FAPESP Logo

Geologia e metalogenia do ouro na Província Aurífera do Tapajós na região de Itaituba (pa): abordagem baseada em imagens aerogeofísicas magnetométricas e gamaespectrométricas

Beneficiário:

Instituição: Instituto de Geociências (IGC). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:

Caetano Juliani

Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo: 10/10498-8
Vigência: 01 de outubro de 2010 - 30 de setembro de 2013
Bolsa(s) vinculada(s):12/25479-4 - Análise da incerteza em dados aerogeofísicos e de sensoriamento remoto adquiridos na Província Aurífera do Tapajós, Brasil, BE.EP.PD
Assunto(s):

Metalogênese

Sensoriamento remoto

Resumo
A região de Itaituba localiza-se na parte central do Cráton Amazônico, oeste do estado do Pará, e faz parte da Província Aurífera do Tapajós, que produziu, segundo estimativas não oficiais, mais de 750 t. de ouro, quase que totalmente em garimpos.O acesso aos afloramentos de rochas nessa região é limitado por fatores comuns na Amazônia, tais como a presença de vasta e densa cobertura vegetal e de espesso manto de intemperismo. A cartografia geológica atual desta área é constituída por mapas em escala de 1:1.000.000 e 1:500.000, além de 1:250.000 na maior parte da Província. Para elaboração desses mapas, no entanto, foram utilizados, essencialmente, dados aerogeofísicos com baixa resolução espacial e limitada densidade de amostragem ao longo das linhas de vôo. Nos últimos anos foram reconhecidas mineralizações de ouro e de metais de base epitermais high- e low-sulfidation e do tipo pórfiro associadas ao evento magmático Uatumã, do Paleoproterozóico, o que aumenta ainda mais o potencial da Província para ocorrência de depósitos minerais de grande porte. O reconhecimento e detalhamento da geologia são de fundamental importância ao desenvolvimento de trabalhos de pesquisa e aproveitamento dos recursos minerais desta região, cujo potencial mineral é considerado alto. Nesse sentido, é essencial a utilização de métodos indiretos de mapeamento, como a aerogeofísica e sensoriamento remoto. No ano de 2009, em um aerolevantamento geofísico realizado pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM) foram gerados dados magnetométricos e gamaespectrométricos com alta densidade de amostragem. Esses dados foram obtidos por técnicas que representam o que há atualmente de mais avançado tecnologicamente e constituem uma base que, adicionados a levantamentos em campo, possibilitam a produção de mapas geológicos em escala de até 1:100.000. Esses mapas, com maior precisão e exatidão cartográfica, apresentam fundamental importância ao desenvolvimento de pesquisas visando o avanço do conhecimento geológico e do potencial mineral dessa região.O projeto aqui proposto visa produzir mapas geológicos em escalas de 1:250.000 e 1:100.000 na região do Projeto Itaituba, a partir métodos de processamento e análise integrada dos dados aerogeofísicos e modelo digital de elevação. A análise proposta utilizará dados geológicos provenientes de levantamentos geológicos regionais pré-existentes, em associação com informações extraídas das imagens aerogeofísicas e do modelo digital de elevação. Espera-se, com o desenvolvimento deste trabalho, gerar novas informações geológicas que subsidiem o avanço dos modelos de gênese e evolução da Província Tapajóes, bem como a origem e espacialização das mineralizações e suas respectivas associações com rochas encaixantes.Esse projeto faz parte do projeto de estudo da gênese e evolução do magmatismo Uatumã e da caracterização das mineralizações de ouro associadas, em desenvolvimento pela equipe do supervisor. (AU)
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP