Busca avançada

Estabelecimento do papel de hnRNPs envolvidas em esquizofrenia através do mapeamento de suas redes de interação

Processo: 16/18715-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2017
Vigência (Término): 30 de abril de 2019
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Convênio/Acordo: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)
Pesquisador responsável:Daniel Martins-de-Souza
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto de Biologia (IB). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08711-3 - Desenvolvimento de um teste preditivo para medicação bem sucedida e compreensão das bases moleculares da esquizofrenia através da proteômica, AP.JP
Assunto(s):Esquizofrenia   Proteômica   CRISPR-Cas9

Resumo

A esquizofrenia consiste de uma desordem psiquiátrica crônica incurável que afeta aproximadamente 1% da população mundial. Consiste de uma doença multifatorial envolvendo fatores genéticos e ambientais. Os mecanismos moleculares envolvidos nessa patologia ainda não são totalmente compreendidos, e por isso diversas metodologias como GWAS, transcriptoma e proteômica tem sido empregado para estudar os aspectos moleculares bem como compreender melhor os mecanismos existentes. Nosso grupo de pesquisa comparou cérebros de paciente com esquizofrenia com pessoas normais e demonstrou que no cérebro de pacientes existe uma série de alterações de abundância de proteínas da classe das hnRNPs, além disso, nosso grupo também observou regulações diferencias de hnRNPs em oligodendrócitos quando tratado ou não com clozapina, um anti-psicótico bastante utilizado no tratamento de esquizofrenia, indicando o envolvimento dessas proteínas com a patologia.Nesse sentido o presente projeto prevê a utilização de co-imunoprecipitação para encontrar os parceiros de interação das hnRNPs e ligação cruzada para caracterizar interação direta entre proteínas e a topologia desses complexos proteicos. Nesse contexto serão realizados estudos do interactoma de hnRNPs em células de oligodendrócitos bem como em tecidos post mortem de corpo caloso de pacientes com esquizofrenia e controle.Na segunda etapa, o projeto propõe ainda a avaliação funcional dos alvos identificados na primeira etapa. A metodologia de CRISPR-Cas9 será utilizada para mutações nas proteínas parceiras de interação com hnRNPs em oligodendrócitos, levando a alterações nesses complexos, que serão correlacionas de acordo com a função das proteínas parceiras de hnRNPs identificadas. Assim, este projeto visa, através da utilização de duas abordagens de fronteira, avançar os conhecimentos sobre a bioquímica dessa doença ainda tão pobremente entendida. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Estudo associa esquizofrenia a defeito no processamento do RNA mensageiro na célula