledôneas, porém é sabido que a parede celular de monocotiledôneas (comelinóides) não contém grandes quantidades de xiloglucano. Essa aparente incoerência entre presença da enzima e ausência de seu substrato específico pode ser explicada pela possível capacidade da XTH interagir/clivar também o arabinoxilano, esse sim, importante hemicelulose de gramíneas. Sendo a cana-de-açúcar uma monocotiledônea comelinóide e levando em conta a importância comercial dessa planta para o Brasil, o presente trabalho visa lançar fundamentos para o estudo de XTHs sob o aspecto bioquímico, através de ensaios enzimáticos, e bio-molecular, estudando a distribuição e as características das seqüencias codificadoras de XTH encontradas no SUCEST. Esse trabalho, por fim, visa colaborar com o entendimento das funções de XTH em monocotiledôneas, além de lançar bases para o estudo da expansão celular em cana-de-açúcar, abordagem essa de grande interesse tecnológico, visto que uma célula maior contém maiores vacúolos e, portanto, mais sacarose. A XTH também poderá no futuro ser importante para obtenção do etanol celulósico, uma vez que é uma importante enzima na manutenção da integridade da parede celular. (AU)

Produção de serapilheira no cerrado Pé-de-Gigante e Mata Atlântica

Beneficiário:Nidia Mara Marchiori
Instituição: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Humberto Ribeiro da Rocha
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:09/15632-7
Vigência: 01 de novembro de 2009 - 31 de julho de 2010
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: CNPq - Temáticos - Pronex
Assunto(s):Mata atlânticaCerradoSerrapilheira
Resumo
A bolsa de capacitação técnica solicitada destina-se ao treinamento específico em atividades previstas nos estudos sobre produtividade que incluem a produção de serapilheria no Cerrado do Pé-de-Gigante e em duas áreas de Mata Atlântica no Parque Estadual da Serra do Mar. Estes resultados deverão subsidiar a interpretação dos dados obtidos na área de influência direta das torres micro-meteorológicas, fluxos do dossel e dados climáticos, buscando caracterizar os padrões ecofisiológicos preponderantes nestes sistemas. (AU)

Avaliação do crescimento e desenvolvimento de Costus arabicus L. em relação ao fotoperíodo e a época de plantio

Beneficiário:Vanessa Rebouças dos Santos
Instituição: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Vanessa Rebouças dos Santos
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Reunião - Brasil
Processo:09/53803-8
Vigência: 18 de outubro de 2009 - 23 de outubro de 2009
Assunto(s):Crescimento vegetalPropagação vegetalRizomaFloraçãoCostus

Quantificação da expressão de genes envolvidos no metabolismo do carbono e nitrogênio e análise da composição dos polissacarídeos e lignina da parede celular de n. tabacum que superexpressam os genes Lhcb1*2 de ervilha e nia2 de n. plumbaginifolia

Beneficiário:Felipe Garbelini Marques
Instituição: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Alberto Labate
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:09/02770-2
Vigência: 01 de outubro de 2009 - 30 de setembro de 2010
Assunto(s):Biologia molecularCiclo do nitrogênioFotossínteseExpressão gênica
Resumo
Ultimamente, diversas metodologias vêm sendo empregadas para o estudo fisiológico de plantas, já que a elucidação das suas relações é de extrema relevância para aprimoramento de fatores como produtividade, por exemplo. A fotossíntese e a fixação do nitrogênio são dois dos principais processos vegetais, e nesse contexto, pretende-se estudá-los. Labate et al, 2004, transformaram plantas de Nicotiana tabacum com o gene Lhcb1*2, que codifica proteínas constituintes do complexo antena, notando diversos efeitos pleitrópicos na anatomia foliar, morfologia, bioquímica e fisiologia dessas plantas. Diante desses resultados, outro gene exógeno foi inserido nessas plantas, dessa vez nia2, que é responsável pela produção da nitrato redutase, importante enzima do ciclo do nitrogênio. Sendo o primeiro gene relacionado à fotossíntese e o segundo à assimilação do nitrogênio, pretende-se fazer uma análise das relações entre os dois processos através de técnicas de PCR em tempo real, monitorando a expressão diferencial de diversos genes das duas vias metabólicas em material foliar.Outra abordagem é a análise de lignina e carboidratos da parede celular primária e secundária das plantas transformadas. A quantificação desses elementos por espectrofotometria e cromatografia líquida permitirá concluir sobre as interações entre os processos fotossintéticos e de assimilação de nitrogênio. (AU)

Estabelecimento de uma nova estratégia de clonagem in vitro de Catasetum, Cattleya, Cymbidium e Oncidium (Orchidaceae) por meio da utilização de caules estiolados

Beneficiário:Paula Farias de Moura Coutinho
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Gilberto Barbante Kerbauy
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:09/14496-2
Vigência: 01 de outubro de 2009 - 30 de novembro de 2010
Assunto(s):ClonagemHormônios
Resumo
A clonagem de plantas in vitro é utilizada, principalmente, com o objetivo de elevar a taxa de multiplicação, eliminação de patógenos, redução de custos e aceleração da disponibilização dos produtos no mercado. No nosso laboratório, esta ferramenta de trabalho vem sendo utilizada, rotineiramente, ao longo de mais de duas décadas, em estudos de processos básicos de fisiologia e ao aprimoramento da técnica de micropropagação, principalmente de orquídeas, visando a obtenção de maior estabilidade genética dos regenerantes em cultivos de longa duração. Plantas do gênero Catasetum apresentam atividade indeterminada do meristema apical caulinar (MAC) quando incubadas no escuro, originando em pouco tempo longos estolões com crescimento indeterminado, comportamento raro no reino vegetal. Cada nó do caule estiolado possui uma gema lateral, que quando isolada e incubada no claro forma rapidamente uma planta completa, facilitando a micropropagação. A maioria dos eventos fotomorfogênicos envolve a atuação de hormônios e de mensageiros secundários. O objetivo deste estudo é compreender os efeitos da ausência de luz, do etileno, da giberelina, do CO2 e do óxido nítrico (NO) na atividade do MAC de C. fimbriatum. Buscar-se-á induzir o estiolamento e sua manutenção prolongada em orquídeas comerciais dos gêneros Oncidium, Cattleya e Cymbidium, visando o estabelecimento de uma metodologia de micropropagação baseada naquela utilizada para C. fimbriatum. Para tanto, serão utilizadas plantas micropropagadas de C. fimbriatum (clone CFC1), e estas acima indicadas, obtidas por meio da germinação assimbiótica. Após 120 dias de incubação, as plantas serão transferidas para o escuro e tratadas com diferentes concentrações de ácido giberélico, paclobutrazol (inibidor de biossíntese de giberelina), etileno, 1-metilciclopropeno (inibidor da ação do etileno), nitroprussiato de sódio (doador de NO), e carboxi-PTIO (seqüestrador de NO). Análises semanais dos teores de etileno e CO2 acumulados nos frascos serão conduzidas por meio de cromatografia gasosa e a quantificação de NO será realizada por meio do método de quimiluminescência. Após 90 dias de tratamento no escuro serão medidos o tamanho e número de nós dos caules estiolados e eventuais gemas laterais liberadas, além das massas fresca e seca desses estolões. Verificar-se-á a porcentagem de plantas regeneradas através do cultivo in vitro de segmentos dos caules estiolados em diferentes intensidades luminosas, de forma a desenvolver protocolos de micropropagação para as diferentes espécies. (AU)

Estabelecimento de uma nova estratégia de clonagem in vitro de Catasetum, Cattleya, Cymbidium e Oncidium (Orchidaceae)por meio da utilização de caules estiolados

Beneficiário:Aline Bertinatto Cruz
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Gilberto Barbante Kerbauy
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:09/14253-2
Vigência: 01 de outubro de 2009 - 30 de junho de 2011
Assunto(s):ClonagemHormônios
Resumo
A clonagem de plantas in vitro é utilizada, principalmente, com o objetivo de elevar a taxa de multiplicação, eliminação de patógenos, redução de custos e aceleração da disponibilização dos produtos no mercado. No nosso laboratório, esta ferramenta de trabalho vem sendo utilizada, rotineiramente, ao longo de mais de duas décadas, em estudos de processos básicos de fisiologia e ao aprimoramento da técnica de micropropagação, principalmente de orquídeas, visando a obtenção de maior estabilidade genética dos regenerantes em cultivos de longa duração. Plantas do gênero Catasetum apresentam atividade indeterminada do meristema apical caulinar (MAC) quando incubadas no escuro, originando em pouco tempo longos estolões com crescimento indeterminado, comportamento raro no reino vegetal. Cada nó do caule estiolado possui uma gema lateral, que quando isolada e incubada no claro forma rapidamente uma planta completa, facilitando a micropropagação. A maioria dos eventos fotomorfogênicos envolve a atuação de hormônios e de mensageiros secundários. O objetivo deste estudo é compreender os efeitos da ausência de luz, do etileno, da giberelina, do CO2 e do óxido nítrico (NO) na atividade do MAC de C. fimbriatum. Buscar-se-á induzir o estiolamento e sua manutenção prolongada em orquídeas comerciais dos gêneros Oncidium, Cattleya e Cymbidium, visando o estabelecimento de uma metodologia de micropropagação baseada naquela utilizada para C. fimbriatum. Para tanto, serão utilizadas plantas micropropagadas de C. fimbriatum (clone CFC1), e estas acima indicadas, obtidas por meio da germinação assimbiótica. Após 120 dias de incubação, as plantas serão transferidas para o escuro e tratadas com diferentes concentrações de ácido giberélico, paclobutrazol (inibidor de biossíntese de giberelina), etileno, 1-metilciclopropeno (inibidor da ação do etileno), nitroprussiato de sódio (doador de NO), e carboxi-PTIO (seqüestrador de NO). Análises semanais dos teores de etileno e CO2 acumulados nos frascos serão conduzidas por meio de cromatografia gasosa e a quantificação de NO será realizada por meio do método de quimiluminescência. Após 90 dias de tratamento no escuro serão medidos o tamanho e número de nós dos caules estiolados e eventuais gemas laterais liberadas, além das massas fresca e seca desses estolões. Verificar-se-á a porcentagem de plantas regeneradas através do cultivo in vitro de segmentos dos caules estiolados em diferentes intensidades luminosas, de forma a desenvolver protocolos de micropropagação para as diferentes espécies. (AU)

XII congresso brasileiro de fisiologia vegetal

Beneficiário:Claudia Regina Baptista Haddad
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Claudia Regina Baptista Haddad
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Reunião - Brasil
Processo:09/09937-0
Vigência: 07 de setembro de 2009 - 12 de setembro de 2009
Assunto(s):Desenvolvimento vegetalClotrimazolGuandu

XII congresso brasileiro de fisiologia vegetal

Beneficiário:Roberto Botelho Ferraz Branco
Instituição: Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Roberto Botelho Ferraz Branco
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Reunião - Brasil
Processo:09/09429-4
Vigência: 07 de setembro de 2009 - 12 de setembro de 2009
Assunto(s):Gramíneas

XII congresso brasileiro de fisiologia vegetal

Beneficiário:Carlos Cesar Ronquim
Instituição: Embrapa Monitoramento por Satélite. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Brasil). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Cesar Ronquim
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Reunião - Brasil
Processo:09/05502-9
Vigência: 07 de setembro de 2009 - 12 de setembro de 2009
Assunto(s):FotossínteseCerrado

Isolamento e identificação de alcalóides imidazólicos do jaborandi (Pilocarpus microphyllus ) e avaliação de sua atividade biológica

Beneficiário:Alexandra Christine Helena Frankland Sawaya
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alexandra Christine Helena Frankland Sawaya
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:09/00773-4
Vigência: 01 de setembro de 2009 - 31 de agosto de 2012
Assunto(s):JaborandiPilocarpinaAlcaloidesImidazóisEspectrometria de massasCromatografia líquida
Resumo
Jaborandi é o nome popular dado a várias espécies do gênero Pilocarpus que contém o alcalóide pilocarpina, com conhecida aplicação farmacológica, nas suas folhas. Apenas Pilocarpus microphyllus, nativa do norte e nordeste do Brasil, é explorada como fonte comercial da pilocarpina. De sua extração resta também uma pasta rica em outros alcalóides imidazólicos. Outra fonte alternativa para a produção de pilocarpina seria o uso de suspensões celulares em bio-reatores a partir de células de P. microphyllus. Como a rota biossintética da pilocarpina ainda não foi determinada, e pouco se sabe sobre os possíveis intermediários na sua biossíntese, faltam informações para aperfeiçoar a produção de pilocarpina em bio-reatores. Um modo de identificar a rota biossintética é pela modificação de fatores bióticos e abióticos no ambiente de mudas ou de culturas de células, observando que compostos são formados a partir destas influências. Para tanto, é necessário que os alcalóides imidazólicos estejam estruturalmente caracterizados de modo que seja possível sua identificação e quantificação em extratos de plantas ou de células. Uma metodologia foi desenvolvida para a análise qualitativa e quantitativa dos diversos alcalóides imidazólicos de P. microphyllus por HPLC-ESI-MS/MS e aplicada a um extrato de folha de P. microphyllus e à pasta que sobra da extração comercial da pilocarpina. Este projeto se propõe a adaptar esta metodologia para colunas preparativas, isolando e caracterizando os outros alcalóides encontrados em P. microphyllus. Estes alcalóides serão usados como padrões para análises cromatográficas e para estudos em suspensões de células como ferramenta para estudar a rota biossintética da pilocarpina. (AU)

Sinalização do óxido nítrico (NO) na resposta de defesa de plantas ao ataque de patógenos: análise da expressão gênica, produção de compostos secundários e bioenergética mitocondrial

Beneficiário:Ione Salgado
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ione Salgado
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:08/11636-5
Vigência: 01 de setembro de 2009 - 31 de agosto de 2011
Assunto(s):Bioquímica vegetalÓxido nítricoExpressão gênicaMitocôndrias vegetaisMetabolismo vegetalFlavonoidesResistência genética vegetal
Resumo
Estudos recentes vêm demonstrando que o radical óxido nítrico (NO) é um sinalizador importante no mecanismo de resistência de plantas ao ataque de patógenos e o presente projeto de pesquisa tem como objetivo aprofundar nosso conhecimento nesta área. Plantas de Arabidopsis thaliana duplo-mutantes para a enzima nitrato redutase (NR) (nia1 nia2) se tornam suscetíveis à bactéria Pseudomonas syringae e esta perda de resistência foi atribuída à incapacidade deste mutante prontamente produzir NO em resposta ao ataque da bactéria, incapacidade esta decorrente de seu baixo conteúdo de arginina e nitrito, os substratos para a síntese de NO. A resistência a patógenos é também afetada em mutantes de A. thaliana com diferentes níveis de expressão de S-nitrosoglutathiona redutase (GSNOR), uma enzima que, por alterar o conteúdo de S-nitrosotióis na planta, interfere na homeostase do NO. O papel do NO na defesa vegetal tem sido relacionado à sua ação na expressão gênica, aumentando a produção de compostos de defesa, entre estes, flavonóides e outros produtos do metabolismo secundário. A mitocôndria é um alvo e, também, uma organela essencial para o metabolismo do NO. Neste contexto, o presente projeto de pesquisa pretende: (1) analisar o padrão de expressão gênica (em larga escala) de plantas de A. thaliana em resposta à inoculação da bactéria Pseudomonas syringae, comparando-se as alterações encontradas no tipo selvagem com aquelas do mutante nia1 nia2 antes e após a recuperação dos níveis de aminoácidos ou NO; (2) analisar no modelo Arabidopsis-Pseudomonas o perfil de produtos do metabolismo secundário, particularmente compostos de defesa, e correlacionar com as alterações na expressão gênica; (3) analisar o efeito de extratos de soja e Citrus, ricos em produtos de defesa do metabolismo secundário, na síntese de NO através da auto-oxidação da L-arginina ou da redução ácida do nitrito; (4) analisar os efeitos da mutação para GSNOR na atividade da cadeia respiratória e no metabolismo de NO em mitocôndrias isoladas de A. thaliana. Os resultados a serem obtidos poderão enriquecer nosso conhecimento sobre os mecanismos de defesa vegetal, mediados por NO, contra o ataque patogênico. (AU)

Estudo da resistência à doença vassoura-de-bruxa do cacaueiro (Theobroma cacao) através da interação Moniliophthora perniciosa-Solanum lycopersicum

Beneficiário:Gildemberg Amorim Leal Junior
Instituição: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lázaro Eustaquio Pereira Peres
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:08/10314-4
Vigência: 01 de setembro de 2009 - 31 de maio de 2010
Resumo
A vassoura-de-bruxa, causada pelo basidiomiceto Moniliophthora perniciosa e que provoca os sintomas de inchamento e indução de brotações laterais nos ramos infectados, consiste numa importante enfermidade do cacaueiro (Theobroma cacao). As características biológicas de T. cacao dificultam o estudo do mecanismo de resistência a esta doença por se tratar de espécie perene arbórea, com ciclo reprodutivo longo, e que possui baixa eficiência para o cultivo in vitro. A espécie Solanum lycopersicum (Syn. Lycopersicon esculentum Mill.) apresenta uma cultivar miniatura (Micro-Tom, MT) com um ciclo de vida curto que foi proposta como um novo modelo genético, semelhante ao que se tem hoje para a Arabidopsis thaliana. O fungo M. perniciosa dispõe de isolados do biótipo-S que infectam a espécie S. lycopersicum possibilitando o uso do novo modelo genético como ferramenta para estudo da resistência a doença vassoura-de-bruxa. A proposta do modelo será iniciada com a avaliação da reposta da cultivar a inoculações com isolados de M. perniciosa do biótipo-S e biótipo-C, que infecta T. cacao. A interação será caracterizada através dos sintomas da doença e expressão de genes envolvidos na resposta de defesa da planta; e pela taxa de colonização do fungo e expressão de genes candidatos a genes de virulência e patogenicidade. Quando a resposta do MT ao biótipo-S e -C estiver caracterizada, as alterações da resposta em plantas tratadas com os indutores (ácido salicílico, jasmonato e etileno) e nos mutantes hormonais de Micro-Tom (para síntese ou percepção) serão estudadas para elucidar a contribuição dos hormônios vegetais no aumento da suscetibilidade ou a manifestação de resistência. A análise funcional de genes candidatos associados à defesa será avaliado por transgenia, sendo os genes escolhidos de acordo com resultados obtidos nos ensaios anteriores. As análises de expressão gênica por amplificação quantitativa de transcritos reversos (RT-qPCR) serão conduzidas no Centro de Energia Nuclear na Agricultura, USP, Piracicaba, SP. Neste projeto pretende-se demonstrar que a interação de isolados do biótipo-S e -C com Solanum lycopersicum cv. Micro-Tom pode ser utilizado como modelo de estudo para resistência a doença vassoura-de-bruxa. (AU)

Expression of aspartic acid pathway genes in Rice developing seeds (Oriza sativa l.)

Beneficiário:Salete Aparecida Gaziola
Instituição: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Salete Aparecida Gaziola
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Reunião - Exterior
Processo:09/51240-6
Vigência: 03 de agosto de 2009 - 07 de agosto de 2009
Assunto(s):Reação em cadeia da polimerase em tempo realArroz

Endogenous cytokinins, auxins and abscisic acid in Brazilian red ALGAE

Beneficiário:Nair Sumie Yokoya
Instituição: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Nair Sumie Yokoya
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Reunião - Exterior
Processo:09/51575-8
Vigência: 02 de agosto de 2009 - 08 de agosto de 2009
Assunto(s):Rhodophyta

Sugarcane energetic balance: a systems approach towards understanding regulation of sucrose metabolism and sugar signaling

Beneficiário:Renato Vicentini dos Santos
Instituição: Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética (CBMEG). Coordenadoria de Centros e Núcleos Disciplinares (COCEN). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Renato Vicentini dos Santos
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa BIOEN - Apoio a Jovens Pesquisadores
Processo:08/58031-0
Vigência: 01 de agosto de 2009 - 31 de outubro de 2013
Publicação FAPESP sobre o auxílio:http://media.fapesp.br/bv/uploads/publicacoes/pasta_bioen_jun2012_118.pdf
Assunto(s):SacaroseCana-de-açúcarMetabolismo vegetal
Resumo
Sugarcane research has identified and characterized a suite of proteins involved in carbon biosynthesis and sugar sensing. However, current results towards understanding sucrose biosynthesis and accumulation have fallen short of expectations. The molecular mechanisms responsible for the cross talk between these different regulatory and signaling pathways and their diversification in plants still need to be further elucidated to better understand plant growth patterns and biomass production. We are only beginning to produce the detailed gene expression data needed for understanding the network of interactions at a molecular level. To address the rate of gene discovery, high-throughput approaches have being developed for biological experimentation and relevant biological questions regarding gene, protein interactions or networks of biological process can now be addressed. Here, we propose to develop a research approach which integrates molecular and systems biology to improve the knowledge about carbohydrates biosynthesis and sugar regulatory signaling in sugarcane. In this research project we will elaborate ways to apply analyses of regulatory network and dynamic metabolic models in molecular and genetic data of sugarcane related with sucrose biosynthesis, and define the diversification of glucose and sucrose-induced gene expression programs among angiosperms. We expected that the models captures the regulation of many sugarcane genetic components and anticipate that the data will improve our view of sugar signaling in plants. Simulations of our models will provide an efficient tool for the identification of candidate to genetic manipulations that have the best chance to promote increase in sucrose content and for the prioritization of future analyzes. The results will be integrated into databases that could feed projects related to biomass and bioenergy research. (AU)

Balanço energético em cana-de-açúcar: uma abordagem sistêmica visando entender a regulação do metabolismo de sacarose e a sinalização por açúcar

Beneficiário:Renato Vicentini dos Santos
Instituição: Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética (CBMEG). Coordenadoria de Centros e Núcleos Disciplinares (COCEN). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Renato Vicentini dos Santos
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa BIOEN - Apoio a Jovens Pesquisadores
Processo:09/09694-0
Vigência: 01 de agosto de 2009 - 30 de novembro de 2010
Resumo
As pesquisas com cana-de-açúcar têm identificado e caracterizado uma vasta gama de proteínas envolvidas na biossíntese de carboidratos e na sinalização por açúcares. No entanto, os resultados atuais visando um maior acúmulo de sacarose tem se apresentado abaixo das expectativas. Os mecanismos moleculares responsáveis pela comunicação entre as diferentes vias regulatórias e de sinalização, assim como suas diversificações em plantas, ainda necessitam de maior elucidação visando um melhor entendimento dos padrões de crescimento e produção de biomassa. Visando acelerar a descoberta de genes e processos, novas metodologias em larga escala têm sido desenvolvidas e desta forma tomam possível o levantamento de novas questões biológicas relevantes a respeito dos genes, interações proteicas e redes biológicas. No presente projeto, é proposto o desenvolvimento de metodologias que integrem dados de biologia molecular visando aumentar o conhecimento sobre os mecanismos relacionados com a síntese de carboidratos e com a regulação da sinalização por açúcares em cana-de-açúcar. Neste projeto de pesquisa serão elaboradas analises de redes regulatórias e modelos metabólicos relacionados com a síntese de sacarose. Espera-se que os modelos capturem a regulação de vários componentes genéticos de cana e permitam incrementar nosso conhecimento da sinalização de açúcar em plantas. Simulações dos modelos deverão fornecer uma ferramenta valiosa para a identificação de candidatos para manipulação genética. (AU)

Crescimento in vitro da bromélia Alcantarea imperialis (CARRIÈRE) Harms com diferentes concentrações de nitrogênio, fósforo, potássio e cálcio

Beneficiário:Flavia Maria Kazue Kurita
Instituição: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Vivian Tamaki
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/03070-4
Vigência: 01 de agosto de 2009 - 31 de julho de 2011
Assunto(s):Nutrição vegetal
Resumo
A maioria dos representantes de Bromeliaceae é considerada ornamental, tornando-se alvo do extrativismo ilegal, como a bromélia Alcantarea imperialis (Carrière) Harms, que está ameaçada de extinção de acordo com o Programa de Proteção das Espécies Ameaçadas de Extinção da Mata Atlântica Brasileira, da Fundação Biodiversitas, na categoria espécie em perigo de extinção. O cultivo in vitro é uma ferramenta importante, pois possibilita a otimização do crescimento juntamente com os estudos nutricionais. O presente trabalho terá como objetivo estudar o crescimento de A. imperialis culltivadas in vitro, em diferentes concentrações de nitrogênio, fósforo, potássio e cálcio, visando a elaboração de um meio ideal para o crescimento desta planta. Neste estudo serão transferidas 50 plântulas germinadas in vitro para frascos de 250 mL, contendo 40 mL de meio Murashige & Skoog (MS) modificado com diferentes concentrações de nitrogênio, fósforo, potássio e cálcio. Cada tratamento terá 5 frascos (10 plântulas/frasco), que serão mantidos em sala de cultura com fotoperíodo de 12 horas com luminosidade de 30 µmol.m-2.s-1 e a temperatura de 26±2 °C durante 6 meses. Serão determinados o número de folhas, os comprimentos dos eixos caulinares e radiculares, os teores de massas fresca e seca das partes aérea e radicular, além da quantidade de pigmentos fotossintéticos (clorofila a, b e carotenóides) adicionalmente serão medidos os de teores de macronutrientes (N, P, K, Ca e Mg), que será realizado pelo laboratório de química analítica do Departamento de Solos e Nutrição Mineral da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo. (AU)

Influência da cronobiologia na mobilização de reservas dos cotilédones do jatobá (Hymenaea courbaril l.)

Beneficiário:Ivan Salles Santos
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcos Silveira Buckeridge
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/03988-1
Vigência: 01 de agosto de 2009 - 31 de julho de 2011
Assunto(s):Atividade enzimáticaFotossínteseParede celularCronobiologia
Resumo
O jatobá é uma espécie arbórea, secundária tardia, a qual ocupa primordialmente ambientas florestais topicais (Strauss-Debenedeti & Bazzaz 1996). Esta espécie apresenta cerca de 45% da massa seca do cotilédone na forma de xiloglucano (Buckeridge & Dietrich, 1990), o qual funciona como reserva de carbono, que permite o crescimento inicial da plântula, até o estabelecimento da fotossíntese.Quando esta é estabelecida, a plântula passa um período de aproximadamente 20 dias dispondo das duas fontes de carbono, da reserva e a autotrófica (Santos and Buckeridge, 2004), que se alternam ao longo de 24 horas (Santos et al., 2004).Os mecanismos de controle deste processo vêm sendo gradativamente desvendados. Em trabalhos anteriores (Tiné et al., 2000; Santos & Buckeridge, 2004; Santos et al., 2004; Amaral, 2005; Brandão et al.,2008) foi demonstrado que os pontos de controle deste processo incluem a luz, o AIA e a fotossíntese.A degradação do xiloglucano de reserva começa, em média, aos 45 dias de idade, e se estende até o sexagésimo quinto dia. Neste período ocorre em paralelo o estabelecimento da fotossíntese nas novas folhas em desenvolvimento. Há um período em que os dois processos, mobilização de reserva e fotossíntese ocorrem ao mesmo tempo (aproximadamente 10 dias) e foi verificado que neste período os dois processos contribuem com carbono para o crescimento da plântula. O AIA é produzido nas folhas em desenvolvimento e transportado para os cotilédones, onde sinaliza para a transcrição dos genes responsáveis pela degradação do xiloglucano de da síntese de sacarose, a qual será transportada para os tecidos em crescimento. Recentemente, um trabalho de nosso grupo com os genes mencionados acima, demonstrou que há uma variação na transcrição gênica relacionada à mobilização do xiloglucano, que poderia estar sob controle circadiano. No entanto, ainda não foram realizados experimentos que comprovem esta hipótese. No presente trabalho pretendemos investigar a influência da luz, através da cronobiologia, correlacionando esta com a auxina e a fotossíntese, visando entender melhor os processos que coordenam o uso alternado das fontes de carbono. (AU)

Respostas de trocas gasosas e fluorescência da clorofila a em folhas paraheliotrópicas de Styrax camporum Pohl. submetida à deficiência hídrica

Beneficiário:Aline Mariani Feistler
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Gustavo Habermann
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/04007-4
Vigência: 01 de agosto de 2009 - 31 de março de 2011
Assunto(s):Ecofisiologia vegetalEstresse hídricoFotossínteseStyracaceaeCerrado
Resumo
Heliotropismo é o fenômeno no qual as folhas ajustam sua posição de acordo com a direção dos raios solares. Folhas diaheliotrópicas orientam-se perpendicularmente à radiação, enquanto folhas paraheliotrópicas posicionam-se paralelamente aos raios solares, reduzindo a interceptação de fótons, a taxa de transpiração e o aquecimento da folha. O paraheliotropismo é induzido por valores elevados de irradiância; porém, a temperatura elevada e a deficiência hídrica no solo também podem induzir a orientação vertical da folha sob menor irradiância, o que é particularmente importante para evitar a fotoinibição. No Cerrado, bioma no qual muitas espécies estão sujeitas a alta irradiância e a estresses concomitantes (baixa disponibilidade de água no solo, temperaturas diurnas elevadas e alto déficit de pressão de vapor - DPV), sobretudo na estação seca, é ainda discreto o conhecimento sobre as razões, causas e consequências ecofisiológicas do heliotropismo encontrado em espécies lenhosas do cerrado. Um estudo prévio (Habermann et al., 2008) com indivíduos adultos de Styrax camporum, um arbusto do cerrado paulista, encontrou maiores valores de assimilação de CO2 (A), transpiração (E) e condutância estomática (gs) nas folhas paraheliotrópicas, em relação às folhas diaheliotrópicas; mas estas variáveis, sobretudo E, não determinaram menor temperatura foliar e esta também não influenciou A. Este estudo também encontrou parênquima esponjoso compacto em ambos os tipos de folha, indicando maior capacidade fotossintética por unidade de área foliar. Portanto, ainda não foram obtidas evidências diretas da razão de maior A nas folhas paraheliotrópicas desta espécie, tendo-se sugerido, com base na literatura de espécies cultivadas, que o posicionamento vertical das folhas evita a interceptação de irradiância excessiva, preservando o fotossistema II (PSII) de danos fotooxidativos. Desta forma, o presente projeto visa testar as hipóteses de que (i) folhas para- e diaheliotrópicas de S. camporum mostram diferenças nas trocas gasosas e fluorescência da clorofila a quando iluminadas e medidas nas faces adaxial e abaxial; (ii) folhas paraheliotrópicas de S. camporum mostram maiores taxas de trocas gasosas e maior aproveitamento ou eficiência fotoquímica do PSII do que as folhas diaheliotrópicas e (iii) a deficiência hídrica no solo amplia as diferenças das variáveis resposta de trocas gasosas e fluorescência da clorofila a entre folhas para- diaheliotrópicas. Para testar tais hipóteses, plantas jovens em vasos de 100L serão submetidas à deficiência hídrica até que gs aproxime-se de valores nulos, quando as plantas serão re irrigadas. Serão avaliadas, durante a deficiência hídrica e após a recuperação, variáveis de trocas gasosas, fluorescência da clorofila a e potencial da água na folha. Serão estudados os fatores disponibilidade hídrica (com ou sem rega), o tipo foliar (para- ou diaheliotrópicas) e a face foliar (adaxial e abaxial) em um experimento tri fatorial, com seis repetições. Os resultados médios serão comparados pelo teste de Tukey (P < 0,05) em cada dia e momento (horário do dia) de avaliação, durante o desenvolvimento da deficiência hídrica. (AU)

Influência do óxido nítrico nos processos de embebição e mobilização de reservas durante a germinação e o desenvolvimento inicial de plântulas de Sesbania virgata Cav. (Pers.) e Hymenaea courbaril l

Beneficiário:Juliana Kuroiva Zerlin
Instituição: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marília Gaspar Maïs
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/04049-9
Vigência: 01 de agosto de 2009 - 31 de março de 2011
Assunto(s):GerminaçãoÓxido nítricoAquaporinas
Resumo
Trabalhos recentes têm demonstrado o envolvimento do óxido nítrico (NO) em diversos processos biológicos em plantas. Os mecanismos pelos quais o óxido nítrico estimula os processos de quebra de dormência e germinação ainda são desconhecidos. Alguns trabalhos sugerem que o NO pode ser um desencadeador endógeno direto do processo de quebra de dormência, além de atuar como regulador transcricional e modulador da atividade de algumas proteínas e de canais iônicos em células vegetais. No caso específico de proteínas envolvidas no processo de germinação, o papel do NO ainda não foi esclarecido. Aquaporinas, proteínas que formam canais de água, atuam na germinação de sementes, mediando o controle temporal e espacial do transporte de água durante a embebição e o crescimento do embrião. Proteínas de parede celular também estão envolvidas no processo de germinação de sementes, contribuindo com o desmonte da parede associado ao enfraquecimento do endosperma e com o processo de alongamento dos eixos embrionários, além de serem responsáveis pela degradação das reservas necessárias ao desenvolvimento da plântula. O efeito do NO sobre a atividade de enzimas hidrolíticas que atuam na quebra do amido durante a germinação foi avaliado em algumas espécies. No entanto, até o presente momento, não existem informações acerca do papel deste modulador no processo de degradação em sementes acumuladoras de polissacarídeos de reserva de parede celular. O presente projeto objetiva compreender o papel do NO nos processos de embebição, germinação e desenvolvimento inicial em duas espécies de leguminosas nativas, Sesbania virgata e Hymenaea courbaril, que acumulam diferentes tipos de polissacarídeos de reserva de parede celular em suas sementes. Com este estudo pretende-se verificar a participação de proteínas canais de água, de enzimas de degradação de reserva e de proteínas de síntese de celulose no processo de germinação e pós-germinativo e sua regulação pelo NO, através da análise de atividade enzimática e teor de transcritos dos genes candidatos. (AU)
Página 4 de 648 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP