site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas de Pesquisa direcionados à Aplicação
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
132 resultado(s)
|

"efeito do silenciamento da CA12 e da ativação da do NF-kB, via TNFa, em células tronco de glioblastoma"

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Alberto Scrideli
Local de pesquisa: Harvard Medical School (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Processo:14/08899-5
Vigência: 01 de setembro de 2014 - 31 de agosto de 2015
Assunto(s):GlioblastomaOncologia
Resumo
O tratamento dos glioblastomas (GBM) representa um grande desafio na clinica médica uma vez que estes tumores cerebrais são altamente agressivos e resistentes à radioterapia e a quimioterapia, e a recorrência é praticamente inevitável. O prognóstico desfavorável dos pacientes com GBM é, em parte, devido à presença de população heterogenea de células tronco presentes no glioblastoma (GSCs) que são caracterizadas por comportamento invasivo e resistência à apoptose. A hipóxia, uma característica predominante no microambiente do GBM, está associada com o crescimento do tumor. Células de GBM expressam anidrases carbônicas ligadas à membrana (CAs), uma família de enzimas que regulam diversos processos fisiológicos e patológicos. Estas enzimas têm sido associadas à regulação da acidez do microambiente tumoral e pode ser particularmente relevante para compreender os mecanismos que contribuem para os processos de invasão e propagação das células tronco tumoral em gliomas. Em particular, a expressão de CA12 em GSCs pode promover a sobrevivência e a proliferação das células cancerosas disseminadas em um ambiente hipóxico. Devido a estas caracteristicas, nossa presente proposta será investigar os mecanismos de CA12 que podem estar favorecer à progressão dos glioma. Na primeira fase da pesquisa, realizada no Brasil, avaliamos os efeitos da inibição CA9 e CA12 com indisulam in vivo e in vitro. Os nossos resultados indicaram que o indisulam promoveu, in vitro, redução significativa da proliferação celular e aumento da apoptose e, in vivo, redução do volume do tumoral e aumentou o efeito do quimioterapico padrão, a temozolomida. Para a segunda etapa da pesquisa, propomos determinar o potencial de correlação da expressão CA12 com o subtipo molecular de glioblastoma e estudar, em modelo xenográfico, os efeitos do CA12 knockdown no crescimento de GSC, na quimioresistência, na invasão e na angiogênese. Acreditamos que nossos resultados poderão contribuir significativamente para um melhor entendimento dos mecanismos de ação da anidrase carbônica no microambiente do glioma, favorecendo a novas abordagens terapêuticas. (AU)

Identificação de aptâmeros de DNA para células-tronco tumorais de glioblastoma multiforme humano

Beneficiário:
Instituição: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alexander Henning Ulrich
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:14/00462-7
Vigência: 01 de setembro de 2014 - 31 de agosto de 2016
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Assunto(s):Células-tronco
Resumo
Glioblastoma multiforme (GBM) é o tipo mais comum e agressivo de tumor cerebral em adultos, apresentando uma das piores taxas de sobrevivência entre todos os tipos de câncer humano. Diversas evidências têm indicado que o pobre prognóstico do GBM esteja relacionado a uma população intratumoral de células-tronco do GBM (GSC), as quais seriam resistentes à radiação e à quimioterapia e também capazes de recapitular a tumorigênese do GBM. Diante de tal perspectiva, o objetivo principal do presente projeto é o de identificar uma assinatura molecular para as GSC, baseada na seleção de um aptâmero para uma linhagem de GBM enriquecida em GSC, e não compartilhada tanto pela linhagem de GBM não enriquecida em GSC (non-GSC) como por células progenitoras neurais (NPC). Primeiramente, a linhagem de GBM será enriquecida em GSC e avaliada buscando-se confirmar o fenótipo de células-tronco através da habilidade de formação de colônia celular in vitro, resistência ao tratamento com quimioterápico e expressão de marcadores já descritos em GSC. Em seguida, os aptâmeros serão selecionados através da técnica Cell-Selex, empregando-se uma seleção positiva contra a linhagem de GBM previamente enriquecida em GSC e uma seleção negativa contra non-GSC e NPC. Em seguida, o aptâmero a ser identificado será modificado quimicamente para ser utilizado no imageamento e purificação de GSC a partir de culturas primárias de GBM, através de citometria por imagem e sorteamento (FACS), respectivamente. Finalmente, as GSC a serem purificadas serão comparadas às células remanescentes e às células totais das culturas primárias de GBM através de ensaio de tumorigênese in vivo. A demonstração do fenótipo de GSC para as células purificadas a partir de culturas primárias de GBM através do aptâmero-GSC suportará a identificação de uma assinatura molecular para as GSC, a qual poderá contribuir tanto para melhor elucidar a biologia de GSC e para prover informações relevantes no diagnóstico/prognóstico de pacientes acometidos pelo GBM, como também para a entrega de drogas especificamente para as GSC. (AU)

Instabilidade genômica e vias de sinalização molecular envolvendo respostas a danos e reparo do DNA em doenças humanas

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elza Tiemi Sakamoto Hojo
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/09352-7
Vigência: 01 de agosto de 2014 - 31 de julho de 2016
Assunto(s):Doença de AlzheimerDiabetes MellitusExpressão gênicaMicroRNAsGlioblastomaFatores de transcriçãoReparo de DNA
Resumo
Sub-projeto-01: O estresse oxidativo tem sido associado à etiopatogenia de doenças humanas, como a doença de Alzheimer (DA) e o Diabetes Mellitus (DM), mas as bases moleculares destas ainda são pouco elucidadas. Considerando a hipótese de que o estresse oxidativo e alterações nos mecanismos de reparo do DNA constituem fatores importantes para o desenvolvimento da DA e do DM tipo 1 (DM1), o projeto tem como objetivos: 1) Análise bioinformática dos perfis de expressão gênica transcricional (dados obtidos por microarranjos), visando detectar genes com expressão significativamente alterada em células mononucleares do sangue periférico (PBMCs) de pacientes com DA em relação a idosos sadios (estes serão comparados aos dados já obtidos para o grupo DM1: doutorado de Paula Takahashi); 2) Analisar a expressão de alguns genes e proteínas (com base nos resultados obtidos por microarranjos, comparações: DA versus controles e DM1 versus controles) por meio de PCR quantitativa em tempo real e Western blot, respectivamente; 3) Analisar a expressão de microRNAs (microarranjos) em pacientes com DA em relação a idosos sadios (estes serão comparados aos dados já obtidos para o grupo DM1: doutorado de Paula Takahashi), visando buscar a associação dos microRNAs com RNAs mensageiros, principalmente de genes de resposta ao estresse oxidativo/reparo; 4) Validar interações microRNA-RNA mensageiro pelo ensaio do gene repórter luciferase; 5) Estudar a expressão de algumas proteínas-chave da via da TP53, visto que em estudo anterior esta proteína se mostrou mais expressa em DA (Leandro et al., Int J Mol Sci. 14(6): 12380, 2013). Os dados a serem gerados poderão contribuir com informações relevantes para a compreensão do papel do estresse oxidativo e do reparo do DNA na etiopatogenia da DA e DM1, com a possibilidade de detectar vias comuns com regulação gênica modificada nessas doenças.Sub-projeto-02: O glioblastoma multiforme (GBM) é um dos tumores mais letais e a resistência destes aos tratamentos convencionais constitui um grande desafio a ser superado. A presente proposta tem como enfoque a aplicação de inibição molecular (genes de reparo do DNA e fatores de transcrição) visando influenciar as respostas das células de GBM à droga TMZ ou às radiações, no sentido de incrementar a letalidade celular. Os objetivos consistem em avaliar os efeitos da inibição da enzima de reparo PARP-1 pelo agente NU1025 (inibidor de PARP-1) em linhagens de GBM resistentes (LN18 e T98G) à droga TMZ, com diferenças no status do gene PTEN (normal e mutado, respectivamente). A influência de PTEN (o qual também participa na via HR) nas respostas celulares será estudada pela inibição deste por siRNA na linhagem LN18, sendo que a participação do reparo MGMT será também avaliada pela inibição deste (inibidor O6-BG) nas mesmas linhagens (proficientes para esse reparo). Os efeitos dos tratamentos combinados (TMZ + NU1025) serão avaliados por vários ensaios ao nível celular (sobrevivência clonogênica, cinética do ciclo celular, indução de danos no DNA por ³-H2AX e apoptose) e molecular (perfis de expressão gênica, proteica e ensaios funcionais de inibição por siRNA). Além disso, com base em fundamentos da literatura e em dados anteriormente obtidos, a inibição de fatores de transcrição será também testada como possível estratégia para aumentar a letalidade das células de GBM, sendo utilizado o inibidor químico HLM006474, o qual tem como alvo as proteínas da família E2F. Esse inibidor será testado em células de GBM (U87MG e U343MG-a) expostas à irradiação com raios-gama, sendo as respostas celulares avaliadas por meio da vários ensaios funcionais ao nível celular e molecular (incluindo o método de microarranjos). Adicionalmente, o background genético dessas células será também considerado na interpretação dos dados, sendo que alguns genes de interesse serão sequenciados. (AU)

Inibição de PARP-1 ou do fator de transcrição E2F em linhagens de glioblastoma tratadas com antitumorais, visando uma possível aplicação como estratégia terapêutica

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elza Tiemi Sakamoto Hojo
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:14/14099-1
Vigência: 01 de agosto de 2014 - 31 de julho de 2016
Assunto(s):Instabilidade genômicaReparação de dna
Resumo
O glioblastoma (GBM) é um dos tumores mais letais e a radioterapia e quimioterapia adjuvante com temozolomida (TMZ) permanecem como as principais terapias. Entretanto, a sobrevida desses pacientes não ultrapassa 15 meses após o diagnóstico, sendo a resistência desses tumores aos tratamentos o grande desafio a ser superado. Novas modalidades de tratamento visam aumentar a eficácia terapêutica dos tratamentos padrões (quimio e/ou radioterapia), como a estratégia de inibição do reparo do DNA. Assim, com o objetivo de investigar os mecanismos envolvidos na resistência do GBM aos agentes antitumorais (além dos já conhecidos, como é o caso do reparo MGMT), utilizaremos como estratégia a inibição de PARP-1, enzima participante de várias vias de reparo, dentre outros processos. A hipótese do presente projeto se baseia nas evidências de que a letalidade sintética (inibição dupla de vias de reparo) envolvendo inibidores de PARP associada ao comprometimento do HR (Homologous Recombination) se mostra eficaz no sentido de incrementar a letalidade dirigida às células tumorais. Mutações no gene PTEN têm sido observadas em 30-40% dos pacientes com GBM, o qual pode possivelmente comprometer o HR, visto estar envolvido na regulação de RAD51, o que torna interessante a investigação envolvendo a letalidade sintética promovida por inibidores de PARP e HR em GBMs. Outro alvo interessante é a família E2F de fatores de transcrição. Há evidência de que membros dessa família apresentam funções relacionadas à proliferação, apoptose, invasão, ciclo celular e reparo no DNA; alguns desses fatores de transcrição (E2F1 e E2F4) já foram relatados como superexpressos em GBM, quando comparados a amostras de tecidos cerebrais normais. Assim, o objetivo principal do projeto é estudar as respostas celulares sob tratamentos com a droga TMZ associada à inibição de PARP-1, bem como sob condições de irradiação das células associada ao inibidor de E2F1, buscando alterações na indução de danos no DNA e incremento da letalidade celular, o que será avaliado por vários métodos: sobrevivência clonogênica, cinética de progressão do ciclo celular, apoptose e cinética do reparo de quebras duplas em células de várias linhagens de GBM. (AU)

Efeito de desintegrinas encapsuladas em nanopartículas de quitosana sobre células de glioma maligno

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Palmira Daflon Gremião
Local de pesquisa: University of Southern California (USC) (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Processo:13/26805-5
Vigência: 01 de agosto de 2014 - 31 de julho de 2015
Assunto(s):NanopartículasGlioblastomaIntegrinasQuitosanaNanotecnologia
Resumo
Glioblastoma multiforme (GBM), o glioma mais maligno e invasivo, e é responsável por 15% de todos os tumores cerebrais. O tratamento atual para GBM envolve cirurgia, radioterapia e quimioterapia com temozolomida. Além disso, os tumores recorrentes são resistente à quimioterapia. Portanto, há uma necessidade crítica de novas e eficazes terapias para GBM. Recentemente, investigações demonstraram que as desintegrinas se ligam especificamente a certas integrinas na superfície das células de glioma e, assim, inibe a sua interação com a matriz extracelular (MEC), resultando no bloqueio da motilidade celular e capacidade invasiva. A terapia-alvo com a desintegrina é uma estratégia promissora para bloquear a via de sinalização das integrinas. Apesar de o efeito benéfico das desintegrinas, a liberação de proteínas para o cérebro continua sendo um grande problema, principalmente devido à dificuldade em penetrar através da barreira hematoencefálica. Para superar esses problemas, iremos desenvolver um sistema de liberação de fármacos que promova a passagem da desintegrina para o cérebro, bloqueando assim as vias de sinalização da integrina, resultando em um bloqueio de motilidade celular e invasão do glioblastoma. Durante a fase de investigação na Universidade do Sul da Califórnia, Los Angeles, sob a supervisão do Professor Dr. Florence Hofman, as nanopartículas de quitosana encapsuladas com desintegrina serão avaliados in vitro utilizando diferentes linhagens celulares de GBM , e in vivo no modelo de xenotransplante intracraniano de glioblastoma. (AU)

Investigação do papel do citomegalovírus humano HCMV na resistência de células tumorais de glioblastoma (GBM) ao tratamento quimioterápico in vitro

Beneficiário:
Instituição: Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH). Universidade Federal do ABC (UFABC). Santo André, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Cristina Carlan da Silva
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:14/08582-1
Vigência: 01 de junho de 2014 - 30 de novembro de 2015
Resumo
O citomegalovírus humano é um agente que pode causar várias enfermidades em imunodeprimidos que podem culminar em morte. Evidências recentes demonstram que o vírus também pode estar envolvido com o aumento da malignidade de processos tumorais. O vírus tem sido detectado em vários tipos de cânceres, especialmente em glioblastomas, o tumor de células da glia mais maligno. Diversos mecanismos moleculares são alterados pelo HCMV como: proliferação celular, diferenciação celular, angiogênese e apoptose. Através destes processos o vírus pode não somente aumentar a malignidade tumoral, mas também causar a resistência celular a agentes quimioterápicos. Este estudo visa investigar o papel do HCMV na resistência de células tumorais a drogas anti-câncer. Os dados obtidos contribuirão para um maior entendimento sobre a relação entre o vírus e processos (AU)

Relevância de ADAM23 na modulação da via de Wnt na progressão de gliomas

Beneficiário:
Instituição: Laboratório de Biologia Molecular e Genômica. Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer (ILPC). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Érico Tosoni Costa
Local de pesquisa: San Diego Branch of the Ludwig Institute for Cancer Research (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Processo:14/04945-2
Vigência: 28 de abril de 2014 - 27 de abril de 2015
Assunto(s):NeoplasiasGliomaOncologia
Resumo
O fenótipo maligno evolui por meio de um ajuste fino de certos programas moleculares inerentes. Dentro deste contexto, o silenciamento epigenético do gene ADAM23 surge como um acontecimento recorrente em uma ampla variedade de tumores, frequentemente associado com doença metastática e/ou a progressão tumoral. Nós mostramos que os níveis de expressão de ADAM23 apresentam redução gradual durante a progressão de gliomas em comparação com amostras de cérebro normal, estando de acordo com a noção de que a redução na expressão de ADAM23 pode estar associada à ativação de programas malignos em células tumorais. Nossos dados de RNA-Seq indicam que ADAM23 knockdown ativa a via de WNT, que por sua vez atua no controle do movimento celular e determinação do destino da célula. Além disso, no nosso modelo de celular (MDA -MB- 435), as células silenciadas para ADAM23 também podem instruir células vizinhas não-silenciadas ADAM23-positivas a adquirir um fenótipo mais migratório e invasivo, por meio de uma comunicação celular dependente de óxido nítrico (NO). Então, para testar se a ativação da via de WNT dependente do silenciamento de ADAM23 acarreta em maior malignidade em glioblastomas (GBM), propomos a silenciar ADAM23 em linhagens celulares de GBM, caracterizar alguns dos principais reguladores da via de WNT por Western Blot, em seguida, usar drogas ou contruções de shRNA para ativar ou inibir reguladores específicos da cascata de sinalização de WNT. Esperamos identificar quais perturbações nas vias canônica ou não-canônica de sinalização de WNT poderiam reverter os efeitos produzidos pelo silenciamento de ADAM23, tanto os efeitos intrínsecos como os extrínsecos. Além disso, a utilização de culturas de neuroesferas obtidas a partir de gliomas pode ser um modelo interessante para verificar o fenótipo semelhante a células-tronco associado à regulação negativa de ADAM23. Alternativamente, vamos explorar a ativação de outros programas malignos no contexto heterogêneo, como Notch e Hedgehog, que também podem ser modulados por sinalização via NO. Acreditamos que a colaboração com o grupo do Dr. Frank Furnari no Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer ( San Diego, CA, EUA) vai ser essencial para atribuir a importância do papel de ADAM23 na progressão de astrocitoma e desenvolvimento de malignidade. (AU)

Caracterização funcional da HJURP (Holliday Junction Recognizing Protein) em células de glioblastoma multiforme

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Valeria Valente
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:13/23122-4
Vigência: 01 de abril de 2014 - 31 de dezembro de 2014
Assunto(s):Reparação de dna
Resumo
Os astrocitomas são os tumores cerebrais primários mais comuns em adultos. De acordo com o grau de diferenciação e agressividade, eles são classificados em astrocitoma difuso de baixo grau (grau II), astrocitoma anaplástico (grau III) e glioblastoma multiforme (grau IV). Dentre eles, o glioblastoma multiforme (GBM) é o tipo mais frequente e agressivo, sendo que a maioria dos pacientes apresenta sobrevida de aproximadamente um ano após o diagnóstico. Isto se deve a alta invasividade e resistência dos GBMs a radio e quimioterapia. Estudos recentes tem revelado que a sua caracterização molecular é fundamental para a obtenção de diagnósticos mais precisos e o desenvolvimento de terapias mais dirigidas e eficazes. Dentro deste contexto, observamos em estudos prévios que HJURP (Holliday Junction Recognizing Protein), uma nova proteína envolvida em reparo de DNA e estabilidade genômica, está altamente super-expressa nos GBMs. Dados recentes de nosso laboratório mostraram que a redução de HJURP promove um drástico aumento nos níveis de apoptose em duas linhagens celulares de GBM, enquanto que células não tumorais não foram significativamente afetadas. Portanto, propomos estender a caracterização das funções de HJURP em células de GBM buscando: i) avaliar o requerimento de HJURP para viabilidade de outras linhagens celulares (normais e tumorais), ii) investigar a possível associação entre os níveis de expressão de HJURP e a resistência das células de GBM à radiação ionizante, e iii) caracterizar os mecanismos moleculares da ação de HJURP em diferentes células de GBM. Para isso, realizaremos ensaios funcionais de silenciamento gênico, através de RNA de interferência, e super-expressão para investigar o requerimento de HJURP para a atividade proliferativa e de reparo de DNA. Além disso, iremos investigar as vias que regulam sua atividade e mecanismo de ação, procurando caracterizar a relação entre HJURP e as proteínas supressoras tumorais ATM quinase e p53 que, de acordo com dados da literatura, atuam em vias compartilhadas com HJURP. Outro interesse deste projeto é a identificação dos parceiros moleculares de HJURP em diferentes linhagens de GBM, através de experimentos de imunoprecipitação seguidos de espectrometria de massas. Desse modo, pretendemos avançar no entendimento das funções de HJURP e avaliar sua participação na manutenção da estabilidade genômica das células de astrocitoma, o que poderá indicar o potencial desta proteína como alvo terapêutico. (AU)

Perfil de expressão global de microRNAs em neuroesferas e células aderidas de culturas primárias de glioblastoma tratadas com radiação ionizante e temozolomida

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Daniela Pretti da Cunha Tirapelli
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/25923-4
Vigência: 01 de abril de 2014 - 31 de março de 2016
Assunto(s):NeurocirurgiaNeoplasias cerebraisGlioblastomaCélulas-tronco neoplásicasProliferação celularMicroRNAsAnálise globalExpressão gênicaRadiação ionizante
Resumo
Introdução: Glioblastomas (GBM) são os tumores cerebrais primários malignos mais comuns, e apresentam elevada taxa de mortalidade. Apesar dos atuais avanços na terapia, os GBMs são extremamente resistentes à radiação ionizante e aos quimioterápicos, e o número de recidivas é elevado. Estudos trazem que esse eminente potencial tumorigênico deve-se à presença de uma subpopulação de células neoplásicas, com características de células tronco, denominadas células tronco tumorais (CSCs). Em gliomas, o isolamento dessas células tronco tumorais tem sido feito através de marcadores antigênicos e observando as condições de cultura de células tronco neurais normais in vitro. Isto é, a proliferação de células tumorais flutuantes quando colocadas em cultura, são análogas às neurosferas derivadas das células tronco neurais normais, em condições de cultura definidas. Acredita-se que as CSCs sejam as responsáveis pelo restabelecimento do tumor e pela baixa eficácia do tratamento, visto que essas células demonstram propriedades malignas como tumorigênese, radiorresistência e quimiorresistência. A implicação prática desse achado é que nenhuma terapia atual é capaz de suprimir ou parar a proliferação dessas células. Diversos microRNAs têm sido relacionados ao desenvolvimento e proliferação dos glioblastomas, associados a diversos mecanismos moleculares. Estudos demonstram que nos tumores cerebrais esses microRNAs apresentam níveis de expressão alterados, sendo um dos mecanismos essenciais para regulação das células tronco tumorais (CSCs).Objetivos: Analisar o perfil de expressão global de microRNAs em neuroesferas e células aderidas de culturas primárias de pacientes com diagnóstico de glioblastoma submetidas aos tratamentos com radiação ionizante e da temozolomida, associadas ou isoladas. Material e Métodos: Serão utilizadas culturas primárias de 10 pacientes com diagnóstico de glioblastoma. A análise global de expressão será realizada pela técnica de TaqMan® Low Density Array microRNA (TLDA) para quantificação da expressão dos microRNAs nos dois grupos (neuroesferas e células adquiridas) em cada um dos subgrupos de tratamento: controle, radiação ionizante, temozolomida e temozolomida associada a radiação ionizante. (AU)

Avaliação dos efeitos antitumorais da inibição in vitro do fator de transcrição AP-1 por DTCM -G em glioblastoma adulto e pediátrico

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:María Sol Brassesco Annichini
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/23239-9
Vigência: 01 de abril de 2014 - 31 de dezembro de 2014
Assunto(s):Glioblastoma
Resumo
O Glioblastoma (GBM) caracteriza-se como um tumor maligno representando 50% dos tumores cerebrais em adultos sendo mais rara sua ocorrência em crianças (9%). Apesar dos avanços terapêuticos, a sobrevida dos pacientes permanece baixa, cerca de um ano, na maioria dos casos. A dificuldade no combate desse câncer se deve em grande parte à natureza invasora do tumor, (que resulta em alta frequência de recorrência pós-cirúrgica), e a sua resistência à apoptose e ao tratamento quimioterápico convencional. Um importante ponto de convergência das vias envolvidas nos processos de proliferação, apoptose e invasão é representado pelo fator de transcrição AP-1. Em glioblastomas, o componente c-Jun deste fator é encontrado hiperfosforilado e, portanto mais ativo no processo de transcrição gênica, desempenhando um papel importante no aumento da expressão de genes envolvidos em processos oncogenicos. Recentemente, foi sintetizado um inibidor específico para esse fator chamado DTCM-g, que bloqueia a fosforilação da subunidade c-Jun impedindo a translocação do fator de transcrição AP-1 para o núcleo. Este inibidor já apresentou atividade antitumoral em osteossarcoma e câncer de bexiga, entretanto seu efeito em glioblastoma permanece desconhecido. Dessa forma, no presente projeto pretende-se estudar a influencia da inibição de AP-1 por DTCM-g em linhagens celulares de glioblastomas adultos e pediátricos nos processos de proliferação, morte e invasão celular, com base em testes funcionais e na expressão de genes envolvidos nestes processos. (AU)

Identificação e análise funcional de proteínas de ligação a RNA associadas com o desenvolvimento do glioblastoma multiforme

Beneficiário:
Instituição: Hospital Sírio-Libanês. Sociedade Beneficente de Senhoras (SBSHSL). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Pedro Alexandre Favoretto Galante
Local de pesquisa: University of Texas Health Science Center at San Antonio (UTHSCSA) (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Processo:13/25483-4
Vigência: 01 de abril de 2014 - 30 de novembro de 2014
Assunto(s):Bioinformática
Resumo
Glioblastoma multiforme (GBM) é um dos tipos de tumor cerebral mais agressivos, com uma sobrevida média dos pacientes de aproximadamente 15 meses após o diagnóstico. Essa baixa taxa de sobrevida é explicada pelo fato de que os tratamentos existentes não são capazes de impedir a recidiva do tumor. Assim, compreender aspectos básicos da biologia do GBM, como sua origem, desenvolvimento e resistência é fundamental para desenvolver terapias mais eficazes. Proteínas de ligação a RNA (RBPs) estão entre as moléculas envolvidas na origem e desenvolvimento do GBM. RBPs são moléculas cruciais para a regulação pós-transcricional da expressão gênica, estando envolvidas em diversos processos celulares como processamento de mRNAs e miRNAs, estabilidade, degradação, poliadenilação, splicing, entre outros. Alterações em seus níveis de expressão podem causar diversas modificações no proteoma das células, o que pode levar a estados patológicos, incluindo a tumorigênese. No presente projeto, propomos identificar RBPs relacionadas ao desenvolvimento e resistência do GBM ao tratamento. Primeiramente, iremos selecionar RBPs candidatas através de buscas em bancos de dados de expressão gênica; em seguida, em colaboração com o grupo do Dr. Penalva, iremos determinar o impacto das RBPs sobre expressas em GBM na proliferação, invasão, apoptose e sobrevivência. Os mRNAs alvos das três RBPs que apresentarem impacto mais proeminente nos ensaios funcionais serão determinados pela metodologia de iCLIP; sua relevância para o desenvolvimento do GBM será explorada por meio de metodologias de bioinformática, através do mapeamento dos genes alvo em processos biológicos e vias. Em conclusão, esperamos que a investigação dos elementos centrais que controlam a regulação pós-transcricional da expressão gênica em células tumorais, como as RBPs, possam revelar aspectos a respeito do desenvolvimento do GBM e abrir possibilidades de encontrar novos alvos terapêuticos. (AU)

Papel de mTOR e RSK no processo de tumorigênese em gliomas

Beneficiário:
Instituição: A C Camargo Cancer Center. Fundação Antonio Prudente. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Glaucia Noeli Maroso Hajj
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:13/25025-6
Vigência: 01 de março de 2014 - 29 de fevereiro de 2016
Assunto(s):GlioblastomaOncologia
Resumo
Os astrocitomas são neoplasias primárias do Sistema Nervoso Central com diferenciação astrocitária e graduadas de I a IV com base em critérios histológicos que apresentam relação com o prognóstico. O tratamento é primariamente cirúrgico, porém insatisfatório, pois os tumores recorrem com frequência e/ou evoluem para neoplasias de mais alto grau. O astrocitoma de grau IV, também denominado glioblastoma, é o tipo mais comum e agressivo dos tumores gliais, com baixa resposta a agentes quimioterápicos, impondo aos indivíduos afetados uma sobrevida média de 14 meses. Deste modo, compreender melhor o comportamento destes tipos tumorais pode ajudar a desenvolver novos tipos de tratamento.As alterações moleculares mais frequentes em astrocitomas englobam amplificação/superexpressão do receptor de EGF e PDGF e deleção da fosfatase PTEN. Estas alterações fazem com que as vias de sinalização celular Ras/ERK1/2 e PI3K/AKT estejam constitutivamente ativadas na grande maioria destes tipos tumorais. No entanto, dados anteriores do grupo apontam que em linhagens celulares de glioblastomas existe uma regulação inversamente proporcional na ativação destas vias. Células que possuem maiores níveis de ativação de PI3K/AKT são as que possuem menores níveis de Ras/ERK1/2 e vice-versa, o que pode possuir relevante implicância terapêutica. Deste modo, neste projeto pretendemos confirmar este dado utilizando amostras de glioblastomas humanos.Um dos processos celulares diretamente controlados pelas vias de Ras/ERK1/2 e PI3K/AKT é a síntese de novas proteínas; um processo essencial para a proliferação, migração e até morte celulares. A via de PI3K/AKT estimula a tradução de mRNAs através da proteína mTOR, que forma os complexos mTORC1 e mTORC2. O primeiro complexo é susceptível ao inibidor rapamicina e está relacionado ao controle da tradução, proliferação, autofagia e hipóxia. Já mTORC2 é insensível a rapamicina e regula eventos relativos à adesão e migração celulares. Em trabalhos anteriores pudemos descrever que pacientes com glioblastomas que apresentam maior expressão de proteínas do complexo mTORC2 e menor expressão de AKT fosforilada tem melhor sobrevida do que aqueles que apresentam o perfil molecular oposto, sugerindo que a presença do complexo mTORC2 possa se relacionar a tumores menos agressivos. No entanto, não se sabe a respeito dos mecanismos através dos quais estas proteínas estariam influenciando a agressividade dos glioblastomas. Deste modo, neste projeto também pretendemos utilizar linhagens celulares de glioblastomas e alterar a expressão das proteínas formadoras dos complexos mTORC1 e 2 e observar sua influência na proliferação, invasão ou susceptibilidade à drogas. A via de Ras/ERK1/2, por sua vez, pode afetar o controle da tradução, tanto através de mTOR, quanto através da família de proteínas RSK. Crescentes evidências relacionam RSK1 e RSK2 a vários aspectos da patologia do câncer humano, no entanto, o papel de RSKs em astrocitomas nunca foi explorado. Em trabalhos anteriores do grupo, pudemos observar que inibidores de RSK possuem uma intensa atividade sobre a proliferação de células de glioblastomas, sendo, portanto, candidatos a novas terapias. Assim, neste projeto pretendemos explorar o papel das RSKs em glioblastomas em ensaios pré-clínicos, utilizando inibidores de RSK, rapamicina e combinações entre estas drogas para verificar seu possível uso em glioblastomas humanos. (AU)

Análise funcional do remodelador de cromatina CHD7 em glioblastoma multiforme

Beneficiário:
Instituição: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mari Cleide Sogayar
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/23271-0
Vigência: 01 de março de 2014 - 31 de julho de 2016
Assunto(s):Células-tronco neuraisGlioblastoma
Resumo
As proteínas remoladoras de cromatina têm se destacado como reguladores críticos da estrutura da cromatina desempanhando papel fundamental durante o desenvolvimento. A família CHD é o grupo mais divergente dentre as proteínas que contêm cromodomínio, apresentando uma combinação única de domínios funcionais. Desde a descoberta de que mutações no gene CHD7 são a principal causa do síndrome de CHARGE em humanos, esse passou a ser mais estudado do ponto de vista funcional, no entanto, o papel desta enzima no cancer cerebral ainda não foi reportado. Neste estudo, propomos investigar a função da CHD7 em células tumorais do cérebro humano. Duas linhagens de células de glioma maligno comumente utilizadas, denominadas: U87 e A172, foram selecionados para experimentos de ganho e perda de função da CHD7 in vitro e in vivo. O padrão de expressão da CHD7 em amostras de glioma de paciente humanos, com diferentes graus de malignidade, será também caracterizado. Esperamos que a nossa pesquisa possa contribuir muito para uma melhor compreensão dos mecanismos molecular subjacentes ao papel da proteína remodeladora de cromatina CHD7 e fornecer percepções sem precedentes de vias celulares e redes de genes associados ao câncer. (AU)

Respostas celulares e moleculares resultantes da inibição dos fatores de transcrição da família E2F em linhagens de glioblastoma irradiadas

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elza Tiemi Sakamoto Hojo
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:13/13253-4
Vigência: 01 de março de 2014 - 29 de fevereiro de 2016
Assunto(s):GlioblastomaRadiação gama
Resumo
O glioblastoma multiforme (GBM) é um tumor letal e a radioterapia permanece como um dos principais tratamentos. Novas estratégias são necessárias para coibir a resistência ao tratamento, sendo que uma delas tem como base a inibição da atividade de fatores de transcrição (FTs). Há evidência de que membros da família E2F podem constituir FTs alvos promissores para a terapia anticâncer, pelo fato destes apresentarem funções relacionadas à proliferação, apoptose, invasão, ciclo celular e reparo no DNA; alguns destes (E2F1 e E2F4) já foram relatados como superexpressos em GBM, quando comparados a amostras de tecidos cerebrais normais. A sobreposição funcional das proteínas E2F pode ser sobrepujada graças ao inibidor (HLM006474) de proteínas da família E2F (E2F1-8); esse inbidor é uma 8-hidroxi-quinolina, cujas atividades antiproliferativas e pró-apoptóticas foram demonstradas em células tumorais, havendo a vantagem destes inibirem os vários membros de E2F. Assim, a hipótese do presente projeto é que a diminuição dos níveis de FTs da família E2F em células de GBM acarretará uma maior sensibilização dessas células tumorais aos efeitos da irradiação (raios-gama); ainda, será avaliado o papel da via de reparo do DNA NHEJ (non-homologous end-joining) nesse processo, por meio da utilização das linhagens de GBM M059K e M059J, as quais são selvagens e deficientes para a enzima DNA-PK, respectivamente. Para testar essa hipótese, serão realizados vários ensaios ao nível celular (análise de proliferação e viabilidade, sobrevivência clonogênica, apoptose e cinética do ciclo celular), bem como avaliação da cinética de reparo de quebras duplas no DNA (detecção de gama-H2AX) e análise dos perfis de expressão transcricional em escala genômica (microarranjos). Assim, temos a expectativa de que os resultados esperados para o presente projeto possam fornecer informações fundamentais para a formulação de novas estratégias terapêuticas baseadas na inibição molecular de E2F visando, em última instância, a radio-sensibilização das células de GBM. (AU)

Investigação da influência do citomegalovírus humano na resistência a quimioterapia e a radioterapia em linhagens celulares de glioblastoma U87 e U251

Beneficiário:
Instituição: Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH). Universidade Federal do ABC (UFABC). Santo André, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Cristina Carlan da Silva
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:13/09227-8
Vigência: 01 de março de 2014 - 29 de fevereiro de 2016
Resumo
Resumo: A investigação do papel do Citomegalovírus Humano (HCMV) no envolvimento do processo tumoral é de fundamental relevância, devido a sua característica de oncomodulação. Por se tratar de um herpesvírus, o HCMV permanece em estado de latência podendo reativar em estados de imunodeficiência, como nos casos de pacientes com câncer. Este estudo tem por objetivo avaliar o comportamento de células de linhagens tumorais frente a quimioterapia e radioterapia, na presença e na ausência do HCMV. Para tanto serão empregadas duas linhagens celulares de glioblastoma (U87 e U251). Estas células também serão submetidas ao processo de dediferenciação, sendo convertidas em neuroesferas (U87NS e U251NS), uma vez que GBM propagadas como neurosferas as mesmas mantém-se como subpopulações de células tronco usadas como modelo em diversos estudos de resistênia a drogas. Os tratamentos serão realizados com duas drogas (temolozomida e carmustina), largamente empregadas na terapia de pacientes com GBM, isoladas e associadas à radioterapia. (AU)

Papel da ativação da micróglia em astrocitomas humanos

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Suely Kazue Nagahashi Marie
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/06315-3
Vigência: 01 de fevereiro de 2014 - 31 de janeiro de 2016
Assunto(s):Neoplasias cerebraisGlioblastomaMacrófagosMicrogliaAstrocitomaCélulas-tronco neurais
Resumo
Glioblastoma (GBM) é um tipo agressivo de tumor cerebral caracterizado por infiltração no cérebro normal. Os GBMs são geralmente resistentes à quimioterapia e à radiação. Após ressecção cirúrgica e tratamento, ocorre recorrência do tumor em praticamente todos os pacientes nos primeiros anos após o diagnóstico, resultando em uma sobrevida e prognóstico ruins. Em GBM, uma pequena parcela das células foi identificada com características próprias de células tronco neurais, as chamadas células tronco de glioblastoma (GSC). GSCs compartilham características com as células tronco neurais, como auto-renovação e potencial de diferenciação para multi-linhagens. Estudos sugerem que essas GSC são as responsáveis pelo início da progressão tumoral altamente resistente à terapia. O microambiente é reconhecidamente um fator importante na determinação da progressão tumoral. Em GBMs, o microambiente contém astrócitos, neurônios, e, mais importante, macrófagos residentes do cérebro, chamados micróglia. Essas células da micróglia são as células imunes do Sistema Nervoso Central que reagem a distúrbios na homeostase secretando citocinas pró-inflamatórias.A ativação aberrante da micróglia contribui para a neuro-degeneração em doenças como Parkinson. Em GBMs, as células da micróglia foram amplamente estudadas no contexto da resposta imune, enquanto que as consequências de sua resposta inflamatória na proliferação, resistência ao tratamento, migração e invasão de células de glioma não foram exploradas. Diversos estudos demonstraram a ativação da micróglia em células de GBMs humanos. Além disso, células de GBM podem induzir a ativação pró-inflamatória da micróglia. Nesse estudo, propomos estudar o papel inflamatório da micróglia na progressão do GBM. Nossa hipótese é que a ativação diferencial da micróglia a sua atividade parácrina tenha efeito na agressividade do GBM. Esse é um estudo colaborativo entre a Universidade de Groningen e a Universidade de São Paulo, que inclui um acordo de transferência de tecnologia e uma bolsa de Doutorado custeada pela Universidade de Groningen por dois anos. Estamos submetendo esse projeto para análise da FAPESP com o objetivo de obter suporte financeiro para os dois anos da bolsa de Doutorado aqui no Brasil, bem como para a análise das amostras brasileiras. (AU)

Estudo da interação entre PrPc e STI1 na biologia de células-tronco de glioblastoma humano in vivo

Beneficiário:
Instituição: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marilene Hohmuth Lopes
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Processo:13/19860-0
Vigência: 01 de janeiro de 2014 - 31 de março de 2016
Assunto(s):Glioblastoma
Resumo
O Glioblastoma Multiforme (GBM) é o tipo mais comum e agressivo de glioma, é considerado de maior grau e pior prognóstico. A sobrevida média dos pacientes é de 9 a 12 meses e a recidiva ocorre em quase 100% dos casos.Diversos estudos descrevem uma subpopulação do tumor como responsável pela origem, progressão e manutenção do tumor, as células-tronco de glioblastoma (CTGs). Estas células tem capacidade de se auto-renovar, diferenciar, promover angiogênese, invasão e são resistentes a tratamentos convencionais dificultando a terapia e provocando a recidiva tumoral. Dados recentes do nosso grupo descrevem que a interação entre a proteína prion celular (PrPC) e a co-chaperonina stress inducible protein one (STI1) é capaz de promover a proliferação e auto-renovação de CTGs em linhagem de GBM humano in vitro. Estes resultados indicam a relevância do complexo PrPC-STI1 na modulação da proliferação de CTGs e consequentemente na manutenção do GBM. Diante desses achados, o principal objetivo deste estudo é investigar os efeitos de STI1 e PrPC sobre a proliferação de CTGs no desenvolvimento de GBM in vivo. Avaliaremos também se o complexo PrPC-STI1 está envolvido na angiogênese e invasão, características determinantes na progressão e agressividade do GBM. Desta forma, a elucidação dos mecanismos que modulam a biologia de CTGs e suas consequências no GBM é essencial para a identificação de novas moléculas alvo que apresentem potencial terapêutico, aumentando as perspectivas de tratamento para pacientes portadores de GBM. (AU)

Avaliação dos efeitos antiproliferativos do álcool perílico em linhagens celulares de meduloblastoma

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:María Sol Brassesco Annichini
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/23881-2
Vigência: 01 de janeiro de 2014 - 31 de dezembro de 2014
Assunto(s):Meduloblastoma
Resumo
Meduloblastoma (MB) é um tumor cerebral maligno de grande incidência entre crianças, sendo que seu maior pico é aos 8 anos de idade. O tratamento padrão consiste na ressecção cirúrgica máxima, seguida de radioterapia local e cranioespinhal, e quimioterapia adjuvante. Crianças menores de 3 anos são mais difíceis de tratar, pois a radiação não pode ser utilizada, devido aos danos neurológicos associados. Assim, embora os tratamentos convencionais melhorem as taxas de sobrevivência, cerca de um terço dos pacientes permanecem incuráveis, e estes tratamentos causam diversos danos significativos em longo prazo nos sobreviventes. O Álcool Perílico (POH), um monoterpeno encontrado em pequenas concentrações em várias plantas, tem mostrado efeitos favoráveis ao tratamento de diversos tipos de tumores. A administração intranasal de POH é uma opção prática e não invasiva; que se tem mostrado útil em glioblastomas, por atravessar a barreira hemato-encefálica, atingindo o Sistema Nervoso Central, o que reduz os efeitos sistêmicos e colaterais, sem afetar significantemente as células normais; essa utilização intranasal pode ser também uma boa forma no tratamento para crianças acometidas com MB, por ser mais fácil para estes inalar ao invés de utilizar oralmente. No entanto, os efeitos desse novo tratamento neste tipo tumoral ainda são desconhecidos. Sendo assim, o presente projeto pretende analisar os efeitos do POH em linhagens celulares de MB nos processos de morte, invasão e proliferação celular. (AU)

Investigação do papel do citomegalovírus humano HCMV na resistência de células tumorais de glioblastoma (GBM) ao tratamento quimioterápico in vitro

Beneficiário:
Instituição: Centro de Ciências Naturais e Humanas (CCNH). Universidade Federal do ABC (UFABC). Santo André, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Cristina Carlan da Silva
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/14215-9
Vigência: 01 de dezembro de 2013 - 30 de novembro de 2015
Assunto(s):VirologiaCitomegalovirusCélulas tumoraisGlioblastomaResistência a medicamentosAntineoplásicosCarmustina
Resumo
O citomegalovírus humano é um agente ubíquo de alta prevalência mundial. Em indivíduos saudáveis a infecção é normalmente assintomática. No entanto, em imunodeprimidos o vírus pode causar várias enfermidades que podem levar a morte. Evidências recentes demonstram a existência de uma relação entre o HCMV e processos tumorais. O vírus tem sido detectado em vários tipos de cânceres, especialmente em glioblastomas, o tumor de células da glia mais maligno. Diversos mecanismos moleculares são alterados pelo HCMV como: proliferação celular, diferenciação celular, angiogênese e apoptose. Através destas alterações o HCMV pode aumentar a malignidade tumoral e causar a resistência celular a agentes quimioterápicos. Este estudo visa investigar o papel do HCMV na resistência de células tumorais a drogas anti-câncer. Os dados obtidos contribuirão para um maior entendimento sobre a relação entre o vírus e malignidade tumoral e poderão levar ao desenvolvimento de novas terapias contra o glioblastoma. (AU)

Inibidor de histona desacetilase (HDACi) como possível radiosensibilizante em linhagem celular de glioblastoma pediátrico

Beneficiário:
Instituição: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP (HCRP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elvis Terci Valera
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/15891-8
Vigência: 01 de dezembro de 2013 - 30 de novembro de 2015
Assunto(s):OncologiaGlioblastomaEpigênese genéticaInibidores de histona desacetilasesExpressão de proteínasReparo de DNA tipo recombinacional
Resumo
O glioblastoma (GBM) é um dos tumores mais agressivos que acomete o sistema nervoso central (SNC). É classificado em GBM primário, quando diagnosticado primariamente ou quando surge de novo, e GBM secundário, quando evolui a partir de tumores de baixo grau ou anaplásico. O tratamento padrão para o GBM consiste essencialmente na ressecção cirúrgica, radioterapia e uso de quimioterapia (temozolomida (TMZ) e outros agentes alquilantes). Ainda assim o prognóstico é bastante reservado, sendo que crianças com GBM apresentam uma sobrevida media de 12 a 15 meses. Além disso, a quimioterapia e a radioterapia são potencialmente tóxicas e contribuem para a elevação nas taxas de mortalidade e morbidade de sobreviventes de neoplasias infantis. Mecanismos epigenéticos podem interferir no processo de carcinogênese, sendo que a acetilação do DNA pode modular a expressão de genes que atuam no controle do ciclo celular e contribuem para o desenvolvimento e progressão de neoplasias. Estudos clínicos demonstram que inibidores de histonas deacetilases (HDACs), combinados com outros agentes terapêuticos, são clinicamente ativos e bem tolerados no tratamento de uma ampla variedade de tumores. Estes inibidores podem sensibilizar a resposta celular à radiação ionizante e ocasionar uma redução nas doses-padrão de radiação utilizadas nos pacientes e consequentemente minimizar os efeitos colaterais a curto e longo prazo. A radiação ionizante induz dano no DNA e é geralmente aceito que quebras da dupla-fita (DSBs) é o tipo de lesão mais severa relacionada à sobrevivência celular e preservação da integridade genômica. No presente estudo, pretende-se avaliar o potencial efeito radiosensibilizante do abexinostato (PCI-24781), um novo e potente pan-inibidor de HDAC na linhagem celular de glioblastoma pediátrico (SF188). Serão comparadas as taxas de proliferação celular, clonogenicidade, taxa de apoptose da linhagem SF188 a serem irradiadas com ou sem tratamento prévio com PCI-24781. Serão também analisados os efeitos do abexinostato na expressão de algumas das principais proteínas responsáveis pelo reparo de quebras da dupla-fita ocasionadas pela irradiação, correlacionando os efeitos observados na dinâmica celular as vias genéticas e epigenéticas potencialmente envolvidas com a terapia utilizada. (AU)

Caracterização funcional da HJURP (Holliday junction recognizing protein) em células de glioblastoma multiforme

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Valeria Valente
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/13465-1
Vigência: 01 de novembro de 2013 - 31 de outubro de 2015
Assunto(s):Neoplasias neuroepiteliomatosasAstrocitomaResolvases de junção HollidayGlioblastomaReparação de DNARadioterapia
Resumo
Os astrocitomas são os tumores cerebrais primários mais comuns em adultos. De acordo com o grau de diferenciação e agressividade, eles são classificados em astrocitoma difuso de baixo grau (grau II), astrocitoma anaplástico (grau III) e glioblastoma multiforme (grau IV). Dentre eles, o glioblastoma multiforme (GBM) é o tipo mais frequente e agressivo, sendo que a maioria dos pacientes apresenta sobrevida de aproximadamente um ano após o diagnóstico. Isto se deve a alta invasividade e resistência dos GBMs a radio e quimioterapia. Estudos recentes tem revelado que a sua caracterização molecular é fundamental para a obtenção de diagnósticos mais precisos e o desenvolvimento de terapias mais dirigidas e eficazes. Dentro deste contexto, observamos em estudos prévios que HJURP (Holliday Junction Recognizing Protein), uma nova proteína envolvida em reparo de DNA e estabilidade genômica, está altamente super-expressa nos GBMs. Dados recentes de nosso laboratório mostraram que a redução de HJURP promove um drástico aumento nos níveis de apoptose em duas linhagens celulares de GBM, enquanto que células não tumorais não foram significativamente afetadas. Portanto, propomos estender a caracterização das funções de HJURP em células de GBM buscando: i) avaliar o requerimento de HJURP para viabilidade de outras linhagens celulares (normais e tumorais), ii) investigar a possível associação entre os níveis de expressão de HJURP e a resistência das células de GBM à radiação ionizante, e iii) caracterizar os mecanismos moleculares da ação de HJURP em diferentes células de GBM. Para isso, realizaremos ensaios funcionais de silenciamento gênico, através de RNA de interferência, e super-expressão para investigar o requerimento de HJURP para a atividade proliferativa e de reparo de DNA. Além disso, iremos investigar as vias que regulam sua atividade e mecanismo de ação, procurando caracterizar a relação entre HJURP e as proteínas supressoras tumorais ATM quinase e p53 que, de acordo com dados da literatura, atuam em vias compartilhadas com HJURP. Outro interesse deste projeto é a identificação dos parceiros moleculares de HJURP em diferentes linhagens de GBM, através de experimentos de imunoprecipitação seguidos de espectrometria de massas. Desse modo, pretendemos avançar no entendimento das funções de HJURP e avaliar sua participação na manutenção da estabilidade genômica das células de astrocitoma, o que poderá indicar o potencial desta proteína como alvo terapêutico. (AU)

Análise do estresse oxidativo induzido por sulfasalazina associado com a ação do quimioterápico temozolomida em células de glioma humano e de rato

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fábio Rogério
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/02618-1
Vigência: 01 de outubro de 2013 - 30 de setembro de 2015
Assunto(s):GlioblastomaGliomaAnatomia patológicaNeoplasiasAstrocitomaFator de crescimento epidérmicoProteína supressora de tumor p53PTEN fosfo-hidrolaseMetaloproteinase 2 da matrizMetaloproteinase 9 da matrizExpressão gênica
Resumo
Gliomas são os tumores cerebrais mais comuns em adultos. Astrocitomas de alto grau são gliomas derivados de astrócitos. A fisiopatogênese destes astrocitomas envolve superexpressão do receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR) e perda da função das proteínas p53 e PTEN (do inglês, phosphatase and tensin homolog deleted on chromosome 10), ambas reguladoras do ciclo celular e da estabilidade do DNA. Verificou-se também, em gliomas, aumento da concentração do composto antioxidante glutationa, o que conferiria ao tumor resistência a condições de estresse oxidativo. Os astrócitos, predominantemente os neoplásicos, possuem um transportador (sistema Xc-) na membrana citoplasmática, o qual importa cistina para a síntese de glutationa e libera glutamato para o meio extracelular. O glutamato auxiliaria a invasão tumoral ao induzir morte por excitotoxicidade em células vizinhas. A invasãoneoplásica também envolve as metaloproteinases 2 e 9 (MMP-2 e 9), que degradam a matriz extracelular. Temozolamida (TMZ) é um alquilante do DNA utilizado no tratamento de indivíduos com gliomas de alto grau, porém a evolução clínica é invariavelmente fatal. Neste projeto, estudaremos a viabilidade celular em linhagens de glioma (U87-MG, T98G, A172 e C6) expostas a TMZ e/ou sulfasalazina (SAS), um inibidor do sistema Xc-. Ainda, avaliaremos a expressão dos genes EGFR, PTEN, TP53, MMP-2 e MMP-9 e os efeitos da administração de SAS e/ou TMZ sobre a capacidade invasiva celular. Assim, pretendemos contribuir com o conhecimento da gênese de gliomas e investigar nova abordagem terapêutica para estes tumores. (AU)

"inibição de reparo do DNA em linhagens de glioblastoma visando uma possível aplicação como estratégia terapêutica"

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elza Tiemi Sakamoto Hojo
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:13/12033-0
Vigência: 01 de outubro de 2013 - 30 de setembro de 2015
Assunto(s):GlioblastomaEstratégias terapêuticas
Resumo
Glioblastoma (GBM) é o subtipo mais frequente e maligno entre os gliomas, sendo que a resistência desses tumores ao tratamento constitui um grande desafio a ser superado visando maior sucesso das terapias aplicadas aos pacientes com GBM, cuja sobrevida não ultrapassa 15 meses após o diagnóstico. Assim, é evidente a necessidade de investigar os mecanismos envolvidos na resistência do GBM aos agentes antitumorais. Novas modalidades de tratamento visam aumentar a eficácia terapêutica e redução dos efeitos colaterais, sendo que uma nova estratégia emergente para sensibilizar as células tumorais aos agentes causadores de danos no DNA (quimioterápicos e radiações) tem como princípio a inibição de proteínas de reparo do DNA, tal como a PARP-1, a qual é considerada um alvo molecular promissor. PARP-1 é uma proteína ativada em resposta a quebras induzidas no DNA, capaz de formar complexos com outras proteínas da via de reparo BER (Reparo por Excisão de Base), além de participar de outras vias, como HR (Reparo Homólogo) e NHEJ (Reparo de junções não Homologas), sugerindo que esta enzima possui um papel amplo em vários processos de reparo do DNA. Com base na hipótese de que esses processos de reparo representam uma importante forma de resistência terapêutica, este projeto tem o objetivo de utilizar um inibidor de PARP-1 (NU1025) associado ao tratamento com os agentes quimioterápicos temozolomida (TMZ), visando aumentar os efeitos citotóxicos dessa droga, ou seja, sensibilizar as células tumorais. Serão estudadas linhagens de GBM (T98G, LN18 e U87) com diferentes graus de resistência ao quimioterápico TMZ. Os efeitos dos tratamentos combinados (droga + NU1025) serão avaliados pela aplicação de vários ensaios ao nível celular (sobrevivência clonogênica, cinética do ciclo celular, indução de danos no DNA e ensaios de morte, invasão) e molecular (análise de expressão gênica e protéica). Adicionalmente, com o objetivo de validar o uso do agente NU1025 como uma possível estratégia terapêutica em combinação com a TMZ no tratamento do GBM, será realizado o ensaio funcional da inibição de PARP-1 por siRNA, seguido dos demais ensaios mencionados. Assim, baseado em fundamentos da literatura, bem como em dados obtidos anteriormente no laboratório, a presente proposta visa utilizar estratégias de inibição de reparo do DNA para sensibilizar as células GBM ao tratamento com o quimioterápico TMZ. Temos a expectativa de que as informações geradas possam contribuir com fundamentos relevantes para a prática clínica, aplicáveis ao desenvolvimento de novas estratégias ou modalidades de tratamento, que em última instância, possam aumentar a sobrevida dos pacientes com GBM. (AU)

Atividade mitocondrial em células de glioma humano e a sua relação com o efeito Warburg

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Roger Frigério Castilho
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/17837-0
Vigência: 01 de outubro de 2013 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):NeoplasiasFosforilação oxidativaGlicóliseGliomaMitocôndriasBioenergética
Resumo
Neste Projeto pretendemos avaliar a bioenergética mitocondrial em células de glioma humano (T98G e U87MG), correlacionando os resultados com a propriedade destas células de apresentarem metabolismo predominantemente glicolítico, mesmo na presença de oxigênio molecular (efeito Warburg). Pretendemos: i) Avaliar a ocorrência do efeito Warburg nas condições de cultivo celular utilizadas; ii) Determinar o acoplamento entre o consumo de oxigênio e a síntese de ATP em mitocôndrias de células de glioma em suspensão; iii) Correlacionar a capacidade da fosforilação oxidativa das células de glioma frente à atividade da cadeia respiratória; iv) Avaliar se nas condições de crescimento celular utilizadas ocorre restrição de substratos para o ciclo de Krebs; v) Determinar a p50 de O2 nas células T98G e U87MG em suspensão; vi) Avaliar o efeito da inibição da fosforilação oxidativa na citotoxicidade promovida pelo quimioterápico temozolamida nas células T98G e U87MG; e vii) Verificar se células oriundas de tumores humanos possuem as mesmas características bioenergéticas que as linhagens celulares estudadas. A realização do presente Projeto se justifica pela importância em se entender melhor a relação entre a atividade mitocondrial de células tumorais das linhagens T98G e U87MG com o efeito Warburg, principalmente pelo fato dos glioblastomas multiformes (grau IV) apresentarem uma evolução rápida e progressiva cujas abordagens de tratamento são ainda ineficazes na maioria dos casos. Entender e correlacionar a bioenergética mitocondrial dessas células com a ocorrência do efeito Warburg poderá contribuir para a proposição de abordagens terapêuticas mais eficazes. (AU)

Papel da ativação da micróglia em astrocitomas humanos

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Suely Kazue Nagahashi Marie
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/07704-3
Vigência: 01 de setembro de 2013 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):AstrocitomaCélulas-troncoGlioblastomaMicroglia
Resumo
Glioblastoma (GBM) é um tipo agressivo de tumor cerebral caracterizado por infiltração no cérebro normal. Os GBMs são geralmente resistentes à quimioterapia e à radiação. Após ressecção cirúrgica e tratamento, ocorre recorrência do tumor em praticamente todos os pacientes nos primeiros anos após o diagnóstico, resultando em uma sobrevida e prognóstico ruins. Em GBM, uma pequena parcela das células foi identificada com características próprias de células tronco neurais, as chamadas células tronco de glioblastoma (GSC). GSCs compartilham características com as células tronco neurais, como auto-renovação e potencial de diferenciação para multi-linhagens. Estudos sugerem que essas GSC são as responsáveis pelo início da progressão tumoral altamente resistente à terapia. O microambiente é reconhecidamente um fator importante na determinação da progressão tumoral. Em GBMs, o microambiente contém astrócitos, neurônios, e, mais importante, macrófagos residentes do cérebro, chamados micróglia. Essas células da micróglia são as células imunes do Sistema Nervoso Central que reagem a distúrbios na homeostase secretando citocinas pró-inflamatórias. A ativação aberrante da micróglia contribui para a neuro-degeneração em doenças como Parkinson. Em GBMs, as células da micróglia foram amplamente estudadas no contexto da resposta imune, enquanto que as consequências de sua resposta inflamatória na proliferação, resistência ao tratamento, migração e invasão de células de glioma não foram exploradas. Diversos estudos demonstraram a ativação da micróglia em células de GBMs humanos. Além disso, células de GBM podem induzir a ativação pró-inflamatória da micróglia. Nesse estudo, propomos estudar o papel inflamatório da micróglia na progressão do GBM. Nossa hipótese é que a ativação diferencial da micróglia a sua atividade parácrina tenha efeito na agressividade do GBM.Esse é um estudo colaborativo entre a Universidade de Groningen e a Universidade de São Paulo, que inclui um acordo de transferência de tecnologia e uma bolsa de Doutorado custeada pela Universidade de Groningen por dois anos. Estamos submetendo esse projeto para análise da FAPESP com o objetivo de obter suporte financeiro para os dois anos da bolsa de Doutorado aqui no Brasil, bem como para a análise das amostras brasileiras. (AU)

Perfil mutacional de linhagens primárias de glioblastomas

Beneficiário:
Instituição: Hospital do Câncer de Barretos. Fundação Pio XII (FP). Barretos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rui Manuel Vieira Reis
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:13/15515-6
Vigência: 01 de agosto de 2013 - 31 de março de 2015
Assunto(s):MutaçãoDiagnósticoSequenciamento de nova geraçãoGenômica
Resumo
Glioblastomas são os tumores cerebrais mais frequentes e malignos dentre os tumores do sistema nervoso central (SNC). É uma neoplasia incurável, com uma média de sobrevida de aproximadamente 13 meses, e menos de 2% dos pacientes atingem 5 de sobrevida anos após o tratamento. O baixo sucesso no tratamento desses tumores se dá em parte ao pouco entendimento de suas bases moleculares. Para esse entendimento, muitos estudos in vitro são feitos em culturas de células imortalizadas, que muitas vezes não representam fidedignamente os tumores primários, uma vez que sofreram alterações moleculares durante o processo de imortalização. Sendo assim, o objetivo do presente projeto é a caracterização molecular das mutações pontuais presentes em genes relacionados à oncogênese (através de sequenciamento de nova geração na plataforma Ion Torrent) nas linhagens primárias de glioblastomas do Hospital de Câncer de Barretos, para a integração com as análises de instabilidade cromossômica, e comparação com alterações encontradas nos tumores primários dos mesmos pacientes. Com isso, pretende-se selecionar as linhagens primárias que possuam o perfil molecular mais próximo dos tumores primários que serão futuramente utilizadas como modelos in vitro para avaliar a funcionalidade de genes associada aos glioblastomas e possibilitar o screening de fármacos mais eficazes e específicos em tumores gliais. Pretendemos ainda estabelecer os alicerces para a realização de um painel de mutações especifico para glioblastomas, que terá um impacto importante na rotina diagnostica de tumores cerebrais. (AU)

Proteínas de ligação a RNA e variações pós-transcricionais: influência no desenvolvimento de glioblastomas multiformes

Beneficiário:
Instituição: Hospital Sírio-Libanês. Sociedade Beneficente de Senhoras (SBSHSL). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Pedro Alexandre Favoretto Galante
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/07159-5
Vigência: 01 de julho de 2013 - 31 de março de 2014
Assunto(s):Proteínas de ligação a RNABioinformáticaGlioblastoma
Resumo
O glioblastoma multiforme (GBM) é considerado um dos tumores mais graves e agressivos. A sobrevida média dos afetados é de apenas 15 meses após o diagnóstico. Além disso, os tratamentos atuais, com radioterapia, quimioterapia e cirurgias, não são capazes de impedir a recidiva do tumor na maioria dos casos, devido, em parte, à contribuição direta de uma subpopulação celular tumoral de GBM com características de células-tronco. Assim, é fundamental ampliar a compreensão a respeito de aspectos básicos da biologia desse tipo tumoral, como sua origem, desenvolvimento e mecanismos de resistência, em especial os relacionados a essa subpopulação celular, para que seja possível a elaboração de novas terapias mais eficazes. Entre as moléculas que podem ter um papel importante no desenvolvimento do GBM, as proteínas de ligação a RNA (RBPs) merecem destaque. As RBPs compreendem uma classe de reguladores pós-transcricionais da expressão gênica, com papel fundamental em todos os eventos que conectam transcrição e tradução, tais como splicing, poliadenilação, estabilidade, degradação e transporte de RNAs. Portanto, alterações nos níveis destas proteínas podem causar severas modificações nos eventos de processamento pós-transcricionais de RNAs e, como consequência, impactar o funcionamento normal de diversas células e provocar o desenvolvimento de estados patológicos, entre os quais está o câncer. No presente trabalho, sequenciaremos o transcriptoma de células-tronco de GBM e células-tronco neuronais, as quais são usadas como modelos de desenvolvimento e resistência tumoral, e utilizaremos ferramentas de bioinformática e validação experimental para identificar e estudar as variações de expressão gênica das RBPs e sua influência nos eventos de splicing e poliadenilação alternativa. Com isso, pretendemos ampliar o conhecimento a respeito da influência das RBPs e dos eventos pós-transcricionais no desenvolvimento e resistência do GBM. (AU)

Differential expression of ID4 and ITS association with TP53 mutation, SOX2, SOX4 and Oct-4 expression levels

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Suely Kazue Nagahashi Marie
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:13/09614-1
Vigência: 01 de junho de 2013 - 30 de novembro de 2013
Resumo
O inibidor da ligação do DNA 4 (ID4) é membro da família hélice-alça-hélice de fatores de transcrição, presente durante o desenvolvimento embrionário Sistema Nervoso Central, e que tem sido associado à mutações no gene TP53 e a ativação de SOX2. Juntamente com outros fatores de transcrição, ID4 está envolvido no processo de tumorigênese dos astrocitomas, contribuindo para a de-diferenciação celular, a proliferação e a quimiorresistência. Nesse estudo, nosso objetivo foi caracterizar o padrão de expressão de ID4 em astrocitomas humanos difusamente infiltrativos de graus II a IV de malignidade, classificados de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS); correlacionar os níveis de expressão de ID4 com os de SOX2, SOX4, OCT-4 e NANOG, juntamente com o status mutacional de TP53; e correlacionar os resultados com os dados de sobrevida dos pacientes com GBM. PCR quantitativo em tempo real (qRT-PCR) foi realizado em 130 amostras de astrocitomas para obter a expressa relativa de cada gene, mostrando hiperexpressão de todos os fatores de transcrição analisados nas amostras tumorais. Correlação positiva foi encontrada comparando a expressão relativa de ID4 em astrocitomas infiltrativos com a expressão de SOX2 (r=0.50; p<0.005), SOX4 (r=0.43; p<0.005) e OCT-4 (r=0.39; p<0.05). Os resultados da análise mutacional de TP53 permitiram comparações entre os grupos mutado e não-mutado apenas nos casos de astrocitomas de baixo grau (AGII), que demonstraram altos níveis de ID4, SOX2 e SOX4 nos casos mutados (p<0.05). Esse padrão foi mantido em amostras de glioblastoma (GBM) secundário e foi confirmado por imunohistoquímica. A combinação da hiperexpressão de ID4, SOX4 e OCT-4 conferiu uma menor sobrevida (mediana de 6 meses) aos pacientes de GBM do que a hipoexpressão (mediana de 18 meses). Uma vez que ID4 isoladamente e SOX4 e OCT-4 como um complexo ativam a transcrição de SOX2, é possível que múltiplas vias de ativação de SOX2 prejudiquem o prognóstico dos pacientes de GBM. Esses resultados sugerem uma via comum para esses quatro alvos na tumorigênese dos astrocitomas, com ID4 surgindo como um novo alvo para estudos e terapias futuras. (AU)

Estudos fotofísicos e fotobiológicos de sistemas de liberação de fármacos fotossensíveis para aplicação em terapia fotodinâmica

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Antonio Claudio Tedesco
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:12/25216-3
Vigência: 01 de junho de 2013 - 29 de fevereiro de 2016
Assunto(s):FtalocianinasGliomaLipossomosTerapia fotodinâmica
Resumo
Gliomas malignos são o mais comum tipo de tumor cerebral, ocorrendo em 5-7 a cada 100.000 indivíduos por ano, sendo sua forma mais frequente o glioblastoma multiforme (GBM) o qual ocorre em 60-70% dos casos. Este tipo de tumor tem como características, um crescimento rápido e agressivo e a capacidade de se infiltrar no tecido adjacente saudável do cérebro de forma difusa, o que dificulta a visualização das delimitações do tumor e consequentemente da remoção total da região do tumor, sempre associados a um prognóstico ruim. Como tratamento usual está à ressecção cirúrgica, seguida por tratamento com radiação e quimioterapia. Contudo, as células do glioma vêm apresentando resistência a radiação e a quimioterapia utilizada. A terapia fotodinâmica (TFD) vem sendo uma alternativa para o tratamento de tumores cerebrais, além de demonstrar resultados promissores, tanto in vitro como in vivo, é uma técnica simples e não evasiva. O presente trabalho propõe-se a preparação de lipossomas de L-a-fosfatidilcolina de ovo (Lectin), usando L-a-lisofosfatidilcolina como aditivo e nanoemulsões de LDE na presença de um fotossensibilizador derivado de uma ftalocianina como ativo na Terapia Fotodinâmica. Será realizada a caracterização fotoquímica e fotofísica dos sistemas de liberação pela utilização de técnicas no estado estacionário (absorção e fluorescência) e resolvido no tempo (determinação do tempo de vida singlete, triplete e fotólise por pulso de laser) avaliando a influência dos sistemas de liberação nas características fotofísicas do derivado de ftalocianina. Além disso, serão realizados estudos fotobiológicos dos sistemas de liberação com o derivado de ftalocianina incorporado e somente com o derivado, avaliando as possíveis diferenças entre eles utilizando a linhagem celular de gliomas (U87) como modelo biológico. Com o uso desses sistemas de liberação espera-se uma maior captação do agente fotossensível pelas células de glioma, aumentando assim sua eficiência fotodinâmica. (AU)

Translatômica aplicada ao descobrimento de alterações moleculares em gliomas

Beneficiário:
Instituição: A C Camargo Cancer Center. Fundação Antonio Prudente. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Glaucia Noeli Maroso Hajj
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Processo:13/03315-2
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de maio de 2017
Assunto(s):GliomaGlioblastoma
Resumo
O glioblastoma multiforme (GBM) está entre os tipos tumorais mais agressivos e de menor resposta a agentes quimioterápicos, deste modo, compreender melhor o comportamento destes tipos tumorais pode ajudar a desenvolver novos tipos de tratamento para esta doença. Atualmente, muitos projetos de larga-escala buscam definir padrões gerais de expressão gênica baseados em técnicas de sequenciamento ou em "microarrays" de populações de mRNA total. No entanto, essa abordagem fornece pouca informação sobre os mediadores moleculares das alterações tumorais, pois o nível de expressão de mRNAs não necessariamente reflete os níveis de proteínas expressos. Por outro lado, a identificação de mRNAs alvo do descontrole traducional em tumores pode levar ao delineamento de perfis de expressão gênica que melhor reflitam a população de proteínas. Deste modo, neste projeto pretendemos implantar a técnica de isolamento de mRNAs associados a polissomos (ativamente engajados na tradução) com sequenciamento de última geração, o que atualmente é chamado de translatômica. Esses resultados não somente nos permitirão definir perfis de expressão que se correlacionem com características tumorais, mas também orientarão a descoberta de proteínas com expressão alterada que poderiam ser importantes mediadores de processos tumorais. A utilização desta técnica em amostras de tumores gliais humanos provenientes do biobanco do Hospital A.C. Camargo tem o potencial de se constituir numa poderosa ferramenta aplicada à clínica, para o desenvolvimento de abordagens terapêuticas dirigidas. (AU)

Efeitos do ácido tetra-O-metil nordihidroguaiarético em células de glioblastoma: um estudo transcriptômico e proteômico

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luiz Gonzaga Tone
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/16888-8
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2015
Assunto(s):Neoplasias neuroepiteliomatosasGlioblastomaAntineoplásicosÁcido nordi-hidroguaiaréticoProteômicaTranscriptoma
Resumo
Glioblastoma é um dos tumores mais agressivos do sistema nervoso central e entre as diversas neoplasias possui um dos piores prognósticos. Mesmo com as novas estratégias de tratamento, a sobrevida de pacientes portadores de glioblastoma continua sendo muito baixa, gerando a urgente necessidade de abordagens mais efetivas para seu tratamento. O acido tetra-O-metil nordihidroguaiarético (M4N), é um novo agente terapêutico que funciona como um repressor transcricional global de genes dependentes do fator de transcrição Sp1. Além dos seus potentes efeitos antineoplásicos em diversos tumores, o M4N tem apresentado níveis significativos de segurança e tolerabilidade em pacientes. Estudos pré-clínicos desenvolvidos pelo nosso grupo de pesquisa têm corroborado os efeitos antineoplásicos do M4N e demonstrado seus efeitos sinérgicos quando combinado com temozolomida e radiação em linhagens celulares e culturas primárias de glioblastoma provenientes de amostras de pacientes diagnosticados no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (USP). Estes resultados foram associados à diminuição da expressão gênica dos genes Sp1-dependentes BIRC5 e CDK1. Porém, nenhum estudo tem descrito quais são as consequências moleculares globais que acontecem após o tratamento com este inibidor.A proposta deste projeto é estudar, do ponto de vista transcriptômico e proteômico, quais são as mudanças em grande escala nos níveis de expressão gênica e protéica após o tratamento com M4N em linhagens celulares de glioblastoma. Além disso, serão estudadas quais as vias oncogênicas estão envolvidas com os efeitos sinérgicos do M4N em combinação com radiação e temozolomida nestas células. Adicionalmente, a avaliação de diferentes parâmetros celulares como proliferação, capacidade clonogênica e expressão gênica e protéica por qRT-PCR e western blotting, respectivamente, será realizada para complementar a investigação. (AU)

Perfil mutacional de linhagens primárias de glioblastomas

Beneficiário:
Instituição: Hospital do Câncer de Barretos. Fundação Pio XII (FP). Barretos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rui Manuel Vieira Reis
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/19590-0
Vigência: 01 de abril de 2013 - 31 de março de 2015
Assunto(s):Neoplasias cerebraisGlioblastomaLinhagem celular tumoralMutação genéticaSequenciamento de nova geração
Resumo
Glioblastomas são os tumores cerebrais mais frequentes e malignos dentre os tumores do sistema nervoso central (SNC). É uma neoplasia incurável, com uma média de sobrevida de aproximadamente 13 meses, e menos de 2% dos pacientes atingem 5 de sobrevida anos após o tratamento. O baixo sucesso no tratamento desses tumores se dá em parte ao pouco entendimento de suas bases moleculares. Para esse entendimento, muitos estudos in vitro são feitos em culturas de células imortalizadas, que muitas vezes não representam fidedignamente os tumores primários, uma vez que sofreram alterações moleculares durante o processo de imortalização. Sendo assim, o objetivo do presente projeto é a caracterização molecular das mutações pontuais presentes em genes relacionados à oncogênese (através de sequenciamento de nova geração na plataforma Ion Torrent) nas linhagens primárias de glioblastomas do Hospital de Câncer de Barretos, para a integração com as análises de instabilidade cromossômica, e comparação com alterações encontradas nos tumores primários dos mesmos pacientes. Com isso, pretende-se selecionar as linhagens primárias que possuam o perfil molecular mais próximo dos tumores primários que serão futuramente utilizadas como modelos in vitro para avaliar a funcionalidade de genes associada aos glioblastomas e possibilitar o screening de fármacos mais eficazes e específicos em tumores gliais. Pretendemos ainda estabelecer os alicerces para a realização de um painel de mutações especifico para glioblastomas, que terá um impacto importante na rotina diagnostica de tumores cerebrais. (AU)

Efeitos do ácido tetra-O-metil nordihidroguaiarético em células de glioblastoma: um estudo transcriptômico e proteômico

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luiz Gonzaga Tone
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:12/16889-4
Vigência: 01 de abril de 2013 - 31 de março de 2015
Assunto(s):CancerologiaGlioblastomaProteômicaTranscriptomaSobrevida
Resumo
O glioblastoma é um dos tumores mais agressivos do sistema nervoso central e entre as diversas neoplasias possui um dos piores prognósticos. Mesmo com as novas estratégias de tratamento, a sobrevida de pacientes portadores de glioblastoma continua sendo muito baixa, gerando a urgente necessidade de abordagens mais efetivas para seu tratamento. O ácido tetra-o-metil nordihidroguaiarético (M4N), é um novo agente terapêutico que funciona como um repressor transcricional global de genes dependentes do fator de transcrição Sp1. Além dos seus potentes efeitos antineoplásicos em diversos tumores, o M4N tem apresentado níveis significativos de segurança e tolerabilidade em pacientes. Estudos pré-clínicos desenvolvidos pelo nosso grupo de pesquisa têm corroborado os efeitos antineoplásicos do M4N e demonstrado seus efeitos sinérgicos quando combinado com temozolomida e radiação em linhagens celulares e culturas primárias de glioblastoma provenientes de amostras de pacientes diagnosticados no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (USP). Estes resultados foram associados à diminuição da expressão gênica dos genes Sp1-dependentes BIRC5 e CDK1. Porém, nenhum estudo tem descrito quais são as consequências moleculares globais que acontecem após o tratamento com este inibidor. A proposta deste projeto é estudar, do ponto de vista transcriptômico e proteômico, quais são as mudanças em grande escala nos níveis de expressão gênica e proteica após o tratamento com M4N em linhagens celulares de glioblastoma. Além disso, serão estudadas quais as vias oncogênicas estão envolvidas com os efeitos sinérgicos do M4N em combinação com radiação e temozolomida nestas células. Adicionalmente, a avaliação de diferentes parâmetros celulares como proliferação, capacidade clonogênica e expressão gênica e proteica por qRT-PCR e western blotting, respectivamente, será realizada para complementar a investigação. (AU)

Células-tronco: dos papéis de receptores de cininas e purinas às aplicações terapêuticas

Beneficiário:
Instituição: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alexander Henning Ulrich
Pesquisadores principais:

Luiz Roberto Giorgetti de Britto ; Marimélia Porcionatto

Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Celular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Processo:12/50880-4
Vigência: 01 de dezembro de 2012 - 30 de novembro de 2017
Assunto(s):Doença de ParkinsonEpilepsiaCélulas-troncoCininasReceptores purinérgicosTerapêutica
Resumo
Células-tronco (CT) são células não especializadas com capacidade de auto-renovação que podem originar diferentes tipos celulares do organismo. Devido às suas características, nos últimos anos, as CT têm surgido como uma importante promessa terapêutica para diversas doenças. Além disso, CT de origem tumoral têm sido apontadas como responsáveis pela iniciação e crescimento de tumores, resistência às terapias clássicas e consequentemente pela recidiva da doença, sendo neste caso o possível alvo da terapia. A estrutura básica de uma CT depende de sua constituição genética, porém a determinação de um fenótipo específico também depende do estímulo de fatores intrínsecos e extrínsecos aos quais i essas células são expostas em seu microambiente. A diferenciação de CT tem sido relacionada à atividade de inúmeros receptores intracelulares ou de membrana plasmática. O nosso laboratório tem estudado durante os últimos anos os papéis da bradicinina (BK) e de purinas na indução, progressão e determinação fenotípica na diferenciação neural de diferentes tipos de CT. Como uma das descobertas principais do nosso grupo, a BK acelerou a neurogênese em vários modelos de CT e ainda mostrou efeito neuroprotetor, revertendo a indução da apoptose. Baseado nesses dados propomos neste projeto estudar a relação dos sistemas cininérgicos e purinérgicos em CT utilizadas como ferramentas terapêuticas ou em pesquisa básica. Para isto, desenvolveremos aptâmeros de DNA com o objetivo de obter um marcador específico de diferentes tipos de CT, tais como mesenquimais e tumorais. Estes aptâmeros possuem possíveis aplicações terapêuticas, na purificação de CT mesenquimais para terapia celular e, no caso das CT tumorais, valor diagnóstico na dosagem dessas em fluidos biológicos. Com a intenção de definir novos alvos terapêuticos e, visto o efeito anti-proliferativo da BK sobre células-tronco neurais (CTN), estudaremos a expressão do sistema de cininas e a participação de seus receptores na progressão tumoral em células derivadas de tumores de pulmão e glioblastoma. Avaliaremos ainda o efeito da ativação do receptor de BK e a inibição do receptor P2X7 sobre a neurogênese endógena e o transplante de CTN em modelos pré-clínicos para a doença de Parkinson e epilepsia. (AU)

Análise de expressão de genes relacionados a via de MELK em astrocitomas

Beneficiário:
Instituição: Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (ICESP). Coordenadoria de Serviços de Saúde (CSS). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Miyuki Uno
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/15896-7
Vigência: 01 de dezembro de 2012 - 30 de novembro de 2014
Assunto(s):Expressão gênicaAstrocitomaProteínas quinasesPerfilação da expressão gênicaInativação gênica
Resumo
Com o intuito de descobrir novos alvos terapêuticos o nosso grupo de pesquisa selecionou genes hiperexpressos em glioblastomas (GBMs) em relação ao astrocitoma pilocítico (AGI) pela análise de microarray de oligonucleotídeos. Entre os genes selecionados, o da proteína quinase denominada MELK (Maternal Embryonic Leucine Zipper Kinase) mostrou uma maior expressão em GBMs em relação ao AGI, confirmado posteriormente por PCR em tempo real (qRT-PCR) em uma série ampliada de astrocitomas. Posteriormente, em estudos funcionais in vitro, observou-se uma redução na proliferação e de formação de colônias em crescimento independente de ancoragem após o silenciamento da expressão de MELK por siRNA. Foi observado também que MELK pode estar inibindo a apoptose, bem como estar envolvido no aumento da migração celular (Resultados Preliminares). Uma maior limitação em estudos do papel de MELK como uma proteína quinase é a falta de conhecimento dos processos celulares ou vias de sinalização nos quais estão envolvidos. Pela grande potencialidade de MELK como alvo terapêutico, a continuidade deste estudo é fundamental para o melhor entendimento da função de MELK no envolvimento da tumorigênese dos astrocitomas. Este projeto, portanto, tem como objetivo analisar o perfil de expressão de um painel de genes relevantes para os processos celulares da via relacionadas a MELK no processo da tumorigênese (proliferação, migração, apoptose) através da realização do estudo de expressão gênica de três RT2 Profiler PCR Arrays (Cancer Pathway Finder, Cell Motility e Apoptosis) antes e após silenciamento da expressão de MELK por siRNA em linhagem estabelecida de GBM. O estudo de expressão de proteínas será realizada através de eletroforese bidimensional por espectrometria de massa. A validação da expressão dos genes relevantes será realizada por qRT-PCR em uma casuística de astrocitomas de diferentes graus de malignidade. Os resultados esperados são entender melhor o papel de MELK e de proteínas envolvidas em processos e vias de sinalização em astrocitomas, que poderiam levar à descoberta de novos alvos terapêuticos. (AU)

Investigação do papel da proteína ATM (ataxia telangiectasia mutated) quinase na resistência de células de glioblastoma multiforme à radiação ionizante

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Valeria Valente
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:12/16877-6
Vigência: 01 de dezembro de 2012 - 30 de novembro de 2014
Assunto(s):Reparação de dna
Resumo
O glioblastoma multiforme (GBM) é o tumor cerebral mais comum e mortal e geralmente leva o paciente à morte em aproximadamente 14 meses após o diagnóstico. O tratamento é realizado com remoção cirúrgica da massa tumoral, seguida de radioterapia e quimioterapia. Entretanto, devido à alta resistência das células tumorais, o tumor cresce novamente poucas semanas após a cirurgia. A quinase ATM é uma proteína que pode estar envolvida com a resistência à radioterapia de células de GBM, sendo necessária para gerar os sinais intracelulares produzidos em resposta a diversos tipos de lesões no DNA. Uma alteração molecular recentemente detectada em glioblastomas é a superexpressão da proteína HJURP (Holliday junction recognizing protein). HJURP, uma proteína altamente superexpressa em diferentes tipos tumorais, está relacionada ao reparo de quebras de fita dupla no DNA por recombinação homóloga e é regulada pela via de ATM em células de osteosarcoma. Dados prévios de nosso laboratório demonstram que existe variação nos níveis de expressão de HJURP em diferentes linhagens celulares de glioma e apontam para uma associação entre os níveis de expressão de HJURP e uma maior resistência das células à radiação ionizante. Neste projeto pretendemos investigar se há correlação entre os níveis de expressão ATM e a resistência de células de GBM à radiação ionizante. Além disso, pretendemos também verificar se há correlação entre os níveis de expressão de ATM e de HJURP, que serão obtidos em outro projeto do laboratório. (AU)

Regulação da atividade de STAT3 e o papel da proteína STI1/Hop secretada em glioblastoma multiforme

Beneficiário:
Instituição: A C Camargo Cancer Center. Fundação Antonio Prudente. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Vilma Regina Martins
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Processo:12/19019-0
Vigência: 01 de novembro de 2012 - 31 de agosto de 2014
Assunto(s):SumoilaçãoGlioblastoma
Resumo
Glioblastoma Multiforme (GBM) é o tipo de tumor glial mais comum e agressivo. Identificar moléculas associadas com a progressão do tumor pode guiar no desenvolvimento de novas drogas para o tratamento de GBM. Durante o mestrado, o uso de microarranjos de tecido mostrou que GBMs humanos apresentam maior expressão de STI1/Hop, e que esta possui localização predominantemente nuclear, quando comparados a tecido não neoplásico. Corroborando com os dados anteriores do grupo que mostraram que STI1/Hop sofre uma modificação pós-traducional por SUMOilação, verificamos que a expressão nuclear de STI1/Hop e das proteínas envolvidas na via de SUMOilação, Ubc9 e SUMO 2/3, em glioblastomas humanos correlaciona-se positivamente. Estes resultados foram confirmados em linhagens celulares de GBM onde se observa que a expressão ectópica da enzima E3 ligase de SUMO, PIAS1, leva a um aumento na localização nuclear de STI1/Hop. Quando expressamos ectopicamente STI1/Hop ou ainda enzimas envolvidas com a SUMOilação em linhagem de glioblastoma observamos um acúmulo de STAT3 nuclear indicando que tanto STI1/Hop quanto a SUMOilação podem ser importantes para a atividade deste fator de transcrição. Confirmando estes achados, microarranjos de tecido de glioblastomas (TMA) apontam uma localização nuclear aumentada de STAT3 quando estes foram comparados a tecido não tumoral Interessantemente, o aumento da localização nuclear de STAT3 em GBMs não está correlacionado com o incremento de suas formas fosforiladas. Indicando que outras modificações pós-traducionais nesta proteína podem estar presentes nestes tumores. De acordo com esta hipótese mostramos que existe uma correlação positiva entre a localização nuclear de STAT3, Ubc9 e SUMO 2/3. Sugerindo que STAT3 poderia ser modificada por SUMOilação. De fato, resultados preliminares apontam que STAT3 pode ser SUMOilada. Fizemos ainda atualização dos dados clínicos dos casos dos gliomas agrupados nos TMAs descritos acima. A expressão de STI1/Hop e seu ligante celular a proteína príon (PrPC) foi relacionada a estes dados clínicos o que permitiu mostrar que a alta expressão de PrPC e de seu ligante STI1/Hop está associada com uma maior proliferação (positividade para o marcador Ki-67) e com uma menor sobrevida total. Estes achados levaram-nos a iniciar ensaios in vitro na tentativa de avaliar se STAT3 pode ser ativada pela forma secretada de STI1/Hop, que sabemos que liga PrPC na superfície celular e ativa várias vias de sinalização. Dados iniciais mostram que STI1/Hop é capaz de ativar a fosforilação de STAT3 de uma forma mais robusta que o tratamento com EGF. Desta forma, nossos dados apontam que tanto a forma intracelular quanto a secretada de STI1/Hop pode modular a atividade de STAT3. Se confirmados, estes dados podem auxiliar no melhor entendimento do papel de STI1/Hop e STAT3 em glioblastoma multiforme e auxiliar na identificação de novas abordagens terapêuticas nestes tumores. O presente projeto continuará aquele iniciado no mestrado determinando os mecanismos envolvidos na translocação nuclear de STAT3 e o papel de STI1/Hop neste mecanismo. Além disso, também será avaliado o papel da STI1/Hop secretada em glioblastoma multiforme, e como ela contribui para o fenótipo agressivo deste tipo de tumor. (AU)

Estudo das neuroesferas de glioblastoma humano e a relação quimiotática com células-tronco mesenquimais

Beneficiário:
Instituição: Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (IIEPAE). Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein (SBIBAE). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lorena Favaro Pavon
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/50542-9
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):Neoplasias do sistema nervosoGliomaCélulas-tronco neoplásicasTécnicas de cultura de células
Resumo
Glioma, também chamado de neuroglioma, é um tumor do sistema nervoso central (SNC) desenvolvido a partir das células gliais. O glioma é considerado a neoplasia mais comum do SNC humano, sendo de difícil abordagem terapêutica em decorrência do seu caráter infiltrativo e de suas células serem altamente resistentes a processos radio e quimioterápicos. Apesar dos recentes avanços no tratamento do câncer cerebral, os mecanismos celulares e moleculares pelos quais os gliomas se iniciam e se estabelecem ainda não estão claramente elucidados. Estudos recentes têm demonstrado que o surgimento e a progressão dos tumores cerebrais malignos podem ser determinados por uma sub-população de células tumorigênicas com grande capacidade de auto-renovação, denominadas células-tronco. A hipótese da célula-tronco tumoral descreve que os tumores são mantidos exclusivamente por uma fração de células raras que possuem propriedades de células-tronco, ou seja, capacidade de auto-renovação, proliferação e diferenciação in vitro, sendo sua natureza definida pela formação de neuro-esferas. A descoberta das células-tronco tumorais cerebrais (BTSC) deverá contribuir para a compreensão dos processos de gliomagênese, bem como capacidade tumorigênica dessas células. O processo de investigação das BTSC permanece inconclusivo, sendo que sua função ainda não pode ser objetivamente estabelecida. Para compreender plenamente a biologia das BTSC, é altamente desejável estabelecer linhas de pesquisa permanentes no processo de isolamento, cultivo e purificação das suas células-tronco. Dessa forma, o presente projeto objetiva fundamentar o método de isolamento e cultivo das neuroesferas de tumores cerebrais humanos, bem como purificação das BTSC, afim de caracterizá-las quanto a sua capacidade de proliferação, multipotencialidade de diferenciação, ultra-estrutura e tumorigenecidade, estreitando por fim, uma possível associação de antígenos do citomegalovirus humano (HCMV) com a gênese dos gliomas. Tal investigação poderá contribuir para novas abordagens terapêuticas dos tumores cerebrais. (AU)

Silenciamento do gene GDF15 e resposta à radioterapia e ao tratamento com temozolomida em linhagens celulares de glioblastoma multiforme

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Alberto Scrideli
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:12/11351-6
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):Radioterapia
Resumo
O glioblastoma multiforme (GBM) é o mais comum e o mais maligno dos tumores primários cerebrais em adultos, sendo menos frequente em crianças, sendo responsável por 7 a 9% dos tumores do SNC. Apesar dos avanços tecnológicos a sobrevida dos pacientes adultos é de 12 a 15 meses. Apesar de melhor prognóstico em comparação aos adultos, dados de um estudo mostraram que na maioria dos casos de GBM infantil, a recorrência e morte ocorre dentro de 2 anos. Este tipo de tumor exibe elevada heterogeneidade celular, com alterações genéticas complexas que refletem em alta instabilidade genômica e apresentam implacável progressão maligna, caracterizada por difusão e invasão através do cérebro, resistência aos tradicionais tratamentos como a radioterapia e o tratamento com a droga Temozolomida. Entre as alterações genéticas, nosso grupo observou uma alta expressão do GDF15 em tumores primários e em linhagens celulares de GBM. O GDF15 é um fator de crescimento que em condições fisiológicas normais está pouco expresso, mas em casos de inflamações e malignidades sua expressão é aumentada. O alto nível de GDF15 está associado com pior prognóstico em diversos tipos de cânceres, inclusive o GBM. Foi observado que o silenciamento do GDF15 resultou em linhagens celulares, de tumor da nasofaringe, menos resistentes à radioterapia. Esse projeto tem por objetivo correlacionar o silenciamento do GDF15 com a sensibilidade à radioterapia e ao tratamento com a droga Temozolomida em linhagens celulares de GBM de criança e de adulto. Para analisar essas correlações, o GDF15 será silenciado por RNA de interferência, após o silenciamento será feito os tratamentos independentes (radioterapia e Temozolomida) seguido dos estudos funcionais in vitro. (AU)

Nanopartículas a base de quitosana para administração nasal de bevacizumab

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Palmira Daflon Gremião
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:12/13446-4
Vigência: 01 de outubro de 2012 - 30 de setembro de 2015
Assunto(s):NanopartículasAngiogêneseGlioblastomaQuitosana
Resumo
Anticorpos monoclonais representam uma importante classe de biofármacos com uma ampla aplicação terapêutica, especialmente contra o câncer. O bevacizumab, um anticorpo monoclonal que será utilizado nesse estudo, foi recentemente aprovado para o tratamento de glioblastomas. Ele atua impedindo o processo de angiogênese que acompanha o tecido neoplásico e em combinação com fármacos citotóxicos pode reduzir o tamanho do tumor. No entanto, assim como outros fármacos de natureza proteica, formulações de anticorpos representam um grande desafio tanto do ponto de vista tecnológico quanto biofarmacêutico. A baixa estabilidade físico-quimica dentro da formulação e em fluidos biológicos bem como baixa biodisponibilidade e potencial imunogênico geram a necessidade de desenvolvimento de novas estratégias para contornar esses problemas. A via nasal, além de possuir características favoráveis para a administração de proteínas, tem gerado grande interesse como uma rota para se atingir o sistema nervoso central. Os sistemas nanoestruturados com capacidade mucoadesiva também constituem uma valiosa estratégia para a administração de biofármacos em mucosas. Dessa forma, aliando-se vantagens anatômicas que permitem uma passagem direta de fármacos da cavidade nasal para o cérebro com o uso de carreadores nanométricos a base de quitosana capazes de aumentar a permeação de macromoléculas pretende-se chegar à uma estratégia promissora visando-se o direcionamento de bevacizumab ao cérebro para tratamento de glioblastomas. (AU)

Avaliação de expressão do gene cbfa2t2 em amostras humanas de tumores do sistema nervoso central por PCR em tempo real

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Alberto Scrideli
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:12/11759-5
Vigência: 01 de setembro de 2012 - 31 de agosto de 2013
Assunto(s):GlioblastomaGliomaOncologia
Resumo
Os tumores astrocíticos (gliomas) são os tumores cerebrais primários mais freqüentes em crianças e adultos, dentre estes o glioblastoma é o mais maligno dos tumores de SNC, com os atuais protocolos de tratamento apresenta uma sobrevida média de apenas 9 meses. Apesar do grande progresso no entendimento da biologia destes tumores nas últimas décadas, isto não têm se traduzido em terapias mais efetivas. O perfil de expressão gênica dessas neoplasias têm mostrado novas alterações moleculares e vias de sinalização celular envolvidas na proliferação tumoral. Essa tecnologia permite a identificação de novos alvos terapêuticos específicos numa tentativa de melhorar a sobrevida destes pacientes. Em estudo do nosso grupo avaliando diferenças de expressão gênica por tecnologia de microarray, observamos que o gene CBFA2T2 mostrou a maior diferença de expressão entre substância branca cerebral íntegra e amostras de glioblastoma (índice de 1.327 vezes). Este gene interage com diversos fatores codificados por genes relacionados com a alteração do ciclo celular e câncer e parece ter importante papel na diferenciação neuronal. Serão analisadas amostras ao diagnóstico de 40 glioblastomas primários, 30 astrocitomas pilocíticos e 15 amostras da massa branca cerebral não neoplásica, obtida por lobectomia temporal por cirurgias de epilepsia por PCR quantitativa em tempo real para a expressão do gene CBFA2T2 utilizando-se sondas TaqMan. O objetivo é identificar a associação entre os níveis de expressão do CBFA2T2 e características biológico-clínicas e histopatológicas como subtipo histológico, idade, gênero e sobrevida. (AU)

Marcação de células C6 de glioma com nanopartículas de Fe3O4 e desenvolvimento de uma interface gráfica para o processo de quantificação das nanopartículas internalizadas nas células utilizando a técnica de imagem por ressonância magnética

Beneficiário:
Instituição: Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (IIEPAE). Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein (SBIBAE). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lionel Fernel Gamarra Contreras
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Física - Física da Matéria Condensada
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:12/14713-6
Vigência: 01 de setembro de 2012 - 31 de julho de 2013
Assunto(s):Imagem por ressonância magnéticaBiologia celularFísica médica
Resumo
O presente projeto tem como finalidade a marcação intracelular de células C6 com nanopartículas magnéticas para seu posterior estudo do processo de quantificação das nanopartículas magnéticas internalizadas nas células. Para este processo de quantificação será desenvolvido uma interface gráfica que facilitará a analise dos dados obtidos pela técnica de Imagem por Ressonância Magnética.Este projeto faz parte de um projeto maior já em andamento intitulado "Implementação da técnica de magneto hipertermia para o tratamento de glioblastomas: Estudos in vitro, in vivo e ex vivo", que está sendo executado pelo Dr. Lionel Fernel Gamarra (PNPD Nº 02973/09-0 - CAPES)Desta forma, o projeto será dividido em três etapas: a primeira etapa consistirá na cultura das células C6 e sua posterior marcação das células com nanopartículas magnéticas (esta fase será executada por Dra. Lorena Favaro Pavon e acompanhado pelo aluno de Iniciação Científica). A segunda etapa corresponde no preparo dos phantons das células marcadas e suspensas em agarose para sua posterior obtenção das Imagens ponderadas em T1 e T2, respectivamente, mediante a técnica de Ressonância Magnética. A terceira etapa será desenvolver um software com interface gráfica para o processo de quantificação das nanopartículas internalizadas nas células. Nesta etapa será realizada a aquisição das imagens obtidas do equipamento de Ressonância Magnética, seguidamente o ajuste das curvas de relaxamento mediante o método de mínimos quadrados. Será realizado o cálculo dos parâmetros r1, r2, R1 e R2. Finalmente após a obtenção de todos os parâmetros será desenvolvido na mesma interface gráfica o processo de quantificação processo das nanopartículas magnéticas internalizadas nas células.A importância do presente projeto é porque permitirá de alguma forma responder questões como as seguintes que ainda não foram respondidas claramente: Qual é a relação entre a intensidade do sinal e o número de células marcadas? Quantas células podem ser detectadas in vivo? Como a intensidade do sinal é relacionada com a proliferação e migração da célula? O presente projeto será desenvolvido no Laboratório de Nanobiotecnologia do Instituto de Ensino e Pesquisa (IIEP) do Hospital Israelita Albert Einstein. (AU)

Síntese e avaliação do uso de biomarcadores do tipo peptídeo radiomarcado e conjugado a nanocristais Quantum-dots. relevância para o estudo de doenças tumorigênicas

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). Fundação Arnaldo Vieira de Carvalho. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luciana Malavolta Quaglio
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:12/13262-0
Vigência: 01 de agosto de 2012 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):BiomarcadoresPeptídeos
Resumo
Resumo: O diagnóstico e tratamento de doenças a nível celular estão aumentando devido à capacidade de distribuição de sondas analíticas e agentes terapêuticos para células específicas e compartimentos celulares. Distribuição de imagem e agentes terapêuticos para o cérebro é muito importante para o diagnóstico e terapia de muitas doenças cerebrais tais como tumores cerebrais. Entretanto, a distribuição desses agentes para o cérebro é freqüentemente restringida pela barreira hematoencefálica. Um método para enganar a barreira celular é a utilização de nanopartículas complexadas a uma biomolécula. Este método tem sido usado com sucesso para internalizar várias substâncias tais como proteínas e peptídeos. Quantum dots (QDs) é uma nova geração de sondas fluorescentes com muitas propriedades ópticas únicas e vantajosas na pesquisa biológica, principalmente para marcação celular. Um alvo específico pode ser alcançado pela incorporação de moléculas alvo para a superfície dos QDs. Peptídeos são ligantes adequados, uma vez que podem ser ancorados na superfície de um QD e tais conjugados podem exibir forte afinidade de ligação ao receptor e desejável eficiência de marcação devido ao efeito de polivalência. Assim, o processo de imunolocalização de células tumorigênicas do SNC utilizando tanto nanocristais quanto a radiomarcação, pode atuar efetivamente em diagnóstico de câncer e comportamento tumoral, ou seja, motilidade celular, propriedades invasivas e potencial de metástases, além de descrever a tumorigenicidade dos glioblastomas, através de indicadores terapêuticos de malignidade tumoral. (AU)

Avaliação de nanopartículas de quitosana para liberação de inibidores de integrinas potencialmente ativos em glioblastomas

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Palmira Daflon Gremião
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:12/10174-3
Vigência: 01 de agosto de 2012 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):NanopartículasDesintegrinasNanotecnologia
Resumo
Os glioblastomas multiformes (GBMs) são os tumores mais invasivos do sistema nervoso central, sua invasividade está relacionada com a interação com glicoproteínas da matriz extracelular, como a vitronectina e fibronectina. Estas glicoproteínas interagem com integrinas presentes nas células tumorais facilitando a adesão e migração destas células no tecido cerebral. As integrinas, ±5²1, ±v²5, e ±v²3 são fortemente expressas em GBMs, e podem ser utilizadas como moléculas alvo na terapia contra o câncer no sistema nervoso central (SNC). Os inibidores de integrinas conhecidos como desintegrinas, vêm sendo consideradas potentes inibidores da adesão celular e utilizadas no combate de diversas patologias, entre elas, o câncer. A desintegrina cilengitide têm sido estudada contra GBMs, pois inibe as integrinas ±V²3, ±V²5 e ±5²1. Outra desintegrina é a DisBa-01, que interage especificamente com as integrinas ±V²3 e ±5²1 exibindo potentes propriedades anti-tumorais. Entretanto a aplicação de proteínas terapêuticas é limitada freqüentemente pela baixa estabilidade em fluídos fisiológicos, potencial imunogênico e alergênico, assim como a baixa biodisponibilidade. Para contornar estes problemas, tem-se buscado novos sistemas de liberação de fármacos e rotas alternativas de administração, como por exemplo, a via nasal. A via nasal tem gerado grande interesse como rota alternativa para administração de proteínas e os sistemas mucoadesivos tem sido empregados para diminuir a remoção da formulação pelos mecanismos de depuração mucociliar, permitindo maior contato entre a formulação e o local de absorção na cavidade nasal além de favorecer a passagem de fármacos através da barreira hematoencefálica. Assim, este trabalho tem como objetivo avaliar nanopartículas de quitosana para atuar como carreadores de desintegrinas para o cérebro e promover a liberação no sítio tumoral por inibição das integrinas específicas presentes nos glioblastomas, podendo ser uma alternativa para a terapia anti-tumoral. (AU)

O controle da tradução no sistema nervoso: mecanismos tumorais

Beneficiário:
Instituição: A C Camargo Cancer Center. Fundação Antonio Prudente. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Glaucia Noeli Maroso Hajj
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/04370-4
Vigência: 01 de junho de 2012 - 30 de novembro de 2014
Assunto(s):NeurobiologiaDoença de AlzheimerGliomaCélulas tumorais
Resumo
Processos celulares, como a proliferação e a diferenciação, dependem do correto controle da tradução de mRNAs, assim alterações das vias que regulam a tradução podem ser parte importante da transformação celular maligna. O glioblastoma multiforme (GBM) está entre os tipos tumorais mais agressivos e de menor resposta a agentes quimioterápicos. Deste modo, definir alterações nos mecanismos de controle traducional em GBMs, é de grande interesse para entender a sua biologia e facilitar a descoberta de novas terapias. (AU)

Análise funcional de antígenos câncer/testículos em glioblastoma

Beneficiário:
Instituição: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Karina Ramalho Bortoluci
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:11/15118-1
Vigência: 01 de maio de 2012 - 31 de julho de 2013
Resumo
O glioblastoma (GBM), astrocitoma grau IV OMS, é o tumor cerebral primário maligno mais freqüente em adultos. Caracterizado por ser um tumor altamente resistente à terapia, e visto o prognóstico desfavorável dos pacientes com glioblastomas quanto ao tratamento atual, novas abordagens terapêuticas são necessárias. Uma abordagem atrativa é o emprego de antígenos tumorais como alvos específicos visando estimular o sistema imune do paciente. Um pré-requisito para o sucesso dessas estratégias é a existência de genes que são exclusivamente ou preferencialmente expressos em tecidos malignos quando comparados com tecidos normais. Antígenos câncer-testículo (CTA) são considerados como potenciais candidatos para o desenvolvimento de vacinas, uma vez que são expressos em vários tumores e a expressão em tecidos humanos está quase limitada às células germinativas do testículo e células trofoblásticas, considerados sítios imunoprivilegiados. Aliados ao fato de que muitos dos achados presentes na gametogênese e placentação, como migração, invasão, escape imunológico, resistência à apoptose e indução da angiogênese são os mesmos que conferem aos tumores seu potencial de malignidade, é de grande importante compreender a função celular destes CTAs nas células tumorais. Assim a partir da análise funcional de quatro genes CTAs validados com alta expressão em glioblastomas, não expressos em tecido normal de cérebro pretende-se: analisar em diferentes culturas de linhagens celulares de GBM a superexpressão e o silenciamento de quatro genes CTAs; verificar se há correlação com a expressão destes genes em linhagens célulares de GBM quanto a proliferação, apoptose, invasão, migração e alteração ciclo celular. (AU)

Metalofármacos anti-inflamatórios e antitumorais: reatividade, propriedades e interações com matrizes hospedeiras biocompatíveis

Beneficiário:
Instituição: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Denise de Oliveira Silva
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Inorgânica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/06592-1
Vigência: 01 de abril de 2012 - 31 de março de 2014
Assunto(s):BiopolímerosFármacosAntineoplásicosAnti-inflamatórios
Resumo
Este projeto visa ao estudo de metalofármacos em área estratégica da Bioinorgânica e é de caráter multidisciplinar envolvendo aspectos farmacológicos e biológicos. Estudos prévios de nosso grupo deram evidências de atividade anti-inflamatória para metalofármacos de cobre e de dirutênio com FAINEs (fármacos anti-inflamatórios não-esteróides) e de ação antiproliferativa de metalofármacos de dirutênio frente a células C6 (glioma de rato) - modelo do glioblastoma multiforme (GBM), tipo de tumor cerebral maligno. Diante das promissoras propriedades farmacológicas dos metalo-FAINEs e, principalmente, dos dirutênio-FAINEs (cujos trabalhos pioneiros são de nosso grupo) as perspectivas de aprofundamento das pesquisas na área são amplas e desejáveis. Desta forma, a meta diretora da presente proposta é dar prosseguimento aos estudos, com objetivo de: ampliar a gama de metalo-FAINEs; aprofundar estudos de caracterização; investigar comportamento químico e físico-químico; estudar a reatividade dos metalo-FAINEs, em particular frente a biomoléculas; investigar a interação de metalo-FAINEs com matrizes hospedeiras biocompatíveis (ciclodextrinas, derivados de celulose e quitosanas) com vistas à obtenção de materiais híbridos orgânico-bioinorgânicos biocompatíveis. O propósito maior é obter conjunto mais completo de dados que possam auxiliar no estabelecimento de correlações entre estrutura molecular, reatividade e propriedades, e assim possam permitir a elucidação da atuação farmacológica e biológica dos compostos. Adicionalmente, pretende-se investigar a viabilidade de se obter materiais híbridos biocompatíveis que possam atuar como carregadores e/ou sistemas de liberação (sustentada ou controlada) vislumbrando potenciais futuras aplicações em saúde/biomedicina. (AU)

Regulação da síntese de proteínas através da SUMOilação

Beneficiário:
Instituição: A C Camargo Cancer Center. Fundação Antonio Prudente. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Vilma Regina Martins
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:11/21350-4
Vigência: 01 de março de 2012 - 28 de fevereiro de 2015
Assunto(s):Sumoilação
Resumo
A sumoilação é uma modificação pós-traducional que leva a alteração da função e/ou localização das proteínas alvo. Em geral, a via de sumoilação tem sido associada a eventos nucleares, como por exemplo, a regulação da transcrição. No entanto, nos últimos anos cada vez mais funções extra-nucleares para essa via têm sido descritas. Dentre estas funções extra-nucleares, somente duas publicações apontam a sumoilação como um regulador do controle da tradução em células de mamífero. Nos mesmos são estudados os efeitos da sumoilação do fator de inicio da tradução 4E (eIF4E). Alem disso, num estudo de proteômica em Drosophila melanogaster, várias proteínas ribossomais e fatores associados ao controle traducional foram identificados como alvos da sumoilação. Dessa maneira a sumoilação poderia ser um outro mecanismo de controle traducional ainda não explorado em células de mamíferos. Assim, o objetivo desse projeto será a identificação de proteínas envolvidas no controle da tradução que são sumoiladas em células de mamífero. Para isso, será realizado um estudo de larga escala com técnicas de proteômica para a identificação de proteínas sumoiladas que se associam a polissomos, seguido pela confirmação dos candidatos e análise de como a sumoilação afeta a funcionalidade de cada proteína-alvo. A desregulação da tradução é um fenômeno comum para vários tipos de tumores. Observações preliminares do nosso laboratório identificaram que a expressão de componentes da cascata da sumoilação está alterada em glioblastomas. Dessa maneira estudaremos se a via da sumoilação é também responsável, ou contribui, para a desregulação traducional observada em glioblastomas, junto com a identificação dos fatores afetados. (AU)

Identificação de novos alvos moleculares para o desenvolvimento de alternativas terapêuticas para glioblastomas humano

Beneficiário:
Instituição: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ricardo Jose Giordano
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/23715-0
Vigência: 01 de março de 2012 - 28 de fevereiro de 2013
Assunto(s):GliomaPhage display
Resumo
As neoplasias intracranianas são uma das principais causas de morte entre a população em geral. O glioblastoma é a forma mais frequente de tumor cerebral em adultos, sendo que os pacientes com este tipo tumoral apresentam uma sobrevida média de apenas dois anos após o diagnóstico. Os gliomas malignos apresentam proliferação, angiogênese e invasão para áreas adjacentes. A metodologia de Phage Display de peptídeos será utilizada para varrer a superfície de células deglioblastoma humano em busca de novos marcadores moleculares que possam ser transformados em alternativas terapêuticas para essa doença. (AU)

Shotgun proteomics em estudos de glioma, nas interações de complexos protéicos com nucleofosmina e no proteoma/fosfoproteoma de linhagens celulares derivadas de glioblastoma multiforme (GBM) estimuladas por EGF

Beneficiário:
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:José César Rosa
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/07568-7
Vigência: 01 de fevereiro de 2012 - 31 de janeiro de 2014
Assunto(s):Mapeamento de interação de proteínasNeoplasias cerebraisGliomaProteômica
Resumo
Gliomas são os mais malignos dos tumores de cérebro, pois são muito heterogêneos, apresentam características como alta proliferação celular, hiperplasia, áreas necróticas e extensa formação de novos vasos sanguíneos. Entre ele, os astrocitomas correspondem a 60% dos tumores de cérebro e afetam geralmente a população adulta, sendo o prognóstico de sobrevida ruim, não passando de 12-14 meses de vida, pois apresentam tendência à recorrência e progressão maligna, não respondendo aos tratamentos. Estes são, em geral, muito agressivos e incluem ressecção cirúrgica, radioterapia e quimioterapia. Nosso grupo, recentemente, demonstrou a alteração das proteínas nucleofosmina e RKIP em glioblastoma multiforme (GBM). Estas proteínas estão envolvidas em duas vias de sinalização celular, PI3K/AKT/mTOR e RAS/RAF/MAPK, importantes para a formação de glioma e posicionadas "downstream" ao receptor de EGF. Na presente proposta pretendemos investigar, utilizando estratégia proteômica: 1) tumores de astrocitomas e oligodendrogliomas; 2) proteoma de linhagens celulares derivadas de GBM e correlacionar algumas proteínas com ensaios de proliferação, migração e apoptose; 3) efeito da estimulação por EGF na mudança do fosfoproteoma de linhagens celulares derivadas de GBM; 4) interações de complexos multi-protéicos tendo como alvo central as interações proteína-proteína com nucleofosmina (NPM1). Para alcançar esses objetivos, nós utilizaremos análise proteômica quantitativa através da marcação com isóbaros de iTRAQ e de incorporação de isótopos de aminoácidos estáveis (SILAC). Com a estratégia proteômica utilizando iTRAQ pretendemos estudar proteínas diferencialmente expressas em astrocitomas de grau II (4 casos); GBM de curta sobrevida <12 meses (4 casos); GBM de longa sobrevida >16 meses (4 casos); oligodendroglioma grau II (4 casos) e oligodendroglioma anaplástico (4 casos) comparados a um "pool" de amostras não tumorais (9 pacientes). Com a estratégia proteômica utilizando a incorporação metabólica de SILAC, nós investigaremos o fosfoproteoma e alterações do proteoma das linhagens U87MG e T98G estimuladas com EGF. Desta forma, esperamos contribuir para a geração de conhecimentos em câncer, avançar na tecnologia de análise proteômica e consolidar nossos estudos iniciais na progressão tumoral de glioma. (AU)
132 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP