FAPESP Logo

Determinantes do aumento metabólico pós-prandial em Urutus, Bothrops alternatus (serpentes, Viperidae)

Beneficiário:

Instituição-sede da pesquisa: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro, SP, Brasil
Pesquisador responsável:

Denis Otavio Vieira de Andrade

Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia Comparada
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo: 09/03186-2
Vigência: 01 de setembro de 2009 - 31 de agosto de 2011
Vinculado ao auxílio:08/57712-4 - Instituto Nacional de Pesquisas em Fisiologia Comparada, AP.TEM
Assunto(s):

Serpentes

Digestão

Metabolismo

Resumo
O grupo das serpentes é formado por animais estritamente carnívoros, que ingerem suas presas inteiras, sem mastigação. Algumas espécies podem tolerar períodos prolongados de jejum intercalados com a ingestão ocasional de presas muito grandes em relação à sua massa corpórea. Tais espécies apresentam algumas das mais dramáticas especializações morfológicas, comportamentais e fisiológicas associadas com a alimentação dentre os vertebrados. Uma das consequências da ingestão de grandes massas de alimento é o excepcional aumento do metabolismo pós-prandial, referido como Ação Dinâmica Específica (ADE). A magnitude dessa resposta metabólica no período pós-prandial depende essencialmente do tamanho e da natureza do alimento, associado a fatores como o tamanho corpóreo dos animais e a temperatura do ambiente, entre outros. No entanto, raros são os trabalhos que caracterizaram a ADE de espécies de serpentes neotropicais e examinaram os fatores que potencialmente poderiam afetar esta resposta. Neste sentido, é ainda incerto se os padrões de resposta metabólica a ingestão do alimento em serpentes, idealizado com base em grupo restrito de espécies, pode ser generalizado para diferentes grupos filogenéticos e/ou ecologicamente diversos. Assim, o objetivo do presente estudo será investigar as determinantes proximais do aumento metabólico pós-prandial, bem como os efeitos no tamanho das presas na digestão da urutu-cruzeiro, Bothrops alternatus (Serpentes, Viperidae) verificando se a resposta destes animais se alinha ao padrão geral atualmente aceito para serpentes. Embora, a biologia alimentar desta espécie seja também caracterizada pela ingestão infrequente de presas relativamente grandes, ela é taxonomicamente diversa das espécies até então estudadas e pertence a um gênero altamente diversificado na região neotropical. Um segundo objetivo do presente trabalho será a avaliação dos efeitos metabólicos e energéticos da variação circadiana da temperatura sobre o processo digestivo. Embora os efeitos de regimes constantes de temperatura sejam bem conhecidos para serpentes, os potenciais efeitos de regimes oscilantes de temperatura (os quais se aproximam das condições naturais experimentadas pelos animais durante a digestão) permanecem completamente ignorados. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GAVIRA, RODRIGO S. B.; ANDRADE, DENIS V. Meal size effects on the postprandial metabolic response of Bothrops alternatus (Serpentes: Viperidae). Zoologia, v. 30, n. 3, p. 291-295, JUN 2013. Citações Web of Science: 1.
BUENO GAVIRA, RODRIGO SAMUEL; ANDRADE, DENIS VIEIRA. Temperature and thermal regime effects on the specific dynamic action of Bothrops alternatus (Serpentes, Viperidae). Amphibia-Reptilia, v. 34, n. 4, p. 483-491, 2013. Citações Web of Science: 0.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
RODRIGO SAMUEL BUENO GAVIRA. Determinantes do aumento metabólico pós-prandial em urutus, Bothrops alternatus (Serpentes, Viperidae). 2011. 60 f. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociências (Campus de Rio Claro). Rio Claro.
Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema:
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP