Busca avançada

Famílias interraciais: estudo psicossocial das hierarquias raciais em dinâmicas familiares

Processo: 12/24518-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de junho de 2013
Vigência (Término): 30 de setembro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Social
Pesquisador responsável:Belinda Piltcher Haber Mandelbaum
Beneficiário:
Instituição-sede : Instituto de Psicologia (IP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Racismo   Relações raciais

Resumo

A atual proposta de estudos pós-doutorais representa um importante desenvolvimento de minhas pesquisas, bem como da temática que dialoga entre os estudos de relações raciais no Brasil, Psicologia Social e dinâmicas familiares. Para tanto, objetivo investigar e compor uma análise de como famílias interraciais, vivenciam, negociam, legitimam, constroem e desconstroem os significados da raça e, particularmente, do racismo cotidiano vivenciado pelos membros não brancos destas famílias, compreendendo assim como os estereótipos e hierarquias de raça aparecem nas dinâmicas familiares, em suas estruturações e nas experiências emocionais que mobilizam e são mobilizadas nos intercâmbios familiares. Paralelamente, pretendo compor uma investigação metodológica, que aborde a intervenção do psicólogo em contextos familiares nas quais questões de raça e racismo estejam em jogo. Este estudo que visa a um só tempo a pesquisa sobre a temática - ainda pouco estudada em nosso país- e intervenção na área da assistência deve contribuir em particular para a inserção desta temática no Laboratório de Estudos da Família, Relações de Gênero e Sexualidade (LEFAM) e no Instituto de Psicologia da USP o que possibilitará a aproximação entre diferentes grupos de pesquisa que ali trabalham com investigações relacionadas a desigualdades, famílias, gênero, raça e racismo. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Pesquisa investiga marcas do racismo em "famílias inter-raciais" 
Racismo e “branquitude” na sociedade brasileira