Busca avançada

Avaliação morfogenética quantitativa da inervação do intestino em potros com aganglionose ileo-cólica

Processo: 09/00987-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de março de 2009
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2010
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Antonio Augusto Coppi Maciel Ribeiro
Beneficiário:
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:07/50168-4 - Avaliação morfogenética quantitativa da inervação do intestino em potros com aganglionose ileo-cólica, AP.R
Assunto(s):Equinos   Histopatologia animal   Doença de Hirschsprung

Resumo

O sistema nervoso entérico (plexos submucoso e mioentérico) tem como função a regulação autônoma da musculatura lisa intestinal. A aganglionose ileo-cólica (AIC) ou "síndrome letal do oveiro branco" é uma doença congênita e hereditária caracterizada pela ausência dos plexos nervosos submucoso e mioentérico do intestino grosso e da porção final do intestino delgado em potros brancos da raça "Paint horse". Os animais afetados apresentam sinais de cólicas poucas horas após o nascimento, devido aos distúrbios peristálticos. No homem existe uma doença similar, denominada "Doença de Hirschsprung". Devido à importância da ocorrência clínica desta doença e sua gravidade em humanos, e as perdas econômicas que ela causa na produção eqüina, torna-se fundamental a condução de estudos relacionados ao entendimento da genética e a morfopatogênese desta doença que possam contribuir para o tratamento da mesma. Este projeto tem como intuito avaliar geneticamente os potros afetados por AIC e avaliar quantitativamente os plexos submucoso e mioentérico, e os gânglios celíaco, mesentéricos cranial e caudal, em potros clinicamente sadios e os acometidos por AIC. Além disso, será analisado o código químico dos gânglios celíaco, mesentérico cranial e caudal e dos neurônios entéricos. Cada grupo estará composto por cinco potros, de 1 a 60 dias de idade, machos, com um peso entre 38 e 80 kg. No grupo 1, animais controle, os potros serão da raça "Paint horse" ou sem raça definida (SRD), e no grupo 2, animais afetados pela doença, todos os potros da raça "Paint horse". Os animais serão provenientes do Hospital de Grandes Animais da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Botucatu, São Paulo, Haras do estado de São Paulo e criadores particulares. Após a eutanásia será realizada uma amostragem em multiestágios do íleo, utilizando o sistema "SURS" (Systematic Uniform Random Sampling). As amostras serão fixadas com solução de Karnovsky modificada (Solução de glutaraldeído 3% e formoldeído 1% em tampão cacodilato de sódio [0.125M; pH 7.4]). Serão coletados também os gânglios celíaco, mesentérico cranial e mesentérico caudal, após prévia perfusão com as mesmas soluções fixadoras. Serão investigados os seguintes parâmetros estereológicos: volume total de cada segmento intestinal (por meio da transformação do peso fresco em volume), densidade numérica de neurônios (utilizando o disector óptico), número total de neurônios, volume neuronal (utilizando o "vertical nucleator") e densidade de volume. Os mesmos parâmetros serão avaliados para os gânglios extrínsecos. A analise do código químico será feita identificando os receptores purinérgicos P2X2 combinado com NOS, Calretinina, Calbindina e ChAT. Para a avaliação genética, o DNA será isolado a partir de leucócitos provenientes do sangue periférico utilizando-se kit Qiagen e amplificado para verificar se a mutação do gene EDNRB está presente nos animais afetados.Palavras chave: estereologia, inervação gastrointestinal, aganglionose intestinal, eqüino. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
3-D technology aids in understanding fatal equine disease 
Tecnologia 3D ajuda a entender doença equina fatal