FAPESP Logo

Leucotrieno na suscetibilidade e resistência à infecção por Histoplasma capsulatum

Beneficiário:

Instituição: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Pesquisador responsável:

Lúcia Helena Faccioli

Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Processo: 08/01543-0
Vigência: 01 de julho de 2008 - 29 de fevereiro de 2012
Vinculado ao auxílio:02/12856-2 - Modulação das respostas imunes inata e adquirida por leucotrienos e prostaglandinas, AP.TEM
Assunto(s):

Fagocitose

Leucotrienos

Resumo
O Histoplasma capsulatum é um fungo dimórfico, patogênico e responsável pela histoplasmose, doença que pode levar às lesões pulmonares, caracterizada pelo acúmulo de leucócitos ao redor do fungo, resultando na formação de granulomas. A infecção ocorre principalmente pela inalação de conídios ou pequenos fragmentos de micélio que atingem os alvéolos pulmonares, onde se transformam em leveduras, que é a forma patogênica do fungo.Nos últimos anos, estudos referentes à função de leucotrienos (LTs) restringem-se não apenas à participação destes como mediadores da resposta inflamatória, mas também como substâncias capazes de modular a síntese e liberação de citocinas, e consequentemente a resposta imune. Além disso, também tem sido demonstrado sua participação nos mecanismos de defesa do hospedeiro contra agentes infecciosos, uma vez que ativam os mecanismos de fagocitose e atividade microbicida. Recentemente, demonstramos que altos níveis de LTB4 e LTC4 são produzidos no pulmão de animais infectados com H. capsulatum, e que estes mediadores têm importante papel na proteção do hospedeiro. A inibição da síntese destes mediadores, pelo tratamento dos animais infectados com composto MK 886, resultou na disseminação e proliferação do fungo em diferentes órgãos, diminuição da síntese de IFN-g, IL-2 e morte de 100% dos animais. Recentes trabalhos da literatura demonstram que a suscetibilidade ou resistência de diferentes linhagens de animais às determinadas infecções, como por exemplo, Leishmania amazonensis está associada aos níveis de produção de LTs. Células obtidas da linhagem BALB/c (suscetível) produzem menos LTs quando comparado com a produção destes mediadores por células da linhagem C3H/HePAS (resistente)[1]. No entanto, nada existe neste sentido sobre a participação de LTs em relação à resistência e suscetibilidade à infecção por H. capsulatum. Sabe-se, que animais da linhagem C57BL/6 são suscetíveis à infecção por H. capsulatum. Também, dados preliminares obtidos por nosso grupo de pesquisa demonstraram que animais da linhagem sv129 são mais resistentes à infecção do que aqueles da linhagem C57BL/6. Sendo assim, temos como objetivo neste projeto investigar se a resistência e suscetibilidade de camundongos das linhagens sv129 e C57BL/6, respectivamente, também está associada aos diferentes níveis de produção de LTs, e consequentemente modulação da resposta imune. Para investigar a hipótese do trabalho, ensaios in vivo e in vitro serão realizados. (AU)
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP