FAPESP Logo

Conteúdo relacionado

    Artrodese da articulação interfalangeana proximal de equinos: avaliação biomecânica comparativa da técnica com placa de compressão dinâmica de 4.5mm e dois parafusos oblíquos transarticulares de 5.5mm e placa em "Y" de compressão bloqueada de 5.0 m

    Pesquisador responsável:

    André Luis do Valle De Zoppa

    Beneficiário:

    Instituição-sede da pesquisa: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, SP, Brasil
    Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
    Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
    Processo: 11/13913-9
    Vigência: 01 de novembro de 2011 - 31 de outubro de 2013
    Assunto(s):

    Equinos

    Artrodese

    Biomecânica

    Parafusos ósseos

    Articulações

    Resumo
    As claudicações são a principal causa de encaminhamento de cavalos aos médicos veterinários e uma das maiores causa de encaminhamento destes animais aos hospitais de referência; sendo as fraturas, especialmente aquelas de ossos longos e articulares, as que têm menor índice de sucesso devido ao prognóstico e alto custo do tratamento; entendendo como sucesso o retorno do cavalo ao trabalho prévio ou pelo menos ter qualidade de vida. A articulação interfalangeana proximal (AIP) dos equinos é clinicamente importante devido à apresentação freqüente de claudicação com lesões que comprometem a vida esportiva e utilidade do cavalo. O objetivo desta pesquisa é comparar biomecanicamente as características de duas técnicas de artrodese da articulação interfalangeana proximal em equinos, utilizando-se placa de compressão dinâmica (DCP) de 4.5mm em combinação com dois parafusos corticais oblíquos inseridos pela técnica de compressão (lag screw) e placa em "Y" de compressão bloqueada (LCP) de 5.0 mm e sete orifícios com um parafuso cortical obliquo transarticular inserido pela técnica de parafuso compressivo. Serão utilizadas doze peças anatômicas de membros anteriores de equinos, das quais será isolada a porção distal do membro desde a primeira falange até o casco, conservando as estruturas peri articulares, tais como, ligamentos, tendões e cápsula articular. Uma vez preparadas as peças, será realizada a técnica de artrodese com os dois tipos de placas, gerando dois grupos com seis peças cada um. O passo seguinte será submeter os modelos experimentais a ensaios biomecânicos de forças de compressão axial, onde será avaliado o tipo de falha ocorrida na placa e nos parafusos, como também a força à qual ocorrem tais falhas. Os resultados serão analisados e confrontados estatisticamente utilizando-se o teste t pariado. (AU)

    CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

    R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
    cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP