Busca avançada

Existência de Deus, natureza divina e a experiência do mal nos diálogos de Hume

Processo: 09/50691-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2009
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Filosofia - Epistemologia
Pesquisador responsável:Pedro Paulo Garrido Pimenta
Beneficiário:
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Deuses   Religiões primitivas   Moral   Crítica (filosofia)

Resumo

Podemos afirmar que o tratamento dado por Hume à relação entre divindade e mal moral no final da seção 8 da Investigação sobre-o Entendimento Humano (EHU) tem seu desenvolvimento mais profundo e sofisticado nos Diálogos sobre a Religião Natural. Embora Hume também trate desse tópico na seção 11 da EHU, a ampla e profunda crítica feita às pretensões levantadas pelo argumento do desígnio nos Diálogos oferece um efetivo desdobramento da questão abordada por Hume em EHU 8. O abandono em EHU 8 de uma inquirição mais detalhada do problema acerca da relação entre o mal e o Criador do mundo é compreensível. Com efeito, Hume pretendia ali tão somente argumentar em favor de uma instância de destinação dos juízos de responsabilidade moral. Daí ser aceitável a sua afirmação de que "não é possível explicar precisamente como a Divindade pode ser a causa mediata de todas as ações dos homens sem ser a autora do pecado e da maldade moral. Esses são mistérios que a simples razão natural e desassistida não está nem um pouco preparada para enfrentar, e, seja qual for o sistema que adote, encontrar-se-á envolvida em inextrincáveis dificuldades" (EHU8 §36). Certamente Hume não resolveu cabalmente essas dificuldades nos Diálogos, mas tentou enfrentá-las na medida em que uma "razão desassistida", isto é, sem apoio em dogmas religiosos, pode fazê-lo. A partir desse aspecto da crítica humana nos Diálogos, minha intenção será examinar em que medida o argumento do desígnio se vê comprometido com o reconhecimento do mal no mundo. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
MARÍLIA CÔRTES DE FERRAZ. Existência de Deus, natureza divina e a experiência do mal nos Diálogos de Hume. 2012. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.