site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas voltados a Temas Específicos
Programas de Pesquisa direcionados à Aplicação
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
Página 10 de 1.969 resultado(s)
|

Efeitos neuroprotetores do Edaravone na hidrocefalia experimental induzida em ratos wistar

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Helio Rubens Machado
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:13/04130-6
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de janeiro de 2015
Assunto(s):Fármacos neuroprotetoresHidrocefaliaNeurocirurgiaAstrócitos
Resumo
A hidrocefalia é usualmente definida como uma deficiência no fluxo ou absorção do líquido cefalorraquidiano, resultando em uma dilatação no sistema ventricular e aumento da pressão intracraniana. O tratamento da hidrocefalia usualmente utilizado é cirúrgico, com derivações liquóricas. Entretanto, nem todos os pacientes com hidrocefalia podem ser submetidos ao tratamento cirúrgico imediatamente após o diagnóstico, seja por apresentarem condições clínicas desfavoráveis ou por apresentarem ainda dilatação ventricular inicial. Apesar das lesões da hidrocefalia ser de caráter multifatorial, sabe-se que o estresse oxidativo é um dos mecanismos envolvidos. O Edaravone é uma droga que atua sobre o estresse oxidativo e foi introduzida recentemente no tratamento de isquemia cerebral, mas ainda não foi testada na hidrocefalia. O objetivo deste trabalho será avaliar a resposta neuroprotetora do Edaravone na hidrocefalia experimental em ratos Wistar jovens, Ratos machos com 7 dias de vida receberão uma injeção de caulim a 15% na cisterna magna, para a indução da hidrocefalia. Os animais serão divididos em três grupos: controle sem injeção de caulim (n = 10), hidrocefálico sem tratamento (n=20), hidrocefálico tratado com Edaravone (2mg/kg/dia), a partir do dia pós-indução (n=20). Para avaliação da resposta ao tratamento serão realizados testes de comportamento (open field e labirinto em T), ressonância magnética de encéfalo, além de estudos bioquímicos, histológicos e imunoistoquímicos. Os resultados deste trabalho podem indicar um potencial tratamento alternativo ou adjuvante em pacientes com hidrocefalia. (AU)

"avaliação da instabilidade genômica, estresse oxidativo e modulação da expressão gênica pela Vitamina D em modelo de ratos espontaneamente hipertensos"

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lusânia Maria Greggi Antunes
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:12/04325-9
Vigência: 01 de junho de 2013 - 30 de novembro de 2015
Assunto(s):Vitamina DNutrigenômicaEnsaio cometa
Resumo
Nos últimos anos, nosso grupo tem focado na linha de pesquisa em Nutrigenômica, com o objetivo de associar tecnologias "ômicas" aos estudos citogenéticos e bioquímicos para uma maior compreensão dos mecanismos de ação dos componentes da dieta na promoção da saúde. Dietas desbalanceadas, desde deficiências ao excesso de consumo de micronutrientes, macronutrientes ou suplementos alimentares, podem alterar o metabolismo e potencializar o surgimento de doenças crônicas como o câncer, o diabetes e as doenças cardiovasculares. Um dos micronutrientes essenciais, a vitamina D recentemente vem sendo associada ao desenvolvimento de doenças endócrinas e cardiovasculares e à regulação da expressão de genes envolvidos na produção da renina no fígado e proliferação de células do músculo cardíaco e vasculares. A vitamina D é sintetizada na pele após exposição à radiação UV e obtida na dieta após o consumo de peixes como o salmão, a sardinha e a cavala, e de alimentos enriquecidos com a vitamina D, como o leite e os derivados lácteos. A deficiência dessa vitamina está presente em 30-50% da população, e estudos epidemiológicos têm revelado uma associação entre dietas deficientes em vitamina D e uma elevação na pressão arterial. A vitamina D tem influência na ativação do sistema renina-angiotensina-aldosterona, um eixo endócrino envolvido na manutenção da estabilidade hemodinâmica, e o principal regulador da pressão arterial. Considerando que a hipertensão é um fator de risco para o desenvolvimento de doenças que acometem os sistemas cardíaco, renal e vascular periférico, que a vitamina D desempenha um importante papel na fisiologia cardiovascular e que a modulação da expressão de genes relacionados à hipertensão pela vitamina D é pouco conhecida, a proposta deste projeto é avaliar o efeito de dietas deficiente ou suplementada com vitamina D sobre a modulação da expressão de genes relacionados à hipertensão arterial pela técnica de "RT2 Profiler PCR Array" em coração e rins de ratos adultos espontaneamente hipertensos (SHR- spontaneously hypertensive rats) e normotensos da linhagem Wistar Kyoto (WKY). Adicionalmente, avaliar alterações na pressão arterial e histologia de rins, a instabilidade genômica em coração, rins, fígado, medula óssea e sangue periférico por meio do ensaio cometa e teste do micronúcleo, os marcadores bioquímicos do estresse oxidativo pelos ensaios de dano oxidativo em neutrófilos isolados de sangue, determinação das substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico e dosagem da glutationa, e a quantificação do metabólito 25-hidroxi-vitamina D3 no plasma. (AU)

Participação do sistema canabinoide nos processos oxidativo e inflamatório relacionados à neurodegeneração in vitro

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Andréa da Silva Torrão
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/02916-2
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de dezembro de 2014
Assunto(s):CanabinoidesDoença de ParkinsonEstresse Oxidativo
Resumo
O sistema canabinoide tem sido implicado como um importante sistema de neuromodulação em diversos modelos experimentais de lesão neuronal tanto do tipo agudo como crônico, onde muitos estudos sugerem sua ação neuroprotetora. A doença de Parkinson (DP), caracterizada pela perda de neurônios dopaminérgicos na substância negra, tem ainda sua etiologia desconhecida. Apesar disso, vários fatores parecem estar envolvidos como disfunções mitocondriais, estresse oxidativo, e neuroinflamação. Os estudos sobre as relações do sistema canabinoide e a DP, no entanto, ainda são muito controversos, em parte porque os dados da literatura relacionados ao possível papel neuroprotetor do sistema canabinoide ainda são incipientes. Os objetivos gerais do presente projeto são o de investigar a participação do sistema canabinoide em um modelo in vitro de neurodegeneração, onde avaliaremos os parâmetros de estresse oxidativo e de neuroinflamação, como forma de entender a contribuição de cada um deles para a progressão das doenças neurodegenerativas de modo geral e em especial a DP, bem como do papel do sistema canabinoide. Para isso, usaremos uma linhagem de neuroblastoma que será diferenciada em células dopaminérgicas e tratadas com diferentes indutores de dano neuronal como 6-OHDA, H2O2 e LPS, conjugados ao tratamento com agonista e antagonista canabinoides. Serão avaliados parâmetros de viabilidade celular além de proteínas marcadoras de estresse oxidativo, morte e sobrevida neuronal, por métodos enzimáticos, de Western blot, imuno-citoquímica e PCR. (AU)

Danos no DNA nuclear e mitocondrial em gestantes e recém-nascidos com hiperglicemia de intensidade variada

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Iracema de Mattos Paranhos Calderon
Supervisor no Exterior: Ronald Paul Mason
Local de pesquisa: National Institute of Environmental Health Sciences (NIEHS) (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Processo:12/23296-0
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de agosto de 2013
Resumo
Os processos oxidativos, mediados por radicais livres e o aumento de danos gerais de DNA mostraram-se diretamente dependentes da intensidade da hiperglicemia materna, refletida no meio intrauterino. O objetivo desse estudo é avaliar danos no DNA nuclear e mitocondrial de gestantes e recém-nascidos com diferentes níveis de hiperglicemia. As gestantes seão submetidas ao teste de tolerância à glicose de 75g (GTT-75g) e perfil glicêmico (PG) entre a 24 e 28 semanas da gestação. De acordo com os resultados, as gestantes serão classificadas nos grupos de estudo: não diabéticas [ND, GTT-75g e PG normais], hiperglicemia gestacional leve [HGL, GTT-75g normal e PG alterado], diabete melito gestacional [DMG; GTT-75g alterado durante a gravidez] e diabete melito tipo 2 [DM2; GTT-75g alterado antes da gravidez]. O controle glicêmico materno será avaliado pelos níveis de HbA1c (cromatografia HPLC) e a média glicêmica dos PG de diagnóstico e tratamento. Os danos de DNA serão avaliados por -specified PCR (QPCR). A hipótese deste projeto é que gestantes portadoras de diabete, gestacional ou clínico, e de hiperglicemia gestacional leve, apresentem hiperglicemia e estresse oxidativo e, em decorrência, níveis elevados de lesões no DNA nuclear e mitocondrial. São esperados os mesmos resultados nos RN dessas gestantes devido a presença da hiperglicemia e hipóxia no meio intrauterino. (AU)

Papel da adiposidade sobre a inflamação, oxidação e adipocitocinas na neoplasia mamária

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Nágila Raquel Teixeira Damasceno
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:13/10618-1
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de janeiro de 2014
Vinculado ao auxílio:10/19207-6 - Papel da adiposidade sobre a inflamação, oxidação e adipocitocinas na neoplasia mamária, AP.R
Assunto(s):Nutrição humanaEstresse oxidativoNeoplasias mamáriasObesidade
Resumo
A prevalência do câncer tem aumentado nas últimas décadas e, desse modo, as neoplasias permanecem um grave problema de saúde pública mundial. Entre os diferentes tipos de neoplasia, o câncer de mama representa, mundialmente, a segunda forma mais comum. No Brasil foram estimados para 2010 e 2011 quase 50 mil novos casos de neoplasia mamária. A etiologia do câncer de mama poderia ser em parte relacionada ao estresse oxidativo onde vários mecanismos promovem reações oxidativas e danos irreversíveis ao DNA. O excesso de peso e tecido adiposo tem importante papel no desenvolvimento do tumor e prognóstico clínico do câncer de mama, por suas característica inflamatórias, oxidativas e endócrinas. Objetivo: Avaliar o papel da adiposidade na inflamação, oxidação e adipocitocinas na neoplasia mamária. Métodos: O projeto consiste de um estudo analítico, observacional, de corte transversal, onde serão avaliados 2 grupos: Grupo 1 (Caso) - mulheres com câncer de mama; e Grupos 2 (Controle) - mulheres sem câncer de mama. Serão elegíveis as pacientes atendidas no departamento de mastologia do Hospital Geral de Fortaleza - HGF (COEP: 050507/10). No grupo 1 serão incluídas as pacientes com estadiamento clínico I, II e III, sem neoplasias associadas, sem tratamento antineoplásico prévio e com índice de karnofsky >70. Para o grupo 2, serão incluídas as pacientes sem diagnóstico de câncer de mama ou qualquer outra neoplasia. Serão coletados em formulário estruturado dados sócio-econômicos e clínicos. Para determinação do estado nutricional serão coletados peso, altura e circunferência da cintura. A avaliação da composição corporal será realizada por impedância bioelétrica. Para análise bioquímica serão colhidos 20ml de sangue após 12h de jejum. Serão avaliados I- Biomarcadores de inflamação (IL6,TNF-alfa, PCR); II- Biomarcadores oxidativos (Malondialdeído-MDA e Dienos Conjugados, Detecção de LDL- e auto-anticorpos anti-LDL-); III - Dano oxidativo ao DNA (8-hydroxy-2'-deoxyguanosine - 8-OHdG); IV - Antioxidantes exógenos (vitaminas antioxidantes) e V - Concentração de adipocitocinas (leptina e adiponectina). Análise de resultados - Os resultados obtidos serão avaliados com o auxílio do programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 15.0. Serão construídos modelos de regressão linear e logística uni e multivariada, onde serão avaliadas as relações entre IMC, CC e percentual de gordura (variáveis independentes) e os parâmetros oxidativos, inflamatórios e adipocitocinas (variáveis dependentes). Além de avaliar a interação entre as variáveis, as mulheres, após estratificação pelo IMC, CC e percentual de gordura, serão comparadas por meio de testes paramétricos (t-Student) ou não paramétricos (Mann-Whitney). A distribuição das variáveis será avaliada por meio do teste de Kolmogorov-Smirnof e o valor de significância considerado será p<0,05. (AU)

Expressão de microRNAs envolvidos na resposta inflamatória em monócitos de pacientes com anemia falciforme com e sem úlceras de perna

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria de Fatima Sonati
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Anatomia Patológica e Patologia Clínica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:12/21116-4
Vigência: 01 de junho de 2013 - 19 de outubro de 2014
Assunto(s):Anemia falciformeHematologiaInflamaçãoMicroRNAs
Resumo
A úlcera de perna é uma complicação debilitante e está associada ao aumento da morbi/mortalidade dos pacientes com anemia falciforme (AF). Entretanto, os avanços no entendimento da fisiopatologia e no tratamento das úlceras tem acontecido de forma lenta. Vários fatores genéticos têm grande importância na modulação do quadro clínico da AF e outros surgem como candidatos a moduladores, como os microRNAs (miRNAs) que são pequenas moléculas de RNA fita simples de 18-22 nucleotídeos, não codificadores de proteínas, que regulam a expressão dos seus genes alvo de maneira pós-transcricional. Existem poucos relatos sobre as funções dos miRNAs nos eventos clínicos da AF. Assim, o presente estudo tem por objetivos determinar o perfil de expressão de miRNAs envolvidos na resposta inflamatória em monócitos de pacientes adultos com AF, acompanhados no HEMOPE, com e sem úlcera de perna e de controles hematologicamente normais; investigar a correlação da expressão desses miRNAs com a referida manifestação clínica; e avaliar o perfil de expressão de genes envolvidos no estresse oxidativo, em reticulócitos desses indivíduos. Além disso, o estudo visa investigar a influência de drogas anti-inflamatórias, em cultura de células THP-1, sobre a expressão dos miRNAs que se apresentarem diferencialmente expressos. O perfil de expressão dos miRNAs e dos genes relacionados ao estresse oxidativo serão avaliados por PCR-Array e os resultados serão validados por PCR quantitativa em tempo real (qPCR). Após análise in silico dos miRNAs diferencialmente expressos, a influência de drogas anti-inflamatórias será avaliada por qPCR e análise protéica apropriada. (AU)

Alterações do metabolismo energético na Doença de Alzheimer sintomática e assintomática

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Psiquiatria Doutor Antonio Carlos Pacheco e Silva (IPq). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Helena Paula Brentani
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:13/01548-0
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de maio de 2015
Assunto(s):Doença de AlzheimerDoenças neurodegenerativasReserva cognitivaMetabolismo energético
Resumo
A doença de Alzheimer (DA) é caracterizada por um declínio cognitivo progressivo associado ao acúmulo de peptídeo ²-amilóide (placas neuríticas), da proteína tau hiperfosforilada (emaranhados neurofibrilares), degeneração sináptica e morte neuronal no hipocampo e em outras regiões corticais. Estudos têm observado que a DA apresenta um hipometabolismo energético e uma bioenergética mitocondrial comprometida, associado ao aumento do estresse oxidativo. Recentemente, tem sido observado que neurônios podem sofrer uma troca no perfil metabólico, com a mudança da respiração mitocondrial (fosforilação oxidativa) para um perfil de glicólise aeróbica, como um mecanismo compensatório para a produção de energia e de metabólitos intermediários necessários produção de biomassa, além da diminuição do estresse oxidativo. Entretanto, os mecanismos moleculares dessa troca metabólica são pouco entendidos nas células nervosas e ainda não foram estudados em indivíduos portadores da neuropatologia da DA, mas que não apresentam evidências de comprometimento cognitivo (DA assintomática). Diante disso, este trabalho pretende verificar se existe diferença entre indivíduos com DA sintomática, DA assintomática e indivíduos normais em relação ao metabolismo energético. (AU)

Papel do ânion superóxido na regulação de componentes do ciclo da metionina durante a transformação maligna de melanócitos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Miriam Galvonas Jasiulionis
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/05946-0
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de dezembro de 2013
Assunto(s):MelanomaMetilação de DNAMelanócitos
Resumo
Em 2006, nosso grupo descreveu um modelo in vitro de transformação maligna de melanócitos induzido pelo bloqueio do contato de melanócitos com seu substrato. Neste modelo, diversas alterações foram encontradas nas células transformadas, entre elas o aumento de espécies reativas de oxigênio e alterações no padrão de metilação do DNA. Sabe-se que as espécies reativas de oxigênio têm suas concentrações reguladas na célula por moléculas antioxidantes, das quais a de maior importância é a glutationa. Por outro lado, para a metilação do DNA é necessário a presença da molécula S-adenosilmetionina (SAM), doadora universal dos radicais metila para as reações de metilação da célula. Tanto a GSH quanto a SAM estão envolvidas no ciclo da metionina, sendo a primeira produto final da via de transulfuração, e a segunda, um intermediário da via de transmetilação da homocisteína. Com esta associação, é consistente a alteração nos níveis de moléculas do ciclo da metionina, como SAM e a metionina, em situações de estresse oxidativo, observadas em diversos trabalhos, já que a GSH está em constante demanda e desloca a reação para sua produção. Diante desses dados, objetivamos com este trabalho dosar os níveis das moléculas intermediárias do ciclo da metionina no modelo de transformação maligna de melanócitos associado à condição sustentada de estresse (bloqueio de adesão ao substrato). (AU)

O papel da heme oxigenase-1 na leishmaniose visceral canina

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina Veterinária (FMVA). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araçatuba. Araçatuba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Valéria Marçal Felix de Lima
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/06068-6
Vigência: 01 de junho de 2013 - 29 de fevereiro de 2016
Assunto(s):Imunologia veterináriaEstresse oxidativoCãesHeme
Resumo
A Leishmaniose Visceral (LV) no homem é uma doença crônica e freqüentemente fatal se não tratada e está em franca expansão com avanço também no estado de São Paulo, em regiões com características urbanas como Araçatuba. Segundo a Secretária de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo, a doença está em expansão com alta taxa de mortalidade, sendo que a região de Araçatuba concentra o maior número de casos do estado. A LV canina constitui um grave problema de Saúde Pública, pois os cães infectados são potentes transmissores do parasito para humanos através do vetor flebotomínio, e a doença canina é mais prevalente que a doença humana, normalmente os casos caninos precedem os casos humanos. O cão é, portanto, um alvo importante nas medidas de controle. A progressão da doença canina é acompanhada por falha na imunidade celular e produção de citocinas que suprimem a função dos microbicida dos macrófagos, a supressão das células T é bem documentada, porém os mecanismos que levam a falha na reposta imunológica são pouco conhecidos. Recentemente o envolvimento da enzima heme oxigenase-1 (HO-1) na leishmaniose visceral foi relatado; em modelo experimental a sua expressão modula a resposta imunológica e parece estar envolvida com a suscetibilidade a infecção. Além da sua função imunoreguladora a HO-1 é uma enzima que degrada o heme, um agente pró-oxidante proveniente da hemoglobina liberada durante o rompimento das hemácias, assim a enzima atua como agente antioxidante no organismo. Na leishmaniose visceral canina o metabolismo oxidativo encontra-se alterado, o que sugere o envolvimento da enzima na resposta imunológica, além disso, resultados preliminares mostraram maior concentração plasmática da enzima em cães infectados comparado a saudáveis. A fim de avaliar a importância da HO-1 na resposta imunológica dos cães com leishmaniose visceral, serão utilizados 10 cães controles e 20 cães infectados, os teores plasmáticos e esplênicos da enzima serão avaliados e tais parâmetros correlacionados com a presença de IL-10 no baço e com marcadores de estresse oxidativo, bem como as substâncias associadas ao metabolismo do heme. Ensaios in vitro serão realizados para determinar o efeito da HO-1 sobre a taxa proliferação de linfócitos Ag específica, a taxa de infecção por Leishmania spp. em macrófagos saudáveis, bem como a produção de citocinas nessas condições, a carga parasitária esplênica será correlacionada a expressão da enzima. Devido à importância do cão no ciclo urbano da doença, o conhecimento dos mecanismos imunopatológicos da doença pode ser útil para aprimorar medidas de controle. (AU)

Papel do sistema antioxidante e influência do gênero na capacidade de desenvolvimento in vivo de embriões iniciais em diferentes modelos de diabete experimental

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Débora Cristina Damasceno
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/17275-0
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de maio de 2016
Assunto(s):Diabetes gestacionalDiabetes mellitusHiperglicemiaEstresse oxidativoEmbriogêneseAnormalidades congênitas
Resumo
Gestantes diabéticas apresentam taxas de malformações congênitas e morbimortalidade perinatal cinco vezes maior que gestantes não diabéticas. O metabolismo energético anormal associado à hiperglicemia altera a embriogênese inicial, podendo afetar o futuro crescimento e desenvolvimento embriofetal. Assim, acredita-se que as repercussões do diabete com efeito a curto, médio e longo prazo podem ser decorrentes do insulto causado pela hiperglicemia materna em períodos iniciais do desenvolvimento. Como a hiperglicemia induz aumento na produção de estresse oxidativo, nós pretendemos avaliar se alterações no desenvolvimento embrionário in vivo estão relacionadas como o sistema antioxidante de defesa imaturo em conjunto com a sensibilidade gênero-específica, para esclarecer se esses mecanismos estão envolvidos na sobrevivência do embrião inicial e/ou se contribuem para o aparecimento de embriopatias e outras repercussões a curto, médio e longo prazo nos fetos expostos ao ambiente diabético. Muitos estudos foram desenvolvidos em nosso laboratório para avaliar as repercussões do diabete nos resultados perinatais. A partir de parcerias com outros pesquisadores pretendemos utilizar novas ferramentas metodológicas para avançar a compreensão sobre os mecanismos fisiopatológicos envolvidos nas repercussões embriofetais. Nesse caso, os possíveis mecanismos de sobrevivência do embrião inicial serão avaliados através da utilização de probes moleculares e da técnica de bipartição de mórulas, para estabelecer um padrão exato da resposta do hemi-embrião ao estresse oxidativo exacerbado pelo diabete, a técnica de reimplantação de outro hemi-embrião em fêmeas receptoras para avaliar o envolvimento do sistema antioxidante na capacidade de implantação e de desenvolvimento no ambiente hiperglicêmico. (AU)

Papel da proteína dissulfeto isomerase na geração de espécies reativas de oxigênio pela NADPH oxidase durante o desenvolvimento da hipertensão arterial

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lucia Rossetti Lopes
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Cardiorenal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:13/03520-5
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de maio de 2015
Assunto(s):HipertensãoEspécies de oxigênio reativasEstresse oxidativoNADPH oxidaseIsomerases de dissulfetos de proteínas
Resumo
Espécies reativas de oxigênio (EROs) desempenham papel fundamental como mediadores da sinalização fisiológica e patológica contribuindo para as alterações estruturais e funcionais observadas nas doenças vasculares. Doenças como hipertensão arterial são associadas a alterações vasculares mediadas por EROs tais como alteração do tônus vascular, remodelamento e inflamação. Diversos estudos demonstram que a angiotensina II (Ang II) participa efetivamente no desenvolvimento das patologias do sistema vascular. Estudos demonstram que o uso de antagonistas do receptor AT1 não só melhoram o estado clínico dos pacientes, mas, diminuem o remodelamento, melhoram a função endotelial, reduzem o tônus vasomotor, diminuem a inflamação e a ativação de circuitos patológicos em células musculares lisas vasculares. Estudos clínicos, no entanto, sugerem que o uso de antioxidantes tais como vitaminas ou drogas não são capazes de diminuir a incidência de doenças cardiovasculares. Neste contexto, acreditamos que novas estratégias de prevenção de doenças cardiovasculares devem focar na inibição de enzimas geradoras de EROs, principalmente a NADPH oxidase vascular. Recentemente o nosso grupo identificou a proteína dissulfeto isomerase (PDI), uma ditiol dissulfeto tiol oxidoredutase, chaperona do retículo plasmático como uma proteína capaz de se associar e regular a ativação da NADPH oxidase vascular. Nossos estudos mostraram que intervenções capazes de antagonizar a PDI promoveram uma redução na geração de EROs pela NADPH oxidase em resposta a Ang II. Demonstramos que a PDI é capaz de se associar as subunidades da NADPH oxidase incluindo p22phox, nox1, nox4, nox2 em células vasculares e em células HEK 293 transfectadas com as isoformas da Nox. Estudos recentes do nosso grupo demonstraram ainda que a super expressão de PDI em células musculares lisas vasculares da aorta de coelho (RASM) provoca um aumento da geração de EROs e da expressão de Nox1, sugerindo uma estreita relação entre a expressão de PDI e esta isoforma da NADPH oxidase. EROs tem um papel fundamental na modulação do tônus vascular atuando como segundo mensageiros de vias que regulam o aumento da concentração de cálcio intracelular e também ativando vias sensíveis a cálcio, tais como RhoA/Rho kinase resultando em maior acoplamento actina/miosina e contração. O papel da PDI na modulação da geração de EROs pela NADPH oxidase e suas implicações na reatividade vascular a Ang II na hipertensão arterial permanece desconhecido. O presente projeto tem como objetivo investigar o papel da PDI na reatividade vascular e na geração de EROs pela NADPH oxidase em artérias de resistência durante o desenvolvimento da hipertensão arterial. O entendimento do papel da PDI no estresse oxidativo e disfunção vascular associados a hipertensão arterial pode fornecer novas formas de intervenção terapêutica no controle desta patologia. (AU)

Efeito da suplementação de selênio, vitamina e e óleo de canola em bovinos confinados sobre a expressão gênica, qualidade da carne e sistema imune

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA). Universidade de São Paulo (USP). Pirassununga, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Arlindo Saran Netto
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Produção Animal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/50659-6
Vigência: 01 de junho de 2013 - 31 de maio de 2015
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: CNPq - Programa Primeiros Projetos
Assunto(s):NutrigenômicaSistema imuneSelênioVitamina EÓleos vegetaisAntioxidantes
Resumo
Sendo a conversão metabólica dos componentes da dieta um mecanismo de controle para a expressão gênica e imunocompetência, o presente estudo objetiva avaliar a interação dos nutrientes selênio, vitamina E e óleo de canola com a atividade das glutationas peroxidases; expressão gênica das glutationas peroxidase 1 e 4, redutase, sintetase, fator nuclear eritróide Nrf2, delta-9-dessaturase, SREBP-1c e HMG-CoA redutase e o estresse oxidativo e citotoxicidade mediada pelas células natural "killer" Quarenta e oito bovinos Nelore alocados em calan gate nas dependências do Departamento de Zootecnia da FZEA-USP Pirassununga, SP serão divididos em 4 grupos: Controle (C): dieta base; Controle + Antioxidantes (C+A): 2,5mg Se e 500 UI de Vitamina E /Kg de MS; Controle + óleo (C+O): adição de 3% de óleo de canola/Kg de MS; Óleo + Antioxidantes (O+A): adição de 3% de óleo de canola, 2,5mg Se e 500 UI de Vitamina E/Kg de MS. Serão realizadas 4 pesagens e coletas de sangue após jejum completo de 12 horas na semana basal (0), 4, 8 e 12 para avaliar, respectivamente, o ganho de peso e os valores de glicose, colesterol total e frações, triglicérides, selênio, vitamina E, estresse oxidativo e atividade das células natural "killer". Ao final, os bovinos serão abatidos e amostras de fígado, músculo e tecido adiposo subcutâneo coletadas para análises de Se, vitamina E, TBARS, perfil de ácidos graxos, atividade e expressão gênica de glutationas, Nrf2, delta-9-dessaturase, SREBP-1c e HMG-CoA redutase. O delineamento será inteiramente casualizado e os dados serão analisados pelo PROC SAS a de 5% de significância. (AU)

5Exposição à poluição de origem veicular, exercício físico e efeitos na proteína CC16, na coagulação e na função renal em adultos jovens

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ubiratan de Paula Santos
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/23141-6
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2015
Assunto(s):Doença pulmonar (especialidade)Poluição ambientalExercício físicoPoluição do arBronquíolos
Resumo
Inúmeros estudos evidenciam o efeito da poluição do ar na saúde humana. A OMS estima em cerca de 1,15 milhão o número óbitos por ano em todo o mundo associados aos efeitos da exposição à poluição do ar ambiental ou externa. Os poluentes inalados podem produz alterações inflamatórias e estresse oxidativo pulmonar e sistêmico responsáveis pelos efeitos observados, tanto agudos como crônicos. Estudos têm evidenciado que a poluição está associada a alterações cardiovasculares, como contração da artéria pulmonar e braquial após exposição aguda, alterações na pressão arterial e na variabilidade da frequência cardíaca e alterações respiratórias levando à inflamação e hiperresponsividade brônquica. Entretanto ainda são pouco compreendidos os mecanismos envolvidos nos efeitos observados. Além de ainda não bem esclarecidos, também são em menor número os estudos que avaliam os efeitos da poluição em outros órgãos, como, por exemplo, nos rins. Apesar de existirem evidências clínicas e experimentais de que o tabagismo provoca alterações renais funcionais e estruturais, o efeito da poluição sobre o rim é pouco estudado. Os indivíduos quando realizam exercício em ambiente poluído, inalam maior quantidade de poluentes que podem causar efeitos agudos na função pulmonar em indivíduos sadios e nos com morbidades respiratórias crônicas. Por outro lado o exercício, a depender da intensidade, também pode levar à alterações hidroeletrolíticas e musculares que podem alterar a função ou a estrutura renal. Vários mecanismos biológicos têm sido propostos para o efeito em curto prazo da exposição ao ar poluído em eventos cardiovasculares. Um dos mecanismos envolve inflamação das vias aéreas e stress oxidativo, resultando em inflamação sistêmica, indicado por alterações no sistema de defesa antioxidantes, aumentos dos níveis de citocinas, de marcadores de stress oxidativo, de neutrófilos e outras células brancas do sangue. Será que a realização de exercícios em ambientes poluídos exerce alguma influência patológica na função renal? Por outro lado, existem evidências de que a exposição à poluição do ar aumenta a secreção de proteínas CC16 pelas células Claras (células não ciliadas presentes no epitélio bronquiolar). Ao lado da secreção aumentada de CC16 parece haver uma ruptura da integridade da barreira epitelial facilitando sua passagem para a circulação sistêmica, e elevando seus níveis no sangue e, pela excreção, na urina. Se este mecanismo de alteração da integridade da barreira epitelial alveolar estaria também associado à translocação de partículas para a circulação sistêmica, ainda é um fato que precisa ser esclarecido. (AU)

Envolvimento de inflamassomo e autofagia na fisiopatologia da pré-eclâmpsia

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Terezinha Serrão Peraçoli
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/24697-8
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2016
Assunto(s):Pré-eclâmpsiaPlacentaLinfócitos TInflamassomosAutofagiaFatores de transcriçãoCitocinasMonócitos
Resumo
A pré-eclampsia (PE) é uma patologia obstétrica que incide entre 3% e 8% das gestações e destaca-se como uma das principais causas de morbidade e mortalidade tanto materna como fetal. A literatura sugere que a PE se caracteriza por um estado de má adaptação da tolerância imunológica na interface materno-fetal, determinando baixo fluxo sanguíneo uteroplacentário que resulta em hipóxia/isquemia placentária, estresse oxidativo e restrição de crescimento fetal. No plasma de gestantes portadoras de PE, níveis elevados de estruturas moleculares associadas ao estresse e morte celular, denominados padrões moleculares associados ao dano (DAMPs) como, proteína de choque térmico (Hsp70), HMGB1 (high mobility group box 1), Hialuronan (HA) e Ácido Úrico, parecem contribuir diretamente para a patogênese dessa doença. Essas DAMPs ligam-se a receptores Toll-like (TLR) e Nod-like (NLR), presentes em células da imunidade inata, podendo ativar um complexo intracelular denominado inflamassomo, uma estrutura multi-protéica, importante para o processamento e liberação de interleucina-1 (IL-1b) e IL-18. Essas citocinas são potentes mediadores inflamatórios e importantes na ativação da resposta imune adaptativa, sendo responsáveis pela diferenciação de células T em Th17 e Th1, respectivamente. A autofagia é uma via de degradação lisossomal que remove agregados proteicos e organelas danificadas mantendo a integridade celular, que pode estar comprometida em gestantes portadoras de PE, devido à presença de lesões placentárias causadas por hipóxia/isquemia. Considerando que a geração de inflamassomo está relacionada com resposta inflamatória intensa e que a autofagia pode modular o processo inflamatório, contribuindo para a manutenção da homeostase intracelular, o presente projeto tem como objetivos: 1) determinar a presença de inflamassomo NLRP3 e a ocorrência de autofagia em placenta de gestantes portadoras de PE; 2) Determinar a concentração das DAMPs (Hsp70, HMGB1, Hialuronan e Ácido Úrico) no plasma de gestantes portadoras de pré-eclâmpsia; 3) Avaliar o estado de ativação, endógena e induzida pelas DAMPs (Hsp70, hialuronan e urato monossódico), em monócitos dessas pacientes, pela identificação da presença de inflamassomo NLRP3 e sua associação com a produção de IL-1beta, fator de necrose tumoral-alfa (TNF-alfa e IL-18 nessas células; 4) Avaliar o envolvimento das subpopulações de células T (Th1, Th2, Treg e Th17) pela análise do perfil de citocinas e fatores de transcrição produzidos por essas subpopulações celulares; 5) Correlacionar a ativação do inflamassomo com o perfil das subpopulações de células T. (AU)

Associação entre estresse oxidativo, inflamação e manifestações sistêmicas em tabagistas e pacientes com DPOC leve e moderado

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Irma de Godoy
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/22321-0
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2015
Assunto(s):Doença pulmonar (especialidade)Doença pulmonar obstrutiva crônicaHábito de fumarEstresse oxidativoMediadores da inflamaçãoProdutos Finais de Glicosilação
Resumo
Introdução: Evidências na literatura mostram que o estresse oxidativo e a inflamação sistêmica ocorrem em tabagistas e em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) leve/moderado. Comorbidades, desnutrição, diminuição da massa magra, disfunção muscular são alterações prevalentes e com consequências adversas na capacidade funcional de exercício, estado geral de saúde e prognóstico dos pacientes com DPOC. Entretanto, poucos estudos avaliaram a associação entre marcadores de estresse oxidativo, como o produto final de glicação avançada (AGE) e o receptor de produtos finais de glicação avançada (RAGE) e a influência da ligação AGE/RAGE sobre o desenvolvimento da atividade inflamatória em tabagistas e em pacientes com DPOC leve/moderado. Objetivos: Avaliar a associação entre estresse oxidativo e estado inflamatório. Além disso, avaliar as relações entre força muscular, massa muscular sistêmica, capacidade funcional de exercício, estado geral de saúde, estresse oxidativo e inflamação sistêmica em tabagistas, pacientes com DPOC leve/moderado e controles não tabagistas. Indivíduos e Métodos: Serão avaliados 32 tabagistas ativos (carga tabágica >10 anos/maço) sem DPOC e 32 tabagistas ativos (carga tabágica >10 anos/maço) ou ex-tabagistas com DPOC leve/moderado de ambos os gêneros, selecionados de forma consecutiva, entre aqueles que fazem acompanhamento no Ambulatório de Pneumologia e Ambulatório de Cessação do Tabagismo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu. Trinta e dois indivíduos não tabagistas constituirão o grupo controle do estudo. Todos os indivíduos serão submetidos à avaliação clínica e do estado tabágico, avaliação laboratorial, espirometria pré e pós-broncodilatador, oximetria de pulso e as concentrações de mediadores inflamatórios e indicadores de estresse oxidativo serão avaliadas no sangue periférico. Será realizada avaliação da composição do corpo, da força muscular periférica, da capacidade funcional de exercício (teste de caminhada de seis minutos) e da avaliação do estado geral de saúde, por meio do Medical Outcomes Study 36-item Short-Form Health Survey (SF-36) e da Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HAD). Análise Estatística: Análise de variância (ANOVA) será utilizada para comparação das características demográficas e gerais (espirometria, massa magra do corpo, força muscular periférica e capacidade funcional de exercício) entre tabagistas, DPOC leve/moderado e controles sadios. Análise de regressão múltipla será utilizada para avaliar as associações entre cada uma das variáveis dependentes (força muscular periférica, capacidade funcional de exercício e qualidade de vida) e a massa magra do corpo e o estado inflamatório sistêmico nos três grupos de estudo isolados e agrupados. As equações serão ajustadas para possíveis variáveis confundidoras e a colinearidade será evitada por meio de exclusão de uma das variáveis que apresentem correlação entre si. O nível de significância será estabelecido em 5%. Será utilizado o pacote estatístico "R version" 2.6.1 (Inc, Boston, MA, USA). (AU)

Caracterização funcional e molecular de proteínas potencialmente relacionadas a fitopatogenicidade da bactéria formadora de biofilme Xylella fastidiosa

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética (CBMEG). Coordenadoria de Centros e Núcleos Disciplinares (COCEN). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Anete Pereira de Souza
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitossanidade
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/51580-4
Vigência: 01 de maio de 2013 - 31 de julho de 2015
Assunto(s):Doenças de plantasClorose variegada dos citrosCitriculturaXylella fastidiosaExpressão gênicaGenomasRegulação gênica
Resumo
Com o sequenciamento do genoma da bactéria Xylella fastidiosa linhagem 9a5c, houve um grande aumento de informações relacionadas à sua fisiologia e patogenia, porém muitas das proteínas identificadas na análise de seu genoma ainda não apresentam funções preditas, sendo classificadas como proteína hipotética ou de função desconhecida. Desta forma, este projeto visa avaliar as funções biológicas das proteínas identificadas em projetos de sequenciamento para a elucidação dos processos de patogenicidade. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo caracterizar funcionalmente sete proteínas denominadas: ycjZ (ORF Xf1480), operon do sistema toxina-antitoxina (Xf2162 e Xf2163), TolC (ORF Xf2255), VirJ (ORF Xf0617 e Xf 2329) e a VapD (ORF Xfb0051). A primeira apresenta alta similaridade com membros da família de reguladores transcricionais do tipo LysR (LTTR), que participam na regulação de genes envolvidos na divisão celular, no quorum sense, na formação de biofilme, na virulência e na resposta ao estresse oxidativo. As outras seis proteínas estão inseridas em processos metabólicos diferentes, mas não menos importantes, tais como, formação de bomba de efluxo (TolC), sistema de secreção de macromoléculas tipo IV e transferência horizontal de DNA (AcvB) e proteínas que respondem a variações de temperatura (VapD). A caracterização funcional compreenderá a produção de anticorpos para cada proteína alvo, seguida de imunodetecção durante as diferentes fases de formação do biofilme de X. fastidiosa. Além disso, a expressão das proteínas também será quantificada utilizando a técnica de qRT-PCR, utilizando plantas de laranjas infectadas que apresentam clorose, enquanto a caracterização estrutural será compreendida por ensaios de Dicroísmo Circular (CD), e Cromatografia de Exclusão por Peso Molecular. (AU)

Candidatus Liberibacter americanus induces significant reprogramming of the transcriptome of the susceptible citrus genotype

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcos Antonio Machado
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:13/05626-5
Vigência: 01 de maio de 2013 - 31 de outubro de 2013
Vinculado ao auxílio:08/57909-2 - Plataforma genômica aplicada ao melhoramento de citros, AP.TEM
Resumo
BaseCitrus huanglongbing doença (HLB) é causada pelas bactérias restrita ao floema e Gram negativas, Candidatus Liberibacter africanus (CaLaf), Ca. L. asiaticus (CaLas), e Ca. L. americanus (CaLam), dependendo do continente onde a bactéria foi detectado pela primeira vez. O psilídeo, Diaphorina citri, transmite Calas e Calam e as duas espécies de Liberibacter estão presentes no Brasil. Vários estudos da resposta transcricional de plantas cítricas manifestando sintomas de HLB têm sido relatados, mas somente para a infecção CaLas. Este estudo avaliou a reprogramação de transcrição de um genótipo suscetível de laranja doce desafiados com CaLam, usando um micro arranjo personalizado de 385K contendo aproximadamente 32.000 unigenes de laranja. Analisamos as mudanças globais na expressão gênica de folhas de laranja doce infectadas por CaLam durante a fase sintomática da infecção e compararam os resultados com estudos previamente publicados que micro arranjos utilizadas em plantas infectadas por CaLas. Vinte genes candidatos foram selecionados para a validação dos perfis de expressão em folhas sintomáticas e assintomáticas e PCR-positivo com CaLas ou CaLam.ResultadosA análise de micro arranjo identificou 633 genes diferencialmente expressos durante a fase sintomática da infecção CaLam. Entre eles, 418 (66%) foram regulados positivamente e 215 (34%) negativamente. Quinhentos e 14 genes (81%) eram ortólogos de genes de Arabidopsis thaliana. Análise de enriquecimento de vias (GSEA) revelou que vários dos transcritos codificados transportadores associados com o sistema de endomembrans , especialmente, transporte de zinco. Entre os transcritos do gene biologicamente mais relevantes em GSEA foram aqueles relacionados ao metabolismo de sinalização e / ou estímulo aos hormônios, genes que respondem ao estresse e patogênese, biossíntese de metabólitos secundários, estresse oxidativo e fatores de transcrição pertencentes a famílias diferentes. PCR em tempo real de 20 genes candidatos validado o padrão de expressão de alguns genes em folhas sintomáticos e assintomáticos infectados com Calam ou Calas.ConclusõesTranscritos do gene e muitos processos biológicos são alterados significativamente após infecção Calam. Alguns deles tinham sido identificados em resposta à infecção com CaLas, enquanto outros não haviam sido relatados. Estes dados serão úteis para a seleção de genes-alvo para a engenharia genética para controlar HLB. (AU)

Estudo in vitro e in vivo de novos compostos: com alvo-específico (hnRNP K) ou com ação na mitocôndria para uso como antitumoral em carcinoma oral ou como citoprotetor em célula não-tumoral

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Andréia Machado Leopoldino
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Processo:13/01355-7
Vigência: 01 de maio de 2013 - 31 de janeiro de 2017
Assunto(s):Neoplasias de cabeça e pescoçoMitocôndriasCitoproteção
Resumo
No Brasil, o câncer aparece como a segunda causa de mortalidade, perdendo apenas para as doenças cardiovasculares. As estimativas para o câncer de cavidade oral é cerca 9.990 casos novos em homens e 4.180 em mulheres, para o Brasil, no ano de 2012. Esses valores correspondem a um risco estimado de 10 casos novos a cada 100 mil homens e 4 a cada 100 mil mulheres. Os avanços na compreensão da biologia das neoplasias de cabeça e pescoço têm aberto novas direções na ciência. As pesquisas estão sendo direcionadas para o desenvolvimento de terapias com alvos moleculares específicos que são úteis na predição dos tratamentos ou na seleção de pacientes que podem responder a uma determinada terapia molecular com base nas alterações moleculares dos tumores. A proteína hnRNP K, recentemente identificada como superexpressa em câncer de cabeça e pescoço, especialmente em língua e laringe, representa um novo e atrativo alvo terapêutico para esse tipo de câncer, podendo o planejamento de candidatos a fármacos dirigidos a essa proteína enriquecer o arsenal terapêutico contra a doença, com o uso de terapias farmacológicas mais eficientes e menos agressivas, não somente em câncer de cabeça e pescoço, mas, possivelmente, em câncer de mama e colorretal, uma vez que também existem evidências do envolvimento de hnRNP K na progressão da doença. A mitocôndria de células cancerosas também tem sido objeto de estudo, pois existem diferenças entre as mitocôndrias de células normais e de células de câncer. As diferenças genéticas, moleculares e bioquímicas podem ser os fatores causais ou que contribuem para o desenvolvimento do câncer. Com base nesses dados selecionamos 4 compostos, sendo dois alvo específico (hnRNP K) e 2 compostos que atuam na mitocôndria, para estudar os efeitos in vitro e in vivo na viabilidade celular e avaliar o potencial como antitumoral ou citoprotetor com potencial aplicação como um novo fármaco. Neste trabalho serão usadas linhagens de carcinoma oral humano, cultura primária de fibroblastos humanos e linhagem de queratinócito humano não-tumoral imortalizado para a análise dos efeitos dos diferentes compostos selecionados. As metodologias compreenderão técnicas diferentes para determinação de viabilidade celular, tipo de morte celular, genotoxicidade, resposta molecular com aumento ou fosforilação de proteínas, resposta ao estresse oxidativo, etc. Pretende-se no fim do projeto ter a caracterização dos compostos como antitumoral ou citoprotetor e obter resultados preliminares de farmacocinética (somente se os compostos tiverem o efeito proposto). (AU)

Potencial terapêutico de células estromais mesenquimais (MSC) e de pericitos no camundongo SOD1, modelo para esclerose lateral amiotrófica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mayana Zatz
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/03166-7
Vigência: 01 de maio de 2013 - 31 de julho de 2015
Assunto(s):PericitosCélulas-tronco
Resumo
A esclerose lateral amiotrófica (ELA) é uma doença neurodegenerativa fatal. Caracteristicamente há depleção na quantidade de neurônios motores bem como existência de quadro inflamatório estabelecido no sistema nervoso central. ELA é uma doença multifatorial e a maioria dos casos são esporádicos. ELA familial compreende 5 a 10% dos casos. Dentre os genes identificados para esta doença está o gene SOD1, que codifica uma importante enzima antioxidante humana, a superóxido dismutase 1. Assim, o camundongo transgênico portador de mutação G93A no gene SOD1, é uma importante ferramenta para os estudos envolvendo ELA. Uma das abordagens estudadas para busca de tratamento para esta doença é a terapia com células tronco. As células estromais mesenquimais (mesenchymal stromal cells - MSC), em especial as derivadas de tecido de cordão umbilical (umbilical cord tissue - UCT) e de tecido adiposo (adipose-derived stromal cells - ASC), são células que possuem capacidade de diferenciar-se em osteócitos, adipócitos, condrócitos in vitro. Apesar de não ter sido comprovado o seu potencial de diferenciação em células neuronais, outra maneira provável de atuação destas células no tratamento de diversas doenças seria por meio da modulação da resposta inflamatória e estresse oxidativo. A avaliação do potencial regenerativo e anti-inflamatório de diferentes fontes de MSC e de seus fatores solúveis, em um modelo animal para ELA, o camundongo SOD1, é essencial na busca de um tratamento efetivo para esta doença. (AU)

Pode a teobromina estimular a SIRT1 (silent information regulator 1) e reduzir o estresse oxidativo associado ao diabetes e reduzir a fibrose renal?

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Jose Butori Lopes de Faria
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:13/07118-7
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2014
Vinculado ao auxílio:12/22452-8 - A teobromina pode estimular SIRT1 (silent information regulator 1) e reduzir o estresse oxidativo e fibrose renal associados ao diabetes mellitus?, AP.R
Assunto(s):Estresse OxidativoDiabetes mellitus
Resumo
O estresse oxidativo induzido pela hiperglicemia causa acúmulo renal de matriz extracelular (MEC) com progressão para fibrose e falência renal, alterações características da nefropatia diabética. Como parte do nosso projeto temático (2008/57560-0), nós observamos que não apenas o tratamento com o cacau rico em polifenóis (60%), mas também o cacau pobre em polifenóis (0,5%) foram capazes de prevenir o estresse oxidativo e o acúmulo renal de MEC em ratos diabéticos, assim como, em células mesangiais expostas a alta concentração de glicose. Além disso, a atividade da deacetilase-dependente de NAD+ como a Sirt1 (silent information regulator 1), em células mesangiais expostas a alta glicose, foi reduzida e isso foi revertido com o tratamento com o cacau rico ou pobre em polifenol. Análise por UPLC e espectrometria de massa do cacau pobre em polifenóis, identificaram a teobromina como o possível composto responsável pelas suas ações benéficas. Os objetivos do presente trabalho são: I) investigar a ação da teobromina no estresse oxidativo e índices de lesão renal em ratos diabéticos; II) testar a contribuição da Sirt1 como mediadora dos possíveis efeitos benéficos do cacau e da teobromina na melhora da lesão renal de ratos diabéticos, assim como em células mesangiais expostas a alta glicose. Diabetes mellitus (DM) será induzido através da injeção endovenosa de estreptozotocina em ratos espontaneamente hipertensos (SHR) com 12 semanas de idade. Os ratos diabéticos e os sesu controles, que receberão o veículo da estreptozotocina (tampão citrato pH 4,5) e serão randomizados para serem tratados ou não com teobromina ou cacau por 16 semanas. Células mesangiais humanas serão cultivadas em glicose normal (5,6mM) ou alta (30mM) na presença ou ausência de cacau ou teobromina e inibidores de Sirt1 ou AMPK ou CaM-KK ou ativador de AMPK. A contribuição da Sirt1 para os mecanismos de ação do cacau ou da teobromina no estresse oxidativo, apoptose e fibrose serão avaliados por imunoprecipitação do Foxo3 ou Foxo4 acetilado, ou p53 acetilado assim como Smad3 acetilado. A identificação da via Sirt1 como um mecanismo de ação do cacau e da teobromina na melhora do estresse oxidativo e lesão renal no DM representa as bases fisiopatológicas para o emprego dessas manobras na prevenção e tratamento da nefropatia diabética. (AU)

Avaliação dos efeitos antioxidantes do sucralfato na mucosa cólica exclusa de trânsito intestinal. estudo experimental em ratos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Universidade São Francisco (USF). Campus Bragança Paulista. Bragança Paulista, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carlos Augusto Real Martinez
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:12/16236-0
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2014
Assunto(s):ColostomiaPeroxidaseEstresse oxidativoImunohistoquímica
Resumo
Colite de exclusão (CE) é uma doença caracterizada pelo desenvolvimento de processo inflamatório crônico na mucosa de segmentos do intestino grosso desprovidos de trânsito intestinal. A enfermidade apresenta aspectos clínicos, endoscópicos e histológicos semelhantes às doenças inflamatórias intestinais sugerindo bases etiopatogenicas comuns. O surgimento da CE encontra-se relacionado à deficiência de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC) na luz intestinal, que representam o principal substrato energético das células epiteliais do cólon. A deficiência intraluminar dos AGCC alterando o metabolismo energético das células da mucosa cólica, leva à formação de radicais livres de oxigênio (RLO) que provocam lesão dos diferentes sistemas de adesão intercelular, principalmente representados pelos sistemas de junções de oclusão e adesão celular. A alteração das proteínas componentes das junções intercelulares possibilita a invasão da camada submucosa estéril por bactérias e antígenos existentes na luz intestinal, deflagrando a resposta inflamatória tecidual que caracteriza a doença. Embora a CE seja uma enfermidade relativamente comum, com incidência crescente em todo mundo, onde o estresse oxidativo decorrente de modificações do metabolismo energético celular representa, a provável base etiopatogênica, até a presente data não se estudou, experimentalmente, os efeitos de substâncias com atividade antioxidante, tais como o ácido 5-aminosalicilico (mesalazina), n-acetilcisteina, sucralfato e os extratos aquosos de Ilex paraguariensis e da Curcuma longa , no conteúdo e padrão de expressão das proteínas constituintes dos sistemas de adesão intercelular, em modelos experimentais de CE. O objetivo do presente estudo é avaliar, experimentalmente, os efeitos antioxidantes da mesalazina, n-acetilcisteína, sucralfato, extrato aquoso da Curcuma longa e Ilex paraguariensis na manutenção do conteúdo e padrão de expressão das proteínas presentes nos sistemas de junções de oclusão e de adesão intercelulares em modelo experimental de colite de exclusão. (AU)

Análise dos aspectos funcionais dos espermatozóides e do estresse oxidativo testicular de indivíduos submetidos à cirurgia metabólica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Renato Fraietta
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:12/17986-3
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2016
Assunto(s):SêmenMetabolismoFragmentação do DNAInfertilidade masculinaMitocôndriasObesidade
Resumo
Introdução: Atualmente, a obesidade destaca-se como uma das principais causas de infertilidade masculina. O excesso de gordura corporal está relacionado com mudanças no perfil dos hormônios sexuais masculinos e com o aumento da temperatura escrotal, resultando em alterações tanto na qualidade seminal quanto na função dos espermatozóides. A cirurgia metabólica (Bypass gástrico em Y de Roux) é uma abordagem indicada e realizada com sucesso para o tratamento da obesidade, visando à melhoria da qualidade de vida destes pacientes. Objetivos: Avaliar os efeitos da perda de peso após cirurgia metabólica na análise seminal e nos aspectos funcionais dos espermatozóides (integridade do DNA e atividade mitocondrial). O nível de peroxidação lipídica será mensurado no plasma seminal destes pacientes, para verificar a relação entre o grau de obesidade, estresse oxidativo e alterações funcionais nos espermatozóides. Além disso, serão realizadas a quantificação da capacidade antioxidante total das amostras e a análise do perfil hormonal de cada indivíduo. Métodos: O estudo compreenderá a avaliação de 20 pacientes atendidos no setor de gastroenterologia cirúrgica do Hospital São Paulo e com indicação de cirurgia metabólica (IMC e 40,0kg/m2). As amostras seminais e sanguíneas (para dosagem hormonal) dos pacientes serão coletadas antes e após o procedimento cirúrgico (de 3 em 3 meses) durante um total de 12 meses. As amostras seminais serão analisadas de acordo com os parâmetros da OMS (2010) e a morfologia segundo o critério estrito de Kruger (1986). A integridade do DNA nuclear dos espermatozóides será avaliada pelo ensaio Cometa alcalino, no qual as células são classificadas de acordo com a intensidade de dano no DNA de grau I (alta integridade do DNA) a grau IV (DNA altamente fragmentado). A atividade mitocondrial será avaliada por um método colorimétrico, onde as células são classificadas em classes de I (100% de mitocôndrias ativas) a IV (100% de mitocôndrias inativas). O nível de peroxidação lipídica será determinado usando-se um método baseado na reação de MDA com o TBA. Para a quantificação da capacidade antioxidante total das amostras será utilizado um kit comercial (QuantiChrom Antioxidant Assay Kit).Palavras-chave: Infertlidade masculina, sêmen, obesidade, estresse oxidativo, fragmentação do DNA, mitocôndrias/metabolismo. (AU)

Análise dos efeitos da ingestão crônica do fluoreto em vias de modulação da angiogênese e sistema antioxidante

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB). Universidade de São Paulo (USP). Bauru, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marília Afonso Rabelo Buzalaf
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Odontologia Social e Preventiva
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:12/19499-2
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2016
Assunto(s):BioquímicaFluoretosSuperóxido dismutaseAntioxidantesAngiogênese
Resumo
A ingestão excessiva de fluoreto por um longo período de tempo pode resultar em fluorose, que pode causar manifestações dentárias e esqueléticas. Danos metabólicos, funcionais e estruturais causados pela fluorose crônica tem sido relatados em vários tecidos. Os rins são os principais responsáveis pela excreção de fluoreto, cerca de 60% do fluoreto absorvido é excretado pela urina em adultos. O fluoreto parece influenciar o estresse oxidativo e o sistema antioxidante. Em face disso, o objetivo deste estudo será avaliar o efeito do fluoreto sobre o sistema antioxidante de rins de ratos. Dois grupos de ratos Wistar serão usados (n=36), sendo divididos em dois períodos de tempo (20 e 60 dias), que serão subdivididos em grupo controle (água deionizada), grupo de 15 ppm e grupo de 50 ppm de fluoreto, sendo que, o fluoreto será administrado na água de beber. Após os períodos experimentais, os animais serão eutanasiados e os rins serão coletados e divididos para as seguintes análises: análises histomorfológicas, análises de antioxidantes (SOD, CAT, GPx, GSH, TBARS) e fluoreto. Além disso, serão quantificadas as enzimas VEGF, HIF-1±, EPO e GAPD-H nas amostras de rins através de Western Blotting. Os resultados serão analisados de acordo com os testes estatísticos apropriados (p<0,05). (AU)

Variante genética do gene eNOS como fator de risco para a endometriose associada a infertilidade

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina do ABC (FMABC). Organização Social de Saúde. Fundação do ABC. Santo André, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Caio Parente Barbosa
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/01016-8
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2014
Assunto(s):Infertilidade femininaFertilização in vitroEstresse oxidativoPolimorfismoEndometriose
Resumo
A infertilidade é caracterizada pela ausência de gestação espontânea, após o período mínimo de doze meses, com a prática de atividade sexual regular e ausência de métodos contraceptivos. As estatísticas mostram que 20% dos casais em idade fértil experimentam dificuldades para gerar filhos. Aproximadamente 30% das causas de infertilidade estão relacionadas a fatores femininos, 30% a fatores masculinos, 30% dos casos ambos os fatores estão presentes e 10% não apresentam causa aparente. Apesar dos avanços científicos na área de reprodução assistida, a gestação ocorre, em média, em 31% dos casais submetidos aos tratamentos hoje disponíveis e a falha de implantação embrionária é considerada uma causa relevante de insucesso nos procedimentos de fertilização in vitro (FIV). As possíveis causas de falha de implantação em¬brionária têm sido amplamente investigadas, mas não há consenso na literatura. Acredita-se que a qualidade embrionária, receptividade endometrial, comunicação materno-fetal, e fatores endócrinos, imunológicos e genéticos constituam fatores relevantes no insucesso da gestação. Diversas patologias uterinas podem prejudicar a implantação embrionária, incluindo a endometriose. A endometriose é uma inflamação crônica que representa uma das doenças ginecológicas benignas mais comuns. É uma condição esteroide-dependente na qual tecido histologicamente similar ao endométrio com glândulas e estroma cresce fora da cavidade uterina, podendo causar dor pélvica, dismenorreia e infertilidade. Estima-se que aproximadamente 10-15% das mulheres em período reprodutivo, cerca de 40% das mulheres com dor pélvica e 50% das mulheres com problemas de fertilidade possuam esta doença. Clinicamente, uma das principais preocupações em relação à endometriose é a sua propensão para causar infertilidade. Estima-se que 25% a 50% das mulheres com endometriose são inférteis e que 25% a 30% das mulheres inférteis têm lesões endometrióticas como a única causa identificável para a infertilidade. A associação entre a endometriose e a infertilidade é bem estabelecida, mas os mecanismos responsáveis por esses efeitos são desconhecidos. O estresse oxidativo é uma das principais questões associada a infertilidade masculina e feminina e falhas nos resultados de reprodução assistida. O óxido nítrico (NO) pode induzir lesão celular, alteração da resistência vascular e transdução de sinal, e afetar muitos fatores angiogênicos. Assim, o eNOS pode desempenhar um papel no desenvolvimento da endometriose pelo aumento da angiogênese, uma vez que a formação de novos vasos é essencial para a sobrevivência de tecido endometrial fora do útero, bem como a progressão da endometriose. O polimorfismo G894T no éxon 7 (rs1799983, Glu298Asp) do gene eNOS representa uma troca de ácido glutâmico por ácido aspártico no códon 298. Há uma tendência de atividade diminuída da enzima eNOS na presença do alelo 894T em comparação com os homozigotos GG. Bhanoori et al (2008) investigaram a associação do polimorfismo Glu298Asp no do gene eNOS em 232 mulheres inférteis com endometriose e 210 mulheres sem evidência da doença por PCR e posterior sequenciamento. A análise estatística não demonstrou diferença significativa na distribuição dos genótipos entre casos e controles. Posteriormente, Kim et al (2009) avaliaram a frequência do polimorfismo Glu298Asp em um grupo de 299 mulheres coreanas com endometriose avançada e 459 mulheres sem a doença por PCR-RFLP. Os resultados revelaram que o alelo T que resulta na codificação do ácido aspártico do polimorfismo Glu298Asp estava mais frequente nas mulheres com endometriose, sugerindo a associação desse polimorfismo e a forma grave da doença.Com o intuito de tentar esclarecer um possível mecanismo que leva à infertilidade nas mulheres portadoras de endometriose, nos propomos estudar o polimorfismo Glu298Asp no gene eNOS em um grupo de mulheres com endometriose férteis e inférteis e um grupo controle composto por mulheres férteis sem doença. (AU)

Consolidação óssea após fratura diafisária do fêmur em ratos diabéticos, com e sem insulinoterapia e tratamento com alendronato de sódio

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:José Batista Volpon
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:13/02202-0
Vigência: 01 de maio de 2013 - 28 de fevereiro de 2014
Assunto(s):RatosCalo ósseoInsulina
Resumo
A fratura do osso desencadeia uma cascata de eventos cuja finalidade é reparar a lesão formando o calo ósseo, de modo a restabelecer a continuidade entre os fragmentos fraturados e recuperar todas as funções anteriores. Entretanto, o processo de reparação pode sofrer influências locais e sistêmicas, positivas ou negativas, no sentido de ocorrer normalmente, ou não. A diabetes mellitus é doença sistêmica que afeta o metabolismo como um todo e pode interferir de maneira significativa na qualidade e reparação do tecido ósseo. No diabético, são maiores tanto a incidência de fraturas, como as anomalias de consolidação, que decorrem de alterações nas sinalizações celulares, exacerbação da fase inflamatória, comprometimento circulatório, alterações dos fatores de crescimento e hormônios, além do maior estresse oxidativo e morte celular. Assim, a atenção ao diabético, demanda terapias que visem a melhorar a qualidade óssea, como um todo, e a garantir a consolidação das fraturas, em particular. Objetivo: aprofundar o estudo sobre consolidação de fraturas ósseas na diabetes mellitus e avaliar o efeito sobre a qualidade do reparo ósseo, com a administração de insulina e alendronato de sódio (droga atualmente com grande utilização para o tratamento da osteoporose). A hipótese é que a insulinoterapia, bem como a administração de alendronato de sódio, isolados ou associados, possam atuar de maneira positiva no processo de cicatrização óssea, com possível efeito somatório dos seus efeitos. Materiais e Métodos: ratos Wistar com massa corpórea inicial de 230 a 250 gramas serão distribuídos em 8 grupos experimentais (n=20): (1) DM: ratos diabéticos; (2) DM+INS: ratos diabéticos e tratados com insulina; (3) CON+FRAT: ratos normais submetidos à fratura óssea; (4) DM+FRAT: ratos diabéticos submetidos à fratura óssea; (5) DM+INS+FRAT: ratos diabéticos submetidos à insulinoterapia e fratura óssea; (6) CON+FRAT+ALE: ratos normais submetidos à fratura óssea e administração de alendronato de sódio; (7) DM+FRAT+ALE: ratos diabéticos submetidos à fratura óssea e administração de alendronato de sódio e; (8) DM+INS+FRAT+ALE: ratos diabéticos submetidos à fratura óssea, tratados com insulina e administração de alendronato de sódio. Em todos os grupos avaliações serão realizadas nos tempos correspondentes a 14 e 28 dias pós-fratura. A indução diabética será pela aplicação intravenosa de estreptozotocina e o controle da glicemia feito duas vezes por semana, nos animais diabéticos. A administração de insulina será em doses diárias, por via subcutânea, conforme os níveis glicêmicos. A fratura óssea será provocada na região diafisária do fêmur, por método fechado, com carga progressiva aplicada em máquina universal de ensaios mecânicos e os fragmentos ósseos serão fixados com um implante ortopédico, de aço inoxidável (fio de Kirschner), inserido no canal medular através do joelho. Todos os animais serão submetidos à artrotomia do joelho, mesmo naqueles sem fratura. O alendronato será administrado 5 vezes por semana, por via subcutânea. A eutanásia ocorrerá com dose letal de Tiopental®. As análises da qualidade óssea serão feitas na região distal dos fêmures não fraturados e no calo ósseo, e realizadas pela microscopia óptica (caracterização dos tecidos), microtomografia (avaliação qualitativa e quantitativa da microestrutura óssea) imunoistoquímica (avaliação da formação e reabsorção ósseas: dosagem de osteocalcina, osteoprogeterina, RANK), análise da densidade mineral óssea (DXA) e resistência mecânica (ensaio mecânico). Os resultados propiciarão uma investigação mais aprofundada do acometimento e reparo ósseo no diabetes, bem como avaliação se o controle da glicemia pela insulinoterapia e se a administração de alendronato de sódio, causam efeito benéfico sobre a qualidade óssea e se haverá efeito somatório, quando ambas as substâncias forem administradas. (AU)

Modelo de interação entre dissulfeto-isomerase protéica e RhoGTPases e seu regulador RhoGDI durante a ativação do complexo NADPH oxidase em células musculares lisas

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Francisco Rafael Martins Laurindo
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:13/06241-0
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2015
Vinculado ao auxílio:09/54764-6 - Regulação da homeostase redox e resposta integrada a estresse pela dissulfeto isomerase protéica (PDI): mecanismos e papel na fisiopatologia e terapêutica de doenças vasculares, AP.TEM
Assunto(s):NADPH oxidaseEstresse oxidativoCardiologia
Resumo
O tema central recorrente em nossa investigação é o mecanismo dos efeitos redox da dissulfeto-isomerase proteica (PDI), particularmente de como a PDI interage com o complexo NADPH oxidase. Um importante avanço obtido ao longo dos primeiros anos deste Temático foi a identificação de que a PDI converge significativamente com a família de RhoGTPases (Rac1, RhoA e Cdc42) e seu regulador RhoGDI ("Rho guanine dissociation inhibitor"). Mostramos que o silenciamento da PDI em células musculares lisas inibiu significativamente a migração celular induzida por PDGF (fator de crescimento derivado de plaquetas), a qual é fortemente dependente da NADPH oxidase Nox1. Mais importante, o silenciamento da PDI inibiu totalmente a ativação de Rac1 e RhoA nesta circunstância e provocou uma intensa desorganização do citoesqueleto celular, com deformação de fibras de estresse, perda de estruturas vesiculares de adesão celular e redução importante do número de complexos de adesão focal. Os objetivos do presente pós-doutorado são:1)Investigar o efeito da RhoGDI na entrega da isoforma Rac1 à membrana em células musculares lisas.2)Investigar as interações físicas entre PDI e Rac1, RhoA e RhoGDI em distintos tempos e distintas frações subcelulares após estímulo com angiotensina II em células musculares lisas. Em paralelo, avaliar como mudanças na prenilação de proteínas e alterações do estado redox celular podem afetar este modelo.3)Avaliar, nas mesmas amostras, a presença de possíveis modificações pós-translacionais da PDI, verificadas por mudanças na migração eletroforética e/ou provas com imunoprecipitação e teste com anticorpos pertinentes. (AU)

Análise do estresse oxidativo em camundongos expostos a partículas atmosféricas concentradas e tratados com ácido Carbâmico, uretana e 4-(metilnitrosamino)-1-(3-piridil)-1-butanona (NNK)

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Tania Marcourakis
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/02400-6
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2014
Assunto(s):Material particuladoEstresse oxidativoGlutationa redutaseNeoplasias pulmonaresGlutationa peroxidase
Resumo
Estudos epidemiológicos têm associado a exposição prolongada ao material particulado (MP) urbano com o desenvolvimento de câncer de pulmão: características físicas do MP, como tamanho e superfície, são determinantes de sua capacidade em desencadear efeitos biológicos. O mecanismo fisiopatológico mais importante para o desencadeamento dos tumores de pulmão é o estresse oxidativo, que forma espécies reativas de oxigênio (ROS), os quais participam de reações que levam à peroxidação lipídica e, consequentemente, ao dano celular. Um modelo de resposta tem sido desenvolvido para explicar o processo de estresse oxidativo. Inicialmente, quando o estresse oxidativo é relativamente baixo, vários fatores de transcrição induzem a produção de uma série de enzimas antioxidantes e de destoxificação incluindo a catalase, a superóxido dismutase e a glutationa S-transferase, as quais realizam a varredura de ROS, evitando que a exposição ao MP cause efeitos biológicos adversos. Em uma segunda fase, quando o efeito protetor da resposta antioxidante falha, ocorre uma situação pró-inflamatória e efeitos citotóxicos. Desse modo, este trabalho tem como objetivo analisar o estresse oxidativo em diferentes órgãos e tecidos (hemácias, plasma, pulmão e sistema nervoso central) em camundongos expostos a material particulado concentrado da cidade de São Paulo, a partir da quantificação da atividade das enzimas antioxidantes GPx, GST, GR e SOD, e da quantificação de um indicador de peroxidação lipídica, o MDA, podendo-se relacionar os seus níveis com o estresse oxidativo e a relação deste último com a exposição ao material particulado da cidade de São Paulo. (AU)

Bases moleculares da endocitose e morte celular desencadeadas por nanopartículas biossintéticas de prata em células tumorais de mama

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcelo Bispo de Jesus
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Enzimologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/05432-6
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2014
Assunto(s):NanopartículasEndocitoseNeoplasias mamáriasAutofagiaApoptose
Resumo
A nanotecnologia tem se apresentado como uma área bastante promissora para aplicações médicas, principalmente por constituir uma nova perspectiva na busca de alternativas terapêuticas para algumas doenças. Para o câncer de mama, por exemplo, poucas alternativas farmacológicas são eficientes em seus estágios mais avançados. Desse modo, as recentemente descobertas nanopartículas de prata biossintetizadas por fungos, têm se apresentado como um recurso potencial no tratamento de células cancerígenas, podendo auxiliar no tratamento dessa doença. A presente proposta pretende entender os mecanismos de endocitose utilizados pelas células de câncer de mama (linhagem MCF-7) para internalizar as nanopartículas de prata. E ainda, propõe a análise dos processos celulares, como autofagia, apoptose e estresse oxidativo, desencadeados por essas nanopartículas em células tumorais de mama. O estudo do mecanismo de internalização, seguido do entendimento desses processos biológicos nos permitirá avaliar o potencial terapêutico dessas nanopartículas para estágios avançados do tumor, nos quais poucos recursos farmacológicos são eficazes. (AU)

Efeitos do chá verde (Camellia sinensis), do cacau e de um doador de óxido nítrico na nefropatia e retinopatia diabética: papel da redução do estresse oxidativo e da inflamação e do aumento do óxido nítrico

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Jose Butori Lopes de Faria
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:13/08256-4
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2014
Vinculado ao auxílio:08/57560-0 - Efeitos do chá verde (Camellia sinensis), do cacau e de um doador de óxido nítrico na nefropatia e retinopatia diabética: papel da redução do estresse oxidativo e da inflamação e do aumento do óxido nítrico, AP.TEM
Assunto(s):Diabetes mellitusNefropatias diabéticasCamellia sinensisEstresse Oxidativo
Resumo
O Diabetes Mellitus (DM) acomete cerca de 20 milhões de indivíduos no Brasil. Aproximadamente um terço destes indivíduos apresentarão complicações renais e da retinina. Embora na última década tenha ocorrido avanços importantes na compreensão e no tratamento destas complicações do DM, o número de indivíduos com falência renal e cegueira, por nefropatia e retinopatia diabéticas continua aumentando. Várias linhas de evidências recentes sugerem que o aumento do estresse oxidativo e redução da biodisponibilidade do óxido nítrico desempenham papel crucial na patogênese da nefro e retinopatia diabéticas. Tem sido demonstrado em diversas condições, incluindo o DM, que substâncias ricas em polifenóis, como o chá verde e o cacau, podem reduzir o estresse oxidativo e aumentar a biodisponibilidade do óxido nítrico. A eficácia destas intervenções na nefropatia e retinopatia diabética são desconhecidas. Neste projeto nos propomos a: I) investigar os efeitos do chá verde, do cacau e de um doador de óxido nítrico na nefro e retinopatia diabéticas experimental; II) investigar em cultura de células renais e de retina os mecanismos celulares e moleculares pelos quais aquelas substâncias protegem as células do rim e da retina; e III) testar a eficácia do chá verde e do cacau na nefropatia de pacientes com diabetes mellitus. (AU)

Desenvolvimento e caracterização de sistemas líquido-cristalinos para incorporação do trans-resveratrol: ensaios de permeação cutânea in vitro e avaliação da eficácia in vivo

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marlus Chorilli
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:12/16956-3
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de setembro de 2014
Assunto(s):Estresse oxidativo
Resumo
A exposição diária da pele à radiação ultravioleta pode causar dano direto ao DNA e ocasionar a proliferação de espécies reativas de oxigênio (EROs), conduzindo ao desequilíbrio entre estes radicais livres e as enzimas antioxidantes presentes na epiderme, como a superóxido dismutase (SOD), a catalase (CAT) e a glutationa peroxidase (GPx). Este desequilíbrio leva a um estado definido como estresse oxidativo, o qual pode ser adiado e até mesmo tratado por meio da utilização de produtos com propriedades antioxidantes. Pesquisas têm demonstrado vários efeitos benéficos do trans-resveratrol (RES) à saúde humana, dentre eles a sua ação antioxidante e anti-infllamatória, podendo ser um importante aliado na prevenção e no tratamento de desordens cutâneas, como, envelhecimento cutâneo, hiperpigmentação e carcinogênese. Entretanto, algumas de suas propriedades físico-químicas, como a limitada solubilidade aquosa, dificultam sua eficiência terapêutica cutânea, uma vez que possui baixa penetração na pele. Dessa forma, a utilização de sistemas de liberação nanoestruturados para administração cutânea do RES, como os sistemas líquido-cristalinos (SLC), seria extremamente viável, a fim de localizar o princípio ativo em seu sítio de ação, modulando sua ação e reduzindo possíveis efeitos colaterais, além de aumentar a sua penetração através do estrato córneo. Os objetivos deste trabalho são desenvolver SLC para incorporação do RES e caracterizá-los por meio de microscopia de luz polarizada, espalhamento de raios-X de baixo ângulo (SAXS) e reologia. Serão realizados ensaios de liberação, retenção e permeação in vitro empregando pele de modelo animal. Posteriormente, será verificada a eficácia in vivo em modelo de estresse oxidativo cutâneo induzido por radiação UVB. (AU)

Efeito antioxidante do chá-verde na integridade da barreira de filtração glomerular em animais diabéticos e hipertensos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Jose Butori Lopes de Faria
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/06502-8
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2014
Vinculado ao auxílio:08/57560-0 - Efeitos do chá verde (Camellia sinensis), do cacau e de um doador de óxido nítrico na nefropatia e retinopatia diabética: papel da redução do estresse oxidativo e da inflamação e do aumento do óxido nítrico, AP.TEM
Assunto(s):NefrologiaEstresse oxidativoCamellia sinensisAntioxidantesHipertensão
Resumo
O estresse oxidativo induzido pela hiperglicemia leva a alterações na barreira de filtração glomerular, determinando a albuminúria característica da nefropatia diabética (ND). Tratamentos com antioxidantes como o tempol previnem a albuminúria em ratos diabéticos e hipertensos provavelmente pela diminuição da apoptose de podócitos. O objetivo do presente trabalho será investigar a influência do antioxidante chá-verde em injúrias aos componentes da barreira de filtração glomerular induzidas pela hiperglicemia em modelo de animais diabéticos. DM será induzida por estreptozotocina em ratos espontaneamente hipertensos (SHR) com 12 semanas de idade. Animais controles e diabéticos receberão ou não tratamentos com chá-verde por 12 semanas. A análise da apoptose de podócitos será feita por TUNEL. A integridade da barreira de filtração glomerular será analisada por: imunofluorescência de proteínas como WT-1, nefrina, ZO-1, P-caderina, podocalexina e laminina b2; imunohistoquímica para proteoglicanas da membrana basal glomerular (MBG) e glicoproteínas do glicocálix endotelial. O entendimento do mecanismo de ação de antioxidantes como o chá verde na proteinúria associada ao DM constitui a base para o emprego dessas manobras no tratamento da ND. (AU)

Envolvimento do inflamassomo na imunidade inata e adaptativa em gestantes portadoras de pré-eclâmpsia

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Terezinha Serrão Peraçoli
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/00534-5
Vigência: 01 de maio de 2013 - 29 de fevereiro de 2016
Assunto(s):MonócitosLinfócitos TPré-eclâmpsia
Resumo
A pré-eclampsia (PE) é uma patologia obstétrica que incide entre 3% e 8% das gestações e é uma das principais causas de morbidade e mortalidade tanto materna como fetal. A literatura sugere que a PE se caracteriza por má adaptação da tolerância imunológica, identificado por estresse oxidativo e ativação anormal do sistema imune inato e adaptativo. No plasma de gestantes portadoras de PE níveis elevados de estruturas moleculares associadas ao estresse e morte celular, denominados padrões moleculares associados ao dano (DAMPs) como, proteína de choque térmico (Hsp70), HMGB1, Hialuronan (HA) e Ácido Úrico, parecem contribuir diretamente com a patogênese dessa doença. Essas DAMPs se ligam a receptores toll-like (TLR) e Nod-like (NLR), presentes em células da imunidade inata, podendo ativar um complexo intracelular denominado inflamassomo, uma estrutura multi-protéica, importante para o processamento e liberação de interleucina-1 (IL-1b) e IL-18. Essas citocinas são potentes mediadores inflamatórios e importantes na ativação da resposta imune adaptativa, sendo responsáveis pela diferenciação de células T em Th17 e Th1, respectivamente. Na PE, a ocorrência de resposta inflamatória sistêmica parece decorrer da deficiência no controle de células T efetoras por células T reguladoras (Treg). Portanto, o balanço entre células Treg e Th17 pode ser crítico para a tolerância ao feto e para a prevenção da doença. O presente projeto tem por objetivos: a) Determinar a concentração das DAMPs (Hsp70, HMGB1, Hialuronan e Ácido Úrico) no plasma de gestantes portadoras de pré-eclâmpsia; b) Avaliar o estado de ativação, endógena e induzida pelas DAMPs (Hsp70, hialuronan e urato monossódico), em monócitos dessas pacientes, pela identificação da presença de inflamassomo NLRP3 e sua associação com a produção de IL-1b, fator de necrose tumoral-alfa (TNF-a) e IL-18 nessas células; c) Avaliar o envolvimento das subpopulações de células T (Th1, Th2, Treg e Th17) pela análise do perfil de citocinas e fatores de transcrição produzidos por essas subpopulações celulares; d) Correlacionar a ativação do inflamassomo com o perfil das subpopulações de células T. Serão estudadas 40 gestantes, sendo 20 portadoras de pré-eclâmpsia e 20 normotensas, pareadas pela idade gestacional e 20 mulheres saudáveis não grávidas. O sangue coletado dessas pacientes será centrifugado e o plasma separado e armazenado à -80°C para dosagem das DAMPs(Hsp70, HMGB1, hialuronan e ácido úrico). Monócitos de sangue periférico serão incubados a 37oC, em atmosfera constante de 5% de CO2, na presença ou ausência das DAMPs(Hsp70, hialuronan e urato monossódico). O sobrenadante obtido após 18h de cultivo será aspirado e empregado para dosagem das citocinas TNF-a, IL-1b e IL-18 pela técnica de ELISA. A expressão de HMGB1 em monócitos será avaliada por imunocitoquímica. A presença de inflamassomo nessas células será avaliada pela quantificação de RNAm codificante de NLRP3, caspase-1, IL-1b, IL-18 e TNF-a por PCR em tempo real com transcrição reversa(RT-qPCR), logo após a coleta do sangue (expressão endógena) ou após ativação in vitro com as DAMPs(expressão estimulada). Para estudo das subpopulações de células T, células mononucleares do sangue periférico(PBMC) serão avaliadas quanto à produção de citocinas pró e anti-inflamatórias e à expressão de fatores de transcrição envolvidos na ativação dessas células. Para determinação das citocinas, as células serão cultivadas na ausência ou presença de DAMPs(Hsp70, hialuronan e urato monossódico). O sobrenadante obtido após 24h e 48h de cultivo será empregado para determinação das citocinas de perfil Th1(IFN-³ e TNF-±), Th2(IL-4), Treg(IL-10 e TGF-²1) e Th17(IL-17 e IL-22) pela técnica de ELISA. A expressão dos fatores de transcrição intra-citoplasmáticos para células T-bet(Th1), GATA3(Th2), RORc(Th17) e Foxp3(Treg) será avaliada por citometria de fluxo, empregando-se anticorpos monoclonais específicos, logo após a coleta do sangue (expressão endógena). (AU)

Avaliação de inflamassomo NLRP3 e autofagia em placentas de gestantes portadoras de pré-eclâmpsia

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Terezinha Serrão Peraçoli
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/00535-1
Vigência: 01 de maio de 2013 - 31 de agosto de 2016
Assunto(s):PlacentaAutofagiaPré-eclâmpsia
Resumo
A pré-eclâmpsia (PE) é uma síndrome específica da gestação, caracterizada por hipertensão arterial e proteinúria que se manifestam a partir da 20a semana de gestação. O desenvolvimento dessa doença é decorrente de má-adaptação imunológica na interface materno-fetal, determinando baixo fluxo sanguíneo uteroplacentário que resulta em hipóxia/isquemia placentária, estresse oxidativo e restrição de crescimento fetal. O estresse oxidativo, resultante de lesão causada por hipóxia e reperfusão placentários, induz uma resposta inflamatória com produção elevada de mediadores de disfunção da célula endotelial, como citocinas pró-inflamatórias e mediadores lipídicos. Essa resposta inflamatória se torna sistêmica e exacerbada, afetando o estado funcional das células da imunidade inata. Produtos endógenos, denominados "sinais de perigo" ou padrões moleculares associados a danos (DAMPs) podem ser liberados durante lesão tecidual, decorrente de inflamação estéril. Estes produtos são representados por moléculas como reativos intermediários do oxigênio (ROS), proteínas liberadas de células mortas e produtos liberados da matriz extracelular, que interagem com receptores de reconhecimento de padrão (PRR) denominados NOD-like ou NLR. Esses receptores são constituídos por proteínas citosólicas que reconhecem os produtos endógenos e recrutam outras proteínas, formando complexos de sinalização que promovem a inflamação. Esses complexos são chamados inflamassomos e sua principal função é gerar a produção de IL-1b, responsável pela resposta inflamatória intensa. Autofagia é uma via de degradação lisossomal que remove agregados proteicos e organelas danificadas mantendo a integridade celular, que pode estar comprometida em gestantes portadoras de PE, devido à presença de lesões placentárias causadas por hipóxia/isquemia. Considerando que a geração de inflamassomo está relacionada com resposta inflamatória intensa e que a autofagia pode modular o processo inflamatório, contribuindo para a manutenção da homeostase intracelular, o presente projeto tem como objetivo determinar a presença de inflamassomo NLRP3 e a ocorrência de autofagia em placenta de gestantes portadoras de PE. Serão estudadas 40 gestantes, sendo 20 normotensas e 20 portadoras de pré-eclâmpsia. Fragmentos de placenta, abrangendo as faces materna e fetal serão obtidos imediatamente após o parto. Cada fragmento será recortado em quatro partes iguais, sendo uma delas colocada em formol tamponado para análise imunoistoquímica; outra parte será congelada em nitrogênio liquido para posterior preparo de homogenato e análise por Western Blot e ensaio imunoenzimático (ELISA). A terceira parte será empregada para técnica de reação em cadeia da polimerase quantitativa em tempo real (RT-qPCR) e o quarto fragmento será fixado em glutaraldeido 2,5% para avaliar a presença de autofagia por microscopia eletrônica de transmissão. A ocorrência de autofagia será determinada, também, pela quantificação direta das proteínas LC3, Beclin-1 e mTOR por Western Blot, imunoistoquímica ou indireta por meio quantificação de RNAm pela técnica de RT-qPCR. Para determinação do inflamassomo serão avaliadas a expressão gênica de NLRP3, caspase-1, IL-1², IL-18 e TNF-± por RT-qPCR e, a concentração proteica de caspase 1 e das citocinas IL-1 ², IL-18, TNF-± e HMGB-1 será avaliada por Western Blot e ELISA. A expressão de NLRP3, caspase 1, IL-1 ², IL-18, TNF-± e HMGB-1 será ainda, determinada por imunoistoquímica nos cortes placentários. (AU)

Isolamento e caracterização de células progenitoras endoteliais circulantes e de medula óssea de ratos submetidos à restrição de nutrientes in útero: avaliação do impacto do treinamento físico aeróbio e do balanço redox

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria do Carmo Pinho Franco
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:13/00311-6
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de junho de 2016
Assunto(s):Estresse oxidativoFisiologiaDesenvolvimento fetal
Resumo
Estudos clínicos e experimentais têm demonstrando consistentemente que o baixo peso ao nascer pode contribuir para o desenvolvimento tardio de doenças cardiovasculares. Embora os fatores envolvidos neste efeito ainda não se encontrem totalmente elucidados, alterações como complacência vascular reduzida, vasculogênese incompleta caracterizada por rarefação microvascular e alteração da capacidade moduladora da célula endotelial, características observadas em decorrência do baixo peso ao nascimento, podem contribuir diretamente para o desenvolvimento e/ou manutenção tanto da hipertensão arterial como de doenças cardiovasculares. Recentemente, evidenciou-se que o baixo peso ao nascimento pode promove adaptações negativas nas propriedades funcionais das células progenitoras endoteliais (CPEs). Diante do exposto, e considerando que essas células participam do processo de manutenção e integridade vascular, hipotetizamos que as alterações maléficas na CPEs induzidas pela programação fetal podem ser um dos mecanismos envolvidos no desenvolvimento tardio de doenças. Por outro lado, o efeito benéfico do treinamento físico aeróbio nas propriedades da CPEs vem sendo reportado em diversas condições patológicas e em inúmeros modelos experimentais. Entretanto, até o presente momento pouco se conhece a respeito dos efeitos benéficos do treinamento físico aeróbio em modelos de programação fetal, principalmente em relação as CPEs. Portanto, na tentativa de elucidar essa importante questão, levantamos a hipótese de que o treinamento físico aeróbio é capaz de revertes as ações deletérias da programação fetal, e que as CPEs poderiam ser um dos elos entre a programação fetal e o desenvolvimento tardio de doenças cardiovasculares. Com base nessas considerações, o presente projeto irá avaliar as possíveis adaptações benéficas induzidas pelo treinamento físico aeróbio nas características das CPEs, bem como no processo angiogênico da musculatura esquelética na prole adulta de ratos machos submetidos à programação fetal pela desnutrição intrauterina. (AU)

Análise da expressão gênica de chaperonas redox da família da Dissulfeto Isomerase Proteica na Síndrome de Marfan

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto do Coração Professor Euryclides de Jesus Zerbini (INCOR). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Francisco Rafael Martins Laurindo
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:13/06214-2
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2014
Vinculado ao auxílio:09/54764-6 - Regulação da homeostase redox e resposta integrada a estresse pela dissulfeto isomerase protéica (PDI): mecanismos e papel na fisiopatologia e terapêutica de doenças vasculares, AP.TEM
Assunto(s):NADPH oxidaseEstresse do retículo endoplasmáticoEstresse oxidativoCardiologiaSíndrome de Marfan
Resumo
Estresse do retículo endoplasmático é um mecanismo comum a várias doenças cardiovasculares, incluindo aterosclerose e hipertensão. Uma chaperona que está relacionada ao estresse do RE e vem sido estudada em nosso laboratório é a PDI (dissulfeto isomerase proteica, isoforma PDIA1), que se associa à NADPH oxidase vascular e exerce uma papel importante na convergência entre estresse do RE e estresse oxidativo. Estudos preliminares do laboratório indicam interação física entre a PDI e a fibrilina-1, uma proteína da matriz elástica cujo processamento ocorre no RE e sua mutação determina a Síndrome de Marfan (SM). Manifestações cardiovasculares na SM são as principais responsáveis pelo elevado índice de morbi-mortalidade da doença, no entanto os mecanismos celulares e moleculares envolvidos na gênese do fenótipo vascular característico ainda não estão esclarecidos. A SM decorre de mutação na fibrilina-1 (proteína da matriz elástica), cujo processamento ocorre no retículo endoplasmático (RE). Além disso, dados em andamento no grupo indicam que: 1) A expressão da PDIA1 aumenta muito entre 3 e 6 meses de idade nos animais com SM, coincidindo com o agravamento da doença vascular; 2) estudos funcionais, utilizando fibroblastos embrionários extraídos de animais controle ou com SM, demonstraram que o silenciamento da PDI aumenta a taxa de secreção da fibrilina-1, sugerindo que a PDI atua como um fator de retenção da fibrilina-1 no RE e 3) Por meio da análise da expressão gênica por PCR em tempo real, a expressão de Erp57, outra chaperona da família da PDI, aumenta significativamente em camundongos SM com 6 meses de idade. Desta forma, estes resultados sugerem que outras proteínas da família da PDI e associadas a ela podem ser super-expressas e interferir na fisiopatologia das alterações vasculares na SM. Nosso objetivo principal é investigar, em fibroblastos embrionários de camundongos WT e com SM, possíveis alterações na expressão de proteínas da família da PDI e de marcadores de estresse do RE. (AU)

Associações entre estado nutricional e estresse oxidativo protéico em pacientes após transplante renal

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Paula Garcia Chiarello
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/18862-6
Vigência: 01 de maio de 2013 - 30 de abril de 2015
Assunto(s):Transplante de rimEstado nutricionalEstresse oxidativo
Resumo
O transplante renal é considerado a melhor opção terapêutica para pacientes com Doença Renal Crônica (DRC) Estágio 5, proporcionando melhor qualidade de vida e prolongando a expectativa de vida, quando comparada ao paciente mantido cronicamente em diálise. O objetivo do projeto será avaliar as associações entre estado nutricional e estresse oxidativo protéico em pacientes no período pós-transplante renal imediato e tardio. Os indivíduos serão analisados no momento da alta hospitalar e três meses depois. Para avaliação do estado nutricional serão considerados dados antropométricos, como peso, altura, IMC, prega cutânea tricipital, circunferência do braço, cintura, quadril e abdominal. A composição corporal será analisada por impedância bioelétrica. A estimativa do gasto energético será feita por calorimetria indireta. O consumo alimentar será observado através de recordatório 24 horas e registros alimentares. Serão analisados exames bioquímicos como uréia, creatinina, glicemia, fósforo, potássio, sódio, colesterol total e frações (LDL, HDL), triglicerídeos, hemograma, ferro sérico, ferritina, transferrina, albumina, proteínas totais e proteína C reativa. Para avaliação do estresse oxidativo serão dosados os produtos protéicos de oxidação avançada (AOPP), beta-caroteno, vitaminas C e E. Os resultados serão expressos pela média e desvio-padrão, com nível de significância pré-fixado de 5%. Serão realizados testes não paramétricos para comparação entre médias nos diferentes períodos pós-transplante renal e as associações entre os parâmetros serão avaliadas por testes de correlação e análise de regressão linear múltipla. (AU)

Alterações neuroimunoendócrinas no eixo hipotálamo-neurohipófise durante sepse experimental

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria José Alves da Rocha
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/22246-9
Vigência: 01 de maio de 2013 - 31 de outubro de 2015
Assunto(s):NeuroendocrinologiaSistema hipotálamo-hipofisárioSepseEstresse oxidativoÓxido nítricoApoptoseCitocinas
Resumo
Estudos clínicos e experimentais relatam que na fase inicial da sepse ocorre aumento da secreção de vasopressina mas que na fase tardia apesar da diminuição significativa da pressão arterial as concentrações plasmáticas do hormônio permanecem inadequadamente baixas, contribuindo para hipotensão, choque e morte. Uma das hipóteses sugeridas para a deficiência relativa de AVP na fase tardia da sepse é a excessiva produção de citocinas incluindo IL-1 ² que aumentaria a produção de NO sistemicamente ou no sistema nervoso central causando estresse oxidativo e apoptose neuronal hipotalâmica, prejudicando a síntese e/ou liberação do hormônio. Nosso grupo demonstrou que de fato durante sepse experimental ocorre diminuição de RNA mensageiro para AVP e aumento da expressão da enzima NO sintase induzível (NOSi) nos núcleos supraóptico e paraventricular. Evidências de estresse oxidativo foi verificado pelo aumento de caspase 3 clivada, HIF-1 alfa e mudanças no padrão de localização do citocromo C. Adicionalmente nós observamos aumento de IL-1² e do receptor IL-1R1 principalmente no núcleo supraóptico, faltando, entretanto comprovar o envolvimento dessa citocina na produção central de óxido nítrico e no estresse oxidativo mitocondrial nos neurônios magnocelulares. Recentemente foi observado que os neurônios vasopressinérgicos são particularmente vulneráveis à infiltração de linfócitos citotóxicos CD8+ (LT-CD 8+) nos núcleos supraópticos e paraventriculares do hipotálamo, em situação de encefalomielite induzida. Nesta situação os sobreviventes à infecção apresentaram Diabetes Insipidus central e os neurônios magnocelulares aumento da expressão do complexo principal de histocompatibilidade de classe I (MHC-I). Se, entretanto essas alterações podem ser observadas durante a sepse é desconhecido. O objetivo deste projeto é analisar as alterações neuroimunoendócrinas que ocorrem particularmente na região do eixo hipotálamo-neurohipófise durante sepse experimental. (AU)

O papel da memória metabólica no desenvolvimento da nefropatia diabética

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Paula de Melo Loureiro
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/22190-3
Vigência: 01 de maio de 2013 - 31 de outubro de 2015
Assunto(s):Nefropatias diabéticasDiabetes mellitusEstresse oxidativoMetformina
Resumo
O diabetes mellitus é considerado um sério problema de saúde global, sendo que suas complicações têm grande impacto no índice de mortalidade da população. A nefropatia diabética é uma importante complicação desta doença metabólica, caracterizada basicamente por um declínio progressivo da taxa de filtração glomerular, proteinúria persistente e hipertensão. Diversos mecanismos têm sido propostos como importantes na patogênese e progressão da nefropatia diabética, uma vez que a hiperglicemia está relacionada com estresse oxidativo, aumento de citocinas pró-inflamatórias como IL-1, IL-6 e TNF-±, fatores de crescimento, como o TGF-², e formação de produtos avançados de glicação. Considerando o fato de que mesmo após o controle glicêmico ainda há a ocorrência de complicações do diabetes, estudos recentes têm proposto a ocorrência de um fenômeno conhecido como memória metabólica para explicar tal fato. Sob esta perspectiva, neste trabalho será avaliada a modulação de uma série de marcadores relacionados ou possivelmente relacionados à nefropatia diabética em condições de hiperglicemia e de controle glicêmico precoce e tardio pelo antidiabético oral metformina. Serão avaliados marcadores relacionados ao estresse oxidativo (expressão das proteínas SIRT-1, AMPK, Bax, TGF-², MKK 3/6, MKP-1 e p38), inflamação (IL-6, TNF-± e NF-kB) e processo avançado de glicação (hemoglobina glicada e Nµ-(carboximetil)lisina) em modelo de ratos diabéticos, assim como a expressão de genes alvos (PPARGC1A, TGF-², TSP-1, MKP-1 e UNC13B) e sua possível regulação epigenética (metilação de ilhas CpG) na vigência de hiperglicemia controlada ou não. Pretende-se, desta forma, elucidar vias envolvidas no processo de memória metabólica que tenham papel importante no desenvolvimento da nefropatia diabética, a fim de contribuir para o seu controle. (AU)

Fatores de transcrição de Chromobacterium violaceum: integrando vias de sinalização, regulons e patogenicidade

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:José Freire da Silva Neto
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Processo:12/20435-9
Vigência: 01 de abril de 2013 - 31 de março de 2017
Assunto(s):Fatores de VirulênciaOxirreduçãoChromobacterium
Resumo
Os fatores de transcrição ocupam papel central na hierarquia de regulação da expressão gênica ao ligarem em sequências específicas de DNA, modulando a iniciação da transcrição. A integração destas proteínas regulatórias em sistemas de transdução de sinal permite as bactérias monitorar vários parâmetros físico-químicos e elaborar respostas adaptativas adequadas. Assim, o estudo destas vias tem grande impacto na compreensão de como as bactérias controlam variadas funções celulares tais como produção de biofilme, virulência, resistência aos antibióticos e reconhecimento do hospedeiro. No entanto, mesmo em organismos modelo, muitos fatores de transcrição ainda não foram caracterizados, e para poucos deles os sinais e mecanismos de ativação estão descritos. Neste sentido, propõe-se o estabelecimento de Chromobacterium violaceum, uma beta-proteobactéria de vida livre capaz de atuar como patógeno oportunista em humanos, como um modelo para estudo do papel de fatores de transcrição em virulência. Para tanto, será realizada mutagênese sistemática de 10% de todos os fatores de transcrição de C. violaceum, e as linhagens mutantes serão testadas para redução de virulência em modelos experimentais. Seus regulons serão determinados usando microarranjos de DNA e técnicas bioquímicas tradicionais. Serão selecionados fatores de transcrição contendo cisteínas conservadas, de modo a contemplar reguladores redox, sobretudo porque muitos patógenos são confrontados com estresse oxidativo durante a infecção ou tratamento com antibióticos. O papel de quinases/fosfatases do tipo eucariótico também será avaliado para testar se estes fatores de transcrição são capazes de integrar diferentes sinais (regulação redox e por fosforilação) no controle da virulência. (AU)

Utilização de complexos de rutênio como estratégia farmacológica para reverter e/ou prevenir a disfunção endotelial

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Gerson Jhonatan Rodrigues
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Cardiorenal
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Processo:12/24477-8
Vigência: 01 de abril de 2013 - 31 de março de 2017
Assunto(s):Estresse oxidativoÓxido nítricoComplexos de rutênioEndotélio vascular
Resumo
A disfunção endotelial tem sido considerada um marcador para a presença de doenças cardiovasculares, uma vez que a diminuição da biodisponibilidade do NO contribui para o desenvolvimento e progressão da hipertensão arterial e aterosclerose, as quais podem levar ao desenvolvimento de doenças isquêmicas cerebrais e cardíacas e até insuficiência cardíaca. A disfunção endotelial é caracterizada principalmente pela diminuição da capacidade das células endoteliais em liberar NO, que é um importante modulador fisiológico do tônus vascular, inibe a agregação plaquetária, diminui a expressão de moléculas de adesão, diminuí a proliferação de células do músculo liso vascular e apresenta um importante efeito anti-inflamatório que é decorrente da ativação dos receptores PPARg e inibição do NF-kB. Por ser uma espécie radicalar, o NO reage rapidamente com outras moléculas que apresentam elétron desemparelhado, sendo extremamente instável em condições fisiológicas. O ânion superóxido (O2-) diminui a biodisponibilidade do NO e também ativa NF-ºB, que é um importante fator de transcrição pró-inflamatório, o qual tem sido encontrado ativado nas células do sistema cardiovascular na presença de doenças cardiovasculares, incluindo a hipertensão arterial, a aterosclerose e a insuficiência cardíaca. Desta forma, a diminuição na atividade do NF-ºB induzida pelo NO e pela remoção do O2- pode ser uma importante estratégia na prevenção e/ou reversão de doenças cardiovasculares. Em estudos prévios verificamos que os complexos de rutênio cis-[Ru(H-dcbpy-)2(Cl)(NO)] e cis-[Ru(bpy)2(NO2-)(NO)](PF6)2 atuam como doadores de NO e o composto cis-[Ru(H-dcbpy-)2(Cl)(NO)] inativa o O2- gerado pela xantina oxidase. Assim, a hipótese deste estudo é de que estes compostos podem reverter e/ou prevenir a disfunção endotelial. Este efeito poderia normalizar a pressão arterial, diminuir os riscos do desenvolvimento de doenças isquêmicas cerebrais e cardíacas e também da insuficiência cardíaca. Para testar esta hipótese, será utilizado o modelo de hipertensão dois rins um clip (2R-1C) e também cultura de células endoteliais estimuladas com angiotensina II, uma vez que nestas condições é possível obter células endoteliais disfuncionais com elevadas concentrações de O2-. Portanto, o objetivo principal deste estudo será de testar nossa hipótese bem como realizar a caracterização farmacológica dos efeitos dependentes da remoção do O2- e liberação do NO induzidos por estas drogas. Este projeto possibilitará a implantação de uma linha de pesquisa que é emergente no Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), do qual faz parte o Departamento de Ciências Fisiológicas (DCF). O DCF apresenta boa estrutura nas áreas de Biologia Celular, Bioquímica e endocrinologia, as quais estarão disponíveis para o desenvolvimento deste projeto por meio de colaborações estabelecidas com os docentes deste departamento. Também, este projeto contará com a colaboração da Profa. Dra. Lusiane M. Bendhack e do Prof. Dr Roberto S. Da Silva, ambos da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto-USP. (AU)

Avaliação do potencial de sistemas lipídicos nanoestruturados para administração cutânea de trans-resveratrol

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marlus Chorilli
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Farmacotecnia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/19568-4
Vigência: 01 de abril de 2013 - 31 de março de 2015
Assunto(s):NanotecnologiaPropriedades físicas e químicasResveratrolEstresse oxidativo
Resumo
A exposição diária da pele à radiação ultravioleta pode causar dano direto ao DNA e ocasionar a proliferação de espécies reativas de oxigênio (EROs), conduzindo a um estado definido como estresse oxidativo, o qual pode desencadear uma série de desordens cutâneas, dentre elas o câncer de pele. Estudos recentes têm demonstrado que o trans-resveratrol (RES), devido às suas propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e quimiopreventivas, é uma substância ativa potencial na terapia contra as alterações decorrentes do estresse oxidativo. Porém, o RES apresenta baixa biodisponibilidade in vivo devido à rápida metabolização quando administrado por via oral. Dessa forma, sua administração cutânea seria conveniente a fim de localizá-lo no seu sítio de ação. No entanto, algumas de suas propriedades físico-químicas, como limitada solubilidade aquosa, dificultam sua eficiência terapêutica tópica, uma vez que possui baixa penetração na pele. Os sistemas lipídicos nanoestruturados, como as nanopartículas lipídicas sólidas (NLS) e os carreadores lipídicos nanoestruturados (CLN), têm sido empregados com sucesso nas áreas farmacêutica e cosmética por apresentarem a capacidade de compartimentalizar, de maneira eficiente, diversos grupos de princípios ativos e de modificar suas propriedades e comportamento em meio biológico. Neste sentido, NLS e CLN têm se mostrado vantajosos na administração cutânea de várias substâncias principalmente em virtude de suas características de interação com o estrato córneo e outras camadas da pele e capacidade de arranjo do fármaco com efeito protetor e sustentador da liberação. Neste projeto pretende-se desenvolver e a caracterizar, sob o aspecto físico-químico, NLS e CLN para a incorporação de RES. Desta forma, espera-se desenvolver um sistema de liberação para o RES em nível nanoestrutural que otimize sua utilização no tratamento das desordens provocadas pelo estresse oxidativo, sobretudo no tratamento do melanoma. (AU)

Potencial mitigador do óleo de cravo sobre as respostas fisiológicas ao estresse de hipóxia e de transporte no lambari, Astyanax altiparanae (GARUTTI & BRITSKI, 2000)

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA). Universidade de São Paulo (USP). Pirassununga, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Elyara Maria Pereira da Silva
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Recursos Pesqueiros de Águas Interiores
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/24698-4
Vigência: 01 de abril de 2013 - 30 de setembro de 2015
Assunto(s):Manejo animalPeixesLambariÓleo de cravoEstresse oxidativoEugenol
Resumo
O óleo de cravo é um anestésico natural, de baixo custo e fácil aquisição e preparo e cujos efeitos, concentrações eficientes e seguras já foram descritos para peixes. Para avaliação do potencial deste fármaco na mitigação das respostas fisiológicas ao estresse no lambari, espécie nativa no Brasil e com reconhecido potencial zootécnico, será estabelecido um delineamento experimental inteiramente casualizado, constituído de quatro tratamentos com 20 repetições cada. Serão anotados e comparados os níveis sanguíneos de glicose e de lactato, hematócrito, índice hepatossomático, concentrações de glicogênio hepático e muscular e o estresse oxidativo (músculo) de peixes submetidos ou não ao estresse de hipóxia (exposição aérea), com ou sem prévia indução anestésica. Posteriormente, será avaliada a concentração mais adequada e os efeitos do anestésico, combinado ou não ao NaCl na água, sobre as respostas fisiológicas ao estresse de transporte simulado (movimentos verticais e horizontais dos sacos a cada 10 minutos, durante cinco horas). Para tanto, será estabelecido um delineamento inteiramente casualizado, em arranjo fatorial 3x3 (0, 3 e 6g NaCl; 0, 5 e 7,5 mg.L-1 do anestésico), com 100 peixes por tratamento (densidade de 20 peixes.L-1), anotando-se a mortalidade após a simulação, taxa de sobrevivência acumulada após 96 horas e qualidade da água antes e após os procedimentos. Os mesmos parâmetros fisiológicos avaliados na primeira etapa serão também utilizados para determinação dos efeitos do transporte, amostrando-se 15 peixes de cada tratamento. Os dados serão submetidos à ANOVA, comparando-se as médias pelo teste de Tukey (P<0,05). (AU)

Influência do receptor TLR2 e TLR4 nos efeitos comportamentais e bioquímicos induzidos pela dieta intermitente em camundongos nocaute

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Cristoforo Scavone
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Bioquímica e Molecular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:12/25361-3
Vigência: 01 de abril de 2013 - 31 de março de 2015
Assunto(s):NeurofarmacologiaFármacos neuroprotetoresFatores de transcriçãoReceptores toll-likeDieta intermitente
Resumo
Hormese é uma resposta adaptativa das células e do organismo a um estresse moderado, normalmente intermitente, que pode gerar muitos efeitos benéficos e protetores em diversas espécies. Exemplos incluem a exposição a baixas doses de certos fitoquímicos como curcumina, isotocianatos e resveratrol, o exercício físico e a restrição de energia da dieta (RED). Esta última, quando não causa desnutrição, expõe os organismos a um estresse nutricional moderado que não apenas estimula as proteínas de estresse, mas também os mecanismos de defesa do organismo, tornando-o mais resistente a estímulos tóxicos ou potencialmente deletérios. Em linhas gerais, a RED parece atuar em vias associadas à resposta inflamatória e à sobrevivência celular, além de aumentar a resistência contra o estresse oxidativo, envolvendo com isso a modulação de fatores de transcrição como o fator nuclear kappa B (NFKB), o fator 2 relacionado ao NF-E2 (Nrf2) e o Forkhead box O (FOXO). No entanto, pouco se sabe sobre os mecanismos moleculares envolvidos, assim como o papel do receptor tipo Toll- (TLR)4 na modulação dos efeitos benéficos da RED. Contudo, resultados preliminares do nosso laboratório mostraram que a dieta intermitente em ratos causa uma redução significativa dos níveis de RNA mensageiro (RNAm) do TLR4 no hipocampo, sugerindo uma participação desse receptor nos efeitos da RED. Este projeto tem como objetivo avaliar a influência dos TLR2 e TLR4 nos efeitos neuroprotetores induzidos pela dieta intermitente sobre memória e nos mecanismos de sinalização associados aos fatores de transcrição NFKB, Nrf2 e FOXO. Um maior entendimento desses processos fisiológicos pode permitir o desenvolvimento de novas estratégias para intervenções farmacológicas visando a promoção da longevidade e o envelhecimento saudável, bem como para o tratamento de distúrbios neurodegenerativos. (AU)

Effects of catalase inhibition into the fourth cerebral ventricle on cardiovascular responses in spontaneously hypertensive rats exposed to sidestream cigarette smoke

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Filosofia e Ciências (FFC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Marília. Marília, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Vitor Engrácia Valenti
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Processo:13/02171-7
Vigência: 01 de abril de 2013 - 30 de setembro de 2013
Assunto(s):TabacoSistema nervoso autônomoCardiologiaSistema cardiovascular
Resumo
OBJETIVO: A literatura demonstrou a relação entre o estresse oxidativo cerebral e a regulação cardiovascular. Nosso objetivo foi avaliar os efeitos da inibição da catalase central sobre as respostas cardiovasculares em ratos espontaneamente hipertensos (SHR) expostos à fumaça lateral de cigarro (SSCS). MÉTODOS: Foram estudados ratos Wistar Kyoto (WKY) e SHR (16 semanas de idade) foram implantados com uma cânula guia de aço inoxidável dentro do quarto ventrículo cerebral (4thV). Artéria e veia femoral foram canulados para verificar a pressão arterial média (PAM) e freqüência cardíaca (HR) e para infusão de drogas, respectivamente. Os ratos foram expostos à SSCS durante três semanas, 180 minutos, 5 dias / semana (CO: 100-300 ppm). O barorreflexo foi testado com uma dose pressora de fenilefrina (PHE, 8 ug / kg, em bolus) e uma dose depressora de nitroprussiato de sódio (SNP, 50 ug / kg, em bolus). Respostas cardiovasculares foram avaliadas antes, 5, 15, 30 e 60 minutos depois da injeção de 3-amino-1 ,2,4-triazole (ATZ, catalase, inibidor 0.001g/100¼L). RESULTADOS: O tratamento com veículo no 4th V não alterou as respostas cardiovasculares. A inibição da catalase Central aumentou a FC basal e atenuou o pico bradicárdico (p <0,05) com mais intensidade em ratos WKY expostos a SSCS comparados a ratos WKY expostos ao ar livre. No entanto, a inibição da catalase no 4th V aumentou as mesmas variáveis com maior intensidade no SHR exposto ao ar fresco (p <0,05). CONCLUSÃO: Sugerimos que a inibição da catalase no 4th V tem efeitos mais fortes em ratos WKY expostos a SSCS, o que não é observado em SHR. (AU)

Estudo de parâmetros oxidativos no sistema nervoso central de ratos obesos suplementados cronicamente com extrato de chá verde (Camellia sinensis)

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa. Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rosemari Otton
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia Geral
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:12/19681-5
Vigência: 01 de abril de 2013 - 28 de fevereiro de 2015
Assunto(s):Camellia sinensisEstresse oxidativoSistema nervoso centralObesidade
Resumo
A obesidade é considerada uma doença integrante do grupo de Doenças Crônicas Não-Transmissíveis (DCNT), sendo caracterizada pelo acúmulo de gordura corporal que prejudica a saúde do indivíduo, favorecendo o desenvolvimento de outras doenças como o diabetes mellitus tipo 2, doenças cardiovasculares, hipertensão entre outras. É bem descrito que o cérebro é um órgão que possui um maior grau de estresse oxidativo em relação aos demais tecidos, pois, ele apresenta elevado consumo de oxigênio e alto teor de ferro, o que favorece a lipoperoxidação, além da sua capacidade de defesa antioxidante ser muito reduzida. O retículo endoplasmático é uma organela responsável pela síntese de proteínas e a deficiência nessa organela pode provocar o estresse de retículo, que é ocasionado principalmente em doenças como diabetes mellitus e obesidade. As catequinas, principais compostos polifenólicos no chá verde, possuem múltiplos efeitos benéficos para a saúde pois possuem efeito antioxidante, anti-hipertensivo, anti-inflamatório, anti-proliferativo, anti-trombogênico, antimutagênico, antidiabético e redutor de lipídios. Muitos estudos demonstraram a atividade de diversos antioxidantes naturais na obesidade e no SNC, porém, nada é descrito sobre a ação antioxidante do chá-verde. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo avaliar os parâmetros oxidativos, funcionais e inflamatórios de regiões do SNC (encéfalo, cerebelo e tronco encefálico) de animais obesos tratados com extrato de chá-verde. Para tal serão realizados os seguintes experimentos: avaliação dos danos em lipídios pelo ensaio de 8-isoprostanos (ELISA), avaliação do conteúdo de glutationa reduzida (GSH), oxidada (GSSG) e a relação GSH/GSSG, avaliação da capacidade antioxidante total das regiões cerebrais pelo ensaio de FRAP, atividade das enzimas antioxidantes SOD, glutationa redutase e peroxidase, dosagens das concentrações séricas de leptina, expressão gênica por RT-PCR dos genes BIP, CHOP e XBP-1 como indicadores de estresse de retículo. (AU)

Variáveis no controle glicêmico e patogênese da nefropatia diabética: investigação sobre o fenômeno da memória metabólica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Paula de Melo Loureiro
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Processo:12/08617-4
Vigência: 01 de abril de 2013 - 30 de junho de 2016
Assunto(s):Nefropatias diabéticasDoenças metabólicasMetformina
Resumo
O diabetes mellitus é considerado um sério problema de saúde global, sendo que suas complicações têm grande impacto no índice de mortalidade da população. A nefropatia diabética é uma importante complicação desta doença metabólica, caracterizada basicamente por um declínio progressivo da taxa de filtração glomerular, proteinúria persistente e hipertensão. Diversos mecanismos têm sido propostos como importantes na patogênese e progressão da nefropatia diabética, uma vez que a hiperglicemia está relacionada com estresse oxidativo, aumento de citocinas pró-inflamatórias como IL-1, IL-6 e TNF-±, fatores de crescimento, como o TGF-², e formação de produtos avançados de glicação. Considerando o fato de que mesmo após o controle glicêmico ainda há a ocorrência de complicações do diabetes, estudos recentes têm proposto a ocorrência de um fenômeno conhecido como memória metabólica para explicar tal fato. Sob esta perspectiva, neste trabalho será avaliada a modulação de uma série de marcadores relacionados ou possivelmente relacionados à nefropatia diabética em condições de hiperglicemia e de controle glicêmico precoce e tardio pelo antidiabético oral metformina em associação com insulina. Serão avaliados marcadores relacionados ao estresse oxidativo (lesões 8-oxodGuo, 1,N2-edGuo, 1,N6-edAdo no DNA, expressão das proteínas SIRT-1, AMPK, Bax, TGF-², MKK 3/6, MKP-1 e p38), inflamação (lesões 8-NO2-dG, 8-Cl-dG no DNA, IL-6, TNF-± e NF-kB) e processo avançado de glicação (hemoglobina glicada e Nµ-(carboximetil)lisina) em modelo de ratos diabéticos, assim como a expressão de genes alvos (PPARGC1A, TGF-², TSP-1, MKP-1 e UNC13B) e sua possível regulação epigenética (metilação ou desmetilação de ilhas CpG) na vigência de hiperglicemia controlada ou não. Pretende-se, desta forma, elucidar vias envolvidas no processo de memória metabólica que tenham papel importante no desenvolvimento da nefropatia diabética, a fim de contribuir para o seu controle. (AU)

Envolvimento do óxido nítrico nas respostas fisiológicas em plantas de cana-de-açúcar submetidas a déficit hídrico

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rafael Vasconcelos Ribeiro
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Fisiologia Vegetal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:12/19167-0
Vigência: 01 de abril de 2013 - 31 de março de 2016
Vinculado ao auxílio:08/57495-3 - Integrando características fisiológicas, morfológicas e anatômicas para entender o rendimento diferencial de sacarose em genótipos de cana-de-açúcar, AP.BIOEN.TEM
Assunto(s):FotossínteseCana-de-açúcarDeficiência hídricaÓxido nítricoMetabolismo
Resumo
O déficit hídrico é o principal fator limitante na produtividade das culturas agrícolas, as plantas geralmente apresentam redução nas taxas da fotossíntese e crescimento, frequentemente associadas a alterações no metabolismo vegetal. O óxido nítrico (NO) tem emergido como uma importante molécula sinalizadora em vários sistemas biológicos. Postula-se que o NO tem papel protetor agindo, principalmente, na interrupção de radicais livres formados sob estresse oxidativo. Diante do exposto, nosso objetivo é avaliar a influência do NO nas respostas fisiológicas de cana-de-açúcar (Saccharum spp) sob estresse hídrico. Adicionalmente, pretende-se determinar as principais fontes de NO nos genótipos com sensibilidade diferencial ao déficit hídrico. Os genótipos serão submetidos ao déficit hídrico pela adição de PEG-8000 à solução nutritiva (potencial osmótico de -0,75 MPa). Além de avaliarmos a produção diferencial de NO pelas plantas em condições limitantes, analisaremos também o papel do NO fornecido via solução nutritiva através do nitroprussiato de sódio (SNP). As avaliações serão divididas em três experimentos, o primeiro irá tratar da atividade de enzimas de síntese, além da detecção do NO nas plantas. O segundo tratará das análises fisiológicas, como trocas gasosas, atividade fotoquímica, pigmentos fotossintéticos, enzimas do metabolismo fotossintético e análise de crescimento, a fim de verificar se o NO é capaz de atenuar a inibição do crescimento e o comprometimento da cadeia de transporte de elétrons na fotossíntese em condições de estresse. E o último experimento responderá se o NO potencializará os mecanismos antioxidativos, para tanto, realizaremos análises das espécies reativas de oxigênio e enzimas do sistema antioxidativo. Os experimentos serão conduzidos em delineamento de blocos casualizados, com cinco repetições e os dados submetidos à análise de variância, sendo as médias comparadas pelo teste de Tukey. (AU)

Avaliação do potencial antioxidante, fotoprotetor e antiglicante do extrato de folha e fruto de Plinia glomerata O.berg (Myrtaceae)

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências e Letras (FCL-ASSIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Assis. Assis, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Regildo Márcio Gonçalves da Silva
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Etnofarmacologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:12/23650-8
Vigência: 01 de abril de 2013 - 02 de abril de 2015
Assunto(s):Vitamina CFlavonoides
Resumo
O efeito oxidante provocado por radicais livres provenientes do metabolismo do O2, ocorre naturalmente no organismo. O estresse oxidativo, aumento dessa condição, está correlacionado ao aparecimento de doenças, e pode ser intensificado devido à exposição a fatores externos, como a radiação solar, causando assim danos celulares significativos, podendo levar ao envelhecimento acelerado das células. Estudos com extratos vegetais tem demonstrado que os mesmos podem conter compostos de interesse farmacológico para tratar e/ou prevenir os danos celulares causados pelo estresse oxidativo, podendo resultar em uma ação fotoprotetora e antiglicante. Diante deste contexto, o presente trabalho tem por objetivo avaliar o potencial antioxidante, antiglicante e fotoprotetor, quantificar os fenóis e flavonoides totais e determinar o teor de vitamina C nos extratos etanólico e hidroetanólico da folha e do fruto de P. glomerata (AU)

Efeitos da elevada concentração de glicose sobre a migração de fibroblastos periodontais: potencial regulação de GTPases Rho por micro RNAs

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marinilce Fagundes dos Santos
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Periodontia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Processo:12/24508-0
Vigência: 01 de abril de 2013 - 30 de junho de 2016
Assunto(s):FibroblastosHiperglicemiaMicroRNAs
Resumo
O Diabetes mellitus (DM) é caracterizado por hiperglicemia (HG) crônica que, em um longo prazo, gera complicações associadas principalmente ao estresse oxidativo e glicação. Uma das complicações comuns do DM é a cicatrização deficiente; além do comprometimento do sistema vascular, existem estudos sugerindo o comprometimento de funções específicas dos fibroblastos, células importantes no processo cicatricial. Outra complicação frequente do DM é o aumento de incidência de doença periodontal (gengivite e periodontite) e, de forma geral, uma deficiência na cicatrização de lesões orais. Parte deste problema deriva de uma hipofunção de glândulas salivares, mas é provável que a função de fibroblastos na mucosa oral e periodonto também esteja alterada. No processo cicatricial, os fibroblastos proliferam, migram, sintetizam e degradam matriz extracelular (MEC). Na cicatrização/regeneração do ligamento periodontal a atividade migratória é especialmente relevante, já que estas células deverão povoar a superfície radicular limpa antes que o epitélio juncional da gengiva migre sobre a superfície dental e crie uma aderência para formar um epitélio juncional longo. Nós demonstramos recentemente que o estresse oxidativo promovido pela HG afeta negativamente a migração de fibroblastos em diferentes substratos, com redução da velocidade e direcionalidade celulares (LAMERS, et al., 2011). Este efeito foi acompanhado de aumento da frequência de processos celulares não produtivos, por serem instáveis e retrair com frequência. A HG também reduziu a maturação das adesões junto à MEC e aumentou a atividade das GTPases Rac1 e RhoA, que regulam respectivamente a formação dos processos celulares e a contratilidade celular. Também observamos uma diminuição na distribuição de diferentes integrinas na superfície celular (ALMEIDA, 2011). GTPases Rho são proteínas que participam de diferentes vias de sinalização e regulam a organização do citoesqueleto de actina e microtúbulos. Um aspecto importante e pouco explorado na regulação do citoesqueleto e da migração celular é o papel de microRNAs (miRNAs) em vias de sinalização envolvendo GTPases Rho. Sabe-se, no entanto, que o DM altera a expressão de diversos miRNAs (SHEN et. al., 2011). Sendo assim, este estudo tem como principais objetivos: 1) avaliar os efeitos de elevada concentração de glicose sobre a proliferação e migração de fibroblastos periodontais humanos, 2) avaliar a regulação da expressão de miRNAs pela glicose elevada e 3) avaliar a regulação da migração de fibroblastos periodontais por miRNAs diferencialmente expressos nestas condições. Acreditamos que este estudo possa revelar potenciais alvos reguladores da migração de fibroblastos periodontais a serem utilizados na terapia regenerativa em indivíduos normais e diabéticos. (AU)

Avaliação de diferentes métodos de criopreservação de sêmen e do efeito do tratamento com agentes antioxidantes nas características seminais de BUGIO-PRETO (Alouatta caraya) pós-descongelação

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Marcelo Alcindo de Barros Vaz Guimarâes
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Reprodução Animal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:12/24709-6
Vigência: 01 de abril de 2013 - 31 de janeiro de 2015
Assunto(s):AntioxidantesAnimais silvestresCriopreservação
Resumo
A presença de ameaças constantes à sobrevevivência dos primatas não humanos gera a necessidade de intervenção com técnicas de reprodução assistida. Um estudo recente avaliou diferentes protocolos de criopreservação para sêmen de Alouatta caraya. Os melhores resultados foram obtidos com crioprotetor à base de gema de ovo com glicerol a 4%, porém os resultados não foram satisfatórios. Com base nos resultados deste último estudo e de estudos com outras espécies, foi elaborado o presente projeto. O estudo será dividido em dois experimentos: Experimento I - determinação da concentração de glicerol e da curva de congelação para criopreservação de sêmen desta espécie; Experimento II - avaliação dos efeitos da adição de DHA e de vitamina E ao sêmen desta espécie. Serão utilizados dois animais da Fundação Parque Zoológico de São Paulo, São Paulo - SP e cinco animais do Centro Nacional de Primatas, Ananindeua - PA, totalizando sete animais. Para comparação dos diferentes protocolos serão avaliados os parâmetros motilidade, morfologia espermática, integridade de membrana plasmática, integridade de acrossoma, atividade citoquímica mitocondrial, suscetibilidade ao estresse oxidativo (TBARS) e suscetibilidade da cromatina à desnaturação ácida (SCSA). Adicionalmente, será utilizada a técnica de espectroscopia no infravermelho por transformada de Fourier (FTIR, do inglês Fourier Transform Infrared Spectroscopy), para obtenção de dados a respeito da composição do espermatozoide antes e depois da criopreservação. Os dados serão analisados por meio do software estatístico SAS System for Windows. (AU)
Página 10 de 1.969 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP