site da FAPESP
 

Refine sua pesquisa

Pesquisa
  • Uma ou mais palavras adicionais
Publicações científicas
Auxílios à Pesquisa
Bolsas
Programas voltados a Temas Específicos
Programas de Pesquisa direcionados à Aplicação
Programas de Infraestrutura de Pesquisa
Área do conhecimento
Situação
Ano de início
938 resultado(s)
|

Profissionais de saúde brasileiros promotores de atividade física para idosos com transtornos cognitivos: um estudo de levantamento

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Ciências Humanas e Biológicas (CCHB). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). Sorocaba, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Grace Angélica de Oliveira Gomes
Supervisor no Exterior: Sara Holtum Demain
Local de pesquisa: University of Southampton (Inglaterra)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Iniciação Científica
Processo:16/08487-4
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 24 de novembro de 2016
Assunto(s):Serviços de saúdeAtividade físicaIdososSaúde pública
Resumo
INTRODUÇÃO: Atualmente, a população mundial está envelhecendo rapidamente, bem como a prevalência de demência. Alguns estudos sugerem que o aumento da atividade física (AF) está associada a benefícios cognitivos e pode diminuir o risco de demência. Eestratégia para a promoção da atividade física podem ser programas de AF, mas existem poucos estudos na literatura sobre o conhecimento dos profissionais de saúde que promovem a atividade física para idosos com distúrbios cognitivos. OBJETIVO: Realizar um levantamento com profissionais de saúde das capitais brasileiras que promovam atividade física para idosos com distúrbios cognitivos. MÉTODOS: Este estudo é parte de um estudo maior chamado "Desenvolvimento de resultado núcleo definido para avaliar a atividade física em pessoas com demência". Este projeto tem como objetivo: 1) para informar a concepção dos ensaios clínicos de exercício físico/ atividade física, incluindo as pessoas com demência e 2) fornecer orientação para profissionais de saúde, avaliação / intervenções com atividade física/ exercício físico para pessoas com demência, em relação aos resultados mais adequados e medidas de resultados. Os dados dos inquéritos relacionados com o projeto será implementado em cinco continentes, e um deles será na América do Sul representado pelo Brasil. Para projeto de execução é necessário realizar um levantamento dos profissionais de saúde que lidam diretamente com intervenções e serviços de promoção da atividade física para idosos com distúrbios cognitivos, que será realizada pela estudante brasileira, a fim de garantir as demais etapas do estudo principal. Portanto, um estudo descritivo transversal será realizado entre setembro e dezembro de 2016 em parceria entre a Universidade Federal de São Carlos e a Universidade de Southampton. A amostra deverá ser profissionais de saúde das capitais brasileiras que trabalham de forma ativa e regular em programas, projetos ou serviços que fornecem promoção da atividade física para pessoas idosas com comprometimento cognitivo. Haverá uma pesquisa realizada pela Internet, telefone e pesquisas com a organizações públicas e privadas, bem como universidades, sobre a existência de projetos, programas e / ou serviços de promoção da atividade física oferecidos aos idosos com distúrbios cognitivos. Inicialmente, serão listados todos os locais possíveis. Em seguida, um contato por email ou telefone será realizado com todos os coordenadores e proprietários pedindo a colaboração dos profissionais de saúde que trabalham com o tema do estudo. Estes contatos serão listados e armazenados. RESULTADOS ESPERADOS: Esperamos encontrar um número de profissionais suficiente para a futura abordagem a ser realizada pelo pesquisador principal. Espera-se conseguir uma amostra de 40-150 profissionais. (AU)

Metabolismo energético, composição corporal e consumo alimentar na cirurgia bariátrica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Maria Rita Marques de Oliveira
Supervisor no Exterior: Dale A. Schoeller
Local de pesquisa: University of Wisconsin-Madison (UW) (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Processo:16/02306-8
Vigência: 15 de agosto de 2016 - 14 de fevereiro de 2017
Assunto(s):Composição corporalObesidadeCirurgia bariátricaIsótopos estáveisMetabolismo energético
Resumo
A cirurgia para a obesidade é hoje o procedimento de escolha para casos graves do problema, por resultar em maiores e mais duradoras perdas de peso corporal e no efetivo controle das doenças crônicas associadas às disfunções metabólicas da adiposidade corporal, um grave e frequente problema de saúde global. No entanto, os resultados da cirurgia não são os mesmos para todos os obesos, o que pode estar relacionado a processos metabólicos adaptativos, com prováveis implicações genéticas. Em estudos anteriores, nós não encontramos diferenças na taxa metabólica em repouso e no consumo de alimentos entre mulheres com diferentes resultados da cirurgia sobre o ganho de peso. Neste projeto, buscando elucidar outras hipóteses e considerando o cenário técnico e científico favorável, o objetivo será avaliar a resposta do peso corporal à cirurgia bariátrica sob a influência de fatores associados ao metabolismo energético, à composição corporal e ao consumo alimentar, 6 e 12 meses após o procedimento. Será um ensaio clínico autocontrolado, envolvendo 20 mulheres com IMC entre 40 e 50 kg/m2. O gasto energético total e a composição corporal serão avaliados pela água duplamente marcada. O consumo alimentar e o nível de atividade física serão avaliados por meio de registros de três dias não consecutivos. Como resultado, se espera obter respostas a hipóteses levantadas em estudos anteriores, assim, beneficiando decisões referentes ao tratamento e ao cuidado pós-cirúrgico. (AU)

Epilepsia e exercício físico no sexo feminino e sua influência na prole: estudo em modelo experimental

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ricardo Mario Arida
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:16/08514-1
Vigência: 01 de agosto de 2016 - 31 de julho de 2017
Assunto(s):Fármacos neuroprotetoresGravidezEpilepsiaExercício físicoNeurologiaMulheresSaúde da mulher
Resumo
Associações de estratégias antiepileptogênicas e neuroprotetoras para a prevenção e tratamento da epilepsia têm sido constantemente investigadas. Neste sentido, o exercício físico tem sido considerado um candidato em potencial como terapia complementar para a epilepsia. Efeitos benéficos do exercício físico em pessoas com epilepsia têm sido amplamente demonstrados, como redução da susceptibilidade às crises, melhora da qualidade de vida e redução da ansiedade e depressão. Estudos em modelos animais de epilepsia têm investigado os mecanismos pelos quais o exercício interfere neste processo. Apesar da influência positiva do exercício físico na epilepsia, não existe informação consistente na literatura se estes benefícios são totalmente aplicados ao sexo feminino. Este aspecto é de grande importância tendo em vista que disfunções reprodutivas e distúrbios endócrinos são comuns em mulheres com epilepsia. A proposta da primeira parte deste projeto será verificar o efeito de programas de exercício físico aeróbio na epileptogênese, na frequência de crises epilépticas e nas alterações neuromorfológicas e neuroquímicas de ratas Wistar fêmeas. Fatores ambientais, como o estresse pré-natal em animais podem provocar alterações no desenvolvimento do sistema nervoso e consequentemente aumentar a susceptibilidade a convulsões e ao desenvolvimento da epilepsia na prole no início e ou em fases mais tardias da vida. Ainda, o cérebro em desenvolvimento no período pós-natal possui uma maior susceptibilidade a crises, dependendo da etapa do desenvolvimento cerebral. Estudos recentes em animais mostram que o exercício físico durante o desenvolvimento fetal pode melhorar algumas funções cerebrais dos filhotes após o nascimento. Apesar da influência benéfica do exercício físico no sistema nervoso em desenvolvimento durante a gestação, não está claro se a atividade física durante a gestação pode exercer efeito protetor a insulto cerebral na prole no início da vida. Na segunda parte deste projeto, pretendemos verificar se o exercício físico e/ou estresse por contenção durante a prenhez pode alterar em filhotes a susceptiblidade as crises induzidas no inicio e nas fases mais tardias da vida utilizando o modelo do pentilenotetrazol. Acreditamos que esta investigação poderá fornecer informações importantes para elucidar se a atividade física regular no período gestacional e na fase adulta pode interferir positivamente na epilepsia e indica-la como estratégia terapêutica para o controle das crises epilépticas e ajustes psicossociais no sexo feminino. (AU)

Associação de obesidade e atividade física com a prevalência e gravidade das disfunções temporomandibulares em adolescentes

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Daniela Aparecida de Godoi Gonçalves
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:16/03225-1
Vigência: 01 de agosto de 2016 - 31 de julho de 2017
Assunto(s):Fatores de riscoDisfunção temporomandibularAtividade físicaDor facialAdolescentesObesidade
Resumo
Obesidade é uma doença crônica e prevalente, atingindo de maneira progressiva crianças e adolescentes. Além de ser um fator de risco para doença cardiovascular, evidências sugerem que a obesidade está associada com alguns tipos de dores crônicas, especialmente as musculoesqueléticas. Dessa forma, nossa hipótese é que a obesidade também seja comórbida com a disfunção temporomandibular (DTM), uma condição dolorosa musculoesquelética da região orofacial, de alta prevalência entre adultos e adolescentes. Objetivo: Testar se a obesidade e a atividade física estão associadas a presença e severidade da DTM dolorosa nos adolescentes. Métodos: O cálculo amostral definiu n=600. Os participantes serão estudantes de escolas públicas municipais e particulares de Araraquara, SP. A amostra será estratificada de acordo com a presença de DTM (conforme o RDC-Eixo I) e caracterização nutricional (Índice de Massa Corporal, Bioimpedância, Pregas Cutâneas e Circunferência Abdominal). Serão descritas informações sócio-demográficas de acordo com a presença de DTM dolorosa. Outras variáveis serão avaliadas através de instrumentos validados incluindo cefaleias primárias, apneia obstrutiva do sono, avaliação do grau de atividade física, estágio de maturação sexual e depressão. Regressão logística multivariada será utilizada para estimar o odds ratio. O teste do qui-quadrado ou teste exato de Fisher será utilizado para estudo das associações de interesse, razão de prevalência (RP) e intervalo de confiança de 95% (IC) serão aplicados. O nível de significância adotado será de 5%. (AU)

Avaliação do equilíbrio semi-estático em idosos abaixo e acima de 80 anos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Daniela Cristina Carvalho de Abreu
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:16/07698-1
Vigência: 01 de agosto de 2016 - 31 de julho de 2017
Assunto(s):EnvelhecimentoIdososFisioterapiaEquilíbrio
Resumo
As quedas entre os idosos são uma grande preocupação de saúde pública, pois podem acarretar consequências potencialmente sérias, sendo assim, é fundamental entender os fatores de risco para poder preveni-las. O risco de quedas em idosos acima de 80 anos aumenta 50% quando comparados a idosos de 65 anos. Porém, pouco se sabe sobre o equilíbrio semi-estático de idosos acima de 80 anos, para entender o que os diferencia dos idosos mais jovens e a relação com o histórico de quedas com o avançar da idade. Portanto, o objetivo do presente estudo será comparar o equilíbrio semi-estático de idosos com idade abaixo e acima de 80 anos de idade e correlacionar o equilíbrio com o histórico de quedas e o nível de atividade física. Os idosos serão divididos em dois grupos: G1 (n= 40) que incluirá idosos com idade abaixo de 80 anos e G2 (n=40) que incluirá idosos com idade acima de 80 anos. Os idosos serão avaliados por meio de questionários sobre histórico de quedas e medo de cair e aplicação do questionário IPAQ-Versão Curta para avaliar o nível de atividade física. Além disso, o equilíbrio semi-estático será avaliado por meio da plataforma de força em 7 posições diferentes: 1) posição bipodal sobre superfície fixa com olhos abertos, 2) posição bipodal sobre superfície fixa com olhos fechados, 3) posição bipodal sobre superfície instável com olhos abertos, 4) posição bipodal sobre superfície instável com olhos fechados, 5) posição tandem com olhos abertos, 6) posição semitandem com olhos abertos, 7) posição unipodal de olhos abertos. As variáveis analisadas serão a amplitude e a velocidade de oscilação médio-lateral e ântero-posterior do centro de pressão. Todas as análises estatísticas serão realizadas utilizando o programa SPSS (SPSS for Windows - Versão 16.0 - SPSS inc,) e será adotado nível de significância de 5% (p d 0,05). Os resultados serão expressos como média e desvio padrão da média. (AU)

"hábitos saudáveis, meninas saudáveis - Brasil": ensaio comunitário randomizado controlado com adolescentes do sexo feminino de escolas técnicas públicas da Cidade de São Paulo

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sonia Tucunduva Philippi
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Análise Nutricional de População
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:15/20852-7
Vigência: 01 de agosto de 2016 - 31 de julho de 2018
Assunto(s):Atividade motoraSedentarismoConsumo de alimentosAdolescentes
Resumo
Introdução: As consequências negativas do ganho de peso e a maior probabilidade da obesidade pediátrica manter-se na vida adulta, destaca-se a importância em abordar jovens "em risco" para obesidade. Objetivo: avaliar o efeito da intervenção após 6 meses, investigar os comportamentos relacionados ao peso que podem ser mediadores dos efeitos da intervenção no peso e as questões metodológicas e teóricas da intervenção. Métodos: O "Hábitos Saudáveis, Meninas Saudáveis -Brasil" é um ensaio randomizado controlado com 6 meses de duração baseado na teoria social cognitiva, com vistas na prevenção da obesidade. O estudo foi realizado em 10 escolas públicas do município de São Paulo, Brasil. Os desfechos são o IMC, IMC Z score, nível de atividade física, ingestão alimentar, atividades de tela. As análises seguirão o principio de intenção-tratamento, e as diferenças na linha de base serão avaliadas pelo teste t-student e qui-quadrado. O modelo linear misto e o teste do produto do coeficiente serão utilizados para avaliar os efeitos da intervenção e dos mediadores da mudança do comportamento. A análise qualitativa dos dados para verificar as questões metodológicas e teóricas será realizada por meio da análise temática. Para todos os testes estatísticos serão estabelecidos o nível de significância de p<0.05. Os dados da intervenção foram coletados em 2015 e serão analisados em 2016. (AU)

Liane Beretta de Azevedo | Teesside University - Inglaterra

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências (FC). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Bauru. Bauru, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Sandra Lia do Amaral Cardoso
Pesquisador visitante: Liane Beretta de Azevedo
Instituição do pesquisador visitante: Teeside University (Inglaterra)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Processo:15/50406-9
Vigência: 01 de agosto de 2016 - 21 de agosto de 2016
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP:
Assunto(s):Atividade físicaExercício físicoMetabolismoCrianças

Estudos sobre (in)atividade física em pacientes com artrite reumatóide: caracterização, associações com a doença e efeitos da interrupção do tempo sedentário

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola de Educação Física e Esporte (EEFE). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Bruno Gualano
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Processo:15/26937-4
Vigência: 01 de julho de 2016 - 30 de junho de 2020
Assunto(s):Atividade físicaReumatologiaSedentarismo
Resumo
A artrite reumatoide (AR) é uma doença auto-imune inflamatória sistêmica e crônica de etiologia desconhecida, caracterizada pelo acometimento das articulações sinoviais, causando dor e edema. Onde as manifestações clínicas apresentadas pelos pacientes com AR podem contribuir com a piora das capacidades físicas, da qualidade de vida, maior risco de morbimortalidade cardiovascular e para o desenvolvimento de um estilo de vida sedentário nestes pacientes. Contudo, sabe-se que programas de exercício aeróbio e de força, realizados em intensidade moderada a alta podem melhorar a capacidade aeróbia, força muscular, capacidade funcional, fatores de risco cardiovascular e composição corporal em pacientes com AR. Os benefícios que a prática de exercício físico promove na população saudável e em pacientes com AR é incontestável. Entretanto, um número crescente de evidências sugere que, em adição ao cumprimento das recomendações de atividade física, os indivíduos deveriam objetivar a redução do tempo gasto em comportamento sedentário para promover melhoras na saúde. Alguns estudos têm demonstrado que a simples interrupção de longos períodos gastos em comportamento sedentário está associada com melhora de fatores de risco cardiovascular e redução do risco de mortalidade por todas as causas. Diante do exposto, é plausível assumir que intervenções que promovam a redução do tempo sedentário e a interrupção do comportamento sedentário com atividades leves podem ter um efeito positivo nas comorbidades e nos fatores de risco cardiovascular em pacientes com AR. Ademais, ao nosso conhecimento, nenhum estudo na literatura teve como objetivo verificar se uma intervenção para promover a redução do tempo sedentário e aumento de interrupções no comportamento sedentário é eficaz em pacientes com AR. Tendo em vista o exposto, este trabalho terá como objetivos (1) avaliar o tempo sedentário, número de interrupções do tempo sedentário e o nível de atividade física em pacientes diagnosticadas com AR; (2) investigar os efeitos de uma intervenção que promove a interrupção do tempo sedentário em parâmetros relacionados à atividade da doença, composição corporal, parâmetros sanguíneos, fatores de risco para doenças cardiovasculares, capacidade física e qualidade de vida em pacientes com AR. Além disso, expandir o conhecimento sobre os mecanismos acerca da influência da interrupção do tempo sedentário no músculo esquelético desses pacientes. Dois estudos serão conduzidos como parte do presente projeto. O primeiro será um estudo transversal descritivo e de associação (Estudo 1), enquanto que o segundo será um estudo longitudinal, randomizado, de grupos paralelos e controlado (Estudo 2). As pacientes serão recrutadas no Ambulatório de Reumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). E este estudo será desenvolvido no Laboratório de Avaliação e Condicionamento em Reumatologia (LACRE). As voluntárias serão analisadas quanto aos seguintes parâmetros: (1) nível de (in)atividade física (acelerômetro e ActivPAL®); (2) avaliação clínica global (questionários específicos); (3) antropometria e composição corporal (DXA); (4) parâmetros sanguíneos hematológicos e inflamatórios (coletas de sangue e quantificação de citocinas); (5) fatores de risco cardiovascular (questionário de estratificação de risco cardiovascular de Framingham); (6) capacidade aeróbia (teste ergoespirométrico); (7) capacidade funcional e fadiga (testes funcionais e questionários específicos); (8) qualidade de vida (SF-36); (9) biópsia muscular (Apenas estudo 2). (AU)

Associação entre estado nutricional, consumo de FODMAPs e qualidade de vida em indivíduos com síndrome do intestino irritável

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Limeira, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Carolina Junqueira Vasques
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Análise Nutricional de População
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/24918-2
Vigência: 01 de julho de 2016 - 30 de junho de 2017
Assunto(s):Estado nutricionalConsumo de alimentosSíndrome do intestino irritávelQualidade de vida
Resumo
Introdução: A síndrome do intestino irritável (SII) é um distúrbio funcional do intestino caracterizado por mudança dos hábitos intestinais, associados com dor e / ou desconforto abdominal, que afeta cerca de 3% a 25% da população mundial. A maioria das pessoas com SII sofrem de intolerâncias alimentares. As intolerâncias mais comuns estão relacionadas com a ingestão de carboidratos de cadeia curta, os quais em conjunto recebem o nome FODMAPs - fermentáveis oligossacáridos, dissacáridos, monossacáridos e polióis. Em relação ao estado nutricional de pacientes com SII, não há consenso sobre a associação entre a síndrome e marcadores de adiposidade. No entanto, alguns estudos encontraram associação positiva entre o aumento do IMC e sintomas da SII. Vale ressaltar que a SII é uma condição clínica com grande impacto na qualidade de vida. Considerando o desafio que a SII representa para os profissionais de saúde em seu manejo, e os custos dos cuidados de saúde da doença, o presente estudo terá como objetivo investigar a associação entre o estado nutricional, estilo de vida, a ingestão de alimentos, qualidade de vida e sintomas gastrointestinais em pacientes com a SII.Métodos: Estudo transversal com 72 indivíduos, variando de 20 a 59 anos, incluindo ambos os sexos e com diagnóstico médico de SII. Avaliação nutricional: peso, altura, circunferência da cintura, circunferência do quadril, circunferência do braço e prega cutânea tricipital. Avaliação de estilo de vida: atividade física pelo Questionário Internacional de Atividade Física - IPAQ, tabagismo, consumo de álcool, privação de sono pela Escala de Sonolência de Epworth. O consumo de FODMAPs será avaliado pela aplicação de um questionário semi-quantitativo de freqüência alimentar. A escala de gravidade gastrointestinal, a escala de Bristol e o Questionário de Qualidade de Vida para portadores da SII serão aplicados.Perspectivas: A elucidação dessas associações poderão fornecer subsídios para uma maior sensibilização dos profissionais de saúde sobre a necessidade de tratamento multidisciplinar desses pacientes, bem como para orientar o desenvolvimento de estratégias de intervenção que contribuam para o manejo dos sintomas da SII, garantindo aos pacientes a manutenção ou a obtenção de um estado nutricional saudável e qualidade de vida. (AU)

O efeito da crioterapia no controle da dor, da função e da qualidade de vida em indivíduos com osteoartrite de joelho - ensaio clínico randomizado

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Tania de Fatima Salvini
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Processo:15/21422-6
Vigência: 01 de julho de 2016 - 28 de fevereiro de 2019
Assunto(s):AnalgesiaOsteoartriteFisioterapiaJoelho
Resumo
Introdução: A osteoartrite (OA) é uma das principais causas de incapacidade para adultos e idosos, diminui a qualidade de vida, e é responsável por um oitavo de toda restrição das atividades de vida diária dos indivíduos acometidos. Entre as articulações que suportam peso, o joelho é a mais acometida pela OA. A osteoartrite de joelho (OAJ) causa sintomas como rigidez articular, dor, disfunções físicas e isso acarreta um considerável impacto na qualidade de vida dos indivíduos. Atualmente, diferentes opções de tratamento estão disponíveis para a OAJ. Uma combinação de tratamentos não farmacológicos, que incluem a educação do paciente, exercícios, mudanças de estilo de vida e fisioterapia, associados aos tratamentos farmacológicos, são os mais indicados. A crioterapia, uma intervenção não farmacológica bastante utilizada nas lesões músculos esqueléticas para controle da sintomatologia dolorosa, tem sido utilizada também na OAJ. No entanto, ainda há carência de evidencias cientificas em relação aos seus efeitos na OAJ. Poucos estudos avaliaram os efeitos analgésicos e desfechos na qualidade de vida de pacientes com OAJ, após o uso da crioterapia de forma isolada. Além disso, estudos de revisão sistemática apontam para uma fraca evidência científica para o uso da crioterapia na OAJ devido a deficiências no desenho metodológico da maioria dos estudos. Assim, os resultados de um ensaio clínico randomizado e controlado sobre os efeitos da crioterapia na OAJ poderá contribuir com um melhor embasamento científico sobre o papel da crioterapia na OAJ. Objetivos: Avaliar o efeito da aplicação de crioterapia (saco gelo triturado) ao redor do joelho de indivíduos com OA no controle da dor, na função e na qualidade de vida desses indivíduos. Metodologia: Trata-se de um ensaio ¬clínico randomizado e controlado, duplo-cego. Participarão do estudo 46 portadores de OAJ, com diagnóstico baseado nos critérios clínicos e radiográficos do American College of Rheumatology, de ambos os sexos, com idade entre 40 e 65 anos. O número total de indivíduos será dividido, aleatoriamente, em dois grupos, com 23 sujeitos cada um. Durante 4 dias consecutivos, por um período de 20 min, cada grupo receberá um tipo de intervenção ao redor do joelho com OA: o grupo crioterapia receberá aplicação de sacos de gelo com compressão e o grupo placebo receberá aplicação de sacos de areia com compressão, sendo o peso e volume, similares ao utilizado na crioterapia. Todos os indivíduos terão as seguintes variáveis avaliadas pré e pós-intervenção: limiar de dor a pressão (Algometria), índice de dor (EVA), questionários de funcionalidade física (WOMAC, KOOS) e de atividade física (IPAQ). Dois testes de função física serão também realizados: o teste de sentar e levantar da cadeira em 30s e o Timed Up and Go (TUG). Imagens termográficas serão também obtidas para análise mais detalhada da temperatura do joelho com OA. Analise de dados: A normalidade dos dados será avaliada e testes paramétricos ou não paramétricos poderão ser utilizados. Será realizada a comparação entre as médias das variáveis dependentes. Os fatores independentes do estudo serão a crioterapia versus placebo e o fator de medidas repetidas pré- versus pós-intervenção. As possíveis correlações entre as variáveis dependentes do estudo de interesse também serão avaliadas. Palavras-chave: Fisioterapia, Osteoartrite, Terapia com gelo, Termoterapia, Analgesia, Hipotermia, Joelho. (AU)

Associação entre estado nutricional, consumo de FODMAPs e qualidade de vida em indivíduos com síndrome do intestino irritável

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Limeira, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Carolina Junqueira Vasques
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Análise Nutricional de População
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/24920-7
Vigência: 01 de julho de 2016 - 30 de junho de 2017
Assunto(s):Estado nutricionalConsumo de alimentosSíndrome do intestino irritávelQualidade de vida
Resumo
Fundamentação: A síndrome do intestino irritável (SII) é um distúrbio funcional do intestino caracterizado por mudança dos hábitos intestinais, associados com dor e/ou desconforto abdominal, que afeta cerca de 3% a 25% da população mundial. A maioria das pessoas com SII sofre de intolerâncias alimentares, sendo as mais comuns aquelas relacionadas com a ingestão de carboidratos de cadeia curta, denominados FODMAPs - fermentáveis oligossacáridos, dissacáridos, monossacáridos e polióis. Em relação ao estado nutricional de pacientes com SII, não há consenso sobre a associação entre a síndrome e marcadores de adiposidade. Contudo, estudos encontraram associação positiva entre aumento do IMC e sintomas da SII. Vale ressaltar que a SII é uma condição clínica com grande impacto na qualidade de vida. Objetivo: Diante do desafio que a SII representa para os profissionais de saúde em seu manejo e os custos dos cuidados de saúde da doença, o presente estudo terá como objetivo investigar a associação entre estado nutricional, estilo de vida, ingestão de alimentos, qualidade de vida e sintomas gastrointestinais em pacientes com a SII. Métodos: Estudo transversal com 72 indivíduos de 20 a 59 anos, de ambos os sexos e com diagnóstico da SII. Avaliação nutricional: IMC, circunferências da cintura, do quadril e do braço e prega cutânea tricipital. Avaliação da prática de atividade física, tabagismo, etilismo e privação de sono. O consumo de FODMAPs será avaliado pela aplicação de um questionário de frequência alimentar. A escala de gravidade gastrointestinal, a escala de Bristol e o Questionário de Qualidade de Vida para portadores da SII serão aplicados. Perspectivas: A elucidação dessas associações poderá fornecer subsídios para uma sensibilização dos profissionais de saúde sobre a necessidade de tratamento multidisciplinar desses pacientes, bem como para o desenvolvimento de estratégias que contribuam no manejo dos sintomas da SII, garantindo a manutenção ou obtenção de um estado nutricional saudável e qualidade de vida. (AU)

Avaliação do perfil nutricional de mulheres com câncer de mama pós-mastectomizadas em uma amostra da população brasileira

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alceu Afonso Jordão Junior
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Análise Nutricional de População
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:16/06626-7
Vigência: 01 de julho de 2016 - 31 de dezembro de 2016
Assunto(s):ObesidadeComposição corporalEstado nutricionalNeoplasias mamáriasImpedância bioelétrica
Resumo
Introdução: Os dados do ultimo inquérito brasileiro de 2014 apontou que 50,8% dos brasileiros estão acima do peso, e que 17,5% são obesos (VIGITEL, 2014) e em paralelo a obesidade, ocorrem alterações metabólicas em que o excesso de tecido adiposo possui papel central no desenvolvimento de doenças crônicas, dentre elas pode-se destacar o câncer de mama, sendo este risco aumentado principalmente em mulheres na pós-menopausa (Morimoto et al., 2002). Os desarranjos metabólicos ligados ao ganho de peso além de caracterizar um risco para o desenvolvimento do câncer também estão correlacionados a terapêutica da doença, prognóstico e ao avanço da idade (REDIG AJ & MUNSHI HG, 2010) e estas alterações são possíveis são promotoras para o desenvolvimento de outros tipos de cânceres, doença cardiovascular, osteoporose e aparição de tumores mais agressivos (LADOIRE et al., 2014). Existem inúmeras possibilidades para a manutenção ou o desenvolvimento do excesso de peso no pós-tratamento do câncer de mama, como o fator genético, idade avançada, alterações no gasto energético basal e secreção hormonal, a inatividade física e desordens alimentares. Contribuindo para a relação do excesso de peso e piora do prognostico, esta o comprometimento da rede linfática axilar que também esta associada com ao ganho de gordura corporal e a perda de massa magra e funcionalidade muscular, que esta ligada a presença de linfedema, mastectomia e a idade. Assim tendo em vista a gama de alterações associadas às mudanças do perfil nutricional que as pacientes oncológicas podem estar submetidas, a análise precisa da composição corporal, especialmente, da porcentagem de gordura corporal, massa magra e funcionalidade muscular assumem um papel fundamental para diagnóstico e adequação das condutas nutriconais a fim de promover melhoras na qualidade de vida. Objetivo: Avaliar e caracterizar o perfil nutricional (antropométrico, composição corporal, funcional e de atividade física) de mulheres mastectomizadas para câncer de mama que frequentam um núcleo de reabilitação. Metodologia: Será realizado um estudo transversal com 65 mulheres de um núcleo de reabilitação para câncer de mama. As voluntárias serão submetidos à antropometria (aferição de peso e estatura, a medida de circunferência do braço (CB), circunferência da cintura (CC), circunferência do quadril (CQ), circunferência de panturrilha (CP), prega cutânea triciptal (PCT), prega cutânea biciptal (PCB), prega cutânea subescapular (PCSE) e prega cutânea suprailiaca (PCSI), dinamometria e impedância bioelétrica (BIA), cálculo dos índices de adiposidade e aplicação do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ). (AU)

Estudo da autofagia como mecanismo para o desencadeamento de doenças neurodegenerativas

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Merari de Fátima Ramires Ferrari
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:15/18961-2
Vigência: 01 de julho de 2016 - 30 de junho de 2018
Assunto(s):Degeneração neuralAtividade física
Resumo
Acredita-se que o prejuízo do controle da qualidade proteica contribua para os eventos celulares que culminam com a neurodegeneração. Neste sentido, a proposta do presente estudo é avaliar o sistema de controle de qualidade celular em modelos in vitro (cultura primária de células) e in vivo (antes do aparecimento dos sintomas) de doenças neurodegenerativas esporádicas (utilizando rotenona) e genéticas como esclerose lateral amiotrófica associada à mutação no gene SOD1 e doença de Alzheimer relacionada triplicação de genes importantes para essa neurodegeneração em modelo de síndrome de Down. Para tanto, serão analisados os níveis de proteínas associadas à ativação da autofagia (incluindo mitofagia), tráfego de vesículas autofágicas e fluxo autofágico. Adicionalmente, pretende-se analisar o papel da proteína BAG-2 (co-chaperona que liga-se à hsp70 para a degradação) em modular a atividade autofágica em momentos anteriores à agregação proteica, bem como o papel da atividade física sobre a autofagia no curso da neurodegeneração esporádica como estratégia terapêutica/preventiva. (AU)

Investigação epidemiológica da relação entre disfunção temporomandibular, comorbidades dolorosas, obesidade e distúrbios do sono em adolescentes

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Odontologia (FOAr). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Daniela Aparecida de Godoi Gonçalves
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:16/01243-2
Vigência: 01 de julho de 2016 - 30 de junho de 2018
Assunto(s):Transtornos do sonoEpidemiologiaComorbidadeSíndrome da disfunção da articulação temporomandibularAdolescentesObesidade
Resumo
Introdução: A literatura tem demonstrado alta prevalência de dor crônica em crianças e adolescentes, incluindo a disfunção temporomandibular (DTM). As condições dolorosas, especialmente as crônicas, com frequência ocorrem simultaneamente nos mesmos indivíduos e estão associadas com alterações emocionais e psicossociais. Em adolescentes, a associação da DTM com outras condições ainda não está clara. Objetivo: Investigar a relação entre DTM dolorosa e comorbidades em adolescentes. Métodos: A amostra será composta por indivíduos de ambos os gêneros com 12 a 14 anos de idade, sendo 350 com DTM dolorosa e 350 controles. Serão coletados dados sócio-demográficos, e todos serão avaliados por meio dos seguintes instrumentos e técnicas validados: Research Diagnostic Criteria for Temporomandibular Disorders (RDC/TMD) para classificação da DTM; Escala de Faces Revisada (FPS-R) para avaliação da intensidade da dor; Limiar de Dor à Pressão (LDP) por meio de algometria trigeminal e extra-trigeminal; Maturação Sexual de acordo com estágios de Tanner; Composição Corporal (Índice de Massa Corporal, pregas cutâneas, circunferência abdominal e bioimpedância); Prática de Atividade Física, Pediatric Quality of Life InventoryTM - PedsQLTM para avaliação da qualidade de vida; Escala de Distúrbios de Sono em Crianças e Questionário sobre Comportamento do Sono; Questionário Nórdico Padronizado para avaliar a dor no corpo; Critérios da Sociedade Internacional de Cefaleias-II para diagnóstico de cefaleias; Inventário de Depressão Infantil-CDI; Critérios de Yunus para FM em adolescentes. O teste do qui-quadrado ou teste exato de Fisher será utilizado para estudo das associações de interesse. Modelos de regressão logística e linear serão utilizados para estimar o odds-ratio entre a presença e intensidade da DTM dolorosa e variáveis independentes. (AU)

Relação da prática de atividade física em seus diferentes domínios com a qualidade de vida e aspectos hemodinâmicos em idosos de Presidente Prudente - SP: estudo epidemiológico

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Diego Giulliano Destro Christofaro
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:16/02258-3
Vigência: 01 de junho de 2016 - 31 de agosto de 2017
Assunto(s):Atividade físicaEpidemiologiaIdososQualidade de vidaFatores de risco
Resumo
É estabelecido na literatura que a atividade física pode contribuir positivamente na saúde de indivíduos de diversas faixas etárias. No que diz respeito aos diferentes domínios que englobam a atividade física com a população idosa, a literatura internacional aponta o lazer como o domínio que apresenta maiores níveis de atividade física. No entanto, o mesmo não se aplica em países em desenvolvimento, como o Brasil. Sendo assim, o presente estudo tem como objetivo analisar a relação da atividade física nos seus diferentes domínios, com fatores hemodinâmicos, qualidade de vida e fatores de risco na população idosa brasileira. Será realizado um estudo transversal de caráter analítico e descritivo. A amostra será composta por 319 pessoas com idade igual ou superior a 60 anos. A cidade será divida em cinco regiões, e as ruas serão selecionadas aleatoriamente. Medidas antropométricas e pressão arterial serão realizadas no domicílio do idoso, assim como aplicação de questionário para morbidades autoreferidas, questionário de Baecke para avaliar o nível de prática de atividade física e para avaliar a qualidade de vida será utilizado o questionário SF-36. A normalidade dos dados será verificada por meio do teste de Komogorov-Smirnov. As informações sobre a prática de atividade física e os fatores de risco serão apresentadas em frequências. A associação dos fatores de risco cardiovasculares será analisada por meio do teste do Qui-quadrado e sua magnitude pela Regressão Logística Binária. (AU)

Design e fabricação de dispositivos flexíveis nanoestruturados para detecção de biomarcadores

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Física de São Carlos (IFSC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Osvaldo Novais de Oliveira Junior
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Física - Física da Matéria Condensada
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:16/01919-6
Vigência: 01 de junho de 2016 - 31 de maio de 2018
Vinculado ao auxílio:13/14262-7 - Filmes nanoestruturados de materiais de interesse biológico, AP.TEM
Assunto(s):BiomarcadoresTécnicas biossensoriaisMateriais nanoestruturados
Resumo
Neste projeto, propõe-se desenvolver e caracterizar dispositivos flexíveis, compostos por nanoestruturas de ouro obtidas via fotolitografia sobre a superfície de platina. Estas superfícies flexíveis nanoestruturadas serão caracterizadas por técnicas eletroquímicas (voltametria cíclica, espectroscopia de impedância eletroquímica) e pelas técnicas de microscopia de força atômica (AFM) e microscopia eletrônica de varredura (MEV) para a determinação do tamanho e da distribuição das nanoestruturas de ouro, assim como a área exposta de platina. Devido ao aumento considerável da área eletroativa das superfícies testar-se-á a atividade eletrocatalítica do dispositivo flexível nanoestruturado em relação à detecção de biomarcadores, assim como de ácido úrico, ácido ascórbico, dopamina e NADH. Numa segunda etapa, as nanoestruturas de ouro serão recobertas com camadas autorganizadas de alcanotiol (ácido mercaptoacético e 11-mercaptoundecanóico) visando à preparação da superfície para imobilização de biomoléculas, incluindo enzimas, anticorpos e DNA. Este recobrimento será analisado por técnicas eletroquímicas (voltametria, amperometria, espectroscopia de impedância eletroquímica) e espectroscopia de absorção e reflexão no infravermelho com polarização modulada (PM-IRRAS). A detecção será feita com técnicas eletroquímicas em soluções padrão. Pretende-se também empregar os biossensores para detectar lactato e colesterol em transpiração aplicando-se diretamente sobre a pele durante atividade física, enquanto que detecção de glicose e cortisol será feita em saliva, dispensando métodos invasivos. Os imunossensores e genossensores serão utilizados para detecção precoce de câncer de cabeça e pescoço. (AU)

Atividade física habitual, fatores de risco para síndrome metabólica e gastos institucionais por demanda de usuários do sistema público de saúde: estudo de coorte de 8 anos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Henrique Luiz Monteiro
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:15/17777-3
Vigência: 01 de junho de 2016 - 31 de julho de 2018
Assunto(s):Atividade motoraSíndrome metabólicaFatores de risco
Resumo
As alterações no perfil lipídico, glicemia de jejum e pressão arterial, juntamente com um quadro de obesidade abdominal, constituem fatores de risco para o desenvolvimento de síndrome metabólica (SM), aumentando as chances de doenças cardiovasculares e diabetes mellitus tipo 2. A presença desses sinais clínicos está diretamente relacionada à baixos níveis de atividade física (AF), condição muito comum na população de países desenvolvidos e em desenvolvimento. Embora pesquisas longitudinais permitam estabelecer relação de causa e efeito, esse desenho de estudo ainda é pouco desenvolvido no Brasil, principalmente quando se diz respeito à relação entre AF, desenvolvimento de doenças crônicas como a SM, e o impacto desses fatores sobre os gastos institucionais. Objetivos: Verificar a relação entre atividade física habitual, ocorrência de fatores de risco para síndrome metabólica e complicações, e gastos institucionais em usuários da rede pública de saúde a partir de estudo de série histórica de oito anos. Métodos: Uma amostra aleatória estratificada por idade (e50 anos de idade) foi selecionada entre as cinco maiores Unidades Básicas de Saúde de cada região (norte, sul, leste, oeste e centro) da cidade de Bauru, estado de São Paulo. O cálculo amostral indicou a necessidade de acompanhamento de 960 pacientes. Por meio de inquéritos realizados por entrevista dirigida, avaliação física e análise de prontuários serão obtidos dados referentes à ocorrência de fatores de risco para SM, atividade física habitual, complicações e internações, poder aquisitivo, escolaridade, tabagismo, estado nutricional, e despesas com consultas, medicamentos e exames laboratoriais. A presente proposta está sendo desenvolvida em cinco etapas distribuídas no período de 2009 a 2017. Na primeira etapa (2009-2010) cada paciente foi convocado a comparecer a sua Unidade Básica de Saúde (UBS) de origem onde foi realizado entrevista para aplicação de questionários, avaliação física e análise de prontuários. Na segunda (2011-2012) e terceira etapas (2013-2014) as entrevistas ocorreram por meio telefônico, enquanto o levantamento de dados nos prontuários clínicos seguiu a mesma rotina da primeira etapa. Na quarta (2015-2016) e quinta (2017-2018) etapas, serão adotados os mesmos procedimentos da primeira etapa, com convocação dos pacientes e avaliação física. No tratamento estatístico, por se tratar de estudo de série histórica, a análise principal será conduzida utilizando a Regressão de Cox, valores de hazard ratio (HR) e seus respectivos intervalos de confiança de 95% (HRIC95%). A significância estatística será fixada em valores inferiores a 5%. (AU)

Habilidades motoras fundamentais e gasto energético de crianças: um estudo com escolares do ensino fundamental

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (EEFERP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Dalmo Roberto Lopes Machado
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:15/24313-3
Vigência: 01 de junho de 2016 - 31 de maio de 2017
Assunto(s):AvaliaçãoAtividade físicaExercícioMetabolismo energético
Resumo
Dados do IBGE apontam que no Brasil crianças de cinco a nove anos estão acima do peso ideal, com aumentos de sobrepeso e obesidade de 34,8% entre os meninos, e de 32% entre as meninas (BRASIL, 2010). O reflexo dessa realidade aparece no diagnóstico em idades cada vez mais precoces de crianças com doenças típicas de adultos, como altos índices de colesterol, hipertensão, diabetes do tipo 2, resultantes de um estilo de vida sedentário. A prática regular de exercício pode combater várias doenças, todavia o pleno desenvolvimento das Habilidades Motoras Fundamentais (HMF) que ocorre desde o início da infância, pode ser requerido antes de se engajar em um programa de exercício ou atividade física, associado, portanto à atividade física (AF) habitual e à saúde da criança. Ainda não está comprovado se crianças com maiores níveis de competência motora tendem a ser mais ativas fisicamente ou se o nível "proficiente" possibilita economia de movimento, com redução do gasto de energia. O impacto que esta descoberta poderia representar nos programas de AF escolar e nos índices de sobrepeso e obesidade pediátrica, são evidentes. Assim o objetivo central deste estudo é estimar o GE em diferentes estágios de HMF e o impacto nos níveis de AF, em escolares do Ensino Fundamental. Uma amostra de 200 crianças do ensino fundamental, de ambos os sexos (6-10 anos), será avaliada em dois momentos: na 1ª etapa - em medidas antropométricas e Habilidades Motoras Fundamentais Conduzidas (HMFC), mediante aplicação do teste TGMD-2 para identificação das HMFC; Na 2ª etapa - em avaliação das Habilidades Motoras Fundamentais Autônomas (HMFA), registradas a partir de filmagens e estimativa do gasto energético (GE) mediante acelerometria contínua em diferentes momentos, sendo determinado o GE (Kcal), MET e classificação do nível de AF. As comparações entre GE e os níveis de HMF qualitativas (filmagens) e quantitativas (TGMD-2) serão determinadas por estatística descritiva e inferencial. Todas as análises serão realizadas no pacote estatístico SPSS, versão 17.0 (Inc., Chicago, IL, EUA), com nível de significância previamente estabelecido (±=0,05). (AU)

Estabelecimento de um Centro de Pesquisa genética e molecular para desafios clínicos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:João Bosco Pesquero
Pesquisadores associados:LUIS FELIPE CHIAVERINI ENSINA; Eli Mansur; Houtan Noushmehr; Roseli Oselka Saccardo Sarni; Beatriz Tavares Costa Carvalho; Ana Beatriz Alvarez Perez; Maria Cristina de Oliveira Izar; Sonia Hix; Francisco Antonio Helfenstein Fonseca; Maria Isabel de Moraes Pinto; Vânia D'Almeida
Pesquisadores principais:

Dirceu Solé ; Paulo Cesar Koch Nogueira

Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Humana e Médica
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Processo:14/27198-8
Vigência: 01 de junho de 2016 - 31 de maio de 2020
Assunto(s):GenômicaBiologia molecularMutação
Resumo
Novos modelos de organização e de práticas de saúde no país são esforços que propõem mais resolutividade dos serviços e se pautam não apenas na doença, mas no processo saúde-doença, visando sua prevenção e a melhora da qualidade de vida. A busca por hábitos saudáveis pela população é um marco e ampliou a motivação e o interesse em ter um corpo saudável. Diante disso, aprofundar o conhecimento sobre determinantes genéticos, voltados à valorização da atividade física e seus benefícios para a saúde e qualidade de vida, se faz necessário. A promoção da saúde tem que apresentar propostas que respondam a questões emergentes em nossa sociedade de uma forma que se tenha uma visão geral dos "microdeterminantes" e "macrodeterminantes" do processo saúde-doença. Para a criação de novas possibilidades de intervenção em saúde é preciso o constante esforço em estudos para o conhecimento da fisiologia do corpo humano, juntamente com a busca de conhecimento aprofundado e da interação genótipo e fenótipo. Uma das principais metas da genética humana é entender como as mudanças no DNA dos indivíduos proporcionam o desenvolvimento de doenças e, o maior desafio, é encontrar a correlação entre genótipo e fenótipo. A abordagem para estudos de genética molecular de fenótipos complexos evoluiu consideravelmente durante os últimos anos. O sequenciamento de última geração (NGS) tem possibilitado grandes avanços e colaborado muito para a evolução da medicina. Durante vários anos, as pesquisas realizadas em nosso grupo se concentraram nos Sistemas Calicreína Cininas, Renina Angiotensinas, utilizando, principalmente, animais transgênicos, cinética enzimática e expressão gênica em geral. Esse histórico nos trouxe uma experiência ampla em biologia molecular, em estudos genéticos em doenças e, também, na correlação genótipo fenótipo na atividade física e esporte. A conexão fundamental entre os subprojetos elencados neste projeto é a necessidade do aprofundamento de estudos genéticos para conseguir mais avanços, uma vez que todos possuem a característica de serem "desafios clínicos", seja pela complexidade no estabelecimento de fatores genéticos moduladores de sintomas e resposta terapêutica, ou devido ao mosaico de eventos que dificultam a correlação genótipo e fenótipo. Esses estudos são determinantes para avanços em triagem e diagnóstico, desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas e prevenção, auxiliando na qualidade de vida e minimizando processos de doença. Dessa forma, objetivamos estabelecer um centro de pesquisa genético que será uma ferramenta ômica de grande importância para auxiliar na condução dos "desafios clínicos", bem como para a performance física e esporte, representando um novo marco para os estudos genéticos e moleculares no Brasil. (AU)

Caracterização anatomofuncional da fonte de inibição dos neurônios do núcleo retrotrapezóide envolvidos no controle da expiração ativa

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Carolina Thomaz Takakura
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:14/23418-3
Vigência: 01 de maio de 2016 - 30 de novembro de 2017
Resumo
O controle do sistema respiratório é realizado por neurônios localizados no bulbo e na ponte. O bulbo apresenta regiões envolvidas no controle respiratório localizadas na coluna respiratória ventral e coluna respiratória dorsal. O núcleo retrotrapezóide (RTN), é uma região localizada na coluna respiratória ventral do bulbo. A região do RTN contém neurônios quimiorreceptores que expressam o fator de transcrição Phox2b e respondem à hipercapnia e hipóxia; por este motivo, esta região é considerada uma forte candidata a ser um quimiorreceptor central (Mulkey e cols., 2004; Dubreuil e cols., 2008; Guyenet e cols., 2009). Experimentos descritos na literatura mostraram a importância do RTN na inspiração (Dobbins e Feldman, 1994; Takakura e cols., 2006; Guyenet e cols., 2008) e também na expiração ativa (fase E2) (Janczewski e Feldman, 2006a, 2006b; Abdala e cols., 2009; Pagliardini e cols., 2011; Moraes e cols., 2014). Entretanto, dados da literatura sugerem que existe uma inibição sináptica para o RTN que suprime a expiração ativa (Pagliardini e cols., 2011) e que essa inibição é removida durante uma situação que exija a ativação desta fase E2 da respiração, como por exemplo: durante exposição a uma situação de hipercapnia, hipóxia ou atividade física. Entretanto, até o presente momento, não se sabe a fonte desta inibição para os neurônios do RTN que controlam a expiração ativa. Diante disso, o principal objetivo do presente projeto é investigar de forma anatômica e funcional, a localização da fonte de inibição para o RTN e o fenótipo dos neurônios envolvidos nessa projeção. (AU)

Prevenção e tratamento da depressão em idosos: um estudo de base populacional

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Psiquiatria Doutor Antonio Carlos Pacheco e Silva (IPq). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Cássio Machado de Campos Bottino
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Psiquiatria
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:16/07699-8
Vigência: 01 de maio de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Vinculado ao auxílio:12/50010-0 - Prevenção e tratamento da depressão em idosos: um estudo de base populacional, AP.TEM
Assunto(s):IdososDepressão
Resumo
Com o rápido aumento da população de idosos no Brasil e o crescente impacto da depressão, que é a terceira maior causa de sobrecarga de doença em todo o mundo, a importância da prevenção e do adequado tratamento deste transtorno nos idosos será cada vez maior nos próximos anos. Serão rastreados usuários (n=2.700) de Unidades Básicas de Saúde da região do Butantã, na cidade de São Paulo, com 60 anos ou mais, para identificar sintomas depressivos e/ou ansiosos subsindrômicos. Os idosos serão posteriomente avaliados com uma entrevista psiquiátrica estruturada, para o cálculo da prevalência de sintomas subsindrômicos, e de transtornos de depressão e ansiedade. Aqueles com sintomas subsindrômicos que não preencherem critérios para transtornos depressivos e/ou ansiosos serão convidados a participar de um ensaio clínico randomizado com 3 grupos de intervenção: programa de cuidados preventivos passo a passo (n = 90), utilizando técnicas psicoeducacionais e cognitivo-comportamentais; programa de cuidados preventivos passo a passo (n = 90), utilizando atividade física; e cuidados usuais (n = 90). A principal medida de desfecho será a incidência acumulada de transtorno depressivo maior, ou de transtornos de ansiedade, após 12 meses. Em outro braço do estudo, serão avaliados os preditores da resposta ao tratamento farmacológico do transtorno depressivo maior através de um ensaio clínico naturalístico, em que 120 idosos serão inclusos. Os pacientes serão submetidos a algoritmo de tratamento farmacológico para depressão, sendo avaliados mensalmente até o 6º. mês e posteriormente a cada 3 meses, totalizando um seguimento de 18 meses. Psicopatologia, traços de personalidade, cognição, comorbidades clínicas, alterações estruturais do cérebro e polimorfismos genéticos serão avaliados como possíveis fatores preditores da resposta ao tratamento. (AU)

Comportamentos relacionados com o balanço energético no SAYCARE study - comparação e concordância entre mensurações objetivas e auto-referida: métodos estatísticos a validação

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Heraclito Barbosa de Carvalho
Supervisor no Exterior: Moyses Szklo
Local de pesquisa: Johns Hopkins University (JHU) (Estados Unidos)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Medicina Preventiva
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Processo:15/14319-4
Vigência: 01 de abril de 2016 - 31 de março de 2017
Assunto(s):Modo de vidaEpidemiologia
Resumo
Este é um estudo multicêntrico piloto transversal em uma amostra de crianças e adolescentes de 3 a17 anos de idade. Este piloto será desenvolvido em São Paulo e mais seis cidades da América do Sul: Teresina (Brasil), Buenos Aires (Argentina), Santiago (Chile), Montevidéu (Uruguai), Lima (Peru) e Medellín (Colômbia). A formação de avaliadores, os instrumentos e o desenho de estudo serão padronizados. Objetivos:(i) desenvolver métodos válidos e inovadores para avaliar as diferentes dimensões dos comportamentos relacionados com o balanço energético: a ingestão de alimentos, preferências alimentares e escolhas, atividade física, comportamento sedentário e sono na população pediátrica da América do Sul (com idades entre 3-17) através da validação métodos estatísticos; (ii) examinar se discordância entre os métodos de medição objetiva e subjetivas variam por fatores sócio-demográficos. As estatísticas descritivas, como a média, desvio padrão, porcentagem e intervalo de confiança de 95%, será usada. A concordância entre as medidas obtidas serão calculadas com base nos coeficientes kappa para as variáveis categóricas e coeficientes de correlação intraclasse para as variáveis quantitativas por parte dos coeficientes de correlação de Spearman e Pearson para variáveis paramétricas e não paramétricas, respectivamente. Esta última análise será complementada com o desenvolvimento de gráficos de Bland-Altman. Para a análise da discordância iremos desenvolver um modelo conceitual utilizando a regressão multinível para investigar como desacordo varia por fatores sócio-demográficos. Nós usaremos as variáveis sócio-demográficas como preditores da divergência entre os dois métodos e modelado contra desacordo para métodos objetiva e subjetivamente. (AU)

Papel de diferentes domínios de atividade física para predizer desfechos clínicos em pacientes com dor lombar

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rafael Zambelli de Almeida Pinto
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:16/04113-2
Vigência: 01 de abril de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Vinculado ao auxílio:14/14077-8 - O papel de diferentes domínios de atividade física no curso clínico da dor lombar não-específica, AP.JP
Assunto(s):Dor lombarAtividade físicaPrognóstico
Resumo
Estudos que investiguem o papel de diferentes domínios de atividade física podem ajudar em uma maior compreensão sobre o prognóstico da dor lombar crônica não específica, auxiliando clínicos e pacientes a entenderem melhor o processo da doença e a predizer com maior acurácia os desfechos clínicos. O objetivo do presente estudo será investigar a capacidade dos diferentes domínios de atividade física, mensurados por meio do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ - versão longa) e do Questionário de Atividade Física Habitual de Baecke (BPAQ), em predizer desfechos clínicos em pacientes com dor lombar. O delineamento do estudo será de coorte longitudinal com um seguimento (follow-up) de 6 meses. Durante a avaliação inicial os participantes com dor lombar crônica não-específica irão completar um conjunto de questionários, nos quais os seguintes dados serão coletados: dados antropométricos/demográficos; duração e intensidade da dor; incapacidade; medo do movimento; esforço físico durante o trabalho; depressão e dados subjetivos sobre o nível de atividade física (IPAQ e BAPQ). Uma segunda avaliação será realizada no seguimento (follow up) de 6 meses. Os desfechos clínicos avaliados no seguimento de 6 meses serão: intensidade da dor e incapacidade. Análises descritivas (média e desvio padrão para dados com distribuição normal e mediana e intervalo interquartílico para dados não-normais) serão conduzidas para todas a medidas da avaliação inicial. Para o objetivo principal deste estudo, análises separadas de regressão linear multivariada serão conduzidas para investigar a capacidade dos diferentes domínios de atividade física em predizer cada um dos desfechos clínicos no seguimento de 6 meses. (AU)

Efeito de uma intervenção de atividade física em unidades de saúde nos gastos com medicamentos em adultos diabéticos e hipertensos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Eduardo Kokubun
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/21299-0
Vigência: 01 de abril de 2016 - 31 de março de 2017
Assunto(s):AdultosHipertensãoAtividade físicaCentros de saúdeDiabetes mellitusMedicamento
Resumo
As doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) são as principais causas de mortes nos países de baixa e média renda. Em 2014, aproximadamente 74% de todas as mortes no Brasil foram relacionadas à estas doenças. Dentre essas doenças a diabetes mellitus (DM) e a hipertensão arterial (HA) são as mais prevalentes na população mundial. A prevalência de pessoas com DM e HA aumentou muito nos últimos anos, o que representa um gasto anual para o Brasil de R$12,3 bi e R$1,3 bi, respectivamente. Para a prevenção dessas doenças a AF tem grande influência, muitos estudos comprovam que AF tem benefícios para a saúde e influencia na redução dos gastos com medicamentos, se tornando uma estratégia implantada na atenção básica. Com isso, o presente estudo tem o objetivo de comparar pessoas participantes do programa de exercício físico em unidades básicas de saúde, com as demais, e verificar a influência do programa com relação a redução dos gastos com saúde. Participarão do estudo 30 adultos diabéticos e hipertensos de ambos os sexos sorteados de uma Unidade da Saúde da Família do município de Rio Claro com Programa de Exercício Físico em Unidade de Saúde (PEFUS). Os participantes serão divididos em dois grupos: G1 (PEFUS) intervenção de exercício físico generalizado, 2 vezes por semana com duração de 60 minutos, durante 6 meses, G2 (controle) deverá manter suas atividades rotineiras durante 6 meses. Todos os participantes serão avaliados quanto ao nível de atividade física (IPAQ), variáveis antropométricas, anamnese e gastos com saúde durante o período de 6 meses com encontros presenciais inicial, 3 meses e final e 6 meses retrospectivo para os gatos com saúde. Para verificar diferença entre nível de atividade física será utilizada Anova para medidas repetidas. Para diferença entre o gasto com saúde pelo nível de atividade física de cada grupo será realizada a Anova two-way. As análises serão feitas no programa estatístico SPSS 17.0 (pd0,05). (AU)

Desenho e implementação do estudo SAYCARE: South American Youth/Child cardiovascular and environmental study

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Heraclito Barbosa de Carvalho
Pesquisadores associados:Tara Rendo Urteaga; MARIA DA LUZ ROSARIO DE SOUSA; Francisco leonardo Torres Leal; Maria Paula Maciel Rando Meirelles; Naomi Kondo Nakagawa; Cláudia Lúcia de Moraes Forjaz
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Medicina Preventiva
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:14/11468-6
Vigência: 01 de abril de 2016 - 31 de março de 2018
Assunto(s):EpidemiologiaDoenças cardiovascularesMétodos
Resumo
Este é um estudo multicêntrico piloto transversal em uma amostra de crianças e adolescentes de 3 a17 anos de idade. Este piloto será desenvolvido em São Paulo e mais seis cidades da América do Sul: Teresina (Brasil), Buenos Aires (Argentina), Santiago (Chile), Montevidéu (Uruguai), Lima (Peru) e Medellín (Colômbia). A formação de avaliadores, os instrumentos e o desenho de estudo serão padronizados. Objetivos: (i) Desenvolver métodos de mensuração válidos e confiáveis para obter informações sobre: fatores sociais e ambientais, ambiente familiar, ingestão de alimentos, preferências e escolhas alimentares, atividade física e comportamentos sedentários, composição corporal, saúde bucal, lipídios e biomarcadores de saúde cardiovascular; (ii) Medir a confiabilidade desses métodos e (iii) Medir a validade desses métodos. Várias análises serão realizadas, entre elas: descritiva (cálculo da média, desvio padrão, percentuais e intervalo de confiança de 95%). A concordância entre as medidas serão calculadas por meio dos coeficientes de kappa para variáveis categóricas e coeficientes de correlação intraclasse para variáveis quantitativas. Este último será complementado com o desenvolvimento de gráficos de Bland-Altman. As correlações entre os diferentes métodos serão analisadas pelos coeficientes de correlação de Spearman e Pearson para variáveis paramétricas e não paramétricos, respectivamente. (AU)

Fatores de risco relacionados à perda de produtividade laboral e aumento dos custos ambulatoriais de pacientes atendidos por Unidades Básicas de Saúde

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Jamile Sanches Codogno
Anfitrião: Nana Kwame Anokye
Local de pesquisa: Brunel University (Inglaterra)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Processo:15/20458-7
Vigência: 04 de março de 2016 - 04 de setembro de 2016
Assunto(s):Sistema Único de SaúdeSaúde pública
Resumo
A inatividade física e a presença da obesidade, dentre outros fatores de risco para a saúde têm sido responsáveis pelo surgimento de inúmeras doenças crônicas e, consequentemente, pelo aumento dos gastos com saúde. Dessa forma, o objetivo da presente pesquisa será analisar se existe associação entre agregação de fatores/comportamentos de risco a saúde e perda de produtividade laboral e aumento dos custos com saúde em adultos atendidos no SUS. Para tanto, no mínimo 200 pacientes serão convidados a fazer parte da pesquisa e serão avaliados quanto: i) custos com tratamento, ii) perda de produtividade, iii) adiposidade corporal; iv) nível de atividade física, vi) sono, vii) dor, viii) consumo de álcool, ix) tabagismo, x) condição econômica, xi) histórico de doenças, xii) indicadores metabólicos. As variáveis serão agregadas para constituir uma única variável de risco, assim, a amostra será subdividida em quatro grupos: (i) nenhum comportamento/fator de risco, (ii) 1-2 comportamentos/fatores de risco, (iii) 3-4 comportamentos/fatores de risco e (iv) 5-6 comportamentos/fatores de risco. A análise estatística será composta pela análise de covariância (ANCOVA) que estabelecerá comparações de custo com saúde e perda de produtividade (em moeda corrente) entre os grupos formados. Para os dados categóricos, será utilizado o teste qui-quadrado para analisar associações e a regressão logística como modelo multivariado. Em todas as análises, a significância estatística (p-valor) será pré-fixada em valores inferiores a 5%. O software utilizado será o BioEstat (versão 5.0). (AU)

Efeito da prática esportiva realizada na juventude sobre a massa óssea e os gastos com cuidados a saúde na idade adulta: coorte de 12 meses

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rômulo Araújo Fernandes
Anfitrião: Nana Kwame Anokye
Local de pesquisa: Brunel University (Inglaterra)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Processo:15/20460-1
Vigência: 04 de março de 2016 - 04 de setembro de 2016
Assunto(s):Sistema Único de SaúdeAtividade físicaMedicina esportivaSaúde públicaOsteoporose
Resumo
Objetivo: Identificar se adultos engajados em atividades esportivas na juventude, quando comparados aos seus pares sedentários no mesmo período, apresentam melhores indicadores de densidade óssea e menores gastos com saúde ao longo do seguimento de 12 meses. Métodos: Segundo o cálculo amostral, deverão participar da coorte de 12 meses, ao menos, 161 adultos com idade entre 40 e 65 anos de ambos os sexos e residentes na cidade de Presidente Prudente. Para tanto, a coorte terá inicio com, ao menos, 193 participantes (prevendo perdas amostrais de 20%). Todas estas avaliações descritas a seguir serão realizadas nos dois momentos do estudo. Inicialmente, os participantes serão submetidos a uma avaliação inicial para a coleta de dados pessoais e antropométricos. Responderão a questionários sobre sintomas musculoesqueléticos e sobre o hábito de praticar atividades físicas. Na sequência, receberão pedômetros para a avaliação individual da atividade física diária (sete dias) e serão submetidos à avaliação da massa óssea com o equipamento de Absortiometria de Raios-X de Dupla Energia (DEXA) a fim de investigar dados segmentados em diferentes regiões do esqueleto. Resultados Esperados: As implicações de nossos possíveis achados são particularmente importantes para a identificação de modalidades esportivas potencialmente mais importantes na prevenção da perda de massa óssea na idade adulta, as quais deveriam ser consideradas por pediatras e educadores físicos visando uma melhor saúde óssea na juventude e idade adulta. Da mesma forma, estes achados podem identificar estratégias relativamente baratas de prevenção da acentuada perda de massa óssea naturalmente observada entre mulheres na menopausa. Por fim, nossos achados podem identificar o peso que a perda de massa óssea pode causar nos gastos com saúde, bem como, estimar o montante que poderia ser economizado com a simples prática de atividades esportivas na juventude. (AU)

Avaliação do potencial uso farmacológico da hemopressina (HP) no tratamento da obesidade

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Emer Suavinho Ferro
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Farmacologia Bioquímica e Molecular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo:15/20657-0
Vigência: 01 de março de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Assunto(s):MetabolismoObesidade
Resumo
A obesidade tem mostrado prevalência cada vez mais alarmante e crescente na população mundial, e seu controle através de dietas e atividade física é muitas vezes insatisfatório, assim como o medicamentoso que apresenta vários efeitos colaterais. Antagonistas de receptores canabinóides do tipo 1 (CB1) têm importante participação no controle farmacológico da obesidade. Descobertas recentes têm mostrado que o tecido adiposo branco pode se diferenciar em marrom (em um processo denominada browning), elevando o metabolismo energético basal e favorecendo a perda de peso. Agonistas inversos CB1 podem favorecer o browning. Nosso grupo de pesquisa trabalha com a identificação de peptídeos intracelulares e, dentre eles, a hemopressina (HP) é um potente agonista inverso de receptores CB1. Logo, este projeto objetiva avaliar o potencial uso farmacológico da HP no tratamento da obesidade. Inicialmente, será avaliado in vitro em cultura de células a capacidade da HP em causar browning via ativação de proteína de desacoplamento mitocondrial 1 (UCP-1) e outras vias envolvidas. A partir desses resultados, se avaliará os efeitos da HP sobre o metabolismo energético de camundongos pela análise da ingestão alimentar, do peso corporal, bioquímica do sangue, e morfologia, ativação de vias calorigênicas mitocondriais (como UCP-1) e marcadores inflamatórios em tecidos adiposos (marrom e branco), assim como por calorimetria. Posteriores análises serão realizadas em camundongos obesos tratados com HP. Efeitos colaterais como ansiedade e depressão, e alterações cardiovasculares também serão investigados. Espera-se que a HP possa induzir a perda de peso dos animais devido a ação sobre os receptores canabinóides CB1 e estimulação do browning, sem apresentar efeitos colaterais centrais ou cardiovasculares que limitariam seu uso no tratamento da obesidade. Os resultados do presente estudo também abrirão novos caminhos de pesquisa farmacológica com foco em peptídeos intracelulares secretados. (AU)

Prevalência e fatores associados ao fenótipo "obesidade metabolicamente benigna" em uma população de crianças e adolescentes obesos atendidos na Liga de Obesidade Infantil do HC-FMUSP

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Beatriz Helena Carvalho Tess
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Medicina Preventiva
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo:15/23559-9
Vigência: 01 de março de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Assunto(s):PrevalênciaEpidemiologiaSíndrome metabólica
Resumo
Introdução: Estudos internacionais têm classificado a obesidade em diferentes fenótipos antropométrico-metabólicos considerando o perfil metabólico associado ao valor do índice de massa corporal (IMC). Nessa nova classificação, tem chamado a atenção o fenótipo "obesidade metabolicamente benigna - OMB", quando parâmetros clínicos e laboratoriais estão dentro da normalidade. Estudos recentes observaram que a prevalência da OMB em crianças e adolescentes varia de 25 a 68%. No Brasil não foram encontrados, até a presente data, estudos que objetivaram avaliar a prevalência da OMB na população pediátrica. Objetivos: Estimar a prevalência do fenótipo OMB em uma população de crianças e adolescentes obesos e investigar possíveis associações entre esse fenótipo e os fatores: sexo, idade, cor de pele, nível de escore-z para IMC, circunferência da cintura, relação cintura-estatura, circunferência do pescoço, estadio puberal, nível de atividade física, padrão nutricional, tipo de aleitamento e idade de início da obesidade. Metodologia: Estudo transversal que incluirá todos os indivíduos obesos com idade entre 6 e 19 anos que foram atendidos em consulta de triagem da Liga de Obesidade Infantil do HC-FMUSP entre 1 de janeiro de 2009 e 31 de dezembro de 2013. Estima-se que 539 pacientes sejam elegíveis para o estudo. As fontes de informações serão os formulários aplicados na consulta de triagem e o portal médico-hospitalar para os resultados dos exames laboratoriais. Resultados esperados: Estima-se que 25% dos participantes desse estudo serão classificados como portadores da OMB. O conhecimento da prevalência e dos fatores associados a fenótipos da obesidade em uma população de obesos brasileiros poderá contribuir para as discussões internacionais sobre o tema. (AU)

Resposta ao tratamento da osteoporose e da osteopenia em portadores de cirrose hepática

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fernando Gomes Romeiro
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Dietética
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo:14/22572-9
Vigência: 01 de março de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Assunto(s):Composição corporalGastroenterologiaDoenças ósseas metabólicasOsteoporose
Resumo
Introdução: Pacientes com cirrose hepática sofrem perda de massa óssea por diversos mecanismos, como a baixa ingestão de micro e macronutrientes e a falta de atividade física. Ao mesmo tempo, essa população é comumente privada do tratamento de sua condição óssea, particularmente na cirrose avançada, devido à presença de varizes esofágicas. Objetivos: Avaliar se portadores de cirrose com osteoporose seriam capazes de recuperar sua densidade mineral óssea pelo tratamento medicamentoso com risedronato associado a suplementação nutricional (cálcio e vitamina D), e se os indivíduos com osteopenia seriam capazes de recuperar sua densidade mineral óssea pela suplementação nutricional. Métodos: A avaliação da massa óssea será feita através da DEXA (dual-energy X-Ray Absormetry), a avaliação nutricional por antropometria, handgrip, bioimpedância elétrica e a avaliação da capacidade física pelo teste de caminhada. Exames bioquímicos associados ao grau de disfunção hepática e à perda de massa óssea serão também realizados. Todos os exames serão feitos no início e no final do estudo, e exames endoscópicos para avaliar o impacto sobre as varizes esofágicas serão realizados periodicamente. Análise estatística: Para comparação dos mesmos indivíduos em dois momentos será usado o teste t pareado. Resultados esperados: Registrar de forma inédita na literatura a capacidade de pacientes cirróticos responderem ao tratamento de sua condição óssea, mostrando dados sobre a segurança desses tratamentos e relacionando as alterações ósseas à massa muscular e à capacidade funcional desses indivíduos. (AU)

Uso de um programa de mobilidade progressiva e tecnologia para o aumento do nível de atividade física e seus benefícios no sistema respiratório, muscular e funcionalidade de pacientes em UTI: um ensaio clínico randomizado

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Carolina Fu
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:15/18768-8
Vigência: 01 de março de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Assunto(s):Terapia intensivaReabilitaçãoServiço hospitalar de fisioterapiaDeambulação precoceMovimento
Resumo
A evolução dos tratamentos dentro da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), tem aumentado a sobrevida e a morbidade pós internação. A incapacidade funcional nesses pacientes tem seu principal fator na fraqueza e perda de massa muscular, sendo as maiores complicações relatadas por esses pacientes (P Kortebein, 2007; W Gruther, 2008). O maior resultado negativo em longo prazo pós UTI é o impacto na qualidade de vida e o declínio funcional, devido a alterações musculares e no condicionamento físico (Hopkins RO, 2005). Isso se dá pelo período de inatividade e repouso prolongado, levando a perdas e alterações em diversos sistemas do corpo. Diante desses fatos, intervenções para uma maior mobilidade no leito e fora dele se tronam importantes. Programas de mobilização precoce tem se mostrado benéficos, porém, como em outros tipos de reabilitação, os exercícios devem ser prescritos com suas características específicas, incluindo a intensidade e pouco se tem descrito na literatura sobre nível de atividade na UTI, medido quantitativamente através de acelerômetros. O uso de tecnologias parece facilitar o oferecimento desse tipo de terapia, suprindo suas limitações. Diante da escassez de estudos controlados e randomizados para investigar esses fatores, o objetivo desse estudo é verificar seu o uso de um programa de mobilidade precoce e progressiva é capaz de aumentar o nível de atividade física e quais os benefícios para o sistema respiratório, muscular e funcionalidade para pacientes na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). (AU)

Efeito do azeite da polpa e do chá das folhas do abacate da variedade Hass associado à atividade física no tratamento da obesidade induzida por dieta hiperlipídica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Mário Roberto Maróstica Junior
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Bioquímica da Nutrição
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:15/13320-9
Vigência: 01 de março de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Assunto(s):Estresse oxidativoAtividade físicaCompostos bioativosInflamaçãoAbacateObesidade
Resumo
Associada a um grande número de doenças, a obesidade, está diretamente relacionada com o desenvolvimento de desordens metabólicas e endócrinas que apresentam consequências graves como a resistência periférica a insulina, diabetes tipo 2 e esteatose hepática não alcoólica. Setenta e uma espécies medicinais de plantas são popularmente utilizadas por brasileiros para o tratamento de doenças relacionadas com a obesidade. A folha de abacate é uma dessas plantas medicinais que contém compostos bioativos, como os flavonóides, que são capazes de diminuir o quadro inflamatório subclínico na obesidade de modo a melhorar a ação da insulina na diabetes tipo 2. O azeite da polpa do abacate, apesar de comercializado no século XXI, apresenta registros dos efeitos positivos na saúde humana com potencial para reduzir os efeitos da esteatose hepática não alcoólica , por conter carotenóides, fitosteróis e ácidos graxos monoinsaturados em quantidade superior ao do azeite de oliva. Compostos bioativos de plantas e de azeites são importantes no tratamento da obesidade e suas comorbidades. Adicionalmente, uma dieta equilibrada associada à atividade física potencializam efeitos benéficos e ajudam na recuperação metabólica promovendo redução de peso, melhora do quadro inflamatório e oxidativo, melhora a ação da insulina e captação de glicose, além de ser tratamento inicial para esteatose hepática não alcoólica. Dentro desse escopo, o presente trabalho objetiva avaliar o efeito do azeite da polpa, do chá da folha do abacate da variedade Hass e da atividade física na obesidade e na inflamação subclínica em ratos Wistar machos alimentados com dieta rica em gordura desde o desmame até a vida adulta. (AU)

Acelerometria em pacientes hospitalizados: padronização de método de aferição

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão. Universidade Cidade de São Paulo (UNICID). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Adriana Claudia Lunardi
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:15/25763-2
Vigência: 01 de março de 2016 - 28 de fevereiro de 2018
Assunto(s):CalorimetriaFisioterapiaAcelerometriaHospitalização
Resumo
Acelerometria é considerada o método padrão ouro para avaliação do nível de atividade física em sujeitos saudáveis, e em portadores de doenças crônicas ou agudas. Esta informação tem sido cada vez mais usada em ambiente hospitalar na predição de desfechos funcionais, complicações e de qualidade de vida em pacientes cirúrgicos, clínicos e críticos durante a internação e após a alta hospitalar. Porém, diferente de em sujeitos da comunidade, não existe padronização para este tipo de avaliação na população hospitalizada até o momento. Nosso grupo vem desenvolvendo estudos usando acelerometria em pacientes hospitalizados para validar questionários administrados em pacientes hospitalizados, avaliar comportamento físico intra-hospitalar e como instrumento de predição de risco cirúrgico. Estes diversos estudos que estão sendo redigidos para submissão, já foram apresentados em eventos científicos nacionais e internacionais e receberam 3 prêmios nestes eventos (2013, 2014 e 2015). Nossa intenção é criar uma metodologia adequada de aferição para a população hospitalizada e disseminar esta importante informação para o mundo. Os objetivos deste estudo serão: 1) Testar a calibração do acelerômetro na detecção de atividades de diferentes intensidades em pacientes hospitalizados através da calorimetria indireta; 2) Comparar os dados fornecidos pela acelerometria feita no punho e na cintura de pacientes hospitalizados; 3) Avaliar o tempo mínimo (em dias) necessário de acelerometria para estimar com segurança o nível de atividade física de pacientes hospitalizados. Métodos: 130 pacientes não restritos ao leito, consecutivamente internados em uma enfermaria no Hospital das Clínicas de São Paulo serão avaliados. Inicialmente, 20 pacientes realizarão tarefas rotineiras dentro de um ambiente hospitalar utilizando um calorímetro portátil e dois acelerômetros, sendo um colocado no punho do membro dominante e outro na cintura. Além disso, 110 pacientes utilizarão dois acelerômetros, sendo um no punho do membro dominante e outro na cintura, durante 7 dias consecutivos na sua rotina hospitalar normal. As variáveis quilocalorias gastas, metabólicos equivalentes, número de passos dados, tempo em inatividade e tempo em atividades em diferentes intensidades (leve, diária, moderada e intensa) serão analisadas. Para comparar a calibração do gasto calórico em cada atividade de diferentes intensidades em cada local de acelerometria e a calorimetria com as curvas do software, serão usadas ANOVAs de um fator. Para determinar o melhor local de posicionamento do acelerômetro, as variáveis registradas no punho e na cintura serão comparadas pelo teste t pareado. Para determinar o mínimo tempo suficiente para avaliar adequadamente o nível de atividade física, as médias de todas as varáveis registradas serão comparadas pela ANOVA de um fator e a concordância entre os dias será calculada pelo coeficiente de correlação intraclasse. (AU)

Desenvolvimento de indicadores populacionais de ambiente construído para a promoção da atividade física no Município de São Paulo

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alex Antonio Florindo
Anfitrião: Billie Giles Corti
Local de pesquisa: University of Melbourne (Austrália)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Pesquisa
Processo:14/12682-1
Vigência: 22 de fevereiro de 2016 - 20 de fevereiro de 2017
Assunto(s):PopulaçãoAustráliaSão Paulo
Resumo
Diversas evidências científicas de países de alta renda têm mostrado que indicadores populacionais de ambiente construído podem influenciar a prática de atividade física no lazer ou como forma de deslocamento das pessoas nas cidades, sendo que a Austrália é uma das grandes referências. No entanto, ainda existem poucos estudos sobre esta temática no Brasil. A cidade de São Paulo é uma das maiores metrópoles do mundo, teve um crescimento desordenado ao longo do seu desenvolvimento e não foi planejada adequadamente. Indicadores epidemiológicos têm mostrado que é baixa a prevalência de prática de atividade física no tempo de lazer ou como forma deslocamento dos adultos paulistanos. Mas nos últimos anos a cidade de São Paulo vem passando por mudanças, como a ampliação da extensão de ciclovias, aumento do número de clubes públicos, maior valorização para preservação de áreas verdes e campanhas e programas para maior respeito aos ciclistas e pedestres. Neste sentido, os objetivos deste plano de pesquisas no exterior serão: 1. Estudar métodos de avaliação e formas de análise de indicadores de ambiente construído para promoção da atividade física desenvolvidos na Austrália; 2. Estudar indicadores populacionais de ambiente construído e seus limiares para promoção da caminhada e do uso da bicicleta como forma de deslocamento e para a prática de atividade física no tempo de lazer com bancos de dados populacionais da Austrália; 3. Desenvolver indicadores populacionais de ambiente construído para a promoção caminhada e do uso da bicicleta como forma de deslocamento e para a prática de atividade física no tempo de lazer para a população adulta do município de São Paulo. Este plano será desenvolvido no Centre for Research Excellence in Healthy and Liveable Communities, na Universidade de Melbourne, Austrália, sob a supervisão da Professora Billie Giles-Corti. Pretende-se produzir pelo menos quatro artigos científicos e iniciar uma discussão baseada em evidências para a promoção da atividade física no município de São Paulo tendo como base indicadores populacionais de ambiente construído. (AU)

SAYCARE: South American Youth/Child cardiovascular and environmental study

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Heraclito Barbosa de Carvalho
Pesquisador visitante: Luis Alberto Moreno Aznar
Instituição do pesquisador visitante: Universidad de Zaragoza (Espanha)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Medicina Preventiva
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Processo:15/11406-3
Vigência: 08 de fevereiro de 2016 - 07 de fevereiro de 2017
Assunto(s):EpidemiologiaDoenças cardiovascularesModo de vidaIntercâmbio de pesquisadoresCooperação internacional
Resumo
Este é um estudo multicêntrico piloto transversal em uma amostra de crianças e adolescentes de 3 a 17 anos de idade. Este piloto será desenvolvido em São Paulo e mais seis cidades da América do Sul: Teresina (Brasil), Buenos Aires (Argentina), Santiago (Chile), Montevidéu (Uruguai), Lima (Peru) e Medellín (Colômbia). A formação de avaliadores, os instrumentos e o desenho de estudo serão padronizados. Objetivos: (i) Desenvolver métodos de mensuração válidos e confiáveis para obter informações sobre: fatores sociais e ambientais, ambiente familiar, ingestão de alimentos, preferências e escolhas alimentares, atividade física e comportamentos sedentários, composição corporal, saúde bucal, lipídios e biomarcadores de saúde cardiovascular; (ii) Medir a confiabilidade desses métodos e (iii) Medir a validade desses métodos. Várias análises serão realizadas, entre elas: descritiva (cálculo da média, desvio padrão, percentuais e intervalo de confiança de 95%). A concordância entre as medidas serão calculadas por meio dos coeficientes de kappa para variáveis categóricas e coeficientes de correlação intraclasse para variáveis quantitativas. Este último será complementado com o desenvolvimento de gráficos de Bland-Altman. As correlações entre os diferentes métodos serão analisadas pelos coeficientes de correlação de Spearman e Pearson para variáveis paramétricas e não paramétricos, respectivamente. (AU)

Efeitos do treinamento físico aeróbio nas alterações pulmonares induzidas por diferentes produtos da poluição atmosférica

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Universidade Nove de Julho (UNINOVE). Campus Vergueiro. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Gustavo Silveira Graudenz
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/18821-6
Vigência: 01 de fevereiro de 2016 - 31 de janeiro de 2017
Vinculado ao auxílio:12/15165-2 - Papel da sinalização purinérgica e da sinalização SOCS-JAK-STAT nos efeitos antiinflamatórios do treinamento aeróbio em modelos experimentais de asma e em indivíduos asmáticos, AP.JP
Assunto(s):CitocinasPneumologiaExercício físicoMaterial particuladoRemodelação das vias aéreas
Resumo
A atividade física é capaz de modular a resposta inflamatória mostrando efeitos protetores tanto em estudos em modelos animais quanto em estudos clínicos com humanos. A exposição crônica ao material particulado atmosférico é capaz de gerar respostas inflamatórias agudas e crônicas resultando em liberação de citocinas e hormônios capazes de recrutar células inflamatórias na fase aguda e induzir ao remodelamento da árvore respiratória na fase crônica. Pouco se sabe sobre a capacidade da atividade física regular de atenuar o processo inflamatório agudo no sistema respiratório e menos sobre sua interferência na inflamação pulmonar crônica levando ao remodelamento da árvore respiratória. Objetivo: Verificar a interferência da atividade física regular na inflamação pulmonar crônica induzida por instilação de material particulado em modelos animais. Métodos: camundongos machos serão submetidos a cinco semanas de treinamento aeróbio em esteira, acompanhado de inalação semanal de material particulado (MP) de dois diâmetros diferentes (MP2,5 e MP10) comparados à controles somente com treinamento ou somente com instilação de material particulado. Serão realizadas comparações de citocinas inflamatórias pulmonares e séricas e alterações histológicas em todos os grupos. Resultados esperados: Espera-se com este estudo identificar se a atividade física regular é capaz de modular as alterações decorrentes da exposição crônica ao material particulado atmosférico. Esperamos ainda identificar quais as citocinas inflamatórias envolvidas no processo, bem como verificar a interferência no processo de remodelamento brônquico decorrente da exposição a diferentes tamanhos de material particulado. (AU)

Papel da dieta hiperlipídica e da atividade física nas alterações moleculares da via estrogênica na bexiga urinária de ratos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Alberto Azoubel Antunes
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/22248-0
Vigência: 01 de fevereiro de 2016 - 31 de janeiro de 2017
Assunto(s):UrologiaAtividade físicaObesidade
Resumo
A obesidade e a síndrome metabólica (SM) são consideradas graves ameaças à saúde pública. O aumento da ocorrência dessas patologias na população mundial é simultâneo à crescente incidência de complicações urológicas, com destaque para os "Sintomas do Trato Urinário Inferior" (STUI) (Lower Urinary Tract Symptoms;LUTS), nos quais disfunções vesicais, como a bexiga hiperativa, ocupam um papel de destaque. Estudos comparativos prévios revelaram que a disfunção vesical associada a SM vai além da associação com alterações prostáticas, uma vez que resultados semelhantes foram observados em mulheres. Outros, ainda, têm sugerido que a prevenção da SM através de medidas comportamentais, tendo a obesidade como principal alvo para a intervenção, pode ter um efeito positivo nos sintomas e na progressão dos STUI. Na procura por novos mecanismos que expliquem essas alterações, pesquisas recentes têm focado na influência dos estrógenos, com a obtenção de correlações positivas entre o aumento dos níveis desses hormônios (com alteração da relação estrógeno/testosterona e aumento de 17²-estradiol) e o desenvolvimento de STUI, como a disfunção vesical. Essas substâncias agem através da interação com múltiplos receptores, sendo que a base molecular desses efeitos continua desconhecida. Assim, entende-se a importância dos estudos subsequentes na confirmação do papel dos estrógenos no desenvolvimento de STUI. Portanto, o projeto tem como objetivo geral aprofundar os conhecimentos sobre as alterações morfofuncionais vesicais decorrentes de obesidade e SM, com foco nas alterações moleculares da via estrogênica e a influência da atividade física. Com essa finalidade, ratos do tipo Winstar serão randomizados quanto à dieta hiperlipídica e atividade física. Os parâmetros analisados incluem mudanças histológicas e morfométricas no tecido vesical, no que se refere à condição da camada muscular detrusora, à quantidade de fibrose e à relação entre esses dois parâmetros, e alterações funcionais cistométricas, as quais serão avaliadas via estudo urodinâmico. No contexto das alterações moleculares esperadas, os focos serão vias de atuação intranucleares (MAPK e EGFR) e extranucleares do estrógeno (GPR30), bem como o valor de CPK e da expressão de receptores ER± e ER², por meio da técnica de PCR. Os correspondentes parâmetros metabólicos séricos, tais quais níveis de leptina, aromatase, SHBG, glicemia, insulina, estrógeno e testosterona (incluindo a relação entre eles), serão avaliados pela técnica de ELISA.A análise estatística será realizada através do software SPSS 19.0 for Windows, com comparação das variáveis quantitativas entre os quatro grupos por meio do teste ANOVA. Para comparar valores de escala nominal, será utilizado o teste do qui-quadrado, com um valor estatisticamente significante para p menor ou igual a 0,05. (AU)

Relação entre níveis de dor e capacidade funcional com o nível de atividade física em adolescentes com síndrome da dor femoropatelar

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Fábio Mícolis de Azevedo
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/15575-4
Vigência: 01 de fevereiro de 2016 - 31 de dezembro de 2016
Assunto(s):DorAtividade físicaAdolescentes
Resumo
A Síndrome da dor femoropatelar (SDFP) é uma desordem músculoesquelética relacionada a atividade física, na qual a dor é exacerbada em situações que submetem o joelho a elevados graus de flexão. Achados indicam que o estímulo do desenvolvimento da SDFP pode estar relacionado ao aumento do nível de atividade física, com consequente sobrecarga mecânica na articulação femoropatelar. A SDFP acomete homens, mulheres e jovens físicamente ativos, porém poucos estudos usam como objetivo de estudo adolescentes com SDFP. Acredita-se que a SDFP tenha ínicio na adolescência, além da dor evidênciou-se também limitações funcionais já na adolescência. Neste contexto o objetivo deste projeto é investigar a relação entre os níveis de atividade física em adolescentes com Síndrome da Dor Femoropatelar com a dor e limitações funcionais auto-reportadas. A avaliação do nível de atividade física será realizada por meio de dois questionários, International Physical Activity Questionnaire e Baecke Questionnaire of Habitual Physical Activity, e para avaliar limitações funcionais serão utilizados os questionários Anterior Knee Pain Scale e Knee Injury and Osteoarthritis Outcome Score. A amostra será composta por adolescentes com SDFP do sexo feminino e masculino com faixa etária de 12 a 18 anos que forem incluídos nos critérios de elegibilidade. (AU)

Avaliação crítica dos questionários de atividade física traduzidos para a língua portuguesa: uma revisão sistemática sobre a adaptação transcultural e propriedades de medidas

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rafael Zambelli de Almeida Pinto
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:14/09560-1
Vigência: 01 de fevereiro de 2016 - 31 de dezembro de 2016
Assunto(s):QuestionáriosAtividade físicaTradução
Resumo
O número de questionários disponíveis que mensuram a atividade física tem aumentado consideravelmente ao longo das últimas décadas. Consequentemente, a escolha de qual questionário utilizar está se tornando um desafio. No Brasil, este desafio é ainda maior uma vez que estes questionários necessitam de um processo rigoroso de tradução e adaptação para a língua portuguesa. O presente estudo é uma revisão sistemática com o objetivo de identificar os questionários que mensuram o nível de atividade física na população brasileira e avaliar os procedimentos de tradução e adaptação cultural para a língua portuguesa e as propriedades psicométricas desses questionários. Serão realizadas buscas sistematizadas nas bases de dados: MEDLINE via OVID, EMBASE, CINAHL via EBSCO, SCIELO e LILACS. Serão extraídos dados referentes a tradução e adaptação transcultural, assim como dados das propriedades psicométricas de cada estudo. Estes passarão por análises quanto a sua qualidade metodológica, de acordo com as diretrizes para avaliação do método de tradução e adaptação cultural de questionários. E as propriedades de medida serão avaliadas pelos critérios de qualidade para propriedades de medida de questionários da área de saúde. (AU)

Epilepsia e exercício físico no sexo feminino e sua influência na prole: estudo em modelo experimental

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ricardo Mario Arida
Pesquisadores associados:Débora Amado Scerni
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo:15/19256-0
Vigência: 01 de fevereiro de 2016 - 31 de janeiro de 2018
Assunto(s):Fármacos neuroprotetoresEpilepsiaExercício físicoNeurofisiologiaPlasticidade neuronal
Resumo
Associações de estratégias antiepileptogênicas e neuroprotetoras para a prevenção e tratamento da epilepsia têm sido constantemente investigadas. Neste sentido, o exercício físico tem sido considerado um cadidato em potencial como terapia complementar para a epilepsia. Efeitos benéficos do exercício físico em pessoas com epilepsia têm sido amplamente demonstrados, como redução da susceptibilidade às crises, melhora da qualidade de vida e redução da ansiedade e depressão. Estudos em modelos animais de epilepsia têm investigado os mecanismos pelos quais o exercício interfere neste processo. Apesar da influência positiva do exercício físico na epilepsia, não existe informação consistente na literatura se estes benefícios são totalmente aplicados ao sexo feminino. Este aspecto é de grande importância tendo em vista que disfunções reprodutivas e distúrbios endócrinos são comuns em mulheres com epilepsia. A proposta da primeira parte deste projeto será verificar o efeito de programas de exercício físico aeróbio na epileptogênese, na frequência de crises epilépticas e nas alterações neuromorfológicas e neuroquímicas de ratas Wistar fêmeas. Fatores ambientais, como o stress pré-natal em animais podem provocar alterações no desenvolvimento do sistema nervoso e consequentemente aumentar a susceptibilidade a convulsões e ao desenvolvimento da epilepsia na prole no início e / ou em fases mais tardias da vida. Ainda, o cérebro em desenvolvimento no período pós-natal possui uma maior susceptibilidade a crises, dependendo da etapa do desenvolvimento cerebral. Estudos recentes em animais mostram que o exercício físico durante o desenvolvimento fetal pode melhorar algumas funções cerebrais dos filhotes após o nascimento. Apesar da influência benéfica do exercício físico no sistema nervoso em desenvolvimento durante a gestação, não está claro se a atividade física durante a gestação pode exercer efeito protetor a insulto cerebral na prole no início da vida. Na segunda parte deste projeto, pretendemos verificar se o exercício físico durante a prenhez pode alterar em filhotes a susceptiblidade as crises induzidas no inicio e nas fases mais tardias da vida utilizando o modelo do pentilenotetrazol. Acreditamos que esta investigação poderá fornecer informações importantes para elucidar se a atividade física regular no período gestacional e na fase adulta pode interferir positivamente na epilepsia e indica-la como estratégia terapêutica para o controle das crises epilépticas e ajustes psicossociais no sexo feminino. (AU)

Influências da atividade física sobre o comportamento de camundongos submetidos a isolamento social

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Michele Schultz Ramos
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Experimental
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/02748-8
Vigência: 01 de janeiro de 2016 - 31 de dezembro de 2016
Assunto(s):DepressãoAnsiedadeMemória (psicologia)Atividade físicaIsolamento socialComportamento animal
Resumo
A condição de isolamento social tem sido descrita como um fator estressor, tanto a nível fisiológico quanto comportamental, apresentando associação com diversas doenças, dentre as quais transtornos de ansiedade, de depressão e prejuízos na memória. É necessário estudar formas de intervir no processo, de modo a evitar que tal situação se configure, o que é difícil devido à maneira com a qual a sociedade atual se encontra estruturada. Além disso, não se pode cometer o equívoco de considerar que tal condição, por ter aspectos voltados para questões psicológicas, seja menos prejudicial do que as de caráter estritamente físico, tendo em vista as evidências na literatura. Por outro lado, a atividade física tem sido descrita como promotora de ganhos à saúde mental. Assim, tendo-se em vista o baixo número de estudos, o presente projeto pretende verificar a relação entre isolamento social e atividade física e sua influência sobre o comportamento relacionado à ansiedade, depressão e prejuízo na memória de camundongos jovens. Os animais serão alojados em grupos de 3 ou individualmente (em isolamento), sendo que alguns terão à disposição uma roda para atividade física voluntária durante 4 semanas, perfazendo um total de 4 grupos. Decorrido este período, os animais serão submetidos a testes de comportamento - labirinto aquático de Morris, labirinto em cruz elevado e teste de suspensão de cauda - visando comparar os desempenhos dos diferentes grupos nas mesmas tarefas, possibilitando assim verificar, mediante análise estatística, os possíveis efeitos prejudiciais do isolamento, os benefícios da atividade física, e a interação de ambos, esperando-se que a atividade física atenue os prejuízos esperados em decorrência do isolamento. (AU)

Efeitos da participação em um programa de atividade física na qualidade de vida de adultos e idosos atendidos pelo NASF em São Carlos, SP

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Grace Angélica de Oliveira Gomes
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/18198-7
Vigência: 01 de janeiro de 2016 - 31 de dezembro de 2016
Assunto(s):CaminhadaAdaptação psicológicaAtividade físicaQualidade de vidaSaúde pública
Resumo
A atividade Física (AF) é uma importante ferramenta de promoção da saúde da população e tem papel fundamental no envelhecimento ativo e saudável, bem como na percepção de qualidade de vida (QV) de cada indivíduo. Caminhar em grupo para comunidades em contexto de alta vulnerabilidade social desenvolver a sociabilização e ser um fator de proteção para doenças no âmbito emocional. Promoção de atividade física na Atenção Básica de saúde pode ser uma estratégia interessante para garantir esses benefícios, no entanto ainda existem poucos estudos que relatam esses efeitos. Nesse sentido, o objetivo desse estudo é avaliar os efeitos de um programa de caminhada na QV dos participantes de uma área de alta vulnerabilidade no município de São Carlos, SP. Trata-se de uma pesquisa de delineamento quase experimental e controlado, com a participação de: 1) grupo intervenção (n=20) e 2) grupo controle (n=20). A intervenção terá duração de seis meses. O programa ocorrerá cinco vezes por semana, com duração de uma hora. As aulas serão compostas de atividades recreacionais, caminhada e estratégias educativas de mudança de comportamento para AF. Para avaliar o programa, esse estudo utilizará o questionário de QV WHOQOL-Bref, o qual consta 26 questões que abordam quatro domínios (físico, psicológico, relações social e meio ambiente). Será utilizada também uma entrevista estruturada após a participação no programa de caminhada com perguntas abertas sobre a percepção do indivíduo em à qualidade de vida relacionada aos aspectos psicológicos nas seguintes questões: sentimentos, forma de pensar, memória e concentração, auto-estima e imagem corporal, aplicada. Espera-se que o programa tenha escores satisfatórios em todos os domínios do WHOQOL-Bref, em especial no domínio psicológico. Espera-se ainda que as respostas à entrevista estruturada sejam positivas em relação à AF e os aspectos psicológicos dos participantes. (AU)

Há associação entre medo de movimento e níveis de atividade física em pacientes que procuram atendimento para dor lombar crônica não-específica?

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rafael Zambelli de Almeida Pinto
Supervisor no Exterior: Christopher Gerard Maher
Local de pesquisa: George Institute for Global Health (Austrália)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Iniciação Científica
Processo:15/17093-7
Vigência: 01 de dezembro de 2015 - 29 de fevereiro de 2016
Assunto(s):Dor lombarAtividade física
Resumo
INTRODUÇÃO No campo de dor musculoesquelética crônica, há fortes evidências que respostas cognitivas e comportamentais relacionadas à dor apresentam o papel principal no desenvolvimento e manutenção da cronicidade ou de sintomas persistentes. Medo de movimento ou de lesionar novamente, também referido como cinesiofobia, é relacionada mais especificamente com o medo de que a atividade física cause uma nova lesão. Medo de movimento tem se mostrado um poderoso preditor de cronicidade em pacientes com dor lombar. Modelos teóricos no campo de dor musculoesquelética crônica afirmam que o alto medo relacionado à dor é associado com o desenvolvimento de comportamentos que visam evitar determinados tipos de movimento, o que eventualmente pode levar a incapacidade e desuso. Apesar do medo de movimento na manutenção da dor lombar crônica ser bem documentado, a evidência da associação entre o medo de movimento e baixos níveis de atividade física ainda é equivocada. Uma possível explicação para a falta de associação em estudos prévios é o uso de medidas subjetivas para avaliar os níveis de atividade física. Um método promissor para avaliar objetivamente os níveis de atividade física nessa população é o uso de monitores de atividade, como o acelerômetro. O principal objetivos desse estudo é determinar se o medo de movimento é associado com níveis de atividade física. MÉTODO A amostra deste estudo é derivada de um projeto em curso financiado pela FAPESP. Este projeto está atualmente recrutando pacientes com dor lombar crônica não-específica. A coleta de dados inclui informações demográficas e antropométricas além de medidas de incapacidade, dor, depressão, medo de movimento e medida objetiva dos níveis de atividade física. A análise e interpretação dos dados será realizada durante o estágio de pesquisa do candidato no George Institute at Global Health in Sydney/Austrália sob supervisão do Prof. Chris Maher. (AU)

Análise da composição corporal de mulheres com insuficiência ovariana primária

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (CAISM). Hospital da Mulher Professor Doutor José Aristodemo Pinotti. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Cristina Laguna Benetti Pinto
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/19154-3
Vigência: 01 de dezembro de 2015 - 30 de novembro de 2016
Assunto(s):Composição corporalTerapia de reposição hormonalGinecologia
Resumo
Introdução: A influência da Insuficiência Ovariana Primária sobre a composição corporal de mulheres jovens, ainda não está bem esclarecida. Acredita-se que a terapia hormonal não seja suficiente para recompor a composição corporal em mulheres jovens. Objetivos: Avaliar a composição corporal (massa gorda e magra) de mulheres com Insuficiência ovariana primária e compará-la com mulheres com função ovariana normal. Sujeito e métodos: Estudo de corte transversal a ser realizado no ambulatório de ginecologia endócrina do Departamento de Tocoginecologia da Universidade Estadual de Campinas avaliará mulheres com IOP em uso de reposição hormonal para estabelecer sua composição corporal. Como controle serão estudadas mulheres hígidas pareadas por idade (±2anos), IMC (±2 kg/m2) e grau de intensidade de atividade física. Após obtenção do TCLE, todas as voluntárias serão submetidas a estudo de densitometria óssea corporal e serão examinadas para mensuração das dobras cutâneas através do uso de adipômetro. O grau de atividade física será obtido por questionário apropriado (IPAQ). Os dados dos dois grupos (estudo e controle) serão apresentados como média e desvio padrão. Serão avaliados quanto a distribuição de normalidade e comparadas através de testes estatísticos apropriados. Os dados obtidos quanto ao percentual de massa magra e massa gorda serão analisados através de estudo de correlação em relação a dados de idade, idade da falência gonadal, tempo de terapia hormonal, tipo de terapia hormonal e outras variáveis estudadas. (AU)

Influência da obesidade na presença de comportamentos sedentários em adultos

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Saúde e Sociedade (ISS). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Victor Zuniga Dourado
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Educação Física
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/20830-3
Vigência: 01 de dezembro de 2015 - 30 de novembro de 2016
Vinculado ao auxílio:11/07282-6 - Nível de atividade e aptidão física e sua associação com o declínio da função pulmonar em adultos do município de Santos, Brasil, AP.JP
Assunto(s):ObesidadeSedentarismoAtividade físicaAcelerometria
Resumo
A obesidade é um crescente problema mundial de saúde e está associada às diversas comorbidades. Comportamentos sedentários, assim como a inatividade física, são considerados deletérios à saúde. O gasto energético d1,5 em Equivalentes Metabólicos de Tarefa e adoção de posturas sentadas e deitadas caracterizam o comportamento sedentário. Sendo assim, o objetivo desse estudo será avaliar a associação entre a obesidade e a quantidade de comportamentos sedentários em adultos. O estudo será realizado com 150 participantes pareados por idade, sexo e fatores de risco cardiovascular, divididos em cinco grupos de acordo com a porcentagem de gordura corporal obtida por meio de bioimpedância elétrica. A análise do comportamento sedentário será realizada a partir de dados de acelerometria triaxial. Os dados serão analisados descritivamente. Variáveis contínuas serão comparadas entre os grupos utilizando ANOVA para nível de obesidade e sexo, e as categóricas pelo teste Dz. (AU)

A validação do dispositivo Fitbit em pares de gêmeos discordantes com dor lombar

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Presidente Prudente. Presidente Prudente, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Rafael Zambelli de Almeida Pinto
Supervisor no Exterior: Paulo Henrique Ferreira
Local de pesquisa: University of Sydney (Austrália)
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Mestrado
Processo:15/11877-6
Vigência: 01 de dezembro de 2015 - 29 de fevereiro de 2016
Assunto(s):Dor lombarAtividade físicaOrtopediaEstudo em gêmeos
Resumo
Introdução: Supõe que pacientes com dor lombar (LBP) apresenta seu nível de atividade física diminuído devido a dor e este fato tem sido questionado. Estudos com gêmeos pode ajudar a esclarecer o papel do descondicionamento físico em pacientes com dor lombar, devido à possibilidade de controlar possíveis fatores de confusão genética. Para investigar o papel dos níveis de atividade física em pesquisa dor lombar, medida objetiva, como monitores de atividade física tem sido amplamente recomendada. O dispositivo Fitbit é um monitor de custo relativamente baixo de atividade física com uma interface de usuário muito mais simples e amigável do que a maioria dos outros dispositivos. O objetivo deste estudo é avaliar a validade do dispositivo Fitbit para avaliar os níveis de atividade física em gêmeos, com ou sem dor lombar e investigar a associação entre os níveis de atividade física e LBP em pares de gêmeos discordantes para LBP. Método: Participantes serão identificados a partir do Registro gêmeo australiano (ATR). Trinta pares de gêmeos discordantes para LBP serão incluídos na análise dos gêmeos que usarem Fitbit e Actigraph GT3X acelerômetro durante 7 dias consecutivos. Validade será avaliada comparando os dados utilizando coeficientes de correlação de Spearman. A associação entre atividade física e LBP será investigada por meio de regressão logística condicional. (AU)

Estudo da efetividade de intervenção multidisciplinar em adolescentes com excesso de peso no Centro de Recuperação e Educação Nutricional - CREN: projeto eu aprendi, eu ensinei

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Recuperação e Educação Alimentar (CREN). Núcleo Interdepartamental de Segurança Alimentar e Nutricional (NISAN). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Ana Lydia Sawaya
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição - Análise Nutricional de População
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo:15/24848-4
Vigência: 01 de dezembro de 2015 - 30 de abril de 2017
Vinculado ao auxílio:14/22351-2 - Estudo da efetividade de intervenção multidisciplinar em adolescentes com excesso de peso no Centro de Recuperação e Educação Nutricional - CREN: projeto eu aprendi, eu ensinei, AP.R
Assunto(s):Exercício físicoObesidade
Resumo
O excesso de peso já presente de forma epidêmica na adolescência é uma das maiores preocupações no mundo atualmente. Crescem as evidências que uma intervenção adequada requer não só uma abordagem que leve à modificação do hábito alimentar, mas auxilie na qualidade de vida. Faltam estudos que tenham monitorado por mais de seis meses adolescentes com excesso de peso em tratamento multidisciplinar. A hipótese em que se baseia o presente estudo é que tratamento multidisciplinar baseado em intervenção de acordo com estágios de mudança de comportamento e motivação possa levar à normalização do peso em adolescentes com excesso de peso. O objetivo é, portanto, estudar a efetividade de uma intervenção multidisciplinar baseada no modelo transteórico de mudança de comportamento para tratamento de adolescentes com excesso de peso no Centro de Recuperação e Educação Nutricional com duração de dezoito meses. Para tanto será desenvolvido um protocolo de intervenção que acompanhará dois grupos de adolescentes (>1 e d 3 escore Z de IMC-para-idade): experimental (n=100) e controle (n=100). O grupo experimental responderá ao algoritmo do modelo transteórico para mudança do comportamento de atividade física a cada seis meses e receberá intervenção de acordo com o estágio de mudança; participará de oficinas de educação nutricional, educação física, psicologia e de integração; e receberá atendimento individual para acompanhamento nutricional, de atividade física, psicológico, e clínico. O grupo controle será composto por adolescentes que participarão de uma consulta mensal com nutricionista e bimensal com o pediatra. (AU)

Avaliação da modulação autonômica cardíaca de pacientes com insuficiência cardíaca sistólica e prática regular de atividade física

Beneficiário:
Instituição-sede da pesquisa: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos, SP, Brasil
Pesquisador responsável:Meliza Goi Roscani
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Processo:15/18987-1
Vigência: 01 de dezembro de 2015 - 30 de novembro de 2016
Assunto(s):Remodelação ventricularAtividade físicaSedentarismoCardiologia
Resumo
Introdução: A prática de exercício físico (EF) tem apresentado efeitos benéficos na qualidade de vida e capacidade funcional de pacientes com insuficiência cardíaca (IC), independente do valor da fração de ejeção ventricular esquerda (FEVE). Acredita-se que isso se deva não pela melhora na FEVE, mas sim por alterações periféricas que promovam vasodilatação arterial, redução da pós-carga ventricular e melhor modulação autonômica. Como ainda há controvérsia dos mecanismos envolvidos nessa melhora promovida pela atividade física em pacientes com IC, formulamos a hipótese de que indivíduos sedentários com FEVE reduzida apresentam pior resposta autonômica quando comparados a indivíduos com comportamento não sedentário. Objetivos: Comparar a modulação autonômica cardíaca de pacientes com comportamento ativo e sedentário e insuficiência cardíaca sistólica. Metodologia: Estudo prospectivo transversal em pacientes com IC com FEVE inferior a 50%, sendo compostos dois grupos, sedentários (S) e não sedentários (NS) a partir da aplicação do questionário IPAQ. Serão realizadas avaliação física e clínica, avaliação da modulação autonômica cardíaca e aplicação de questionário de qualidade de vida SF-36. Análise estatística: será realizada através de T simples para comparação entre grupos e regressão linear simples para comparação de variáveis diferentes no mesmo grupo. Resultados esperados: espera-se encontrar correlação entre disfunção na regulação autonômica cardíaca, sedentarismo e piora qualidade de vida. (AU)
938 resultado(s)
|
Exportar 0 registro(s) selecionado(s) | Limpar seleção
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP