FAPESP Logo

Heródoto, as tiranias e o pensamento político nas "histórias"

Beneficiário:

Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisador responsável:

Norberto Luiz Guarinello

Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - História Antiga e Medieval
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Processo: 05/57538-6
Vigência: 01 de setembro de 2006 - 30 de abril de 2008
Assunto(s):

História antiga

Historiografia

Ideologia política

Resumo
O projeto de pesquisa visa estudar a obra de Heródoto a partir de uma perspectiva política. Neste sentido, buscamos mostrar que já existe um pensamento político presente nas Histórias, embora específico. Ao contrário de Platão e Aristóteles - as grandes referências para o estudo da política no mundo antigo - que pensavam a política num plano teórico, idealizado; nossa hipótese é que, em Heródoto, esse pensamento se expressa de modo empírico, isto é, pautado por experiências políticas concretas do passado. Analisaremos, assim, a tirania como um estudo de caso para a verificação desta proposta. Assim, ao estudar Heródoto como um pensador político - abordagem pouco recorrente -, o trabalho poderá ainda contribuir para a compreensão do caráter contraditório e multifacetado da tirania em sua narrativa. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
CAMILA DA SILVA CONDILO. Heródoto, as tiranias e o pensamento político nas Histórias. 2008. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas São Paulo.
Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
X

Reporte um problema na página


Detalhes do problema:
CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP