FAPESP Logo

Tratabilidade do lodo de decantadores convencional e de alta taxa

Texto completo
Autor(es):

Silva Junior, Archimedes Pereira da

Tipo de documento: Dissertação de Mestrado
Imprenta: Campinas. [2003]. 158 f., ilustrações.
Instituição: Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo
Data de defesa:
Membros da banca:

Isaac, Ricardo de Lima; Sobrinho, Pedro Alem; Morita, Dione Mari

Orientador:

Isaac, Ricardo de Lima

Área do conhecimento: Engenharias - Engenharia Sanitária
Indexada em:

Base Acervus-UNICAMP; Biblioteca Digital da UNICAMP

Localização:

Universidade Estadual de Campinas. Biblioteca Central Cesar Lattes; T/UNICAMP; Si38t

Assunto(s):

Estações de tratamento de água

Tratamento de resíduos sólidos

Lodo

Decantadores

Polímeros sintéticos

Resumo
Os principais resíduos de ETAs são os lodos gerados nos decantadores, a água de lavagem dos filtros e o rejeito de limpeza dos tanques de produtos químicos. Os lodos mesmo classificados como resíduos sólidos, apresentam baixíssimo teor de sólidos. Sendo o custo do transporte e disposição final bastante elevado, a redução do volume constitui-se em alternativa, economicamente, viável. Os principais processos utilizados para redução de volume do lodo são o adensamento, o condicionamento químico e a desaguamento. A pesquisa teve por objetivo comparar a tratabilidade do lodo do decantador do tipo convencional e do decantador de alta taxa, da SANASA, na cidade de Campinas. Foi verificada a influência dos parâmetros que caracterizam a qualidade do Iodo, no seu desaguamento; o efeito do adensamento do Iodo por gravidade, com auxílio de polímeros e o efeito do condicionamento químico com polímeros no desaguamento, por centrifuga. O lodo bruto foi pré-condicionado com polímeros sintéticos, e também se investigou a eficiência destes no condicionamento do lodo já adensado, para sua centrifugação. O adensamento mostrou que o polímero aniônico foi o melhor para ambas as ETAs. A dosagem ótima foi a mesma para ambas as épocas, para as duas ETAs, sendo de 1mg/g para ETA-3 e 3g/Kg para ETA-4. O tempo de mistura, para ETA-3, foi maior na época seca (45s) do que no período de chuvas (30s). Para ETA-4 o tempo de mistura foi o mesmo (60s) para as duas épocas. O lodo adensado foi condicionado com polímero e submetido à centrifugação. Desta, concluiu-se que, para o período de chuvas e para os dois tipos de lodo a condição ótima foi: polímero catiônico, 1g/Kg, 5s de mistura e 200rpm de rotação. Na época de estiagem e lodo da ETA-3 a condição ótima foi dada por: polímero catiônico, 1g/Kg, 60s de mistura e 200rpm de rotação. No caso da ETA-4, a condição é dada por: polímero catiônico, 2,5g/Kg, 60 s de mistura e 100 rpm. (AU)

Processo FAPESP: 00/10543-1 - Caracterização e tratabilidade do lodo de decantadores convencionais e de alta taxa
Beneficiário:Archimedes Pereira da Silva Junior
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Mestrado
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP