Busca avançada

Papel da ativação da micróglia em astrocitomas humanos

Processo: 13/06315-3
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2014 - 31 de janeiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Suely Kazue Nagahashi Marie
Beneficiário:
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesq. associados:Esper Georges Kallás ; Guilherme Alves Lepski ; Manoel Jacobsen Teixeira ; ; Sueli Mieko Oba Shinjo
Assunto(s):Neoplasias cerebrais  Glioblastoma  Macrófagos  Microglia  Astrocitoma  Células-tronco neurais 

Resumo

Glioblastoma (GBM) é um tipo agressivo de tumor cerebral caracterizado por infiltração no cérebro normal. Os GBMs são geralmente resistentes à quimioterapia e à radiação. Após ressecção cirúrgica e tratamento, ocorre recorrência do tumor em praticamente todos os pacientes nos primeiros anos após o diagnóstico, resultando em uma sobrevida e prognóstico ruins. Em GBM, uma pequena parcela das células foi identificada com características próprias de células tronco neurais, as chamadas células tronco de glioblastoma (GSC). GSCs compartilham características com as células tronco neurais, como auto-renovação e potencial de diferenciação para multi-linhagens. Estudos sugerem que essas GSC são as responsáveis pelo início da progressão tumoral altamente resistente à terapia. O microambiente é reconhecidamente um fator importante na determinação da progressão tumoral. Em GBMs, o microambiente contém astrócitos, neurônios, e, mais importante, macrófagos residentes do cérebro, chamados micróglia. Essas células da micróglia são as células imunes do Sistema Nervoso Central que reagem a distúrbios na homeostase secretando citocinas pró-inflamatórias.A ativação aberrante da micróglia contribui para a neuro-degeneração em doenças como Parkinson. Em GBMs, as células da micróglia foram amplamente estudadas no contexto da resposta imune, enquanto que as consequências de sua resposta inflamatória na proliferação, resistência ao tratamento, migração e invasão de células de glioma não foram exploradas. Diversos estudos demonstraram a ativação da micróglia em células de GBMs humanos. Além disso, células de GBM podem induzir a ativação pró-inflamatória da micróglia. Nesse estudo, propomos estudar o papel inflamatório da micróglia na progressão do GBM. Nossa hipótese é que a ativação diferencial da micróglia a sua atividade parácrina tenha efeito na agressividade do GBM. Esse é um estudo colaborativo entre a Universidade de Groningen e a Universidade de São Paulo, que inclui um acordo de transferência de tecnologia e uma bolsa de Doutorado custeada pela Universidade de Groningen por dois anos. Estamos submetendo esse projeto para análise da FAPESP com o objetivo de obter suporte financeiro para os dois anos da bolsa de Doutorado aqui no Brasil, bem como para a análise das amostras brasileiras. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Estudo de células do sistema nervoso pode ajudar a desvendar doenças degenerativas 

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GIMENEZ, MARCELA; NAGAHASHI MARIE, SUELY KAZUE; OBA-SHINJO, SUELI; UNO, MIYUKI; IZUMI, CLARICE; OLIVEIRA, JOAO BOSCO; ROSA, JOSE CESAR. Quantitative proteomic analysis shows differentially expressed HSPB1 in glioblastoma as a discriminating short from long survival factor and NOVA1 as a differentiation factor between low-grade astrocytoma and oligodendroglioma. BMC CANCER, v. 15, JUN 25 2015. Citações Web of Science: 5.
ISABELE FATTORI MORETTI; ROSELI SILVA; SUELI MIEKO OBA-SHINJO; PRISCILA OLIVEIRA DE CARVALHO; LAIS CAVALCA CARDOSO; ISAC DE CASTRO; SUELY KAZUE NAGAHASHI MARIE. The impact of interleukin-13 receptor expressions in cell migration of astrocytomas. MedicalExpress (São Paulo, online), v. 2, n. 5 Out. 2015.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.