site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
Página 3 de 71 resultado(s)
|

Modulação do metabolismo de aminoácidos em músculo e tecido adiposo: efeito do exercício físico e cirurgia bariátrica

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mário José Abdalla Saad
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:11/22217-6
Vigência: 01 de abril de 2012 - 29 de abril de 2014
Assunto(s):Exercício físicoObesidadeResistência à insulinaEndocrinologia
Resumo
Pesquisas apontam forte correlação entre as concentrações plasmáticas de aminoácidos de cadeia ramificada (BCAAs) e também de seus metabólitos com RI em humanos. Já em modelo animal estudos sugerem que as elevações nos níveis circulantes de BCAAs podem contribuir com a perda de sensibilidade à insulina. Paralelamente, nos últimos 20 anos houve importante progresso no tratamento da obesidade mórbida e também da DM2 após a disseminação da cirurgia bariátrica (CB) como modalidade bem aceita e documentada de tratamento. Contudo, faz-se importante mencionar que essa melhora da diabetes muitas vezes precede a perda de peso, indicando assim a presença de outros mecanismos na melhora do metabolismo da glicose. Nesse contexto, estudo recente, comparando o efeito da CB ou da restrição calórica no controle da diabetes, demonstrou que os níveis dos BCAAs tornavam-se reduzidos após a CB e o mesmo efeito não era observado após a intervenção de dieta, apesar de os dois tratamentos terem alcançado perda de peso similar. Contudo os mecanismos pelos quais a redução nos níveis de BCAAS pode melhorar a sensibilidade à insulina e também o metabolismo da glicose não foram ainda totalmente elucidados. Outra importante modalidade de tratamento para obesidade e a RI é o exercício físico, uma vez que ele melhora a sinalização e a sensibilidade da insulina, e o que o torna ainda mais interessante, sem importantes efeitos colaterais. Estudos anteriores de nosso grupo mostraram esse efeito de melhora na sensibilidade à insulina, tanto cronicamente quanto agudamente. Entretanto, esses focaram apenas o efeito do exercício sobre os componentes inflamatórios da RI, faltando ainda abordar outros mecanismos como é o caso dos BCAAs. Neste projeto, estudaremos o efeito da dieta hiperlipídica sobre comportamento do metabolismo de BCAAs de uma forma geral através da analise de seus níveis circulantes, da expressão de suas enzimas de oxidação e de seus transportadores em modelo animal. Verificaremos também os níveis de BCAAs em pacientes obesos antes e depois da cirurgia bariátrica, os quais serão associados com os níveis teciduais de BCATm, mTOR, JNK e IRS-1Ser312. Posteriormente iremos verificar a influência do exercício físico aeróbico (agudo e crônico) nesses mesmos parâmetros em animais obesos. Assim como compararemos um possível efeito protetor do exercício crônico de intensidade moderada, quando iniciado em conjunto com a dieta hiperlipídica. (AU)

Marcadores genéticos da obesidade mórbida: expressão e polimorfismos gênicos, alterações citogenéticas e suas relações com o nível de micronutrientes plasmáticos

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Daisy Maria Favero Salvadori
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:12/01116-0
Vigência: 01 de fevereiro de 2012 - 30 de abril de 2012
Assunto(s):Epidemiologia molecularNutrigenômica
Resumo
A obesidade, considerada pela OMS como uma epidemia mundial, é uma desordem multifatorial que envolve fatores hereditários, ambientais e de estilo de vida, e suas consequências não são apenas sociais ou psicológicas, mas estão também relacionadas à presença de co-morbidades como hipertensão arterial, diabetes, doenças cardiovasculares e vários tipos de câncer. Assim sendo, a obesidade tornou-se um desafio para a manutenção da saúde humana, especialmente com os recentes avanços no campo da Nutrigenômica que mostram como constituintes da dieta podem interagir com o genoma levando ao desenvolvimento de doenças crônicas e a outras alterações fenotípicas. Diante desse cenário, o presente estudo objetiva identificar marcadores genéticos associados à obesidade mórbida e, assim, contribuir para o entendimento dos mecanismos de adipogênese. Farão parte da casuística do estudo 300 mulheres cadastradas na lista de espera para a realização de cirurgia bariátrica e 300 mulheres saudáveis, com IMC < 25 e pareadas por idade. Dentre os parâmetros a serem avaliados estão 1) os polimorfismos dos genes da grelina, da leptina, de seus respectivos receptores e do o receptor da serotonina; 2) o perfil de expressão gênica pela técnica de microarrays; 3) os níveis de danos primários no DNA (quebras, bases oxidadas e sítios álcali lábeis; teste do cometa) e danos citogenéticos (teste do micronúcleo em linfócitos); 4) os níveis plasmáticos de micronutrientes (HPLC). Espera-se que os resultados produzam informações importantes para o entendimento dos mecanismos genéticos associados à obesidade mórbida e, com isso, contribuir para a detecção precoce de indivíduos com risco para a obesidade e para o estabelecimento de estratégias preventivas e terapêuticas associadas a essa disfunção metabólica. (AU)

Marcadores genéticos da obesidade mórbida: expressão e polimorfismos gênicos, alterações citogenéticas e suas relações com o nível de micronutrientes plasmáticos

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Daisy Maria Favero Salvadori
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/18808-9
Vigência: 01 de fevereiro de 2012 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):ToxicogenéticaObesidadeEpidemiologia molecularNutrigenômica
Resumo
A obesidade, considerada pela OMS como uma epidemia mundial, é uma desordem multifatorial que envolve fatores hereditários, ambientais e de estilo de vida, e suas consequências não são apenas sociais ou psicológicas, mas estão também relacionadas à presença de co-morbidades como hipertensão arterial, diabetes, doenças cardiovasculares e vários tipos de câncer. Assim sendo, a obesidade tornou-se um desafio para a manutenção da saúde humana, especialmente com os recentes avanços no campo da Nutrigenômica que mostram como constituintes da dieta podem interagir com o genoma levando ao desenvolvimento de doenças crônicas e a outras alterações fenotípicas. Diante desse cenário, o presente estudo objetiva identificar marcadores genéticos associados à obesidade mórbida e, assim, contribuir para o entendimento dos mecanismos de adipogênese. Farão parte da casuística do estudo 300 mulheres cadastradas na lista de espera para a realização de cirurgia bariátrica e 300 mulheres saudáveis, com IMC < 25 e pareadas por idade. Dentre os parâmetros a serem avaliados estão 1) os polimorfismos dos genes da grelina, da leptina, de seus respectivos receptores e do o receptor da serotonina; 2) o perfil de expressão gênica pela técnica de microarrays; 3) os níveis de danos primários no DNA (quebras, bases oxidadas e sítios álcali lábeis; teste do cometa) e danos citogenéticos (teste do micronúcleo em linfócitos); 4) os níveis plasmáticos de micronutrientes (HPLC). Espera-se que os resultados produzam informações importantes para o entendimento dos mecanismos genéticos associados à obesidade mórbida e, com isso, contribuir para a detecção precoce de indivíduos com risco para a obesidade e para o estabelecimento de estratégias preventivas e terapêuticas associadas a essa disfunção metabólica. (AU)

Drenagem linfática manual em pós operatoriode dermolipectomia crural em mulheres após cirurgia bariátrica

Beneficiário:
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elvio Bueno Garcia
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/51548-0
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de outubro de 2013
Assunto(s):Cirurgia plásticaCoxasMassagemObesidadeRessonância magnética
Resumo
A obesidade é uma doença metabólica de prevalência crescente, sendo a obesidade mórbida uma condição crônica de difícil controle. A cirurgia bariátrica é uma forma de tratamento desta população, que tem como conseqüência um emagrecimento acentuado, refletindo em alterações do contorno corporal. As dermolipectomias crurais ou de coxas foram introduzidas por Lewis em 1956, no entanto, significantes inovações na técnica ocorrem até os dias atuais, na tentativa de minimizar as possíveis complicações como lesões vasculares e linfáticas. A manutenção da circulação sangüínea e linfática é determinante nos processos de cicatrização após cirurgias de dermolipectomias, despertando novos interesses em se aplicar à técnica de drenagem linfática manual. Para avaliar o efeito da drenagem linfática manual em pacientes submetidos a dermolipectomia crural após cirurgia bariátrica, foram selecionados 20 pacientes do sexo feminino com idades entre 30 e 60 anos. Os grupos serão randomizados, e o tratamento de drenagem linfática manual, constará de 06 sessões, com duração de 30 minutos e a perimetria, a aferição do peso e a escala visual numérica de dor, serão realizadas antes e após as drenagens linfáticas. Os 02 grupos serão avaliados através do exame de ressonância magnética no Pré OP, 13° PO e no 28° PO. O critério de exclusão foi paciente com patologias linfáticas ou venosas prévias, IMC maior que 30 kg/m2, cirurgias de coxas anteriores, gestação, parto ou lactação há menos de 01 ano. (AU)

Repercussões orgânicas da transposição ileal em ratos com dismetabolismo glicídico induzido por dieta

Beneficiário:
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Joao Luiz Moreira Coutinho de Azevedo
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/05944-1
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de agosto de 2013
Assunto(s):Procedimentos cirúrgicos do sistema digestório
Resumo
O tratamento clínico da síndrome metabólica - principalmente o dismetabolismo glicídico traduzido por resistência insulínica e diabetes mellitus tipo 2 - é sabidamente complexo e permanente, tendo a doença caráter progressivo. A resistência insulínica e o diabetes mellitus são condições que estão correlacionadas mais comumente à obesidade. Entretanto, ambos não acometem somente a população obesa, uma vez que há uma incidência cada vez maior de DM2 entre indivíduos com índice de massa corporal (IMC) na faixa da eutrofia e do sobrepeso. Sabe-se que a resistência insulínica é que primordialmente causa a doença cardiovascular nesses indivíduos. Atualmente busca-se procedimento cirúrgico que seja eficaz no tratamento da síndrome metabólica, principalmente em relação à diabetes mellitus tipo 2, inclusive em indivíduos não-obesos. Em pacientes obesos mórbidos, é consensual que a intervenção cirúrgica dita padrão-ouro para o tratamento da obesidade mórbida é a gastroplastia vertical com anel de contenção e derivação gastrojejunal em Y-de-Roux (operação de Fobi-Capella, modificada) por atingir os objetivos de perda de peso e controle de comorbidades, mantidos em longo prazo. Por outro lado, em pacientes com dismetabolismo glicídico mas sem obesidade mórbida (com obesidade leve ou apenas sobrepeso), a tecnicamente mais simples e facilmente reversível transposição ileal isolada teoricamente pode constituir-se numa alternativa terapêutica efetiva. Essa intervenção não foi até o momento realizada de forma isolada em humanos - a experiência relatada na Literatura diz respeito a associação com a gastrectomia vertical -, e também não há relatos da sua utilização em modelo experimental de síndrome diabetes mellitus induzida por dieta.MÉTODOS: Utilizar-se-ão 40 ratos machos (Rattus norvegicus albinus), Wistar - 2BAW Heterogêneos, com 12 semanas de vida, distribuídos em quatro grupos de 10 animais cada: Grupo Transposição Ileal (GT) com os animais sob dieta hipercalórica-hiperlipídica; Grupo Sham (GS), submetidos à operação simulada e utilizando a mesma dieta; Grupo Controle 1 (GC1), não submetidos a nenhuma intervenção cirúrgica e consumindo a dieta hipercalórica-hiperlipídica; e Grupo Controle 2 (GC2) - não submetidos a nenhuma intervenção cirúrgica e consumindo ração padrão. As intervenções cirúrgicas serão realizadas na 20ª semana de vida. Coletas sangüíneas para os testes laboratoriais serão realizadas na 12ª semana de vida dos animais, no dia da operação e na 08ª semana de pós-operatório, após pesagem e sob anestesia prévia. Serão feitas em todos os animais as determinações séricas de glicose, insulina, triglicérides, colesterol total e frações, assim como de glucagon-like peptide-1, peptídeo C e hemoglobina glicada. Será realizado o teste de tolerância à insulina, com a utilização do software PRISMA, e o cálculo da resistência insulínica, pelo teste indireto HOMA-IR. Determinar-se-ão os níveis de expressão relativa de 252 genes referentes a apoptose de células beta pancreáticas, desenvolvimento de diabetes mellitus e diferenciação de células-tronco mediante estudo biomolecular específico com PCR em tempo real. Nos dias determinados, com 20 semanas de vida, dois ratos serão aleatoriamente distribuídos no GT e no GS. Todos serão acompanhados até a 08ª semana de pós-operatório, quando serão sacrificados e então coletados os depósitos de gordura periepididimal e retroperitoneal para pesagem em balança de precisão, e o pâncreas e segmentos de intestino para estudo anatomopatológico e imunohistoquímico. (AU)

Aplicação da análise de agrupamentos para identificação de subgrupos de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fernando Frei
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/10258-0
Vigência: 01 de agosto de 2011 - 31 de maio de 2012
Assunto(s):Cirurgia bariátricaObesidade
Resumo
A obesidade pode ser definida como uma condição de acúmulo anormal ou excessivo de gordura que pode apresentar risco à saúde. Diversas comorbidades tem sido associadas à obesidade.De acordo com as estimativas realizadas em 2010 pela International Obesity Taskforce - IOT, um bilhão de adultos estão com sobrepeso e outros 475 milhões são obesos em todo o mundo.Entre a categoria de obesos, encontram-se indivíduos com IMC acima de 40,0 kg/m2 , classificados como portadores de obesidade mórbida. Tais indivíduos devem ser tratados como portadores de um agravo à saúde que ameaça a vida e reduz a qualidade de vida, desta forma, necessitam de tratamentos eficientes para promover a redução de peso.Em conseqüência da ineficácia dos tratamentos conservadores e medicamentos atuais, a cirurgia bariátrica tem sido indicada para o grupo de pacientes com obesidade mórbida ou para aqueles obesos que apresentam comorbidades como hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus. Dentre as várias modalidades cirúrgicas aquela que apresenta os melhores resultado é a cirurgia denominada de Fobi-Capella (Gastric bypass) , a qual combina restrição gástrica com indução de má absorção. Análise de Agrupamentos (Cluster Analysis) é o nome genérico atribuído a uma extensa variedade de métodos estatísticos que procuram elaborar critérios para agrupar objetos (seres humanos, animais, plantas, municípios, etc.). São técnicas estatísticas multivariadas, com conotação exploratória. Os resultados deste conjunto de técnicas podem contribuir para a definição de um esquema formal de classificação; pode também sugerir um conjunto de regras para classificar novos pacientes em novas classes com fins de diagnósticos; apresenta sugestões de modelos estatísticos para descrever populações; encontrar pacientes que podem representar grupos ou classes e obter subgrupos de indivíduos na população com risco em relação a determinados agravos para possíveis prevenções e regiões geográficas segundo características sociais e de saúde. Desta forma, os resultados obtidos pela Análise de Agrupamentos podem auxiliar equipes médicas e gestoras na tomada de decisão para diagnósticos, intervenções, ações preventivas, campanhas educativas entre outras. O objetivo principal deste trabalho é, portanto, aplicar a metodologia da Análise de Agrupamentos em uma base de dados de pacientes com diagnóstico para a realização da cirurgia bariátrica em dois momentos, antes da cirurgia e após a cirurgia para alcançar uma melhor compreensão das componentes preponderantes para redução do peso do paciente; Identificar subgrupos de pacientes obesos com o objetivo de encontrar padrões que possam definir prognóstico sobre conjuntos específicos de pacientes; Analisar as variáveis que pouca ou nenhuma contribuição possa oferecer ao problema estudado; Identificar as principais características clínicas e laboratoriais associadas ao IMC dos pacientes submetidos à operação bariátrica que dificultem a perda de peso. O conjunto de dados é proveniente da informatização dos prontuários pré e pós operatórios dos pacientes atendidos pelo Hospital Heliópolis entre os anos de 2001 a 2010 que apresentaram preenchimento das variáveis estudadas. Para o trabalho em foco foram selecionados 50 pacientes do total de 335 submetidos à cirurgia no período, o que representa 15% dos prontuários. Serão utilizados três algoritmos do Método de Análise de Agrupamentos Hierárquicos Aglomerativos (Distância Máxima, Distância Média e Método de Ward). A análise de variância para um fator para determinar se existe diferença significativa entre os possíveis grupos nas diversas variáveis e Teste post hoc Bonferroni (nível de significância adotado 0,05). (AU)

Papel do treinamento físico na modulação da inflamação do tecido adiposo de camundongos obesos

Beneficiário:
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ronaldo de Carvalho Araújo
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia Geral
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/03528-0
Vigência: 01 de junho de 2011 - 31 de maio de 2013
Assunto(s):Fisiologia do exercício
Resumo
A obesidade é considerada uma epidemia mundial e entre as causas do aumento da sua prevalência destacam-se as mudanças demográficas, sócio-econômicas e epidemiológicas que levaram a uma transição dos padrões nutricionais e diminuição da atividade física. Essa doença está associada a um estado subclínico de inflamação, caracterizada por produção anormal de citocinas pró-inflamatórias. Várias células, como os adipócitos e macrófagos, estão envolvidas na secreção dessas citocinas que por sua vez estão relaionadas com o estado de resistência a esse hormônio e com o aparecimento da Diabetes tipo II. Já está bem definido que o exercício físico, enquanto modelo mensurável de indução de estresse, provoca alterações funcionais no sistema imunológico. Entretanto pouco se sabe como o exercício físico é capaz de influenciar os macrófagos e sua possível ação na modulação imunológica de doenças relacionadas com a obesidade. A partir dessas informações objetivamos analisar o papel do exercício físico na resposta inflamatória do tecido adiposo de camundongos submetidos à dieta hiperlipídica e em modelo animal de obesidade mórbida. Para tanto animais alimentados com dieta padrão ou ração hiperlipídica serão submetidos a dois protocolos de natação: o primeiro 15 minutos diários visando o não emagrecimento e um segundo de 60 minutos diários onde esperamos uma diminuição da adiposidade. Outro grupo de animais alimentados com dieta hiperlipidica será submetido a uma restrição calórica de 40% para comparar com o grupo exercitado por 60 minutos. Serão avaliados por citometria de fluxo o número de linfócitos CD4+, CD8+, neutrófilos e macrófagos no tecido adiposo inguinal. A concentração tecidual e plasmática de 17 adipocinas pró e/ou anti-inflamatórias será mensurada mediante a utilização do ensaio de bioplex, também será estudado a expressão gênica de várias adipocinas. Será avaliada ainda a captação de glicose, resistência a insulina e variáveis lipidêmicas antes e após as intervenções. Para entender o papel da leptina na inflamação do tecido adiposo e na resposta ao exercício físico animais obesos mórbidos, deficientes para a leptina (ob/ob) serão submetidos aos mesmos procedimentos descritos acima. (AU)

Relação APRI na obesidade mórbida antes e após cirurgia bariátrica

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Roberto de Cleva
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:10/09441-1
Vigência: 01 de agosto de 2010 - 31 de julho de 2011
Assunto(s):Obesidade mórbida
Resumo
Na evolução da obesidade sabe-se que a doença hepática gordurosa não alcoólica é uma das possíveis complicações. Para avaliar o grau de infiltração gordurosa e de fibrose hepática, o padrão-ouro é a biópsia hepática, procedimento invasivo associado a complicações. Por isso, há a tendência de se identificar marcadores não invasivos para avaliação da progressão da doença em pacientes com Doença Hepática Crônica. Em 2003 o índice APRI (relação entre aspartatoaminotrasferase/plaquetas) foi validado para quantificar o grau de fibrose hepática em pacientes portadores de Hepatite C. Porém, são escassos os estudos avaliando essa variável na população de obesos mórbidos. No presente estudo serão avaliados 200 pacientes já submetidos à cirurgia bariátrica no Serviço de Cirurgia do Aparelho Digestivo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, através de um coorte retrospectivo com a análise dos seus prontuários eletrônicos. O perfil laboratorial desses pacientes incluirá análise de Colesterol total e frações, Triglicérides, Glicemia e insulinemia de jejum, enzimas hepáticas (AST, ALT, GAMA GT, FOSFATASE ALCALINA) e das plaquetas antes e 1 ano após cirurgia bariátrica. E posteriormente será calculado o índice apri, sendo relacionado com a ultrassonografia abdominal (quando houver), na avaliação do grau de fibrose e de infiltração gordurosa hepáticas. (AU)

Efeitos do exercício físico crônico de intensidade moderada nas vias de sinalização de insulina, inflamação e estresse oxidativo em indivíduos portadores de obesidade mórbida

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sarah Monte Alegre
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:09/52325-5
Vigência: 01 de junho de 2010 - 28 de fevereiro de 2013
Assunto(s):Exercício físicoSinalização celularInsulinaEstresse oxidativoObesidade mórbida
Resumo
O rápido crescimento da obesidade e suas conseqüências para a saúde, incluindo o aumento do estresse oxidativo, resistência à insulina e outros distúrbios associadas à síndrome metabólica, levaram ao desenvolvimento de várias pesquisas em relação a sua epidemiologia, dados etiológicos e tratamentos. O exercício é considerado um eficiente método não medicamentoso de atenuar os prejuízos causados por essa doença, pois além de promover a perda de peso ainda contribui significantemente com diversos benefícios relacionados às respostas do metabolismo. A atividade física de intensidade leve a moderada é caracterizada por aumentar os níveis de enzimas antioxidantes, dentre elas, a glutationa redutase, a catalase, a superóxido dismutase e a glutationa peroxidase. Dessa forma, reduz os danos causados pela alta concentração de agentes oxidantes em obesos. Além disso, o treinamento aeróbio também melhora a sensibilidade à insulina por meio de sua atuação direta nas vias de sinalização, simultaneamente à elevação do consumo de glicose pelo músculo esquelético independente de insulina, possivelmente pela via da AMPK. Em adição, através do exercício um outro mecanismo relacionado a oxidação de lipídios pode levar à diminuição da resistência à insulina. Desse modo, a determinação dos mecanismos fisiológicos e intramoleculares desencadeados pela atividade física crônica de intensidade leve a moderada é de grande relevância para compreender como o exercício pode proteger contra possíveis efeitos deletérios causados pelo excesso de peso e sua influência no estado de saúde dos obesos. (AU)

Estudo do papel do receptor B1 de cininas na homeostase glicêmica e obesidade através da caracterização do animal obeso e deficiente para o receptor B1 de cininas (ob/obB1KO)

Beneficiário:
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ronaldo de Carvalho Araújo
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/13130-4
Vigência: 01 de março de 2010 - 31 de julho de 2011
Assunto(s):InsulinaDiabetes mellitusObesidadeEndocrinologia
Resumo
O sistema calicreína-cininas (SCC), está envolvido em vários processos fisiológicos, tais como no controle da pressão arterial, mediação da dor e de processos inflamatórios e também na captação de glicose em tecido esquelético e no tecido adiposo branco. Fazem parte deste sistema: 1- os substratos precursores chamados de cininogênios; 2- enzimas que hidrolisam estes substratos e que são denominadas calicreínas; 3- as cininas que são o produto da ação das calicreínas sobre os cininogênios; 4- dois receptores distintos que foram caracterizados farmacologicamente e molecularmente denominados de receptores B1 e B2 de cininas; 5- enzimas que degradam as cininas liberando os agonistas do receptor B1, como as carboxipeptidases M e N, ou peptídeos inativos. Os animais ob/ob, apresentam uma mutação no gene de leptina que lhes confere várias modificações metabólicas como hiperfagia e diminuição do gasto energético. Por isso esses animais são excelentes modelos para o estudo da obesidade mórbida e doenças correlatas. E em 2009 utilizando da técnica de transplante de tecido adiposo nós geramos os animais ob/ob nocauteados para os receptores de cininas. Observamos que os animais obesos e deficientes para o receptor B1 de cininas (ob/obB1KO) são sensiveis a administração de leptina e os machos novos apresentam uma maior captação de glicose. Entretanto não sabemos se esse efeito se mantém quando mais velhos e se as fêmeas apresentam o mesmo fenótipo. Também são necessários maiores estudos sobre os possíveis mecanismos envolvidos nesse fenômeno. Portanto o presente estudo objetiva caracterizar a homeostase glicêmica dos camundongos ob/obB1KO e as suas repercussões na obesidade. Para tanto animais de ambos os sexos serão submetidos ao teste de tolerância a glicose e insulina em duas idades (3 e 6 meses). A morfometria do pancrêas também será motivo de estudo nesses animais. Serão verificadas as concentrações plasmáticas de insulina e outras adipocinas. A hiperfagia e ganho de peso serão avaliados semanalmente e o quadro inflamatório do tecido adiposo será monitorado através da mensuração de interleucinas circulantes, e presença de macrófagos no tecido adiposo por meio da citometria de fluxo. Um possível papel do receptor B2 de cininas nos animais deficientes para o receptor B1 será investigado através da PCR em tempo real. Além disso, a participação do receptor B1 nos processos fisiopatológicos como nefropatia e hipertrofia cardíacos relacionados à obesidade será avaliada. (AU)
Página 3 de 71 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP