site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas voltados a Temas Específicos
Programas de Pesquisa direcionados a Aplicações
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
1.410 resultado(s)
|

Sensibilização de células tronco do glioma ao dano oxidativo induzido por radiação através do silenciamento de enzimas do sistema antioxidante

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elza Tiemi Sakamoto Hojo
Supervisor no Exterior: Siamak Haghdoost
Local de pesquisa: Stockholm University (Suécia)
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Processo:16/16163-4
Vigência: 01 de novembro de 2016 - 31 de outubro de 2017
Assunto(s):Radiação ionizanteRadiobiologiaInativação gênicaGlioblastoma
Resumo
O glioblastoma (GBM) é um tumor cerebral maligno com péssimo prognóstico e muito resistente ao tratamento. As células-tronco do glioma (CTG) não diferenciadas apresentam uma maior defesa antioxidante quando comparadas com as CTGs diferenciadas com soro, sendo resistentes à quimioterapia e radioterapia. Propomo-nos a analisar algumas das principais proteínas/ genes expressos relacionados a defesa antioxidante (por exemplo, glutationa, glutationa peroxidase, glutationa redutase, catalase, peroxiredoxina, superóxido dismutase, etc) em CTGs não-diferenciadas ou diferenciadas expostas a baixas doses de radiação de forma crônicas ou agudas, por Western Blot, ELISA e RT qPCR. As proteínas que apresentarem os níveis de expressão mais elevados nas CTGs não-diferenciadas serão utilizadas como alvos para potencializar os efeitos da radiação. Isto será realizado por meio de shRNA específicos para a enzima antioxidante, ou outras proteínas necessárias para a biossíntese de antioxidantes não enzimáticos. Vários parâmetros serão analisados, como a geração de ROS (detecção por DHE e Mitosox), o estresse oxidativo (detecção de 8-oxo-dg), diferenciação celular (marcadores de célula tronco e diferenciação) e auto-renovação (ensaio de formação de esferas), em CTG silenciadas para a enzima antioxidante, irradiadas ou não-irradiadas. A nossa hipótese é a de que a redução da capacidade antioxidante das CTG e o aumento da produção de ROS por irradiação de baixa dose de forma crônica e aguda irá reduzir a funcionalidade das CTG, promovendo a diferenciação e diminuindo a auto-renovação. Para alcançar estes resultados, os experimentos serão realizados no laboratório do Dr. Siamak Haghdoost, na Universidade de Estocolmo, que apresenta todos os recursos para realizar as técnicas necessárias deste projeto. Espera-se que o presente estudo proporcione resultados interessantes sobre a radiossensibilização do glioma e que estes possam ser utilizados para a concepção de terapias alternativas para pacientes com GBM, em uma nova abordagem com base na diminuição da defesa antioxidante combinado com a radioterapia. (AU)

Desenvolvimento de peptídeos para a detecção in vivo de macrófagos M1 e M2 no microambiente tumoral

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (ICESP). Coordenadoria de Serviços de Saúde (CSS). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Roger Chammas
Supervisor no Exterior: Julie Sutcliffe
Local de pesquisa: University of California, Davis (UC Davis) (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Processo:16/10789-9
Vigência: 15 de setembro de 2016 - 14 de setembro de 2017
Assunto(s):OncologiaImagem molecularPeptídeosMicroambiente tumoralMacrófagos
Resumo
A presença de grande quantidade de macrófagos infiltrados nos tumores sólidos esta correlacionado com resistência a quimioterapia, metástase, pior prognóstico e menor tempo de sobrevida dos pacientes. Estratégias que identifiquem macrófagos dentro do microambiente tumoral ou reeduquem essas células para um fenótipo pró-inflamatório pode melhorar as terapias convencionais no tratamento do câncer. Os macrófagos são as células mais abundantes no microambiente tumoral. Eles apresentam distintos estados de ativação e plasticidade em resposta a diferentes sinais do microambiente. Macrófagos associados ao tumor são definidos como macrófagos que residem dentro do microambiente tumoral. Eles interagem com as células tumorais e com o estroma; e promovem muitas características específicas do câncer incluindo, crescimento, angiogênese, invasão e metástase através da libertação de citocinas, quimiocinas e proteases que modificam o ambiente. A imagem molecular desempenha um importante papel no diagnóstico e tratamento do câncer. Ela permite a detecção dos tumores no corpo, visualizando a expressão e atividade de moléculas específicas e processos biológicos que podem influenciar o comportamento tumoral e a resposta à terapia. Agentes de imagem molecular são ferramentas indispensáveis ao diagnóstico de câncer, pela sua capacidade de detectar de forma não invasiva a doença in vivo. Os recentes avanços tecnológicos resultaram em várias estratégias para a síntese de agentes de imagem, incluindo o desenvolvimento e aplicação das sondas com base em peptídeos. Os peptídeos representam uma classe de agentes que se ligam ao alvo com elevada afinidade. Eles são relativamente fáceis de sintetizar e o seu pequeno tamanho facilita a penetração nos tecidos. Os peptídeos são importantes sondas para imagem molecular devido à alta expressão de receptores em muitos tumores que podem ser alvo utilizando estes vetores de recombinação biológica. O objetivo deste estudo é identificar peptídeos que detectem macrófagos M1 e M2 em tecido tumoral, desenvolver e avaliar o uso destes peptídeos in vitro e in vivo usando PET. Estes peptídeos podem auxiliar no diagnóstico do estágio tumoral e no planejamento do tratamento, resultando em melhor prognóstico e aumento da taxa de sobrevida. (AU)

O valor prognóstico das proteases ADAMTS e seus substratos no câncer epitelial de ovário

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Vanessa Morais Freitas
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:16/08316-5
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 28 de fevereiro de 2017
Resumo
ADAMTSs são metaloproteinases com domínios trombospondina e desintegrina. Elas são proteases secretadas exercendo funções em processos biológicos como inflamação, angiogênese e desenvolvimento do sistema urogenital. As ADAMTSs têm substratos específicos como os proteoglicanos versican, aggrecan e brevican. A função das ADAMTSs na invasão e metástase tumoral ainda é controversa. Recentemente foi descrito que no câncer de ovário a mutação do gene de ADAMTS está relacionada com melhores resultados no tratamento com quimioterapia. Objetivos: Analizar os níveis proteícos de ADAMTS-1, -4, -5 e TIMP-3 em tumores de ovário classificados como benigno, boderline e maligno. Também foi investigado a expressão dos substratos das ADAMTSs como agrecan, brevican e versican nessas neoplasias. Métodos: Os tumores foram classificados de acordo com o WHO Classificação de Tumores dos Orgãos Reprodutores Femininos. A Expressão das proteínase dos proteoglicanos foi feita pelo método de iminohistoquimica. Diferenças na marcação foram analisadas por medições percentuais das áreas marcadas. Resultados: ADAMTS-1, ADAMTS-5 e o inibidor das proteases TIMP-3 estão aumentados nos tumores boderline e malignos quando comparados aos tumores benignos. Aggrecan e versican estão aumentados nos tumores malignos quando comparados aos tumores benignos. O aumento de ADAMTS-1, TIMP-3 e Versican estão relacionados com um menor tempode sobrevida. Conclusões: Em todos os tumores malignos ADAMTS e TIMP-3 foram significativamente mais expressos em comparação com os substratos estudados. (AU)

An aromatic diamidine that targets the kDNA, impairs the cell cycle in Trypanosoma Cruzi and diminishes trypomastigote release from infected mammalian host cells

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ariel Mariano Silber
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:16/15672-2
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 28 de fevereiro de 2017
Assunto(s):Doença de ChagasQuimioterapiaCiclo celular
Resumo
Trypanosoma cruzi é o agente etiológico da Doença de Chagas, que afeta aproximadamente a 10 milhões de pessoas nas Américas, e com 40 milhões de pessoas sob risco de adquirir a infecção. O objetivo deste trabalho foi avaliar a atividade anti-T. cruzi de três novas diamidinas que possuim uma extensão 3,4-ethylenedioxy do núcleo de tiophene, denominadas MB17, MB 19 e MB38. As tres diamidinas mostraram uma inibição dose dependente para a replicação de formas epimastigotas. O mecanismod e ação dessas diamidinas foi pesquisado. Diferentemente de MB17, MB19 e MB38 mostraram um significativo aumento de células duplamente marcadas com anexina V e iodeto de propidio quando comparadas com o controle. Devido a que MB17 mostrou um menor IC50 para crescimento de epimastigotas, o seu mecanismo de ação foi analisado mais detalhadamente. MB17 produziu uma diminuição nos níveis de ATP intracelular, afetou tanto o DNA genômico quanto do cinetoplasto, e impediu a progresão do ciclo celular. Ainda mais, MB17 provocou fragmentação do DNA com um efeito mais severo no kDNA que no DNA nuclear, resultando em células diskinetoplásticas. MB17 foi avaliado para eficácia e toxicidade para o tratamento de células CHO-k1, tendo mostrado um CC50 de 13,47 ¼M e um IC50 de 0.14 ± 0.12 ¼M para a liberação de formas tripomastigotas. MB17 também diminuiu o índice de infecção em um 60% a 0.5 ¼M. Em síntese, MB17 foi a mais potente das diamidinas avaliadas, produzindo dano no DNA, preferencialm,ente no DNA do cinetoplasto, impedindo a progresão do ciclo celular e diminuindo o índice de infecção e a liberação de tripomastigotas de células infectadas, com um alto índice de seletividade (SI) (<90). Estes dados em conjunto sugerem que MB17 poderia ser um composto leader de interesse contra T. cruzi. (AU)

Investigação dos mecanismos de indução de morte celular por fenotiazinas em células tumorais: modulação da expressão gênica e papel das proteínas da família Bcl-2 e Estresse do Reticulo Endoplasmático

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH). Universidade Federal do ABC (UFABC). Santo André, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Tiago Rodrigues
Pesquisadores associados: Edgar Julian Paredes-Gamero; Mirian Akemi Furuie Hayashi;
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:16/07367-5
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):TioridazinaEstresse do retículo endoplasmáticoMorte celularCálcioMitocôndrias
Resumo
Dados da literatura tem mostrado que fármacos psicotrópicos da classe das fenotiazinas apresentam atividade antitumoral. Em experimentos usando mitocôndrias isoladas de fígado de rato, demonstramos previamente que fenotiazinas induzem transição de permeabilidade mitocondrial associada à liberação de citocromo c. Posteriormente, estabelecemos o potencial citotóxico de diferentes derivados fenotiazínicos e determinamos os requerimentos estruturais para a indução de morte celular por estes compostos. Adicionalmente, foi proposto que a permeabilização mitocondrial desempenha um papel central na morte celular induzida por tioridazina. Em células tumorais leucêmicas, a morte celular induzida por tioridazina é complexa com envolvimento de apoptose e autofagia, e nossos resultados preliminares mostram a sua modulação por proteínas da família Bcl-2. Dessa forma, em continuidade a estes estudos, o objetivo deste projeto é investigar os mecanismos moleculares da morte celular induzida por tioridazina em células leucêmicas, avaliando mais especificamente o papel das proteínas da família Bcl-2, as alterações na expressão de genes relacionados à morte celular e o envolvimento do estresse do retículo endoplasmático nesse processo. Ainda será avaliado o efeito antitumoral in vivo das fenotiazinas. Será realizada uma avaliação global da modulação da expressão de genes selecionados das vias de necrose, apoptose e autofagia por tioridazina pela técnica de PCR array quantitativo para triar possíveis alvos moleculares desta droga. Ainda, investigaremos as mudanças na expressão das proteínas da família Bcl-2 por Western blot ou citometria de fluxo, incluindo membros pró- e anti-apoptóticos (BCL-2, BCL-XL, MCL-1, BAX, BAK, BID, BAD, PUMA and NOXA), além de outras proteínas que interagem com essa família, como por exemplo, Beclin. Além disso, a perda da homeostase de cálcio e a resposta de estresse do retículo endoplasmático induzidos por tioridazina serão estudadas. Espera-se que esses resultados que serão obtidos contribuam não somente para uma melhor compreensão dos mecanismos de morte celulares em células tumorais, bem como para a descoberta de novos alvos terapêuticos e novas drogas para a quimioterapia antitumoral. (AU)

Análise de biomarcadores moleculares associados à quimiorresistência mediada por células tronco tumorais de mama

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM). Hospital da Mulher Professor Doutor José Aristodemo Pinotti. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sophie Françoise Mauricette Derchain
Pesquisadores associados: ANDER MATHEU FERNANDEZ; Luís Otávio Zanatta Sarian; Marcelo Lima Ribeiro; Rodrigo Menezes Jales;
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:16/07822-4
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):Neoplasias mamáriasMicroRNAs
Resumo
Apesar dos avanços no conhecimento genético-molecular, o carcinoma de mama é o tipo de câncer mais comumente diagnosticado e com maior número de mortes em mulheres no mundo, devido principalmente ao processo metastático e à resistência ao tratamento. Após a quimioterapia, a via de resposta ao dano ao DNA (DDR) é ativada em resposta aos danos genotóxicos induzidos pelo tratamento, controlando a parada no ciclo celular ou ativando o reparo ao DNA. Estudos apontam que as células tronco tumorais (CSCs) podem promover a quimiorresistência através de DDR. Além disso, sabe-se que a transição epitélio-mesenquimal (EMT) pode gerar células com características de células tronco e regular o processo de quimiorresistência associada às CSCs. Os exossomos são microvesículas compostas por RNAs, miRNAs e proteínas que podem ser liberadas por diferentes tipos celulares, incluindo células tumorais e CSCs, e permitem a transferência do conteúdo de uma célula à outra. Sabe-se que as CSCs são capazes de formar tumores com fenótipo mais agressivo, com capacidade de migração, metástase, resistência ao tratamento e recorrência da doença. Até o momento, os estudos que identificam com clareza a interação dessas CSCs de mama com seu microambiente são escassos. Determinar as causas pelas quais um paciente não responde à quimioterapia, e assim poder guiar uma terapia mais adequada para cada paciente permanece um grande desafio na medicina moderna. Felizmente, o conteúdo genético presente no sangue circulante pode fornecer marcadores e ajudar a mudar este cenário. Assim, pretende-se avaliar a possível transferência de miRNAs que regulem a quimiorresistência entre CSCs e células tumorais de mama derivados de exossomos a fim de compreender a complexidade da progressão e terapia do câncer de mama. (AU)

Espaço subcapsular renal de Camundongos Balb/c nude como uma via para analisar subpopulações de células de carcinoma de bexiga Huaman

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Campus Vergueiro. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Humberto Dellê
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:16/14294-4
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 28 de fevereiro de 2017
Assunto(s):UrologiaCultura de célulasCarcinomaCirurgia experimental
Resumo
Subpopulações de células de carcinoma da bexiga (CB) foram encontrados em tumores, com diferentes habilidades para malignidade e resistência à quimioterapia. A linhagem de células T24 tem sido frequentemente utilizada para avaliar este fenômeno. Uma vez que existem limites técnicos em procedimentos ortotópicos, avaliou-se o espaço subcapsular renal como uma via alternativa para a análise de subpopulações de células T24 CB in vivo. Materiais e Métodos: Camundongos Balb / c nude foram submetidos a inoculação subcapsular renal com células T24, suspendidas em dois volumes diferentes de PBS. Quatro semanas após a inoculação, histologia e imunohistoquímica foram realizadas. Resultado: Em todos os animais inoculados com um volume de 10 ul de células em suspensão, foi observada uma estrutura semelhante a bexiga no espaço subcapsular renal, com a expressão diferencial de marcadores mesenquimais e epiteliais. Também foram observadas células T24 infiltrando o parênquima renal em direção à medula e vasos. O volume utilizado para inoculação foi um fator importante para o sucesso desta técnica. Conclusão: inoculação renal subcapsular é uma via eficaz para a análise de subpopulações e diferenciação de células T24. (AU)

Explorando o papel de Nrf2 como mediador de resistência tumoral a quimioterápicos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Frederico Martins Menck
Supervisor no Exterior: Leona D. Samson
Local de pesquisa: Massachusetts Institute of Technology (MIT) (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Processo:16/09261-0
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2017
Assunto(s):Reparação de DNAMelanomaGliomaQuimioterapia
Resumo
Diferentes tipos de câncer estão entre as principais causas de morbidade de mortalidade ao redor do mundo. O principal fator limitante no tratamento contra o câncer é a resistência a quimioterápicos. Vários são os mecanismos que comandam a resistência a drogas e muitos deles podem ser tecido ou droga específica. Uma vez que diferentes vias podem contribuir proporcionalmente para quimiorresistência, é fundamental identificar reguladores moleculares desses fatores de resistência, para neutraliza-los afim de obter uma melhor eficácia terapêutica. Glioma e melanoma são tipos de canceres particularmente agressivos. Glioma e melanoma são tipos particularmente agressivos de tumor. Temozolomida (TMZ) e cisplatina estão entre os quimioterápicos mais utilizados para tratar glioma e melanoma metastático. Entretanto, quimioterapia tem sucesso limitado pela resistência e como consequência esses tipos de tumores permanecem incuráveis. Nesse projeto, pretendemos investigar a mediadores moleculares da resistência à TMZ e cisplatina em linhagens celulares de glioma e melanoma. Nesse projeto, nós pretendemos gerar células NRF2 nocautes )NRF2-KO) e células constitutivamente ativas em NRF2 (NRF2-Act) usando o sistema de edição gênica CRISPR/Cas9. Nestas células, iremos avaliar, usando sistema in vitro e in vivo, diversos importantes mecanismos de resistencia a drogas como capacidade de reparo de DNA, níveis intracelulares de glutationa e indução de apoptose após tratamento com cisplatina e TMZ. Ferramentas moleculares inovadoras e modelos in vivo únicos serão utilizados como fruto de uma intense colaboração internacional com pesquisadores de grupos de pesquisa no Massachusetts Institute of Technology, EUA. Como consequência desse projeto esperamos que sejamos capazes de desenhar e implementar protocolos pré clínicos mais adequados e eficientes para eventualmente possam servir de base para protocolos clínicos para pacientes com glioma ou melanoma. Assim, esse projeto irá contribuir para aprimorar nosso conhecimento sobre resistencia a quimioterápicos em células de glioma ou melanoma o que por sua vez será fundamental para futuros protocolos clínicos para esses pacientes. (AU)

Caracterização, purificação e estudos de estabilidade química e enzimática de intermediários de síntese e de fármaco dirigido dendrimérico potencialmente ativo em Doença de Chagas

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Jeanine Giarolla Vargas
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:16/11555-1
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2017
Assunto(s):Doença de ChagasQuímica farmacêutica
Resumo
Doenças negligenciadas, por exemplo, a doença de Chagas, representam um grande problema de saúde pública em muitos países e suas regiões. Os fármacos disponíveis na terapêutica são, em geral, tóxicos e com eficácia discutível. Portanto, a descoberta e planejamento de novos quimioterápicos são extremamente necessários. Já os dendrímeros são novas arquiteturas moleculares com estruturas nanoscópicas, extremamente organizadas e apresentam massa molecular definida. Possuem diversas vantagens em relação aos polímeros tradicionais e podem atuar como agentes transportadores de fármacos, permitindo-lhes liberação controlada. Face ao exposto, temos proposto obter fármaco dirigido dendrimérico para doença de Chagas, que é tema de Pós-Doutorado desta orientadora, a ser realizado no Instituto de Química, Universidade de São Paulo, sob supervisão da Profa. Dra. M. Terêsa Machini, especialista em síntese de peptídeos. A forma latente terá ácido succínico como foco central, ramificações com lisina e arginina e 3-hidroxiflavona como composto ativo. O dipeptídeo poderá ser clivado pela cruzaína, alvo promissor no planejamento de novos antichagásicos. Os objetivos do trabalho da estudante de IC serão auxiliar em algumas etapas da purificação e caracterização dos intermediários e do produto obtido e realizar os estudos de estabilidade química e enzimática dos intermediários e do fármaco dirigido dendrimérico, a fim de se avaliar o perfil de liberação da substância ativa. (AU)

Efeito de GSK343, um inibidor da histona metiltransferase EZH2, sobre o parasita Schistosoma mansoni

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sergio Verjovski-Almeida
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:16/10046-6
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):Schistosoma mansoniRNA-seq
Resumo
A esquistossomose é uma doença parasitária infecciosa causada por platelmintos trematódeos do gênero Schistosoma que afeta mais de 250 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, esta helmintíase representa um dos mais sérios problemas de saúde pública, persistindo devido às precárias condições de vida às quais algumas populações estão expostas. O controle da doença envolve predominantemente a administração de uma única droga, o praziquantel. Embora este quimioterápico possua eficácia e segurança, há relatos de resistência ao fármaco em zonas endêmicas, havendo necessidade de desenvolvimento de novos compostos esquistossomicidas. O Schistosoma mansoni é a única espécie responsável pela esquistossomose no Brasil. Este parasita apresenta um complexo ciclo de vida com diversas peculiaridades morfo-fisiológicas que conferem uma rápida adaptação aos diferentes ambientes e hospedeiros em que ele é encontrado. Estudos recentes demonstraram que, assim como em vertebrados, S. mansoni possui uma extensa rede de marcas epigenéticas que poderiam atuar de forma estágio-específica no controle transcricional, o que culminaria em diferentes perfis de expressão gênica ao longo de seu ciclo de vida. As enzimas modificadoras de histonas (HME) são o eixo central da regulação epigenética em eucariotos, consequentemente estão envolvidas em diferentes vias de sinalização, inclusive as vias que regulam a proliferação celular. Assim, as enzimas que regulam a metilação de histonas (histonas metiltransferases e demetilases) se tornaram alvo para desenvolvimento de novas drogas de combate ao câncer. As histonas metiltransferases (como a EZH2) são de suma importância para a regulação da cromatina, participando do controle da expressão gênica ao inserir marcas de repressão da cromatina. O GSK343, um inibidor competitivo da metiltrasferase EZH2, foi caracterizado pela empresa Glaxo Smith Kline® como anti-cancerígeno, e se mostra altamente seletivo para EZH2 humana. Os mecanismos das vias de sinalização reguladas por EZH2 ainda não foram elucidados em S. mansoni, nem foi feito um estudo detalhado desta enzima como possível novo alvo terapêutico. Esta droga já foi recentemente testada em nosso grupo de pesquisa, apresentando efeitos significativos sobre a mortalidade de esquistossômulos e danos ao tegumento de vermes adultos (dados não publicados). O presente projeto tem como objetivo estudar a resposta à inibição de EZH2 em S. mansoni usando o composto GSK343. Mudanças na abundância da marca da histona H3K27me3 causadas pelo inibidor serão avaliadas. Análise do perfil de expressão gênica dos vermes tratados será realizada por meio da estratégia de sequenciamento de RNA em larga escala (RNA-seq). Ensaios proteômicos, para avaliar as diferenças e semelhanças entre os perfis transcricional e traducional, e avaliações das alterações no fenótipo do parasita (mortalidade, alterações de membrana, motilidade) também estarão em foco. Em conjunto, estes dados irão enriquecer os estudos acerca do parasita S. mansoni e serão relevantes para compreensão dos mecanismos biológicos que o envolvem, auxiliando na caracterização de um possível novo alvo molecular e no desenvolvimento de um composto terapêutico alternativo para o controle da esquistossomose mansônica. (AU)

Indivíduos com alto risco para desenvolvimento de injúria renal aguda em contextos clínicos relevantes: estudo prospectivo sobre aspectos epidemiológicos, diagnósticos e prognósticos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Emmanuel de Almeida Burdmann
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:16/15612-0
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2017
Vinculado ao auxílio:14/19286-4 - Indivíduos com alto risco para desenvolvimento de injúria renal aguda em contextos clínicos relevantes: estudo prospectivo sobre aspectos epidemiológicos, diagnósticos e prognósticos, AP.TEM
Assunto(s):BiomarcadoresNefrologiaNeoplasias
Resumo
Os pacientes com câncer constituem grupo de risco para o desenvolvimento de injúria renal aguda (IRA). Múltiplos e sucessivos episódios de IRA ao longo do tratamento (cirurgias, quimioterapia, complicações do tratamento) podem resultar no desenvolvimento de doença renal crônica (DRC). A forma mais simples, prática e acessível de avaliar o ritmo de filtração glomerular (RFG) é a utilização de equações baseadas no nível sérico de creatinina. No entanto, essas fórmulas apresentam menor acurácia em idosos e pacientes nos extremos de peso, quando comparadas com método de referência, como a depuração radioisotópica. A determinação acurada do RFG nos pacientes com câncer é de fundamental importância, permitindo o ajuste de dose de quimioterápicos e minimizando as toxicidades renais e sistêmicas potencialmente fatais desses medicamentos. Ademais, a determinação acurada do RFG possibilita a identificação dos pacientes portadores de DRC, permitindo a instituição de medidas de proteção da função renal. Não existem estudos prospectivos avaliando a forma mais adequada de determinar o RFG em pacientes com câncer, nem a prevalência de DRC nesses pacientes. Será realizado estudo de coorte prospectivo, com amostra de 1.250 pacientes, sem tratamento oncológico prévio, que iniciem seguimento no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP). Antes do início do tratamento oncológico os pacientes realizarão a determinação do RFG pela depuração renal de 51Cr-EDTA, a medida do nível sérico de creatinina e a quantificação da relação albumina/creatinina (mg/g) em amostra isolada de urina. Os pacientes realizarão segunda dosagem de creatinina sérica e relação albumina/creatinina (mg/g) em amostra isolada de urina dentro de três a seis meses após a avaliação inicial. Serão excluídos pacientes com idade inferior a 18 anos, portadores de tumores benignos, neoplasias hematológicas, com baixo desempenho clínico (ECOG-PS > 2), em programa regular de diálise e mulheres gestantes ou em lactação. (AU)

Galanina e receptor 2 de galanina (GalR2) como mediadores da ativação dos checkpoints inibitórios imunológicos PD-1/PD-L1 e CTLA4/B7-1 por células de carcinoma de células escamosas de língua e de orofaringe

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Rossa Junior
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:16/10778-7
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):Resposta imunePatologia
Resumo
Anualmente, 600.000 indivíduos são diagnosticados com carcinoma de células escamosas de cabeça e pescoço (HNSCC), que é o oitavo tipo de câncer mais comum em todo o mundo, com sobrevida em 5 anos inferior a 50% em casos avançados. Não houve evolução significativa no tratamento de HNSCC nas últimas 4 décadas, sendo a ressecção cirúrgica associada ou não à radioterapia ou à radio-/quimioterapia o tratamento-base, que não apenas tem sucesso limitado em casos avançados, como também causa elevada morbidade aos pacientes. A identificação de marcadores diagnósticos ou prognósticos em HNSCC é dificultada pela heterogeneidade destes tumores. Esta heterogeneidade inclui variações na etiopatogênese, características fenotípicas e de resposta ao tratamento, as quais motivam o atual questionamento da denominação comum 'HNSCC' baseada apenas na localização anatômica da lesão primária. Galanina é um peptídeo de 29 resíduos de aminoácidos originalmente identificada como um neuropeptídeo, porém amplamente distribuída no organismo e com grande espectro de efeitos biológicos. Evidências indicam que o aumento da sinalização via GalR2 (receptor de galanina 2) promove o crescimento tumoral, o que suporta a expressão deste receptor (e de galanina) como marcador prognóstico negativo, indicativo de maior agressividade do tumor e também como um possível alvo terapêutico. Recentemente, tem havido grande interesse no estudo da interação dos tumores com o sistema imune, com o objetivo de resgatar ou aumentar a atividade imune anti-tumoral. A abordagem mais explorada é a inibição de aspectos pró-tumorais da inflamação associada ou tumor, particularmente o bloqueio da ativação de checkpoints inibitórios da resposta imune PD-1/PD-L1 e CTLA4/B7-1, estratégia que já vem sendo avaliada em ensaios clínicos. Estudos preliminares indicam um papel inédito da galanina como indutora da expressão de PD-L1 em células tumorais. Resultados preliminares indicam que a galanina e os produtos solúveis de células tumorais afetam o perfil de ativação de linfócitos T CD4, efeito que pode estar relacionado a ativação dos checkpoints inibitórios PD-1/PD-L1 e CTLA4/B7-1. Assim, considerando: 1) o efeito imunossupressivo dos produtos secretados por linhagens celulares de câncer oral; 2) os dados preliminares indicando que a galanina tem efeitos imunossupressores; e com base nos dados preliminares indicando um novo papel da galanina como indutor da expressão de PD-L1, o objetivo desta proposta é avaliar o possível envolvimento da galanina e da atividade de GalR2 na ativação dos eixos PD-1/PD-L1 e CTLA4/B7-1. A hipótese principal é que a galanina derivada do tumor ativa, direta ou indiretamente, os checkpoints imunológicos inibitórios PD1/PD-L1 e CTLA-4/B7-1. (AU)

Nanopartículas multifuncionais para a entrega sítio-específica da temozolomida e verteporfina® para a terapia combinada de tumores cerebrais

Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:16/00389-3
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):NanopartículasTerapia combinadaTemozolomidaNeoplasias
Resumo
Glioblastomas multiformes são um dos tumores mais agressivos e mortais para humanos. O principal quimioterápico aplicado no seu tratamento é a Temozolomida (TMZ), porém sua atividade é significativamente limitada pela ação da barreira hematoencefálica. Um material nanoestruturado que tem a extraordinária capacidade de superar esta barreira são as micelas a base do tensoativos neutros do tipo Plurônico. Em um trabalho anterior demonstramos que as micelas mistas dos Plurônicos P123/F127 são capazes de carregar e estabilizar a molécula hidrofóbica Verteporfirina para a aplicação de terapia a base de luz visível. A TMZ tem sido combinada com sucesso com fototerapias mostrando uma atuação anticancerígena sinérgica, contudo testes clínicos são ainda distantes devida a ação inibitória da barreira hematoencefálica. Portanto, encapsular ambas as drogas em nanopartículas de Plurônico, especialmente desenvolvidas para o combate de gliomas, é uma estratégia promissora. Adicionalmente os Plurônicos podem ser sinteticamente modificados a fim de inserir em sua estrutura diferentes moléculas funcionais, como sondas fluorescentes para a imagem do tumor e de agentes de direcionamento ativo para aumentar a seletividade às células alvo. Assim, no presente projeto busca-se: (i) desenvolver um sistema nanoestruturado multifuncional para o carregamento da TMZ e Verteporfina; (ii) otimizar das condições de formulação e estabilidade do formulado; (iii) demonstrar um aumento significativo atividade anticancerígena em tumores cerebrais pela associação sinérgica entre nanoparticulas multifuncionais e a terapia combinada. (AU)

Caracterização estrutural do complexo VDAC2-Bak da membrana externa da mitocôndria por criomicroscopia eletrônica de partículas isoladas

Instituição-sede da pesquisa: Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron (ABTLuS). Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Brasil). Campinas, SP, Brasil
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:16/14350-1
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):Proteínas da membranaBiologia estruturalNeoplasias
Resumo
Caracterização Estrutural do Complexo VDAC2-Bak da Membrana Externa da Mitocôndria por Criomicroscopia Eletrônica de Partículas Isoladas.VDACs (voltage-dependent anion-selective channel), também conhecidas como porinas mitocondriais, são as mais abundantes proteínas integrais de membrana encontradas na membrana externa da mitocôndria e consideradas um novo alvo para a ação de drogas anti-câncer. Bak (Bcl-2 homologous antagonist/killer) pertence aos membros pró-apoptóticos da família de proteínas Bcl-2 e está constitutivamente integrado na membrana externa da mitocôndria. Em células saudáveis, VDAC2 e Bak estão unidas em um complexo onde Bak se apresenta inativada ou reprimida. O mecanismo de formação e dissociação do complexo VDAC2-Bak está intimamente relacionado à via mitocondrial da apoptose. Estudos demonstraram que a interferência nesse complexo induz a morte de células de melanoma, um tipo de câncer altamente resistente às quimioterapias tradicionais, e que a deficiência homozigótica para VDAC2 é letal para embriões de camundongo. Embora exista um razoável entendimento do mecanismo de regulação de Bak, pouco se sabe sobre as funções exercidas pelo complexo VDAC2-Bak. O presente projeto busca estabelecer bases para a investigação estrutural do complexo formado por VDAC2 e Bak e obter informações estruturais pelo método de Criomicroscopia Eletrônica de Partículas Isoladas (Cryo-EM). Para isso, serão estabelecidas linhagens de células humanas para a produção de VDAC2 e Bak recombinantes, visando a posterior purificação do complexo-alvo. Após a purificação, as condições de investigação do complexo por microscopia eletrônica serão inicialmente ajustadas por meio da técnica de contrastação negativa (negative stain) e, em seguida, por preparação em gelo amorfo (Cryo-EM). A obtenção de imagens dos complexos puros permitirá o processamento pela técnica de Single Particle Analysis.A obtenção do modelo estrutural do complexo contribuirá na elucidação de como Bak interage estruturalmente com VDAC2, abrindo caminho para futuros estudos de utilização do complexo como alvo terapêutico. (AU)

Estudo da relação da via da integridade da parede celular e de genes de resposta ao estresse térmico no fungo patogênico humano Aspergillus fumigatus

Instituição-sede da pesquisa: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos, SP, Brasil
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:16/14156-0
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de outubro de 2017
Vinculado ao auxílio:15/17541-0 - Estudo da relação da via da integridade da parede celular e de genes de resposta ao estresse térmico no fungo patogênico humano Aspergillus fumigatus, AP.R
Assunto(s):TermotolerânciaAspergillus fumigatus
Resumo
A. fumigatus é um fungo saprófita e também um agressivo patógeno oportunista, responsávelpela vasta maioria dos casos de Aspergilose Pulmonar Invasiva, a forma mais grave dasinfecções ocasionadas por este fungo. A relativa resistência dos mamíferos aos fungos éatribuída à uma combinação entre a atividade do sistema imune e a endotermia. A temperaturamais elevada do sangue dos mamíferos cria um ambiente restritivo para a infecção fúngica.Fungos mais adaptados a sobreviver em temperaturas elevadas, como é o caso de A.fumigatus, apresentam melhor fitness no hospedeiro homotérmico. Todos os organismosapresentam uma massiva resposta celular universal durante o aumento de temperatura quecorresponde a alteração do programa de expressão gênica que culmina com a síntese deproteínas de choque térmico. Em levedura, o fator de transcrição HSF1 coordena a expressãode vários genes relacionados a resposta ao choque térmico, dentre eles a chaperona molecularHsp90. Tem sido verificado em outros organismos fúngicos que Hsp90 é capaz de regular aestabilidade e a função de componentes de importantes vias de sinalização celular. Dentreestas, destaca-se a via da integridade da parede celular (via CWI). Esta via é um elementomodulador central da organização, biossíntese e remodelamento da parede da célula fúngica.A parede celular é uma importante estrutura que fornece integridade estrutural e física sendotambém um dos componentes celulares responsáveis pela interação com o hospedeiro durantea infeção. Entretanto, a parede celular e seus mecanismos regulatórios ainda não foramtotalmente explorados como um alvo de novos quimioterápicos antifúngicos. O nossolaboratório identificou anteriormente uma interação genética entre os principais genes da viaCWI (PkcA, MpkA e RlmA) e a chaperona molecular hsp90. Esses dados indicam umacorrelação direta entre a função do sistema regulatório Hsf1-Hsp90 e a integridade da paredecelular em A. fumigatus. Com o presente trabalho espera-se que a conexão entre a via CWI ede pelo menos dois importantes genes de resposta ao choque térmico em A. fumigatus sejamelhor compreendida (isto é, hsfAHSF1 e hsp90). Para tanto os principais objetivos desseprojeto são: (i) caracterização molecular do gene que codifica o possível homólogo funcionaldo fator de transcrição HSF1 em A. fumigatus, hsfA; (ii) avaliação da atividade da via CWIdurante o choque térmico em A. fumigatus; (iii e iv) expressão das proteínas recombinantesPkcA409-1106, MpkA, RlmA e Hsp90 em sistema bacteriano visando a avaliação da interaçãofísica desses componentes da via CWI com a chaperona molecular Hsp90 em A. fumigatus. (AU)

Influência de produtos secretados por células de carcinoma oral de células escamosas, galanina, e do receptor GalR2 sobre a atividade, citotoxicidade e fenótipo de linfócitos CD8+

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Rossa Junior
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:16/13651-8
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2017
Assunto(s):Resposta imunePatologiaImunidade adaptativa
Resumo
Anualmente, 600.000 indivíduos são diagnosticados com carcinoma de células escamosas de cabeça e pescoço (HNSCC), que é o oitavo tipo de câncer mais comum em todo o mundo, com sobrevida em 5 anos inferior à 50%, e em casos em que o diagnóstico é feito em estágio avançado o percentual de sobrevida em 5 anos é inferior à 20%. Não houve evolução significativa no tratamento de HNSCC nas últimas 4 décadas, sendo a ressecção cirúrgica associada ou não à radioterapia ou à radio-/quimioterapia o tratamento-base, que é usualmente associado à elevada morbidade aos pacientes. A identificação de marcadores diagnósticos ou prognósticos em HNSCC também é dificultada pela heterogeneidade destes tumores. Esta heterogeneidade inclui variações etiopatogênicas, fenotípicas e de resposta ao tratamento, que atualmente questiona inclusive a denominação 'HNSCC' baseada na localização anatômica da lesão primária. A galanina é um peptídeo de 29 resíduos de aminoácidos originalmente identificada como um neuropeptídeo, porém amplamente distribuída no organismo e com amplo espectro de efeitos biológicos. O aumento da sinalização de GalR2, receptor de galanina, promove o crescimento tumoral, o que suporta a expressão deste receptor como marcador prognóstico de agressividade do tumor e também como um possível alvo terapêutico de interferência na progressão de HNSCC. Recentemente, tem havido grande interesse no estudo da interação dos tumores com o sistema imune, com o objetivo de resgatar ou aumentar a atividade imune anti-tumoral ou de inibir aspectos específicos pró-tumorais da inflamação induzida pelo tumor. Estudos preliminares indicam um papel inédito da galanina como ativadora de mecanismos inibitórios endógenos de células imunes (immunological checkpoints), como PD-L1/PD-1. A ativação destes checkpoints inibitórios pode inibir a ativação, funções efetoras e até mesmo levar à apoptose de células T. Considerando: 1) o quadro de imunossupressão associado à HNSCC; e 2) a identificação da galanina/atividade de GalR2 nas células tumorais como um mecanismo imunossupressivo, a proposta deste estudo é determinar o papel dos produtos secretados pelas células tumorais e o envolvimento da galanina e da ativação do receptor GalR2 em células tumorais na atividade citotóxica e fenótipo de linfócitos CD8+. (AU)

Lipossomas contendo docetaxel funcionalizados com cetuximabe em combinação com a terapia plasmônica com nanobastões de ouro para o tratamento do câncer de próstata

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marlus Chorilli
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:16/02723-8
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2018
Assunto(s):Sistemas de liberação de medicamentosNeoplasias da próstata
Resumo
O câncer de próstata representa um grave problema de saúde pública que causa milhares de mortes anualmente. O tratamento com o quimioterápico docetaxel, embora apresente eficácia clínica, está associado ao desenvolvimento de resistência em estágios mais avançados da doença, além do fármaco apresentar baixa solubilidade aquosa e problemas relacionados à sua farmacocinética. Deste modo, justifica-se o emprego de sistemas de liberação nanoestruturados, especialmente lipossomas, para a melhora das características desfavoráveis de docetaxel. Além disso, o cetuximabe, um anticorpo monoclonal que se liga ao receptor EGFR (Enhanced Growth Factor receptor), superexpresso em muitos tumores de próstata, representa uma estratégia em potencial para o tratamento do câncer de próstata em combinação ao docetaxel. Neste contexto, a funcionalização de lipossomas com ligantes, como cetuximabe, para receptores superexpressos na superfície da célula alvo, gerando imunolipossomas, pode permitir a entrega seletiva do fármaco, acarretando em redução de efeitos colaterais. O emprego de hipertermia tumoral com terapia plasmônica com nanobastões de ouro PEGlados representa uma estratégia para aumentar a acumulação de nanopartículas no sítio tumoral, com emprego em potencial para melhorar a eficácia de imunolipossomas. Deste modo, o estudo consistirá no preparo, caracterização e avaliação in vitro/in vivo de imunolipossomas funcionalizados com cetuximabe, contendo docetaxel encapsulado, associados ou não à terapia plasmônica com nanobastões de ouro. Para tanto, nanobastões de ouro obtidos com polietilenoglicol (PEGlados), lipossomas e imunolipossomas serão preparados seguindo protocolos clássicos. A caracterização físico-química envolverá a determinação de eficiência de encapsulação de docetaxel, eficiência de funcionalização e integridade de cetuximabe, determinação de tamanho de partícula, polidispersividade e potencial zeta, bem como a avaliação dos sistemas obtidos, incluindo os nanobastões de ouro, por microscopia eletrônica de varredura. Ainda, os nanobastões serão avaliados com relação ao seu perfil de absorção no infravermelho próximo-UV-visível. A avaliação do uptake das formulações será investigada por microscopia confocal e citometria de fluxo, empregando células com maior e menor expressão de EGFR, com influência ou não de choque térmico. Em seguida, a eficácia in vitro das formulações será avaliada através da citotoxicidade determinada pelo método clássico do MTT (brometo de 3-[4,5-dimetil-tiazol-2-il]-2,5-difeniltetrazólio), com influência ou não de choque térmico. Finalmente, a eficácia in vivo será avaliada em modelo xenográfico para o câncer de próstata, com aplicação ou não de terapia plasmônica mediada por nanobastões de ouro PEGlados irradiados. (AU)

Efeito de uma Acetogenina, extraída da Annona mucosa, sobre células tumorais de mama

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Márcia Regina Cominetti
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Orgânica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:16/08630-1
Vigência: 01 de agosto de 2016 - 31 de julho de 2017
Vinculado ao auxílio:13/00798-2 - A matriz extracelular no envelhecimento, no exercício e no microambiente tumoral, AP.TEM
Assunto(s):Produtos naturaisNeoplasias mamáriasNeoplasias
Resumo
O câncer é uma das doenças que mais matam pessoas no mundo. No Brasil, para os anos de 2016 e 2017 são esperados mais de 500 mil novos casos de câncer, sendo que dentre todos os tipos de câncer o segundo mais incidente em mulheres é o câncer de mama. Os tratamentos mais comuns para essa doença são a radioterapia, a cirurgia, o tratamento hormonal e a quimioterapia, que é a terapêutica mais utilizada. Porém, o tratamento a base de quimioterápicos gera ao paciente grande desconforto por conta de seus efeitos colaterais devido a sua não seletividade para às células tumorais. Uma alternativa para o tratamento do câncer são os produtos naturais, já que atualmente cerca de 60% das drogas em fase de avaliação clínica para o tratamento de vários tipos de câncer são provenientes de produtos naturais ou seus derivados. A Acetogenina (ACG) é extraída da Annona mucosa, árvore frutífera que é encontrada em regiões tropicais e subtropicais. As ACG constituem uma classe de metabólitos secundários, característica da família Annonacea, e a literatura demonstra sua efetividade no combate de várias doenças, incluindo alguns tipos de câncer. Portanto, o objetivo deste projeto é analisar o efeito de uma ACG, a rolliniastatina, na morfologia e proliferação de células tumorais de mama, da linhagem MDA-MB-231 e da linhagem MCF-7, e também da linhagem não tumoral MCF-10A, e seus efeitos na migração, formação de colônias, ciclo celular e apoptose das células da linhagem MDA-MB-231, a fim de produzir conhecimentos que poderão servir de base para o desenho de novos compostos antitumorais. (AU)

Nanopartículas de e-policaprolactona e D-±-tocoferol poletilenoglicol-1000 contendo docetaxel visando terapia do câncer de próstata

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Juliana Maldonado Marchetti
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:16/03013-4
Vigência: 01 de agosto de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Assunto(s):NanopartículasNeoplasias da próstata
Resumo
O câncer de próstata é o tipo de câncer mais incidente no sexo masculino, sendo que se espera 61.200 novos casos no Brasil apenas em 2016. Embora tenha-se observado um enorme progresso no tratamento do câncer de próstata nas últimas décadas, esta patologia continua sendo a segunda maior causa de mortes relacionadas ao câncer em homens. Entre os fármacos indicados para o tratamento desta patologia, o docetaxel aparece como escolhe de primeira-linha dada sua consagrada eficácia na terapêutica. Entretanto, efeitos adversos severos estão relacionados ao uso deste fármaco - como por exemplo a neutropenia. A veiculação de quimioterápicos em sistemas de liberação nanoestruturados vem sendo amplamente estudada nos últimos anos, dados os diversos benefícios que oferece, como aumento da solubilidade e da estabilidade, melhora da farmacocinética e retenção e acumulação passiva no sítio tumoral (efeito EPR) e liberação sustentada, permitindo a redução do número de administrações e dos efeitos tóxicos. Deste modo, o presente trabalho visa desenvolver e caracterizar nanopartículas poliméricas a base de copolímero de -policaprolactona e DL-±-tocoferol polietilenoglicol-1000 contendo docetaxel para uso na terapia do câncer de próstata. As nanopartículas serão obtidas pela técnica de nanoprecipitação e caracterizadas por suas características físico-químicas (tamanho, potencial zeta, polidispersividade, morfologia, eficiência de encapsulação, propriedades térmicas, perfil de absorção na espectroscopia do infravermelho (FTIR) e perfil de liberação do fármaco in vitro). A avaliação consistirá na investigação do uptake celular, por microscopia confocal e citometria de fluxo, e avaliação da citotoxicidade em linhagens de câncer de próstata. (AU)

Ação imunotoxicológica/imunomoduladora da geoprópolis associada à doxorrubicina sobre monócitos humanos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:José Maurício Sforcin
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Etnofarmacologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:16/02249-4
Vigência: 01 de agosto de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Assunto(s):Produtos naturaisDoxorrubicinaImunomodulaçãoPrópolis
Resumo
O câncer é uma doença que atinge pessoas em diversos continentes, acarretando milhões de mortes anualmente. A quimioterapia antineoplásica é conhecida por sua ampla lista de efeitos colaterais, toxicidade, indução de resistência em células tumorais e aparecimento de infecções, além da falta de seletividade entre células normais e tumorais. Com o intuito de atenuar os efeitos colaterais causados pelos agentes antitumorais, a administração de produtos naturais concomitantemente com fármacos tem sido investigada. Geoprópolis é produzida por abelhas sem ferrão (meliponíneos) a partir de resinas, fibras vegetais, cera e, tipicamente, terra ou barro, e suas ações farmacológicas têm sido investigadas mais recentemente. As ações antiproliferativa e citotóxica da geoprópolis associada a diferentes quimioterápicos foram avaliadas por nosso grupo contra células de carcinoma de laringe humana (HEp-2). Também obtivemos dados preliminares quanto à ação da geoprópolis em combinação com doxorrubicina sobre células THP-1. O presente trabalho foi elaborado com base nos dados anteriores de nosso grupo, visando elucidar a possível ação imunotoxicológica e imunomoduladora da geoprópolis em combinação com doxorrubicina sobre monócitos de indivíduos saudáveis, avaliando a expressão de marcadores celulares, produção de citocinas e de peróxido de hidrogênio, e a atividade microbicida de monócitos. Este projeto tem como implicação prática a adoção da combinação na terapêutica futuramente, o que pode vir a ser relevante, diminuindo a concentração do quimioterápico e efeitos colaterais, sem afetar as funções imunológicas. (AU)
1.410 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP