Busca avançada

Habitação social em madeira de reflorestamento como alternativa econômica para usos múltiplos da floresta

Processo: 98/14124-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisa em Políticas Públicas
Vigência: 01 de novembro de 1999 - 30 de novembro de 2004
Área do conhecimento:Interdisciplinar
Pesquisador responsável:Akemi Ino
Beneficiário:
Instituição-sede: Escola de Engenharia de São Carlos (EESC). Universidade de São Paulo (USP). São Carlos, SP, Brasil
Instituição parceira: Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). Fundação Florestal - Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo
Bolsa(s) vinculada(s):03/07214-4 - Habitação social em madeira de reflorestamento como alternativa econômica para usos múltiplos da floresta, BP.TT
03/07215-0 - Habitação social em madeira de reflorestamento como alternativa econômica para usos múltiplos da floresta, BP.TT
Assunto(s):Politica florestal  Madeira  Reflorestamento  Habitação 
Publicação FAPESP:http://media.fapesp.br/bv/uploads/pdfs/Pesquisa...publicas_183_144_144.pdf

Resumo

Grupo de pesquisa em habitação (GHab) formado por pesquisadores e estudantes da EESC/USP e da Universidade Federal de São Carlos vem desenvolvendo projetos na área de habitação social em madeira e terra crua. Entre os projetos realizados destacam-se: 1) construção de 410 unidades habitacionais utilizando madeira de rejeito comercial em Cuiabá-MT; 2) desenvolvimento de edificação, experimental em eucalipto financiado pelo CNPq; 3) desenvolvimento de esquadrias de madeira de reflorestamento financiado pela FINEP; 4) desenvolvimento de edificação protótipo em pinus em Campos do Jordão-SP, em parceria com Instituto Florestal; 5) habitação social, concepção arquitetônica e produção de componentes de madeira de reflorestamento e em terra crua com financiamento da FAPESP. A parceria com a Fundação Florestal que trabalha há sete anos para implementação de uma política de recuperação florestal, lançado em 1992 estabelece a meta de recuperação de 3,7 milhões de hectares e aula três grandes linhas operacionais, estrategicamente equilibradas: a conservação da biodiversidade, a utilização sustentável dos recursos naturais florestais através da exploração econômica e educação ambiental como ferramenta para a conscientização da população para o seu papel como beneficiário e agente do processo, permitirá ao estudo alternativas de novos mercados, principalmente para habitação social, ampliando a oferta de produtos florestais que resultem em melhores benefícios econômicos advindos desta atividade. Para análise da viabilidade de utilização de madeira de reflorestamento pretende-se estabelecer parcerias com prefeituras da região sudoeste do estado de São Paulo. A prefeitura de Itapeva já manifestou interesse e adesão a este projeto. (AU)