site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas de Pesquisa direcionados à Aplicação
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
546 resultado(s)
|

Indução experimental da Síndrome de Sjogren

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Odontologia (FOSJC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José dos Campos. São José dos Campos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carmelinda Schmidt Unterkircher
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:94/02821-9
Vigência: 01 de novembro de 1994 - 31 de março de 1997
Assunto(s):AutoantígenosImunizaçãoAnticorpos monoclonaisAutoanticorposInflamação
Resumo
O objetivo deste trabalho é obter um modelo experimental para a Síndrome de Sjögren primária. Para isto diferentes linhagens isogênicas e protocolos de imunização serão testados com base em trabalhos recentes sobre a resposta imunológica e a auto-tolerância. A evolução do processo será acompanhada pela análise de cortes histológicos seriados das glândulas salivares pela elevação sérica e aos auto-anticorpos naturais, caracterização de auto-anticorpos induzidos e dos alvos celulares e produção de anticorpos monoclonais reconhecendo antígenos glandulares. (AU)

Avaliação do perfil de auto-anticorpos na cirrose biliar primária

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luis Eduardo Coelho Andrade
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:09/51887-0
Vigência: 01 de setembro de 2009 - 29 de fevereiro de 2012
Assunto(s):Auto-imunidadeAutoanticorpos
Resumo
As alterações imunológicas características das doenças auto-imunes, especialmente o aparecimento de auto-anticorpos, freqüentemente precedem a instalação do quadro clínico respectivo por meses ou anos. Embora este fato esteja bem demonstrado, não se sabe se ocorrem mudanças qualitativas e quantitativas nos parâmetros imunológicos entre as fases iniciais (subclínicas) e clinicamente estabelecidas das enfermidades auto-imunes. A cirrose biliar primária (CBP) é um modelo especialmente adequado para avaliação desta questão uma vez que tem evolução extremamente insidiosa longa, bem como aparecimento precoce de auto-anticorpos. Desta forma, o fenômeno dos auto-anticorpos pode ser observado ao longo das décadas em que transcorre a história natural da doença, abrangendo desde as fases totalmente assintomáticas até aquelas com francas manifestações clínicas. No entanto, a CBP é uma doença auto-imune hepática caracterizada por uma história natural heterogênea. Alguns pacientes evoluem para falência hepática enquanto outros permanecem com doença insidiosa por décadas e não desenvolvem um quadro desfavorável. O diagnóstico está baseado no preenchimento de pelo menos dois dos três critérios estabelecidos: (1) biópsia hepática compatível; (2) enzimas hepáticas alteradas por mais de seis meses e (3) presença de auto-anticorpos antimitocôndria. Atualmente há um consenso de que a presença de outros auto-anticorpos considerados específicos para a doença deve ser valorizada quando o paciente não apresenta anticorpos antimitocôndria. Embora consagrados como marcadores de doença, os auto-anticorpos associados à CBP não têm associação estabelecida com os aspectos clínicos da mesma, como a fase e a gravidade da doença. O objetivo do presente estudo é proceder a uma análise abrangente das características imunológicas dos auto-anticorpos na CBP ao longo da história natural da mesma, especificamente nas fases incipiente (subclínica) e clinicamente estabelecida. (AU)

Incidência de anticorpos anti Interferon beta e auto anticorpos em pacientes com esclerose múltipla

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto Brasileiro de Controle do Cancer (IBCC). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Morton A Scheinberg
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:00/09676-7
Vigência: 01 de setembro de 2001 - 31 de agosto de 2003
Assunto(s):Esclerose múltiplaInterferon betaAnticorpos
Resumo
Interferon beta é uma forma eficaz de tratamento em certos casos de esclerose múltipla. Semelhante a outras proteínas de uso parenteral pode ocorrer o aparecimento de anticorpos do tipo neutralizante levando a uma redução da resposta terapêutica. No tratamento com Interferon beta pode também ocorrer o aparecimento de autoanticorpos e manifestações autoimunes podendo levar a presença de mecanismos que interfiram na resposta ao tratamento. No presente estudo é nosso objetivo estudar a incidência dos anticorpos neutralizantes e dos autoanticorpos em um estudo longitudinal e avaliar suas implicações clínicas. (AU)

Anticorpos anti-"Rods & rings", HCV e ribavirina/interferon: um modelo humano de geração de autoanticorpos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luis Eduardo Coelho Andrade
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:11/12448-0
Vigência: 01 de novembro de 2011 - 30 de abril de 2015
Assunto(s):Hepatite CReumatologiaAutoanticorposEstruturas citoplasmáticasRibavirina
Resumo
Deste as primeiras descrições de pacientes produzindo autoanticorpos na primeira metade do século passado, várias teorias foram apresentadas discutindo como estes são produzidos e por que. A quebra da tolerância pelo sistema imune ao próprio é de grande importância, principalmente considerando-se a enorme importância dos autoanticorpos no contexto das doenças autoimunes. Nosso grupo demonstrou recentemente que o uso de ribavirina e interferon-alfa induz a geração de autoanticorpos contra estruturas citoplasmáticas denominadas preliminarmente de "Rods & Rings". Chan e colaboradores encontraram evidências de que a CTP sintase (CTPs) é um dos alvos antigênicos desses autoanticorpos. Neste trabalho vamos estudar, descrever e procurar esclarecer os passos de um modelo de geração de autoanticorpos em humanos. Pretendemos estudar como a alteração na estrutura de uma proteína própria (CTPs) causada pela administração de um medicamento (Ribavirina) administrado para combater uma infecção (HCV) leva um sistema imune desestabilizado por outro medicamento (IFN1-±) a produzir autoanticorpos contra esta proteína. Trata-se de um modelo de geração de autoanticorpos observado em pacientes com HCV e que, curiosamente, não parece interferir no curso da doença e na resposta do paciente ao tratamento aplicado para combater a infecção do vírus. Sabemos que quase 40% dos pacientes com HCV tratados com IFN1-±+Ribavirina produzem autoanticorpos contra as estruturas citoplasmáticas chamadas "Rods & Rings". Para descrever o processo de geração desses autoanticorpos pretendemos: 1- Desenvolver um modelo animal que auxilie a entender aspectos da fisiopatologia do processo de geração de autoanticorpos anti-R&R; 2- Identificar as proteínas alvo dos autoanticorpos produzidos pelos pacientes; 3- Monitorar a expressão do possível alvo antigênico (CTP sintetase) em células submetidas a tratamento com Ribavirina; 4- Estudar os efeitos da Ribavirina in vitro sobre as propriedades físico-químicas da CTPs purificada. A descrição deste modelo deverá contribuir significantemente para o entendimento dos mecanismos subjacentes à produção de autoanticorpos e às doenças autoimunes. (AU)

Estudo molecular e enzimático da tiroperoxidase como antígeno na doença auto-imune tiroidiana em crianças e adolescentes com diabetes mellitus insulino-dependente

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rui Monteiro de Barros Maciel
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:93/04416-1
Vigência: 01 de maio de 1994 - 29 de fevereiro de 1996
Assunto(s):Autoanticorpos
Resumo
Pacientes com doenças tiroidianas autoimunes, em especial Tiroidite de Hashimoto, apresentam no seu soro autoanticorpos dirigidos principalmente contra os antígenos tiroglobulina e microssomal tiroidiano. O possível papel patogênico dos autoanticorpos antimicrossomais ainda não foi estabelecido. Neste trabalho caracterizaremos por "Western blotting" em crianças e adolescentes com Diabete Mellitus Insulino Independente, comparando com o dos pacientes que apresentam Tiroidite de Hashimoto isolada. Avaliamos ainda a capacidade da inibição dos autoanticorpos antitiroperoxidase na atividade catalítica da enzima nos dois grupos de pacientes investigando a sua relação com a função tiroidiana. (AU)

Correlações clínico-laboratoriais em crianças com lúpus eritematoso sistemático

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eloisa Silva Dutra de Oliveira Bonfá
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:93/03823-2
Vigência: 01 de março de 1994 - 30 de novembro de 1996
Assunto(s):Autoanticorpos
Resumo
O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LÊS) se caracteriza pela presença de autoanticorpos para múltiplos antígenos. O anticorpo anti-dsDNA e anti-Sm, são considerados específicos para o LES, e estão presentes em aproximadamente 50% e 25% dos casos. O nosso estudo se propõe a caracterizar e correlacionar as manifestações clínicas com a presença dos autoanticorpos: anti-dsDNA, anti-Sm, anti-RNP, anti-Ro (SS-A), anti-LA (SS-B) na população infantil brasileira com LES. Além disso, serão estudados pela primeira vez os auto-anticorpos anti-ribossomais (anti-P e anti-S10) na população infantil portadora de LES. (AU)

Remoção de auto-anticorpos séricos: imunoadsorção utilizando proteína L como ligante

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sonia Maria Alves Bueno
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química - Processos Industriais de Engenharia Química
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:00/14267-9
Vigência: 01 de março de 2001 - 30 de abril de 2002
Assunto(s):ImunoglobulinasAutoanticorposSangueSorosProteínasLigantesCromatografia de afinidade
Resumo
Este projeto visa estudar a remoção de auto-anticorpos do tipo imunoglobulinas G, M e A (IgG, IgM e IgA) de pools de amostras de soro de pacientes com doenças auto-imunes através da técnica de adsorção por afinidade empregando a proteína L como ligante. Este ligante seria empregado com a finalidade de aumentar a eficácia do tratamento extracorpóreo, uma vez que ligantes comumente utilizados para este fim não são muito seletivos, removendo indiscriminadamente todas as imunoglobulinas do tipo G, seja auto-anticorpos ou não. A seletividade, a capacidade do adsorvente e a interação das três classes de imunoglobulinas com a proteína L imobilizada em agarose serão investigadas. O desempenho do método alternativo proposto em remover auto-anticorpos será comparado com outros métodos comumente utilizados para este fim. (AU)

Pesquisa de auto-anticorpos em doenças auto-imunes do fígado. estudo comparativo entre pacientes brasileiros e ingleses

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eduardo Luiz Rachid Cancado
Anfitrião: Diego Vergani
Local de pesquisa: King's College London (Inglaterra)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Processo:95/02651-9
Vigência: 01 de dezembro de 1995 - 30 de novembro de 1996
Assunto(s):AutoanticorposHepatite autoimune
Resumo
1) Preparação de antígenos através de biologia molecular (citocromo P450 IID6; 2) Pesquisa dos anticorpos antimicrossoma de fígado e rim tipo I e anticitosol hepático tipo I pel técnica de immunoblotting 3) Preparação dos antígenos proteína específica do fígado e receptor de asialoglicoproteínas; 4) pesquisa dos anticorpos: antiLSP (antiproteína específica do fígado) e anti-receptor de asialoglicoproteína); 5) Preparação de antígenos mitocondriais e pesquisa do anticorpo antimitocôndria (antiM2) pelas técnicas de ELISA e immunoblotting. (AU)

Análise global dos repertórios de imunoglobulinas auto-reativas nos soros de camundongos infectados com Yersinia ssp

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Beatriz Maria Machado de Medeiros
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunoquímica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:03/09558-2
Vigência: 01 de fevereiro de 2004 - 31 de julho de 2005
Assunto(s):Imunoglobulinas
Resumo
Infecções clínicas por Y. enterocolitica são seguidas pelo desenvolvimento de auto-anticorpos incluindo anticorpos dirigidos contra músculo liso, tecido conjuntivo, epitélio tubular renal e a membrana basal das células epiteliais da tireóide. Para a pesquisa destes auto-anticorpos no soro de animais infectados com a bactéria temos utilizado o teste ELISA ou DOT-BLOT e um painel restrito de auto-antígenos, obtidos comercialmente. Neste projeto pretendemos realizar uma análise global dos repertórios de auto-anticorpos presentes no soro de camundongos infectados com amostras de Yersinia spp., utilizando extratos protéicos dos tecidos dos animais como antígenos e uma técnica semi-quantitativa (Panama-blot), recentemente desenvolvida, que combina SDS-PAGE, "Immunoblot" e densitometria, para detecção destes auto-anticorpos. (AU)

Auto-anticorpos anti-21-hidroxilase, colesterol desmolase e 17 alfa-hidroxilase na doença de Addison e nas endocrinopatias auto-imunes

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Claudio Elias Kater
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:99/02908-0
Vigência: 01 de julho de 1999 - 30 de junho de 2000
Assunto(s):Doença de AddisonAutoanticorpos
Resumo
70% dos casos de doença de Addison (DA) são auto-imunes. A 21-hidroxilase (21OH) é o principal antígeno, mas a 17-hidroxilase (17OH) e a colesterol desmolase (SCC) também podem desencadear a resposta imune. Anticorpos anti-21OH permitem a identificação de indivíduos de risco para o desenvolvimento da DA, como os portadores de outras endocrinopatias auto-imunes. Utilizando um radioensaio e 35S-enzimas humanas recombinantes, avaliaremos a presença de auto-anticorpos anti-21OH, 17OH e SCC em portadores de DA e de outras endocrinopatias auto-imunes (DM1, tireoidite de Hashimoto, doença de Graves e menopausa precoce). (AU)

Estudo comparativo da avidez de anticorpos antinúcleo presentes em indivíduos saudáveis e em pacientes com doenças reumáticas auto-imunes (DRAI)

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luis Eduardo Coelho Andrade
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:04/00781-3
Vigência: 01 de novembro de 2004 - 31 de outubro de 2006
Assunto(s):Doenças auto-imunesDoenças reumáticasAuto-imunidadeAutoanticorposAfinidade de anticorposAnticorpos antinucleares
Resumo
O FAN (pesquisa de auto-anticorpos contra componentes do núcleo, nucléolo, citoplasma e aparelho mitótico) é um teste realizado pela técnica de imunofluorescência indireta (IFI) e que tem sido amplamente empregado no diagnóstico das doenças reumáticas auto-imunes (ORAI). Inicialmente utilizavam-se substratos derivados de camundongos e ratos, como corte de rim e imprint de fígado. A partir do uso de células HEp-2, o teste se tornou muito mais sensível. Entretanto, a vantagem de alta sensibilidade vem acompanhada de redução da especificidade, traduzida por aumento de testes positivos em indivíduos sem clínica sugestiva de doença auto-imune. Hoje sabemos que cerca de 5% a 13% dos indivíduos sadios podem apresentar um teste positivo quando realizado em diluição 1/80. Na intenção de contornar esta dificuldade, os pesquisadores têm tentado caracterizar o teste positivo dos pacientes com ORAI diferenciando-os daqueles encontrados em indivíduos saudáveis. O título e padrão de fluorescência do FAN são características que podem auxiliar em alguns casos, porém, não são definitivos. A avidez é uma característica heterogênea dos anticorpos e que apresenta grande utilidade no laboratório clínico, como auxílio diagnóstico da exclusão da fase aguda de várias enfermidades infecciosas. O presente estudo pretende verificar se há diferença entre à avidez dos auto-anticorpos detectados no teste de FAN em indivíduos sadios e em pacientes com doenças auto-imunes definidas. (AU)

Caracterização de sistema de autoanticorpos - autoantígenos associados ao padrão de fluorescência de pontos citoplasmáticos isolados

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luis Eduardo Coelho Andrade
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:98/07409-0
Vigência: 01 de setembro de 1998 - 28 de fevereiro de 2001
Resumo
A presença de altos níveis séricos de auto-anticorpos é uma das características que distinguem as doenças ditas auto-imunes. Esses elementos auto-reativos têm desempenhado importante papel na investigação clínica dessas enfermidades. Os auto-anticorpos encontrados em doenças reumáticas auto-imunes são voltados contra antígenos "próprios", de localização intra e extracelular. Esses anticorpos são geralmente direcionados contra proteínas envolvidas em funções de relevante papel no metabolismo celular, o que tem levado a sua utilização na identificação e isolamento das mesmas. A imunofluorescência indireta (IFI) é a técnica mais utilizada para estudo dos auto-anticorpos, sendo muitas vezes a maneira pela qual se inicia uma investigação onde uma nova especificidade é reconhecida. O padrão de fluorescência observado à IFI corresponde à distribuição topográfica do auto-antígeno na célula e pode indicar se o mesmo está associado a uma determinada organela. De fato, alguns auto-anticorpos são marcadores específicos de certas organelas, tais como antifibrilarina com relação ao nucléolo, antigolgina e aparelho de Golgi, anti-p80-coilina e coiled body. Um padrão bastante característico em IFI, cujos antígenos associados ainda não estão totalmente definidos, é aquele de múltiplos pontos isolados no citoplasma. A maioria das observações referem-se a este padrão, de forma puramente especulativa, como padrão lisossomal. Entretanto, não se sabe ao certo qual a estrutura citoplasmática envolvida, tomando então bastante interessante a caracterização e identificação da especificidade do(s) auto-anticorpo(s) associados a esse padrão de IFI, bem como a caracterização molecular do(s) auto-antígeno(s) envolvido(s) e a identificação da organela celular a qual está(ão) associado(s). No presente estudo, pretendemos selecionar soros que forneçam à IFI o padrão de pontos isolados citoplasmáticos (dito padrão lisossomal) e proceder à caracterização dos auto-anticorpos e auto-antígenos envolvidos por técnicas de: IFI, immunoblot e por microscopia eletrônica a definição da organela celular envolvida. (AU)

Avaliação dos anticorpos anti-insulina (IAA) anti-descarboxilase do ácido glutâmico (antiGAD) e anti-ilhotas de Langerhans (ICA) na hepatite auto-imune

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Elizabeth Rossi da Silva
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:00/09549-5
Vigência: 01 de abril de 2001 - 30 de setembro de 2002
Assunto(s):EndocrinologiaDiabetes mellitus tipo 1Anticorpos antiinsulinaGlutamato descarboxilaseIlhotas de LangerhansHepatite autoimune
Resumo
Auto-anticorpos anti-insulina (IAA), anti-ilhotas de Langerhans (ICA) e anti- descarboxilase do ácido glutâmico (anti-GAD) têm sido extensamente investigados em familiares de DM tipo 1 e pacientes com auto-imunidade órgão específica sem diabetes. Tais determinações são importantes na compreensão da fisiopatologia da doença e eventual prevenção. Avaliamos a presença de IAA e ICA em 28 crianças com hepatite auto-imune em estudo retrospectivo, em colaboração com a Unidade de Hepatologia Pediátrica do Instituto da Criança da FMUSP. Observamos alta prevalência de ICA (60,7%) e IAA (18,5%)ao diagnóstico. Após 3-9 anos de tratamento da hepatite com prednisona e azatioprina estes anticorpos diminuíram para 38,5% e 12% respectivamente. Apenas 1 paciente evolui para diabetes mellitus; outro apresenta tolerância alterada à glicose. A imunossupressão foi acompanhada de redução dos títulos de ICA e IAA , atribuída à melhora do status imunológico dos pacientes ou ao efeito da terapia imunossupressora na produção de auto-anticorpos. Existe também a possibilidade dos auto-anticorpos advirem de processo auto-imune pancreático de leve intensidade que, na ausência de susceptibilidade genética para diabetes não tenha progredido para doença manifesta. Pretendemos completar o estudo avaliando a prevalência do anticorpo anti-GAD e a tolerância à glicose destas crianças no GTT oral com dosagens de insulina e peptídeo C. (AU)

Os autoanticorpos no lúpus neuropsiquiátrico

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Médicas (FCM). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Lilian Tereza Lavras Costallat
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:07/55568-0
Vigência: 01 de dezembro de 2007 - 30 de novembro de 2009
Assunto(s):Autoanticorpos
Resumo
O lúpus eritematoso pode se apresentar inicialmente ou evoluir com manifestações neuropsiquiátricas (MNP), que são de difícil diagnóstico. Não existem testes padrão ouro para esta diagnóstico e nosso grupo tem trabalhado com testes de imagem para identificar e classificar estas lesões do sistema nervoso central. Uma outra metodologia importante para auxiliar o melhor diagnóstico são testes sorológicos para estudar a presença de auto-anticorpos. Os auto-anticorpos podem estar relacionados as manifestações do sistema nervoso central e à psicose, mas eles não são rotineiramente avaliados em todos os pacientes, por dificuldades técnicas ou mesmo pela ausência de critérios bem definidos das MNP. Alguns métodos diagnósticos são bastante elaborados e não seriam aplicáveis na pratica clinica e sim em laboratórios de pesquisa. Nosso objetivo é estudar os auto-anticorpos anti gangliosideos, anticardiolipina, anti-P e anti-Sm, pelo método de ELISA, avaliando pacientes classificados quanto às MNP pelos critérios do ACR para LES neuropsiquiátrico em com ou sem MNP e se a presença destes auto-anticorpos tem associação com MNP no LES , para que se proponha um painel de auto-anticorpos para estas manifestações facilmente exequível pelo método imunoenzimático (ELISA). (AU)

Caracterização antigênica e dos padrões dos anticorpos antinucleares nas doenças hepáticas autoimunes

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eloisa Silva Dutra de Oliveira Bonfá
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:98/14855-6
Vigência: 01 de março de 1999 - 30 de setembro de 2001
Assunto(s):Hepatite autoimune
Resumo
Na Hepatite auto-imune tipo I (HAI), o anticorpo antinuclear (AAN) está na maioria das vezes associado com anticorpo antimusculo liso/ anticorpo antiactina. Embora já tenha sido descrito um padrão de doença menos agressiva em pacientes com anticorpos antinucleares, a natureza destes ainda não foi identificada. Da mesma forma, na cirrose biliar primária (CBP) e colangite esclerosaste primária o papel dos AANs ainda não foi definido. Avaliaremos também a prevalência dos anticorpos anticardiolipina nas doenças hepáticas auto-imunes, visto que os distúrbios de coagulação são freqüentes nestas patologias. O reconhecimento da Síndrome do anticorpo antifosfolípide poderá Ter importância no acompanhamento dos pacientes com HAI. Dessa forma o objetivo do estudo consiste em determinar a freqüência e caracterizar os AANS em pacientes com HAI tipos I e II, cirrose biliar primaria e colangite esclerosaste primária, bem como definir suas possíveis correlações com os subtipos clínicos da doença e estabelece se o anticorpo anticardiolipina pode representar a síndrome do anticorpo antifosfolipede. (AU)

Desenvolvimento e aplicação de uma metodologia para detecção de anticorpos anti-cortex adrenal e anti-ovário

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sergio Atala Dib
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:92/02654-0
Vigência: 01 de novembro de 1992 - 31 de outubro de 1994
Assunto(s):EndocrinologiaEndocrinopatiasAutoanticorposCórtex suprarrenalOvário
Resumo
O objetivo do presente trabalho é o desenvolvimento da técnica da proteína A-imunoperoxidase para detecção de auto-anticorpos anti-córtex adrenal e anti-ovário. Esses ensaios serão utilizados para detecção de indivíduos na fase pré-clínica de insuficiências glandulares em pacientes portadores de poliendocrinopatias autoimunes. (AU)

12th International Workshop on Autoantibodies and Autoimmunity

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: INST PAULISTA REUMATOLOGIA/IPR
Pesquisador responsável:Luis Eduardo Coelho Andrade
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Organização de Reunião Científica
Processo:14/11850-8
Vigência: 28 de agosto de 2014 - 30 de agosto de 2014
Assunto(s):Doenças autoimunesAutoanticorposReumatologia

Anticorpo anti-proteína p ribossômica em crianças e adultos com hepatite auto-imune

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eloisa Silva Dutra de Oliveira Bonfá
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:11/01036-3
Vigência: 01 de maio de 2011 - 30 de abril de 2012
Assunto(s):ReumatologiaELISAHepatite autoimune
Resumo
Introdução: A hepatite autoimune é uma doença de difícil diagnóstico, o qual é estabelecido atualmente por critérios laboratoriais, clínicos, bioquímicos e histopatológicos. No entanto, esses critérios, não raro, se sobrepõem aos de outras doenças hepáticas. Assim, para aprimorar os critérios diagnósticos, torna-se necessária a busca por novos marcadores sorológicos.Objetivo: Determinar a prevalência dos auto-anticorpos anti-proteína P ribossômica em soro de pacientes com diagnóstico de hepatite autoimune e avaliar as possíveis correlações desse anticorpo com manifestações clínicas e padrões histológicos e laboratoriais.Pacientes e métodos: Serão selecionados os pacientes do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo com diagnóstico confirmado de hepatite auto-imune (n=150). Serão realizados testes de ELISA, para detectar anticorpos de DNA de dupla hélice, Ro/SS-A, La/SS-B, RNP, Sm, Scl-70 e anti-proteína P ribossômica; de imunofluorescência indireta, para detectar antígenos nucleares; de imunofluorescência em Chritidia luciliae, para detecção de anticorpos anti-dsDNA; e de Immunobloting, para identificação dos anticorpos anti-proteína P ribossômica. Os dados serão comparados utilizando-se o teste t de Student e teste de Mann Whitney para avaliar diferenças entre as pacientes com presença e ausência de anti-P. Para variáveis categóricas, as diferenças serão avaliadas através do teste exato de Fisher. (AU)

Caracterização de auto-anticorpos associados ao padrão de imunofluorescência "rod & rings" em pacientes infectados com o Vírus da Hepatite C

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luis Eduardo Coelho Andrade
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:09/03796-5
Vigência: 01 de setembro de 2009 - 31 de agosto de 2011
Assunto(s):Hepatite CAutoanticorposHIV
Resumo
A presença de auto-anticorpos é comum em pacientes com doenças auto-imunes. Alguns auto-anticorpos podem ter papel patogênico evidente, outros podem ser consequência do processo patológico, outros ainda podem apenas serem observados no contexto de determinada doença, mas sem apresentar qualquer conexão aparente com sua etiopatogenia. A hepatite C é uma doença de alta incidência e de difícil tratamento, e freqüentemente pacientes com HCV apresentam o teste de fator antinúcleo (FAN) reagente. Recentemente foi descrito que alguns dos pacientes HCV FAN-reagentes apresentam um padrão de imunofluorescência citoplasmático atípico, chamado de "Rod & Rings". Um novo padrão de fluorescência indica a possibilidade de novos auto-antígenos sendo reconhecidos e, conseqüentemente, novos auto-anticorpos, que podem guardar alguma relação com aspectos clínicos da enfermidade, podendo haver implicações no diagnóstico e prognóstico. Assim, o presente estudo pretende estudar a ocorrência dos auto-anticorpos associados ao padrão "Rod & Rings" em pacientes HCV e descrever os alvos moleculares reconhecidos pelos soros dos pacientes HCV que manifestam o padrão de imunofluorescência "Rod & Rigns", além de estabelecer possíveis associações com as condições clínicas desses pacientes, com o genótipo do vírus e com a co-infecção HCV+HIV. (AU)

Indução experimental da Síndrome de Sjogren

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Odontologia (FOSJC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José dos Campos. São José dos Campos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carmelinda Schmidt Unterkircher
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:94/04718-0
Vigência: 01 de abril de 1995 - 31 de dezembro de 1995
Assunto(s):AutoantígenosImunizaçãoAnticorpos monoclonaisAutoanticorposInflamação

Efeito da transferência passiva do anticorpo anti-proteína p ribossômica no sistema nervoso de rato

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eloisa Silva Dutra de Oliveira Bonfá
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:95/00115-2
Vigência: 01 de julho de 1995 - 30 de junho de 1997
Assunto(s):Lúpus eritematoso sistêmicoAutoanticorpos
Resumo
Em vinte ratos fêmeas, serão implantados eletrodos e cânulas para avaliar os efeitos da transferência passiva do anticorpo purificado anti-proteína P Ribossômica. Como controle serão injetados anticorpos com outra especificidade não relacionada e Imunoglobulina G de normais. Através de eletroscitogramas seqüenciais registraremos as possíveis manifestações eletrofisiológicas decorrente das injeções intra-ventriculares do anticorpo. Avaliaremos também a possível ligação direta do anticorpo à estruturas cerebrais pelo método de Imunofluorescência após o período de 1 mês. (AU)

Anticorpos anti-lipoproteína lipase no lúpus eritmatoso sistêmico

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eloisa Silva Dutra de Oliveira Bonfá
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:02/03867-0
Vigência: 01 de julho de 2003 - 30 de junho de 2005
Assunto(s):Autoanticorpos
Resumo
Observamos em trabalhos anteriores de nosso grupo que no lúpus existe uma dislipidemia própria da doença que se caracteriza por hipertrigliceridemia e aumento de VLDL, que é independente da presença de outras co-morbidades e é agravada pela atividade de doença. Demonstramos que estas pacientes apresentavam uma atividade diminuída da enzima lipoproteina lipase, que poderia explicar o achado acima. Neste trabalho pretendemos avaliar a presença de anticorpos anti-lipoproteina lipase em pacientes com LES e correlacioná-los com outros auto-anticorpos e atividade de doença. Procuraremos também analisar a possível correlação destes anticorpos com dislipidemia. (AU)

Alterações eletrofisiológicas em cardiomiócitos de coelho induzidas por auto-anticorpos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Wamberto Antonio Varanda
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biofísica - Biofísica Celular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:98/15841-9
Vigência: 01 de abril de 1999 - 31 de março de 2001
Assunto(s):EletrofisiologiaAutoanticorposCardiomiopatia dilatada
Resumo
O projeto visa à detecção de anticorpos em soros de pacientes com cardiomiopatia dilatada idiopática e teste de seus efeitos nas propriedades elétricas do coração isolado de coelho e em células cardíacas individuais. O pressuposto é que anticorpos contra o receptor muscarinico M2 e adrenérgico B1 levem a alterações nas correntes de cálcio do tipo L. O estudo prevê experimentos do tipo ELISA para detecção dos anticorpos, registros eletrocardiográficos em corações isolados de coelho para "screening" dos soros positivos e de "patch clamp" para analise das correntes de cálcio em células cardíacas. (AU)

Estudo da etiopatogenia, fisiopatologia da intolerância aglicose influência da composição da dieta sobre o pâncreas endócrino e determinação de anticorpos anti-ilhota Langerhans e auto-anticorpos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mileni Josefina Maria Ursich
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa Cooperação CNPq-FAPESP
Processo:96/05370-3
Vigência: 01 de fevereiro de 1997 - 31 de janeiro de 1999
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: CNPq - Programa Cooperação CNPq-FAPESP
Assunto(s):DietaDiabetes mellitusPâncreasIlhotas de LangerhansTerapia de reposição de estrógenosMetabolismo dos carboidratos
Resumo
Estudar a influência da composição da dieta sobre o pâncreas endócrino, analisando conteúdo pancreático de insulin, secreção de insulina por ilhotas isoladas e estudo ultraestrutural e morfométrico das ilhotas de Langerhans; outra linha determina anticorpos anti-ilhotas (ICA) e auto-anticorpos anti-insulina (IAA) em familiares de diabéticos insulino-dependentes; estes anticorpos também são determinados em pacientes com hepatite auto-imune; outro aspecto abordado pretende verificar a influência da reposição estrogênica sobre o controle metabólico de mulheres menopausadas; outro projeto estuda a ação de droga hipotensora e metabolismo de carboidratos. (AU)

Desempenho diagnóstico e associações clínicas dos anticorpos antinucleossomo no lúpus eritematoso sistêmico infanto-juvenil

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luis Eduardo Coelho Andrade
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:05/00658-0
Vigência: 01 de janeiro de 2006 - 31 de dezembro de 2008
Assunto(s):ReumatologiaDoenças autoimunesLúpus eritematoso sistêmicoAutoanticorposAnticorpos antinuclearesNucleossomosTécnicas imunoenzimáticasELISA
Resumo
Anticorpos contra constituintes da cromatina são frequentemente encontrados no lúpus eritematoso sistêmico (LES) e alguns desses são considerados específicos dessa enfermidade. Alguns auto-anticorpos reconhecem preparações purificadas de nucleossomos, mas não reconhecem seus componentes individuais (histonas e DNA). Os anticorpos antinucleossomo (a-NCS) parecem ser responsáveis pelo fenômone das células LE, altamente específico do LES. No LES adulto ficou bem estabelecido nos últimos anos que anti-NCS são marcadores precoces e específicos de LES. Ademais, seus níveis séricos parecem guardar correlação com o grau de atividade da doença. Entretanto, pouco se sabe sobre a freqüência, especificidade e significado clínico desses auto-anticorpos em crianças. No presente estudo purificaremos nucleossomos de timo de vitelo e estabeleceremos um ensaio de ELISA para verificarmos o desempenho diagnóstico dos anti-NCS no LES infanto-juvenil em relação a normais e outras doenças auto-imunes, bem como as correlações clínicas dentro do grupo de LES infanto-juvenil. (AU)

Detecção de anticorpos antifosfolípides usando magnetolipossomas

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Helena Andrade Santana
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química - Processos Industriais de Engenharia Química
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:98/05339-4
Vigência: 01 de agosto de 1998 - 31 de julho de 2000
Assunto(s):AnticorposAdsorção
Resumo
Atualmente, a pesquisa no campo das doenças auto-imunes tem demandado muito interesse, pela necessidade de entendimento dos seus mecanismos, desenvolvimento de novas terapias, e pelas dificuldades de diagnóstico preciso. No que se refere ao diagnóstico, os problemas basicamente são atribuídos à heterogeneidade dos auto-anticorpos, demandando sistemas de detecção específicos, e à precisão na sua detecção, que muitas vezes fica comprometida com ensaios convencionais multietapas, e a utilização de kits diagnósticos cujo controle e padronização não é precisa. Neste trabalho, propõe-se um estudo da detecção de anticorpos antifosfolípides em magnetolipossomas. Os anticorpos antifosfolípides estão presentes em pacientes portadores do lupus eritrematoso e outras doenças auto-imunes. A detecção desses anticorpos utilizando lipossomas apresenta-se muito promissora, uma vez que os antígenos ou alvos-específicos de ligação desses anticorpos são os próprios fosfolipídios que podem ser usados na preparação dos lipossomas. A associação de propriedades magnéticas a esses lipossomas, com a preparação dos magnetolipossomas, permitirá que as vesículas seja captadas da solução através de um campo magnético, de modo fácil, preservando a integridade das vesículas, e permitindo a operação do sistema de modo contínuo. Em linhas gerais, os aspectos abordados neste trabalho serão o estudo da preparação e caracterização de magnetolipossomas contendo os lipídios alvos-específicos, a avaliação da sua seletividade e reprodutibilidade na adsorção dos anticorpos antifosfolípides e capacidade de reutilização das vesículas lipídicas. A preparação dos magnetolipossomas será feita através de adsorção dos fosfolipídios na superfície de partículas de magnetita, coloidal, em um processo de diálise. Para a detecção dos anticorpos, os magnetolipossomas serão usados em um sistema de magnetoforese, onde as vesículas formarão sob a ação de um campo magnético, um leito fixo sobre o qual será eluída uma solução contendo o soro de pacientes contendo anticorpos antifosfolípides. Os anticorpos deverão ser adsorvidos sobre a superfície dos lipossomas, e posteriormente dessorvidos com solução de NaCl para a quantificação. Os resultados desse trabalho, deverão ser úteis para o desenvolvimento de novos sistemas de detecção de anticorpos antifosfolipides com aplicações potenciais em kits diagnóstico. (AU)

Anticorpos monoclonais para o estudo de marcadores de células da linhagem osteoblástica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Vanda Jorgetti
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:99/10119-6
Vigência: 01 de janeiro de 2000 - 28 de fevereiro de 2002
Assunto(s):Anticorpos monoclonaisDiferenciação celularImunohistoquímicaOsteoblastoDoenças ósseas metabólicas
Resumo
O projeto tem por objetivo estudar marcadores de osteoblastos empregando-se anticorpos monoclonais. Esses anticorpos são inicialmente testados em material de autópsia de fetos e recém-nascidos. Após a identificação e caracterização molecular dos marcadores, analisaremos sua função e presença em pacientes com doenças ósseas metabólicas. (AU)

Sequenciamento, recombinação e expressão de genes V-lambda das imunoglobulinas humanas no lúpus eritematoso sistêmico

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Geraldo Aleixo da Silva Passos Júnior
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunogenética
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:98/05584-9
Vigência: 01 de outubro de 1998 - 31 de outubro de 2000
Assunto(s):Lúpus eritematoso sistêmicoAuto-anticorpos
Resumo
O projeto situa-se no campo da imunogenética molecular dos auto-anticorpos, no contexto de uma doença auto-imune, o lúpus eritematoso sistêmico. O enfoque será dado aos genes V-lambda das imunoglobulinas, localizados no locus IGL (cromossomo 22ql 1) que são responsáveis pelas regiões variáveis lambda dos anticorpos. Neste projeto pretendemos: 1) estudar a freqüência de recombinação entre os diferentes genes V-lambda dentre os clones de linfócitos B periféricos, 2) avaliar o uso dos genes V-lambda (expressão gênica), 3) avaliar o eventual acúmulo de mutações somáticas nestes genes no lúpus. O intuito é contribuir com o entendimento da geração dos auto-anticorpos e a participação do locus IGL no lúpus humano. (AU)

Formação de anticorpos anti-proteínas de choque térmico na aterosclerose experimental induzida pela caseína

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Dulcineia Saes Parra Abdalla
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:00/00653-4
Vigência: 01 de março de 2000 - 28 de fevereiro de 2001
Assunto(s):AutoanticorposAterosclerose

Investigação da formação de LDL oxidada por peroxinitrito em portadores de aterosclerose

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Dulcineia Saes Parra Abdalla
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Metabolismo e Bioenergética
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:99/03917-3
Vigência: 01 de outubro de 1999 - 31 de maio de 2001
Assunto(s):Vitamina EÓxido nítricoAnticorpos monoclonaisAterosclerose
Resumo
A aterosclerose é uma patologia multifatorial, cujos mecanismos ainda não estão totalmente compreendidos. Atualmente, as modificações oxidativas das lipoproteínas vêm sendo consideradas como fatores de risco adicionais associados à aterosclerose. Nesse estudo propomos demonstrar a formação endógena de lipoproteínas modificadas por peroxinitrito (ONOO-) e sua relação com o grau de aterosclerose, em indivíduos suplementados ou não com vitamina E. Serão obtidos anticorpos monoclonais anti-LDL oxidada, utilizando-se como antígeno a LDL modificada in vitro com ONOO-, em diferentes esquemas de imunização de camundongos. Hibridomas serão obtidos a partir da fusão dos esplenócitos dos camundongos com células de mieloma SP/2 ~. Os clones produtores de anticorpos anti-LDL-ONOO- serão isotipados e purificados. A partir desses anticorpos, imunoensaios ELISA e Imunoblotting serão padronizados para detecção de LDL-ONOO- e seus respectivos autoanticorpos em pacientes ateroscleróticos. (AU)

Prevalência de anticorpos antinúcleo em mulheres adultas e sadias

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Emilia Inoue Sato
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:04/00102-9
Vigência: 01 de junho de 2004 - 31 de janeiro de 2007
Assunto(s):Anticorpos antinuclearesAutoanticorpos
Resumo
Objetivo determinar a prevalência de anticorpos antinucleares (AAN) e anticorpos anticardiolipina (ACI) em mulheres sadias de uma região brasileira. Serão convidadas a participar do estudo 480 mulheres sadias na faixa etária entre 18 e 60 anos da Cidade de Foz do Iguaçu - PR e da Cidade de Curitiba - Pr. As convidadas são funcionárias de uma Empresa Hidroelétrica que habitualmente fazem exame médico periódico, além de mulheres de consultórios ginecológicos que fazem avaliação médica anual. Todas as que concordarem em participar do estudo assinarão termo de consentimento pós-informado, preencherão um questionário pré-estabelecido e coletarão amostras de sangue e urina para a realização de exames laboratoriais de rotina e para a pesquisa dos AAN pela técnica de imunofluorescência indireta (IFI) e técnica de Ouchterlony para se tentar identificar estes AAN. Também será feita a detecção de ACI por reação Imunoenzimática para as Classes G e (AU)

Prevalência de autoanticorpos anti-GAD 65 em uma amostra da população nipo-brasileira diabética na faixa etária entre 40 e 65 anos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sergio Atala Dib
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:97/03604-0
Vigência: 01 de julho de 1997 - 30 de junho de 1999
Assunto(s):Diabetes mellitusClassificação
Resumo
Este projeto objetiva a avaliação dos níveis de anticorpos anti-GAD65 em indivíduos da comunidade nipo-brasileira de Bauru, portadores de diabetes Mellitus inicialmente não insulino dependente. Os referidos anticorpos também serão dosados nos seguintes grupos controle: indivíduos não diabéticos da comunidade nipo-brasileira de Bauru, diabéticos tipo II da população brasileira não nipônica, e em indivíduos não nipônicos, não diabéticos, pareados para sexo e idade. A dosagem de anticorpos será feto por RIE utilizando o antígeno GAD65 recombinante humano, marcado com ,125Iodo. Devido à característica do diabetes em japoneses ser clinica e epidemiologicamente distinto do diabetes em populações ocidentais, serão comparados os níveis dos anticorpos anti-GAD65 nestes grupos. (AU)

Determinação de anticorpos anti-hipófise em pacientes com doenças endocrinológicas e/ou reumatológicas auto-imunes e padronização metodológica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Andrea Glezer
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:09/52759-5
Vigência: 01 de novembro de 2009 - 30 de abril de 2012
Assunto(s):ReumatologiaDoenças autoimunesArtrite reumatoideLúpus eritematoso sistêmicoHipófiseAutoanticorpos
Resumo
Hipofísite linfocítica (HL) é uma doença auto-imune, rara, associada ou não a outras doenças auto-imunes e que pode causar prejuízo da função hipofisária. Apesar de metodologias já descritas para a detecção de anticorpos anti-hipófise, não há uma técnica que empregue fonte de antígenos de origem humana e seja sensível e específica para o diagnóstico da HL. Além disso, não há estudos mundiais em doenças auto-imunes reumatológicas ou estudos em doenças endocrinológicas na população brasileira. O objetivo do presente estudo é desenvolver a metodologia para a detecção anticorpos anti-hipófise através de fonte de antígenos humanos, e padronização desse ensaio que será utilizado em indivíduos com doenças endocrinológicas e reumatológicas na nossa população. (AU)

Estudo da associação do anticorpo anti-proteína P ribossômica com o padrão histopatológico da glomerulonefrite lúpica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eloisa Silva Dutra de Oliveira Bonfá
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:04/09953-1
Vigência: 01 de dezembro de 2004 - 30 de novembro de 2006
Assunto(s):ReumatologiaDoenças auto-imunesLúpus eritematoso sistêmicoNefrite lúpicaAuto-anticorpos
Resumo
O anticorpo anti-dsDNA é considerado marcador de quadro renal do Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES). No entanto, auto-anticorpos com outras especificidades antigênicas parecem também contribuir na patogênese desta nefrite. A participação do anticorpo anti-proteína P ribossômica (anti-P) nesta manifestação do LES tem merecido interesse já que foi detectado no eluato glomerular numa concentração 30X superior à do título sérico. Assim o objetivo deste estudo é avaliar a associação deste anticorpo com o padrão de classificação histopatológica das glomerulonefrites lúpicas. Serão estudados 60 pacientes com LES que foram submetidos à biópsia renal no período de 1999 a 2004 e que possuam amostras de soro obtidas na ocasião deste procedimento. O estudo será realizado através da revisão de dados de prontuários médicos e de testes laboratoriais para detecção e determinação dos títulos do anti-P. Além de um estudo clínico e laboratorial criterioso do envolvimento renal de cada paciente, serão também realizados testes para detecção de outros auto-anticorpos, anti-dsDNA, anti-Sm, anti-RNP, anti-Ro/SSA, anti-La/SSb e anti-Cardiolipina (IgM/IgG). A classificação histopatológica e determinação de índices de atividade e cronicidade da lesão renal das biópsias renais será revisada por um mesmo médico patologista sem conhecimento prévio dos laudos iniciais. Serão excluídos desta pesquisa todos os pacientes que apresentem quadro renal sugestivo de outras causas, HAS essencial, Diabetes Mellitus e outras glomerulopatias. (AU)

Desenvolvimento e aplicação clínica de radioensaios para a detecção dos auto-anticorpos nas endocrinopatias auto-imunes

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sergio Atala Dib
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:98/12953-0
Vigência: 01 de janeiro de 1999 - 30 de junho de 2001
Assunto(s):Auto-imunidadeAutoantígenosDoença de AddisonAutoanticorpos
Resumo
A identificação dos antígenos envolvidos na patogênese das endocrinopatias auto-imunes tornou disponível radio ensaios para a detecção de auto-anticorpos nas Tiroidopatias, Diabetes Mellitus do Tipo 1 e Adrenalite Auto-imune, facilitando o diagnóstico e predição dessas doenças. O objetivo deste trabalho é utilizar radio ensaios para detectar auto-anticorpo contra antígenos adrenais (21OH, 17OH e SCC) e pancreáticos (GAD65 e ICA-512), produzidos por transcrição e tradução in vitro. Serão estudados 300 controles saudáveis, 100 pacientes com DM1 clássico, 50 com DM2, 300 parentes de primeiro grau de DM1, 25 portadores de doença de Addison, 50 de M. de Basedow Graves, 50 de T. de Hashimoto e 25 com falência ovariana precoce. (AU)

Desenvolvimento de anticorpos monoclonais específicos para o receptor B1 de cininas humano

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Neusa Pereira da Silva
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:07/53712-7
Vigência: 01 de setembro de 2007 - 31 de dezembro de 2009
Assunto(s):CininasAnticorpos monoclonaisELISAReceptor b1 de bradicinina
Resumo
O projeto tem por finalidade desenvolver anticorpos monoclonais específicos para o receptor B1 de cininas (BKRB1) humano para estudo de sua expressão em doenças inflamatórias crônicas auto-imunes. O BKRB1 parece ter um papel estratégico em doenças com um forte componente inflamatório como artrite reumatóide, esclerose múltipla, choque séptico e diabetes. Existe um crescente interesse no estudo desse receptor devido à importante participação do sistema calicreina-cinina na fisiopatologia de doenças inflamatórias crônicas e ao possível uso de antagonistas do RBKB1 como agentes terapêuticos. No momento, há poucas opções comerciais de anticorpos policlonais anti-BKRBI e não há nenhum anticorpo monoclonal disponível. O desenvolvimento de anticorpos monoclonais contra BKRB1 humano seria de grande interesse para o estudo da sua participação nos processos inflamatórios, permitindo, por exemplo, o uso de citometria de fluxo na caracterização de sua expressão em diferentes populações celulares. Para a produção dos anticorpos foram selecionados 3 peptídeos como imunógenos potenciais. Camundongos serão imunizados com uma emulsão do peptídeo conjugado a Keyhole Limpet Hemocyanin (KLH) em adjuvante de Freund. Células esplências obtidas de camundongos bons respondedores serão fusionadas com uma linhagem estabelecida de mieloma. Após a fusão, os híbridos serão testados por ELISA para detecção de anticorpos específicos. Os híbridos de interesse serão clonados e os clones positivos serão expandidos e utilizados para produção de ascite em camundongos. Os anticorpos serão caracterizados quanto ao isotipo, purificados e testados quanto ao seu potencial uso na detecção do BKRB1 humano. (AU)

Preparation and characterization of diacetylene liposomes for molecular recognition of autoantibodies

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Helena Andrade Santana
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química - Processos Industriais de Engenharia Química
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Reunião - Exterior
Processo:00/10367-9
Vigência: 12 de novembro de 2000 - 17 de novembro de 2000
Assunto(s):Autoanticorpos

Autoanticorpos séricos na Síndrome de Sjogren primária: estudo das associações clínicas e das possíveis correlações com anticorpos dirigidos a antígenos virais - vírus Epstein-Barr e "Human T Leukemia vírus 1"

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sandra Gofinet Pasoto
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:10/10017-0
Vigência: 01 de agosto de 2010 - 31 de julho de 2011
Assunto(s):ReumatologiaAutoanticorpos
Resumo
Introdução: A síndrome de Sjögren primária (SSp) é uma doença autoimune caracterizada principalmente pelo acometimento de glândulas salivares e lacrimais, levando à síndrome sicca. Diversos sistemas orgânicos podem também ser acometidos. Outra característica marcante é a produção de múltiplos autoanticorpos circulantes órgão específicos e não-órgão específicos. Entre estes anticorpos, destacam-se o anti-Ro (SS-A)/ La (SS-B), presentes em 60-90% e 30-60% dos pacientes com SSp, respectivamente, constituindo um dos critérios de classificação desta síndrome, além de indicar doença mais grave. Postula-se que agentes virais funcionariam como "gatilho" para o desencadeamento da SSp em indivíduos geneticamente predispostos. Dentre estes, o vírus Epstein-Barr (EBV) tem sido o mais implicado e foram detectados anticorpos dirigidos a antígenos do mesmo nos soros dos pacientes com SSp, que poderiam indicar infecção prévia e/ou reatividade cruzada. Posteriormente, DNA viral foi detectado em células epiteliais de glândulas salivares destes doentes, indicando infecção latente pelo EBV. É ainda interessante que foi demonstrado mimetismo molecular entre proteínas do EBV e a fração protéica de 60 kDa do antígeno Ro, autoantígeno com relevância clínica bem estabelecida na SSp. O human T leukemia virus 1 (HTLV-1), embora menos estudado, tem sido também implicado. Porém, não é conhecido se os pacientes com SSp e anticorpos reativos com o EBV ou HTLV-1 (anticorpos antivirais) teriam doença mais grave e maior produção de autoanticorpos. Também é desconhecida a correlação entre os títulos de diferentes autoanticorpos circulantes e o grau de atividade da SSp, já que, apenas recentemente, foi publicado o primeiro consenso sobre um score de atividade da doença. Objetivos: Determinar a frequência de anticorpos séricos dirigidos ao EBV e HTLV-1 em pacientes com SSp comparativamente a indivíduos normais e estudar a possível correlação destes anticorpos com as manifestações clínicas e o perfil de autoanticorpos destes doentes. Avaliaremos também as possíveis associações entre diferentes autoanticorpos órgão específicos e não-órgão específicos com os vários acometimentos orgânicos da SSp e com o score de atividade da doença. Métodos: Serão analisados 100 pacientes consecutivos com diagnóstico de SSp de acordo com os critérios internacionais (The American-European Consensus Group Criteria, 2002), de ambos sexos, idade entre 18 e 70 anos e em seguimento ambulatorial regular no Serviço de Síndrome de Sjögren da Disciplina de Reumatologia do HCFMUSP. Serão incluídos como controles 100 indivíduos saudáveis sem queixas de síndrome sicca e pareados para sexo, raça e idade. Os pacientes serão avaliados através de um protocolo clínico padronizado. A atividade de doença será avaliada conforme o EULAR Sjögren's Syndrome Disease Activity Index. Serão coletadas amostras de soro dos pacientes e indivíduos normais para detecção de anticorpos dirigidos ao EBV e HTLV-1 e de autoanticorpos. Estas determinações serão realizadas através de técnicas consagradas, incluindo os anticorpos antinucleares (FAN), anti-RNP, anti-Ro e suas frações de 52 kDa e 60 kDa/ anti-La, fator reumatóide, crioglobulinas, anti-alfa-fodrina, anticardiolipina, anticoagulante lúpico, anti-beta-2-glicoproteína-1 e anticorpos marcadores de doenças autoimunes associadas- anti-tireoperoxidase, anti-células parietais gástricas, anti-transglutaminase tecidual, anti-mitocôndria, anti-músculo liso e anti-microssomal de fígado e rim. Para caracterização da atividade da doença, serão dosados os níveis séricos de IgG e das frações C3 e C4 do complemento. (AU)

Autoanticorpos séricos da síndrome de Sjögren primária: estudo das associações clínicas e das possíveis correlações com anticorpos dirigidos a antígenos virais: vírus Epstein-Barr e Human T Leukemia virus 1

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sandra Gofinet Pasoto
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:10/10013-4
Vigência: 01 de agosto de 2010 - 31 de julho de 2012
Assunto(s):ReumatologiaAutoanticorposVírus linfotrópico de células T humanas tipo 1Síndrome de SjögrenHerpesvirus humano 4Antígenos de vírus
Resumo
A síndrome de Sjögren primária (SSp) é uma doença autoimune caracterizada principalmente pelo acometimento de glândulas salivares e lacrimais, levando à síndrome sicca. Diversos sistemas orgânicos podem também ser acometidos. Outra característica marcante é a produção de múltiplos autoanticorpos circulantes órgão específicos e não-órgão específicos. Entre estes anticorpos, destacam-se o anti-Ro (SS-A)/ La (SS-B), presentes em 60-90% e 30-60% dos pacientes com SSp, respectivamente, constituindo um dos critérios de classificação desta síndrome, além de indicar doença mais grave. Postula-se que agentes virais funcionariam como "gatilho" para o desencadeamento da SSp em indivíduos geneticamente predispostos. Dentre estes, o vírus Epstein-Barr (EBV) tem sido o mais implicado e foram detectados anticorpos dirigidos a antígenos do mesmo nos soros dos pacientes com SSp, que poderiam indicar infecção prévia e/ou reatividade cruzada. Posteriormente, DNA viral foi detectado em células epiteliais de glândulas salivares destes doentes, indicando infecção latente pelo EBV. É ainda interessante que foi demonstrado mimetismo molecular entre proteínas do EBV e a fração protéica de 60 kDa do antígeno Ro, autoantígeno com relevância clínica bem estabelecida na SSp. O human T leukemia virus 1 (HTLV-1), embora menos estudado, tem sido também implicado. Porém, não é conhecido se os pacientes com SSp e anticorpos reativos com o EBV ou HTLV-1 (anticorpos antivirais) teriam doença mais grave e maior produção de autoanticorpos. Também é desconhecida a correlação entre os títulos de diferentes autoanticorpos circulantes e o grau de atividade da SSp, já que, apenas recentemente, foi publicado o primeiro consenso sobre um score de atividade da doença. Objetivos: Determinar a frequência de anticorpos séricos dirigidos ao EBV e HTLV-1 em pacientes com SSp comparativamente a indivíduos normais e estudar a possível correlação destes anticorpos com as manifestações clínicas e o perfil de autoanticorpos destes doentes. Avaliaremos também as possíveis associações entre diferentes autoanticorpos órgão específicos e não-órgão específicos com os vários acometimentos orgânicos da SSp e com o score de atividade da doença. Métodos: Serão analisados 100 pacientes consecutivos com diagnóstico de SSp de acordo com os critérios internacionais (The American-European Consensus Group Criteria, 2002), de ambos sexos, idade entre 18 e 70 anos e em seguimento ambulatorial regular no Serviço de Síndrome de Sjögren da Disciplina de Reumatologia do HCFMUSP. Serão incluídos como controles 100 indivíduos saudáveis sem queixas de síndrome sicca e pareados para sexo, raça e idade. Os pacientes serão avaliados através de um protocolo clínico padronizado. A atividade de doença será avaliada conforme o EULAR Sjögren's Syndrome Disease Activity Index. Serão coletadas amostras de soro dos pacientes e indivíduos normais para detecção de anticorpos dirigidos ao EBV e HTLV-1 e de autoanticorpos. Estas determinações serão realizadas através de técnicas consagradas, incluindo os anticorpos antinucleares (FAN), anti-RNP, anti-Ro e suas frações de 52 kDa e 60 kDa/ anti-La, fator reumatóide, crioglobulinas, anti-alfa-fodrina, anticardiolipina, anticoagulante lúpico, anti-beta-2-glicoproteína-1 e anticorpos marcadores de doenças autoimunes associadas- anti-tireoperoxidase, anti-células parietais gástricas, anti-transglutaminase tecidual, anti-mitocôndria, anti-músculo liso e anti-microssomal de fígado e rim. Para caracterização da atividade da doença, serão dosados os níveis séricos de IgG e das frações C3 e C4 do complemento. (AU)

Estudo da reatividade cruzada de antígenos de S.mutans e tecido cardíaco de camundongo BALB/c

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Odontologia (FOSJC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José dos Campos. São José dos Campos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carmelinda Schmidt Unterkircher
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:96/09912-5
Vigência: 01 de agosto de 1997 - 31 de janeiro de 2000
Assunto(s):HibridomasAntígenosMiocarditeAutoanticorposCoração
Resumo
A imunização com antígenos purificados de Streptococcus mutans induz imunidade protetora contra a cárie dentária em diferentes modelos animais. Anticorpos para o principal antígeno de superfície de S. mutans, o antígeno I/II, interferem com o fenômeno de aderência do microrganismo à superfície dos dentes e protegem contra a cárie dental. Todavia, coelhos hiperimunizados com este microrganismo apresentam anticorpos reativos com o tecido cardíaco de mamíferos. Estes anticorpos parecem ser induzidos por determinantes antigênicos presentes na membrana e não na parede de S. mutans. Uma explicação alternativa para este fenômeno seria a ativação inespecífica de clones de células B auto-relativas por mitógenos presentes em S. mutans. A miocardite humana é um quadro complexo. Embora diferentes trabalhos mostrem o papel de linfócitos T CD4+ na indução do quadro, o grau de inflamação do miocárdio não se correlaciona muito bem com as alterações de função cardíaca, sugerindo um papel para os auto-anticorpos na sua patogênese. Assim este trabalho tem por objetivo estudar os anticorpos anti-miocárdio e tentar identificar um antígeno de reação cruzada entre S. mutans e coração. (AU)

Interação de anticorpos anticardiolipina: a interfaces lipídicas contendo cardiolipina

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Química (IQ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Hernan Chaimovich Guralnik
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Enzimologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:94/05916-0
Vigência: 01 de março de 1995 - 31 de julho de 1997
Assunto(s):beta 2-Glicoproteína ILúpus eritematoso sistêmicoQuímica de macromoléculas
Resumo
Cardiolipinas (CL) são fosfolipídios exclusivamente distribuídas em membranas transdutoras de energia (mitocôndrias, cloroplastos). Anticorpos anticardiolipina são encontrados em doenças infecciosas como sífilis, ou autoimunes como lúpus eritematoso sistêmico. Propõe-se o estudo da interação destes anticorpos, sob diferentes condições, com bicamadas lipídicas contendo CL. Será realizado estudo comparativo entre imunoensaios de fase sólida e vesículas, buscando diferenças a nível molecular, especulando densidade de carga, conformação e mecanismos envolvidos nestas interações. Poderão ser mensuradas constantes de ligação CL-anticorpo; assim como experimentos para tentar elucidar o papel destes anticorpos "in vivo". (AU)

Reconhecimento molecular de autoanticorpos e desenvolvimento de sinal molecular usando lipossomas polimerizados

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Engenharia Química (FEQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Helena Andrade Santana
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Química - Processos Industriais de Engenharia Química
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:98/07188-3
Vigência: 01 de setembro de 1998 - 31 de agosto de 2000
Resumo
Neste trabalho propõe-se o desenvolvimento de um método colorimétrico para a quantificação de auto-anticorpos, baseado no reconhecimento molecular e desenvolvimento de resposta molecular usando lipossomas polimerizados. Os aspectos abordados no trabalho compreendem a preparação e caracterização de lipossomas polimerizados, o estudo da polimerização, a identificação das variáveis que influenciam no desenvolvimento do sinal colorimétrico e a avaliação do desempenho do sistema quanto à seletividade e reprodutibilidade dos resultados. Os resultados deste trabalho deverão ser úteis para o desenvolvimento de kits diagnóstico para a detecção de auto-anticorpos, para o "screening" de ligantes específicos, e para a utilização de lipossomas polimerizados na liberação controlada de medicamentos. (AU)

Estudo da presença dos alelos de Classe I e III do locus VNTR do gene da insulina em diabetes mellitus tipo 1. associação com os autoanticorpos anti - antígenos pancreáticos, genes do Sistema HLA..

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Elizabeth Rossi da Silva
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:02/06537-1
Vigência: 01 de setembro de 2003 - 31 de agosto de 2007
Assunto(s):Autoanticorpos
Resumo
Não há estudos no Brasil determinando a presença e o risco relativo dos alelos do locus VNTR do gene da insulina em diabéticos tipo 1 e do seu impacto na evolução e manifestação clínica da doença, assim como a sua interação com os autoanticorpos e os genes do sistema HLA. Neste projeto visamos a caracterização dos determinantes humorais e genéticos de 180 pacientes diabéticos tipo 1 e 180 indivíduos controles, os quais compreendem os autoanticorpos (ICA, anti-GAD, anti-IA2 ), genes do sistema HLA e alelos de classe I e III do locus VNTR do gene da insulina; na tentativa de definição de população de risco para a progressão da doença e futura intervenção preventiva.Este projeto dará continuidade ao estudo em andamento em nosso laboratório avaliando a susceptibilidade para a doença em irmãos e filhos de diabéticos tipo 1, que conta com cerca de 600 familiares estudados até o momento. (AU)

Anticorpos contra citoplasma de neutrófilos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eloisa Silva Dutra de Oliveira Bonfá
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunoquímica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:92/03063-5
Vigência: 01 de outubro de 1992 - 30 de setembro de 1994
Assunto(s):Autoanticorpos
Resumo
A classificação das vasculites sistêmicas é uma das maiores dificuldades na estudo desse grupo de doença. A ausência de um marcador sorológico e a freqüente sobreposições de achados clínicos e histopatológicos dificulta o diagnóstico. Esse problema reflete diretamente na demora do início do tratamento que pode ter conseqüências devastadoras, já que a maioria dessas doenças são bastante graves. A descrição recente da presença de IgG contra citoplasma de polimorfonucleares neutrófilos (PMN) no soro de pacientes com vasculite representou o primeiro avanço no diagnóstico laboratorial das vasculites. Os estudos futuros terão a função de implantar novos métodos de detecção, dos anticorpos anticitoplasma de neutrófilos e estabelecer o possível papel fisiopatológico destes anticorpos nas vasculites sistêmicas. (AU)

Desenvolvimento de métodos para detectar a lipoproteína de baixa densidade oxidada (Ox LDL) com vários graus de modificações oxidativas e auto-anticorpos gerados contra a Ox LDL

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Magnus Ake Gidlund
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Aplicada
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:99/00158-4
Vigência: 01 de abril de 1999 - 30 de novembro de 2001
Assunto(s):AnticorposAteroscleroseDoença das coronáriasLipoproteínas LDL
Resumo
A doença coronariana é responsável por mais que 50% das mortes nos centros urbanos. A oxLDL e os anticorpos contra a oxLDL têm sido apontados como eventos chave no processo aterogênico. Este projeto visa desenvolver métodos altamente específicos para detectar a) a presença de subpopulações de oxLDL em amostras de soro, b) analisar o amplo espectro de anticorpos que pode ser gerado contra a oxLDL. O projeto inclui a análise da reatividade potencial de anticorpos contra peptídeos sintéticos cujas sequências são derivadas da porção proteica (apoB) da partícula de LDL, e a análise do soro de animais com aterosclerose induzida experimentalmente e soro de pacientes com aterosclerose. Serão desenvolvidos anticorpos monoclonais contra os mesmos peptídeos sintéticos, para se detectar oxLDL circulante que estejam apresentando vários graus de decomposição. Portanto, o projeto pretende refinar bastante a tecnologia atualmente empregada para detectar tanto a oxLDL circulante como os auto-anticorpos contra a oxLDL. Isto servirá como importante ferramenta para pesquisa, além de ter um potencial poder preditivo no diagnóstico e na evolução da aterosclerose. (AU)

Evolução imunológica de doentes com fogo selvagem

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ). Prefeitura Municipal de Jundiaí. Jundiaí, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Paulo Rowilson Cunha
Anfitrião: Jean Claude Bystryn
Local de pesquisa: New York University (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Processo:95/00484-8
Vigência: 01 de julho de 1995 - 31 de dezembro de 1995
Assunto(s):Western blotting
Resumo
Nosso projeto de pesquisa aplicará técnicas de imunofluorescência direta e indireta para avaliar as mudanças seqüênciais que ocorrem nos níveis de auto anticorpos do Pênfigo em pacientes com Fogo Selvagem. Um aspecto importante será avaliar a resposta dos anticorpos desses pacientes às antígenos da pele usando técnica de Western Blotting, isso nos permitirá a identificação do antígeno da pele individual ao qual os anticorpos são dirigidos nesta doença e se ocorre ou não mudança na especificidade da resposta em função da atividade da doença, tratamento e melhora. (AU)

1) Clonagem do gene do receptor Fc Alfa; 2) Produção de modelo experimental de autoimunidade em camundongos transgênicos por anticorpo anti-linfócito

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Renato Costa Monteiro Filho
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Apoio a Jovens Pesquisadores
Processo:95/09348-0
Vigência: 01 de janeiro de 1997 - 30 de setembro de 2001
Publicação FAPESP sobre o auxílio:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Investindo...pesquisadores_107_113_113.pdf
Assunto(s):AnticorposClonagemGenesAutoimunidade
Resumo
A clonagem do gene receptor Fc das IgA e da sua região promotora permitirão um estudo sistemático de genes dos pacientes com anomalias das IgA séricas como a nefropatia por IgA, a cirrose alcoólica e a AIDS. Estas doenças estão associadas à um defeito de expressão deste receptor ao nível proteico. A clonagem do gene receptor Fc das IgA no camundongo será importante para permitir a construção de animais deficientes em receptor Fc alfa "knock-out" e/ou animais transgênicos (super expressão do gene com promotor a ser definido). A produção de camundongos transgênicos por anticorpo anti-linfócito T tem como objetivo analisar o desenvolvimento do repertório de linfócitos T e as repercussões autoimunes em animais com estimulação exacerbada. Anticorpos anti-linfócito T são presentes em soro de pacientes com lúpus e com artrite reumatoide. (AU)

1) Caracterização molecular de novos produtos do gene do RFcα em indivíduos normais e pacientes com anomalias de IgA. 2) Produção de modelo experimental de autoimunidade em camundongos transgênicos por anticorpos antilinfócitos T

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Renato Costa Monteiro Filho
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Apoio a Jovens Pesquisadores
Processo:98/06432-8
Vigência: 01 de agosto de 1998 - 31 de janeiro de 2000
Resumo
O projeto 1 tem como objetivo análise da RFcα em fagócitos do colostro humano (em colaboração com a Profa. Dra. Magda M. S. C. Sampaio) e análise da expressão e função dos RFcα em fagócitos do sangue de pacientes com doenças reumatológicas e anomalias das IgAs como espondilite anquilosante, doença de Behçet e febre reumática. O projeto 2 tem como objetivo a produção de camundongos transgênicos antilinfócito T para analisar o desenvolvimento do repertório do linfócito T em situação de interação dos linfócitos T e B sobre estimulação linfocitária exarcebada. Além disso, as repercussões autoimunes resultantes de autoanticorpos antilinfócitos T também serão estudadas (proc. nº 95/9348-0). (AU)

Caracterização dos padrões imunofluorescência PF-IV e ReR observados na pesquisa de auto-anticorpos em células HEp-2

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Luis Eduardo Coelho Andrade
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:10/50710-6
Vigência: 01 de julho de 2010 - 30 de junho de 2012
Assunto(s):Imunologia clínicaDoenças autoimunesAutoanticorposAutoantígenosCiclo celularImunofluorescência
Resumo
A presença de auto-anticorpos é comum em pacientes com doenças auto-imunes. Alguns auto-anticorpos podem ter papel patogênico evidente, outros podem ser consequência do processo patológico, outros ainda podem apenas ser observados no contexto de determinada doença, mas sem apresentar qualquer conexão aparente com sua etiopatogenia. Alguns auto-anticorpos reconhecem auto-antígenos que têm expressão dependente da fase do ciclo celular, tais como PCNA, SG2-NA, p330/CENP-F, RMSA-1, MEV, PSL (p55) e GAPDH. Em geral apresentam um padrão pleomórfico de imunofluorescência indireta em células HEp-2 (FAN-HEp-2). Em nossa prática corriqueira temos observado algumas amostras que apresentam padrões cuja principal característica é a variação na intensidade de fluorescência entre as várias células observadas. Embora a intensidade de fluorescência varie, a característica morfológica do padrão é invariável. Um desses padrões é alvo de interesse especial por sua frequência relativamente alta e foi denominado por nós, como padrão nuclear pontilhado fino de intensidade variável (PF-IV). O presente estudo pretende definir as características imunológicas dos auto-anticorpos associados ao padrão de imunofluorescência indireta PF-IV e a caracterização molecular parcial do(s) respectivo(s) antígeno(s) alvo(s). Recentemente também foi descrito que alguns dos pacientes HCV FAN-reagentes apresentam um padrão de imunofluorescência citoplasmático atípico, chamado de "Rods e Rings". Neste estudo também vamos avaliar a prevalência dos auto-anticorpos associados ao padrão ReR em pacientes com infecção crônica pelo HCV, co-infectados ou não com o HIV, procurando determinar a associação da presença desses auto-anticorpos com características clínicas, virológicas, histológicas e terapêuticas. Pretende-se também caracterizar os auto-antígenos e estruturas citoplasmáticas do sistema ReR. (AU)

Repertório dos genes V-lambda das imunoglobulinas humanas expresso no Lúpus Eritematoso Sistêmico

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Geraldo Aleixo da Silva Passos Júnior
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunogenética
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:98/10306-8
Vigência: 01 de outubro de 1998 - 30 de junho de 2000
Resumo
O presente projeto situa-se no campo da imunogenética molecular dos auto-anticorpos no lúpus eritematoso sistêmico (LES). O locus lambda das imunoglobulinas humanas (IGL) está situado no cromossomo 22q11 e tem importante contribuição aos anticorpos séricos (40% são com cadeia leve lambda). Entretanto, sua participação em doenças auto-imunes como o LES é ainda pouco estudada. Neste projeto pretendemos avaliar os níveis de expressão dos diferentes genes V-lambda no LES, empregando metodologia atual de genética molecular como a construção e análise de bibliotecas de cDNA. Estaremos contribuindo com o entendimento da geração dos auto-anticorpos e a participação do locus IGL no lúpus humano. (AU)
546 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP