Busca avançada

O papel exercido pelos núcleos dorsal e mediano da rafe sobre a modulação de respostas relacionadas ao estresse e à ansiedade

Processo: 13/17389-8
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de dezembro de 2013 - 30 de novembro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Fisiológica
Pesquisador responsável:Milena de Barros Viana
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto de Saúde e Sociedade (ISS). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Baixada Santista. Santos, SP, Brasil
Pesq. associados:Isabel Cristina Céspedes ; Liana Lins Melo
Assunto(s):Psicobiologia  Núcleos da rafe  Serotonina  Imuno-histoquímica  Estimulação encefálica profunda  Estresse psicológico  Ansiedade 

Resumo

O conceito de estresse baseia-se na observação de que diferentes tipos de estímulos (externos ou internos) que possam ameaçar a homeostase/alostase do organismo, acarretam um conjunto de alterações corporais: denominado "síndrome de adaptação geral". O termo estímulo ou agente estressor corresponde aos eventos ou circunstâncias que são percebidos como aversivos pelo indivíduo, gerando a chamada "condição de estresse", que desencadeia respostas viscerais, neuroendócrinas e comportamentais. Este conjunto de respostas visa a manutenção da homeostase/alostase corporal, e por si, não são alterações patológicas. Entretanto, quando a estimulação aversiva se dá por período prolongado ou excede a capacidade do organismo de manter a homeostase/alostase, o estresse pode acarretar sequelas patológicas. Um dos principais sistemas de neurotransmissão que parece encontrar-se desregulado em transtornos relacionados ao estresse, como a ansiedade e a depressão, é o sistema serotonérgico, oriundo dos núcleos da rafe. O objetivo geral do presente trabalho é investigar o papel exercido pelos núcleos dorsal e mediano da rafe sobre a modulação de respostas comportamentais e fisiológicas relacionadas ao estresse e à ansiedade. Para tanto, em um primeiro experimento, ratos Wistar machos passarão por um procedimento de estresse agudo (restrição por 30 min) ou por um procedimento de estresso crônico brando e imprevisível (ECBI, ao longo de 14 dias consecutivos). Animais controle permanecerão na sala de guarda do laboratório pelo mesmo período. Vinte e quatro horas após os estímulos estressores, os animais serão eutanasiados por perfusão transcardíaca para a retirada dos seus encéfalos. Será realizado então um estudo imunoistoquímico de dupla marcação para a proteína Fos e para a enzima triptofano hidroxilase (Trp-OH) para a verificação detalhada da ativação de neurônios serotonérgicos nas estruturas supracitadas. Para o núcleo dorsal da rafe, será adotada a divisão funcional da estrutura em subnúcleos recentemente proposta. Em um segundo estudo, será investigado se a estimulação de dois subnúcleos específicos do dorsal da rafe, o subnúcleo dorsal e as asas laterais, através da utilização da técnica de Deep Brain Stimulation (DBS), altera diferentemente o comportamento dos animais expostos às tarefas de esquiva e fuga do modelo do labirinto em T elevado. Estas duas respostas tem sido associadas, respectivamente, aos transtornos de ansiedade generalizada e pânico. Além da análise comportamental, o projeto investigará os efeitos do DBS sobre a ativação de áreas encefálicas relacionadas à defesa, por meio da análise da imunorreatividade à proteína Fos. Acredita-se que este estudo colaborará para um melhor entendimento da fisiopatologia das vias neurais envolvidas nos processos de estresse e ansiedade. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Estimulação cerebral profunda pode ser alternativa contra ansiedade 

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
SILVA, MARIANA S. C. F.; SOUZA, THAISSA M. O.; PEREIRA, BRUNO A.; RIBEIRO, DANIEL A.; CESPEDES, ISABEL C.; BITTENCOURT, JACKSON C.; VIANA, MILENA B. The blockage of ventromedial hypothalamus CRF type 2 receptors impairs escape responses in the elevated T-maze. Behavioural Brain Research, v. 329, p. 41-50, JUN 30 2017. Citações Web of Science: 0.
WSCIEKLICA, TATIANA; SILVA, MARIANA S. C. F.; LEMES, JESSICA A.; MELO-THOMAS, LIANA; CESPEDES, ISABEL C.; VIANA, MILENA B. Deep brain stimulation of the dorsal raphe inhibits avoidance and escape reactions and activates forebrain regions related to the modulation of anxiety/panic. Behavioural Brain Research, v. 321, p. 193-200, MAR 15 2017. Citações Web of Science: 1.
LOPES, DANIELLE A.; LEMES, JESSICA A.; MELO-THOMAS, LIANA; SCHOR, HERBERT; DE ANDRADE, JOSE S.; MACHADO, CARLA M.; HORTA-JUNIOR, JOSE A. C.; CESPEDES, ISABEL C.; VIANA, MILENA B. Unpredictable chronic mild stress exerts anxiogenic-like effects and activates neurons in the dorsal and caudal region and in the lateral wings of the dorsal raphe nucleus. Behavioural Brain Research, v. 297, p. 180-186, JAN 15 2016. Citações Web of Science: 1.
SILVA, MARIANA S. C. F.; PEREIRA, BRUNO A.; CESPEDES, ISABEL C.; NASCIMENTO, JULIANA O. G.; BITTENCOURT, JACKSON C.; VIANA, MILENA B. Dorsomedial hypothalamus CRF type 1 receptors selectively modulate inhibitory avoidance responses in the elevated T-maze. Behavioural Brain Research, v. 271, p. 249-257, SEP 1 2014. Citações Web of Science: 7.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.