FAPESP Logo

Conteúdo relacionado

    Pau-brasil e outras espécies nativas empregadas na fabricação de arcos para instrumentos de corda: um estudo comparativo

    Beneficiário:

    Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
    Pesquisador responsável:

    Edenise Segala Alves

    Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Morfologia Vegetal
    Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
    Processo: 02/11339-4
    Vigência: 01 de abril de 2003 - 30 de abril de 2004
    Vinculado ao auxílio:00/06422-4 - Caesalpinia echinata (pau-brasil) da semente à madeira, um modelo para estudos de plantas arbóreas tropicais brasileiras, AP.TEM
    Resumo
    A madeira do pau-brasil (Caesalpinia equinata Lam.) é tradicionalmente empregada para a produção de arcos de instrumentos de corda, uma vez que apresenta características que possibilitam a produção de arcos inigualáveis. Embora utilizada mundialmente para tal finalidade, não existem estudos que avaliem suas características sob esse enfoque. Além disso, a experiência dos "arqueteiros" revela que diferentes amostras de pau-brasil fornecem arcos de qualidade distinta. Soma-se a isso o fato de que no Brasil, algumas outras espécies estão sendo empregadas na "arquetaria" Objetiva-se a realização de um estudo comparativo entre as amostras de pau-brasil e de outras quatro espécies excedentes da produção de arcos. Serão avaliados a estrutura anatômica macro e microscópica das madeiras, a estrutura da parede ao microscópio eletrônico, a densidade, o teor de lignina e as propriedades acústicas através de equipamento utilizado na "arquetaria" (Lucchi elasticity tester). Ao final do trabalho será possível estabelecer quais são as características que conferem qualidade aos arcos. (AU)
    CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

    R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
    cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP