FAPESP Logo

Estrutura populacional das espécies de Zoanthus (Zoanthidae, Anthozoa) da costa brasileira: análise morfológica e molecular

Beneficiário:

Instituição: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:

Maria Cristina Arias

Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Animal
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Processo: 02/03775-9
Vigência: 01 de dezembro de 2002 - 30 de novembro de 2005
Resumo
A Ordem Zoanthidea (Anthozoa) é composta, principalmente, por cnidários coloniais que não secretam esqueleto, e possuem zooxantelas endossimbiontes. A identificação das espécies deste grupo é problemática devido à plasticidade morfológica dos pólipos e das colônias, e envolve dissecções e técnicas histológicas. Análises isoenzimáticas têm sido a única ferramenta molecular utilizada em estudos da taxonomia de Zoanthidea, embora a biologia molecular venha sendo amplamente aplicada nesta área para vários grupos animais, inclusive em outros Cnidaria (Scleractinia e Octocorallia). O presente projeto de pesquisa propõe um estudo da estrutura populacional das espécies de Zoanthus (Zoanthidea, Anthozoa) da costa brasileira, através de análises morfológica e genética, utilizando como marcador molecular o DNA mitocondrial e microssatélites do DNA genômico. Os resultados poderão evidenciar relações entre as variações morfotípicas (cor e disposição dos pólipos nas colônias, por exemplo) e a estrutura genética das populações, além de determinar a capacidade de dispersão dessas espécies. Pretende-se ainda avaliar a contribuição de fatores de microambientes na determinação de morfotipos. Trata-se de um estudo pioneiro para os Zoanthidea que, apesar de sua importância na estruturação de comunidades bentônicas, não possuem sua taxonomia bem resolvida. (AU)
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP