Busca avançada

Efeito da hemopressina - agonista inverso de receptores canabinoides do tipo 1 - na neuropatia induzida por diabetes mellitus em camundongos

Processo: 12/50176-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2012 - 30 de novembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia de Órgãos e Sistemas
Pesquisador responsável:Camila Squarzoni Dale
Beneficiário:
Instituição-sede: Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Neuropatias diabéticas  Analgesia 

Resumo

A neuropatia periférica causada por diabetes mellitus é uma das complicações mais comuns do diabetes, atingindo cerca de 50% dos pacientes portadores da doença. Um dos sintomas mais proeminentes desta neuropatia é o desenvolvimento da dor que envolve as extremidades e ocorre como uma resposta exagerada tanto para estímulos nocivos (hiperalgesia) quanto para estímulos leves ou não dolorosos (alodínia). Os mecanismos celulares envolvidos nesta patologia envolvem múltiplos fatores,- sendo ainda pouco compreendidos. O tratamento da dor neuropática associada à neuropatia diabética é inadequado e insatisfatório. Uma das opções terapêuticas que vem ganhando aceitação clínica é o uso de compostos moduladores de receptores canabinoides. Dados obtidos por nosso grupo demonstram que a hemopressina, um agonista inverso de receptores CB1, inibe a resposta nociceptiva de ratos em modelo de dor neuropática. Este projeto visa identificar o potencial terapêutico do tratamento com hemopressina sobre a dor neuropática em modelo de diabetes induzida por esptreptozotocina em camundongos. Para tanto será verificado o efeito da hemopressina sobre a sensibilidade dolorosa dos animais em modelos ín vivo de avaliação da sensibilidade dolorosa. Para compreensão dos mecanismos envolvidos na inibição da dor serão avaliados parâmetros histológicos e bioquímicos de regeneração neuronal. A ativação de células da glia bem como a expressão de receptores CB1 será realizada em ensaios in vitro de imuno-histoquimica, immunoblotting e ELISA em slice, os quais sinalizarão o grau de síntese proteica, bem como os possíveis receptores envolvidos, fornecendo dados dos efeitos locais e de circuitos à distância do efeito da hemopressina. Os dados obtidos permitirão a elucidação da eficácia de um peptídeo agindo diretamente em receptores CB1, proporcionando ferramentas adicionais para a compreensão da modulação do sistema endocanabinoide, bem como o descobrimento de novas estratégias terapêuticas eficazes no tratamento de patologias envolvendo receptores canabinoides. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Tratamento experimental inibe a dor de animais com neuropatia diabética