FAPESP Logo

Formação, vida profissional e subjetividade: narrativas de trabalhadores de Centro de Atenção Psicossocial Infantojuvenil

USP Texto completo
Autor(es):

Camila Junqueira Muylaert

Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Saúde Pública
Data de defesa:
Membros da banca:

Alberto Olavo Advincula Reis; Modesto Leite Rolim Neto; Fabiola Zioni

Orientador:

Alberto Olavo Advincula Reis

Resumo
Introdução: O atual modelo de saúde mental infantojuvenil tem como um dos seus pilares a transformação da postura dos profissionais da área. Espera-se que eles se coloquem de corpo inteiro e se impliquem subjetivamente no trabalho. Esses profissionais têm papel fundamental nas direções tomadas ao longo dos anos, contudo são historicamente desvalorizados e pouco estudados. Objetivo: Descrever e analisar a subjetividade, as experiências de formação e a trajetória de vida de trabalhadores de Centros de Atenção Psicossocial Infantojuvenis (CAPSi) e suas relações com o processo de inserção e prática nesse campo. Método: Foi realizado um questionário com perguntas semi abertas e entrevistas narrativas com 8 trabalhadores de diferentes categorias profissionais lotados em 2 CAPSis do Município de São Paulo, um deles gerenciado diretamente pela Prefeitura e outro por Organização Social de Saúde (OSS). Para análise das entrevistas narrativas foi utilizada a proposta de Shutze. O Referencial Teórico foi construído a partir de diferentes autores que dialogam entre si, dentre eles Dejours e Schwartz. Resultados: Constaram-se importantes diferenças entre os trabalhadores do CAPSi gerenciado por OSS e pela Prefeitura no que se refere ao perfil profissional, às motivações para o trabalho, ao tipo de formação que buscam e aos sentidos atribuídos ao trabalho. No entanto, todos os trabalhadores revelam características comuns: impacto recíproco que a vida pessoal e o trabalho na saúde mental exercem entre si; passagem prévia por hospital, escola ou consultório, de forma que essas instituições marcam sua atuação profissional; carência de capacitação oferecida pelos serviços e grande distância entre as necessidades reais do serviço e os treinamentos oferecidos. Conclusão: A tendência atual do mundo do trabalho caminha em sentido oposto às propostas da Reforma Psiquiátrica, fazendo com que os profissionais mais antigos encontrem dificuldades e os mais jovens se afastem dos pressupostos da Reforma Psiquiátrica. Junto a isso, a complexidade das propostas de tratamento nos CAPSis e a falta de espaços de discussão e potencialização do trabalho, que deviam ser oferecidos pelas instituições, faz com que ambos os grupos de profissionais sintam-se perdidos e sozinhos. A formação transcende o espaço técnico no qual ela se delimita inicialmente e se espraia para diversos setores da vida do indivíduo (AU)

Processo FAPESP: 11/16443-3 - Formação, vida profissional e subjetividade: narrativas de trabalhadores de centro de atenção psicossocial Infantojuvenil
Beneficiário:Camila Junqueira Muylaert
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP