Busca avançada

INCT 2014: Instituto Nacional de Biomarcadores em Neuropsiquiatria (INBioN)

Processo: 14/50873-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de julho de 2017 - 30 de junho de 2023
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Convênio/Acordo: CNPq - INCTs
Pesquisador responsável:Wagner Farid Gattaz
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto de Psiquiatria Doutor Antonio Carlos Pacheco e Silva (IPq). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisadores principais:Orestes Vicente Forlenza
Auxílios(s) vinculado(s):17/17025-7 - Instituto Nacional de biomarcadores em neuropsiquiatria (inbion), AP.EMU
17/17259-8 - Instituto Nacional de biomarcadores em neuropsiquiatria (in-bion), AP.EMU

Resumo

A busca do substrato biológico das doenças neuropsiquiátricas é pré-requisito para o desenvolvimento de terapias mais eficazes e, sobretudo, de estratégias preventivas através do diagnóstico precoce. O insucesso até hoje das tentativas experimentais para identificar marcadores específicos para as diferentes doenças neuropsiquiátricas resulta, ao menos em parte, da falta de especificidade nas alterações globais da biologia cerebral para determinados quadros clínicos. Tal falta de especificidade está relacionada ao fato de que uma base genética comum pode estar ligada a anomalias comuns da estrutura e da função cerebral de doenças como a Esquizofrenia, o Transtorno Bipolar e a Doença de Alzheimer. Através da criação do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Biomarcadores em Doenças Neuropsiquiátricas (INBioN), objetivamos realizar um projeto integrativo reunindo cientistas no Brasil e no exterior de diferentes áreas na busca de uma melhor compreensão destas bases das doenças neuropsiquiátricas. Adotaremos estratégias experimentais considerando tanto as diferenças como as similaridades biológicas entre os diagnósticos destas três doenças, partindo da premissa de que uma base genética confere uma vulnerabilidade comum para distúrbios da maturação, da plasticidade e da função cerebrais, e que a interação desta base genética com fatores não-genéticos determina a patoplastia e as diferenças nas manifestações clínicas. Um grupo nuclear representativo de pacientes das 3 categorias diagnósticas será estudado antes da exposição a qualquer tipo de tratamento simultaneamente em 6 dimensões abrangentes (neuroquímica, neuroimagem, neuromodulação, neurocognição, genômica e proteômica), sendo depois seguido longitudinalmente a médio prazo. Os achados nestes grupos serão comparados com um grupo controle de indivíduos sadios pareados para variáveis demográficas. Através desta estratégia, identificaremos marcadores clínicos e biológicos para: detecção precoce de indivíduos com um risco aumentado para doenças neuropsiquiátricas de maneira geral; discriminação dos diferentes diagnósticos com uma especificidade maior, lançando luz sobre a compreensão dos mecanismos causais de cada uma destas três doenças; e definição de índices preditivos de resposta terapêutica e prognóstico a médio prazo. Além disso, correlacionaremos os achados de alterações em cada uma destas seis abordagens, buscando identificar combinações de marcadores específicos que possam guiar mudanças de conduta clínica. Por fim, exploraremos as seguintes linhas adicionais: investigações de indivíduos da população geral com transtornos subclínicos, que apresentam sintomas psiquiátricos esporádicos, permitindo-nos investigar estádios de transição para esclarecer o continuum entre saúde e doença nas dimensões clínicas e neurodiagnósticas, a fim de fornecer instrumentos confiáveis para o diagnóstico precoce e o desenvolvimento de estratégias preventivas das doenças em questão; estudos clínicos de acompanhamento longitudinal com idosos saudáveis e indivíduos com transtorno cognitivo leve testando a eficácia de tratamentos inovadores; avaliação de alterações moleculares e bioquímicas em cérebros post-mortem de pacientes com Esquizofrenia, Transtorno Bipolar ou Doença de Alzheimer e controles sadios, a fim de desvendar vias moleculares e bioquímicas desreguladas comuns e diferenciais em doenças psiquiátricas maiores; e comparações de resultados centrais e periféricos de humanos com os resultados de expressão gênica em modelos animais transgênicos para elucidar os efeitos de genes de risco de desordens psiquiátricas em um nível molecular, numa abordagem translacional. A exequibilidade deste projeto multidimensional exige uma organização sofisticada, com recursos humanos de alto nível e uma rede integrada de laboratórios de altíssima complexidade, compatível com a solidez de estrutura e financiamento proporcionados para os INCTs. Esta estrutura nos dá condições de incrementar o impacto mundial das publicações cientificas produzidas ao longo dos próximos anos, fomentar a participação de parceiros internacionais nestas publicações, e gerar produtos com potencial de proteção intelectual e comercialização, como kits diagnósticos ou novas estratégias terapêuticas. Além disso, de forma completamente integrada à geração de novos conhecimentos científicos, a criação do nosso INCT também alavancará fortemente atividades de formação de recursos humanos nos nossos centros no Brasil e no exterior, bem como atividades de transferência de conhecimentos para a sociedade, através da divulgação dos achados de pesquisa sobre biomarcadores de maneira apropriada, por profissionais capacitados e experientes neste tipo de comunicação. (AU)