Auxílio à pesquisa 17/12909-4 - Ictiologia, Peixes marinhos - BV FAPESP
Busca avançada
Ano de início
Entree

Diversidade e evolução de peixes de oceano profundo: DEEP-OCEAN

Processo: 17/12909-4
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa BIOTA - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência: 01 de março de 2018 - 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Taxonomia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Marcelo Roberto Souto de Melo
Beneficiário:Marcelo Roberto Souto de Melo
Instituição-sede: Instituto Oceanográfico (IO). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesq. associados:Anderson Garbuglio de Oliveira ; Christian Hoffmann ; Claudio de Oliveira
Assunto(s):Ictiologia  Peixes marinhos  Evolução química  Bioluminescência  Oceanos  Região Sul  Região Sudeste  Rio Grande 

Resumo

O oceano profundo é o maior ecossistema na terra, e possui condições extremas para vida devido à baixa temperatura, alta pressão e redução gradual da luz do sol, impossibilitando a produção de fotossíntese a partir de 200 m até a escuridão total de 1.000 m em diante. Estima-se que entre 10 e 15% da diversidade de peixes marinhos ocorra abaixo dos 500 metros. No Brasil, o projeto REVIZEE (1994-2004) criou um conhecimento básico sobre a diversidade de peixes de oceano profundo brasileiros, com registros de 734 espécies de Myxini, Chondrichtyes e Osteichthyes. Entretanto, o alto custo de equipamentos e navios oceanográficos necessários para expedições representou uma limitação para o desenvolvimento de projetos adicionais, deixando grandes áreas pouco amostradas e um número limitado de amostras depositado em coleções científicas úteis para revisões taxonômicas e análises moleculares. Durante o projeto DEEP-OCEAN (Diversidade e evolução dos peixes de oceano profundo), diferentes aspectos da biodiversidade de peixes de oceano profundo serão examinados. O objetivo geral é obter novas amostras de peixes e invertebrados, incluindo tecidos para análises moleculares, de profundidades entre 500 e 2.000 m, no Sul e Sudeste do Brasil e na elevação de Rio Grande. Os objetivos específicos incluem a realização de taxonomia, filogenia, biogeografia de peixes de água profunda, através de métodos tradicionais e caracterização molecular das espécies (DNA barcoding), e compreender os mecanismos de co-evolução dos compostos químicos (luciferinas e luciferases) e bactérias simbiontes em peixes bioluminescentes. Os arrastos serão realizados a bordo do N/Oc Alpha Crucis usando redes de arrasto de fundo e de meia água, em profundidades de 500 a 2.000 m. As expedições e análises serão desenvolvidas em parceria com os Drs. Anderson Oliveira (USP), Christian Hoffman (USP), Claudio Oliveira (UNESP), Paulo Sumida (IO-USP), Rodrigo Caires (candidato de pós-doutorado no IO-USP) e Tracey Sutton (Nova Southeastern University), além de alunos de graduação e pós-graduação. O projeto terá papel fundamental em gerar dados para melhorar a nossa compreensão dos impactos causados pelas indústrias pesqueira, de extração de petróleo e mineração na fauna de águas profundas do Atlântico Sul ocidental. (AU)