FAPESP Logo

Cultivo do mapará e do camarão-da-Amazônia em sistemas multiespaciais e multitróficos

Pesquisador responsável:

Sergio Ricardo Batlouni

Beneficiário:

Instituição: Centro de Aquicultura (CAUNESP). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal, SP, Brasil
Empresa: Vale S/A
Município: São Paulo
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Parceria para Inovação Tecnológica - PITE
Processo: 10/51271-6
Vigência: 01 de setembro de 2011 - 31 de agosto de 2015
Bolsa(s) vinculada(s):12/07873-7 - Cultivo do mapará e do camarão-da-amazônia em sistemas multiespaciais e multitróficos, BP.IC
11/18734-5 - Cultivo do mapará e do camarão-da-Amazônia em sistemas multiespaciais e multitróficos, BP.DR
Convênio/Acordo de cooperação com a FAPESP: Vale-FAPEMIG-FAPESPA
Assunto(s):

Peixe mapará

Reprodução animal

Camarão

Sustentabilidade

Manejo da pesca

Resumo
Serão estudados sistemas sustentáveis para a produção de mapará e do camarão-da-amazônia com uma abordagem ecossistêmica, bem como serão desenvolvidos e testados métodos inéditos e inovadores de avaliação da sustentabilidade da aquicultura. Serão investigados processos essenciais para o estabelecimento de biomanipulação e avaliação da sustentabilidade ambiental nos cultivos, como eficiência na incorporação de nutrientes, balanços de massa e energia, emissão de efluentes eutrofizantes e de gases do efeito estufa. Além disso, serão avaliados o uso do capital ambiental, econômico e social em projetos de aquicultura. No subprojeto I serão avaliados a possibilidade de domesticação, o ciclo e o desempenho reprodutivo do mapará mantidos em cativeiro em sistema consorciado com camarões da Amazônia. Para isto, oito tanques de 80m2 (recobertos com estufa) serão povoados com 800 reprodutores do camarão-da-amazônia (10/m2) que ocuparão o fundo e 160 reprodutores de mapará, em uma densidade de estocagem de 1 peixe para cada 4 m2, que ocuparão a coluna d'água. Serão periodicamente registrados os seguintes parâmetros da água: temperatura, transparência, condutividade, pH, oxigênio dissolvido e amônia. O ciclo reprodutivo do mapará será determinado por meio de amostragens bimestrais, onde, quatro fêmeas e quatro machos serão capturados para coleta de sangue, amostras de ovários e testículos, como também para registro dos dados biométricos. Serão considerados o índice gônado-somátrico (IGS), o fator de condição K, características morfométricas das gônadas e os níveis dos esteróides gonadais. O desempenho reprodutivo do mapará será avaliado por indução a desova com extrato bruto de hipófise e GnRH. Os reprodutores de camarão serão avaliados bimestralmente. A cada coleta serão retiradas amostras das populações de camarões (50 animais) dos seis viveiros usados para o estudo do ciclo reprodutivo do mapará. Os animais serão medidos e pesados, diagnosticados quanto ao sexo e morfotipos. As fêmeas serão classificadas quanto à presença de ovos nos pleópodos, quanto ao grau de maturação dos ovários e quanto ao desenvolvimento embrionário dos ovos. Ao final dos 18 meses os viveiros serão esgotados e todos os sobreviventes serão contados e analisados conforme os critérios acima. No subprojetoII será avaliada a biologia reprodutiva do mapará em ambiente natural. Para isto, os animais serão coletados bimensalmente no Rio Tocantins por um período de 24 meses. No momento da coleta, serão medidos os seguintes parâmetros da água: temperatura, transparência, condutividade, pH, oxigênio dissolvido e amônia. Os procedimentos adotados para determinação do ciclo reprodutivo dos animais serão exatamente os mesmos descritos para o sub-projeto I. Ao final das análises os dados obtidos em cativeiro serão confrontados com aqueles obtidos em ambiente natural para avaliação das adaptações fisiológicas da espécie ao cativeiro, e os possíveis reflexos disso em sua performance reprodutiva. No subprojeto III será avaliada a produtividade, o custo de produção e a sustentabilidade em sistemas multiespaciais e multitróficos envolvendo a criação do camarão-da-amazônia e o mapará. Serão utilizados 12 viveiros retangulares de fundo natural, com 0,01 ha e profundidade média de 1 m. O delineamento experimental será totalmente casualizado, com quatro tratamentos (combinação de espécies) e três repetições. Os tratamentos serão a estocagem com 30 camarões/m2, com 30 camarões/m2 + -0,5, maparás/m2 + com 30 camarões/m2 + 1 mapará/m2 e com 1 mapará/m2. Amostras da água dos viveiros, bem como dos efluentes serão coletadas para a determinação das variáveis hidrológicas e limnológicas de interesse para a aquicultura e sustentabilidade. Os gases causadores do efeito estufa serão medidos em todas as unidades experimentais. Após as despescas, serão determinados, para cada tratamento, a produção, o balanço de massa e energia e a resposta morfológica dos animais aos tratamentos. Além disso, serão determinados o custo de produção, a viabilidade econômica e os indicadores de sustentabilidade econômica, social e ambiental. Também serão determinados os balanços de carbono, nitrogênio, fósforo e energia nos sistemas, visando fornecer subsídios para a prática da biomanipulação. (AU)

CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP