Busca avançada

X

Criar um alerta por e-mail


Novos resultados para a sua pesquisa em seu e-mail, semanalmente.

Seu e-mail:

Tamanho do e-mail:



Seu endereço de e-mail não será divulgado.

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Publicações acadêmicas
  • Auxílios à Pesquisa
  • Bolsas
  • Programas de Infraestrutura de Pesquisa
  • Área do conhecimento
  • Situação
  • Ano de início
Excel (CSV)Alerta por e-mail   RSS
Página 3 de 92 resultado(s)
|
Resumo

A obesidade é uma doença crônica multifatorial que pode ser definida como o aumento patológico da massa corporal de gordura associado ao estado inflamatório crônico de baixa intensidade. É considerada, atualmente, uma epidemia mundial com destaque para sua prevalência e incidência crescentes, além das diversas comorbidades associadas, como doenças cardiovasculares, diabetes e câncer.A hipertensão arterial (HAS) é uma das principais comorbidades associadas a obesidade. Segundo dados epidemiológicos da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO), a hipertensão é cerca de 50% mais frequente em obesos.Para avaliar as repercussões cardíacas da hipertensão, a ecocardiografia é um exame amplamente utilizado. A ecocardiografia é um método não-invasivo para avaliar com precisão adequada a atividade do coração pelo diagnóstico estrutural e funcional da bomba. Também permite avaliar detalhadamente disfunções dos mecanismos adaptativos e compensatórios fisiológicos e patológicos, por meio da verificação de hipertrofia, de funções diastólica e sistólica, de débito cardíaco e de fluxo (direção e velocidade) sanguíneo.O objetivo do presente estudo é avaliar as repercussões cardíacas da hipertensão arterial na obesidade mórbida através das alterações no Ecocardiograma. (AU)

Resumo

A obesidade e especialmente a obesidade mórbida, causam inúmeros efeitos na função pulmonar e estes podem se acentuar frente à realização de procedimentos cirúrgicos, aumentando o risco de desenvolvimento de complicações respiratórias. O acompanhamento fisioterapêutico pré e pós-operatório tem importância na prevenção de complicações que são inerentes aos procedimentos cirúrgicos e que podem ser agravadas frente à presença da obesidade mórbida. O objetivo deste estudo será investigar os efeitos da aplicação de diferentes recursos da fisioterapia respiratória na função pulmonar, na mobilidade tóraco-abdominal e na prevalência de complicações pulmonares, em indivíduos submetidos à cirurgia bariátrica. Será um estudo do tipo prospectivo, randomizado, intervencionista e comparativo, aprovado pelo comitê de ética da instituição sob o parecer 89/12, no qual os voluntários adultos obesos mórbidos, candidatos à cirurgia bariátrica eletiva, serão submetidos à avaliações pré-operatórias, procedimentos intervencionistas e re-avaliação, no pós-operatório. A avaliação dos volumes e capacidades pulmonares será realizada por meio da espirometria, a mobilidade tóraco-abdominal será realizada por meio da cirtometria tóraco-abdominal e a análise da prevalência de complicações pulmonares será efetuada por meio dos laudos dos exames radiológicos emitidos por radiologista. Após a avaliação inicial os voluntários serão randomizados em cinco grupos. Cada um desses grupos será destinado a receber além da Fisioterapia respiratória convencional (FRC) um tipo de recurso fisioterapêutico durante o período de internação pós-cirúrgico, sendo eles: Somente FRC, FRC+ pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP) , FRC+ pressão positiva expiratória nas vias aéreas (EPAP), FRC + respiração com pressão positiva intermitente (RPPI) e FRC+ pressão positiva binível nas vias aéreas (BIPAP). A escolha dos testes estatísticos dependerá do resultado da análise dos dados pelo teste de normalidade em relação às distribuições encontradas e a homogeneidade ou não das respectivas variâncias. (AU)

Resumo

A obesidade e o excesso de peso são fatores de risco relevantes para o surgimento de doenças crônicas. Indivíduos com obesidade mórbida apresentam uma redução da capacidade funcional em comparação com pessoas dentro da faixa de peso normal. Isto ocorre por ser necessária uma maior quantidade de energia para mover uma massa corporal mais pesada. Objetivo: Avaliar a capacidade funcional de obesos mórbidos pré cirurgia bariátrica com o teste de caminhada de 6 minutos e comparar utilizando as fórmulas norte americana e brasileira para obesos. Método: A população desse estudo será composta por 90 pacientes consecutivos candidatos a cirurgia bariátrica, de ambos os sexos, com faixa etária entre 18 e 59 anos. Serão incluídos pacientes que com índice de massa corpórea >40Kg/m2 ou >35Kg/m2 com comorbidade, presença de nível cognitivo suficiente para entender e executar os procedimentos de avaliação e acompanhar as orientações dadas. Serão excluídos aqueles que apresentarem doenças associadas que impossibilitem a realização das avaliações. Todos os pacientes realizarão: avaliação antropométrica (peso e estatura), avaliação visual de dor e avaliação da capacidade funcional ( teste de caminhada de seis minutos). A análise dos dados será descritiva, por meio da média da distância caminhada, e analise de resíduo, considerando um nível de significância de 5% e um poder de 95%.Palavras chave: Obesidade Mórbida, Capacidade Funcional, Teste de Caminhada. (AU)

Resumo

A prevalência de obesidade encontra-se em constante crescimento em várias partes do mundo de forma a atingir proporções epidêmicas. As alterações nas vias de sinalização do estado de fome e saciedade contribuem para o aumento da obesidade e síndrome metabólica. Nas ultimas décadas descobriu-se que o tecido adiposo branco, é um tecido secretor de inúmeras adipocinas envolvidas com um estado crônico de inflamação, o qual pode interferir na regulação neuroendócrina do balanço energético, dificultando o processo de emagrecimento. Em resposta ao crescimento epidêmico mundial da obesidade e das alterações metabólicas decorrentes de tal agravo, a cirurgia bariátrica é indicada como a ferramenta mais eficaz no tratamento e controle da obesidade mórbida. A população do estudo será composta por pacientes submetidos à cirurgia bariátrica - Bypass gástrico em Y de Roux - no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR) no período de março de 2013 a abril de 2014. Trata-se de um estudo de coorte prospectivo com seguimento de 6 meses. O objetivo do presente estudo será avaliar os efeitos da perda de peso após a cirurgia bariátrica associadas às alterações metabólicas, o perfil das adipocinas pro/anti-inflamatórias (adiponectina, IL-6, IL-10, PCR-us, PAI-1, TNF-alfa e resistina) e a regulação neuroendócrina do balanço energético (leptina, NPY, alfa-MSH, MCH e AgRP), bem como avaliar a qualidade de vida em obesos adultos. (AU)

Resumo

A transformação do estilo de vida na atualidade, principalmente no que se refere aos hábitos alimentares inadequados e o sedentarismo, tem conduzido a um quadro de obesidade crescente em todo o mundo. Frente a constatação de que odontologia pode contribuir na etiologia da obesidade, em se tratando dos diversos problemas bucais, como cárie dentária, doença periodontal, alteração do fluxo salivar, e principalmente a perda de elementos dentários, que podem influenciar no processo de ganho de peso, a reabilitação oral passa a ter caráter fundamental para o sucesso do tratamento de redução de peso. Uma vez que a eficiência mastigatória diminuída, em razão da ausência de dentes, pode predispor o individuo a consumir alimentos de menor densidade e maior quantidade calórica. Assim sendo, este estudo objetiva avaliar a função muscular e capacidade mastigatória de pacientes obesos mórbidos com indicação para cirurgia bariátrica com o intuito de promover um acompanhamento odontológico analisando funções que podem se alterar no decorrer dos momentos pré e pós operatório, buscando proporcionar e bem-estar e uma melhor adaptação a nova condição. A amostra será constituída por 100 indivíduos obesos indicados à cirurgia bariátrica, sendo 70 com necessidade protética e 30 sem necessidade protética como grupo controle. Os métodos utilizados serão: avaliação Muscular - Algometria (Limiar de Dor à Pressão - LDP); Escala de Análise Visual (EAV); Capacidade e Eficiência Mastigatória; Reabilitação oral e Preparo de Boca; Qualidade de vida. Serão conduzidas análises bivariadas e regressão logística múltipla com o intuito de alcançar os objetivos propostos. Para todos os testes será fixado o nível de significância de p d0,05 e intervalo de confiança de 95%. Como resultados, espera-se que ocorram alterações funcionais do sistema estomatognático dos pacientes submetidos à cirurgia bariátrica e que essas alterações possam no futuro identificadas precocemente e prevenidas. Esta pesquisa irá proporcionar a adequação bucal dos pacientes obesos mórbidos, para que estes possam ser submetidos à cirurgia bariátrica sob condições bucais satisfatórias. (AU)

Resumo

A obesidade se tornou um importante problema de saúde pública e continua crescendo de forma alarmante, tornando-se cada vez maior a prevalência de obesidade mórbida. Não existe consenso sobre o melhor método para mensurar a composição corporal em portadores de obesidade grave, já que as metodologias comumente utilizadas apresentam limitações importantes nessa população. O objetivo do presente estudo é comparar a composição corporal obtida com o Índice de Adiposidade Corporal (IAC) e a Impedância Bioelétrica (BIA) em 300 adultos com obesidade mórbida. (AU)

Resumo

Obesidade é uma condição na qual o peso de uma pessoa é superior àquele compatível com a manutenção da saúde e do bem-estar. A prevalência tem crescido nos países do ocidente na última década, alcançando proporções epidêmicas. Estima-se que 97 milhões de adultos nos Estados Unidos estejam acima do peso ou obesos, apresentando Índice de Massa Corpórea (IMC) superior a 252. No Brasil estima-se que 40% (70.000.000) da população esteja acima do peso ideal, sendo a obesidade responsável por cerca de 80.000 mortes ao ano com um aumento detectado de 240% em 10 anos só na obesidade infantil. Essa afecção gera aumento da morbimortalidade, a ponto de, na sua forma mais grave, ser nomeada de obesidade mórbida. Os custos anuais de seu tratamento atingem a casa das dezenas de bilhões de dólares. A obesidade tem sido tradicionalmente tratada por programas que envolvem dietas, exercícios, orientações comportamentais e psicológicas, além da utilização de drogas para diminuição do apetite. Essa abordagem porém, apesar de conseguir reduzir o peso, não consegue manter os resultados a longo prazo2- 8.Um dos métodos objetivos para medir a obesidade é o IMC, que classifica o peso relacionando-o com a altura do paciente. Atualmente, sobrepeso é definido como um IMC de 25 a 29,9 kg/m² e obesidade é considerada como sendo um IMC de 30 kg/m² ou mais9. Obesidade extrema ou mórbida é geralmente definida como um IMC igual ou maior que 40 kg/m². Superobesidade é definida pelo IMC de 50 kg/m² ou mais e é uma categoria em crescimento. Uma grande preocupação para o paciente obeso é o aumento substancial das complicações associadas à obesidade, doença multifatorial, que eleva os riscos de morbidade e mortalidade, visto que algumas desordens como diabetes mellitus tipo 2, hipertensão arterial sistêmica, doença cardiovascular, cerebrovascular, osteoartrite, distúrbios hepatobiliares e apnéia do sono são frequentes nestes pacientes.A doença tem sido associada ao aumento da mortalidade em geral e tida como responsável direta pela morte de 300.000 pessoas por ano. O tratamento cirúrgico é o método mais efetivo na maioria dos pacientes, principalmente nos obesos mórbidos, entretanto apresenta taxas de complicações de 5 a 8% e mortalidade de aproximadamente 1%. De fato, apesar dos riscos, a cirurgia para perda de peso tem menor incidência de mortalidade que a obesidade não tratada ao longo do tempo. A razão para esta perda de 10% do excesso de peso é que, mesmo uma modesta redução poderá diminuir significativamente os riscos de doenças relacionadas à obesidade, como disfunções pulmonares, diabetes, hipertensão e outros riscos fisiológicos associados às comorbidades. Além de melhorar o estado de saúde geral do paciente previamente à cirurgia bariátrica, a perda de peso pré-operatória vai atestar a disposição do paciente em perder peso, reduzir riscos de complicações perioperatórias, acostumá-lo a um estilo de vida com restrição alimentar e possivelmente aumentar a redução de peso total. Esses fatores em conjunto podem aumentar a probabilidade de sucesso na redução de peso em longo prazo. (AU)

Resumo

A cirurgia bariátrica é o tratamento de maior sucesso na obesidade, mas pode levar a deficiências nutricionais específicas, como a de ferro, principalmente em mulheres em idade fértil, que para manter a eritropoiese adequada tem sua necessidade aumentada. Por outro lado, após a cirurgia há melhora da inflamação e da homeostase do ferro, o que levanta questão sobre a suplementação alimentar frente às atuais demandas nutricionais. Diante disso, o objetivo do presente estudo será analisar o efeito da suplementação em micronutrientes e da cirurgia de derivação gástrica em Y de Roux sobre a homeostase do ferro e a inflamação em mulheres obesas. Será um estudo prospectivo de intervenção com 40 mulheres obesas mórbidas, com acompanhamento e suplementação de vitaminas e minerais 40 dias antes da cirurgia e 6 meses após a cirurgia. Serão avaliados indicadores antropométricos, marcadores inflamatórios e metabólicos, expressão de genes relacionados ao metabolismo do ferro e consumo alimentar. O conhecimento gerado, além de elucidar aspectos do metabolismo do ferro nas condições de inflamação e depleção do mineral, poderá colaborar no estabelecimento de estratégias para monitoramento dos resultados da cirurgia. (AU)

Resumo

Obesos graves, portadores de diabetes melito tipo 2 (DM2) submetidos à Gastroplastia Redutora a Y-Roux (GRYR), apresentam controle da glicemia pós operatória já na alta hospitalar, antes de ocorrer perda de peso significativa e muitas vezes dispensando medicamentos hipoglicemiantes. Experimentalmente, as alterações anatômicas induzidas pela GRYR alteram a expressão de genes gástricos e intestinais relacionados ao controle glicêmico e determinantes na resolução do DM2. No entanto, não há nenhum estudo clínico que comprove essa observação em humanos. Nós estudaremos 20 pacientes obesos graves portadores de DM2 e candidatos à gastroplastia redutora a Y-Roux. Antes e após 3 meses da GRYR, serão coletas biópsias endoscópicas do corpo gástrico, fundo gástrico, duodeno, jejuno e íleo por enteroscopia de duplo balão, para o estudo de alterações da expressão de mRNA tecidual, por técnica de microarray. Genes expressos e alterados serão validados por RT-qPCR e sua expressão protéica por espectrometria de massa. Concentrações plasmáticas de glicose, incretinas, insulina, peptídeo C e hemoglobina glicada também serão avaliadas antes e depois da operação. Vias metabólicas que envolvam genes alterados após gastroplastia redutora a Y-Roux serão identificadas e propostas como potencial alvo terapêutico para DM2. A composição da microbiota em obesos e diabéticos atualmente é reconhecida como importante fator no controle da glicemia. Nesse sentido, paralelamente, avaliaremos as variações pré e pós-operatórias da composição da microbiota fecal em nossos pacientes. (AU)

Resumo

A obesidade é considerada atualmente um problema de saúde pública com proporções epidêmicas. Indivíduos obesos sofrem com desvantagens sociais decorrentes do preconceito que permeia este problema de saúde. Os quadros depressivos estão frequentemente associados à obesidade mórbida, embora as suas relações não estejam totalmente esclarecidas.A presente pesquisa é um estudo transversal com pacientes obesos mórbidos que aguardam a Cirurgia Bariátrica no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de São Paulo (HC-FMUSP). A amostra pretendida de 400 sujeitos será recrutada consecutivamente da lista de espera do Ambulatório de Cirurgia Bariátrica. Os participantes da pesquisa serão entrevistados pela Escala de Avaliação de Depressão de Montgomery-Åsberg (MADRS) após a mensuração antropométrica de peso e altura para calcular o índice de Massa Corpórea (IMC). Os dados de sintomas depressivos serão analisados de forma descritiva e multivariada. As pontuações de sintomas depressivos e IMC serão calculadas por meio de análise de correlação. (AU)

Página 3 de 92 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s)
Marcar todos desta pagina | Limpar seleção