site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Página 5 de 212 resultado(s)
|

Filogenia de Mucuna Adans. (Leguminosae - Papilionoideae) e taxonomia das espécies ocorrentes na América

Beneficiário:Ana Maria Goulart de Azevedo Tozzi
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Maria Goulart de Azevedo Tozzi
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Taxonomia Vegetal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/04635-8
Vigência: 01 de dezembro de 2012 - 30 de novembro de 2014
Assunto(s):LeguminosaeFabaceaeMucunaFilogenia
Resumo
Mucuna Adans., gênero subordinado à família Leguminosae (Fabaceae), subfamília Papilionoideae (Faboideae), possui cerca de 100 espécies e distribuição pantropical. Para o gênero são reconhecidos dois subgêneros, Mucuna subg. Stizolobium (P. Browne) Bauer e o típico. Espécies de ambos subgêneros ocorrem no Novo Mundo, onde cerca de 18 espécies estão distribuídas, número subestimado considerando que espécies novas têm sido descritas recentemente. Estas espécies são notáveis pela sua diversidade morfológica e por suas diferentes síndromes de polinização. Esses fatos evidenciam a possibilidade de estudos realizados com espécies da América contribuírem com o conhecimento taxonômico em nível genérico. Embora estudos taxonômicos de Mucuna já tenham sido feitos para diversas partes do Velho Mundo, no Novo Mundo são escassos. As relações filogenéticas infragenéricas de Mucuna são ainda pouco conhecidas e a posição filogenética dentro de Phaseoleae é imprecisa. Adicionalmente, Mucuna bennetti F. Muell. tem uma estreita relação morfológica com Strongylodon macrobotrys A. Gray. Portanto, é necessário verificar as relações filogenéticas entre espécies de Mucuna, e dele com outros gêneros relacionados. Este trabalho tem por objetivo fazer uma revisão taxonômica das espécies de Mucuna para a América e a filogenia do gênero, visando atualizar e esclarecer a nomenclatura e relações infragenéricas, bem como melhorar a compreensão da posição de Mucuna em Phaseoleae. (AU)

Farmacogenética da resposta da risperidona em uso isolado ou não no tratamento de transtornos mentais entre 10 e 20 anos de idade

Beneficiário:Gil Guerra Júnior
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Gil Guerra Júnior
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/14005-1
Vigência: 01 de novembro de 2012 - 31 de outubro de 2014
Assunto(s):PsiquiatriaTranstornos mentaisPolimorfismoSíndrome X metabólicaFarmacogenéticaRisperidonaAdolescentesObesidade
Resumo
Na infância e na adolescência, a risperidona é um medicamento de uso corrente porém não isento de efeitos adversos como ganho de peso, síndrome metabólica, alterações hormonais. Numerosos polimorfismos genéticos de potencial suscetibilidade aos efeitos adversos da risperidona estão sendo estudados. No presente projeto de pesquisa, serão analisados se os efeitos adversos, em uso isolado ou não da risperidona, podem estar associados a polimorfismos genéticos do citocromo P450, da leptina e dos receptores HTR2C, D2, MC4R e SCARB2. A casuística será composta por cerca de 100 sujeitos com idades entre 10 e 20 anos, em uso de risperidona. Também serão incluídos cerca de 100 jovens adultos saudáveis, menores de 25 anos, como grupo controle. A avaliação psiquiátrica será baseada nos instrumentos K-SADS-P, CARS, escore AMSE e WASI. Além da avaliação clínica, serão realizados dosagens de insulina, colesterol total, LDL-colesterol, HDL-colesterol, triglicérides, AST, ALT, T4 livre, TSH, prolactina e leptina, e repetidas com 1, 2, 3, 6, 9, 12 e 24 meses de tratamento. Também, com 2, 6, 12 e 24 meses de tratamento serão realizadas dosagens séricas da risperidona e da 9-OH-risperidona. Para todos os sujeitos da pesquisa serão realizadas a determinação de polimorfismos nos genes CYP2D6, HTR2C, DRD2, LEP, MC4R e SCARB2. No grupo controle, serão realizadas apenas as avaliações laboratoriais iniciais e a pesquisa dos mesmos polimorfismos nos mesmos genes. Serão realizadas análises descritivas de todos os dados e repetidas análises de variância e testes de associação para comparar a frequência dos genótipos entre os grupos casos e controles. Para cada SNP será calculado o Odds Ratio (IC 95%) do risco de associação ou não a um determinado efeito colateral, com nível de significância de 5%. (AU)

Alcalóides eritrínicos da planta Erythrina mulungu Mart. ex Benth: estudos de neuroquímica, imunohistoquímica, expressão gênica diferencial e análise da atividade neuroprotetora geral e comparada em ratos Wistar submetidos ao modelo crônico de epileptogênese

Beneficiário:Renê de Oliveira Beleboni
Instituição: Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP). Campus Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Renê de Oliveira Beleboni
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Bioquímica e Molecular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/06572-3
Vigência: 01 de novembro de 2012 - 31 de outubro de 2014
Assunto(s):Biologia molecularEtnofarmacologiaNeurofarmacologiaEpilepsia lobo temporalAnticonvulsivantesAnsiolíticosNeuroquímicaImunohistoquímicaAlcaloidesReceptores de GABAReceptores de glutamatoErythrina
Resumo
A epilepsia do lobo temporal (ELT) acomete cerca de 40% dos pacientes com diagnóstico médico de epilepsia, sendo o tipo mais comum da síndrome e a que mais repercute em casos de pacientes refratários. Atualmente, os fármacos administrados à pacientes com ELT apresentam desvantagens e efeitos colaterais relativamente severos, como sedação, déficit cognitivo e desenvolvimento de tolerância farmacológica e dependência química, além de impossibilitarem total ou parcialmente o paciente para certas atividades de trabalho como consequência dos efeitos colaterais provocados. Com efeito, a necessidade da descoberta de novos compostos neuroativos com diferentes mecanismos de ação e de origens diversas, além do entendimento da neuropsicofarmacologia envolvida na síndrome aparecem como fundamentais para o tratamento da ELT e de outras síndromes neurológicas importantes. Baseando-se em dados etnofarmacológicos, inúmeras plantas têm sido investigadas na busca por novos agentes anticonvulsivantes, ansiolíticos e neuroprotetores. Neste segmento, a espécie Erythrina mulungu Mart. ex Benth. (Leguminosae-Papilionaceae) tem sido utilizada pela população e, em preparações fitoterápicas industriais americanas e brasileiras, dadas as suas propriedades sedativas, hipnóticas, analgésicas, anticonvulsivantes e ansiolíticas. De fato, trabalhos científicos recentes têm demonstrado que o extrato hidroalcoólico de folhas e flores da planta apresenta marcada atividade ansiolítica e anticonvulsivante em diferentes modelos animais. Tais efeitos têm sido atribuídos principalmente à presença dos alcaloides eritrínicos (+)-eritravina, (+)-11-±-hidroxi-eritravina e/ou erisotrina isolados da planta. Em estudos pregressos de nosso grupo tais alcaloides foram capazes de suprir a expressão de crises tônico-clônicas generalizadas induzidas pelos convulsivantes pentilenotetrazol (PTZ), bicuculina, ácido caínico e N-Metil-D-Aspartato (NMDA) em esquema de indução aguda de crises em ratos Wistar. Além disso, as atividades ansiolíticas da (+)-eritravina e (+)-11-±-hidroxi-eritravina tem sido comprovadas através dos testes labirinto em cruz elevado e caixa claro/escuro, sendo tais alcaloides relatados como responsáveis também pelo efeito ansiolítico promovido pelo extrato etanólico de flores da planta. Entretanto, até o momento nenhum estudo tem sido apresentado de modo a investigar os efeitos dos alcaloides em modelos crônicos de indução de crises. Isto é importante de modo a substanciar de maneira mais clara a ação anticonvulsivante de tais compostos, e, ainda tal, a promover um melhor entendimento do processo de epileptogênese e propagação/recorrência das crises epilépticas em escala crônica na presença ou ausência destes alcaloides. A despeito de esforços anteriores de nosso grupo de pesquisa e de outros, muito pouco se sabe a respeito do mecanismo de ação anticonvulsivante e/ou mesmo ansiolítico dos alcalóides estudados, das áreas cerebrais envolvidas na resposta anticonvulsivante, e ainda, a respeito da duração e características da neuroproteção promovida por tais ativos a longo termo. Neste contexto, o objetivo deste trabalho será o de avaliar a atividade neuroprotetora dos alcaloides supracitados em favor de animais submetidos ao modelo crônico de status epilepticus pela injeção de pilocarpina, analisando-se a ação anticonvulsivante dos ativos, via análise neuroetológica geral e comparada a drogas de escolha, além da análise histológica e imunohistoquímica de cortes hipocampais, avaliando-se aspectos morfológicos e celulares importantes, isoladamente ou em comparação com drogas comerciais de escolha. Além disso, ensaios de biologia molecular buscando pela expressão diferencial de receptores GABAérgicos e Glutamatérgicos serão postos a prova para comparação entre hipocampos de animais tratados e não tratados com os alcalóides em teste ao final da fase silenciosa da epileptogênese, garantindo um alargar das opções de estudo em escala crônica... (AU)

Uso da extração acelerada por solvente (ASE) para determinação cromatográfica de analitos de cocaína e tetraidrocanabinol em amostras de mecônio

Beneficiário:Mauricio Yonamine
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mauricio Yonamine
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/15483-4
Vigência: 01 de novembro de 2012 - 31 de outubro de 2014
Assunto(s):Toxicologia socialDrogas de abusoCanabinoidesCocaínaGravidezExposição maternaMecônioCromatografia
Resumo
O abuso de cocaína e maconha é grave problema de saúde pública em todo o mundo. Atualmente observa-se aumento no número de usuárias em idade fértil, levando a preocupação crescente com relação à exposição fetal a drogas, devido aos efeitos obstétricos e neonatais decorrentes. Alterações como diminuição do peso e do crescimento fetal, parto prematuro, síndrome da abstinência neonatal, déficits neurológicos e de comportamento, estão associados ao uso de substâncias ilícitas, álcool e tabaco durante a gestação. Portanto, é importante obter informações acerca do consumo de drogas durante a gravidez, permitindo com isto intervenções médicas e psicológicas adequadas. Os relatos fornecidos pela gestante são relevantes, porém muitas vezes resultam em dados subestimados devido a omissão de informações por medo de ações punitivas. Desta forma, a confirmação por meio de análises toxicológicas em amostras biológicas se faz necessária. O mecônio, primeiras fezes do recém-nascido, tem sido proposto como matriz adequada para avaliação da exposição fetal, pois apresenta coleta não invasiva, fácil obtenção e fornece informações de longo prazo (2º e 3º trimestre de gestação). Entretanto, é uma matriz complexa, exigindo diversas etapas de purificação para posterior análise. As técnicas mais comumente utilizadas são homogeneização da amostra em metanol ou outro solvente orgânico (extração sólido-líquido - SLE) seguida por extração líquido-líquido (LLE) ou extração em fase sólida (SPE). No entanto, estas técnicas apresentam algumas desvantagens como utilização de grandes volumes de solventes orgânicos, formação de emulsões e extração em múltiplas etapas. Desta forma, o presente trabalho visa o desenvolvimento de um método utilizando a extração acelerada por solvente (ASE), que permite menor manipulação da amostra e apresenta maior eficiência se comparada às técnicas convencionais, além da possibilidade de uso de volumes menores de solvente orgânico e maior praticidade. Em associação, será utilizada a análise de superfície de resposta, conjunto de técnicas estatísticas e matemáticas que permitem a otimização racional de métodos analíticos. Os analitos serão identificados por cromatografia em fase-gasosa acoplada a espectrometria de massas (GC-MS). Após o desenvolvimento dos métodos, as análises serão aplicadas em amostras de mecônio de neonatos com suspeita de exposição fetal à cocaína e maconha, provenientes do Hospital Universitário-USP. (AU)

Avaliação cardiometabólica e do padrão de secreção de células beta pancreáticas em pacientes portadores de hiperplasia adrenal congênita

Beneficiário:Gil Guerra Júnior
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Gil Guerra Júnior
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/16778-8
Vigência: 01 de novembro de 2012 - 31 de outubro de 2014
Assunto(s):ObesidadeDislipidemiasEsteroide 21-hidroxilaseHiperplasia suprarrenal congênitaCélulas secretoras de insulinaSíndrome X metabólicaHipertensãoAtividade física
Resumo
A deficiência da enzima 21-hidroxilase (D21OH) é a forma mais comum da hiperplasia adrenal congênita (HAC), responsável por mais de 90% dos casos da forma clássica da doença. Com a melhora do diagnóstico e a introdução do tratamento com a reposição de corticóides, houve aumento importante na sobrevida destes pacientes. No entanto, os estudos sobre os efeitos em longo prazo desse tratamento, em especial do ponto de vista cardiometabólico, ainda são escassos e, em parte, controversos. Portanto, o objetivo deste estudo será avaliar o risco cardiometabólico, incluindo a sensibilidade à insulina por meio do clamp hiperglicêmico, de pacientes com a forma clássica da HAC-D21OH em relação a um grupo controle pareado por idade, sexo e IMC. Também será verificada a associação dos fatores de risco presentes na síndrome metabólica em pacientes com HAC-D21OH com idade, sexo, genótipo, controle da doença, composição corporal, nível de atividade física, parâmetros laboratoriais séricos (leptina, adiponectina, proteína C reativa e metanefrina livre), resitência a insulina, e espessura das camadas intima e média das carótidas (EIMC). Serão avaliados pacientes com idades acima de 18 anos, de ambos os sexos, com diagnóstico de HAC-D21H e acompanhados rotineiramente há pelo menos dois anos em nosso ambulatório. Para a determinação do risco cardiometabólico, serão realizadas as avaliações da composição corporal (IMC, DXA, dobras cutâneas, bioimpedância elétrica), do monitoramento da pressão arterial por 24 horas, de parâmetros sanguíneos (perfil lipídico, leptina, adiponectina, IL-6, IL-1², proteína C reativa e metanefrinas na urina e no soro, e o clamp hiperglicêmico), da atividade física por questionário, da EIMC por ultrassonografia, e da clarimetria indireta. Na análise dos resultados serão utilizados os testes estatísticos de comparação (Qui-quadrado, t de Student e Mann-Whitney), além da regressão linear múltipla, com p menor que 0,05. (AU)

Efeito do interferon-gama sobre defeitos de splicing em doença granulomatosa crônica e em pacientes com deficiência de IFNGR

Beneficiário:Antonio Condino Neto
Instituição: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Antonio Condino Neto
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/51094-2
Vigência: 01 de novembro de 2012 - 31 de outubro de 2014
Assunto(s):Síndromes de imunodeficiênciaDoença granulomatosa crônicaFagócitosInterferon gamaExpressão gênicaRegulação gênicaProcessamento alternativoNADPH oxidase
Resumo
O sistema NADPH oxidase fagocítico humano é responsável pela geração de superóxido e outros reativos intermediários do oxigênio, críticos na defesa contra patógenos. Defeitos neste sistema resultam na doença granulomatosa crônica (DGC), cujo quadro clínico caracteriza-se por infecções recorrentes graves, o que demonstra a relevância deste sistema enzimático. Neste projeto propomos aprofundar a pesquisa desenvolvida no decorrer do mestrado (Bolsa Fapesp 06/51005-9), onde foi visto que o tratamento com IFN-g modificou o padrão de expressão do gene CYBB, além de alterar o padrão de marcação dos fatores antinúcleo sobre as proteínas do "spliceossoma". Dessa forma, pretendemos verificar o papel do IFN-v sobre o processamento da mensagem do gene CYBB por proteínas do "spliciossoma", sua expressão final e ativação do sistema NADPH oxidase. Investigaremos o efeito do IFN-g sobre eventos pré e pós transcricionais relativos à expressão do gene CYBB que codifica o componente gp91-phox em leucócitos de indivíduos normais e de pacientes com DGC ligada ao X, ocasionada por defeitos de "splicing". O objetivo principal desta proposta de trabalho é investigar os efeitos do IFN-g na expressão de genes envolvidos em eventos transcricionais relacionados a expressão e regulação do gene CYBB, e outros genes do sistema imune inato que sofrem splicing alternativo. Visamos também avaliar os genes relacionados ao processo de splicing em leucócitos de indivíduos normais, em pacientes com DGC e em pacientes com deficiência de receptor de INF-g (IFNGR). O uso de uma ferramenta de alta resolução e qualidade para avaliar este assunto em um nível de transcriptoma seria capaz de responder vários questionamentos que ainda não foram respondidos sobre o processo de regulação envolvido no mecanismo de splicing de vários genes da imunidade inata. Esta proposta de trabalho pode prover um entendimento mais compreensivo sobre o mecanismo de splicing que regula a expressão de genes da imunidade inata e também sobre a complexidade dos transcriptomas eucariotos envolvidos no reconhecimento através da quantificação de exons, introns, termino das regiões 5' e 3' e pela identificação de sítios iniciadores da transcrição, bem como as formas variantes de splicing. (AU)

Intervenção fisioterapêutica no pós-operatório de neovaginoplastia de McIndoe em mulheres com agenesia vaginal

Beneficiário:Marair Gracio Ferreira Sartori
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marair Gracio Ferreira Sartori
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/14277-1
Vigência: 01 de novembro de 2012 - 31 de outubro de 2014
Assunto(s):FisioterapiaAnormalidades urogenitaisSíndrome de Mayer-Rokitansky-Kuster-HauserAssoalho pélvicoVaginoplastiaPeríodo pós-operatórioEletromiografiaUltrassonografia
Resumo
Anormalidades no processo de desenvolvimento dos órgãos reprodutivos podem ocasionar a ausência congênita da vagina, conhecida como agenesia vaginal (Breech, Laufer, 2011). O tratamento cirúrgico visa a reconstrução e formação de uma neovagina, o que permite à paciente ter relações sexuais satisfatórias. Os músculos do assoalho pélvico (MAP) possuem papel importante na função sexual. A fisioterapia atua diretamente na reabilitação desta musculatura e vários estudos têm demonstrado melhora da atividade sexual (Bo et al, 2000; Morkved et al, 2007; Citak et al, 2010). Entretanto, não foram encontrados estudos que incluíssem a fisioterapia no tratamento destas mulheres. Este estudo tem por objetivo avaliar os efeitos da intervenção fisioterapêutica no pré e pós-operatório de neovaginoplastia de McIndoe em mulheres com agenesia vaginal. Incluir-se-ão 25 mulheres com agenesia vaginal que se submeterão ao tratamento fisioterapêutico após neovaginoplastia. A avaliação dos MAP consistirá dos seguintes procedimentos: ultrassonografia 4D, dinamometria, eletromiografia de superfície e palpação bidigital. Ademais, avaliar-se-á o impacto na qualidade de vida (Whoqol-bref) e função sexual (FSFI). O tratamento consisitirá de 10 sessões de técnicas de integração sensorial e aprendizagem motora, seguidas de três meses de treinamento dos MAP domiciliar. Ao final do tratamento, os procedimentos avaliativos serão reaplicados e será feito o acompanhamento nos 1º, 3º e 6º meses após a intervenção fisioterapêutica. (AU)

Efeito da cirurgia bariátrica em obesos diabéticos: correlação entre mudanças na microbiota e parâmetros metabólicos

Beneficiário:Mário José Abdalla Saad
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mário José Abdalla Saad
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:10/18691-1
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):CirurgiaCirurgia bariátrica
Resumo
A Síndrome Metabólica (SM) está relacionada à resistência a insulina observada no diabetes tipo 2, obesidade e inflamação (com aumentos da expressão de citocinas pró-inflamatória). A microbiota intestinal pode ser diferente em humanos magros e obesos, diabéticos ou não, levando à especulação de que a tal flora possa participar na fisiopatologia da SM. A GLP-1, principal hormônio intestinal, é rapidamente secretado após a alimentação, de maneira proporcional à ingestão calórica estando reduzida em obesos e na resistência a insulina. A cirurgia bari e a microbiota intestinal podem alterar a secreção de GLP-1. Além disso, a microbiota intestinal tem sido relacionado a um baixo grau de inflamação crônica que caracteriza com alterações metabolicas induzidas pela dieta, com aumento plasmático de LPS (abundantemente encontrado na flora intestinal). Aumentos do LPS plasmático foi relacionado com obesidade, diabetes e estatose hepática, em animais e humanos. Assim, serão estudados 10 indivíduos eutróficos, 10 obesos com tolerância normal à glicose e 20 obesos diabéticos, sendo o último grupo estudado também em períodos subsequentes à cirurgia bariátrica. Serão analisadas as diferenças existentes entre a microbiota desses grupos e após a cirurgia (bilio-pancreático, ou Scopinaro e derivação gástrica com reconstrução em Y de Roux), relacionando com possíveis alterações dos parâmetros metabólicos. Fragmentos de intestino delgado (duodeno, jejuno proximal e íleo terminal) serão colhidos por enteroscopia, para o estudo dos enterócitos (morfologia, expressão de Fox1/2, GLP-1, GLP-2 e PYY - por imunohistoquímica e atividade de proteínas da neoglicogênese - por imunoblotting), e o material dessas áreas do intestino será colhido para estudo da microbiota intestinal. A caracterização genética da microbiota intestinal será feita por sequenciamento e estudo do supercrescimento da flora bacteriana será feito pela análise do ar expirado. As dosagens de LPS, TNF- ±, IL-6 e Adiponectina serão realizadas para determinar possíveis alterações dos parâmetros inflamatórios pela diversidade da microbiota e após a cirurgia bariátrica. Espera-se que existam diferenças entre os grupos de indivíduos quanto à sua microbiota intestinal e aos parâmetros metabólicos. Além disso, acredita-se que a cirurgia gastro-redutora possa modular esses parâmetros, pela diversidade da microbiota intestinal. (AU)

Avaliação da apnéia do sono e aspectos morfofuncionais em pacientes com pericardite constritiva submetidos à pericardiectomia

Beneficiário:Fabio Fernandes
Instituição: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fabio Fernandes
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/10819-4
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):CardiologiaInsuficiência cardíacaPericardiectomiaPericardite constritivaApneia do sono
Resumo
A pericardite constritiva é consequência da inflamação crônica do pericárdio, que se torna espessado e calcificado, levando a disfunção diastólica e sistólica. As alterações fisiopatológicas desta entidade envolvem restrição ao enchimento ventricular, interdependência ventricular e baixo débito cardíaco. Como resultado, ocorre síndrome clínica de insuficiência cardíaca com predomínio à direita, marcada dispnéia aos esforços e em geral pouca congestão pulmonar. Estudos prévios sugerem quena pericardite constritiva ocorre elevação dos níveis séricos de NT-pro-BNP, cortisol, norepinefrina e atividade de renina plasmática com ativação neuro-humoral e do sistema nervoso simpático de maneira similar às outras etiologias de insuficiência cardíaca. Entretanto, não há na literatura estudos correlacionando a pericardite constritiva e apnéia do sono. A relação entre os distúrbios do sono e insuficiência cardíaca está bem estabelecida na literatura. Embora os processos fisiopatológicos ainda sejam pouco conhecidos, postula-se quea presença do edema de vias aéreas superiores, hiperventilação, congestão pulmonar com pressão capilar pulmonar aumentada, atraso da circulação cardiopulmonar e hiperativação do sistema nervoso simpático se correlacionam com os distúrbios do sono. Sendo a pericardite constritiva uma causa potencialmente reversível de insuficiência cardíaca, acreditamos que o presente estudo pode contribuir para a melhor compreensão da relação entre as alterações hemodinâmicas cardíacas e os distúrbios do sono, permitindo surgimento de novas linhas de pesquisa. Objetivos: O objetivo principal é avaliar pela polissonografia o índice apnéia/hipopnéia pré e seis meses após a pericardiectomia e correlacionar com medidas ecocardiográficas de função sistólica, diastólica e níveis de BNP. Como objetivo secundário avaliaremos a função cardiopulmonar e atividade simpática pré e pós procedimento. Metodologia: Serão estudados 15 pacientes com pericardite constritiva e indicação de cirurgia de pericardiectomia acompanhados na Unidade Clínica de Miocardiopatias do Instituto do Coração - HC/ FMUSP. Serão realizados os seguintes exames: dosagem sérica de BNP, polissonografia, ergoespirometria, ecocardiograma transtorácico e microneurografia pré e pós pericardiectomia. Análise dos dados e disseminação: após a coleta de dados, será realizada análise estatística e os resultados serão publicados em congressos e revistas indexadas. (AU)

Estudo citológico da mucosa bucal de portadores do vírus HIV

Beneficiário:Janete Dias Almeida
Instituição: Instituto de Ciência e Tecnologia (ICT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José dos Campos. São José dos Campos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Janete Dias Almeida
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Clínica Odontológica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/05062-1
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):Patologia bucalAIDSHIVMucosa bucalBiologia celularMorfometria
Resumo
A síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) é uma doença infecto-contagiosa causada pelo vírus HIV, que é capaz de induzir alterações morfométricas e citológicas em células epiteliais escamosas bucais. Objetivo: Avaliar as alterações causadas pela infecção pelo HIV na mucosa bucal através da comparação da análise da atividade inflamatória, maturação celular e alterações citomorfométricas de células da mucosa bucal de pacientes HIV+ e pacientes não portadores do vírus, para tentar estabelecer uma relação com alterações iniciais da carcinogênese bucal. Material e Método: Serão avaliados 30 indivíduos HIV+ que se encontram em tratamento no ambulatório de infectologia do Hospital Heliópolis São Paulo e 30 indivíduos não portadores do vírus HIV em tratamento no ambulatório da Disciplina de Propedêutica Estomatológica da Faculdade de Odontologia de São José dos Campos FOSJC-UNESP. Serão realizados 04 esfregaços do bordo lateral da língua e do assoalho bucal com cytobrush. Destes, 02 serão submetidos à coloração de Papanicolaou e 02 processados pelo método de Feulgen. A análise será realizada em microscopia comum para Papanicolaou e através da aferição da área nuclear (NA) e citoplasmática (CA) através do programa Axion Vison 4.7 Carl Zeiss. Os dados obtidos, se paramétricos receberão o tratamento estatístico do teste-t de Student para amostras simples e ANOVA, e se não paramétricos serão tratados pelo teste de Kruskall Wallis. Avaliar as alterações causadas pela infecção pelo HIV na mucosa bucal através da comparação da análise da atividade inflamatória, maturação celular, presença de micronúcleos (MN) e alterações citomorfométricas de células da mucosa bucal de pacientes HIV+ e pacientes não portadores do vírus, para tentar estabelecer uma relação com alterações iniciais da carcinogênese bucal. Material e Método: Serão avaliados 30 indivíduos HIV+ que se encontram em tratamento no ambulatório de infectologia do Hospital Heliópolis - São Paulo e 30 indivíduos não portadores do vírus HIV em tratamento no ambulatório da Disciplina de Propedêutica Estomatológica da Faculdade de Odontologia de São José dos Campos FOSJC-UNESP. Serão realizados 04 esfregaços do bordo lateral da língua e do assoalho bucal com cytobrush. Destes, 02 serão submetidos à coloração de Papanicolaou e 02 processados pelo método de Feulgen. A análise será realizada em microscopia comum para Papanicolaou e pela aferição da área nuclear (NA) e citoplasmática (CA) através do programa Axion Vison 4.7 Carl Zeiss. Nos esfregaços corados por Feulgen será avaliada a presença de MN em, no mínimo, 1200 células. Os dados obtidos, se paramétricos receberão o tratamento estatístico do teste-t de Student para amostras simples e ANOVA, e se não paramétricos serão tratados pelo teste de Kruskall Wallis. (AU)

Avaliação da eficácia da eletroestimulação nervosa transcutânea no nervo tibial posterior e intravaginal como opção de tratamento da dor em mulheres com dor pélvica crônica

Beneficiário:Eduardo Schor
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eduardo Schor
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/03828-7
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):Clínica médicaGinecologiaDor pélvicaNervo tibialEstimulação elétrica nervosa transcutâneaFisioterapiaPlacebos
Resumo
Dor pélvica crônica (DPC) é uma síndrome caracterizada por dor em hipogástrio ou pelve, com duração de pelo menos seis meses. Existem diversos recursos conservadores para o tratamento da dor pélvica crônica. Entre eles os medicamentosos com emprego de antiinflamatórios não hormonais, anticoncepcionais orais e injetáveis, analgésicos, além de fitoterápicos. O tratamento conservador não medicamentoso pode ser proposto, uma vez que é livre de efeitos colaterais, e baixo risco de intolerância. Entre eles destacam-se a acupuntura e a fisioterapia com recursos como eletroterapia, termoterapia, crioterapia, liberação miofascial e cinesioterapia. Na eletroterapia a eletroestimulação nervosa transcutânea (TENS) é uma técnica amplamente utilizada nos tratamentos dolorosos, principalmente por se tratar de uma corrente indolor. Os eletrodos podem ser posicionados próximos a região da queixa, ou na sua segmentação nervosa. Objetivo: Avaliar a eficácia da eletroestimulação nervosa transcutânea em pacientes com dor pélvica e comparar a eficácia da aplicação da corrente intravaginal e no nervo tibial posterior em mulheres com dor pélvica crônica. Método: Serão tratadas 80 mulheres com DPC, randomizadas em 4 grupos: grupo de eletroestimulação intravaginal, grupo de eletroestimulação intravaginal placebo, grupo de eletroestimulação do nervo tibial posterior e grupo de eletroestimulação do nervo tibial posterior placebo. As mulheres serão submetidas a 10 sessões de eletroterapia intravaginal ou no nervo tibial posterior por 30 minutos cada sessão. Todas as mulheres responderão a questionários específicos de dor antes, durante e após as 10 sessões, e 30 dias após o tratamento. (AU)

Comparação do perfil metabólico, características de receptores muscarínicos no hipocampo e funcionalidade de Ilhotas de Langerhans sob efeito da exenatida em modelos experimentais de obesidade e diabetes melito no rato

Beneficiário:Paulo Flávio Silveira
Instituição: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Paulo Flávio Silveira
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia Comparada
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/12105-9
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):Síndrome X metabólicaHipocampoReceptores muscarínicos
Resumo
A síndrome metabólica é estreitamente relacionada com o diabetes melito tipo 2, a obesidade e processos neurodegenerativos, constituindo um grave problema de saúde pública. Por sua vez, receptores muscarínicos no hipocampo participam decisivamente da modulação de funções cognitivas, aprendizado e memória, as quais são comprometidas em processos neurodegenerativos. Dentre os recursos farmacológicos mais recentes para o diabetes melito tipo 2 está a exenatida, desenvolvida a partir de peptídeo isolado do veneno do monstro de Gila (Heloderma suspectum), e que apresenta ação agonista do receptor do hormônio peptídico glucagon-símile tipo 1 e é resistente à hidrólise pela dipeptidil-peptidase IV. Há evidências de que este fármaco também seja eficaz na redução da ingestão de alimento e do peso corporal e na melhora da performance de aprendizado e memória. Todavia, não estão completamente caracterizadas suas ações diferenciais sobre o perfil metabólico e não há dados de sua influência sobre receptores muscarínicos em modelos animais de diabetes melito tipo 2 e de obesidade induzida por excitotoxicidade central e dieta hipercalórica. Tal caracterização contribuiria para a descoberta de novos mecanismos relacionados à etiologia da obesidade e para a prevenção e tratamento do diabetes melito e de processos neurodegenerativos em humanos. Com estes objetivos, o presente projeto irá comparar estes modelos quanto a mecanismos pós-sinápticos (afinidade, densidade e subtipos) de receptores muscarínicos no hipocampo, capacidade de secreção de insulina e glucagon e viabilidade de ilhotas de Langerhans isoladas, ingestão de alimento e água, temperatura corporal, atividade locomotora, comprimento naso-anal, massa corporal e adiposidade, bem como hematócrito e teores de hemoglobina glicada no sangue, e de osmolalidade, triglicérides, colesterol (total, HDL, LDL e VLDL), glicose, proteína C-reativa e proteína total no plasma, e quanto aos efeitos da exenatida sobre todos estes parâmetros. (AU)

Investigação de alterações moleculares em neoplasias mielóides

Beneficiário:Fabíola Traina
Instituição: Centro de Hematologia e Hemoterapia (HEMOCENTRO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fabíola Traina
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/09982-8
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):HematologiaMetilação
Resumo
A Organização Mundial de Saúde distingue quatro grupos de neoplasias mieloides: neoplasias mieloproliferativas crônicas (NMP), síndromes mielodisplásicas (SMD), NMP/SMD e leucemia mieloide aguda (LMA). NMP e SMD podem evoluir para LMA, grupo de doenças caracterizadas pela expansão clonal de blastos mieloides e alta mortalidade. O conceito de drogas que atuam nas células neoplásicas e preservam a célula normal é atraente e existem muitos potenciais alvos a serem estudados. Recentemente, um conjunto de dados tem mostrado que a presença de alterações citogenéticas fornece dados prognósticos e pode apresentar implicações terapêuticas em neoplasias mieloides. Além disso, alterações epigenéticas causam impacto significativo na estrutura da cromatina e na atividade transcricional, podendo regular e modular o processo neoplásico. Proteínas sabidamente envolvidas em outras neoplasias ou em importantes vias de sinalização celular também podem participar da fisiopatologia das neoplasias mieloides. Estudos investigando as consequências clínicas e biológicas de cada alteração molecular são fundamentais para o melhor entendimento da biologia dessas doenças, identificação de marcadores prognósticos, preditores de resposta a drogas e novos alvos terapêuticos. Nosso objetivo consiste em elucidar a função de proteínas específicas, através do silenciamento de expressão protéica, no processo neoplásico e na resposta a drogas específicas em neoplasias mieloides, em particular, o estudo de TET2, DNMT3A e proteínas IRS. Em paralelo, é objetivo desse projeto a investigação de mutações de genes possivelmente implicadas nas neoplasias mieloides e a correlação clinica dessas alterações moleculares. (AU)

Estudo dos efeitos da suplementação do selênio em crianças portadoras de leucemia e tumores sólidos através da técnica de varredura Z

Beneficiário:Sarah Isabel Pinto Monteiro do Nascimento Alves
Instituição: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sarah Isabel Pinto Monteiro do Nascimento Alves
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Física - Física da Matéria Condensada
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/13871-7
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):NeoplasiasCriançasSelênioÓptica
Resumo
Dentre as diversas técnicas de óptica não linear, destaca-se a técnica de varredura Z como uma ferramenta promissora na análise de processos de estresse oxidativo de lipoproteínas humanas.O uso dessa técnica permitirá avaliar a dislipidemia em crianças portadoras de leucemias e tumores sólidos após a suplementação de selênio. Pacientes oncológicos apresentam diversas alterações metabólicas, tais como: aumento da oxidação lipídica dos ácidos graxos livres, inibição da lipoproteína lípase, aumento nos níveis de triacilglicerol, LDL, causando uma perda na qualidade de vida. Estudos recentes demonstram a importância do selênio no controle das alterações metabólicas e imunológicas observada em pacientes com síndrome metabólica e sepse, e que a ingestão do selênio é capaz de provocar o controle de alterações metabólicas.Estudos preliminares realizados pelo nosso grupo verificaram que as crianças quando suplementadas com selênio em um período de 28 dias mostram melhoras sensíveis em relação aos efeitos adversos do tratamento sistêmico/quimioterápico. Parâmetros como fadiga, apetite e náuseas foram minimizados e ainda se verificou diminuição das enzimas hepáticas e imunoglobulinas.O perfil interdisciplinar do projeto permitirá implantar a técnica de varredura Z no Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas da Universidade Federal de São Paulo - Campus Diadema, estreitando assim os conceitos físicos com as análises clínicas e toxicológicas e de aplicabilidade ao paciente. (AU)

Efeito da pst (pulsed signal therapy) na cartilagem patelar:estudo prospectivo randomizado

Beneficiário:Gilberto Luís Camanho
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Gilberto Luís Camanho
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/50167-6
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):ArtriteCartilagem articularJoelhoOsteoartriteTerapia de campo magnético
Resumo
A terapia de sinais pulsáteis (pulsed signal therapy - PST) consiste em aplicação de campos magnéticos em pulsos direcionada aos ossos e tecidos moles. Campos eletromagnéticos pulsáteis são utilizados desde os anos 70 como método alternativo do tratamento para pseudartroses com relatos de resultados satisfatórios em vários paises. O efeito físico da PST em diferentes tecidos já foi foco de investigação em vários estudos, sendo o tecido mais estudado o cartilaginoso, no qual mostrou um aumento da síntese de proteoglicanos e colágeno in vitro. A PST vem sendo utilizada no tratamento de diversas patologias entre elas: osteoartrose, sindromes dolorosas da coluna, tendinopatias, lesões esportivas e como coadjuvante em doenças reumáticas. Recentemente houveram muitos avanços na análise por imagem da cartilagem articular, sendo um deles a ressonância nuclear magnética com mapa T2. Desta forma, propomos um estudo randomizado, controlado e duplo cego para avaliar de forma objetiva o efeito da PST na cartilagem da patela de pacientes com síndrome patelo-femoral. (AU)

Avaliação da dificuldade de adaptação de CPAP nos pacientes com síndrome da apnéia obstrutiva do sono através de exame de sonoendoscopia

Beneficiário:Fabiana Cardoso Pereira Valera
Instituição: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP (HCRP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fabiana Cardoso Pereira Valera
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/10006-3
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Resumo
A síndrome da apnéia obstrutiva do sono ( SAOS ) é causada por repetidas obstruções nas vias aéreas durante o sono. O tratamento clínico considerado como padrão ouro é o uso de aparelhos de pressão positiva contínua em vias aéreas (CPAP). Entretanto, há relatos de pacientes que não conseguem se adaptar ao uso deste aparelho devido às queixas de sufocamento ou vazamento de máscara, mesmo em condições técnicas e de pressão ideais.O objetivo deste estudo é identificar, através de exame de sonoendoscopia durante o uso de CPAP, fatores anatômicos que interfiram no sucesso do tratamento. (AU)

Transplante hepático "large-for-size" porcino com manipulação do fluxo venoso portal: um estudo hemodinâmico, histológico e biomolecular

Beneficiário:Ana Cristina Aoun Tannuri
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Cristina Aoun Tannuri
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/13020-7
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Resumo
O transplante hepático pediátrico é considerado uma modalidade terapêutica já consolidada para o tratamento de hepatopatias progressivas e não passíveis de tratamento clínico. Com o avanço técnico dos transplantes hepáticos houve um aumento cada vez maior no número de crianças transplantadas de fígado com peso menor que 10kg. O tamanho ideal do fígado para um determinado receptor cirrótico varia entre 0,8 a 4% do seu peso corpóreo. Quando se realiza o transplante hepático com enxerto de peso maior que 5% do peso corpóreo do receptor ocorre uma situação denominada de "large-for-size", que aumenta a chance de complicações como síndrome compartimental abdominal, hipofluxo portal e maior probabilidade de disfunção ou não funcionamento do enxerto1-3.Durante o transplante hepático o enxerto retirado do doador sofre agravo celular, molecular e bioquímico decorrente e proporcional ao tempo e ao tipo de isquemia. Quando restabelecido o fluxo sanguíneo hepático após o implante do enxerto no receptor uma cadeia de eventos se segue mediados a princípio pela célula de Kupffer e posteriormente mantido por um intrincado mecanismo que envolve lesão endotelial, apoptose celular e agravo ao parênquima hepático por espécies reativas de oxigênio e má perfusão da microvasculatura hepática. O óxido nítrico como molécula vasodilatadora e as endotelinas como vasoconstrictoras possuem um papel fundamental na intensidade dessa lesão que é denominada de isquemia/reperfusão.Ao longo do tempo vários fatores tem sido estudados como prognósticos a longo prazo da viabilidade do enxerto e do resultado clínico após o transplante hepático. A capacidade do fígado em captar oxigênio, em produzir glicose e em manter suas funções metabólicas imediatamente após a reperfusão tem se mostrado viáveis como preditores deste resultado. Como condição indispensável para o bom funcionamento do enxerto também podemos incluir as condições hemodinâmicas do receptor e a capacidade deste organismo em manter a homeostase após o agravo cirúrgico e anestésico.No presente estudo utilizaremos um modelo em porcos de transplante hepático dividindo-os em três grupos distintos. No primeiro realizaremos transplantes entre animais de peso semelhante, no segundo utilizaremos doadores com o dobro do tamanho dos receptores e no terceiro iremos realizar uma manipulação técnica de forma a aumentar o fluxo sanguíneo portal. Durante o transplante implantaremos cateteres na veia porta e veia hepática e fluxômetro perivascular na artéria hepática e veia porta com intuito de monitorizar a hemodinâmica do enxerto após o transplante. Para isso iremos medir a resistência vascular hepática, a oferta e captação de O2 pelo enxerto e a capacidade do órgão recém implantado em produzir glicose. Iremos inferir através da quantidade de lactato liberada pelo fígado a quantidade do seu metabolismo anaeróbio. Posteriormente serão realizadas biópsias hepáticas que serão submetidas a analise histológica, imunohistoquímica e molecular com intuito de quantificar a lesão de isquemia e reperfusão.O presente estudo possui por finalidade aumentar o conhecimento a respeito dos fluxos vasculares hepáticos em um modelo de transplante hepático porcino "large-for-size", sua relação com aumento da lesão de isquemia e reperfusão hepática. E através da avaliação fluxométrica, bioquímica, histológica e molecular quantificar e identificar os fatores relacionados a melhora ou piora da lesão isquemia/reperfusão. E, após manipulação técnica, avaliar essas mesmas alterações em um estado de melhor fluxo portal (enxerto venoso porto-caval em "H"). (AU)

Efeito agudo do exercício físico sobre as vias moleculares no músculo esquelético em pacientes portadoras da síndrome dos ovários policísticos

Beneficiário:Bruno Gualano
Instituição: Escola de Educação Física e Esporte (EEFE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Bruno Gualano
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/14650-4
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):Músculo esqueléticoExercício físico
Resumo
A síndrome dos ovários policísticos (SOP) é um distúrbio hormonal complexo caracterizado pela anovulação crônica hiperandrogênica, com repercussões na esfera reprodutiva, estética, metabólica e oncológica, afetando de 5 a 10% das mulheres na idade reprodutiva. A hiperinsulinemia e a resistência à insulina são frequentemente descritas em pacientes portadoras de SOP, independentemente da massa corporal, embora tais condições sejam indubitavelmente mais prevalentes na presença de obesidade. Um recente estudo demonstrou que um programa de treinamento físico de alta intensidade resultou em aumento da sensibilidade à insulina em pacientes obesas com SOP. Contudo, o exercício físico não foi capaz de reverter completamente a resistência à insulina, sugerindo uma resposta parcial ao estímulo do treinamento físico nessa população. Dessa forma, novas investigações podem elucidar os mecanismos moleculares pelos quais o exercício físico estimula (ou deixa de estimular) a captação de glicose na SOP. A compreensão dos mecanismos moleculares associados à resistência à insulina em pacientes com SOP pode ser considerada como de vital importância para o desenvolvimento de estratégias terapêuticas (drogas ou exercício) dedicadas ao tratamento da síndrome. Nesse contexto, o exercício físico agudo emerge como excelente modelo de investigação, tendo em vista que as adaptações crônicas ao treinamento físico regular parecem ser o resultado da somatória de estímulos agudos e repetidos de diversas sessões individuais de treinamento. O objetivo principal deste projeto será investigar o efeito do exercício agudo sobre as vias de sinalização que promovem a captação de glicose no músculo esquelético em mulheres portadoras da SOP. As pacientes selecionadas serão submetidas a um teste ergoespirométrico máximo em esteira rolante com o intuito de estabelecer parâmetros para prescrição do exercício agudo. Na semana seguinte, as voluntárias serão submetidas a uma biópsia muscular em repouso. Em seguida, farão um teste em esteira de intensidade moderada e, imediatamente após o exercício, serão submetidas a uma nova biópsia muscular. Um grupo de mulheres saudáveis pareadas por IMC, idade e VO2max realizarão o mesmo protocolo acima descrito, como amostra para o grupo controle. As amostras musculares serão utilizadas para análise proteínas envolvidos na captação de glicose, a saber: PI3-k, fosfo-IR, fosfo-IRS-1, fosfo-IRS-2, fosfo-AMPK, fosfo-AKT, GLUT-4 total e membranar. (AU)

A avaliação comparativa da dopamina e noradrenalina para o tratamento de hipotensão em cães em sepse por meio da imagem espectral ortogonal polarizada da mucosa sublingual e intestinal

Beneficiário:Denise Tabacchi Fantoni
Instituição: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Denise Tabacchi Fantoni
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/07990-3
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):AnestesiologiaHipotensãoNoradrenalinaDopaminaMicrocirculaçãoSepse
Resumo
A sepse é uma síndrome clínica definida pela invasão de microorganismos ou de suas toxinas na circulação sanguínea ocasionando alterações hemodinâmicas que promovem hipoperfusão, disfunção orgânica e hipotensão responsiva ou não, à ressuscitação volêmica. Utiliza-se como tratamento inicial a reposição volêmica precoce no paciente séptico com o objetivo de se restabelecer a pressão arterial e conseqüentemente a perfusão tecidual. Os pacientes não responsivos a expansão volêmica usualmente são tratados com medicações vasoativas. O emprego desses fármacos tais como noradrenalina e dopamina, nessa situação tornam-se imprescindíveis, porém, o fato de restaurarem a pressão arterial pode comprometer a microcirculação. Os parâmetros que avaliam a microcirculação muitas vezes são capazes de prever mais precisamente o desenvolvimento de disfunção orgânica e a morte do que os parâmetros hemodinâmicos tradicionais, pois em muitas situações não refletem a diminuição do fluxo nessa região tampouco a hipóxia tecidual. Recentemente a técnica de imagem espectral obtida por meio da polarização ortogonal (OPS), foi desenvolvida permitindo a avaliação in vivo de forma transcutânea em tempo real e sem a necessidade de qualquer tipo de método invasivo da microcirculação. Assim sendo, o presente projeto tem por objetivo avaliar comparativamente a dopamina e efedrina no tratamento da sepse em cães por meio do OPS e de variáveis hemodinâmicas, bem como sobre parâmetros de oxigenação e ventilação. Para tanto serão utilizados 30 cães em sepse grave, com no mínimo duas variáveis da resposta inflamatória sistêmica e no mínimo uma variável de disfunção orgânica na avaliação inicial. Será realizada a ressuscitação volêmica inicial com 15ml/kg em 15 minutos de solução de Ringer com lactato. Caso a pressão arterial média não assumir valores superiores a 65 mmHg e a pressão venosa central valores superiores a 8 mmHg os animais serão divididos em dois grupos. O Grupo Dopamina receberá inicialmente 5 mcg/kg/min de dopamina, podendo ter o incremento de 2 mcg/kg/min na dose inicial a cada 5 minutos com o objetivo até se atingir o nível pressórico estipulado. O Grupo Noradrenalina receberá inicialmente 0,05 mcg/kg/min noradrenalina, podendo ter o incremento 0,02 mcg/kg/min da dose inicial com o mesmo objetivo. Os parâmetros de valores de densidade e fluxo encontrados com o OPS, dados hemodinâmicos e de ventilação nos dois grupos serão confrontados, buscando o melhor tratamento. (AU)

Estudo dos efeitos do uso crônico da tadalafila, independentemente e comparativamente à Sildenafila, em portadores de hipertensão arterial pulmonar associada a cardiopatias congênitas em sua forma mais avançada (Síndrome de Eisenmenger)

Beneficiário:Antonio Augusto Barbosa Lopes
Instituição: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Antonio Augusto Barbosa Lopes
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/10739-0
Vigência: 01 de setembro de 2012 - 31 de agosto de 2014
Assunto(s):CardiologiaCardiopatias congênitasHipertensão pulmonarComplexo de Eisenmenger
Resumo
A sildenafila (20 mg três vezes ao dia) e a tadalafila (40 mg dose única diária) são inibidores de fosfodiesterase-5 de uso oral aprovados para o tratamento da hipertensão arterial pulmonar (HAP), não havendo estudos comparativos entre ambos. O presente projeto tem como objetivo conduzir um estudo comparativo randomizado, de seis meses de duração, em portadores de HAP avançada associada a cardiopatias congênitas (síndrome de Eisenmenger). Serão analisados, o desempenho físico, através do teste de caminhada de seis minutos e oximetria de pulso, além da aplicação de questionário de qualidade de vida. Além disso, será avaliado o impacto das terapias mencionadas sobre o grau de disfunção endotelial e plaquetária, avaliado através dos níveis circulantes de von Willebrand, ativador tecidual do plasminogênio, trombomodulina, selectina-P, beta-tromboglobulina e a proteína CD-40L solúvel. (AU)

Evolução das alterações no metabolismo energético cerebral ao longo de diferentes estágios do transtorno bipolar

Beneficiário:Elisa Brietzke
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elisa Brietzke
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/11428-9
Vigência: 01 de setembro de 2012 - 31 de agosto de 2014
Assunto(s):Transtornos do humorMetabolismoTranstorno bipolar
Resumo
Introdução: Alterações metabólicas são comuns em pacientes com Transtorno Bipolar (TB), levando a uma alta prevalência de diabetes e síndrome metabólica nessa população. Diversos sistemas neurobiológicos relacionados ao metabolismo energético já foram demonstrados estar alterados no TB. Teorias recentes postulam que o cérebro prioriza seu próprio suprimento de energia, modulando o metabolismo periférico através de regulação da alocação e ingestão de nutrientes. Hipótese: As alterações metabólicas observadas no TB são resultado de uma regulação ineficiente do suprimento energético cerebral e de suas respostas compensatórias.Objetivos: Investigar o metabolismo energético de pacientes portadores de TB ao longo da evolução da doença.Metodologia: Estudo de caso-controle comparando 3 grupos: 30 pacientes portadores de TB com menos de 5 anos de doença, 30 portadores de TB com mais de 10 anos de doença e 30 voluntários saudáveis. Todos os sujeitos serão submetidos à entrevista psiquiátrica padronizada, a coleta de sangue para análise de marcadores de neuroplasticidade, função astrocitária, metabolismo da glicose, estresse oxidativo, resposta ao estresse, lipídios e hormônios regulatórios.Importância Clínica: O estudo proposto é o primeiro a envolver uma plataforma abrangente e integrada de avaliação do metabolismo energético nos pacientes com TB. Caso sejam observadas diferenças entre os grupos, esse estudo abre caminho para novas pesquisar sobre a fisiopatologia do TB e o desenvolvimento de novas e mais eficazes estratégias terapêuticas. (AU)

Análise da citotoxicidade de instrumentos cirúrgicos com lúmen após enxágue com diferentes qualidades de água

Beneficiário:Kazuko Uchikawa Graziano
Instituição: Escola de Enfermagem (EE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Kazuko Uchikawa Graziano
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Enfermagem - Enfermagem Médico-cirúrgica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/13135-9
Vigência: 01 de setembro de 2012 - 31 de agosto de 2014
Assunto(s):Instrumentos cirúrgicosEsterilização de instrumentos cirúrgicosCitotoxicidadeQualidade da água
Resumo
O Centro de Material e Esterilização (CME) deve garantir a remoção completa de contaminantes orgânicos e inorgânicos dos materiais críticos, por meio do enxágue abundante com água de qualidade. Além disso, o controle de qualidade da água do enxágue é fundamental para prevenção de síndromes tóxicas do segmento anterior ocular. Entretanto, no cotidiano dos CMEs brasileiros, o enxágue dos materiais é comumente realizado com água de torneira e, de forma geral, pouca importância é dada ao enxágue e ao tipo de água utilizada, levantando dúvidas quanto à segurança das práticas atualmente realizadas, uma vez que este procedimento contraria as recomendações de organizações internacionais. Desta forma, esta pesquisa tem como objetivo avaliar a citotoxicidade de materiais após contaminação intencional e limpeza automatizada com enxágue em diferentes qualidades de água, além de determinar a qualidade da água (de torneira, destilada, deionizada, osmose reversa e ultrapura) que produz o menor efeito citotóxico em monocamadas de células NCTC Clone 929. Os resultados trarão evidências fortes sobre a forma mais segura de realizar o enxágue de materiais críticos, com consequente prevenção de síndromes tóxicas, contribuindo para uma assistência segura e de qualidade. (AU)

Identificação e farmacodinâmica de frações NEUROFACILITADORAS da Casearia Sylvestris SW. na junção neuromuscular

Beneficiário:Yoko Oshima Franco
Instituição: Pró-Reitoria Acadêmica. Universidade de Sorocaba (UNISO). Sorocaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Yoko Oshima Franco
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Autonômica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/08271-0
Vigência: 01 de setembro de 2012 - 31 de agosto de 2014
Assunto(s):Farmacodinâmica
Resumo
Em que pesem as inúmeras potencialidades medicinais já relatadas ao óleo essencial e aos extratos oriundos de diversas partes da planta Casearia sylvestris, e principalmente porque ressalvas quanto à sua toxicidade têm sido descritas em situações específicas, os objetivos deste projeto são identificar farmacologicamente o efeito facilitatório em frações orgânicas de diferentes polaridades obtidas de folhas de C. sylvestris, bem como a farmacodinâmica desse efeito. A premissa que sustenta esta pesquisa vem da comprovação em estudos prévios, de que extratos tanto aquoso quanto hidroalcoólico de C. sylvestris expressaram significativo efeito facilitatório, dose-dependente, em modelo nervo frênico-diafragma de camundongos. Em continuidade, o fracionamento do extrato hidroalcoólico de C. sylvestris permitirá identificar quais das frações obtidas expressarão tal efeito farmacológico, para posterior estudo farmacodinâmico. O benefício clínico na busca de novos agentes facilitadores é amplo. Dependendo da sua farmacodinâmica, sob o parâmetro da junção neuromuscular, pode-se pensar em aplicações nas doenças neuromusculares que causam paralisia, como as síndromes miastênicas e a Myasthenia gravis; como adjuvantes ao tratamento de envenenamentos causados por toxina botulínica e pela tetrodotoxina; como reativadores neuromusculares após o uso em atos cirúrgicos de bloqueadores adespolarizantes; nas doenças pulmonares obstrutivas crônicas, para citar alguns exemplos. Se esta pretensão for atingida com uma substância de origem natural e com uma planta que tem sido extensivamente estudada sob tantas abordagens como a Casearia sylvestris, o ganho científico será maior. (AU)

Prevalência de tireoidite crônica autoimune em mulheres com síndrome de ovários policísticos

Beneficiário:Cássia Raquel Teatin Juliato
Instituição: Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM). Hospital da Mulher Professor Doutor José Aristodemo Pinotti. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Cássia Raquel Teatin Juliato
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/09288-4
Vigência: 01 de setembro de 2012 - 31 de agosto de 2014
Assunto(s):GinecologiaAnticorposObesidade
Resumo
A síndrome dos ovários policísticos (SOP) é uma doença que acomete cerca de 7% das mulheres em idade reprodutiva. Está associada a diversos distúrbios metabólicos, dentre eles a resistência insulínica (RI) e a síndrome metabólica (SM). A resistência insulínica, por sua vez, está intimamente relacionada a disfunções tireoidianas (hipotireoidismo clínico e subclínico), como alguns estudos têm mostrado. Recentemente, começou-se a estudar a relação entre SOP e distúrbios da tireoide e já há trabalhos apontando maior ocorrência de tireoidite crônica autoimune em mulheres com diagnóstico de SOP. Entretanto, esses estudos ainda são escassos. Esse projeto pretende avaliar a prevalência de tireoidite crônica autoimune em indivíduos com SOP, sua equivalência ecográfica, bem como comparar esses achados em mulheres com e sem SOPSujeitos e métodos: será realizado um estudo de corte transversal com avaliação clínica, coleta de dados em prontuário, coleta de exames sanguíneos, avaliação ecográfica tireoidiana de pacientes atendidas no ambulatório de ginecologia endócrina e de planejamento familiar do Departamento de Tocoginecologia, Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas. Esses dados serão transferidos para fichas de coleta próprias do estudo. Análise estatística: o tamanho amostral foi calculado em 130 sujeitos. Serão feitos cálculos de prevalência simples e Odds Ratio, para compará-las. Num segundo momento, para compararmos os níveis séricos de TSH, com os achados de anticorpos antitireoidianos e alterações ultrassonográficas da tireoide, aplicaremos o teste de Shapiro. A partir da conformação dos dados (se paramétricos ou não), utilizaremos o teste T de Student ou o teste de Kruskal Wallis. (AU)

Determinação do perfil lipídico do líquido folicular e plasma sanguíneo de mulheres com e sem síndrome dos ovários policísticos submetidas ao tratamento de fertilização in vitro

Beneficiário:Edson Guimarães Lo Turco
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Edson Guimarães Lo Turco
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/06389-4
Vigência: 01 de agosto de 2012 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):Técnicas reprodutivasSíndrome do ovário policísticoLipídeosEspectrometria de massas
Resumo
A Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP) é um transtorno endócrino metabólico comum que afeta mulheres em idade reprodutiva. Caracteriza-se por ser heterogênea e, dentre as características, destaca-se menor potencial reprodutivo natural nestas mulheres. Apesar dos avanços no conhecimento da SOP, a etiopatogênese da síndrome não está bem estabelecida bem como o seu diagnóstico não é eficaz. Neste projeto serão obtidas amostras de plasma sanguíneo e líquido folicular de pacientes com e sem SOP submetidas à Fertilização in vitro (FIV) no Setor de Reprodução Humana da Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP. No primeiro momento o material será submetido ao protocolo de extração de lipídios e o perfil lipídico obtido pela técnica de Matrix Assisted Laser Disorption Ionization (MALDI) bem como por Electrospray (ESI). Desta forma, por se tratar do microambiente que circunda o oócito, o Líquido Folicular ovariano (LF) é um bom material para pesquisa. O uso de novas técnicas à procura da identificação de biomarcadores lipídicos no líquido folicular e sangue periférico de pacientes com SOP é de extrema relevância para a medicina reprodutiva, pois pode auxiliar em possíveis diagnósticos e melhorar a conduta terapêutica. (AU)

Avaliação da resposta inflamatória e metabólica em cadelas acometidas por piometra

Beneficiário:Silvia Renata Gaido Cortopassi
Instituição: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Silvia Renata Gaido Cortopassi
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/00272-8
Vigência: 01 de agosto de 2012 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):PiometraCadelasResposta inflamatória
Resumo
A piometra canina é uma infecção bacteriana que acomete o útero de cadelas sexualmente maduras e atinge um quarto dos animais inteiros antes dos dez anos de idade. A infecção uterina gera a síndrome clínica conhecida como sepse e concomitante a síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SIRS). Quando não tratada adequadamente ocorre a progressão da doença para estágios mais graves como a sepse grave, condição responsável pela disfunção de um ou mais órgãos e o choque séptico caracterizado por insuficiência circulatória aguda e hipotensão arterial persistente à reposição volêmica. Algumas condições influenciam diretamente a gravidade como a predisposição, o tipo de insulto, a resposta do hospedeiro ao insulto infeccioso, os biomarcadores de inflamação, as medidas de resposta do hospedeiro e a disfunção de órgãos que ocorre secundário à infecção. O adequado reconhecimento da gravidade do caso é fator determinante no prognóstico, diminuição no tempo de internação, custo do tratamento e sobre vida dos pacientes. Muitos estudos têm demonstrado que a conduta terapêutica não dever ser baseada apenas em avaliações clínicas e rotineiras como a freqüência cardíaca, pressão arterial, coloração de mucosas e débito urinário, sendo necessário obter variáveis de oxigenação e perfusão tecidual, prova de resposta inflamatória, lactato, bem como os níveis séricos de TNF-±, IL-1 e IL-6. A hipótese é que o TNF-±, IL-1 e IL-6 afetam de diferentes formas o metabolismo de animais acometidos por infecção bacteriana, desta forma favorecendo que os animais desenvolvam o choque séptico. Para tal, um estudo que monitore as concentrações plasmáticas das citocinas e da proteína C reativa em diferentes animais da espécie canina é de grande valia para instituição adequada e precoce de terapia nos animais acometidos por piometra.Os resultados obtidos nos diferentes tempos serão confrontados estatisticamente por meio de provas paramétricas, empregando-se o método de comparações múltiplas, para análise de variância com medidas repetidas (ANOVA). (AU)

Estudo piloto para detecção neonatal da Síndrome de Turner

Beneficiário:Mylene Neves Rocha
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mylene Neves Rocha
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/01578-3
Vigência: 01 de agosto de 2012 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):Triagem neonatalSíndrome de TurnerAmplificação de genesCromossomo XReação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa quantitativa (qRT-PCR)Técnicas e procedimentos diagnósticos
Resumo
A síndrome de Turner (ST) é caracterizada citogeneticamente pela perda total ou parcial do segundo cromossomo sexual e atinge aproximadamente 1 em cada 2500 meninas nascidas vivas. O reconhecimento precoce da ST permite a terapia adequada para a baixa estatura e indução puberal na idade habitual. O diagnóstico neonatal permitiria ampliar a investigação para as malformações congênitas, minimizando ou evitando sequelas. Até o momento não existem métodos diagnósticos adequados com custo viável para a triagem neonatal em larga escala. Este estudo visa desenvolver um programa piloto utilizando metodologia molecular para a detecção neonatal da síndrome de Turner. Utilizando técnica de PCR em tempo real quantitativa para amplificação de gene localizado no cromossomo X (ARSE) presente em duas cópias em mulheres normais é possível identificar a redução numérica do cromossomo X e portanto diagnosticar a ST em DNA proveniente de amostras armazenadas em papel filtro. (AU)

Estudo prospectivo sobre características clínicas e agentes etiológicos da pneumonia adquirida na comunidade de pacientes infectados pelo HIV

Beneficiário:Anna Sara Shafferman Levin
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Anna Sara Shafferman Levin
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/03834-7
Vigência: 01 de agosto de 2012 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):InfectologiaAIDSHIVInfecções oportunistas relacionadas com a AIDSPneumoniaDiagnóstico clínico
Resumo
Os pulmões de indivíduos infectados pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) são frequentemente acometidos por infecções, em um estudo de necropsia aproximadamente 90% dos pacientes tinham algum acometimento pulmonar relacionado à síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). Poucos estudos investigaram sistematicamente a etiologia da pneumonia em pacientes infectados pelo HIV, já que a maioria dos investigadores focou seu trabalho em etiologias específicas, como as pneumonias bacterianas ou a pneumocistose (PCP). Há estudos da população geral que mostram diminuição da mortalidade de pacientes tratados em regime hospitalar com a combinação de beta-lactâmicos com macrolídeos quando comparados a outros regimes, mas um recente estudo brasileiro não mostrou benefícios dessa associação em um grupo de pacientes infectados pelo HIV. Tendo em vista que não há consenso sobre um algoritmo diagnóstico para pacientes com HIV que apresentam um quadro de pneumonia, que a freqüência de cada agente etiológico pode variar de acordo com a região geográfica em que nos encontramos e que existe uma controvérsia sobre a presença de agentes atípicos e portanto do uso de macrolídeos para o tratamento de pneumonia bacteriana nesta população foi idealizado este estudo para caracterizar melhor os episódios de pneumonia em nosso meio. Objetivo primário: Estudar prospectivamente pacientes infectados pelo HIV admitidos no hospital por um quadro de pneumonia através de diversas análises laboratoriais para determinar diagnóstico microbiológico. Métodos: Trata-se de um estudo prospectivo de adultos infectados pelo HIV hospitalizados por quadro de pneumonia adquirida na comunidade (PAC no Instituto de Infectologia Emílio Ribas (IIER). Serão coletados dados clínicos dos pacientes incluídos no estudo e estes serão submetidos a diversos exames em busca de um diagnóstico etiológico. Será realizada coleta de sangue na admissão para realização de hemograma, provas bioquímicas, hemoculturas, prova de aglutinação de látex para antígeno de Cryptococcus spp., e sorologias para Chlamydophila pneumoniae e Mycoplasma pneumoniae. Haverá também tentativa de coleta de escarro (simples ou induzido) ou outras amostras respiratórias (aspirado traqueal e lavado broncoalveolar) conforme indicação do médico assistente para realização de coloração de gram, pesquisa direta de Pneumocystis jirovecii e de bacilo álcool-ácido resistente (BAAR) e culturas. A primeira amostra respiratória obtida será submetida a PCR (Polimerase Chain Reaction) para pesquisa de Chlamydophila pneumoniae, Legionella pneumophilla e Mycoplasma pneumoniae, adenovírus e influenza A (inclui H1N1). Será coletada também uma amostra de urina para pesquisa de antígenos de Legionella pneumophila sorogrupo 1. Se houver indicação clínica para realização de biópsias, estas serão submetidas a estudos anatomopatológicos e microbiológicos. Os estudos microbiológicos incluem as colorações de Gram, Ziehl-Neelsen e coloração de prata de Gomori, assim como culturas. Outros exames para diagnóstico ou seguimento poderão ser solicitados a critério do médico assistente. (AU)

Efeito antioxidante dos aditivos fitogênicos e vitamina e sobre a saúde, imunocompetência, desempenho produtivo, qualidade e tempo de prateleira de ovos de galinhas poedeiras

Beneficiário:Christine Laganá
Instituição: Departamento de Descentralização do Desenvolvimento (APTA Regional). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Christine Laganá
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Nutrição e Alimentação Animal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/06059-4
Vigência: 01 de agosto de 2012 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):Aves poedeirasAditivos alimentares para animalAntioxidantesVitamina E
Resumo
Um experimento de 112 dias será realizado com o objetivo de avaliar o efeito antioxidante de níveis de curcumina e de vitamina E suplementar, acrescentados à dieta das aves, na imunocompetência, saúde, desempenho, qualidade de ovos, e no tempo de estocagem de ovos de poedeiras em pico de postura. Serão utilizadas 432 poedeiras comerciais brancas em pico de postura, distribuídas em delineamento inteiramente casualizado 4 x 3 (4 níveis de extrato de cúrcuma e 3 níveis de vitamina E) com 6 repetições de 6 aves cada. Os tratamentos serão constituídos de: T1, dieta controle sem inclusão de extrato de cúrcuma e vitamina E; T2, 0 ppm vit E e 0,1% de extrato de cúrcuma; T3, 0 ppm vit E e 0,2% cúrcuma; T4, 0 ppm vit E e 0,3% de cúrcuma; T5, 50 ppm vit E e 0,0% de cúrcuma; T6, 50 ppm vit E e 0,1% de cúrcuma; T7, 50 ppm vit E e 0,2% cúrcuma; T8, 50 ppm vit E e 0,3% de cúrcuma; T9, 100 ppm vit E e 0,0% de cúrcuma; T10, 100 ppm vit E e 0,1 % de cúrcuma; T11, 100 ppm vit E e 0,2% cúrcuma; T12, 100 ppm vit E e 0,3% de cúrcuma. Serão verificados parâmetros de qualidade de ovos: gravidade específica, percentagem de gema, percentagem de albume, percentagem de casca, espessura da casca, unidades Haugh, índice gema e coloração da gema e de desempenho produtivo: peso dos ovos, produção de ovos, massa de ovos, consumo de ração, conversão alimentar e mortalidade. Ao final do experimento o sangue de uma ave por parcela será coletado para avaliação de oxidação lipídica das aves, lipidograma, relação heterofilo: linfócito, título de anticorpos contra doença da Síndrome da Queda de Postura. As características de vida de prateleira dos ovos serão avaliadas por ovos coletados no último dia do experimento e armazenados por 14 dias. Serão realizadas análise de peroxidação lipídica dos ovos, colesterol e lipídeos totais nas gemas.A análise econômica será avaliada utilizando-se o índice nutricional bio-econômico. A análise estatística dos resultados será realizada através da Análise de Variância e o contraste entre médias de tratamentos pelo teste de Tukey a 5 %, com auxílio do pacote computacional SAS (2002). (AU)

Citocinas séricas e sua expressão gênica: correlação com as características clinicolaboratoriais e alterações metabólicas da dermatomiosite/polimiosite

Beneficiário:Samuel Katsuyuki Shinjo
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Samuel Katsuyuki Shinjo
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/07101-4
Vigência: 01 de agosto de 2012 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):ReumatologiaDermatomiositePolimiositeCitocinas
Resumo
Dermatomiosite (DM) e polimiosite (PM) são miopatias inflamatórias idiopáticas (MII) caracterizadas por miopatia autoimune crônica, sistêmica, associada a uma alta morbidade e incapacidade funcional. Sob o ponto de vista imunopatológico, na PM há infiltrado de linfócitos T e macrófagos em fibras musculares, resultando em lise das próprias fibras musculares. Por outro lado, os linfócitos B desempenham um papel relevante na patogênese da DM, baseadas na: presença de autoanticorpos, deposição de imunocomplexos em junção dermoepiderme das lesões cutâneas e presença de linfócitos B em músculos inflamados e áreas perivasculares. Adicionalmente, o depósito de complemento e imunoglobulina nos endotélios perifasciculares pode levar a uma isquemia e atrofia muscular, mostrando também a importância da imunidade humoral. Assim, além do papel relevante da imunidade celular e humoral, diversas citocinas têm sido identificadas pontualmente e relacionadas à fisiopatogênese da DM/PM. Até o presente momento, entretanto, estas moléculas não foram analisadas simultaneamente em pacientes com MII. Além de estarem envolvidas com a quimiotaxia, a modulação e o recrutamente de células inflamatórias nos tecidos musculares acometidos, as citocinas podem exercer ações angiogênicas ou angiostáticas, modulando a expressão de fatores de crescimento angiogênicos. Em termos práticos, tais citocinas, em condições inflamatórias, podem alterar rapidamente o volume de vasos localmente, levando à hipóxia e, clinicamente, a mialgia e fraqueza muscular. A avaliação destas citocinas em MII, particularmente em DM, pode trazer dados interessantes para entender afisiopatogênese relacionada a vasculopatia inflamatória.Além da função fundamental das citocinas no mecanismo imunológico, inflamatório e angiogênese, elas também desempenham um papel importante em síndrome metabólica. Essa síndrome é uma doença multifatorial de alta prevalência caracterizada por alteração de glicemia de jejum/resistência periférica à insulina, obesidade central, dislipidemia e hipertensão arterial sistêmica, o que, em última análise, não só aumenta o risco de doenças cardiovasculares, mas também está associada a um quadro de processo inflamatório sistêmico e inespecífico. Em MII, baseando-se em poucos trabalhos, há apenas evidências indiretas do aumento de prevalência de síndrome metabólica, e nenhum estudo analisando as citocinas envolvidas nesta síndrome em DM/PM. Baseando-se nestes achados imunopatológicos, é relevante a caracterização de citocinas séricas como biomarcadores periféricas, correlacionando os dados com a atividade da doença, manifestações clinicolaboratoriais e alterações metabólicas encontradas em pacientes com DM/PM. (AU)
Página 5 de 212 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP