site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Auxílios à Pesquisa
Área do conhecimento
Página 10 de 1.589 resultado(s)
|

Ação dos compostos antioxidantes na redução do estresse oxidativo em modelo experimental de câncer de pulmão: estudo do pequi (Caryocar brasiliense Camb.)

Beneficiário:Vera Luiza Capelozzi
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Vera Luiza Capelozzi
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/12030-6
Vigência: 01 de dezembro de 2011 - 28 de fevereiro de 2014
Assunto(s):Neoplasias pulmonaresAntioxidantesMorfometriaPequiCaryocar brasiliense
Resumo
O câncer de pulmão (CP) corresponde a 28% de todas as mortes por câncer, e tem se mostrado de difícil controle com a terapêutica convencional. No Brasil, a estimativa para 2010 é de 27.630 novos casos. O CP é histologicamente classificado em quatro tipos celulares, sendo o adenocarcinoma o mais freqüente. Um dos fatores implicados nos processos de carcinogênese é a excessiva formação de radicais livres que pode conduzir a diversas formas de dano celular. Estudos evidenciam a participação do estresse oxidativo no desenvolvimento do câncer, sugerindo que a persistência deste estado nas células tumorais poderia explicar parcialmente algumas características do câncer. O estresse oxidativo é um estado de desequilíbrio entre a produção de radicais livres e a capacidade de defesa do organismo contra essas espécies, que leva a um progressivo dano oxidativo. Esse estresse tem seus danos minimizados pelo sistema de defesa antioxidante enzimático, representado, principalmente, pelas enzimas superóxido dismutase (SOD), catalase (CAT) e glutationa peroxidase (GP), e os antioxidantes não enzimáticos, como as vitaminas A, C e E, ácido úrico e algumas proteínas do plasma. Além dessas vitaminas, os compostos fenólicos e os carotenóides têm apresentado importante ação contra o estresse oxidativo e no curso de doenças neoplásicas, merecendo crescente interesse de pesquisas científicas. O Caryocar brasiliense camb, mais conhecido como pequi, é um fruto nativo do cerrado brasileiro, e sua polpa é rica em ácidos graxos insaturados, como o ácido oléico, em concentrações de aproximadamente 51,37% a 55,87%, e o ácido palmítico em concentrações de 35,17% a 46,79%, além de altas concentrações de antioxidantes naturais como a vitamina C, os compostos fenólicos, e os carotenóides. Se na quantidade adequada, os antioxidantes obtidos da dieta são indispensáveis para manter o equilíbrio oxidativo e se a ingestão de antioxidantes isolados aumentam esse estresse, talvez a ingestão de compostos nutricionais com mais de um tipo de antioxidante possa ajudar na diminuição do desenvolvimento de dano celular diminuindo o estresse oxidativo e, por conseguinte, aumentar a resistência das células para diversos fatores carcinogênicos. (AU)

Mecanismos de ação de antioxidantes na protinuria associada ao diabetes mellitus

Beneficiário:Jose Butori Lopes de Faria
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Jose Butori Lopes de Faria
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/51376-5
Vigência: 01 de dezembro de 2011 - 28 de fevereiro de 2014
Assunto(s):Camellia sinensisEstresse oxidativoPolifenóisProteinuriaProteinuria
Resumo
O estresse oxidativo induzido pela hiperglicemia leva a alterações na barreira de filtração glomerular, determinando a albuminúria característica da nefropatia diabética (ND). Tratamentos com antioxidantes como tempol e chá verde previnem a albuminúria em ratos diabéticos e hipertensos provavelmente pela diminuição da apoptose de podócitos. Os objetivos do presente trabalho serão: 1. Investigar a influência de antioxidantes (tempol e chá-verde) na integridade da barreira de fíltração glomerular, in vivo e in vitro; 2. Verificar se antioxidantes previnem a apoptose de podócitos via inibição de PARP-1 clivada e/ou pela atuação na via Wnt. DM será induzida por estreptozotocina em ratos espontaneamente hipertensos (SHR) com 12 semanas de idade. Animais controles e diabéticos receberão ou não tratamentos com antioxidantes por 12 semanas. Linhagens de podócitos de camundongos e humanos serão cultivadas em condições de normoglicemia e hiperglicemia, estresse oxidativo (tratamento com H2O2), presença/ausência dos antioxidantes e inibidores/ativadores de PARP ou Wnt. A análise da apoptose de podócitos será feita por TÚNEL, atividade de caspase-3 e co-localização por imunofluorescência para marcador específico de podócitos (WT-1) e caspase-3. Será avaliada a adesão podocitária. A integridade da barreira de filtração glomerular será analisada por: western blot, imunofluorescência e RT-PCR de proteínas como nefrina, ZO-1, P-caderina, podocalexina e laminina ß2; imunohistoquímica para proteoglicanas da membrana basal glomerular (MBG) e glicoproteínas do glicocálix endotelial; microscopia eletrônica; detecção de alterações nas cargas negativas da MBG. O entendimento do mecanismo de ação de antioxidantes como o tempol e chá verde na proteinúria associada ao DM constitui a base para o emprego dessas manobras no tratamento da ND. (AU)

Influência da suplementação de alecrim (Rosmarinus oficinallis L.) na ração sobre remodelação cardíaca em ratos submetidos a infarto agudo do miocárdio

Beneficiário:Sergio Alberto Rupp de Paiva
Instituição: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sergio Alberto Rupp de Paiva
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/15059-5
Vigência: 01 de dezembro de 2011 - 30 de novembro de 2013
Assunto(s):Remodelação ventricularInfarto do miocárdioAntioxidantesRosmarinus
Resumo
A remodelação cardíaca tem papel chave na disfunção ventricular pós-infarto. Alguns mecanismos celulares, como estresse oxidativo, inflamação e fibrose modulam esse processo. Assim, o tratamento ou a reparação dos danos pós-infarto tem grande relevância clínica. Há grande interesse por produtos naturais, com propriedades antioxidantes, destacando-se o alecrim. Objetivo: Analisar a influência do consumo de extrato de alecrim na ração sobre a remodelação cardíaca após infarto agudo do miocárdio (IAM) em ratos. Material e métodos: ratos machos da raça Wistar com 200-250g serão alocados em 6 grupos: 1) grupo Sham alimentado com ração a base de cereal e não submetido ao IAM (SA0, n=30); 2) grupo Sham alimentado com ração a base de cereal suplementada com 0,02% de extrato de alecrim (ração 1) e não submetido a IAM (SA1, n=30); 3) grupo Sham alimentado com ração a base de cereal suplementada com 0,2% de extrato de alecrim (ração 2) e não submetido a IAM (SA2, n=20); 4) IAM + ração a base de cereal (IA0, n=30); 5) IAM + ração 1 (IA1, n=30; 6) IAM + ração 2 (IA2, n=30). Após três meses, será realizado ecocardiograma e eutanásia dos animais para coleta de material biológico. Será feito no tecido cardíaco: 1) estudo morfométrico; 2) análise do estresse oxidativo por meio das enzimas SOD, catalase e GPx e por peroxidação; produção de superóxido e atividade de NADPH oxidase; 3) análise por Western blot do Nrf-2, HO-1 e GPx; 4) estudo da apoptose; 5) avaliação de citocinas inflamatórias e 6) atividade de metaloproteases. As comparações serão feitas por teste ANOVA de duas vias. (AU)

Efeitos da suplementação de ácidos graxos ômega-3 em parâmetros inflamatórios, oxidativos e lipídicos em pacientes tratados por hemodiálise

Beneficiário:Andresa Marques de Mattos
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Paula Garcia Chiarello
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:11/13756-0
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de março de 2014
Assunto(s):Estresse oxidativoInflamaçãoHemodiáliseÁcidos graxos omega 3
Resumo
A população em hemodiálise (HD) é vulnerável a inúmeras complicações, como dislipidemia urêmica, inflamação crônica e aumento do estresse oxidativo (EO), que afetam negativamente o tempo e qualidade de vida desses indivíduos. Nas últimas décadas, novas terapias foram introduzidas com objetivos de melhorar a morbi-mortalidade nesse grupo, porém, alcançaram pouco sucesso. Com base em dados laboratoriais e achados clínicos preliminares, há razões que sugerem que a suplementação de ômega-3 pode oferecer benefícios à saúde dos pacientes em HD. Portanto, o objetivo deste estudo é verificar o efeito dessa suplementação no controle de marcadores de EO, inflamação e frações lipídicas nesses pacientes. Trata-se de um estudo experimental controlado randomizado duplo-cego, em que um grupo de pacientes tratados por HD e um grupo controle serão suplementados com 1.2g/d de ômega-3, durante 12 semanas, enquanto outros dois grupos, um formado por pacientes em HD e outro por controles saudáveis, receberão placebo. As coletas de sangue para a realização da avaliação bioquímica serão realizadas no início do estudo, na sexta e na décima segunda semanas. O estado nutricional dos indivíduos dos 4 grupos será avaliado por meio de medidas antropométricas, de composição corporal e de consumo alimentar, no início e ao final da intervenção. (AU)

Lesões no DNA e capacidade de resposta celular de gestantes e recém-nascidos em regime de hiperglicemia de intensidade variada

Beneficiário:Jusciele Brogin Moreli
Instituição: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Iracema de Mattos Paranhos Calderon
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:11/13562-1
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):ObstetríciaGravidezMorte celular
Resumo
O Grupo de Pesquisa Diabete e Gravidez - Investigação Clínica e Experimental vem desenvolvendo pesquisas clínicas e experimentais nesta linha há mais de 25 anos. Os resultados destes estudos caracterizaram um grupo de gestantes que, apesar do teste de tolerância a glicose 100 g (TTG100g) normal, apresentam hiperglicemia evidenciada por alterações no Perfil Glicêmico (PG). Estas gestantes foram classificadas como grupo IB de Rudge, portadoras de hiperglicemia gestacional leve. Além de outros resultados perinatais adversos (RPA), característicos dos filhos de mães diabéticas, as hiperglicêmicas gestacionais tem risco atribuível de morte perinatal comparável ao grupo de gestantes diabéticas (4,16% vs 6,12%) e, por isso, são tratadas como diabéticas.A literatura atual está reconhecendo que a hiperglicemia materna, de qualquer intensidade e independente do diagnóstico de diabete gestacional, deve ser controlada pelo risco de RPA.Isto valida a identificação e o tratamento, iniciado há mais de 25 anos, do grupo IB de Rudge, portadoras de hiperglicemia gestacional leve.Em estudos sobre os fatores envolvidos no desfecho adverso de gestações complicadas por distúrbios glicêmicos, os resultados do nosso grupo de pesquisa destacam a hipóxia intra-uterina e a hiperglicemia materna de intensidade variada. Esta associação levaria a alterações morfológicas e funcionais da placenta, caracterizadas por comprometimento da vascularização da superfície de trocas materno fetal, aumento e/ou diminuição dos marcadores da proliferação vascular, incremento da apoptose (e alterações no perfil de citocinas.Paralelamente, nossos resultados experimentais, em ratas com diabete induzido por estreptozotocin, evidenciaram outros fatores envolvidos com RPA. Os processos oxidativos, mediados por radicais livres e o aumento de danos gerais de DNA mostraram-se diretamente dependentes da intensidade da hiperglicemia materna, refletida no meio intrauterino.Entre outros fatores, a hiperglicemia e a inflamação geram espécies reativas de oxigênio, levando a um estado de estresse oxidativo e consequente dano na molécula de DNA. Se as células não tiverem capacidade para o reparo do DNA, haverá acúmulo de mutação ou morte celular. A adição de ferramentas da biologia molecular em nossos estudos foi decisiva para definir novos rumos. Assim, um projeto de duas alunas de pós-doutorado, com bolsa PNPD/CAPES está em desenvolvimento, para explorar a via da hipóxia e vascularização placentária nas gestações complicadas por diabete e hiperglicemia gestacional leve. Neste projeto estão sendo avaliados expressões protéicas e gênicas do VEGF e PlGF e seus receptores (VEGFR-1 e VEGFR-2) e de iNOS, COX2, HIF-alfa e MCP1; as concentrações de VEGF e PIGF e seus receptores (VEGFR-1 e VEGFR-2) e de iNOS e COX2 e do fator MCP1 em homogenato placentário e no soro materno (Projeto PNPD). Estes estudos deverão ser complementados pelo presente projeto, com a exploração de potenciais alterações na via de danos e reparo de DNA, decorrentes, também, da hiperglicemia e hipóxia, presentes no meio intrauterino nestas gestações.Neste contexto, este projeto tem como objetivo geral, a investigação das lesões no DNA (nuclear e mitocondrial), da capacidade de reparo de DNA e da morte celular, ativadas pelas lesões, em gestantes portadoras de hiperglicemia de intensidade variada e em seus descendentes. O desenvolvimento deste projeto deverá contribuir para o esclarecimento dos mecanismos envolvidos e consequente prevenção dos RPA nestas gestações, o que justifica sua proposição. Além dos avanços científicos, este projeto deverá consolidar uma parceria, já iniciada, com pesquisadores do ICB da Universidade de São Paulo, Profa. Titular Estela Maris Andrade Forell Bevilacqua, responsável pelo Laboratório de Citofisiologia do Trofoblasto, e Prof. Titular Carlos Frederico Martins Menck, responsável pelo Laboratório de Reparo de DNA. (AU)

É possível previnir os efeitos tóxicos da hiperglicemia em retina de animais experimentalmente diabéticos através de tratamento com polifenóis? nova perspectiva no tratamento farmacológico da retinopatia diabética

Beneficiário:Kamila Cristina Silva
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcelo Ganzarolli de Oliveira
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:11/18334-7
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de outubro de 2012
Assunto(s):Camellia sinensisEstresse oxidativoÓxido nítricoPolifenóisRetinopatia diabética
Resumo
Apesar do aprimoramento do controle glicêmico e da pressão arterial reduzindo o desenvolvimento das complicações microvasculares diabéticas, a retinopatia diabética (RD) é ainda a maior causa de cegueira em pessoas na idade produtiva nos paises desenvolvidos. A fotocoagulação com laser na retina (tratamento padrão para essa condição) é efetiva mas ainda não elimina a cegueira nesses pacientes. Portanto, o melhor entendimento dos mecanismos fisiopatogênicos são imprescindíveis para no futuro desenvolver um tratamento farmacológico para previnir perda visual na RD. Estudos recentes demonstram que as lesões tóxicas da hiperglicemia afetam não somente os elementos vasculares, mas também as células neurais e gliais da retina. Através de eletrorretinográfia e potencial visual evocado tem-se confirmado a presença de alterações funcionais precedendo as primeiras alterações detectadas oftalmoscopicamente, o que sugere que outras células, além das células vasculares, são alvo primário da hiperglicemia. Em modelos animais, a perda de células ganglionares e de fotoreceptores da retina ocorre precocemente após 1 mês da indução experimental do DM; adicionalmente, as células da glia, principalmente célula de Muller, também são alvo da hiperglicemia caracterizado pelo aumento da expressão da proteína acídica fibrilar glial (GFAP) e expressão do antígeno de superfície ED-1. Múltiplas hipóteses propõem mecanismos que explicam como a hiperglicemia per se inicia os processos bioquímicos envolvidos na patogênese da RD. Dentre eles, o estresse oxidativo e a inflamação. O metabolismo do oxigênio é essencial para a vida normal, mas existe um delicado balanço entre a formação e a eliminação de radicais superóxidos através de sistema antioxidantes. Na retina, a mitocôndria é uma fonte importante de produção de superóxidos. Estes radicais livres lesam proteínas, lipídeos e ácido desoxiribonucleico, alterando entre outras, a função mitocondrial, mediador central da morte programada da célula. Processos inflamatórios, provavelmente decorrentes do estresse oxidativo, estão presentes nas fases inicias da RD como demonstrado pelo aumento das expressão de diferentes citocinas pró-inflamatórias, acompanhada por leucoestase e aumento da permeabilidade capilar. Em nosso modelo animal, experimentalmente diabético e geneticamente hipertenso, demonstramos redução do sistema antioxidante glutationa com concomitante aumento da produção de superóxido e consequente lesão oxidativa do tecido retiniano, acompanhado por marcadores precoces de inflamação no tecido retiniano. Vários estudos têm demonstrado os efeitos dos polifenóis encontrados em certas frutas e verduras como antioxidantes. Um número de estudos tem descrito que sub-classes dos polifenóis, amplamente encontradas no chá verde e no chocolate, podem exercer um efeito neuroprotetor em modelos de doenças neurodegenerativas cerebrais. No olho, alguns estudos têm descrito propriedades protetoras dos polifenóis em modelos experimentais de degeneração retiniana e em modelos de isquemia-reperfusão da retina. Estudos epidemiológicos têm revelado que o consumo de alimentos ricos em polifenóis, substâncias antioxidantes, reduzem as doenças cardiovasculares com redução significativa da pressão arterial acompanhado de aumento de nitrosoglutationa, um marcador de oxido nítrico (NO) vasodilatador em voluntários normais. O NO é constitutivelmente produzido pelas células endoteliais através da ação da eNOS. Uma vez que a redução do NO é utilizado como um marcador de disfunção endotelial, drogas que liberam NO exogenamente estão sendo desenvolvidas com objetivo de melhorar a função endotelial para pacientes com risco cardiovascular. Porém, se esse efeitos estão presentes da retina em modelo experimentalmente diabéticos ainda não foram estudados. O objetivo geral deste projeto é avaliar os mecanismos dos efeitos protetores dos polifenóis na retina de animais hipertensos e experimentalmente diabéticos. (AU)

Avaliação do perfil metabólico em esteato-hepatite não alcoólica

Beneficiário:Gabriela Esteves Leghi
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Helio Vannucchi
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/19022-9
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 30 de novembro de 2013
Assunto(s):Estresse oxidativoAntropometriaObesidade
Resumo
Doença do fígado gorduroso não alcoólica (NAFLD) se apresenta hoje como uma importante causa de morbidade em países desenvolvidos e representa uma variedade de doenças do fígado que engloba desde casos de esteatose pura até quadros mais graves como esteato-hepatite não alcoólica (NASH) e cirrose. A incidência de esteatose hepática e NASH aumentaram significativamente junto à epidemia da obesidade. NASH é considerada uma manifestação hepática da síndrome metabólica e sua fisiopatogenia pode englobar resistência à insulina, hipertensão, anormalidades na glicose e metabolismo lipídico, estresse oxidativo, desencadeamento de inflamação e fibrose. De acordo com o exposto acima, o presente estudo tem como objetivo comparar o perfil nutricional, estresse oxidativo, perfil lipídico e glicêmico entre indivíduos portadores de NASH e indivíduos com sobrepeso para relacionar possíveis fatores de risco com o desenvolvimento de NASH. (AU)

Ácido protocatecuico e seus ésteres alquílicos: propriedades anti e pró-oxidante e seus efeitos no metabolismo oxidativo de leucócitos

Beneficiário:Carolina Maria Quinello Gomes de Faria
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Valdecir Farias Ximenes
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Enzimologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:11/13613-5
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de julho de 2014
Assunto(s):CitocinasLeucócitos
Resumo
A produção excessiva de espécies reativas de oxigênio (EROs) resulta no estresse oxidativo, um processo deletério que pode causar danos em estruturas celulares e seus constituintes, incluindo lipídeos e membranas, proteínas e DNA. Por outro lado, há claras evidências do papel fisiológico e imprescindível de EROs por meio de suas participações em vias de sinalização celular. Adicionalmente, a ação pró-oxidante, ou seja, processos que possam exacerbar a produção de EROs intracelular, são muitas vezes parte do mecanismo de ação farmacológica de quimioterápicos. O ácido protocatecúico (ácido 3,4-hidroxibenzóico), um derivado do ácido benzóico, vem chamando a atenção por apresentar atividade tanto antioxidante quanto pró-oxidante. De forma dose dependente, além de exibir um efeito protetor do estresse oxidativo, é um potente agente anticâncer por causar apoptose ou retardar a invasão e a metástase em vários tipos de células cancerosas. Estudos recentes demonstram que propriedades anti ou pró-oxidantes de polifenóis e seus efeitos em meios celulares podem depender de suas lipofilicidades além de suas características redox. Assim, este projeto tem por objetivo estudar as características químicas e biológicas de ésteres do ácido protocatecúico e correlacioná-las à lipofilicidade dos mesmos. Ésteres alquílicos de 1, 4, 7 e 10 carbonos serão sintetizados e estudados no que diz respeitos ao: potencial anti e pró-oxidante em modelos químicos, inibição de peroxidase neutrofílica, inibição de burst oxidativo de neutrófilos, modulação da produção de citocinas. Os efeitos biológicos serão correlacionados com a lipofilicidade e caracteristicas anti ou pró-oxidante dos compostos em estudo. (AU)

Análise do perfil de expressão dos marcadores de angiogênese, de isquemia e de estresse oxidativo na persistência da hiperatividade detrusora em pacientes submetidos à ressecção transuretral da próstata

Beneficiário:Mayara Tiemi Ayres Sakuma
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alberto Azoubel Antunes
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/11215-2
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de outubro de 2012
Assunto(s):UrologiaMarcador molecularAngiogêneseEstresse oxidativoIsquemia
Resumo
A hiperplasia benigna da próstata (HPB) é uma das principais doenças urológicas com sua prevalência histológica aumentando de 42% em homens entre 50 e 59 anos para 88% entre aqueles acima de 80 anos.As manifestações clínicas da HPB (LUTS - Lower Urinary Tract Symptoms) podem incluir sintomas de esvaziamento vesical (jato fraco e intermitente, hesitância, esforço abdominal e gotejamento terminal), que frequentemente resultam da obstrução infravesical (BOO - Bladder Outlet Obstruction) gerada pela próstata, e/ou sintomas de armazenamento vesical (polaciúria, nictúria, urgência e incontinência urinária), geralmente devido à hiperatividade detrusora (DOA - Detrusor Overactivity). Os mecanismos através dos quais a HPB produz os LUTS não são completamente compreendidos. Na prática clínica observamos apenas uma pobre correlação entre a presença e severidade dos LUTS e as medidas anatômicas e urodinâmicas de aumento benigno da próstata (BPE - Benign Prostatic Enlargement) e BOO.A DOA atinge aproximadamente 16% dos homens nos Estados Unidos e Europa e a sua prevalência aumenta com a idade. Estudos prévios relataram que a prevalência de DOA aumenta de 3% entre homens com 40 a 44 anos para 42% naqueles acima de 75 anos. DOA e BOO geralmente existem em conjunto. Dois estudos independentes observaram que aproximadamente 50% dos homens com LUTS e BOO confirmados pelo estudo urodinâmico possuíam DOA.A resposta do músculo detrusor à BOO está associada com aumento da massa muscular e proliferação das fibras musculares lisas resultando em aumento no peso e tamanho da bexiga. Pelo fato de que nenhuma proliferação vascular compensatória acompanha essas mudanças, ocorre uma redução relativa no fluxo sanguíneo vesical. Em modelos animais, um estado crônico de hipóxia resultou em DOA e na expressão de marcadores apoptóticos em neurônios intrínsecos da parede vesical além da depleção de substâncias antioxidantes e formação de elementos oxidativos com o acúmulo nocivo de radicais livres de oxigênio que rapidamente interagem com óxido nítrico para gerar produtos chamados espécies reativas de nitrogênio. Radicais oxidativos e nitroativos iniciam danos estruturais em fibras nervosas, epitélio e microvasculatura. Pacientes com DOA apresentam denervação vesical, sugerindo que períodos de isquemia vesical e morte neuronal podem predispor hiperatividade vesical. Além disso, sob condições isquêmicas, pode ocorrer a formação de novos vasos sanguíneos, processo chamado de angiogênese, iniciados pela ativação local de genes através da secreção de mediadores angiogênicos que ativam uma cascata de mecanismos celulares culminando com o crescimento de novos capilares sanguíneos.Até o presente momento nenhuma análise destes marcadores foi realizada em pacientes com história de HD. (AU)

Influência do receptor TLR4 nos efeitos comportamentais e bioquímicos induzidos pela dieta intermitente em camundongos C3H/HeJ

Beneficiário:Andrea Rodrigues Vasconcelos
Instituição: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Cristoforo Scavone
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:11/12255-8
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de outubro de 2014
Assunto(s):Memória (psicologia)HormeseReceptores toll-likeAgentes neuroprotetores
Resumo
Hormese é uma resposta adaptativa das células e do organismo a um estresse moderado, normalmente intermitente, que pode gerar muitos efeitos benéficos e protetores em diversas espécies. Exemplos incluem a exposição a baixas doses de certos fitoquímicos como curcumina, isotocianatos e resveratrol, o exercício físico e a restrição de energia da dieta (RED). Em linhas gerais, a RED parece atuar em vias associadas à resposta inflamatória e à sobrevivência celular, além de aumentar a resistência contra o estresse oxidativo, envolvendo com isso a modulação de fatores de transcrição como o fator nuclear kappa B (NFKB), o fator 2 relacionado ao NF-E2 (NRF2) e o "Forkhead box O" (FOXO). No entanto, pouco se sabe sobre os mecanismos moleculares envolvidos, assim como o papel do receptor Toll-like (TLR)4 na modulação dos efeitos benéficos da RED. Contudo, resultados preliminares do nosso laboratório mostraram que a dieta intermitente em ratos causa uma redução significativa dos níveis de RNA mensageiro do TLR4 no hipocampo, sugerindo uma participação desse receptor nos efeitos da RED. Este projeto tem como objetivo avaliar a influência do TLR4 nos efeitos neuroprotetores induzidos pela dieta intermitente sobre memória e nos mecanismos de sinalização associados aos fatores de transcrição NFKB, NRF2 e FOXO. (AU)

Efeitos da suplementação de ácidos graxos ômega-3 em parâmetros inflamatórios, oxidativos e lipídicos em pacientes tratados por hemodiálise

Beneficiário:Paula Garcia Chiarello
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Paula Garcia Chiarello
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/11570-7
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de outubro de 2013
Resumo
A população em hemodiálise (HD) é vulnerável a inúmeras complicações, como dislipidemia urêmica, inflamação crônica e aumento do estresse oxidativo (EO), que afetam negativamente o tempo e qualidade de vida desses indivíduos. Nas últimas décadas, novas terapias foram introduzidas com objetivos de melhorar a morbi-mortalidade nesse grupo, porém, alcançaram pouco sucesso. Com base em dados laboratoriais e achados clínicos preliminares, há razões que sugerem que a suplementação de ômega-3 pode oferecer benefícios à saúde dos pacientes em HD. Portanto, o objetivo deste estudo é verificar o efeito dessa suplementação no controle de marcadores de EO, inflamação e frações lipídicas nesses pacientes. Trata-se de um estudo experimental controlado randomizado duplo-cego, em que um grupo de pacientes tratados por HD e um grupo controle serão suplementados com 1.2g/d de ômega-3, durante 12 semanas, enquanto outros dois grupos, um formado por pacientes em HD e outro por controles saudáveis, receberão placebo. As coletas de sangue para a realização da avaliação bioquímica serão realizadas no início do estudo, na sexta e na décima segunda semanas. O estado nutricional dos indivíduos dos 4 grupos será avaliado por meio de medidas antropométricas, de composição corporal e de consumo alimentar, no início e ao final da intervenção. (AU)

Ação de antioxidantes no meio diluente na criopreservação de sêmen equino

Beneficiário:Frederico Ozanam Papa
Instituição: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Frederico Ozanam Papa
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/09649-4
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de outubro de 2013
Assunto(s):EquinosCriopreservação animalAntioxidantes
Resumo
A criopreservação de sêmen equino ganha cada vez mais espaço no mercado por prolongar o tempo de armazenamento, oferecendo vantagens que vão desde um melhor aproveitamento genético até a comercialização e utilização deste sêmen. Ao manter os espermatozóides a baixas temperaturas, reduzimos seu catabolismo espermático gerador de subprodutos evitando maiores danos aos espermatozóides. Entretanto, a plena difusão desta biotécnica é limitada pelo estresse oxidativo. Este processo refere-se ao desequilíbrio entre as moléculas antioxidantes e as moléculas pró-oxidativas produzidas, também chamadas de espécies reativas de oxigênio (reactive oxigen species - ROS). Dentre as lesões que este desequilíbrio pode ocasionar à célula espermática, podemos destacar a peroxidação da membrana lipídica, comprometimento da integridade do DNA e apoptose. As consequências diretas dessas lesões serão refletidas na morfologia e funcionalidade do espermatozóide, prejudicando sua capacidade fertilizante. O processo de criopreservação do sêmen aumenta a produção de ROS, bem como diminui a sua defesa antioxidante. As células possuem um sistema de defesa antioxidante enzimático e não enzimático. No sistema enzimático, diversas enzimas estão envolvidas nesse mecanismo, dentre as quais podemos destacar: a superóxido dismutase (SOD) que remove o radical superóxido, convertendo-o em peróxido de hidrogênio; a catalase (CAT) que destrói o peróxido de hidrogênio, convertendo-o em água e oxigênio; a glutationa peroxidase (GPx) que é a mais importante na remoção de peróxido das células. Em relação ao sistema não enzimático, fazem parte compostos de baixo peso molecular, incluindo as vitaminas C e E, e a melatonina que, recentemente, foi confirmada como antioxidante de vários tecidos, detectada sua presença no plasma seminal, bem como de seus receptores na membrana espermática. Considerando que o plasma seminal constitui uma fonte natural de proteção antioxidante aos espermatozóides e, que no processo de criopreservação, o mesmo é removido, acredita-se que vários danos poderiam ser minimizados se este processo mantivesse uma determinada quantidade de plasma. (AU)

Heteropterys aphrodisiaca, uma planta brasileira com propriedades antioxidantes: uma investigação sobre os mecanismos através dos quais o extrato vegetal reduz estresse oxidativo em testículo de ratos Wistar

Beneficiário:Mary Anne Heidi Dolder
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mary Anne Heidi Dolder
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/12886-8
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de dezembro de 2013
Assunto(s):Extratos vegetaisAntioxidantes
Resumo
A Heteropterys aphrodisiaca é uma planta endêmica do cerrado brasileiro cuja raiz é amplamente utilizada como fitoterápico pelas comunidades locais. Diversas propriedades terapêuticas são atribuídas ao vegetal, porém estas são inespecíficas e abertas a interpretações. Adicionalmente, o mesmo é consumido de forma rústica, normalmente embebido em álcool, sem que haja qualquer forma de extração padronizada ou prévia identificação de seus princípios ativos. Ensaios laboratoriais vêm recentemente demonstrando certas atividades terapêuticas para a H. aphrodisiaca, tal como efeito quimioprotetor contra Ciclosporina A e aumento de memória em roedores. Elevada atividade antioxidante in vitro foi também identificada por nossa equipe recentemente. Desta forma, suas propriedades terapêuticas poderiam ser atribuídas, ao menos parcialmente, à sua capacidade de neutralizar espécies reativas de oxigênio (EROs) no organismo. As EROs são radicais livres no organismo capazes de oxidar uma ampla gama de moléculas e, portanto, têm sido associadas a diversas doenças degenerativas, assim como ao próprio processo de envelhecimento. A investigação de plantas medicinais consagradas pela medicina popular adquire grande importância neste contexto, visto que as mesmas significam uma alternativa terapêutica para diversas patologias relacionadas ao desequilíbrio da atividade oxidante celular. O testículo tem demonstrado ser particularmente vulnerável as EROs, tornando este órgão um importante modelo experimental nos estudos envolvendo a manutenção do equilíbrio oxidante do organismo. Desta forma, o presente projeto visa investigar os mecanismos antioxidantes do extrato bruto de H. aphrodisiaca em testículo de ratos Wistar submetidos a estresse oxidativo por Cloreto de Cádmio. (AU)

Mecanismos moleculares envolvidos na disfunção e morte de células beta pancreáticas no Diabetes Mellitus: estratégias para a inibição desses processos e para a recuperação da massa insular em diferentes modelos celulares e animais

Beneficiário:Antonio Carlos Boschero
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Antonio Carlos Boschero
Pesquisadores principais:

Everardo Magalhães Carneiro

Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Processo:11/09012-6
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de outubro de 2015
Assunto(s):ObesidadeDiabetes mellitusCélulas secretoras de insulinaDesnutriçãoTaurinaDislipidemias
Resumo
O Diabetes Mellitus (tipo 1 ou tipo 2) é definido como uma síndrome de hiperglicemia crônica devido à falta de produção de insulina que, por sua vez, é resultante da redução da massa de células beta por aumento da apoptose ou deficiência na regeneração dessas células. No diabetes tipo 2 a redução da massa de células beta é frequentemente acompanhada pelo aumento da resistência à insulina nos músculos, tecido adiposo e fígado. Apesar da enorme quantidade de trabalhos encontrada na literatura a esse respeito, os mecanismos moleculares subjacentes à redução da massa de células beta e mesmo ao aumento da resistência à insulina não são totalmente conhecidos. Dando continuidade aos nossos estudos anteriores, neste Temático estudaremos, por um lado, os mecanismos envolvidos na perda da massa e funcionalidade insulares em diferentes modelos animais (desnutrição proteica, obesidade, dislipidemias e DM2) e, por outro, mecanismos envolvidos no aumento da massa das ilhotas em diferentes etapas da vida (períodos intrauterino e neonatal e, prenhez). No primeiro caso, ênfase será dada á participação do estresse do retículo sarcoplasmático, a alterações no manejo do Ca2+ e ao aumento do estresse oxidativo. No segundo, estudaremos as vias de sinalização que controlam o aumento da massa e funcionalidade das ilhotas pancreáticas bem como as vantagens da suplementação alimentar e do uso de alguns polipeptídeos que, de antemão, se mostraram eficazes na recuperação da resposta secretória em ilhotas ou células tumorais. (AU)

Investigação clínica e laboratorial dos efeitos antioxidantes do plasma autólogo utilizado em doenças articulares de equinos

Beneficiário:Raquel Yvonne Arantes Baccarin
Instituição: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Raquel Yvonne Arantes Baccarin
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/12929-9
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de outubro de 2013
Assunto(s):EquinosArticulaçõesOsteoartriteOsteocondroseEstresse oxidativo
Resumo
As doenças articulares como fruto de desequilíbrios na relação entre oxidantes e antioxidantes foram pouco estudadas em equinos, ao contrário do que se verifica na abundante bibliografia focada na espécie humana, onde vários estudos demonstram o papel das espécies reativas de oxigênio (EROs) nos estados inflamatórios articulares, na senescência dos condrócitos, na degradação da matriz extracelular da cartilagem articular e na diminuição da viscosidade do liquido sinovial. Este estudo pretende investigar a composição dos agentes e mecanismos antioxidantes presentes no líquido sinovial de cavalos normais, de cavalos acometidos por osteoartrite (OA) ou osteocondrose (OC), e da participação do estresse oxidativo nestas enfermidades. Ainda, pretende verificar a existência (ou não) de relação entre estresse oxidativo e inflamação na OA e OC. Em etapa final, pretende-se testar "in vivo" os efeitos da administração de plasma autólogo em articulações de equinos acometidas por estas doenças. Para tanto, líquido sinovial de 30 cavalos serão colhidos em duas fases do experimento. Inicialmente, seis cavalos receberão plasma autólogo em articulação metacarpo-falangeana ou tíbio-társica hígida e a mesma quantidade de solução fisiológica na articulação contra-lateral. O líquido sinovial será colhido previamente às aplicações (momento 0) e após 3, 6, 24 e 48 horas para determinação das concentrações de prostaglandina E2 (PGE2), interleucina-1 (IL-1), antagonista do receptor de interleucina-1 (IL-ra), fator de necrose tumoral-2 (TNF2), ácido hialurônico e condroitim sulfato. Numa segunda fase, o líquido sinovial de 12 cavalos (seis com OA e outros seis com OC) serão colhidos previamente a artroscopia e 48 horas após. Da mesma forma o líquido sinovial de mais 12 cavalos (seis com OA e outros seis com OC) será colhido previamente a artroscopia e 48 horas após, contudo estes animais receberão plasma autólogo ao final do procedimento artroscópico. Serão realizadas as seguintes determinações nestes líquidos sinoviais: atividade da Superóxido Dismutase (SOD), atividade da Glutationa Peroxidase (GSH-Px), atividade da Catalase (CAT), capacidade antioxidante total (TAC), níveis de Ácido Ascórbico, concentração de isoprostano, concentração de grupos carbonil, prostaglandina E2, concentração de ácido hialurônico e condroitim sulfato. (AU)

Biomarcadores de exposição a metais em girinos de rã-touro

Beneficiário:Cleoni dos Santos Carvalho
Instituição: Centro de Ciências e Tecnologias para a Sustentabilidade (CCTS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Sorocaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Cleoni dos Santos Carvalho
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/50752-3
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 30 de abril de 2014
Assunto(s):EnzimasMetaisSangue
Resumo
O objetivo deste trabalho será avaliar os efeitos do cobre, cádmio e zinco e da associação entre cobre, cádmio e zinco (1:1:1) a concentrações subletais destes metais (lppb) sobre os parâmetros hematológicos e de tecidos (fígado, rim e músculo) de girinos de rã-touro, Lithobates catesbeiana, através de testes de toxicidade aguda (48h) e crônica (16d). A análise das células sangüíneas será realizada através dos parâmetros: genotóxico (formação de micronúcleos), hematológicos: hematócrito (Ht), taxa de hemoglobina (Hb), número de eritrócitos (Er), volume corpuscular médio (VCM), hemoglobina corpuscular média (HCM), concentração de hemoglobina corpuscular média (CHCM), contagem total de leucócitos, contagem de trombócitos, contagem de células vermelhas imaturas e contagem diferencial de leucócitos, classificando-os em linfócitos, monócitos, neutrófilos, basófilos e eosinófilos. As análises nos tecidos consistirão na determinação dos níveis de MT; na atividade de enzimas relacionadas: ao estresse oxidativo (SOD, CAT, GPx e GR) e, ao metabolismo de biotransformação de fase II (GST). A avaliação dos efeitos biológicos sobre vertebrados aquáticos é freqüentemente empregada para monitorar a poluição da água a qual fornece informações importantes sobre os níveis de concentração e de biodisponibilidade de poluentes. Diante do risco ecológico da crescente exposição de anfíbios aos metais, o uso de biomarcadores pode resolver alguns problemas, como o de se estabelecer os efeitos de compostos químicos existentes no ambiente sobre organismos individuais, tanto em termos populacionais quanto de comunidades. (AU)

Análises do estresse oxidativo, enzimas antioxidantes e sinalização via receptores toll-like 2 e 4 na progressão do câncer de bexiga urinária de ratos, frente às imunoterapias intravesicais com Bacilo Calmette-Guerin e P-MAPA

Beneficiário:Fábio Rodrigues Ferreira Seiva
Instituição: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Wagner José Fávaro
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Anatomia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:11/05726-4
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 31 de março de 2013
Assunto(s):UrologiaP-MAPAAntioxidantesEstresse oxidativoBexiga
Resumo
A alta frequência de recorrência do câncer de bexiga urinária (CB) pode estar relacionada aos baixos efeitos das atuais terapias sobre os mecanismos de reparo tecidual e enzimas antioxidantes. O tratamento do CB com Bacilo Calmette-Guerin (BCG) tem efeito comprovado na redução de recidiva e progressão tumoral, embora ocorram efeitos colaterais de intensidades variadas, desde sintomas irritativos leves até reação sistêmica grave. O desenvolvimento de variadas imunoterapias tornou-se uma opção terapêutica valiosa. Diante deste cenário destaca-se o P-MAPA, que por sua grande versatilidade e mínima citotoxicidade, reveladas através de estudos preliminares in vivo e in vitro, abre uma nova perspectiva para o combate de alguns tipos de cânceres, incluindo o CB. Assim, os objetivos principais deste estudo serão caracterizar e comparar os efeitos moleculares e bioquímicos das imunoterapias com BCG e P-MAPA no tratamento do CB induzido em ratos, bem como estabelecer possíveis mecanismos de ação desses imunomoduladores envolvendo as vias de reparo celular e enzimas antioxidantes. Um total de 90 ratas da linhagem Fisher 344 serão utilizadas. Para a indução do CB, 45 animais serão anestesiados e induzidos quimicamente com uma dose intravesical de 1,5 mg/kg de N-metil-N-nitrosouréia (MNU) a cada 15 dias, totalizando 4 doses. Os outros 45 animais que não receberão MNU serão considerados como Grupo Controle. Após a indução com MNU, os animais serão divididos em 6 grupos (15 animais cada): Grupo Controle (CT): receberá uma dose intravesical de 0,3 mL de solução fisiológica 0,9% por 6 semanas consecutivas; Grupo CT-BCG: receberá uma dose intravesical de 106 UFC - 40 mg/kg de BCG por 6 semanas consecutivas; Grupo CT-P-MAPA: receberá uma dose intravesical de 5 mg/kg de P-MAPA; Grupo MNU (Câncer): receberá o mesmo tratamento que o grupo CT; Grupo MNU-BCG: receberá o mesmo tratamento que o grupo CT-BCG; Grupo MNU-P-MAPA: receberá o mesmo tratamento que o grupo CT-P-MAPA. Após 6 semanas de tratamento, as bexigas urinárias serão coletadas e submetidas às análises histopatológicas, imunohistoquímicas; Western Blotting, bioquímicas (enzimas antioxidantes e estresse oxidativo) e toxicológicas. (AU)

Avaliação do óxido nítrico em tecido renal murino submetido a hemorragia aguda sob anestesia com sevoflurano em uso de glibenclamida

Beneficiário:Raquel Romão da Silva Lemos
Instituição: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Yara Marcondes Machado Castiglia
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:11/17252-7
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 31 de dezembro de 2011
Assunto(s):AnestesiologiaRatosSevoflurano
Resumo
Agentes anestésicos inalatórios reduzem a adesão de neutrófilos à circulação coronariana durante a isquemia. Kharash et al. (2006) analisaram o perfil genético de ratos Fisher, n-344 e observaram maior expressão de genes ligados à apoptose celular, estresse oxidativo e resposta inflamatória proporcionais ao aumento de substâncias nefrotóxicas quando previamente expostos ao haloalqueno-composto A. Diego et al (2007) conduziram estudo com ratos Wistar, usando sevoflurano, pré-tratados com glibenclamida, sulfoniluréa antagonista de canais K+ATP, submetidos à hemorragia aguda. A conclusão desse trabalho revelou menor agressão histopatológica no grupo de ratos previamente tratados com glibenclamida. Paradoxalmente, os resultados de função renal deste grupo comparados aos do grupo que só receberam sevoflurano foram significativamente menores. Qual o mecanismo deflagrador da inflamação renal neste modelo? A célula tubular renal produz citocinas pró-inflamatórias como, TNF-± e IL-6; a glibenclamida em ratos diminui a exsudação de leucócitos. Será por diminuir a produção tubular renal dessas citocinas? Diferentes fatores como citocinas e substâncias reativas de oxigênio (ROS) ativam leucócitos. ROS são instáveis eletricamente e podem reagir com NO. Estas substâncias agem em mecanismo endotelial com expressão na adesão celular e atividade de leucócitos e outras substâncias no túbulo renal podem deflagrar e perpetuar obstrução ao fluxo de sangue com conseqüência para o metabolismo renal, inclusive na auto-regulação do fluxo sanguíneo. Mudanças vasomotoras pré-glomerulares e lesão renal são bem estabelecidas. A concepção de que o fator de relaxamento endotelial (EDRF) serve como 2° mensageiro para guanilato ciclase (GMPc) em grande variedade de células fora do sistema cardiovascular incita várias pesquisas, buscando entender a fisiologia e fisiopatologia do pré-condicionamento isquêmico em nível molecular, mais especificamente na respiração celular. Nas últimas décadas, além da descoberta de que o NO e EDRF são nomes diferentes usados para a mesma substância, assumindo o NO a sua nomenclatura, as pesquisas sobre NO evoluíram. Além das múltiplas funções de regulação de vários processos, o óxido nítrico é responsável pela modulação da respiração celular por inibir a enzima citocromo C oxidase (Ccox). O caminho que envolve o nitrito que deriva da degradação do NO seria o meio que protegeria a célula da toxicidade do NO, pois a Ccox livra a célula de excesso de NO, potencialmente tóxico para mitocôndria. Zhang et al. (1994) concluíram que os anestésicos voláteis poderiam agir seletivamente em canais K+ATP de mitocôndria após estimulação de proteína cinase C por diversas vias. O NO ativa PKc, assim como os efetores do pré-condicionamento isquêmico e farmacológico, levando à ativação dos canais sK+ATP e mK+ATP, os quais controlam a concentração do Ca++ intracelular. Cabe à investigação científica avaliar se a glibenclamida diminuiria a quantidade de NO na célula renal nas condições metodológicas do estudo de Diego et al (2007).A importância para o anestesiologista em estudar o óxido nítrico ultrapassa o entendimento da sua atuação na fisiopatologia cardiovascular, pois estudos mostram que o endotélio tem papel em mediar ações vasculares dos anestésicos, e que anestésicos podem inibir a produção, liberação ou ação do NO. Como são medidas essas interações? O entendimento e a distinção dos diferentes tipos de canais de potássio, importantes efetores no pré-condicionamento isquêmico, alvo da ação de substâncias endógenas (bradicinina, histamina, catecolamina, adenosina, NO e proteína G ativada) e exógenas (diazóxido, sulfoniluréias, isoflurano, sevoflurano, teofilina e nitroglicerina), justificam o interesse da anestesiologia protetora de órgãos em estudar os mecanismos e substâncias envolvidas com os condutos K+, direcionando a metodologia para o metabolismo celular e identificação de mediadores como o NO. (AU)

Avaliação da toxicidade, genotoxicidade e mutagenicidade dos inseticidas fipronil e tiametoxam, por meio de técnicas citológicas em SISTEMA-TESTE de Allium cepa e de expressão gênica e estresse oxidativo em culturas de células de mamíferos

Beneficiário:Bruna de Campos Ventura Camargo
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Aparecida Marin Morales
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Mutagênese
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:11/02511-7
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 31 de janeiro de 2015
Assunto(s):Reação em cadeia da polimerase em tempo real
Resumo
A agricultura é um dos setores que mais promovem contaminação ambiental, por introduzir substâncias tóxicas no meio ambiente. Dentre elas, podem-se citar dois grupos importantes de inseticidas: os neonicotinóides, como o tiametoxam, e os fenilpirazóis, como o fipronil. Testes biológicos de toxicidade, realizados com diferentes metodologias e sistemas-testes, são indispensáveis para a avaliação das reações dos organismos à poluição ambiental, sendo, por isso, indicados para avaliar os efeitos genotóxicos de compostos químicos em geral. Ensaios realizados com cultura de células trazem informações confiáveis e esclarecedoras, em curtos períodos. As linhagens celulares CHO e HTC serão cultivadas e expostas a diferentes concentrações dos inseticidas tiametoxam e fipronil, com o objetivo de avaliar se essas substâncias apresentam efeitos citotóxicos (ensaio de MTT) e genotóxicos (ensaios de expressão gênica: microarranjos de cDNA e PCR em tempo real) nestes organismos testes. Também serão realizados, com estas mesmas células, ensaios para avaliação do potencial antioxidativo dos inseticidas (ensaio de estresse oxidativo). A espécie Allium cepa também é considerada um eficiente organismo padrão para testes de mutagenicidade. Sementes de A. cepa serão submetidas à germinação em diferentes concentrações de tiametoxam, para avaliação dos seus possíveis efeitos citotóxicos (análise de índices mitóticos e morte celular), genotóxicos e mutagênicos (análise de aberrações cromossômicas, em células meristemáticas, e micronúcleos, em células meristemáticas e F1), antes e após períodos de recuperação. Pelo amplo uso do tiametoxam e do fipronil na agricultura brasileira e pelos perigos que estes possam causar na biota exposta, o presente estudo tem como objetivo verificar a genotoxicidade e os mecanismos de ação desses compostos, usando metodologias de expressão gênica e de estresse oxidativo em células de mamíferos, bem como testes de aberrações cromossômicas e de micronúcleos em A. cepa. É importante destacar que o presente projeto permitirá a implantação, no Laboratório de Mutagênese da UNESP - Rio Claro, de 2 novas técnicas que despontam na mutagênese ambiental: PCR em tempo real e microarranjos de cDNA, para avaliar o potencial genotóxico dos inseticidas em células de mamíferos. Isto será possível pela parceria estabelecida entre a supervisora do projeto com o Laboratório de Genética Toxicológica da UEL - Londrina, e com o Instituto de Diagnóstico Ambiental y Estudios del Agua - IDAEA - Espanha. (AU)

Estado nutricional na Doença de Crohn: hábitos alimentares e fase de mudança de comportamento

Beneficiário:Alyne Mayumi Sakumoto
Instituição: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Aytan Miranda Sipahi
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Análise Nutricional de População
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/12811-8
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2012
Assunto(s):Doença de CrohnComportamento alimentarEstado nutricional
Resumo
Introdução: A doença de Crohn (DC) é uma doença inflamatória intestinal (DII) e as partes mais comumente envolvidas são o intestino delgado distal e o cólon. A perda de peso e a desnutrição são os distúrbios nutricionais mais prevalentes entre os portadores podendo ter grande influência no seu estado geral, além disso, relatam-se baixas concentrações séricas de vitaminas e minerais antioxidantes em pacientes com DC, afetando principalmente o mecanismo de estresse oxidativo. Objetivo: Comparar o hábito alimentar, conhecimento sobre alimentação e a fase de mudança de comportamento com o estado nutricional em pacientes com Doença de Crohn. Métodos: Para avaliação do estado nutricional será analisado o índice de massa corporal e exames bioquímicos. Os pacientes serão avaliados quanto ao conhecimento sobre práticas alimentares saudáveis. Para diagnóstico do padrão alimentar será utilizado o Questionário de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção Para Doenças Crônicas Não-Transmissíveis (VIGITEL) e aplicação do Recordatório Alimentar de 24 Horas (REC24h) ou Diário Alimentar. Para avaliação de vitaminas e minerais antioxidantes serão realizadas coleta e análise de sangue e urina dos participantes. Como instrumento de identificação da fase de mudança comportamental relacionada ao hábito alimentar será utilizado o modelo transteórico. (AU)

Caracterização fenotípica e fisiológica de mutantes de Saccharomyces cerevisiae (linhagem PE-2) para genes putativos de interesse industrial

Beneficiário:Nádia Maria Vieira Sampaio
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Gonçalo Amarante Guimarães Pereira
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:10/14131-1
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de junho de 2013
Assunto(s):BioetanolGenômicaSaccharomyces cerevisiaeTransformação genética
Resumo
O processo fermentativo de cana-de-açúcar para produção industrial de etanol é realizado principalmente pela levedura Saccharomyces cerevisiae. Nas condições brasileiras, constitui o processo mais economicamente viável de produção de combustível a partir de fontes renováveis de energia. As linhagens de leveduras utilizadas no processo industrial devem ser altamente adaptadas a diversas condições de estresse como tolerância ao etanol, altas temperaturas, estresse osmótico, estresse oxidativo, lavagem ácida para descontaminação, entre outros. A linhagem PE-2 é largamente empregada no setor por ser uma das mais produtivas e adaptadas a estas condições. Recentemente, o seqüenciamento do genoma de um haplóide (JAY291) da linhagem PE-2 revelou que a estrutura genética da cepa está organizada para se adaptar e perpetuar nestes tipos de condições. Este trabalho mostrou também que PE-2 possui algumas regiões gênicas não identificadas em S288c (linhagem padrão de laboratório). Adicionalmente, dando continuidade a este trabalho verificou-se que algumas destas regiões possuíam seqüências expressas.Entretanto, não há informações na literatura sobre uma possível função molecular destas seqüencias. Desta forma, buscaremos neste projeto caracterizar a contribuição destas seqüências em níveis fenotípicos e fisiológicos utilizando mutantes para cada região em comparação com um isolado selvagem. Esperamos identificar nestas regiões gênicas características desejáveis de desempenho fermentativo, e que possam ser utilizadas futuramente em estudos de melhoramento genético da linhagem. (AU)

Contribuição do estresse oxidativo e enzimas NADPH oxidases (NOXes) para as lesões vasculares associadas ao diabetes

Beneficiário:Thiago Bruder do Nascimento
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rita de Cassia Aleixo Tostes Passaglia
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Cardiorenal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:11/01785-6
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 28 de fevereiro de 2015
Assunto(s):Biologia celularEstresse oxidativoNADPH oxidase
Resumo
O diabetes mellitus representa uma das mais importantes doenças crônicas não transmissíveis. A prevalência do diabetes mellitus tipo 2 aumenta rapidamente não somente nos países da América Latina, mas em todo mundo, com índices crescentes e mais significativos na população jovem. O estresse oxidativo gerado pela hiperglicemia tem papel importante no aumento do risco das complicações do diabetes, as quais incluem lesões vasculares. Como a enzima NADPH oxidase (NOX) representa elemento central nas disfunções vasculares associadas ao diabetes, a presente proposta pretende determinar o papel de isoformas específicas de NOX (NOX1 e NOX4), bem como das subunidades p47phox e NOXO1, no desenvolvimento das complicações vasculares do diabetes. Avaliaremos o potencial das NOX1/NOX4 na geração de espécies reativas de oxigênio (ROS) e seu papel nas lesões vasculares associadas ao diabetes. Nossa hipótese é que isoformas específicas de NOX estão diferencialmente e positivamente reguladas no tecido vascular (NOX1) de animais diabéticos, contribuindo assim para as disfunções associadas a esta patologia. Os efeitos seletivos das NOXes no tecido vascular estão relacionados à expressão diferencial das subunidades p47phox e sua isoforma NOXO1. Se nossa hipótese estiver correta estas isoformas de NOX representarão alvos ideais para geração de drogas que visam a redução das complicações do diabetes. Nosso objetivo, portanto, é determinar o papel das ROS geradas pelas NOX1 e NOX4 na vasculopatia associada ao diabetes e avaliar se esta é decorrente da expressão diferencial das subunidades p47phox e NOXO1. Para tanto, usaremos dois enfoques experimentais:1) camundongos db/db (C57BLKS/JLepr), considerado modelo de nefropatia diabética, serão cruzados com camundongos knockout para NOX1 (NOX1-/-) e NOX 4 (NOX4-/-) e as alterações vasculares serão caracterizadas. Esta parte do projeto será realizada em colaboração com o grupo da Dra. Rhian M Touyz da Universidade de Ottawa, com a qual a Profa. Rita mantém efetiva colaboração, e possivelmente pela realização de um estágio sanduiche.2) artérias mesentéricas e renais serão isoladas de camundongos diabéticos e controle. Culturas de células vasculares (muscular lisa e endotelial) destes animais serão utilzadas para determinar as vias moleculares que participam da geração de ROS mediada pelas NOXes 1 e 4. (AU)

Investigação dos determinantes moleculares envolvidos na interação com os substratos de TSA1 e Tsa2 de Saccharomyces cerevisiae

Beneficiário:Carlos Alexandre Breyer
Instituição: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus Experimental do Litoral Paulista. São Vicente, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcos Antonio de Oliveira
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:11/13500-6
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):Estresse oxidativoPeroxirredoxinas
Resumo
Peroxirredoxinas (Prx) são proteínas antioxidantes capazes de decompor uma grande variedade de hidroperóxidos e tem se destacado devido sua eficiência catalítica, alta abundância e distribuição nos diversos compartimentos celulares. As Prx são capazes de reduzir seus substratos utilizando um resíduo de cisteína altamente reativa localizada em seu sítio ativo, denominada de cisteína peroxidásica (CP-SH), a qual no processo de decomposição de peróxidos é oxidada a cisteína ácido sulfênico (CP-SOH). Em Saccharomyces cerevisiae, há duas isoformas citosólicas de Prx (Tsa1 e Tsa2), que possuem grande semelhança (86% de identidade e 96% de similaridade). Em adição à atividade peroxidásica, já foi demonstrado que as enzimas Tsa1 e Tsa2 possuem atividade de chaperona; entretanto, a concentração intracelular dessas proteínas varia significativamente. Enquanto Tsa1 apresenta ~378000 moléculas por célula, Tsa2 possui somente 4800 na fase log de crescimento. Desta forma, tem-se postulado que apesar da grande semelhança, Tsa1 estaria envolvida principalmente na defesa celular em reposta a insultos oxidativos ou térmicos, ao passo que Tsa2 teria um maior envolvimento na transdução de sinal, em eventos como crescimento e apoptose. Já foi demonstrado que ambas as enzimas podem ser reduzidas pelas tiorredoxinas citosólicas (Trx1 e Trx2). Assim como as Prx citosólicas, Trx1 e Trx2 compartilham elevada semelhança nas suas estruturas primárias (78% de identidade e 89% de similaridade) e muitas vezes são consideradas proteínas redundantes. Entretanto, nenhum estudo até o momento atentou para verificar se as taxas de redução Tsa1 e Tsa2 são equivalentes entre si quando se utiliza Trx1 ou Trx2. Recentemente foi determinada a estrutura de Tsa1 e a análise de sua estrutura revela que 27 dos 28 aminoácidos que a diferem de Tsa2 se encontram na superfície da molécula, o que sugere interações particulares com as Trx citosólicas. Este projeto tem como objetivos efetuar análises sistemáticas das relações moleculares de Tsa1 e Tsa2 com Trx1 e Trx2, o qual deve resultar em um maior entendimento nos processos de redução/superoxidação de Tsa1 e Tsa2 e, consequentemente, nos processos celulares em que estas proteínas participam. Para tanto, pretendemos determinar a estrutura de Tsa2 no estado reduzido e oxidado em dissulfeto visando o entendimento em detalhe de suas diferenças com Tsa1 e relações moleculares com seus substratos. Também será efetuada a avaliação comparativa das taxas de redução de Tsa1 e Tsa2 por Trx1 ou Trx2, por meio do ensaio de oxidação do NADPH. As taxas de redução influenciam decisivamente na superoxidação, oligomerização e função de chaperona de Tsa1 e Tsa2, estas serão avaliadas por meio de western blot (WB) utilizando anticorpos específicos para formas superoxidadas (in vitro e in vivo), cromatografia de exclusão molecular (SEC) e espalhamento dinâmico de luz (DLS). Para maior aprofundamento na investigação, serão realizadas mutações sítio dirigidas individuais/combinatórias de aminoácidos de Tsa2 presentes na superfície de interação Tsa/Trx. As mutações substituirão aminoácidos em Tsa2 por seus correspondentes que ocupam a mesma posição em Tsa1 (Tsa2(S45T), Tsa2(K97N) e Tsa2(D150N). (AU)

Diversidade de plantas e de organismos dos solos com potencial biotecnológico e indicadores de impacto ambiental, no estado de São Paulo

Beneficiário:Eliana Gertrudes de Macedo Lemos
Instituição: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eliana Gertrudes de Macedo Lemos
Empresa parceira:Vale S/A
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Parceria para Inovação Tecnológica - PITE
Processo:10/51316-0
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2015
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: Vale-FAPEMIG-FAPESPA
Assunto(s):BiodiversidadePlantasImpactos ambientaisBiotecnologiaSão Paulo
Resumo
O uso de DNA metagenomico para a prospecção de genes de interesse biotecnol6gicos e da comunidade bacteriana. Atualmente o uso de técnicas de biologia molecular permite uma análise populacional independente do cultivo e baseada no estudo do conjunto de genomas do ambiente. Além disso, essas metodologias possibilitam o isolamento e expressão de genes de interesse em diversos setores da indústria biotecnológica. Em resposta a ambientes poluídos os microrganismos também podem apresentar indução positiva na atividade de algumas enzimas antioxidantes, relacionadas à proteção celular contra as espécies ativas de oxigênio (EAOs) formadas na presença de um xenobiótico, portanto essas enzimas têm uma importante aplicação como biomarcadores ou bioindicadores de poluição ou mesmo no desenvolvimento de tecnologias industriais que necessitam de qualquer processamento bioquímico. Dentre as enzimas e compostos antioxidantes de bactérias com importância biotecnológica encontram-se: a Superóxido Dismutase, a Catalase, a Glutationa Redutase, Glutathiona-S-Transferase e a Alcano HidroxiIase. Desta forma os objetivos específicos desse subprojeto são: o de construir bibliotecas metagenômicas e prospectar os genes importantes envolvidos no estresse oxidativo com o objetivo de que eles possam ser utilizados em processos biorremediação e biolixiviação; Influência de fatores biótico e abióticos em sementes presentes no banco de sementes do solo em áreas de mineração e do entorno. Banco de sementes pode ser definido como um reservatório viável de sementes do solo que tem potencial para germinarem e promoverem a substituição das plantas adultas. A manutenção das sementes no banco de sementes do solo e a superação da dormência destas podem ocorrer devido a influência de fatores bióticos e abióticos, que atuam positivamente ou negativamente. Entre os fatores bióticos, podem-se citar os fungos e bactérias (decompositores) facilitadas pela mesofauna (Acari e Collembola) e macrofauna (minhocas, cupins, formigas, besouros). Por outro lado, fatores abióticos como a temperatura e a umidade do solo, práticas culturais e, por exemplo, a mineração podem também influenciar o banco de sementes do solo. Todavia, mais informações são necessárias sobre a ação de fatores bióticos e abióticos em bancos de sementes do solo em áreas mineradas. Portanto, este trabalho tem como objetivo estudar a composição do banco de sementes do solo em áreas mineradas, estudar os efeitos da biodiversidade do solo na manutenção e superação da dormência de sementes e estudar o efeito da temperatura e umidade na expressão de genes nas sementes associados com a síntese de ácido abscísico e gíberelinas. Assim, para se conhecer a composição do banco de sementes, serão coletadas amostras do solo ao acaso, em áreas mineradas e áreas do entorno nas profundidades de zero a 10,0 em. Para se conhecer os efeitos da biodiversidade do solo nas sementes, parte do solo será esterilizada e utilizada como substrato para a germinação das sementes. As sementes serão desinfestadas para se eliminar a presença de fungos e, em seguida, serão semeadas em solos esterilizados e não esterilizados. Em seguida, a superfície externa das sementes ou frutos será avaliada com o uso de lupa estereoscópica e de microscopia eletrônica de varredura. Para o estudo de genes associados com a síntese de giberelinas e degradação de ácido abscisico durante a superação da dormência e germinação, as sementes serão coletadas nas áreas do entorno e, em seguida, enterradas. Periodicamente, as sementes serão exumadas e armazenadas para a posterior extração de RNA e confecção de cDNA. Em paralelo, será determinada a porcentagem de germinação das sementes. A expressão gênica será realizada através da técnica de PCR em tempo real. (AU)

Avaliação da influência de polimorfismos dos genes das glutationa-S-transferases GSTM1, GSTT1 e GSTP1 e glutationa peroxidase (GPx-1) sobre as concentrações de mercúrio e estresse oxidativo em indivíduos ambientalmente expostos ao metal na região amazônic

Beneficiário:Fernando Barbosa Júnior
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fernando Barbosa Júnior
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Toxicologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/07797-6
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2013
Assunto(s):Mercúrio (elemento químico)
Resumo
O mercúrio (Hg) é um dos metais mais tóxicos presentes no ambiente, causando diversos efeitos adversos à saúde. Sua eliminação é feita de forma lenta, através da conjugação com glutationa através de enzimas detoxificadoras, as glutationas-S-transferases (GSTs). Sendo assim, uma das hipóteses a ser examinada neste projeto é a de que polimorfismos genéticos relacionados às GSTs, GSTM1 (nulo), GSTT1 (nulo) e GSTP1 (Ile105Val), possam exercer influência no processo de eliminação do metilmercúrio (MeHg), em indivíduos expostos ambientalmente a este metal. Outra hipótese a ser examinada é a de que a exposição ambiental ao mercúrio, possa interagir com o variante genético "Leu" do polimorfismo Pro198Leu da glutationa peroxidase (GPx-1), aumentando o estresse oxidativo. Neste sentido, em uma primeira etapa, pretende-se avaliar os efeitos da interação entre os níveis deste metal em biomarcadores de exposição, tais como sangue e cabelo, com as variantes alélicas dos genes GSTM1, GSTT1 e GSTP1. Em uma seguinte etapa, pretende-se avaliar os efeitos da intoxicação ambiental ao mercúrio, sobre os níveis de espécies reativas de oxigênio (EROs), bem como os efeitos da interação entre os níveis deste metal em biomarcadores de exposição, com os variantes genéticos do polimorfismo Pro198Leu da GPx-1, no estresse oxidativo. Para tal, em amostras de sangue, plasma e urina de indivíduos expostos ambientalmente ao mercúrio na região do Rio Tapajós no Estado do Pará serão determinadas as concentrações de mercúrio, (utilizando a técnica de espectrometria de emissão atômica com plasma acoplado) e o de marcadores de estresse oxidativo, como o de espécies reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBARS), glutationa (GSH), glutationa dissulfeto (GSSG), isoprostano (F2), 8-oxo-2-deoxiguanosina e 8-oxoguanina utilizando a técnica de HPLC com detecção por UV-Vis ou Fluorescência Molecular e cromatografia gasosa com detector de massa (CG/MS). Posteriormente, será realizada genotipagem para o polimorfismo dos genes das glutationa-S-transferases GSTM1, GSTT1 e GSTP1 e para o polimorfismo Pro198Leu da GPx-1 utilizando-se DNA genômico extraído do sangue dos próprios voluntários em estudo.Neste sentido, os resultados que serão obtidos no presente estudo trarão informações relevantes sobre a exposição ambiental ao MeHg e suas conseqüências à saúde humana, pela possível influência dos polimorfismos destes genes sobre as concentrações deste metal nos indivíduos e ainda, ser evidenciado diferentes efeitos toxicológicos entre as variações genéticas na população e a exposição ao MeHg. (AU)

Marcadores de estresse oxidativo após ciclos de quimioterapia adjuvante para câncer de cólon: efeito da suplementação de zinco

Beneficiário:Selma Freire de Carvalho da Cunha
Instituição: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Selma Freire de Carvalho da Cunha
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/07867-4
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2013
Assunto(s):Neoplasias colorretaisQuimioterapia
Resumo
Determinar o estresse oxidativo após ciclos de quimioterapia em pacientes com terapia adjuvante no pós-operatório de neoplasia de cólon, com ou sem suplementação oral de zinco. Casuística: Participarão do estudo 30 pacientes adultos com idade maior que 18 anos, de ambos os gêneros, que tenham sido submetidos à ressecção cirúrgica de adenocarcinoma de cólon estadio III e que estejam iniciando quimioterapia adjuvante com capecitabina e oxaliplatina no Serviço de Quimioterapia do HCFMRP-USP. Os pacientes serão randomizados em 2 grupos, sendo que o primeiro (Grupo QT-Zn, n=15) receberá 70 mg/d de zinco pela via oral durante 12 semanas e o segundo receberá placebo (Grupo QT-Placebo, n=15). O estudo incluirá ainda 30 voluntários saudáveis, pareados para idade, gênero e nível sócio-econômico, que receberão suplementação de 70 mg/d de zinco (Grupo C-Zn, n=15) ou placebo (Grupo C-Placebo, n=15) por 12 semanas. Métodos: Serão aplicados os questionários de ingestão alimentar (freqüência de consumo de alimentos e registros alimentares), de fadiga (FACIT-F) e aplicados inquéritos específicos de avaliação dos efeitos colaterais da quimioterapia (CTCAE). Serão feitas as medidas antropométricas e impedância bioelétrica. A coleta de sangue será feita antes do 1º, 2º, 3º e 4º ciclos de quimioterapia (duração média de 21 dias entre os ciclos). Serão determinados os nutrientes envolvidos no estresse oxidativo (vitamina C e E, zinco e selênio) e os marcadores anti e pró-oxidantes (MDA, SOD, GPx e 8-isoprostano). O grupo controle será submetido aos mesmos procedimentos, exceto pela quimioterapia. A análise estatística será feita com o software Statistica 7.0, por meio de ANOVA-F ou pelo teste de Kruskal-Wallis, de acordo com a normalidade das variáveis. (AU)

Mecanismos epigenéticos como mediadores da transformação maligna de melanócitos associada a condições sustentadas de estresse

Beneficiário:Miriam Galvonas Jasiulionis
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Miriam Galvonas Jasiulionis
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/12306-1
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2013
Assunto(s):Epigênese genéticaMelanoma
Resumo
O desenvolvimento de diversas patologias, incluindo o câncer, tem sido associado a condições de estresse crônico. Radiação ultravioleta (UV) e inflamação persistente, condições de estresse sustentado, são considerados fatores de risco para o desenvolvimento do melanoma. Melanoma é o tipo mais agressivo de câncer de pele, sendo altamente resistente às terapias atualmente disponíveis. Assim como outros tipos de tumores, alterações tanto genéticas quanto epigenéticas parecem contribuir com a gênese do melanoma. Epigenética se refere a marcas herdáveis na estrutura da cromatina que não envolvem mudanças na sequência primária do DNA. Metilação do DNA, modificações pós-traducionais em histonas, remodelamento da cromatina e microRNAs são alguns dos mecanismos epigenéticos que controlam a estrutura da cromatina. Tais mecanismos são essenciais para o desenvolvimento normal e para determinar padrões de expressão tecido-específicos. Marcas epigenéticas aberrantes podem levar a padrões inapropriados de expressão gênica e, com isso, contribuir com o desenvolvimento de condições patológicas como o câncer. Diferente de mutações, marcas epigenéticas são potencialmente reversíveis e podem mudar em resposta a alterações ambientais (dieta, hormônios, inflamação ou outros insultos). Neste sentido, evidências cada vez mais consistentes têm sugerido importante contribuição de marcas epigenéticas aberrantes na gênese de patologias induzidas por estresse crônico. Níveis aumentados de espécies reativas de oxigênio (ROS), causados, por exemplo, por inflamação crônica, envelhecimento ou radiação UV, poderiam ser responsáveis pelo estabelecimento de marcas epigenéticas anormais e estas poderiam contribuir de maneira importante na gênese do melanoma. Desta forma, o estudo da relação entre estresse sustentado, marcas epigenéticas aberrantes e transformação maligna de melanócitos poderá auxiliar a compreensão dos mecanismos envolvidos na gênese do melanoma e, com isso, abrir novas possibilidades para o desenvolvimento de novas formas de terapia. Estabelecemos em nosso laboratório um modelo murino de transformação maligna de melanócitos induzido por estresse sustentado. Alterações morfológicas e moleculares progressivas, que culminaram na aquisição de fenótipo maligno, foram observadas após submeter melanócitos não tumorigênicos a ciclos sequenciais de bloqueio de ancoragem. Com isso, obtivemos a partir de linhagem não tumorigênica de melanócitos (melan-a), melanócitos correspondendo a etapas intermediárias, pré-malignas, da gênese do melanoma (1C, 2C, 3C e 4C), além de diferentes linhagens de melanoma, tanto não metastáticas (4C3- e 4C11-) como metastáticas (4C3+, 4C11+, Tm1 e Tm5). Dados de nosso laboratório demonstraram que o bloqueio de ancoragem resulta em estresse oxidativo e que a produção aumentada de ânion superóxido está relacionada à hipermetilação global do DNA e ao aumento dos níveis protéicos de DNA metiltransferase 1 (Dnmt1) observados nesta condição. Temos como objetivo, neste projeto, identificar os mecanismos moleculares pelos quais ROS modulam mecanismos epigenéticos e o impacto desta modulação na transformação maligna de melanócitos. (AU)

Identificação de genes diferencialmente expressos no útero e vagina de ratas tratadas com isoflavonas ou estrogênios

Beneficiário:José Maria Soares Junior
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:José Maria Soares Junior
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:10/11898-0
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2013
Assunto(s):IsoflavonasEstradiolExpressão gênica
Resumo
Em virtude das repercussões causadas pelo uso das isoflavonas em mulheres na menopausa e na pós-menopausa, há interesse de se estudar os mecanismos gênicos e moleculares relacionados à ação desses hormônios no sistema genital feminino, e também na expressão da matriz extracelular e o estresse oxidativo. Pretendemos verificar se o mecanismo de ação dos princípios ativos das isoflavonas (genesteína) é o mesmo dos estrogênios, ou seja, quais os genes que estão mais ou menos expressos no útero e na vagina. Metodologia: Serão utilizadas 30 ratas, EPM-1 Wistar (Rattus norvegicus albinus), fêmeas, adultas, com dois meses de idade, divididas em grupos: Grupo I - imediatamente após ooforectomia (controle) (n=10) serão tratadas apenas com o veículo (propilenoglicol); Grupo II - imediatamente após a ooforectomia serão tratadas com Genisteína (50 mg) (n=10) Grupo III - imediatamente após a ooforectomia serão tratadas com 17² estradiol (5 mg/Kg) (n=10). Vinte e quatro horas após a última administração dos fármacos ou do veículo, em todos os grupos serão retiradas o útero e vagina e imediatamente serão mergulhados em nitrogênio líquido e mantidos no freezer a - 80º C até a realização dos experimentos de biologia molecular. O cDNA obtido será utilizado como molde na reação de PCR em tempo real, utilizando-se os kits para estudo da sinalização dos receptores de estrogênio, matriz extracelular e o estresse oxidativo. Pretendemos com estes resultados esclarecer e até sugerir mudanças na concentração desses dois princípios ativos e na composição das isoflavonas comercializadas, no propósito de evitar possíveis efeitos colaterais indesejáveis. As reações serão analisadas por métodos estatísticos próprios para as técnicas de biologia molecular . (AU)

Metabolismo energético, estado redox e funcionalidade mitocondrial na morte celular e em desordens cardiometabólicas e neurodegenerativas

Beneficiário:Aníbal Eugênio Vercesi
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Aníbal Eugênio Vercesi
Pesquisadores principais:

Roger Frigério Castilho ; Rodrigo Ramos Catharino ; Helena Coutinho Franco de Oliveira

Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Processo:11/50400-0
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2015
Assunto(s):CálcioEstresse oxidativoApoptoseDislipidemias
Resumo
Além de ser considerada a "usina" de energia da célula, a mitocôndria também possui uma maquinaria que pode desencadear morte celular. Elevadas concentrações de Ca2+ na matriz mitocondrial estimulam a geração de espécies reativas de oxigênio a oxidação de NADPH, levando a abertura de poros na membrana interna (poro de transição de permeabilidade, PTP). Quando há abertura de PTP em um grande número de mitocôndrias, a morte celular ocorre por falta de ATP (necrose). A permeabilização da membrana externa mitocondrial (MOMP) induz morte celular (apoptose) através da liberação de moléculas que promovem a morte por vias tanto dependente como independente de caspases. A MOMP pode ocorrer por processos dependentes ou independentes de PTP. Disfunções mitocondriais têm sido implicadas em desordens cardíacas, metabólicas e neurodegenerativas. Nestas condições, várias moléculas de sinalização celular, toxinas, drogas convencionais ou experimentais podem atuar induzindo a abertura ou fechamento dos poros de membrana mitocondrial. Portanto, a via mitocondrial de controle de morte celular tem amplas implicações em fisiologia, patologia e farmacologia celular. Recentemente, demonstramos que o desbalanço redox mediado pelas mitocôndrias constitui parte importante da patogênese de dislipidemias genéticas, desordens neurodegenerativas e do controle de morte de células tumorais. Neste Projeto, nos propomos a dar continuidade aos estudos sobre o envolvimento mitocondrial nestas condições, expandindo e aprofundando os estudos dos mecanismos mitocondriais na morte celular, usando modelos in vitro e in vivo. Iremos também investigar se o envolvimento da mitocôndria na patogênese destas desordens é um fenômeno comum encontrado em outras desordens degenerativas (dislipidemia secundária, diabetes, hipertensão, alcoolismo, doença de Alzheimer) relacionadas às já estudadas. Além disso, utilizando "omics approaches" (metodologias com detecção por espectrometria de massas), pretendemos traçar o perfil de proteínas, metabólitos e Iipídeos de mitocôndrias em situações onde sua disfunção já foi caracterizada. Com isto, pretendemos descobrir de maneira mais rápida e abrangente, as vias metabólicas alteradas nestas condições. (AU)

Análise da expressão de marcadores de morte celular em lesões potencialmente malignas induzidas em língua de ratos e tratadas com terapia fotodinâmica

Beneficiário:Luciana Corrêa
Instituição: Faculdade de Odontologia (FO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luciana Corrêa
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/07437-0
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 31 de outubro de 2013
Assunto(s):Patologia bucalFotoquimioterapiaCarcinogênese bucal
Resumo
O uso da terapia fotodinâmica (TFD) no tratamento de lesões potencialmente malignas orais (LPM) tem sido alvo de pesquisas recentes. Essa terapia consiste na interação da energia eletromagnética com um fotossensibilizador e o oxigênio tecidual, havendo a geração de espécies reativas de oxigênio capazes de promover a morte de células metabolicamente mais ativas. O objetivo deste estudo é estabelecer a relação anatomocronológica da morte celular presente durante a TFD mediada pelo ácido aminolevulínico (ALA) em LPM induzidas quimicamente em ratos. Serão feitas aplicações tópicas semanais de solução de 4-nitroquinolina-1-óxido (4NQO) na mucosa lingual de ratos, até o surgimento de lesões brancas detectadas clinicamente. No grupo teste, as lesões serão tratadas uma única com vez com terapia fotodinâmica, aplicando-se topicamente o ALA sobre as lesões e, após 2h, irradiando-se com laser de baixa potência (660nm, 1,5 min, 40mW, 3,6J, 90J/cm2). Os animais sofrerão eutanásia nos períodos de 6h, 24h, 48h e 5 dias após a aplicação da TFD. Será analisada a expressão imunoistoquímica e por Western blot das proteínas beclin-1 (para análise de autofagia), caspase 3, NF-kB p65 (para análise da apoptose e anti-apoptose), RIP-1 (para análise de necrose), superoxido dismutase 1 (SOD-1) e óxido nítrico sintase induzível (iNOS) (para análise do estresse oxidativo), bem como será feita quantificação de vasos sanguíneos positivos para anticorpo anti-CD34. Espera-se que a TFD aumente a expressão das proteínas de morte e de estresse oxidativo, bem como diminua a quantidade de vasos sanguíneos com um padrão tempo-dependente. Com esses resultados, será possível conhecer melhor a relação entre os mecanismos de morte e o tempo, fornecendo subsídios para o desenvolvimento de protocolos tópicos de TFD para essas lesões. (AU)

Efeitos da suplementação crônica com resveratrol em um grupo de Bombeiros da Polícia Militar submetidos a um teste de aptidão física: um estudo duplo cego

Beneficiário:Rosemari Otton
Instituição: Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rosemari Otton
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/12728-3
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2013
Assunto(s):Atividade físicaEstresse oxidativoAntioxidantesRadicais livresResveratrol
Resumo
Atualmente está claro que os exercícios aeróbios e anaeróbios potencialmente estimulam a produção de espécies reativas de oxigênio (ERO), os quais podem ou não conduzir ao estado de estresse oxidativo. A maior parte dos protocolos de exercício encontrado na literatura inclui sessões de exercício agudo em esteira rolante e cicloergômetro. Diversos estudos têm investigado uma variedade de suplementações antioxidantes no esforço de atenuar e/ou suprimir os danos oxidativos induzidos pelo exercício e modular as defesas antioxidantes enzimáticas e não enzimáticas endógenas. Enquanto a suplementação antioxidante durante o exercício envolvendo vitaminas C e E tem sido alvo de frequentes investigações, poucos estudos examinaram os efeitos da suplementação de resveratrol associado ao exercício. O resveratrol, um membro da família dos polifenóis, é bem conhecido por suas propriedades cardioprotetoras. As propriedades do resveratrol incluem ação antiinflamatória, anticâncer, anti-envelhecimento, anti-degenerativa e antioxidante. Durante a formação de bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo, dentro da disciplina de Condicionamento Físico, os alunos são submetidos periodicamente a provas para avaliar sua aptidão física. Esta prova pode significativamente elevar o estresse fisiológico imposto ao aluno, aumentando o risco de lesões e o declínio no desempenho físico devido à fadiga, dano muscular, inflamação e estresse oxidativo, principalmente após um teste de aptidão física (TAF). O objetivo deste trabalho é avaliar o perfil oxidativo no plasma e nos eritrócitos de um grupo de bombeiros submetidos a um TAF antes a após a suplementação crônica com 100 mg/dia de resveratrol ou placebo por 3 meses. Os alunos, 60 no total (30 do grupo resveratrol e 30 do grupo placebo) serão randomicamente selecionados dentro da corporação e receberão ou resveratrol ou placebo. Tanto os alunos quanto os pesquisadores envolvidos não saberão quem estará recebendo resveratrol ou placebo (estudo duplo-cego). As avaliações a serem realizadas antes e após a suplementação com resveratrol e antes e após o TAF incluem: danos oxidativos em biomoléculas (lipídeos, DNA e proteínas), atividade antioxidante total do plasma (ensaio de FRAP), conteúdo de glutationa reduzida e glutationa oxidada, razão GSH/GSSG, creatina quinase (CK), lactato desidrogenase (LDH), transaminase glutâmico oxalacética (TGO), transaminase glutâmico pirúvica (TGP), gama-glutamil transferase (GGT), ácido úrico, creatinina, ferro total, mieoloperoxidase (MPO), liberação de citocinas (IL-6, TNF-alfa, IL-1beta), atividade das enzimas SOD total, catalase, glutationa peroxidase e redutase. O entendimento das respostas bioquímicas nesta população de bombeiros durante o período da sua formação contribuirá para o entendimento das modificações que ocorrem decorrentes do treinamento imposto e poderá fornecer subsídios importantes para a adequação do exercício sem riscos a saúde desta população. Além disso, a caracterização dos efeitos da suplementação crônica com resveratrol poderá contribuir para o entendimento das ações desta molécula com importantes efeitos em diversos sistemas. (AU)

Avaliação do perfil lipídico e das apoliproteínas A1 e B: relação com enzimas associadas ao risco cardiovascular em pacientes com hipogamaglobulinemia

Beneficiário:Roseli Oselka Saccardo Sarni
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Roseli Oselka Saccardo Sarni
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/13336-1
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2013
Assunto(s):Síndromes de imunodeficiênciaImunodeficiência de variável comumAgamaglobulinemiaPeroxidaseColesterol
Resumo
As imunodeficiências primárias (IDP's) caracterizam-se por defeitos qualitativos e/ou quantitativos, geneticamente determinados, em um ou mais setores do sistema imunológico, o qual é responsável pela proteção do organismo. A prevalência estimada das IDP´s é de 1:10.000. A Imunodeficiência Comum Variável (ICV) e a Agamaglobulinemia Ligada ao X (XLA) são classificadas como deficiências de anticorpos resultando em hipogamaglobulinemia. Em semelhança com outras doenças crônicas, as IDP's podem cursar com distúrbios inflamatórios, endócrinos e com a exacerbação do estresse oxidativo. O objetivo deste estudo é determinar o perfil lipídico dos pacientes com ICV e XLA e verificar a associação com o estado nutricional, hábitos de vida e alimentares, com marcador inflamatório e com enzimas relacionadas ao risco cardiovascular. Serão avaliados, por meio de estudo transversal, prospectivo, controlado os 30 pacientes com diagnóstico de ICV e XLA, de ambos os sexos, com idade entre 2 e 54 anos atendidos no Departamento de Pediatria da UNIFESP. Serão realizadas avaliação antropométrica - como peso, estatura, circunferência abdominal e braquial e pregas cutâneas - e avaliação bioquímica - por meio das dosagens séricas de colesterol total e as frações HDL-c (High Density Lipoprotein) e LDL-c (Low Density Lipoprotein), com análise da APOA-1 e APOB (principais componentes protéicos do HDL-c e LDL-c) e quantificação de sdLDL-c (fração menor e mais densa de LDL-c), triglicerídeos, proteína C reativa e as enzimas paraoxonase, mieloperoxidase, proteína de transferência de éster de colesterol e lecitina: colesterol aciltransferase. (AU)

Avaliação do envolvimento da GTPase Ras de Paracoccidioides brasiliensis no termo-dimorfismo do fungo e durante o estresse oxidativo e nitrosativo

Beneficiário:Wagner Luiz Batista
Instituição: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Wagner Luiz Batista
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/14392-2
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2013
Assunto(s):FungosParacoccidioides brasiliensisParacoccidioidomicoseProteínas rasRelações hospedeiro-parasita
Resumo
Paracoccidioides brasiliensis, fungo dimórfico termo-dependente, é o agente etiológico da micose sistêmica mais comum na América Latina, paracoccidioidomicose (PCM). A infecção pelo fungo ocorre por inalação de conídeos presentes no meio ambiente. Para o desenvolvimento da doença é imprescindível que os conídeos alojados nos alvéolos pulmonares passem para fase leveduriforme, evento depende do aumento de temperatura. Este fungo age como patógeno intracelular facultativo capaz de sobreviver e replicar dentro de macrófagos não ativados. Esta habilidade de evadir a resposta imune inata do hospedeiro e assim causar doença é particularmente devido a sua capacidade para responder e sobreviver ao estresse nitrosativo e oxidativo causado pelas células do sistema imune, particularmente macrófagos alveolares. Entretanto, nada se conhece sobre a regulação de vias de transdução de sinal associadas a esta resistência, possivelmente desencadeadas pelas espécies reativas de oxigênio (ROS) e nitrogênio (RNS) geradas pelo hospedeiro e que irão atuar sobre este micro-organismo. Dentre as proteínas que participam das vias de sinalização celular destaca-se Ras, uma GTPase com importante papel em diferentes processos celulares, como controle das mudanças morfológicas, proliferação celular e resposta a estresse. Em P. brasiliensis foram identificados duas isoformas desta proteína, Ras1 e Ras2, e que são homólogas a outros fungos. Atualmente existem evidências experimentais da participação de radicais livres e outras espécies reativas nas vias de transdução de sinal. Em condição redox, Ras pode sofrer modificações pós-traducionais de caráter reversível (S-nitrosilação) capaz de ativar e modular esta molécula. Desta forma, este projeto propõe avaliar o processo de ativação da proteína Ras de P. brasiliensis que ocorrem no fungo após exposição a diferentes concentrações de ROS e/ou RNS. Para tanto, será produzida uma sonda para verificar a atividade de Ras (RBD-GST). O desenvolvimento deste projeto certamente levará a compreensão da relação parasito-hospedeiro sob uma nova perspectiva, nesta e provavelmente em outras micoses sistêmicas. (AU)

Efeito da suplementação com castanha-do-Brasil (Bertholetia excelsa H.B.K) sobre os marcadores de estresse oxidativo,citocinas inflamatórias e sua relação com o polimorfismo Pro198Leu no gene da glutationa peroxidase 1 em pacientes com artrite reumatóide

Beneficiário:Silvia Maria Franciscato Cozzolino
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Silvia Maria Franciscato Cozzolino
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Análise Nutricional de População
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/14801-0
Vigência: 01 de outubro de 2011 - 30 de setembro de 2013
Assunto(s):Artrite reumatoideCastanhaGlutationa peroxidaseSelênio
Resumo
A artrite reumatóide (AR) é uma doença inflamatória crônica, caracterizada por inflamação das articulações e se manifesta por inchaço e incapacidade funcional das mesmas. A patologia da doença envolve a produção excessiva de radicais livres pelos neutrófilos ativados, podendo induzir a peroxidação lipídica nas membranas celulares o que leva ao aumento da inflamação. Nesse sentido, o selênio (principal fonte é a castanha-do-brasil) é um importante fator por diminuir a atividade dos hidroperóxidos por meio da ação da enzima antioxidante glutationa peroxidase (GPx). No entanto, estudos que avaliem a associação do estado nutricional relativo ao selênio em pacientes com AR com os biomarcadores do estresse oxidativo e de inflamação são escassos na literatura. Desse modo, a avaliação do efeito potencial in vivo da suplementação com castanha-do-brasil, como fonte de selênio, sobre os parâmetros descritos anteriormente e sua relação com o polimorfismo Pro198Leu no gene da GPx1, em pacientes com artrite reumatóide, vêm a suprir essa lacuna. Este estudo será de natureza longitudinal e crossover. Serão constituídos dois grupos de pacientes com artrite reumatóide, atendidos no ambulatório de reumatologia da Universidade Federal de São Paulo. Um grupo composto por 35 pacientes receberá a suplementação com uma nóz de castanha-do-brasil por dia durante dois meses e o outro (35) sem a suplementação. Após a intervenção, os dois grupos passarão por um período de washout de duração de três meses, sendo então realizado o crossover entre os grupos. Serão avaliados parâmetros bioquímicos referentes ao status de selênio, estresse oxidativo, marcadores de inflamação, além da determinação do polimorfismo Pro198Leu no gene da GPx1. A avaliação da composição corporal será feita por meio da bioimpedância e de medidas de peso e estatura e o consumo alimentar será avaliado através do registro alimentar três dias, sendo utilizado o software Nutwin da Escola Paulista de Medicina para a análise da alimentação. (AU)

Exposição a contaminantes ambientais e declínio cognitivo em idosos saudáveis: influência sobre o estresse psicológico e estresse oxidativo

Beneficiário:Raphael Fernandes Catucci
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Tania Marcourakis
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/14381-0
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de agosto de 2012
Assunto(s):ToxicologiaEstresse oxidativoIdososEstresse psicológico
Resumo
Nas últimas décadas, diversos autores têm demonstrado a associação entre glicocorticóides e memória em idosos saudáveis. Paralelamente, evidências recentes têm revelado que exposição a determinados contaminantes ambientais (CA) como chumbo, policloreto de bifenila e organoclorados e a ocorrência de estresse oxidativo está associada ao declínio cognitivo relacionado à idade. Alguns CA podem interferir na regulação de hormônios esteróides sexuais, entretanto, pouco se sabe a respeito da ação destes elementos na produção dos glicocorticóides (hormônio do estresse) e nos indicadores de estresse oxidativo, bem como o efeito desta interação nas habilidades cognitivas. Neste sentido, o objetivo deste estudo é investigar a relação entre resposta ao estresse e concentrações de CA e sua associação com o desempenho cognitivo e com marcadores de estresse oxidativo em idosos. Serão avaliados 122 idosos sem alterações cognitivas ou demais distúrbios neurológicos ou psiquiátricos moradores da região metropolitana de São Paulo. Serão coletadas amostras de saliva para verificar o padrão diurno de cortisol, bem como concentrações deste hormônio frente a um estressor agudo psicossocial ("Trier Social Stress Test" - TSST), além de amostras de sangue para análise dos CA e dos indicadores de estresse oxidativo. Postula-se que a variabilidade cognitiva observada na população idosa possa ser, em parte, resultado do impacto da exposição aos CA que, ao alterar a resposta ao estresse, prejudicaria o desempenho cognitivo. Além disso, propõe-se que um dos mecanismos envolvidos nesta associação esteja relacionado ao aumento de marcadores biológicos de estresse oxidativo. O presente estudo poderá contribuir com a compreensão do envelhecimento cognitivo saudável e direcionar estudos sobre o envelhecimento patológico. Ademais, a análise do impacto dos CA nas respostas de estresse poderá fundamentar futuras investigações a respeito da contribuição dos CA no desenvolvimento dos transtornos relacionados ao estresse. (AU)

Estudo de proteínas mitocondriais de função desconhecida e suas consequências na viabilidade celular

Beneficiário:Raquel Fonseca Guedes Monteiro
Instituição: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mario Henrique de Barros
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:11/13959-9
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 30 de setembro de 2011
Resumo
Este projeto dá continuidade a caracterização de ORFs (sequências abertas de leitura) de Saccharomyces cerevisiae com atuação mitocondrial mas de função desconhecida. Muitas delas quando inativadas, não apresentam fenótipo de deficiência respiratória, prejudicando a sua caracterização funcional, e forçando, portanto, a busca dos seus efeitos na viabilidade celular. Em projetos anteriores, esse tipo de estudo encaminhou o laboratório a novos e interessantes trabalhos como, por exemplo, os relacionados a expressão funcional da coenzima Q. Esses estudos também terão continuidade. Será avaliada o efeito da super-expressão do gene COQ8 em outros mutantes "coq" de levedura e também em células humanas. Observamos os efeitos benéficos dessa super-expressão em mutantes específicos de levedura e é importante verificar a extensão desse efeito em outros sistemas e modelos. Também será aprofundado os estudos relacionados ao estresse oxidativo existente nos mutantes deficientes na síntese de coenzima Q e suas consequências ao metabolismo mitocondrial, como, por exemplo na estabilidade do DNA da organela. Saccharomyces cerevisiae também será utilizada como organismo modelo no estudo do efeito de mutações genéticas relacionadas a distúrbios neurológicos e encefalomiopatias bem como para as terapias associadas. Assim, por exemplo, estudaremos os efeitos da expressão do gene SNCA humano em levedura, dado que a sua super-expressão está relacionada ao desenvolvimento do mal de Parkinson. O acúmulo da ±-sinucleína, codificada pelo SNCA leva à lipotoxicidade e ao estresse oxidativo, assim buscaremos estudar leveduras expressando variantes do gene SNCA como representante de um modelo parkinsoniano e eventuais efeitos no metabolismo mitocondrial e consequências do uso de antioxidantes endógenos, como a melatonina. (AU)

Inflamação periodontal, stress oxidativo e nitrativo e Metilação do DNA

Beneficiário:Renan Cardoso
Instituição: Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Piracicaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Paula de Souza Pardo
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/13831-2
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de agosto de 2012
Assunto(s):Epigênese genéticaDNAEstresse oxidativoInflamação
Resumo
A infecção-inflamação tem sido sugerida como fator implicado na etiologia de vários cânceres, inclusive o câncer de boca. Dados epidemiológicos suportam esta hipótese devido à observação que a perda de inserção conjuntiva (CAL), devido à periodontite crônica, se associa ao risco de desenvolvimento de tumores malignos (OR=4,57, 95% CI:2,25-9,30) e lesões pré-malignas da cavidade bucal (OR=1,55, 95% CI:1,06-2,27), mas não a presença de qualquer outra lesão dos tecidos da boca (Tezal et al. 2005). Os mecanismos pelos quais a inflamação estaria predispondo o risco ao desenvolvimento de tumores ainda não são totalmente conhecidos. Sabe-se que durante a inflamação ocorre a produção de moléculas reativas derivadas do oxigênio e nitrogênio que geram stress oxidativo e nitrativo nas células, capazes de lesar moléculas de proteínas, lipídeos e o DNA. Entre as alterações no DNA promovidas por estas moléculas reativas estão as alterações do padrão de metilação em dinucleotídeos CpG de regiões que controlam a transcrição gênica. Metilação de genes que modulam eventos relacionados ao ciclo celular, proliferação, divisão celular e apoptose, ou seja, em genes supressores de tumores gera risco ao desenvolvimento do câncer uma vez que pode diminuir ou silenciar a expressão destes genes protetores. Por outro lado, a perda de metilação de genes que propiciam a mitose também eleva o risco ao desenvolvimento de tumores. O objetivo deste projeto é investigar os efeitos do stress oxidativo/nitrativo gerado pela inflamação crônica sobre a expressão de enzimas que modificam o perfil epigenético da cromatina e sobre o padrão de metilação de genes relacionados ao stress oxidativo/nitrativo ou à inflamação crônica em células de tecidos que compõem a mucosa bucal. (AU)

Estresse oxidativo pulmonar em camundongos obesos e asmáticos: potencial terapêutico de agentes antioxidantes

Beneficiário:Cristina Maki Horimoto
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Edson Antunes
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Geral
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/11401-0
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de agosto de 2012
Assunto(s):InflamaçãoAntioxidantesAsmaEstresse oxidativoEosinófilosObesidade
Resumo
A obesidade e a asma são doenças prevalentes e crescentes, e ambas têm impacto significativo na saúde pública mundial. O aumento simultâneo da prevalência da asma e da obesidade tem levado investigadores a sugerirem que a obesidade possa ser um fator importante no desencadeamento da asma, ou até piorar um quadro de asma pré-existente. Entretanto, ainda há poucos estudos voltados à investigação da natureza da exacerbação da resposta inflamatória alérgica pulmonar em indivíduos obesos. O fato de a obesidade ser uma condição clínica associada a inflamação crônica e produção de espécies reativas estreita ainda mais a associação entre obesidade e asma. Além disso, há fortes evidências de um desequilíbrio oxidante-antioxidante na asma. Em nosso laboratório padronizamos um modelo de obesidade em camundongos C57BL6/J, através de dieta hiperlipídica por 10 semanas, para fins de compreensão dos mecanismos fisiopatológicos presentes na exacerbação da resposta inflamatória pulmonar alérgica em animais sensibilizados e desafiados com ovalbumina (OVA). Observamos que camundongos C57BL6/J obesos por indução de dieta exibem exacerbação do infiltrado eosinofílico pulmonar frente ao desafio com OVA, a qual é acompanhada por elevação significante dos níveis de IL-5, IL-4, TNF-a e IL-10 no lavado broncoalveolar (LBA). No presente projeto, pretendemos avaliar a contribuição de espécies reativas de oxigênio (ERO) e de nitrogênio (ERN) para a exacerbação do influxo eosinofílico pulmonar alérgico em animais obesos. Procuraremos, ainda, avaliar o potencial efeito terapêutico de agentes antioxidantes no manejo da asma alérgica associada à obesidade. Especificamente, objetivamos (1) quantificar marcadores do estresse oxidativo em camundongos obesos e asmáticos (e seus respectivos controles), avaliando-se a atividade superóxido dismutase (SOD), produção de ânion superóxido (O2-) e de peróxidonitrito (ONOO-), expressão de óxido nítrico sintase induzível (iNOS) e produção de nitrito e nitrato no LBA e/ou homogenato pulmonar; (2) avaliar o efeito do tratamento com antioxidantes como epigalatocatequina-3-galato no influxo eosinofílico pulmonar, bem como nos níveis séricos e/ou no LBA de adipocitocinas (leptina, adiponectina) e de citocinas (IL-4, IL-5, TNF-±, IL-6, IL-10, eotaxina) em camundongos obesos e asmáticos. (AU)

Padronização do transplante de medula óssea de camundongos transgênicos falciformes e indução inflamatória e avaliação do papel das plaquetas in vivo na vaso-oclusão

Beneficiário:Camila Bononi de Almeida
Instituição: Centro de Hematologia e Hemoterapia (HEMOCENTRO). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Nicola Amanda Conran Zorzetto
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:11/50959-7
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de agosto de 2014
Assunto(s):Anemia falciformeEstresse oxidativo
Resumo
Anemia falciforme (AF) é uma desordem na síntese de hemoglobina causada por uma mutação pontual que leva a substituição de um aminoácido e conseqüentemente ocorre a produção de uma hemoglobina defeituosa, HbS. Em locais com baixa [02], essa hemoglobina polimeriza resultando em uma série de alterações que podem culminar em crises de vaso-oclusão com conseqüências graves. A AF é uma doença inflamatória crônica caracterizada também por leucocitose e lesões nas células endoteliais. Os leucócitos possuem um papel importante na AF, pois são células grandes, pouco deformáveis e se aderem facilmente ao endotélio vascular ativado, além de interagirem com eritrócitos circulantes. As células endoteliais ativadas, também são essenciais no vaso-oclusão, uma vez que expressam moléculas de adesão além de fatores teciduais. Já as plaquetas possivelmente apresentam um papel importante na inflamação presente nos pacientes falciformes estando envolvidas na formação de agregados celulares que contribuem com a inflamação vascular e danos em tecidos. Atualmente um modelo de camundongo transgênico falciforme vem sendo bastante utilizado nos estudos in vivo da AF. Assim, o objetivo desse projeto baseia-se na padronização de técnicas de transplante de medula óssea de camundongos falciformes para camundongos selvagens previamente preparados com o intuito de aumentar a colônia de animais transgênicos; padronização da indução de um processo inflamatório e conseqüentemente vaso-oclusivo em camundongos falciformes; e avaliação da participação das plaquetas no processo vaso-oclusivo em camundongos falciformes. (AU)

Disfunção erétil em ratos de meia-idade: estudos funcionais, bioquímicos e moleculares

Beneficiário:Fábio Henrique da Silva
Instituição: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Edson Antunes
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Autonômica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:11/11309-7
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 28 de fevereiro de 2014
Assunto(s):EnvelhecimentoEstresse oxidativoDisfunção erétilMeia idade
Resumo
O envelhecimento é um processo complexo que envolve múltiplas alterações nas estruturas fisiológicas e respostas funcionais do organismo. Estudos epidemiológicos têm mostrado que o envelhecimento é um fator de risco para o desenvolvimento de disfunção erétil (DE); de fato, a prevalência de DE aumenta significativamente com o envelhecimento. A disfunção erétil ocorre em graus variáveis e prejudica a qualidade de vida, particularmente o bem-estar pessoal e as interrelações familiares e sociais, assim como em idosos constitui importante problema de saúde pública pela sua alta prevalência. Evidências mais atuais mostram que a DE pode ser vista como manifestação precoce de doenças vasculares ou mesmo preditora destas doenças. Em homens de meia-idade, há também grande prevalência de DE. Entende-se, atualmente, que é fundamental compreender as alterações precoces da função erétil na meia-idade, pois estas são responsáveis pela DE associada ao envelhecimento mais tardio. Em modelos experimentais, há apenas dois trabalhos procurando avaliar as alterações precoces na função erétil em animais de meia-idade (Hosogai et al., 2003; Gur et al., 2005). Nestes estudos, os autores mostraram que corpos cavernosos de ratos de meia-idade apresentam redução da atividade da NOS, e redução do relaxamento nitrérgico e dependente de endotélio. Portanto, os mecanismos fisiopatológicos envolvidos na DE nas fases iniciais do envelhecimento permanecem pouco estudadas. Uma notável alteração que ocorre no envelhecimento de um modo geral é o aumento da produção de espécies reativas de oxigênio (ERO), através do aumento da atividade do complexo enzimático (NADPH oxidase) que catalisa a formação de ânion superóxido, e redução da atividade de enzimas antioxidantes. O acúmulo de ERO conduz a disfunções celulares, peroxidação lipídica e mutagenicidade do DNA, podendo causar danos celulares irreversíveis e morte celular. Desde modo, o presente trabalho tem como objetivo geral investigar as alterações funcionais, bioquímicas, morfológicas e moleculares em corpos cavernosos de ratos de meia-idade. Visa também conhecer a contribuição do estresse oxidativo para a DE nesta faixa etária. (AU)

Investigação do papel de TRAF6 na interação com alfa-sinucleína e na consequente modulação em vias de sinalização

Beneficiário:Lidia Mitiko Yshii
Instituição: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Cristoforo Scavone
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Bioquímica e Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:11/10303-5
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de dezembro de 2013
Resumo
A Doença de Parkinson (DP) é um distúrbio neurodegenerativo. Suas características e seus sintomas neuropatológicos são bem definidos, mas sua etiologia ainda continua desconhecida. A DP esporádica é caracterizada anatomo-patologicamente pela presença de Corpos de Lewy (CL), que são agregados lipoproteicos que se encontram no interior do neurônio. A ±-sinucleína (±-sin) é uma proteína solúvel presente nos terminais pré-sinápticos de vários sistemas de transmissão. Evidências sugerem que esta proteína é um componente fundamental dos CL localizados nos neurônios dopaminérgicos do sistema nigroestrital de pacientes portadores de DP. Postula-se que a ±-sin possui uma função fundamental na patogênese da DP, pois pode afetar a homeostase de neurônios dopaminérgicos, levando ao aumento da dopamina (DA) no citosol e consequente estresse oxidativo. O fator de transcrição nuclear kappa B (NFkB) participa da regulação de respostas imunes, inflamatórias e morte celular. O NFkB pode ser estimulado por vários fatores entre eles neurotransmissores (por exemplo: dopamina e glutamato), estresse e proteína b-amilóide. O TRAF6 (tumor necrosis fator receptor associated factor 6) é um membro da família de seis TRAFs, que parece interagir e ubiquitinar a ±-sinucleína, pelo fato de estarem co-localizados nos corpos de Lewy. Neste projeto, pretendemos investigar o papel da ligação de TRAF6 à ±-sinucleína com a ativação do NF-kB nas células dopaminérgicas e cultura primária da raiz dorsal da medula espinhal de camundongos que pode ser úteis para desenvolvimento de novos alvos terapêuticos para tratamento das doenças neurodegenerativas. (AU)

Estudo dos fatores envolvidos na fragmentação de DNA dos espermatozóides em ovinos

Beneficiário:Thais Rose dos Santos Hamilton
Instituição: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mayra Elena Ortiz D' Avila Assumpcao
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:11/11231-8
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):Biologia molecularEstresse oxidativoOvinosApoptose
Resumo
Modificações de DNA podem ocasionar alterações nos processos que envolvem a reprodução, sendo que a cromatina espermática íntegra garante a passagem de informações genéticas paternas de maneira efetiva. Alterações na integridade do DNA podem ser decorrentes de fatores como a falha na protaminação, apoptose e conseqüência da ação de espécies reativas de oxigênio. Este dano no DNA espermático pode ser a causa de infertilidade do macho. Há pouca informação sobre os índices de fragmentação espermática e a relação da fragmentação de DNA com a eficiência reprodutiva do macho na espécie ovina. Este trabalho terá como objetivos avaliar o índice de fragmentação de DNA, o tipo de protamina presente nos espermatozóides e estabelecer uma relação entre o tipo de protamina e o índice de fragmentação de DNA espermático na espécie ovina. Para tanto será determinada a expressão dos genes da protamina 1 e 2; e das proteínas de transição 1 e 2; será avaliada a susceptibilidade do espermatozóide à fragmentação de DNA, assim como a correlação desta com o estresse oxidativo, a apoptose e o dano no empacotamento da cromatina espermática. (AU)

Alterações epigenéticas e genotóxicas em DNA de camundongos expostos a material particulado (MP2,5)

Beneficiário:Antonio Anáx Falcão de Oliveira
Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Paula de Melo Loureiro
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/09891-0
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 30 de junho de 2012
Assunto(s):Estresse oxidativoInflamação
Resumo
A exposição aos constituintes da poluição atmosférica pode lesar biomoléculas, provocando o aparecimento de doenças como o câncer. Partículas finas com diâmetro aerodinâmico menor que 2,5 µm (MP2,5) chamam a atenção pois conseguem penetrar no trato respiratório e depositar-se na porção terminal dos brônquios e nos alvéolos, provocando lesões celulares. Tais partículas possuem composição variável, podendo atuar como carreadoras de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs), como o benzo[a]pireno, metais e íons hidrossolúveis. Dada a capacidade dos seus constituintes provocarem lesões no DNA, fica evidente a provável relação do material particulado com o surgimento de patologias ligadas ao trato respiratório e provavelmente a outros tecidos do organismo. Isso justifica a importância da realização de novos estudos com o propósito de aprofundar o conhecimento acerca dos riscos à saúde provocados por este tipo de poluente, principalmente em outros órgãos, como fígado e rim que estão diretamente ligados ao metabolismo e excreção de xenobióticos.Sendo assim, este trabalho propõe a avaliação da metilação global do DNA e de lesões no DNA decorrentes de estresse oxidativo, inflamação e da ação de HPAs, especificamente benzo[a]pireno, em pulmão, fígado e rim de camundongos Swiss e A/J expostos cronicamente ao material particulado concentrado a partir do ar da cidade de São Paulo, da região do Bairro Cerqueira César, na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. (AU)

Efeito da estação do ano na qualidade dos oócitos de búfalas (bubalu bubalis): análise da expressão gênica e do número de cópias de DNA mitocondrial

Beneficiário:Carolina Habermann Macabelli
Instituição: Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA). Universidade de São Paulo (USP). Pirassununga, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcos Roberto Chiaratti
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/14207-0
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de dezembro de 2012
Assunto(s):DNA mitocondrialExpressão gênica
Resumo
No Brasil, assim como em muitos outros países, a bubalinocultura vem apresentando acelerado crescimento devido ao interesse econômico na produção de carne e leite. Como ocorre nas outras espécies de interesse zootécnico, essa expansão acontece paralelamente à busca pelo melhoramento genético, que depende de diversas biotécnicas como, por exemplo, a produção in vitro de embriões. Essa biotecnologia é vista como uma ferramenta para a maximização da eficiência reprodutiva de bubalinos, entretanto, a qualidade dos oócitos utilizados para a produção in vitro de embriões é bastante influenciada por fatores ambientais tais como fotoperíodo, temperatura ambiental, nutrição entre outros. Uma vez que as búfalas são animais poliéstricos sazonais, observa-se acentuada redução da fertilidade destas durante o verão em regiões de maior latitude. No entanto, este efeito ambiental sobre a fertilidade não parece ser devido à falha no desenvolvimento folicular, mas sim ao comprometimento da competência de desenvolvimento dos oócitos. Contudo, os fatores que determinam esta falha de desenvolvimento dos oócitos de búfalas durante o verão são desconhecidos. Sendo assim, este projeto visa investigar o efeito da estacionalidade reprodutiva e do número de partos sobre a expressão gênica (genes relacionados ao estresse térmico, estresse oxidativo e metabolismo) e o número de cópias de DNA mitocondrial em oócitos de duas categorias de búfalas, nulíparas e multíparas, coletados durante o inverno e o verão. As doadoras de oócitos serão provenientes da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), localizada em Registro/SP, onde a estacionalidade reprodutiva das fêmeas bubalinas é bem definida. (AU)

Clonagem, expressão, purificação e caracterização estrutural da proteína triparedoxina peroxidase de Leishmania braziliensis

Beneficiário:Mariana Abrahão Bueno de Morais
Instituição: Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron (ABTLuS). Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (Brasil). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mário Tyago Murakami
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/10248-4
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de julho de 2012
Assunto(s):Triparedoxina peroxidaseLeishmania brasiliensis
Resumo
As leishmanioses são causadas por protozoários do gênero Leishmania, sendo transmitidas por insetos flebotomíneos. Esta doença afeta cerca de 350 milhões de pessoas em 88 países. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, as leishmanioses constituem um problema de saúde pública, entretanto esforços para a descoberta de novos tratametos são insuficientes. A terapia atualmente utilizada apresenta elevada toxicidade, havendo também formas clínicas resistentes aos fármacos. Sendo a Leishmania um protozoário digênico, a existência mecanismos eficientes de evasão de moléculas tóxicas, como espécies reativas de oxigênio e nitrogênio, é crucial para a capacidade de sobrevivência e replicação do parasita nas células do hospedeiro. A tryparedoxin peroxidase (TXNPx), um membro da família das peroxirredoxinas, é vital para a sobrevivência da Leishmania durante o estresse oxidativo gerado pelos macrófagos. Essa enzima antioxidante, que não está presente em mamíferos, participa de uma cascata enzimática para a detoxificação de hidroperóxidos descrita em Tripanosomatídeos e oferece novas opções para o desenvolvimento de agentes anti-Leishmania mais específicos. Encontrou-se, em Leishmania que superexpressava a TXNPx, um maior índice de crescimento, menor tempo de duplicação e uma maior resistência ao estresse oxidativo. Este trabalho tem como objetivo realizar a clonagem, expressão, purificação e estudos estruturais da tryparedoxin peroxidase de Leishmania braziliensis. Primeiramente, a sequencia nucleotídica será amplificada e clonada para a expresão em sistema procarioto. A proteína será purificada por métodos cromatográficos e serão realizados ensaios de cristalização além de análises espectroscópicas e de homogeneidade estrutural através dos ensaios de Espalhamento Dinâmico de Luz (DLS) e Dicroísmo Circular. (AU)

Identificação de proteínas nitradas com potencial diagnóstico e prognóstico em doenças renais isquêmicas

Beneficiário:Pamella Araujo Malagrino
Instituição: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alexandre da Costa Pereira
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:11/04344-0
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de maio de 2013
Resumo
A isquemia renal pode desencadear uma série de doenças renais como insuficiência renal aguda e crônica e está associada a uma taxa de aproximadamente 50% de mortalidade. Através do estresse oxidativo gerado em decorrência da isquemia seguida de reperfusão tem-se a liberação de espécies reativas de oxigênio e nitrogênio que levam, dentre outras coisas, à lesão tubular, glomerular, peroxidação lipídica, danos ao DNA e nitração proteica. Os exames disponíveis atualmente só identificam estágios em que já há a perda de função renal. Desta forma torna-se essencial a identificação de novos marcadores protéicos de isquemia renal que propiciem o desenvolvimento de testes diagnósticos mais específicos e com detecção prévia, além de acompanhar o desenvolvimento do quadro clínico dos pacientes e transplantados. Recentemente o aperfeiçoamento de técnicas mais sensíveis e reproduzíveis para o estudo de proteomas tem possibilitado o uso destas técnicas para a identificação de marcadores protéicos em uma série de diferentes cenários fisiológicos ou patológicos. O presente projeto tem como objetivo identificar marcadores séricos específicos para a isquemia renal com potencial uso diagnóstico e prognóstico, aproveitando-se de uma indução de isquemia controlada em que as amostras séricas serão colhidas antes e após a isquemia renal sem que afete a função renal. Para a identificação de marcadores específicos buscaremos proteínas exclusivas renais que sejam nitradas pelo estresse oxidativo gerado pela isquemia. (AU)

Treinamento associado a N-acetilcisteína na modulação de receptores purinérgicos e na progressão da nefropatia diabética experimental

Beneficiário:Elisa Mieko Suemitsu Higa
Instituição: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elisa Mieko Suemitsu Higa
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/12578-1
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 28 de fevereiro de 2014
Assunto(s):Nefrologia
Resumo
A nefropatia diabética é a principal causa do estágio final de doença renal. Estudos anteriores em nosso Laboratório mostraram que ratos diabéticos apresentam redução da função renal e do óxido nítrico (NO, um potente vasodilatador) e aumento do estresse oxidativo que foram atenuados pelo exercício aeróbico. A N-acetilcisteína (NAC) é um antioxidante que demonstrou reduzir as espécies reativas de oxigênio (ROS) e atenuar a disfunção endotelial, enquanto que os receptores purinérgicos parecem modular a vasodilatação através do NO. O objetivo deste trabalho é avaliar o papel dos receptores purinérgicos na progressão da nefropatia diabética, em ratos uninefrectomizados (UNx), submetidos ao treinamento aeróbico e/ou suplementação com NAC. Ratos Wistar machos adultos serão UNx. Diabetes mellitus (DM) será induzido com estreptozotocina (60mg/kg, i.v.). Metade destes e seus controles (CTL) serão treinados em esteira (CTL+EX e DM+EX) e os outros serão considerados sedentários (CTL+SE e DM+SE). A NAC (600mg/L) será dada em água de beber em metade de cada grupo, formando os CTL+EX+NAC, DM+EX+NAC, CTL+SE+NAC e DM+SE+NAC. Nestes animais será avaliada a função renal, proteinúria, estresse oxidativo e NO. Em seguida os rins serão retirados e os receptores purinérgicos analisados através de imunohistoquímica. (AU)

Ventilação oscilatória de alta frequência atenua lesão pulmonar oxidativa em modelo de lesão pulmonar aguda em coelhos

Beneficiário:José Roberto Fioretto
Instituição: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:José Roberto Fioretto
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:11/13858-8
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 29 de fevereiro de 2012
Assunto(s):AntioxidantesEstresse oxidativoLesão pulmonar aguda
Resumo
Ventilação mecânica (VM) pode induzir o estresse oxidativo pulmonar, que desempenha um papel importante na lesão pulmonar. Este estudo compara a ventilação mecânica convencional protetora (VMC) e ventilação oscilatória de alta freqüência (VOAF) quanto a oxigenação, estresse oxidativo, lesão pulmonar inflamatória e histopatológica em um modelo de lesão pulmonar aguda (LPA) em coelho. Coelhos (n = 30) foram ventilados em FiO2 1,0. A lesão pulmonar foi induzida pela infusão traqueal de solução salina (30 mL/kg, 38oC). Animais foram aleatoriamente designados para os grupos: (a) sham-controle (GC: volume corrente [VC] 6mL/kg, pressão expiratória final positiva [PEEP] 5 cmH2O, freqüência respiratória [RR] 40 ipm); b) LPA + VMC (GVMC: VC 6 mL/kg,PEEP 10 cmH2O, FR 40 ipm) e c) LPA + VOAF (GVOAF: pressão média de vias aéreas [Paw] 14 cmH2O, FR 10 Hz) . Estresse oxidativo pulmonar foi avaliado pela capacidade antioxidante total, a resposta inflamatória pelo número de leucócitos polimorfonucleares no lavado broncoalveolar e o dano histológico pulmonar foi quantificado por um escore. Parâmetros ventilatórios e hemodinâmicos registrados a cada 30 min. Ambos os grupos com LPA mostraram pior oxigenação após a indução da lesão pulmonar. Após quatro horas de ventilação, GVOAF mostrou melhor oxigenação (PaO2 - GC: 465,9±30,5 = GVOAF: 399,1±98,2 > GVMC: 232,7±104 mmHg; p< 0,05) e respostas inflamatórias (GVMC: 4,27±1,50 > GVOAF: 0,33±0,20 = GC: 0,16±0,15; células polimorfonucleares/fluido de lavado broncoalveolar/pulmão, p< 0,05), escore de lesão histopatológica menor (GVMC: 5 (1-16) > GVOAF: 1 (0-5) > GC: 0 (0-3); p< 0,05) e estresse oxidativo pulmonar menor do que GVMC (GC: 59,4±4,52 = GVOAF: 69,0±4,99 > GVMC: 47,6±2,58 % proteção/g proteína, p< 0,05). Este estudo mostrou que VOAF apresentou importantes efeitos protetores contra a oxidação na LPA. Melhorou a oxigenação, o processo inflamatório e reduziu danos histopatológicos, e atenuou a lesão pulmonar oxidativa comparadocom VMC protetora sob estas condições experimentais, considerando as limitações do estudo. (AU)

Tratamento in vivo e in vitro com bloqueador de cálcio e antioxidante em camundongos mdx

Beneficiário:Elaine Minatel
Instituição: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elaine Minatel
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Anatomia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:11/02474-4
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de agosto de 2013
Assunto(s):Bloqueadores dos canais de cálcioAntioxidantes
Resumo
O camundongo mdx, modelo experimental da distrofia muscular de Duchenne, tal como os pacientes distróficos, apresenta alteração nos níveis de cálcio intracelular e aumento do estresse oxidativo. Tratamentos com antioxidantes e bloqueadores de canais de cálcio têm apresentado resultados positivos na diminuição da mionecrose nas fibras musculares distróficas. No presente trabalho analisaremos os efeitos "in vivo e in vitro" da associação do bloqueador de cálcio Nifedipina com o antioxidante Coenzima Q10 sobre o processo de degeneração muscular em camundongos mdx. (AU)

Análise da mobilidade mitocondrial em células vivas do hipocampo, substância negra e Locus coeruleus anterior à agregação protéica envolvida em neurodegeneração

Beneficiário:Stephanie Alves Martins
Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Merari de Fátima Ramires Ferrari
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:11/05576-2
Vigência: 01 de agosto de 2011 - 31 de julho de 2013
Resumo
A mitocôndria participa da regulação homeostática das células eucarióticas sendo que sua disfunção pode levar ao desencadeamento da morte celular. Alteração do tráfego dessas organelas pode levar ao aumento do estresse oxidativo, privação de energia, deficiência da comunicação intercelular e neurodegeneração. Há evidências de que alterações do tráfego mitocondrial antecedem a morte neuronal associada à agregação proteica. Esses agregados podem ser encontrados em todo o sistema nervoso central e estão envolvidos com a neurodegeneração relacionada ao envelhecimento ou às doenças neurodegenerativas como o mal de Alzheimer, a doença de Parkinson, a Esclerose Lateral Amiotrófica, a doença de Huntington, dentre outras. Portanto, conhecer a relação entre o tráfego de mitocôndrias e a formação de agregados protéicos pode ser um passo importante para o melhor entendimento dos mecanismos da neurodegeneração, sua possível terapia reversiva e até mesmo para a prevenção da morte neuronal uma vez que os primeiros sintomas, relacionados ao mau funcionamento da comunicação celular, sejam identificados precocemente. Com isso, o objetivo do presente estudo é analisar a mobilidade das mitocôndrias em cultura de células do hipocampo, substância negra e locus coeruleus após tratamento com rotenona que é um agente importante na agregação de proteínas, utilizando técnicas de marcação das mitocôndrias em células vivas. (AU)
Página 10 de 1.589 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP