Busca avançada

Uso da paisagem por tamanduás-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) com uso de telemetria via satélite na Estação Ecológica de Santa Bárbara, São Paulo, Brasil

Processo: 13/04957-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2014
Vigência (Término): 31 de agosto de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Zoologia Aplicada
Pesquisador responsável:Rita de Cassia Bianchi
Beneficiário:
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Assunto(s):Telemetria   Cerrado   Floresta estacional semidecidual   Tamanduá-bandeira

Resumo

Áreas protegidas são consideradas como ferramentas essenciais para limitar a perda da biodiversidade. Contudo, são insuficientes para garantir a existência e manutenção das espécies e suas comunidades ecológicas. Um elemento essencial nas estratégias de conservação deve ser a proteção da diversidade biológica dentro e fora de unidades de conservação (fragmentos e agroecossistemas). As áreas nativas de São Paulo encontram-se altamente fragmentadas e alteradas. A Estação Ecológica de Santa Bárbara é um reservatório de vegetação nativa, rodeado por áreas antropizadas (malha urbana, rodovias, pastagem e culturas), sendo um ambiente mantenedor e de refúgio para algumas espécies, como o tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla). Características como: grande porte, baixas taxas reprodutivas e de densidade populacional, grande área de vida como requisitos fazem este animal, listado como "vulnerável" para o Estado, ser o foco deste estudo. Objetiva-se analisar como o tamanduá-bandeira ocorre espacialmente e utiliza a paisagem da Estação Ecológica de Santa Bárbara e as áreas antropizadas do entorno. A área de estudo é composta por Cerrado, fragmentos de Floresta Estacional e alguns talhões remanescentes de Pinus, localizados no município de Águas de Santa Bárbara. A avaliação das áreas de vida e do uso do habitat será realizada com telemetria via satélite e convencional. Ainda, a técnica de identificação do animal por armadilhas fotográficas será proposta. As análises dos dados serão focadas nos padrões de movimento, uso dos habitats e nas áreas de vida. Este estudo será pioneiro em avaliar tais parâmetros ecológicos para tamanduás-bandeira em São Paulo, e o primeiro a utilizar a metodologia de telemetria via satélite em médio prazo. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Tamanduá-bandeira em risco de extinção no Cerrado de São Paulo 
Tamanduá-bandeira corre risco de extinção no Cerrado de São Paulo 

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BERTASSONI, ALESSANDRA; MOURAO, GUILHERME; RIBEIRO, RULLIAN CESAR; CESARIO, CLARICE SILVA; DE OLIVEIRA, JULIANA PAULA; BIANCHI, RITA DE CASSIA. Movement patterns and space use of the first giant anteater (Myrmecophaga tridactyla) monitored in SAo Paulo State, Brazil. Studies on Neotropical Fauna and Environment, v. 52, n. 1, p. 68-74, APR 2017. Citações Web of Science: 0.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.