Busca avançada

Dimensions US-BIOTA São Paulo: integrando disciplinas para a predição da biodiversidade da Floresta Atlântica no Brasil

Processo: 13/50297-0
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa BIOTA - Temático
Vigência: 01 de setembro de 2013 - 31 de agosto de 2018
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Biologia Geral
Convênio/Acordo: NSF - Dimensions of Biodiversity e BIOTA
Pesquisador responsável:Cristina Yumi Miyaki
Beneficiário:
Pesq. responsável no exterior: Ana Carolina O. Queiroz Carnaval
Instituição no exterior: City University of New York (CUNY), Estados Unidos
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Pesquisadores principais:Francisco William da Cruz Junior ; Ricardo Pinto da Rocha
Bolsa(s) vinculada(s):17/01211-6 - Genômica populacional e demografia histórica comparada de aves da Mata Atlântica: um teste da hipótese dos refúgios e do papel da distribuição altitudinal na filogeografia, BP.MS
16/15807-5 - Reconstituição paleoclimática e paleoambiental do último período glacial no centro-oeste brasileiro, BP.PD
15/25325-5 - Evolução dos aracnídeos da ordem Opiliones na Floresta Atlântica brasileira: uma abordagem em nível de populações até níveis taxonômicos elevados (Arachnida, Opiliones, Gonyleptidae), BE.PQ
+ mais bolsas vinculadas 15/14327-7 - Paleoclimatologia e estudo da dinâmica atual em sistemas cársticos do Brasil Central: implicações para interpretações paleoclimáticas com base em registros de espeleotemas, BP.PD
15/03615-1 - Dimensões US-BIOTA - São Paulo: um quadro multidisciplinar para a previsão da biodiversidade no hotspot Mata Atlântica brasileira, BP.TT
14/10914-2 - Troca de fauna entre as florestas Atlântica e Amazônica: filogenia e biogeografia dos gêneros Xipholena e Cotinga (Passeriformes: Cotingidae) baseado em milhares de locos, BP.PD
14/07407-1 - Dimensions US-BIOTA São Paulo: integrando disciplinas para a predição da biodiversidade da Floresta Atlântica no Brasil, BP.TT
13/24645-0 - Zona híbrida e demografia histórica comparada de três espécies de aves em uma zona de contato na Floresta Atlântica, BP.DR
13/23736-2 - Diversidade alfa, beta, funcional e filogenética de opiliões na Mata Atlântica: padrões e relação com fatores ecológicos e históricos, BP.PD
12/08576-6 - Parasitas de Malária em um suboscine Sul Americano: avaliando a influência da distância geográfica e filogeografia do hospedeiro na prevalência, diversidade, e organização da comunidade de parasitas dentro e entre regiões biogeográficas, BP.PD - menos bolsas vinculadas
Assunto(s):Ecologia vegetal  Evolução vegetal  Geologia  Botânica (classificação) 

Resumo

Será utilizado um processo de teste de hipótese para prever padrões espaciais de Biodiversidade na megadiversa e acessível, porém ameaçada Mata Atlântica (MA) do Brasil. Como forma de caracterizar padrões espaciais de diversidade, serão gerados e integrados: 1. Novos conjuntos de dados de clima e de cobertura vegetal baseados em sensoriamente remoto e combinados com dados meteorológicos, 2. Dados de localidades, filogenia e análises genômicas de mais de 30 famílias de plantas, vertebrados e invertebrados, 3. Informação sobre características funcionais (fisiologia) e interações bióticas, e 4. Informação paleoambiental oriunda de registros geológicos, incluindo o de pólen fóssil e os isótopos de espeleotemas (para inferir mudanças na precipitação baseadas em depósitos em cavernas). Para descrever padrões espaciais de diversidade na MA, faremos a síntese de como a diversidade taxonômica está distribuída espacialmente pela integração de dados de produtores, consumidores, parasitas e bactérias simbiontes. Vamos expandir análises filogenéticas e compilar padrões gerais de endemismo e mudanças (turnover), ao nível de espécies e linhagens. Como forma de avançar a predição de biodiversidade, informações sobre mecanismos ecológicos da fauna e flora da MA (a dimensão funcional da diversidade) serão integradas com modelos climáticos dinâmicos para descrever a variabilidade de precipitação e temperatura durante os últimos seis ciclos glaciais-interglaciais. Esses modelos serão obtidos baseados em estudos paleoclimatológicos que incluirão nossos dados de pólen e espeloetemas fósseis. Por meio de métodos de Computação Bayesiana Aproximada serão utilizados dados de diversidade genética e genômica (Ultra Conserved Elements) dos múltiplos táxons para testar estatisticamente quanto o conjunto dessas histórias populacionais são concordantes com as mudanças ambientais e os processos demográficos. Estes modelos permitirão descrever diferenças entre comunidades devido a mudanças geográficas e ambientais no tempo. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Análise de sedimentos de cratera reconstituirá 1 milhão de anos da Mata Atlântica 
Perda de hábitat não afeta igualmente a diversidade de aves da Mata Atlântica 
Lagarto predador entra clandestinamente no Brasil 
Nome de nova espécie de opilião homenageia personagem de <i>O Senhor dos Anéis</i> 
Mudanças climáticas devem reduzir espécies de anfíbios da Mata Atlântica 
Pesquisa relaciona especiação na Mata Atlântica e na Amazônia à incidência de energia solar 
Modelo pode ajudar a prever como espécies da Mata Atlântica responderão às mudanças climáticas 
Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio:
Geogenomics 
Para entender a origem da floresta