FAPESP Logo

Epidemiologia da disfunção sexual em pacientes com lesão medular

Pesquisador responsável:

Cristiano Mendes Gomes

Beneficiário:

Instituição-sede da pesquisa: Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Processo: 10/10919-3
Vigência: 01 de novembro de 2010 - 31 de outubro de 2012
Assunto(s):

Epidemiologia

Depressão

Disfunção erétil

Urologia

Resumo
O traumatismo da coluna vertebral com lesão irreversível da medula é um evento agudo e inesperado, que altera drasticamente a vida do indivíduo acometido, gerando desastrosas conseqüências para o paciente, sua família e para a sociedade. Devido ao desenvolvimento e treinamento de equipes especializadas no atendimento aos pacientes politraumatizados nos principais centros urbanos, as vítimas de TRM têm maior expectativa de sobrevida, inclusive nos casos mais graves. Ainda assim, o prognóstico depende de uma longa fase de reabilitação e as seqüelas podem ser muito variadas. A não ser nos casos com recuperação neurológica completa, que são pouco freqüentes, as deficiências neurológicas advindas do TRM impõem limitações importantes aos seus portadores, com severo impacto negativo em sua qualidade de vida. A disfunção sexual é um dos problemas mais comuns em pacientes vítimas de trauma raquimedular, com sérias implicações psicológicas e de qualidade de vida, especialmente porque a maioria dos pacientes são homens jovens. Maior atenção tem sido dispensada à reabilitação sexual dos pacientes vítimas de trauma raquimedular. A sexualidade é identificada como umas das motivações centrais da vida, e a restauração da função sexual pode ter influência substancial no processo de reabilitação como um todo. Entretanto, pouco se sabe sobre variados aspectos relacionados à vida sexual de pacientes vítimas de trauma raquimedular, incluindo a gravidade do problema, seu impacto na qualidade de vida dos pacientes, o impacto na qualidade de vida da parceira e outros aspectos. Os estudos que avaliaram este tema geralmente o analisaram de forma superficial e/ou focando apenas as habilidades sexuais como ereção peniana, ejaculação e aspectos reprodutivos. O objetivo do estudo é avaliar a vida sexual de pacientes com lesão raquimedular e seu impacto na qualidade de vida (nos aspectos relacionados à função erétil, orgasmo e ejaculação, freqüência e tipo de relações sexuais e impacto da disfunção erétil na qualidade de vida dos pacientes; nas mulheres, as alterações de desejo, excitação, orgasmo, vaginismo e dispareunia) e a associação da disfunção sexual com sintomas depressivos. Serão incluídos pacientes do sexo masculino e feminino, com idade superior a 18 anos, vítimas de trauma raquimedular. Serão provenientes de variados setores do Hospital das Clínicas que prestam assistência aos lesados medulares, incluindo a Divisão de Urologia, a Fisiatria e o Grupo de Coluna do Instituto de Ortopedia e as diferentes unidades do Instituto de Medicina Física e Reabilitação do HCFMUSP (IMREA-HCFMUSP) e do Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo - CRER, de Goiânia (Centro de referência no tratamento de lesados medulares). Apenas pacientes que entendam e aceitem as condições do estudo e assinem o termo de consentimento informado serão incluídos. Pretendemos incluir um total de 400 pacientes. Esta amostra baseia-se na opinião dos especialistas envolvidos no estudo e na estimativa do número de pacientes avaliados nos variados centros participantes. Os questionários serão aplicados em ambiente reservado com duração de 30 minutos. Será utilizado um questionário desenvolvido especificamente para este estudo, que inclui mecanismo de trauma, tempo de evolução, nível da lesão medular, grau da lesão e padrão neurológico/funcional do paciente (uso da escala ASIA-FRANKEL); manejo dos distúrbios urinários (uso de fraldas, sondas e cateteres), continência urinária e histórico de cirurgias prévias; aspectos da atividade sexual: preferência sexual, repertório de relações sexuais, freqüência das relações, qualidade da ereção, duração da ereção na relação, ejaculação, orgasmo e satisfação com a vida sexual (através de escala visual analógica);Uso de medicações para disfunção erétil. Questionário IIEF-5, de Satisfação com a Vida (LiSat-9),Quociente Sexual, MIF (Medida da Independência Funcional) e o de depressão PHQ-9 (Patient Health Quality). (AU)

CDi/FAPESP - Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

R. Pio XI, 1500 - Alto da Lapa - CEP 05468-901 - São Paulo/SP - Brasil
cdi@fapesp.br - Converse com a FAPESP