FAPESP Logo

Conteúdo relacionado

    Diversidade genética e seleção de matrizes com testes de progênies da palmeira macaúba para produção de biodiesel

    Processo: 11/13182-4
    Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Programa BIOEN - Regular
    Vigência: 01 de outubro de 2011 - 28 de fevereiro de 2014
    Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
    Pesquisador responsável:Carlos Augusto Colombo
    Beneficiário:
    Instituição-sede: Instituto Agronômico (IAC). Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). Campinas, SP, Brasil
    Pesq. associados: Cássia Regina Limonta Carvalho ; Joaquim Adelino de Azevedo Filho ; Ricardo Marques Coelho ; Walter José Siqueira
    Assunto(s):

    Melhoramento genético vegetal

    Parâmetros genéticos

    Palmeiras

    Macaúba

    Biocombustíveis

    Sustentabilidade

    Agricultura familiar

    Resumo
    Existe grande descompasso entre a oferta e a necessidade de biodiesel no Brasil, onde estimativas oficiais apresentam valores de déficit da ordem de 800 milhões de litros anuais. Visando atender a essa demanda, o grande desafio é conciliar a expansão de áreas de oleaginosas e cana-de-açúcar com a ocupação ordenada e sustentável do espaço agrícola. Nesse cenário, destacamos a palmeira macaúba (Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart.). É uma das principais fontes potenciais brasileiras para produção de biodiesel a partir dos seus frutos. Espécie nativa, pioneira, de ocorrência espontânea nas áreas tropicais e subtropicais das Américas, desde o sul do México até o sul do Brasil e, portanto, em quase todo território brasileiro, e de elevada rusticidade. Nos últimos três anos iniciamos estudos inéditos de caracterização dos ambientes e da diversidade genética de populações de ocorrência espontânea no estado de São Paulo por meio de descritores agro-morfológicos e de marcadores microssatélites (Projeto Fapesp 05/56931-6). Foi constatada a ocorrência de grandes maciços da espécie em praticamente todo o estado, sobretudo na borda de matas, pastos ou em áreas marginais de relevo acidentado. De acordo com estimativas obtidas de nossas coletas, genótipos dessa palmeira podem produzir 10 mil litros de óleo por hectare/ano em condições competitivas de cultivo. Comparada a outras culturas, a soja produz 420 litros, o girassol 890 litros e a mamona 1320 litros de óleo por hectare/ano. Assim, a presente proposta tem por objetivo finalizar as avaliações de diversidade genética da espécie e eleger as melhores plantas matrizes para iniciar avaliações de suas progênies em três ambientes. Para tanto, serão considerados dados de descritores agro-morfológicos, de fenologia e de composição e rendimento de óleo dos seus frutos, tanto da polpa como da amêndoa. Nessa fase do estudo serão coletados dados de nutrição das plantas escolhidas como matrizes ao longo do tempo, pois há indícios de que a planta possua comportamento bianual de produção. Paralelamente, serão realizados estudos de caracterização da diversidade genética de plantas do São Paulo em relação à diversidade da espécie, representada por plantas de A. aculeata de outros estados brasileiros e países onde a macaúba corre naturalmente, por meio de marcadores microssatélites. Também, será verificada a ocorrência de híbridos naturais entre A. aculeata e A. totai na região onde ambas as espécies ocorrem simpatricamente (região limítrofe entre São Paulo e Mato Grosso do Sul), por meio de marcadores microssatélites e descritores morfo-agronômicos, tendo-se em vista o interesse pela quase ausência de espinhos em A. totai. Serão também efetuados estudos de desenvolvimento de protocolo de multiplicação in vitro da espécie, com vistas à clonagem e produção de mudas comerciais de genótipos elite. Dois alunos de doutorado estarão envolvidos em diversas etapas da realização do projeto. Pretende-se que esta proposta de trabalho, inédita no Estado, que conjuga tecnologia, infra-estrutura e conhecimento de diferentes áreas, seja ferramenta para introdução do cultivo e inserção econômica dessa importante espécie nativa e perene no país, sobretudo em áreas marginais, degradadas ou de proteção ambiental. (AU)
    Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
    Óleo para o biodiesel
    Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre o auxílio:
    Óleo para o biodiesel

    CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

    R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
    cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP