site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas voltados a Temas Específicos
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
186 resultado(s)
|

Nitric oxide, ethylene and auxin crosstalk mediates greening and plastid development in deetiolating tomato seedlings

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luciano Freschi
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:16/09430-6
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 28 de fevereiro de 2017
Assunto(s):Óxido nítricoHormônios vegetais
Resumo
A transição do estado estiolado para o estado desestiolado envolve a conversão de etioplastos em cloroplastos maduros através de um processo multifacetado e dirigido por luz, o qual compreende diversas redes de sinalização. No presente trabalho demonstramos que a síntese de clorofilas e a diferenciação plastidial em plântulas de tomateiro (Solanum lycopersicum) são mediados por um intricado crosstalk entre fitocromos, óxido nítrico (NO), etileno e auxinas. Evidências genéticas e farmacológicas indicaram que o NO promove o desestiolamento, reprimindo a síntese de etileno e induzido o acúmulo de auxinas nos cotilédones de plântulas de tomateiro. Análises realizadas em mutantes hormonais de tomateiro demonstraram que a própria produção de NO encontra-se negativamente e positivamente reguladas pelo etileno e pelas auxinas, respectivamente. Sendo numa das principais fontes biossintéticas de NO nos cotilédones de tomateiro, a nitrato redutase mostrou-se sob estrito controle dos fitocromos e de sinais hormonais. Uma íntima relação NO-fitocromos foi revelada por meio da reversão quase que completa do fenótipo estiolado tipicamente observado no mutante deficiente para fitocromos aurea em resposta à fumigação com NO. Neste mutante, a fumigação com NO desencadeou o acúmulo de clorofilas, a diferenciação dos cloroplastos, e alterações na expressão de genes hormonais semelhantes àquelas detectadas em plântulas de tipo selvagem expostas à luz. O NO impactou negativamente o acúmulo de transcritos de genes que codificam fitocromos, fatores repressores da fotomorfogênese e proteínas responsáveis pelo controle da divisão plastidial, indicando que este radical livre pode mimetizar as alterações transcricionais normalmente desencadeadas pela percepção de luz dependente de fitocromos. Assim sendo, nossos dados indicam que durante a conversão de plântulas estioladas em plântulas verdes e fotossinteticamente competentes, loops de feedback regulatórios negativos e positivos orquestram as interações entre etileno-NO e auxina-NO, respectivamente. (AU)

Caracterização do perfil transcricional na interação Moniliophthora perniciosa x Solanum lycopersicum

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Antonio Vargas de Oliveira Figueira
Supervisor no Exterior: Piotr Andrzej Mieczkowski
Local de pesquisa: University of North Carolina at Chapel Hill (UNC) (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Processo:16/10524-5
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de dezembro de 2016
Assunto(s):RNA-seqExpressão gênica
Resumo
A vassoura-de-bruxa consiste em uma das principais doenças que acometem o cacaueiro (Theobroma cacao), sendo causada pelo basidiomiceto Moniliophthora perniciosa e caracterizada pelos sintomas de inchamento e indução de brotações laterais nos ramos infectados. A espécie Solanum lycopersicum, também hospedeiro do fungo M. perniciosa, apresenta uma cultivar miniatura 'Micro-Tom' ('MT'), a qual demonstrou ser um modelo genético adequado para o estudo da interação com esse patógeno, com sintomas característicos da doença. Sabe-se que o desenvolvimento dos sintomas da vassoura-de-bruxa estão relacionados à sinalização por hormônios vegetais, uma vez que o patógeno causa um desbalanço hormonal na região meristemática do hospedeiro. O modelo genético 'MT', por dispor de diversos mutantes e linhas transgênicas com alterações hormonais, representa um importante recurso para investigação do papel dos hormônios na patogênese. Também, as alterações fisiológicas típicas dos sintomas em cacaueiro podem ser melhor investigadas no sistema 'MT'. Desse modo, no presente projeto, plantas de 'MT', mutantes e transgênico com alterações na via biossintética/percepção dos hormônios auxina e citocinina serão inoculados com M. perniciosa para análise massal dos transcritos por meio do sequenciamento do RNA (RNA-seq) ao longo do tempo. Os resultados serão comparados a dados disponíveis do transcriptoma da interação M. perniciosa x T. cacao, conduzida no mesmo grupo. (AU)

Controle luminoso e hormonal da qualidade nutricional em Solanum lycopersicum

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Magdalena Rossi
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:16/16592-2
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Vinculado ao auxílio:16/01128-9 - Controle luminoso e hormonal da qualidade nutricional em Solanum lycopersicum, AP.TEM
Assunto(s):CarotenoidesTocoferóis
Resumo
Pelo seu alto consumo e perfil bioquímico, o fruto de tomate é um importante componente da dieta humanafornecendo quantidades significativas de compostos com atividade antioxidante, como carotenoides e tocoferóis.A biossíntese desses compostos nutracêuticos ocorre nos plastídios, de forma que o número e atividadeplastidial incidem diretamente na qualidade nutricional dos frutos. A diferenciação e atividade plastidial estãoestritamente controladas pela luz por meio de uma complexa cascata de sinalização da qual fazem parte osfitocromos, como receptores, e os fatores de interação com os fitocromos, como reguladores negativos dasrespostas controladas por esses fotorreceptores. A cascata culmina na ativação de fatores de transcrição comoos genes GLKs (GOLDEN LIKE) que induzem o desenvolvimento plastidial e a expressão de transcritos nuclearesnecessários à fotossíntese. Adicionalmente, fitormônios e outros sinalizadores, incluindo espécies reativas deoxigênio ou nitrogênio, também influenciam a diferenciação de cloroplastos. Dentre esses, merece destaque oóxido nítrico (NO), responsável por ajustes no balanço hormonal em resposta a sinais luminosos percebidos viafitocromos. Neste contexto, o presente projeto propõe, por meio da aplicação de estratégias de genômicafuncional e bioquímica, aprofundar o entendimento acerca do papel da luz, dos fitohormônios e do NO naregulação da diferenciação e atividade plastidial com o intuito de identificar genes e mecanismos que controlemo metabolismo de compostos nutracêuticos em tomateiro. (AU)

Controle luminoso e hormonal da qualidade nutricional em Solanum lycopersicum

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Magdalena Rossi
Pesquisadores associados: Manuel Rodriguez Concepcion; Francisco J CORPAS; Eduardo Purgatto; Luciano Freschi; Fernando Carrari; Christophe Rothan; Lázaro Eustaquio Pereira Peres;
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Processo:16/01128-9
Vigência: 01 de agosto de 2016 - 31 de julho de 2021
Assunto(s):CarotenoidesTocoferóis
Resumo
Pelo seu alto consumo e perfil bioquímico, o fruto de tomate é um importante componente da dieta humana fornecendo quantidades significativas de compostos com atividade antioxidante, como carotenoides e tocoferóis. A biossíntese desses compostos nutracêuticos ocorre nos plastídios, de forma que o número e atividade plastidial incidem diretamente na qualidade nutricional dos frutos. A diferenciação e atividade plastidial estão estritamente controladas pela luz por meio de uma complexa cascata de sinalização da qual fazem parte os fitocromos, como receptores, e os fatores de interação com os fitocromos, como reguladores negativos das respostas controladas por esses fotorreceptores. A cascata culmina na ativação de fatores de transcrição como os genes GLKs (GOLDEN LIKE) que induzem o desenvolvimento plastidial e a expressão de transcritos nucleares necessários à fotossíntese. Adicionalmente, fitormônios e outros sinalizadores, incluindo espécies reativas de oxigênio ou nitrogênio, também influenciam a diferenciação de cloroplastos. Dentre esses, merece destaque o óxido nítrico (NO), responsável por ajustes no balanço hormonal em resposta a sinais luminosos percebidos via fitocromos. Neste contexto, o presente projeto propõe, por meio da aplicação de estratégias de genômica funcional e bioquímica, aprofundar o entendimento acerca do papel da luz, dos fitohormônios e do NO na regulação da diferenciação e atividade plastidial com o intuito de identificar genes e mecanismos que controlem o metabolismo de compostos nutracêuticos em tomateiro. (AU)

Acúmulo de matéria seca, produtividade e qualidade da batata cv. ágata em razão da aplicação de reguladores vegetais

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Raízes e Amidos Tropicais (CERAT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Adalton Mazetti Fernandes
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:16/10426-3
Vigência: 01 de agosto de 2016 - 31 de julho de 2017
Assunto(s):Solanum tuberosumInibidores de crescimentoManejo e tratos culturais
Resumo
Na cultura da batata o crescimento foliar excessivo nos estágios tardios do ciclo pode afetar negativamente a produtividade de tubérculos. Nessas condições, o uso de retardantes ou reguladores do crescimento vegetal pode ser uma alternativa para melhorar a produtividade da cultura, por reduzir o porte das plantas e aumentar a alocação de matéria seca (MS) para os tubérculos em crescimento. Assim, objetiva-se com este trabalho avaliar o efeito dos reguladores de crescimento vegetal cloreto de mepiquat, cloreto de chlormequat, placobutrazol e proexadiona cálcica no acúmulo de MS, produtividade e qualidade dos tubérculos da cultivar de batata Ágata. O experimento será instalado no delineamento experimental de blocos ao acaso no esquema fatorial 4x5+1, com quatro repetições. Os tratamentos serão representados por quatro reguladores vegetais (cloreto de mepiquat, cloreto de chlormequat, paclobutrazol e proexadiona cálcica), aplicados nas doses de 25, 50, 100, 200 e 400 g ha-1 do i.a., além do tratamento controle (sem aplicação de regulador vegetal). As parcelas experimentais serão compostas por cinco fileiras de plantas de cinco metros de comprimento. Serão avaliadas as seguintes variáveis na fase de enchimento dos tubérculos (70 DAP): a) número de hastes por planta e comprimento da maior haste; b) número de folhas por planta; e c) área foliar e índice de área foliar. Antes da dessecação da cultura será determinado o acúmulo de MS na parte aérea, tubérculos e na planta inteira. Na colheita final serão avaliados: a) número de tubérculos por planta, incidência de tubérculos deformados e peso médio dos tubérculos; b) produtividade e classificação dos tubérculos produzidos; c) índice de formato dos tubérculos; d) porcentagem de MS dos tubérculos; e e) firmeza da polpa dos tubérculos. Os dados obtidos serão submetidos à ANOVA. As médias referentes aos reguladores de crescimento serão comparadas pelo teste t (DMS) (Pd0,05), enquanto os efeitos das doses dos reguladores serão avaliados por análise de regressão (Pd0,05). (AU)

Doses de fertilizante fosfatado para cultivares de batata para o mercado fresco cultivadas em solo tropical com baixa disponibilidade de fósforo

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rogério Peres Soratto
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:16/11018-6
Vigência: 01 de julho de 2016 - 31 de dezembro de 2016
Assunto(s):Solanum tuberosumManejo e tratos culturaisDiagnose foliar
Resumo
O conhecimento sobre a resposta das principais cultivares de batata ao fósforo (P) é essencial para o manejo racional da adubação e para maximizar a produtividade, principalmente em solos tropicais que normalmente tem baixa disponibilidade de P. Um experimento foi conduzido para avaliar o efeito de doses de P (0, 125, 250, 500 e 1000 kg de P2O5 ha-1) sobre as concentrações foliares de nutrientes, produção de tubérculos e distribuição de tamanho, assim como a eficiência de uso do P aplicado (EUPA) nas cultivares de batata Agata e Mondial. Os resultados indicaram que não é necessário avaliar o estado nutricional de P e ajustar recomendações de adubação fosfatada baseado em cada uma das cultivares porque P adubação fosfatada resultou em aumentos semelhantes na concentração de P nas folhas de ambas as cultivares e as cultivares responderam a mesma dose de P (500 kg de P2O5 ha-1). No entanto, a cultivar Mondial apresentou uma maior EUPA e foi mais responsiva do que Agata à mesma dose de P. A concentração foliar P de 2,9 g kg-1 foi superior para 2,5 g kg-1, como o limite inferior da faixa de suficiência P para as cultivares Agata e Mondial. (AU)

Estudo funcional de vias reguladas pelos microRNAs miR159 e miR319 durante o desenvolvimento de flores e frutos de tomateiro

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fabio Tebaldi Silveira Nogueira
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:15/17892-7
Vigência: 01 de junho de 2016 - 31 de maio de 2018
Assunto(s):FrutoMicroRNAs
Resumo
RNAs não codantes pequenos ou sRNAs (19-25 nt) regulam tanto transcricionalmente como pós-transcricionalmente a expressão de genes endógenos, modelando o transcriptoma e a produção de proteínas. Dentre os sRNAs, microRNAs (miRNAs) desempenham papel ímpar em diversos aspectos do desenvolvimento vegetal. MiRNAs são produzidos a partir de precursores longos (pri-miRNAs), os quais são posteriormente processados por enzimas específicas, gerando o miRNA maduro (20-22 nt). Em plantas, o miRNA maduro preferencialmente "guia" a clivagem e/ou bloqueia a tradução do mRNA de genes-alvo. Recentemente, nosso grupo de pesquisa descreveu o papel da via genética regulada pelo miR156 (miR156/SPL) no desenvolvimento inicial de frutos de tomateiro (Solanum lycopersicum; Ferreira e Silva et al., 2014) e o perfil evolutivo deste miRNA (Morea et al., 2016). Posteriormente, por meio do uso de mutantes e de plantas transgênicas, nosso grupo de pesquisa identificou vias reguladas por dois microRNAs evolutivamente relacionados, miR319 e miR159, as quais parecem estar associadas com o desenvolvimento de carpelos e formação de frutos sem sementes em tomateiro. Entretanto, análises fenotípicas e moleculares detalhadas são necessárias para entender o papel das vias genéticas e hormonais associadas aos miR319 e miR159 e também o papel destes miRNAs no desenvolvimento de frutos, este último não descrito na literatura até o momento. Portanto, o presente projeto propõe caracterizar funcionalmente - utilizando mutantes disponíveis e plantas transgênicas, bem como ferramentas moleculares - as vias genéticas e hormonais que interagem e são reguladas pelo miR319 e miR159 durante o desenvolvimento reprodutivo de tomateiro. A caracterização destas vias poderá contribuir não somente para o melhor entendimento dos mecanismos associados ao desenvolvimento, mas também ter potenciais aplicações no melhoramento de tomateiro e possivelmente de outras espécies da família Solanaceae. (AU)

Restabelecimento da tolerância à dessecação de semente germinada de Solanum lycocarpum a. St.-Hil

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Edvaldo Aparecido Amaral da Silva
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Silvicultura
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:16/05790-8
Vigência: 01 de junho de 2016 - 31 de maio de 2019
Assunto(s):SementesRNA-seq
Resumo
As sementes comportam-se de diferentes maneiras em relação à dessecação, sendo classificadas como ortodoxas, recalcitrantes e intermediárias. As sementes ortodoxas toleram a dessecação e o armazenamento em baixas temperaturas, diferente das sementes recalcitrantes, que apresentam sensibilidade. Há um grupo de sementes que não se encaixam nesta classificação, chamado de intermediário. As sementes ortodoxas possuem tolerância à dessecação (TD) ao final da maturação e durante a embebição, e comportam-se como recalcitrantes após a protrusão radicular. Estudos têm sido feitos com a utilização de polietileno glicol (PEG) e ABA para o restabelecimento da TD em sementes germinadas, visando o estímulo da expressão de genes e mecanismos envolvidos, permitindo a sua identificação. Este estudo fornecerá conhecimentos dos processos envolvidos na TD em sementes, possibilitando gerar informações para o aprimoramento de programas de melhoramento genético de espécies vegetais e auxiliar na conservação de sementes sensíveis à dessecação. Objetiva-se neste projeto reestabelecer tolerância à dessecação em sementes germinadas e identificar genes e mecanismos relacionados à TD. O projeto será realizado na FCA / UNESP-Botucatu. Serão feitas avaliações da perda e restabelecimento da TD em sementes de Solanum lycocarpum visando identificar genes relacionados, por meio de sequenciamento de RNA (RNAseq) seguida da validação do mesmo pela técnica de PCR em tempo real. Os dados serão avaliados estatisticamente através de teste de normalidade, análise de variância e teste de média ou análise de regressão. (AU)

Phosphorus effects on biomass accumulation and nutrient uptake and removal in two potato cultivars

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rogério Peres Soratto
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:16/06713-7
Vigência: 01 de maio de 2016 - 31 de outubro de 2016
Assunto(s):Solanum tuberosum
Resumo
Informações sobre o efeito da adubação fosfatada na absorção e exportação de nutrientes por cultivares batata (Solanum tuberosum L.) são necessárias para o adequado manejo de nutrientes do solo. Este estudo foi realizado para avaliar como o acúmulo e a partição de matéria seca (MS), a absorção de nutrientes, e a sua alocação para os tubérculos e e exportação nas cultivares de batata (Agata e Mondial) são afetados por doses de fósforo (0, 125, 250 , 500 e 1000 kg ha-1 de P2O5) aplicadas no sulco de plantio na forma de superfosfato triplo. Um experimento foi conduzido em 2 locais-anos em Latossolos argilosos com baixa disponibilidade de P no Estado de São Paulo, sudeste do Brasil. Ambas cultivares apresentaram acúmulo MS, produção de tubérculos e absorção de nutrientes e alocação para os tubérculos muito semelhantes quando o P não foi fornecido no momento do plantio. A adubação fosfatada aumentou consideravelmente o acúmulo de MS e absorção e exportação de nutrientes de ambas as cultivares. A cultivar Mondial foi mais responsiva à adubação fosfatada e a sua absorção e exportação de N, P, K, Ca, Mg, B e Zn foram maiores do que para Agata. A aplicação de doses de P2O5 superiores a 500 kg ha-1 só aumentou a absorção de Ca e P e a exportação de P, mas o crescimento das plantas e produção de tubérculos não foram aumentadas com doses de P superiores. O índice de colheita (IC) e a alocação de nutrientes para os tubérculos não foram afetados pelas doses de P e quase não diferiu entre os cultivares. Diferenças na remoção de nutrientes entre as cultivares foram mais relacionadas com a produção de MS de tubérculos do que com o IC. (AU)

Período de latência do tomato severe rugose vírus (ToSRV) e tomato chlorosis vírus (ToCV) e determinação do momento de aquisição dos vírus por Bemisia tabaci em tomateiro

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Jorge Alberto Marques Rezende
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:16/01628-1
Vigência: 01 de maio de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Vinculado ao auxílio:12/51771-4 - Begomovírus e Crinivirus em Solanaceas: epidemiologia molecular e estratégias, AP.TEM
Assunto(s):VirologiaCrinivirusBegomovirusCoinfecçãoBemisia tabaciTomate
Resumo
Tomato chlorosis virus (ToCV), família Closteroviridae, gênero Crinivirus, e Tomato severe rugose virus (ToSRV), família Geminiviridae, gênero Begomovirus, são dois vírus que atualmente comprometem a produção de tomate (Solanum lycopersicum) no Brasil. O ToCV e o ToSRV possuem o mesmo vetor, a mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B, um inseto polífago e amplamente disseminado por todo país. Por este fato, infecções mistas destes vírus em lavouras de tomateiro estão se tornando cada vez mais frequentes. No entanto, pouco se sabe a respeito dos efeitos sinergísticos ou antagônicos desses vírus nas plantas duplamente infectadas, as alterações provocadas em parâmetros epidemiológicos importantes, como, por exemplo, o período de latência, o momento em que a planta se torna fonte de vírus para o vetor, os efeitos sobre a intensidade dos sintomas, bem como os danos ocasionados na produção. Neste trabalho pretende-se determinar o período de latência do ToSRV e ToCV em infecções simples e mista em tomateiro, em função da idade da planta na época da inoculação e também verificar o momento em que o tomateiro infectado pelo ToSRV e ToCV, separadamente ou em conjunto, se torna propício para aquisição do(s) vírus por B. tabaci biótipo B. Os resultados obtidos neste projeto fornecerão informações importantes do ponto de vista epidemiológico e poderão ser utilizados na elaboração de medidas de manejo que busquem minimizar os impactos provocados por estas fitoviroses na tomaticultura. (AU)

Seletividade de herbicidas em espécies arbóreas utilizadas em projetos de restauração vegetal

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Ciências Agrárias (CCA). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Araras, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Patrícia Andrea Monquero
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Florestais e Engenharia Florestal - Manejo Florestal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:16/02182-7
Vigência: 01 de maio de 2016 - 30 de abril de 2017
Assunto(s):Plantas daninhasFlorestasFitotoxicidade
Resumo
O conhecimento escasso sobre o comportamento de mudas de espécies florestais nativas em relação à seletividade de herbicidas, aliado às estratégias atuais em restauração de ecossistemas naturais degradados, justifica a execução desse projeto. Serão testadas 80 espécies que ocorrem em florestas estacionais semideciduais, além de serem amplamente utilizadas em projetos de restauração: Bauhinia forficata Link., Croton urucurana Bail., Guazuma ulmifolia Lam., Inga vera Willd. , Senna Multijuga (Rich.) H.S. Irwin & Barneby, Solanum granulosoleprosum Dunal, Heliocarpus popayanensis Kunth (Heliocarpus americanus L.), Acnistus arborescens (L.) Schltdl., Alchornea triplinervia (Spreng.) Muell. Arg. , Allophylus edulis (A.St.-Hill.) Radlk., Aloysia virgata (Ruiz & Pav.) Juss., Anadenanthera colubrina (Vell.) Bren., Astronium graveolens Jacq., Balfourodendron riedelianum (Engl.) Engl., Brysonima laxiflora, Cabralea canjerana (Vell.) Mart., Campomanesia gaviroba, Campomanesia xanthocarpa O. Berg, Cariniana estrellensis (Raddi) Kuntze., Casearia gossypiosperma Briq., Cedrela fissillis Vell. , Ceiba speciosa, Centrolobium tomentosum Guillemin ex Benth. , Colubrina glandulosa Perkins, Cordia superba Cham., Cordia trochotoma (Vell.) Arrab. ex Steud, Dalbergia nigr, Eugenia brasiliensis, Eugenia pyriformis Cambess., Eugenia uniflora L., Ficus obtusifolia, Gallesia integrifolia ( Spreng. ) Harms, Gochnatia polymorpha (Less.) Cabrera, Guapira opposita (Vell.) Reitz, Guarea kunthiana A. Juss., Handroanthus chrysotrichus (Mart. ex DC.) Mattos (Tabebuia crysotricha), Helietta apiculata Benth. , Hyeronima akchorneoides, Inga laurina (Sw.) Willd., Jacaranda micrantha, Lafoensia pacari A. St. -Hil., Lithraea molleoides (Vell.) Engl. , Luehea candicans Mart., Luehea divaricata Mart., Magnolia ovata, Miconia chamissois , Miconia rigidiuscula Cogn., Mimosa bimucronata, Mollinedia uleana, Myracridruon urundeuva Allemão, Myrocarpus frondosus Allemão, Myrsine coriacea (Sw.) R. Br. ex Roem. & Schult., Ocotea puberula (Rich.) Nees,Ocotea silvestris Vattimo , Parapiptadenia rigida (Benth.) Brenan, Peltophorum dubium (Spreng.) Taub., Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F. Mac- Br., Poecilanthe parviflora Benth. , Posoqueria acutifolia Mart. , Prunus myrtifolia (L.) Urb. , Psidium catteleianum Sabine, Psidium myrtoides O. Berg, Sapindus saponaria L. , Schinus terebinthifolius Raddi, Senna silvestris (Vell.) H.S. Irwin & Barneby, Solanum pseudoquina A. St.- Hil., Sorocea bonplandii (Baill.) W.C. Burguer; Lanj. & Wess. Boer, Strychnos brasiliensis (Spreng.) Mart. , Tabebuia insignis (Miq.) Sandwith, Tabebuia rosealba (Ridl.) Sandwith, Tachigali denudata (Vogel) Oliveira- Filho, Terminalia brasiliensis (Cambess, ex A.St.- Hil.) Eichler , Tetrorchidium rubrivenium, Trichillia pallens C.DC., Xylosma cilliatifolia (Clos) Eichler, Myrcia ilheosensis, Maytenus gonoclada, Eugenia Brevistyla D. Legrand, Erythroxylum argentinum O. C. Schulz, Raulinoreitzia crenulata, Erythroxylum ambiguu, Peyr. , Tibouchina granulosa Cogn. Os herbicidas sulfentrazone, oxyfluorfen e haloxyfop-methyl serão aplicados em diferentes doses (0D, 1/2D, 1D e 2 D, sendo D= dose comercial de cada produto) sobre as mudas das diferentes espécies arbóreas com o intuito de avaliar se os produtos interferem diferencialmente na sobrevivência e crescimento das mudas.Os experimentos serão conduzidos no Centro de Ciências Agrárias, UFSCar, Araras, SP. O ensaio de seletividade de herbicidas terá um delineamento inteiramente aleatorizado com quatro repetições. Após a aplicação serão avaliados a fitotoxicidade aos 7, 14, 21, 30 e 45 dias após o tratamento (DAT) ea massa da matéria seca da parte aérea aos 50 DAT. Os dados serão interpretados por meio de análises de variância (ANOVA) - cujas médias entre tratamentos serão comparadas pelos teste de Tukey ou teste t (p = 0,05) e por análises de regressão linear. (AU)

Interação etileno-ácido abscísico na regulação da formação de compostos voláteis durante o amadurecimento de tomates (Solanum lycopersicum) cv. Micro-Tom

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eduardo Purgatto
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Ciência e Tecnologia de Alimentos - Ciência de Alimentos
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:16/02800-2
Vigência: 01 de maio de 2016 - 30 de abril de 2017
Vinculado ao auxílio:13/07914-8 - FoRC - Centro de Pesquisa em Alimentos, AP.CEPID
Assunto(s):Fisiologia pós-colheitaExpressão gênicaCompostos voláteisHormônios vegetais
Resumo
O amadurecimento é um processo complexo a partir do qual se desenvolvem nos frutos características sensoriais que os tornam mais atraentes ao consumidor, como mudanças na textura, cor, o acúmulo de açúcares solúveis e seu balanço com ácidos orgânicos e ainda o sabor, um atributo determinado pelo gosto e aroma e crucial para a qualidade do fruto. Em tomates (Solanum lycopersicum), uma faixa de 20 a 30 metabólitos voláteis contribuem significativamente para o aroma, sendo provenientes sobretudo das vias de degradação de três substâncias: ácidos graxos, aminoácidos e terpenos. Em relação a regulação destas vias metabólicas, o papel dos hormônios vegetais sobre a biossíntese de compostos voláteis vem sendo investigado. Apesar de haver uma extensa literatura compreendendo as atribuições do etileno sobre o amadurecimento e na indução de genes codificadores de enzimas associadas à formação de ésteres, álcoois, aldeídos, terpenos e outros voláteis em frutos climatéricos, como o tomate, o conhecimento sobre o envolvimento de outros hormônios, como o ácido indol-3-acético (AIA), metil jasmonato (MJ) e o ácido abscísico (ABA) nas vias biossintéticas de compostos voláteis ainda é incipiente. Tomando essas observações como base, o objetivo de presente trabalho é avaliar a extensão da influência do ácido abscísico sobre a formação de compostos voláteis em frutos de tomateiro da cultivar Micro-Tom. Para tal, frutos colhidos no estágio mature green serão injetados com ABA e serão avaliados parâmetros de amadurecimento, como a produção de etileno, respiração e cor, os quais serão acompanhados e comparados com frutos dos grupos controle. Frutos tratados com inibidor de ação do etileno, o 1-metilciclopropeno (1-MCP) em combinação com ABA serão utilizados para avaliar se os efeitos do ABA, são etileno-dependentes. Um inibidor de síntese de ABA, a fluridona, será empregada para avaliar a formação do aroma no amadurecimento de frutos com níveis reduzidos de ABA. Os compostos voláteis serão analisados por cromatografia à gás acoplada a espectrometria de massas (CG-EM). Os padrões de transcrição de genes associados a formação do aroma em tomates (SlLOXC, SlHPL, SlADH2, SlCCD1A e SlCCD1B) serão analisados em todos os grupos experimentais. Desta forma, os resultados obtidos contribuirão para um maior entendimento a respeito do papel do ABA sobre a formação do aroma durante o amadurecimento de frutos de tomateiro e também sua relação com o etileno, em respeito a este processo. (AU)

Caracterização molecular e regulação hormonal de um mutante macho estéril em tomateiro (Solanum lycopersicum l. cv Micro-Tom) envolvendo a transformação de estames em pistilos e pétalas em sépalas

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lázaro Eustaquio Pereira Peres
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:16/02415-1
Vigência: 01 de maio de 2016 - 31 de dezembro de 2016
Assunto(s):Controle hormonalBiologia molecularCastrato
Resumo
Estudos genéticos e moleculares em várias espécies de plantas modelo levaram a um modelo amplamente aceito de desenvolvimento de cada verticilo floral com base na atividade combinada das funções dos chamados genes "ABC". Com base no modelo ABC, as variações na arquitetura dos órgãos florais entre as espécies podem ser devido à existência de duplicações ou perda de genes e à diversificação funcional da família de fatores de transcrição MADS-box do tipo MIKCC que estão envolvidos na determinação do meristema floral e na identidade de órgãos florais. Em tomateiro (Solanum lycopersicum L.), quatro genes MADS-box da classe B especificam a identidade de pétalas e estames durante o desenvolvimento de órgãos florais. Alguns mutantes de tomateiro que apresentam conversão homeótica total ou parcial do segundo (pétalas) e terceiro (estames) verticilos foram previamente descritos, apresentando diferenças alélicas com fenótipos distintos para identidade de pétalas e estames. Análise molecular desses mutantes demonstram que alterações específicas em genes MADS-box da classe B afetam de forma distinta a identidade de pétalas e estames. Ainda, a sinalização com outros genes da classe B e/ou hormônios vegetais podem causar variações na identidade de órgãos florais em tomateiro. Considerando a essencialidade dos genes MADS-box para especificar a identidade de órgãos florais em tomateiro, o presente projeto tem como objetivo realizar a caracterização molecular e funcional de genes associados à formação de pétalas e estames do mutante espontâneo de tomateiro denominado castrato (cst), tendo Micro-Tom (MT) como background, através da identificação de possíveis mutações em um ou mais genes (Tomato APETALA3, Tomato MADS-box gene 6, Tomato PISTILLATA e Solanum lycopersicum GLOBOSA) que codificam para proteínas MADS do tipo B. Além disso, a regulação hormonal no mutante cst será avaliada utilizando linhas transgênicas repórteres para compreender a regulação de fatores de transcrição MADS e hormônios vegetais durante desenvolvimento de órgãos florais em tomateiro. (AU)

Crescimento, produtividade e qualidade de tubérculos da cultura da batata (Solanum tuberosum l.) em função da aplicação de reguladores vegetais

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Raízes e Amidos Tropicais (CERAT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Adalton Mazetti Fernandes
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:15/22885-0
Vigência: 01 de março de 2016 - 31 de julho de 2017
Assunto(s):Solanum tuberosumInibidores de crescimentoManejo e tratos culturais
Resumo
A produtividade da batata depende da capacidade da planta sintetizar carboidratos nas folhas e mobilizá-los para os tubérculos em crescimento. Assim, o crescimento foliar excessivo nos estágios tardios do ciclo da cultura pode afetar negativamente a produtividade de tubérculos. Em condições favoráveis ao crescimento da parte aérea das plantas, o uso de retardantes ou reguladores do crescimento vegetal pode ser uma alternativa para melhorar a produtividade da cultura, através da redução no porte das plantas e do aumento na alocação de matéria seca (MS) para os tubérculos em crescimento. Dessa forma, o objetivo deste trabalho é avaliar o efeito dos reguladores de crescimento vegetal cloreto de mepiquat, cloreto de chlormequat, placobutrazol e proexadiona cálcica no crescimento e produtividade de tubérculos das cultivares de batata Agata e Mondial. Serão conduzidos dois experimentos independentes, um com a cultivar Agata e outro com a cultivar Mondial. Ambos os experimentos serão instalados no delineamento experimental de blocos ao acaso no esquema fatorial 4x5+1, com quatro repetições. Os tratamentos serão representados por quatro reguladores vegetais (cloreto de mepiquat, cloreto de chlormequat, paclobutrazol e proexadiona cálcica), aplicados nas doses de 25, 50, 100, 200 e 400 g ha-1 do i.a., além do tratamento controle (sem aplicação de regulador vegetal). As parcelas experimentais serão compostas por cinco fileiras de plantas de cinco metros de comprimento. Serão avaliadas as seguintes variáveis na fase de enchimento dos tubérculos (70 DAP): a) número de hastes por planta e comprimento da maior haste; b) número de folhas por planta; c) área foliar e índice de área foliar; d) número de tubérculos por planta; e) acúmulo de MS na parte aérea, tubérculos e na planta inteira; e e) partição de MS para os tubérculos. Antes da dessecação da cultura será determinado o acúmulo de MS na parte aérea, tubérculos e na planta inteira. Na colheita final serão avaliados: a) número de tubérculos por planta, incidência de tubérculos deformados e peso médio dos tubérculos; b) produtividade e classificação dos tubérculos produzidos; c) índice de formato dos tubérculos; d) porcentagem de MS dos tubérculos; e) período de dormência dos tubérculos e incidência de tubérculos brotados; e f) firmeza da polpa e esverdeamento pós-colheita dos tubérculos. Os dados obtidos em cada experimento serão submetidos à ANOVA, separadamente. As médias referentes aos reguladores de crescimento serão comparadas pelo teste t (DMS) (Pd0,05), enquanto os efeitos das doses dos reguladores serão avaliados por análise de regressão (Pd0,05). (AU)

Impactos de membros da família gênica CETS no controle do amadurecimento em frutos de tomateiro

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lázaro Eustaquio Pereira Peres
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:16/00075-9
Vigência: 01 de março de 2016 - 31 de dezembro de 2016
Resumo
Em tomateiro (Solanum lycopersicum), o gene Solyc03g063100 possui dois alelos com efeitos opostos: Self pruning 3D (Sp3D), o qual adianta o florescimento, e single flower truss (sft), o qual inibe esse processo. Tal gene pertence à família CETS (assim chamada pelos homólogos CENTRORADIALIS, TERMINAL FLOWER 1 e SELF-PRUNING, encontrados, respectivamente, em Antirrhinum, Arabidopsis e tomateiro) (Pnueli et al., 1998), e tem função regulatória no controle da transição entre o estado vegetativo e reprodutivo em plantas. Estudos demonstram que auxinas e etileno podem induzir o florescimento em angiospermas, entretanto, a existência de uma possível interação entre os genes da família CETS com esses hormônios permanece ainda praticamente inexplorada. Resultados obtidos em nosso laboratório sugerem que plantas homozigotas recessivas para sft apresentam níveis elevados de etileno durante o período climatérico de amadurecimento de seus frutos, indicando, portanto, uma possível influência dessa proteína sobre a via de biossíntese de etileno nos tecidos de frutos carnosos. Nesse sentido, o presente projeto visa investigar se genes pertencentes à família CETS desempenhariam papel importante na regulação fina da produção de etileno em frutos de tomateiro. Para tanto, amostras de frutos de plantas controle ou portadoras dos alelos SP3D e sft serão coletados em diferentes estádios de amadurecimento e analisados quanto à coloração, taxas respiratórias, emissão de etileno e atividade total da enzima oxidase do ácido 1-aminociclopropano (ACO), a qual desempenha papel crucial na produção desse hormônio. Ao atingiram o amadurecimento completo, frutos obtidos de plantas desses três genótipos serão analisados quando a diversos atributos de qualidade, tais como Brix, teores de vitamina C, bem como conteúdo total e perfil de carotenoides. Tais análises poderão fornecer informações valiosas sobre os complexos processos de sinalização responsáveis pelo controle fino do amadurecimento de frutos de tomateiro, bem como permitir a possível descoberta de uma nova função para os genes da família CETS. (AU)

A relação entre as vias Ga ( giberelina) e age (miR156 node) no controle do florescimento em tomateiro

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fabio Tebaldi Silveira Nogueira
Supervisor no Exterior: Erich Grotewold
Local de pesquisa: Ohio State University (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Processo:15/23826-7
Vigência: 22 de fevereiro de 2016 - 11 de junho de 2016
Assunto(s):Desenvolvimento vegetal
Resumo
A transição do meristema apical de vegetativo para reprodutivo produz mudanças moleculares, morfológicas e fisiológicas impactando em todo o corpo vegetal. Este processo, o qual é influenciado por sinais ambientais, controle genético e regulação hormonal é conhecido como florescimento. Arabidopsis thaliana, o modelo mais conhecido para estudo do controle do florescimento possui cinco diferentes vias controlando este complexo e importante processo do desenvolvimento. Entre essas cinco rotas, autônoma, vernalização e fotoperíodo não desempenham papeis fundamentais em espécies como tomateiro (Solanum lycopersicum L.). Assim, as outras duas vias conhecidas como GA (controlada pelo fitohormônio giberelina) e AGE (controlada pela via miR156/SQUAMOSA PROMOTOR BINDING LIKE -SPL) devem desempenhar papeis essenciais controlando a mudança de fase nessa ultima espécie. Recentemente, foi demonstrado a interação física entre as proteínas SPL (alvo direto do miR156) e DELLA (regulador negativo de resposta a GA) orquestrando a interação entre essas duas vias em Arabidopsis. Interessantemente, enquanto GA promove o florescimento em Arabidopsis em condições de dias longos, atua reprimindo o florescimento em tomateiro.Com o intuito de entender as interações genéticas entre ambas as vias em tomateiro, nós produzimos duplos transgênico-mutante afetando o nível de expressão do miR156 conjuntamente com três diferentes mutações associadas a GA. Nos três mutantes, a superexpressão do miR156 promove um maior atraso no tempo de florescimento, sugerindo interação genética entre as vias GA e AGE em tomateiro. É possível que a DELLA e SPLs de tomateiro interajam fisicamente como em Arabidopsis. Além disso, nós propomos que essa interação proteína - proteína inclui a sequencia do sitio de ligação para o miR156 encontrada em algumas SPLs. Nesse projeto nos pretendemos avaliar os padrões de interação entre a única DELLA em tomateiro (PROCERA) e três diferentes SPLs através de ensaio de duplo hibrido em levedura e BiFC (ensaio de complementação fluorescente bimolecular). A conservação desta interação molecular em tomateiro e Arabidopsis controlando o florescimento indicariam que espécies reprimidas por GA e induzidas por GA, respectivamente, utilizariam vias genéticas comuns com resultados opostos no desenvolvimento. (AU)

Repelentes botânicos e nanotecnologia: desenvolvimento de sistemas para controle de pragas em agricultura

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Ciência e Tecnologia. Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Sorocaba. Sorocaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Leonardo Fernandes Fraceto
Pesquisadores associados: Halley Caixeta de Oliveira; Renata De Lima;
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:15/15617-9
Vigência: 01 de dezembro de 2015 - 30 de novembro de 2017
Assunto(s):AgriculturaPragas de plantasSistemas de liberação de medicamentosNanopartículas
Resumo
As pragas e insetos, tem sido uma das principais causas de perdas agrícolas em todo o mundo. Só no Brasil essas perdas podem chegar a 7,7 % ao ano. A mosca-branca (Bemisia tabaci) é uma das principais pragas presentes no Brasil, sendo encontrada em inúmeras regiões. A grande preocupação com este tipo de praga, está na sua grande diversidade de hospedeiros, podendo levar a perdas de 100 % devido a capacidade de transmissão de fitopatógenos. A utilização de inseticidas sintéticos tem sido a principal forma de controle deste tipo de praga, no entanto, os efeitos adversos destes compostos tanto para o meio ambiente quanto para a saúde humana tem motivado a busca por alternativas menos impactantes. Neste contexto, diversos mecanismos estão sendo estudados a fim de minimizar estes danos, como por exemplo, o desenvolvimento de sistemas de liberação modificada, utilizando polímeros biodegradáveis e proteínas. Aliado a isto, a utiliz ação de inseticidas e repelentes botânicos também tem demostrado potencialidade para o combate a essas pragas, devido aos menores impactos causados por esses produtos de origem natural. Portanto, o presente projeto visa o desenvolvimento (preparo e caracterização) de sistemas nanocarreadores produzidos a partir dos polímeros quitosana e da proteína zeína para repelentes botân icos (geraniol e citronelal), bem como, os potenciais efeitos cito e fitotóxicos destes sistemas. O projeto visa ainda a incorporação destes sistemas em matrizes de géis reticulados, a fim de se produzir dispositivos para liberação destes ativos no campo. Ademais serão realizados ensaios de atividade repelente destes sistemas e dispositivos contra a mosca-branca (Bemisia tabaci) em diferentes culturas: tomate (Solanum lycopersicum), feijão ( Phaseolus vulgaris) e soja (Glycine max). A importância deste projeto reside na dimensão q ue o setor agrícola representa para a economia brasileira e mundial, aliado a isto o mercado de defensivos agrícolas cresce anualmente, sendo o Brasil um dos líderes no consumos destes produtos. Desta forma, o desenvolvimento de tecnologia com elevado valor agregado à área de controle de pragas em agricultura é promissora uma vez que podem ser produzidos sistemas mais eficientes no controle de pragas, menos impactantes ao ambiente e consequentemente à saúde humana. (AU)

Análise espaço-temporal dos eventos moleculares envolvidos na regeneração in vitro de tomateiro

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lázaro Eustaquio Pereira Peres
Supervisor no Exterior: Elliot Meyerowitz
Local de pesquisa: California Institute of Technology (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Processo:15/15177-9
Vigência: 10 de novembro de 2015 - 09 de julho de 2016
Assunto(s):Microscopia confocalRegulação gênicaOrganogêneseHormônios vegetais
Resumo
O processo de organogênese de novo relaciona-se à capacidade de regenerar in vitro uma planta inteira a partir de células somáticas e é a mais comum via de regeneração in vitro de plantas. Esta capacidade é frequentemente utilizada em processos biotecnológicos e cultivo de tecidos vegetais in vitro. A organogênese é altamente dependente da percepção hormonal e pode ser dividida nas fases de aquisição de competência, indução de órgãos e diferenciação morfológica. Estudos recentes envolvendo eventos de sinalização celular ocorridos nas primeiras fases do processo de regeneração tem permitido a detecção de genes e moléculas sinalizadoras relacionadas principalmente a fase de indução de novos órgãos. A atribuição da identidade de gema caulinar ao primórdio em desenvolvimento é controlada por citocinina e envolve a expressão de genes de identidade meristemática, como WUSCHEL (WUS). Entretanto, os mecanismos moleculares envolvidos na aquisição de competência são bem menos entendidos. A especificação das células originárias, o desenvolvimento de primórdio (calos organogênico) e a aquisição de competência organogênica são mediados por auxina e relacionados a expressão do gene CUP-SHAPED COTYLEDON2 (CUC2). Os avanços na área são quase completamente baseados em estudos com Arabidopsis thaliana, mas importantes espécies de interesse econômico não seguem estritamente o modelo bem explorado de Arabidopsis: O tomateiro Solanum lycopersicum, cultivar Micro-Tom (MT), não tem a habilidade de regenerar brotos caulinares a partir de explantes radiculares ou calus induzidos. Em MT, dois genes potencialmente envolvidos no controle da competência organogênica são PROCERA (PRO) e REGENERATION1 (RG1), indicando uma competência comum na formação de raízes e brotos caulinares. Meus resultados preliminares definem temporalmente as fases de aquisição de competência e indução da organogênese e macroscopicamente evidenciam a influência de auxina e citocininas durante o processo de regeneração em MT. No entanto, mecanismos hormonais e genéticos envolvidos em organogênese de tomateiro permancem obscuros. Assim, através da investigações de genes hormonais e relacionados a organogênese fusionados a genes repórteres, somados a imagens de alta resolução, o objetivo deste projeto é determinar espaço-temporalmente os mecanismos de organogênese de novo em MT e estabelecer as diferenças moleculares entre os padrões de desenvolvimento envolvidos na regeneração de tomateiro e Arabidopsis. (AU)

Análise de interações entre o Tomato severe rugose vírus (ToSRV) e o Tomato chlorosis vírus (ToCV) em tomateiro

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ). Universidade de São Paulo (USP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Jorge Alberto Marques Rezende
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:15/14876-0
Vigência: 01 de novembro de 2015 - 31 de outubro de 2017
Vinculado ao auxílio:12/51771-4 - Begomovírus e Crinivirus em Solanaceas: epidemiologia molecular e estratégias, AP.TEM
Assunto(s):Vírus de plantasCrinivirusBegomovirus
Resumo
O Tomato severe rugose virus (ToSRV) e o Tomato chlorosis virus (ToCV) pertencem aos gêneros Begomovirus e Crinivirus, respectivamente e ocorrem de maneira generalizada em lavouras de tomateiro (Solanum lycopersicum) no Brasil. Estes vírus afetam o desenvolvimento e a produção das plantas, em infecções simples e mistas. Ambos são transmitidos por um mesmo vetor, amplamente disseminado em todo o país, o aleirodídeo Bemisia tabaci biótipo B. O ToSRV é a espécie de begomovirus que prevalece em plantios de tomateiro no Brasil. O ToCV foi relatado no Brasil em 2006, infectando plantas de tomate no Estado de São Paulo e atualmente encontra-se presente em diversos estados brasileiros. Até o momento não se tem informações sobre a interação desses vírus nas plantas duplamente infectadas e as consequências quanto aos sintomas, danos e interações com o vetor. Este trabalho visa analisar a concentração do ToSRV e ToCV em infecções simples e mistas por Real Time PCR e qRT-PCR; avaliar os sintomas e o desenvolvimento das plantas infectadas e estudar o efeito de diferentes concentrações desses vírus nas plantas nos processos de aquisição e transmissão pelo vetor. O conhecimento dos efeitos da infecção mista pelo ToSRV e ToCV em tomateiro e o efeito de concentrações desses vírus nos processos de aquisição e transmissão pelo vetor são importantes para o melhor conhecimento dos patossistemas e estabelecimento de linhas de investigações que conduzam às estratégias de manejo das doenças. (AU)
186 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP