Busca avançada

Liberdade, necessidade e o problema da imputabilidade moral em hume.

Processo: 03/09871-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2004
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2006
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Filosofia - História da Filosofia
Pesquisador responsável:Jose Oscar de Almeida Marques
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Assunto(s):Liberdade   Causalidade

Resumo

David Hume ofereceu, no Tratado e na Investigação sobre o entendimento humano, importantes reflexões que visam elucidar a controversa relação entre liberdade e necessidade. Esta pesquisa visa investigar a análise que Hume faz desses conceitos, e, principalmente, estabelecer as conseqüências que essa análise traz para sua noção de responsabilidade moral. Começo por uma rápida exposição do clássico problema da liberdade da vontade, para introduzir as questões centrais e apresentar brevemente algumas teorias, como as de Hobbes e Locke, que, como Hume, também negaram que a vontade seja livre. Examino a seguir detalhadamente a doutrina humeana da liberdade e necessidade, procurando mostrar como esses dois conceitos aparentemente excludente se compatibilizam na teoria das ações humanas desenvolvida pelo autor. Passo então ao problema central do trabalho, examinando se e como a concepção humeana de liberdade permite sustentar uma teoria da imputabilidade moral. Procurarei mostrar que, no sistema de Hume, o famoso problema do "livre-arbítrio" não é propriamente resolvido, mas dissolvido. A título de complemento e abertura preliminar para novas investigações, exploro por fim brevemente como Kant e Schopenhauer se posicionaram diante da questão, considerando que ambos conheciam as propostas de Hume e foram, de algum modo, influenciados por ela. (AU)