Busca avançada

Biogeografia e filogeografia comparada das aves do Centro de Endemismo Pernambuco utilizando Elementos Ultra Conservados (UCEs)

Processo: 15/11397-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2016
Vigência (Término): 31 de maio de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Pesquisador responsável:Luís Fábio Silveira
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Sequenciamento paralelo em massa   Filogeografia   Biogeografia   Último máximo glacial

Resumo

O Centro de Endemismo Pernambuco (CEP) é a região brasileira que mais sofreu com o desmatamento e a fragmentação. Entre seus táxons de aves endêmicos, muitos estão ameaçados de extinção e outros foram recentemente extintos. As relações biogeográficas do CEP com a Mata Atlântica Meridional e a Amazônia ainda são pouco compreendidas e dificilmente são alvo de estudos biogeográficos e filogeográficos. A compreensão dos mecanismos evolutivos geradores de diversidade tem especial relevância nesta região, em que seu esclarecimento é chave para a compreensão da evolução das biotas Amazônica e Atlântica. O modelo biogeográfico de Carnaval & Moritz (2008) propõe que o CEP foi uma área estável durante Pleistoceno e pode ter agido como refúgio durante o Último Máximo Glacial. Outros estudos sugerem que o CEP é mais próximo da Amazônia do que da Mata Atlântica Meridional e que poderia haver uma correlação entre a altitude em que uma espécie ocorre e sua origem. O advento do sequenciamento paralelo em massa (MPS) de Elementos Ultra Conservados (UCEs) revolucionou os estudos de genética comparativa, podendo-se adquirir dados de milhares de loci desvinculados e por serem polimórficos em uma escala de tempo evolutivo recente, tornaram-se um marcador efetivo para estudos filogeográficos. O objetivo deste projeto é realizar um estudo filogenômico comparado de 10 táxons de aves endêmicas do CEP para esclarecer a história biogeográfica da região. Dados do sequenciamento de UCEs serão utilizados para reconstruir as relações filogeográficas entre as populações e para estimar parâmetros de genética de populações. Estimando-se o tempo de divergência entre as populações do CEP, da Amazônia e da Mata Atlântica Meridional serão identificadas as populações ancestrais e quais foram os eventos de colonização das áreas do CEP, e assim serão testados modelos paleoambientais e paleoclimáticos capazes de esclarecer os cenários de diversificação encontrados. (AU)