FAPESP Logo

Rastreamento bioguiado de quimioprevenção de Eugenia jambolana, Garcinia xantochimus e Alchornea glandulosaem linhagem de hepatocarcinoma celular (HepG2 e HEPA1C1C7)

Beneficiário:

Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCFAR). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Araraquara. Araraquara, SP, Brasil
Pesquisador responsável:

Christiane Pienna Soares

Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Processo: 10/00492-2
Vigência: 01 de fevereiro de 2010 - 31 de outubro de 2011
Vinculado ao auxílio:09/52716-4 - Rastreamento bioguiado de quimioprevenção de Eugenia jambolana, garcinia xantochimus, Alchornea glandulosa em linhagem de hepatocarcinoma celular (HepG2 e hepa 1c1c7), AP.R
Assunto(s):

Genotoxicidade

Produtos naturais

Quimioprevenção

Resumo
A variabilidade das regiões geográficas brasileiras favorece o desenvolvimento de diferentes espécies vegetais, o que estimula o estudo na busca de novos agentes bioativos. Dentre as espécies escolhidas para investigação de seu possível efeito quimiopreventivo estão as que pertencem ao gênero Eugenia e Alchornea, que por sua vez são amplamente reconhecidas por conter substâncias fenólicas com potencial efeito antioxidante, antiinflamatório, analgésico, antipirético, antifúngico e efeitos citotóxicos no desenvolvimento de algumas linhagens de células cancerígenas. A outra espécie escolhida (Garcinia) para o presente estudo pertencente a família Clusiaceae, e seu perfil químico revela a presença de xantonas, flavonóides, fenóis e acridonas como principais grupos de metabólitos especiais, apresentando atividade analgésica, antibacteriana, antioxidante, antiviral e antitumoral. O presente estudo tem por objetivo realizar o rastreamento bioguiado para atividade de quimioprevenção em extratos, frações semipurificadas e principalmente, de substâncias puras isoladas de Eugenia jambolana, Garcinia xanthochymus e Alchornea glandulosa como parte da bioprospecção de produtos naturais. Até o momento não existem estudos sobre a capacidade de quimiprevenção dessas espécies vegetais. No presente estudo será avaliada a indução da enzima quinona-redutase em células de hepatocarcinoma murino (Hepa 1c1c7); e a genotoxicidade/antigenotoxicidade em células de hepatocarcinoma humano (HepG2) competentes para metabolização de xenobióticos, através do ensaio do cometa. (AU)
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP