Busca avançada
Ano de início
Entree

Tecnologia de cura em ambiente saturado de CO2 para elementos construtivos à base de fibrocimento

Processo: 13/50897-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Parceria para Inovação Tecnológica - PITE
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia Civil - Construção Civil
Pesquisador responsável:Holmer Savastano Junior
Beneficiário:Holmer Savastano Junior
Instituição-sede: Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA). Universidade de São Paulo (USP). Pirassununga, SP, Brasil
Empresa: Infibra S/A
Pesquisadores principais:Rafael Giuliano Pileggi ; Vanderley Moacyr John
Auxílios(s) vinculado(s):16/02105-2 - EMU concedido no processo 2013/50897-7: autoclave cilíndrica, horizontal, AP.EMU
Assunto(s):Asbestos  Materiais compósitos  Telhas 

Resumo

O objetivo desta pesquisa é desenvolver uma nova tecnologia utilizando ambiente com excesso de CO2 para cura de produtos de cimento reforçados com fibras de celulose e sintéticas, focando a produção de telhas onduladas. Entretanto as fibras sintéticas, normalmente utilizadas em associação com as celulósicas, são muito caras, aumentando muito o custo do produto final. Adicionalmente, existem problemas tanto de instabilidade dimensional destes produtos de fibrocimento como de fissuras causadas pela retração durante sua secagem. A presente tecnologia pretende diminuir gradualmente a utilização das fibras sintéticas e com isso diminuir drasticamente o custo de matéria-prima dos fibrocimentos sem amianto. A parceria da universidade (USP) com empresas de capital nacional (Infibra e Imbralit) é uma resposta a essa demanda por novos processos e produtos de cimento reforçado com fibras, e adequados ao consumo brasileiro de materiais para cobertura, fachadas, divisórias e paredes do módulo construtivo "dry wall". É ainda a via para formação de mão-de-obra qualificada para a expansão do mercado de fibrocimentos no Brasil. As principais etapas deste projeto são: (i) benchmarking; (ii) adaptação de novo processo de cura (em escala piloto) na indústria e análise das propriedades físico-mecânicas; (iii) reformulação do compósito fibroso, pela seleção e adequação das fibras e da matriz rimentícia, em cada empresa parceira (Infibra e Imbralit); (iv) determinação das propriedades químicas e microestruturais do novo material para caracterização do seu desempenho em relação às normas técnicas do setor, e (v) estudo da sua durabilidade e estabilidade no longo prazo (simulação da exposição a intempéries). (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Pesquisadores da USP investigam o potencial de uso dos resíduos agroindustriais 
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acesso desta página, clique aqui.