Busca avançada

INCT 2014: para o controle biorracional de insetos pragas e fitopatógenos

Processo: 14/50918-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Temático
Vigência: 01 de julho de 2017 - 30 de junho de 2023
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Convênio/Acordo: CNPq - INCTs
Pesquisador responsável:Maria Fátima das Graças Fernandes da Silva
Beneficiário:
Instituição-sede: Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia (CCET). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos, SP, Brasil
Pesquisadores principais:Antonio Gilberto Ferreira ; Edson Rodrigues Filho ; Fernando Carlos Pagnocca ; José Djair Vendramim ; Sérgio Florentino Pascholati
Assunto(s):Biologia  Insetos  Pragas de plantas  Fitopatógenos 

Resumo

O Programa Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), lançado em julho de 2008 pelo Ministério da Ciência e Tecnologia - CNPq, com a colaboração da FAPESP, recrutaram cientistas para trabalharem em redes de pesquisa em áreas estratégicas para o desenvolvimento sustentável do país. Assim, a UFSCar agregou os melhores grupos de pesquisa da área Ecologia Química, de cinco estados e sete instituições para trabalharem em redes a fim de transformar o Brasil em um país modelo para o controle de insetos com baixo impacto ao meio ambiente, e criou o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para o Controle Biorracional de Insetos Pragas (INCT-CBIP). A sede do INCT-CBIP está localizada no DQ-UFSCar. O INCT-CBIP foi fundado em dezembro de 2008 e está envolvido em Ensino, Pesquisa, Inovação e Extensão, orientado para a formação de pesquisadores qualificados e para a geração de conhecimentos de produtos agroquímicos através das seguintes linhas de pesquisa: i) produtos naturais como fontes de novos pesticidas; ii) modificações semissintéticas; iii) o modo de ação de pesticidas sintéticos e naturais por inibição de enzimas: enzimas imobilizadas em reatores; iv) a nanotecnologia para melhorar a atividade, solubilidade e estabilidade; v) as doenças cítricas e mecanismos de resistência. A formação de recursos humanos qualificados foi um dos objetivos principais do INCT-CBIP e se reflete no número significativo de alunos de mestrado e doutorado formados e pós-doutorados concluídos. No total, 3 alunos por pesquisador por ano concluíram o curso, um valor acima da média. Esse valor aparece em programas avaliados pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento do Ensino Superior) como excelente. Os resultados já obtidos representam uma contribuição significativa, três publicações por pesquisador por ano, o que está acima da média. Esse valor aparece em programas avaliados pela Capes como excelente (nível 7, como o programa do Departamento de Química - UFSCar). Várias patentes foram aprovadas, e nós temos um produto no mercado e duas patentes sendo desenvolvidas por duas empresas. O INCT-CBIP vem usando o conhecimento e experiência científica para melhorar as práticas de manejo de pragas para o benefício de todos os brasileiros e ao meio ambiente. O INCT-CBIP tem conseguido atender às várias necessidades do produtor, fornecendo soluções de gestão de pragas específicas, as quais levam à competitividade, à produção agrícola sustentável e gestão ambiental. No entanto, devido ao clima tropical o número de insetos na Agricultura brasileira é muito grande e, portanto, o desafio continua. O número de insetos e microrganismos que o INCT-CBIP foi capaz de avaliar é pequeno em comparação com o total de pragas em nossa Agricultura. Muitas espécies de pragas são excepcionalmente bem equipadas para responder às pressões ambientais por causa de seu tempo curto de geração e grande potencial reprodutivo. O uso de sprays químicos para controlar as doenças causadas por insetos e fungos constitui um potente stress ambiental. Hoje temos muitos exemplos de pragas que desenvolveram resistência a um ou mais pesticidas. Além disso, são poucos os novos pesticidas desenvolvidos e comercializados para os insetos e microrganismos, isto devido ao alto custo para a sua descoberta e a exigência de anos de pesquisas continua e pesada. Devido a estes desafios, os pesquisadores precisam considerar todas as rotas possíveis para se desenvolver novos pesticidas - por esta razão, fortemente defendemos a expansão das pesquisas do nosso INCT-CBIP. Assim, o novo INCT para o Controle Biorracional de Insetos Pragas e Fitopatógenos (INCT-CBIPF) pretende desenvolver estratégias para o controle de alguns insetos pragas da soja, maracujá e patógenos de citros, bem como ampliar os estudos com algumas pragas já avaliadas no INCT em andamento. O novo INCT será expandido a uma rede internacional e pretende continuar com as linhas de pesquisa acima (i-v), ampliando-as e inovando com tecnologias atuais. Em estudos de manejo de insetos pragas pretendemos desenvolver estratégias para o controle integrado de pragas da soja. Nos insetos, os microrganismos que vivem em seu trato intestinal podem desempenhar vários papéis, entre eles auxiliando na conversão de substratos ingeridos aos nutrientes que são necessários para as suas várias fases de desenvolvimento até seu estágio adulto e reprodutivo. A inibição da ação de microrganismos endosimbionte pode ser uma rota alternativa para o controle seletivo e eficiente de insetos herbívoros, assim, vamos explorar também esta nova metodologia. O modo de ação de pesticidas naturais e sintéticas, através da inibição de enzimas será expandido: às enzimas xantina oxidase, butirilcolinesterase, catepsina; aos estudos de interações ligante-alvo por espectroscopia de ressonância magnética nuclear; aos estudos genéticos de catepsina e sintase de quitina de formigas. Nos estudos sobre doenças de citros iremos avaliar novos fitopatógenos, e também propomos a aumentar o acumulo de flavonoides nos tecidos de citros, através da superexpressão transgênica de dois fatores de transcrição, prováveis ativadores da via metabólica de flavonoides. Casca de laranja representa uma promissora fonte de flavonoides e um milhão de toneladas de resíduos de casca são geradas como resultado de processamento da fruta. O conceito de biorrefinaria integra condições para a conversão de biomassa em vários produtos de valor agregado, assim, essa tecnologia será usada para a extração de flavonoides a partir de resíduos de citros. (AU)